Revista literatas edição 13

729 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
729
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Revista literatas edição 13

  1. 1. Literatas Não conhecemos o preço da palavra. Envie esta revista a um amigo Literatas agora é no SAPOSai às Terças-feiras literatas.blogs.sapo.mz Encontre-nos no facebook Literatas Revista de Literatura Moçambicana e LusófonaDirector editorial: Eduardo Quive * Maputo * 11 de Outubro de 2011 * Ano 01 * Nº 13 * E-Mail: kuphaluxa@sapo.mzLITERATURA CONTEMPOÂNEA PORTUGUESAOSMELHORESNo Discurso Directo:Escritor moçambicano Marcelo Panguanafala dos mistérios da sua criação literária Pág. 6
  2. 2. 2 BLA BLA BLA Exero 01, 5555 Terça-feira, 11 de Outubro de 2011 https://literatas.blogs.sapo.mz 2Em primEiraMuitas todas Palavras JAPONE ARIJUANE - MAPUTO Carta de leitor sobre o livro “A Cidade Subterrânea” de Élio Mudender como são tratados os assuntos, a Prosa pela descrição -Esses mesmos que você esta pensar. (Riu-se narrativamente rica que a obra nos apresenta, e outros copiosamente). Pag.:37“O meu grande sonho é libertar esta mais a desvendar, aliás, como diz calane da Silva: os géneros literários comparam-se pela mesma imensidão (...) – Que pena! Gente inocente.terra da boca dos predadores... das estrelas no céu numa noite clara, mas não é essa -O colonialismo se já foi. A guerra de miscelânea de géneros que se pretende tratar aqui, Djakama se já foi. Agora estamos sofrer Elevar bem alto o nome de Moçam- mas sim o conteúdo literário, a viagem literária, que Élio muito pior. Assim não vale penas viver. A M. Mudender nos sugere, viagem essa que exige uma vida como está aqui, não vale. Isto aquibique. motivação franca, desprovida de qualquer preconceito não é viver. de censura, tendo em conta que as paisagens desta -É viver... mas é um viver que nem não é nada.... ÉIçar a bandeira e voar além-mar” viagem são sujas de pobreza e embriagadas de má – sofrimento só. Pag.: 40 governação e que o destino é nada mais que a cidade de Quelimane, uma cidade com responsabilidade de A MAnEiRA simplesmente complexa como são colo- capital de uma vasta Zambézia a tamanho semelhante cados os capítulos, seguidos de frase de queixarias, “A cidade Subterrânea”: ÉlioPag.67, in aos seus recursos naturais, nos quais são distribuídos da mais percepção e brilho literário, e uma possível injustamente, aliás, injustamente, não são distribuídos divisão de responsabilidades entre o autor e osM. Mudender estão na posse de uma minoria, que vai fazendo da sua autores citados. “A cidade Subterrânea” inaugura riqueza a pobreza de um povo. uma nova forma de escrever, sem temor, sem pre- MudEndER, EMPREnhA-SE deste facto verídico, que conceito de censura, mais também encontra na obraA cidAdE Subterrânea é, sem dúvida alguma, um inunda este pedaço da pátria amada, pérola do indico, uma autêntica irreverência não só pelo conteúdo:dos maiores livros lançado em Moçambique na para parir, como manifesto de um cidadão sensivel e fragmentos frustrados da moral religiosa, politica eera contemporânea. A irreverência subversiva de cansado de engolir sapos e poeira, a obra que por si social, mas na erupção com as regras gramaticais, ecomo são tratados os factos, fazem desta obra uma só justifica o actual estágio (d)a cidade Subterrânea de no carregamento da oralidade com seus erros paraobra no sentido nobre da criatividade humana, este Quelimane. a escrita, apesar de essa última não ser aqui tomada“Romance” consegue transmitir o sentimento de EStA obRA é e será por muito tempo um epicentro como primordial, mas fazem desta obra, uma subter-revolta no espinho da flor da pele, que certamente da inspiração revolucionária na construção de um rânea obra na essência do belo literário, uma verda-contagia o leitor: a rebelião frustrada, a oportunidade Moçambique, principalmente Zambézia (Quelimane), deira literatura de vanguarda, embrulhada em versosfracassada. Revela-se na construção do enredo, algo que ainda paira nas mentes inconformadas pela esta que não só querem mostrar a estética mais sim oque até certo ponto põe em causa a questão do belo politica do dia, aliás, da noite, já que tudo esta subter- conteúdo, fazendo desta uma arte engajada e simul-literário, mas que vai culminar com objectivo-mor do râneo. como os dizeres do autor ilustram: “construir ou taneamente arte pela arte. É, na verdade, como meautor, denunciar os males e a corrupção da camada destruir não sei dar conselhos nem dizer palavras boni- referi anteriormente um género novo, dirão algunspolítica (Frelimo) que rege as regras no espaço onde tas Muito menos escrever versos de amor Mas sei alertar que são crónicas, mas existe uma história dorsal,a narrativa decorre (Quelimane). aos meus compatriotas que limpem a poeira nos seus que vai tecendo as ideias na construção daquilo que sapatos para não cometerem erros políticos devastado- poderá se chamar, aliás, já foi chamado Romance.(...) A Zambézia já chegou a ser a maior res”. isto mostra-nos claramente que, acima de tudo, a dAdo EStE todo arsenal literário, que pretende com-produtora de copra do mundo. O maior função primordial desta obra é, como espinha dorsal, bater a corrupção, má – governação, inveja, o nar-celeiro de Moçambique. A província mais chamar atenção a consciência humana, principalmente cotráfico, A não – distribuição de recursos naturais,rica do país, para a mais pobre. Os seus a consciência política na governação justa e direita, criminalidade, em suma a soterração das cidadesrecursos mineiros, suas pedras preciosas, onde os discursos “políticos” sejam proporcionais as moçambicanas, estamos perante a um manancial dea sua madeira estão sendo explorados por convivências dos moçambicanos, principalmente os criatividade humana nos momentos mais cruciais,mãos chinesas e outras estrangeiras, enco- mais injustiçados, na opinião de muitos e do autor, os quando são postos em causa os direitos primeirosbertas por um punhado de gente oculta, zambezianos matxuabo (s) da cidade Subterrânea de de um povo. Mudender toma a voz de um todo,mas que são cabeças chaves do partido no Quelimane. faz da sua a voz de todos, a voz que sentiu na pelapoder (...) ....Quem empobrece essa parcela e no coração os dotes desta desgovernação no seudo país? Os próprios zambezianos ou os (...) disse um desconhecido, olhando para cumulo, para dizer nÃo abertamente aos ricos queTubarões da Política? A verdade é uma: mim, em jeito de emprestar conversa. são fabricados por esta pobreza.cada dia que passa, está a fundando como - Não sirvo para queixas. - Respondi-lhe, É coM este manto (Pobreza absolutada) que o autorum Titanic sendo engolido pela fúria dum num tom irónico. se cobre, para denunciar o mal, angústia, a raiva deiceberg (...) pag.:49 e 50 -Estó brincar, patrão – Respondeu pedindo todo um povo. E vai fazendo deste livro o eco de um desculpas. por cento daquilo que se vive realmente na “cidadeRoMAncE coMo o identifica a capa, mas, numa aná- -Não se preocupe, mano. Isto está realmente Subterrânea” de Quelimane, Zambézia e Moçam-lise mais profunda atingir-se-á um verdadeiro festi- podre. bique no geralval de géneros literários, desde a Poesia, com maior -Não sei o que é que esses gajos estão a fazer.enfoque nas falas do autor, a crónica pela ênfase de - Esses quem?
  3. 3. Exero 01, 5555 BLA BLA BLA 3 Terça-feira, 11 de Outubro de 2011 https://literatas.blogs.sapo.mz 3Em primEiraOs melhores poetas portugueses contemporâneos “Poesia Portuguesa Contemporânea” reúne produções de 26 poetas portugueses que se destacaram ao longo do século XX ADELTO GONçALvES* - BRASIL Aqui sonhei. Aqui me masturbei. atrás dele, todos os cães da noite FOTO: JORNAL OPçãO se põem a ladrar. Depois, o primeiroLAnçAdA coM o apoio do instituto camões, do instituto Por- De parede, cão cala-se. Pouco a pouco, os outrostuguês do Livro e das bibliotecas e do Ministério da cultura, o mesmo azul do mapa também se calam, até que o silêncio“Poesia Portuguesa contemporânea” reúne produções de 26 me convida. se instala, como antes de o primeiropoetas portugueses que se destacaram ao longo do século XX. cão ter ladrado. De noite, nãoorganizado pelo professor Vadim Kopyl, diretor do centro Lusó- Mas não fui de “longada” é possível saber por que é que um cão ladra,fono camões da universidade Estatal Pedagógica hertzen, de De lombada em lombada, se o não estamos a ver. Talvez porqueSão Petersburgo, o livro traz esclarecedor prefácio de Fernando Quanta estante corrida! alguém tenha passado por trás de umPinto do Amaral (1960), além de alguns poemas de sua própria muro; talvez por causa de um gato (essasautoria. os poemas foram vertidos para o russo por tradutores QuEM tAMbÉM subverteu a tradicional grandiloquência da sombras que se esgueiram pelas portas).do centro Lusófono camões com participação de helena Gol- poesia lusa foi Manuel Alegre (1936), que se destacou na luta Não é preciso encontrar razões concretasubeva (como tradutora-tutora). estudantil contra o regime forte de António de oliveira Salazar para justificar a noite de todos osnÃo SE pode dizer que esses 26 poetas são os mais representati- (1889-1970) e ainda hoje é voz que se levanta na Assembleia da cães: mas é verdade que um cão, quandovos da poesia portuguesa de hoje, até porque esse tipo de aval- República contras as iniquidades cometidas pelos governantes, ladra, e acorda os outros cães, acordaiação varia bastante e é susceptível de alteração, dependendo o homem “do contra” , que se pode sentir em seu poema “carta a própria noite, os seus fantasmas, o quedo gosto pessoal do avaliador, mas, seja como for, é inegável a Sophia, ou o quinto poema do português errante”: não se pode ver, isto é, o centro daque todos são reconhecidos pelos críticos mais acreditados noite, o negro motor do mundo.e ocupam lugar cativo nos cânones universitários de estudos Querida Sophia: como os índios do seu poemade Literatura Portuguesa em Portugal e no brasil. Muitos deles também eu procurei o país sem mal. EntRE AS vozes femininas mais importantes da poesia portuguesa dosainda estão em franca atividade, com suas obras em progresso, Em dez anos de exílio o imaginei últimos anos está a de Rosa Alice branco (1950), que se iguala ao de Anasob a influência dos acontecimentos deste século XXi. como os índios utópicos também eu queria Maria hatherly (1929), ambas contempladas nesta antologia ao lado deEntRE AQuELES que ainda estavam vivos quando esta antologia um outro Portugal em Portugal. Luísa neto Jorge (1939-1989), Fiama hasse País brandão (1938) e Sophiafoi organizada destacam-se Sophia de Mello breyner Andresen Mas quando regressei eu não o vi de Mello breyner Andresen, todas de gerações anteriores e poetas das(1919-2004) e Eugénio de Andrade (1923-2005), que estrearam como eles me perdi e nunca achei mais finas. como exemplo do vigor de sua poesia, veja-se este trechona década de 1940 e praticaram uma poesia marcada pela o país sem mal. de “Atrás dos dias”, um hino ao amor materno:independência em relação aos grupos que dominaram a cenaliterária até os anos de 1970, ou seja, o neo-realismo, o sur- Talvez a própria vida seja isto (...) Fazes os deveres, ensinorealismo, o experimentalismo e outros movimentos derivados passar montanha e mar sem se dar conta os números a obedecerem-te e a amaresdo Modernismo. de que o único sentido é procurar. as letras umas ao lado das outras, solidáriascoMo FERnAndo Pinto do Amaral observa, os nomes fun- Como os índios do seu poema eu não desisto como uma pequena vírgula para que o silênciodamentais da poesia portuguesa contemporânea são alguns sou um português errante a caminhar receba a tua voz. Voo junto às tuas asas,sobreviventes da década de 1950: Pedro tamen (1934), Fer- em busca do país que não se encontra. lubrifico-as e fico a ver como se suavizamnando Guimarães (1928) e Fernando Echevarria (1929), que têm os traços do teu rosto. Agora vais partir.entre si a preocupação comum de exercitar uma poesia de apelo diZ FERnAndo Pinto do Amaral que, a partir da década de Irei um pouco atrás com a cor da tardemetafórico em meio a versos neo-barrocos. 1970, gestou-se na poesia portuguesa a busca de uma lírica para não ser vista. Por mais que vásSE EM António M. couto Viana (1923) o que se destaca é uma mais próxima do cotidiano, na tentativa de aproximar-se mais estarei de mansinho atrás das asas. Ser mãeconsciência trágica da existência, como diz o prefaciador, em do leitor. dessa geração, o nome mais consagrado talvez seja é ir assim. É assim que vou à fonte.Egito Gonçalves (1920-2001) o que se sobressai é um lirismo o de nuno Júdice (1949), o mais traduzido dos poetas portu-erótico, ao mesmo tempo em que esse lirismo passa para o gueses de hoje. cultor do verso livre, seu estilo aproxima-se em coMo FERnAndo Pinto do Amaral reconhece em seu prefácio, muitoscampo homo-erótico em Eugénio de Andrade. demasia do brasileiro João cabral de Melo neto (1920-1999). nomes representativos da poesia lusa podem ter ficado de fora, mas esteA cRitÉRio deste articulista, porém, nenhum desses nomes, Quem duvida que leia o poema “Sinfonia para uma noite e é um risco implícito de toda antologia. Seja como for, este livro constituiainda que tenham lá todos os méritos, alcança a dimensão de alguns cães” e depois o compare com aquele em que João um panorama lúcido da vitalidade atual da literatura portuguesa.Alexandre o’neil (1924-1986), com seus poemas corrosivos e cabral de Melo neto fala do esforço dos galos para tecerem __________________________________________que se afastam de um certo ranço de boa parte de seus pares. a manhã: *Adelto Gonçalves é doutor em Literatura PortuguesaVeja-se, por exemplo, estes versos de “o quarto”:Aqui dormi. De noite, um cão começa a ladrar; e,
  4. 4. 4 BLA BLA BLA Exero 01, 5555 Terça-feira, 11 de Outubro de 2011 LITERATURA MOçAMBICANA 4Eduardo White: o exímio da poesia moçambicanaEduArdo WHITEEsCrITor moçAmBICANo, Eduardo costley White nasceu em Quelimane (Moçambique), a 21 de novembro de1963.Após umA formação durante três anos no instituto industrial, o escritor exerceu funções diretivas numa empresacomercial, foi membro do conselho de coordenação da revista “charrua” e dirigente da Associação de Escritoresde Moçambique.AprEsENTA CoLABorAção em imprensa lusófona e várias publicações como Amar sobre o Índico (1984), País deMim (1990), Poemas da ciências de Voar e da Engenharia de Ser Ave (1992), dormir com deus e um navio naLíngua (2001), As Falas do Escorpião (2002), entre outros.rECEBEu várIos prémios literários e foi considerado, em 2001, pela Associação de imprensa Moçambicana, aFigura Literária do ano. MANUAL DAS MãOS (excerto)NumA prEoCupAção com as origens, Eduardo White tenta na sua poesia refletir sobre a sua história e sobreMoçambique, numa tentativa de apagar as marcas da guerra e de dignificar a vida humana. Para isso, escreveatravés de um amor diversificado que pode ser pela amada, pela terra ou mesmo pela própria poesia, sempre EDUARDO wHITEnum tom de ternura, de onirismo, de musicalidade e, por vezes, de erotismo.A PALAvRA HÁ vEZES EM QUE NEM É A Eutouro pelosdeamigos Aliás,enfrentarrealidade quando isto não gostava dizem-me os o poder fugir a esta cornos. para tão fulminante. o problema, para agarrar dizem-no sempre EDUARDO wHITE MORTE QUE SE TEME é o que se passa com eles. não tenho dinheiro. Gastei-o a exilar-me em mim mesmo. no álcool, algumas vezes. A pagar rodadas dele aos amigos para EDUARDO wHITE não ficar sozinho. tenho um pavor à solidão. É-me corrosiva eA palavra renova-se no poema. não sei viver com ela.Ganha cor, há vezes em que nem é a morte que se teme, Penso, como consequência, em partir. Para onde? não sei, seganha corpo, o seu sossego de cinza, tivesse dinheiro era para uma ilha. A minha ilha. Moçambique.ganha mensagem. a sua solidão escura, É bela. Antiga. Magistral. mas como se morre.A palavra no poema não é estática, Vejo-a:pois, inteira e nua se assume Quando morrer um pássaro revolve as asas por dentro do verde esbatido dono perfeito, quero fazê-lo sem rumor algum, mar. traça a casa líquida que às estrelas, certamente, o seu piarno perpétuo movimento sem ninguém que me chore vai dar. A história é-lhe longe, são formas entrecortadas, sobreda incógnita que a adoça. ou a quem doa. a espuma amarelecida, dos navios cargueiros que beijam lentos o horizonte e movem silenciosos outras cargas.A palavra madura é espectáculo. E queria a morte uma ave,canta. nocturna ave A ilha suspende-se entre o vento e um negro reluzente cruzaVive. sigilosamente partindo a praia com os olhos lavrando as areias. não sei se reza, masE respira. Para tudo isso para outro tempo. que pensa é mais que evidente. testemunham os brancosbasta cabelos e as mazelas no caqui dos desbotados calções. cheirauma mão inteligente que a trabalhe, Para morrer, fá-lo-ia a marisco a brisa que inalam as narinas dentro desta paisagemlhe dê a dimensão do necessário em total silêncio, e a cânfora, alguma, das memórias que ela desenha.e do sentido severo As redes que sobre o chão encontro estendidas, são cartase lhe amaine sobre o dorso e lúcido. oceânicas que escreve o fundo do mar. do texto salta a pratao animal que nela dorme destemido. dos peixes, o verde amaciado das algas e uma estrela imóvel que explode, por dentro, a terra toda a girar. claro que a areiaA palavra é ave as grava. nessa forma de escrita mais milenar que a gerin-migratória, gonça mágica de Gutemberg. Porque deus descansa aqui, aoé cabo de enxada,é fuzil, é torno de operário, ASSUME O AMOR COMO UM OFÍCIO cair da noite. Silenciosamente medita por entre as lágrimas das tartarugas que junto a ele vêm desovar, ou de um negroa palavra é ferida que sangra, macúa, estirado sobre o desgosto, a chorar um amor que, poré navalha que mata, teimosia, não quer morrer.é sonho que se dissipa, EDUARDO wHITEvisão de vidente. Vão longe, a navegar, os versos da miséria que do Luís de Assume o amor como um ofício camões a história quis esconder. os ducados que nunca teve,A palavra é assim tantas vezes onde tens que te esmerar, nem para voltar nem para morrer, servem outros reinados edia claro engordam a mesa dos que ainda julgam que poeta bom sósinal de paisagem repete-o até à perfeição, miserável pode escrever. Lêem e estudam o que não dizeme por isso é que à palavra se dá, repete-o quantas vezes for preciso os poemas, sábios doutores esses universos etários, e neminteiramente, até dentro dele tudo durar com verdade podem entender, entretanto, o que eles explo-um bom poeta e ter sentido. dem e doem e fazem crescer no coração esquecido dos seuscom os seus sonhos, autores.com os seus fantasmas, deixa nele crescer o sol Por isso a ilha é calma. tonta de tanta quietude e, talvez, será ocom os seus medos até tarde, que querem dizer as faces delicadas das suas negras, as mãose as suas coragens, talhadas dos seus ourives.porque é na palavra que muitas vezes deixa-o ser a asa da imaginação, Assim, o meu velho camões, macúa zarolho só por ter vistoestá, a casa da concórdia, sempre demais, terá, talvez, ali, amado o seu negro, seusperdido ou escondido, humanos adamastores e com eles provado essa fatalidadeo outro homem que no poeta reside. só nunca deixes que sobre incontornável de ser poeta sem ilha na ilha extensa dos que para não ser memória. nela, até hoje, não o sabem ler. Mas era para lá que eu queria partir.FICHA TÉCNICA Propriedade do Movimento Literário Kuphaluxa Sede: Centro Cultural Brasil-Moçambique* AV. 25 de Setembro nº 1728, Maputo, Caixa Postal nº 1167 * Celulares: (+258) 82 27 17 645 e (+258) 84 57 78 117 * Fax: (+258) 21 02 05 84 * E-mail: kuphaluxa@sapo.mzDirector Editorial: Eduardo Quive (eduardoquive@gmail.com)Coordenador: Amosse Mucavele (amosse1987@yahoo.com.br)Editor - Canto da Poesia: Rafael Inguane (inguane.rafael@hotmail.com)Redacção: David Bamo, Nelson Lineu, Mauro Brito, Izidine Jaime, Japone Arijuane.Colaboradores: Maputo: Osório Chembene Júnior * Xai-Xai: Deusa D´África * Tete: Ruth Boane * Nampula: Jessemusse Cacinda * Lichinga: Mukurruza*Brasil:Balneário Camboriú - Pedro Du Bois * Santa Catarina: Samuel da Costa * Nilton Pavin * Marcelo Soriano * Portugal: Victor Eustaquio e Joana Ruas.Design e páginação: Eduardo Quive
  5. 5. Exero 01, 5555 BLA BLA BLA 5Terça-feira, 11 de Outubro de 2011 CRÓNICA / CONTO 5 FiLosoFonias rapsódicas Conversa do Pão e da MARCELO SORIANO - BRASIL m.m.soriano@gmail.com Escrita Nota preliminar: Antes de prosseguir com este artigo, lembro ao leitor que me dirijo AMOSSE MUCAvELE - MAPUTO à CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa), Ao Marcelo Panguana* portanto, podemos encontrar gerúndios, futuros do pretérito, expressões etnocêntricas, familiares a certos leitores,pão – oi, vi aquele homem que certa vez disse que conhecia porém, inusitadas a outros. Oxalá, que esta peculiaridade não sejao local onde foram sepultados os ossos de ngungunhane pretexto para correções, mas para integrações e enriquecimentosa andar como um louco. léxicos e culturais entre nós. Marcelo Soriano. Santa Maria - RS - BR. 14/07/2011.EsCrITA – quando? [v E r - s ó I s]pão – ontem, ao fim da tarde, acreditas, que ele falava Introduçãopara sim mesmo dizendo falta-me algum algo. Numa noite acordei para o dia. E outro dia. Outro dia. Sol a sol, fui tecendoEsCrITA - o que é que fizeste para o ajudar? o manto da vida, enquanto esperava a morte, que não veio...pão - nada, somente fiquei com pena dele,e é por isso 2º [vEr-só]que estou partilhando consigo este pesadelo, que não saida minha cabeça mesmo acordado. uNI vErso-TEEsCrITA – sabes deverias ter lhe arranjado um livro para vErso-Nosele (pro)ler. vErso Nós vErsopão – pareces que não conheces esta nossa cidade? na Nusavenida em que cruzei-me com ele não tem nem sequeruma biblioteca, ou livraria, o que tem de mais são barracas, (CoNTINuA NA próxImA EdIção...)discotecas, e drogarias. Mas amigo, o porquê do livro? ...........................................................................Achas que a leitura poderia ter curado a loucura que o As duAs pErdAs dE TEmpoacompanhava naquela tarde? 1. Tentar entender o que se passa na cabeça de um tolo;EsCrITA – sim lembro-me dele ter me segredado que 2. Tentar saber o que acontece no coração de um sábio.quando encotra-se com os livros e lê, ele sente os seus .....................................................................................pés a pisarem o chão das coisas que o rodeiam, e a sua sEqüêNCIA NIETzsCHEalma a dançar a balada dos deuses, e quando anoitececonvida o amigo à volta da fogueira conversam com idolatrar nietzsche é a primeira reação natural do leitor desavisado. A fase posterior é tentar destruí-lo utilizando como citador pessoal.os seus antepassados e compartilham as estórias dereconciliação. .................................................................... CIgArros ou FANToCHEs?pão – oh, interessante, é por isso que o chamam a voz os cigarros entre os dedos dos meus pais eram fantoches.que fala verdades, a propósito quando o encotrares peça Estavam (viviam) nas mãos deles...– o para me ensinar a tocar xipalapala. Roubando atenções que seriam minhas. Eu não aprecio cigarros! não porque são cancerígenos ou porque intoxicam as salas de_______________________________________________ jogos. Eu não aprecio cigarros porque substituem os beijos,*mArCELo pANguANA - escritor e jornalista moçambicano, enfumaçam os olhares,charrueiro, actualmente é director da Revista Proler – queimam os detalhes de uma vida sutil... - Meu filho! Anda. Joga as cinzas do cinzeiro lá na rua para nós.(Fundo bibliográfico da Lingua Portuguesa), onde assina Eu cresci...uma coluna denominada -Algum Algo.xipalapala nome Eu não fumo e não alimento bonequeiros.da coluna que assinava no Jornal notícias na decada 90. Eu não aprecio fantoches! ....................................................................Publicou-As vozes que Falam de Verdade1987,A balada FrAsE CAIxA ALTA:dos deuses1991,os Fazedores da Alma (1997) -com Jorgede oliveira – entrevistas, Estórias de Reconciliação - com Não É do HumANo CoNTEmpLAr A BELEzA sEmungulani ba Ka cossa, os ossos de ngungunhane (2006) dEsEJá-LA. dAÍ A ArTE, umA FormA dE rEALIzAr,como um Louco ao Fim da tarde (2010),e tem no prêlo o dEsEJos INToCávEIslivro o Pão e a Escrita
  6. 6. 6 BLA BLA BLA Exero 01, 5555 Terça-feira, 11 de Outubro de 2011 https://literatas.blogs.sapo.mz 6- discurso dirEcto“Os escritores, tal como opróprio país, estão a crescer” ALEXANDRE CHAúQUE - JORNAL vERDADE se ganha, a não ser a enquanto se bebe um copo pode manter-se uma boa con- imensa satisfação de versa. Fora isso, a cidade já não oferece nada ou aquilo que escrever sempre para oferece não me interessa. no choupal os vizinhos ainda se deixar os leitores fel- cumprimentam. o ar é fresco. E come-se boa carne. A cidade izes. tornou-se um lugar estranho, onde ninguém se conhece. HoJE TEmos a lit- Já não se fala a minha língua, o ronga. há muitos sotaquesÉ director da revista Proler – que tem como eratura que temos. a cruzarem as ruas. no choupal reencontro um pouco das os escritores, tal minhas raízes. É lá, sobretudo, onde consigo escrever. vocação incentivar o gosto pela leitura - e como o próprio país, estão a crescer, alguns @verdade: Tens obrigações a cumprir como intelectual e no seu percurso conta-se uma passagem cresceram demais e uma delas é observares o andamento do teu país. Como é que o vês sociopoliticamente? deixaram de pertencer apenas ao país. universalizaram- pelo jornal Notícias, onde concebeu e dirigiu se. Levaram a nossa literatura para lugares a que sempre mp: É um país que ainda se busca a si próprio. Às vezes desejamos chegar, porque a nossa escrita, a de ontem o poder comete erros terríveis capazes de incomodar uma página chamada Xipalapala. Publicou e de hoje, não merece ficar infinitamente confinada qualquer um. Ao mesmo tempo acontecem coisas boas no nosso espaço geográfico. nós não escrevemos mal. que nos deixam orgulhosos. Penso que o país podia estar os seguintes livros: As vozes que Falam de Somos apenas demasiado exigentes connosco próprios, melhor se o poder prestasse mais atenção às nossas críticas subestimamos a nossa criatividade, temos a mania de e deixasse de se preocupar com os interesses partidários. há verdade (1987), A Balada dos Deuses (1991), ajoelharmo-nos ao que vem de fora, mesmo que se trate um vasto leque de intelectuais que se considera excluído duma porcaria qualquer. Sinto que nos falta uma crítica no processo de desenvolvimento do país. Julgo que o país Fazedores da Alma (1999, em co-autoria com literária capaz de educar o leitor, de discutir as fórmulas precisa duma oposição forte, credível, que torne o partido criativas do escritor. Falta a agressividade das editoras. o no poder mais atento e responsável, uma oposição que Jorge Oliveira), Os Ossos de Ngungunhana e livro circula apenas em Maputo. Para editar é preciso espe- fortaleça a nossa democracia. rar por um milagre. Apesar de tudo ganhei a possibilidade João Kuimba, Chico Ndaenda e Outros contos. de publicar cinco livros nos últimos vinte anos. @verdade: És director da revista Proler, que tem como vocação - principalmente - incentivar o gosto pela leitura. Mas o que está a acontecer é que é uma publicação que Tem um grande apego pelo bairro onde @verdade: E o que é perdeste nesse tempo? morre constantemente e depois ressuscita... nasceu: o Choupal, afastando-se cada vez mp: pErdI a inocência de pensar que a literatura podia mp: sINTo-mE também como se estivesse sempre a morrer fazer-se apenas de emoções. A literatura, chaúque, faz-se e a ressuscitar. mais da cidade, onde vai pouquíssimas vezes. com muito trabalho, como acontece, aliás, em todas as outras profissões. o processo de escrita não pode compa- @verdade:Mas lembro-me de que dirigiste, durante dois Por esse motivo e pelo facto de estar à frente rar-se, como dizia o ungulani, ao atletismo. na literatura anos, nos princípios da década de ´90, uma página do Notícias a que não existem cronómetros, nem pistas, nem dopping, nem tu deste o nome duma revista importante como a Proler, público a bater palmas enquanto cortamos a meta. na de Xipalapala. literatura corre-se sozinho e muitas vezes nunca se corta Aquilo era um procurámo-lo para uma conversa amena e, no a meta. regalo. Como é que terminou? fim, tudo ficou reproduzido na entrevista que @verdade: Algumas pessoas que te conhecem dizem mp: o Xipalapala que, em termos de performance literária, não deves foi uma das pági- nada a um Ngugi wa Tiongo, Eza Boto, Dambuzu se segue, onde, entre outras coisas nos diz: “A Marechera, wanhenga Xitu.... concordas com eles? nas culturais mais interventivas que cidade deixou de me seduzir”.Por outro lado, mp: CLAro que não. São escritores que pertencem a países já tivemos. uma onde o tratamento que se dispensa à cultura, e particu- vez por semana Marcelo Panguana, nesta entrevista, fala da larmente à literatura, é diferente. Provavelmente com dialogávamos de elites mais receptivas à arte e por isso eles tiveram a pos- forma criativa com todo o país. trouxemos a fotografia, o sua observação sobre os escritores, editoras e sibilidade de explodir. não me comparo a esses senhores. cinema e outras expressões, inovámos o lay-out. durante Mesmo em Moçambique não passo de um escritor da dois anos demos uma enorme contribuição à cultura. tudo a Literatura Moçambicana no geral. periferia. começou com um convite do Albino Magaia, o Faduco abriu-me depois todas as portas. o Xipalapala morreu de @verdade: Nas várias cavaqueiras tenho ouvido alguns morte natural. Em seu lugar nasceu um suplemento cultural@verdade: Sempre foste uma espécie de vagabundo, no escritores afirmarem que, mais tarde ou mais cedo, que tenta seguir a sua linha.sentido de que, em termos profissionais, nunca con- acabarão ganhando um prémio. Tu também escreves aseguiste ficar no mesmo lugar durante muito tempo. pensar nos prémios?Pareces alguém que procura, sem pressas, a sombra @verdade: Na área musical como é que vês o compasso doprometida pelos espíritos... mp: quE prémios? São tão escassos e os valores em jogo nosso país? muitas vezes são ridículos. Seja como for, os prémios são mp: Já se falou tanto de música e talvez se tenha dito quasemArCELo pANguANA: Vagabundo eu? o que se passa é que sempre bem-vindos. Mais algum dinheiro no bolso não faz tudo. Eu continuo preso aos mesmos gostos, continuo anos nossos tempos torna-se uma espécie de pecado estar mal a ninguém. Quando ganhei o prémio FundAc houve escutar João cabaço, baptista Panguana, a Mingas, o Arãono mesmo lugar. na vida, como na própria arte, é preciso quem se tivesse insurgido pelo facto de ter concorrido a Litsuri, José bata, o neto, a viver em Portugal, e muita músicaestar sempre em permanente movimento, experimentar esse prémio, mas depois as mesmas pessoas pediram-me tradicional. Gosto também da Ancha. Recuso-me a entrarnovas coisas, conhecer outras pessoas, enfrentar novos dinheiro emprestado para pagarem as suas dívidas. não nesse debate sobre a velha e a nova geração, é um debatedesafios. Se calhar sou vagabundo, mas no sentido em que achas isso ridículo? os prémios representam a expressão falso, instigado em nome de outros interesses. A arte nãome recuso a ser um conservador para tentar ser um homem do reconhecimento de um determinado júri, em princípio tem idade, ou és bom ou és uma merda.do meu tempo. idóneo e competente. Quem sou eu para recusar esse reconhecimento? @verdade: O que é que estás ler?@verdade: Tens um percurso literário que se vai tornarmais conhecido a partir de 1987, quando publicas o teu @verdade: E o que é que fizeste com o dinheiro que mp: EsTou a reler “Memórias”, um livro de Raul honwana queprimeiro livro. Isto é, estás a publicar há cerca de vinte ganhaste?anos. O que é que ganhaste como resultado disso? foi publicado pela primeira vez em 1985. É uma obra muito mp: ComprEI um carro. Passei um mês a alimentar-me interessante sob o ponto de vista histórico. E também “cartamp: gANHEI a possibilidade de falar em voz alta, de dizer como um príncipe. conheci lugares maravilhosos. bebi a um refém”, um pequeno grande livro do escritor francêspublicamente aquilo que penso. E também com certa facili- bons vinhos. Fiz de conta que vivia bem. Antoine de Saint-Exupery, que escreveu como experiênciadade de abrir as portas que dantes permaneceram sempre da passagem por Portugal a caminho dos Estados unidos.fechadas. Aprendi a conhecer o meu país e a amá-lo. desco- @verdade: Fernando Manuel já dizia que tens uma E leio todos os jornais e revistas que me caem nas mãos.bri que somos um país com uma cultura extraordinária e grande obsessão pelo “teu” bairro, o Choupal, que quase no fundo leio pouco. À medida que o tempo vai passando não sais de lá. vens poucas vezes à cidade. Porquê?principalmente com uma literatura que corre o agradável vou-me tornando um leitor preguiçoso. A cidade deixourisco de se tornar, mais tempo menos tempo, numa das mp: A cidade deixou de me seduzir. Já não me reconheço de me seduzirliteraturas pujantes deste lado de África. Ganhei a maturi- nela. A única coisa boa que vale a pena são as mulheresdade que permitiu aperceber-me de que na literatura nada bonitas e algumas tascas que servem boa comida e
  7. 7. Exero 01, 5555 BLA BLA BLA 7Terça-feira, 11 de Outubro de 2011 https://literatas.blogs.sapo.mz 7GrandE rEportGEmNobel da Literatura para osueco Tomas Tranströmero poETA sueco tomas tranströmer é o Prémio nobel daLiteratura de 2011, sucedendo ao peruano Mario Vargas sivas”, completa a academia sobre o poeta, psicólogo de era candidato ao nobel. há 40 anos que um autor sueco nãoLlosa. tranströmer, cuja obra foi traduzida para quase 50 formação. recebia este prémio. o poeta e tradutor Vasco Graça Mouraidiomas, sofreu em 1990 um acidente vascular cerebral, que disse que a poesia do autor sueco “tem uma grande forçao deixou parcialmente hemiplégico e afásico. dE ACordo com o secretário, tranströmer estava indicado lírica e preocupação social” e considerou-o “um Prémio nobel desde 1973. há 40 anos a Suécia não vencia o nobel de muito merecido”.ALÉm dE passar a integrar o rol de vencedores do prémio, ele Literatura.recebe medalha, diploma e o prémio no valor monetário de “ELE É muito importante e é o maior poeta sueco vivo”, afirmou.dez milhões de coroas suecas, cerca de 1,1 milhão de euros. TomAs TrANsTrömEr, 80 anos, psicólogo de formação, Sobre a obra de tranströmer, o escritor português sublinhouA cerimónia de entrega dos prémios nobel 2011 realiza-se sofreu um AVc em 1990. Por isso perdeu as faculdades “a grande força de utilização das imagens, com uma faceta umno próximo dia 10 de dezembro, na capital sueca. motoras e não consegue falar. Peter Englund disse à tele- pouco surrealista”. Vasco Graça Moura traduziu vários poemasTomAs TrANsTrömEr escreve sobre a morte, a história, a visão sueca que falou com o laureado e ele mostrou-se de tranströmer entre eles um sobre Lisboa, “Alfama”, que sememória e é conhecido pelas suas metáforas. É um poeta surpreendido pelo prémio. “Ele estava a escutar música”, encontra na obra “21 poetas suecos”.que tem uma produção pequena, “não é prolixo”, disse no acrescentou o secretário da Academia. o Prémio nobelfinal do anúncio o secretário da Academia, o historiador da Literatura 2011 vive numa ilha e depois de ter ficado No ANo passado, a distinção foi atribuída ao escritor peruanoPeter Englund, embora esteja traduzido em várias línguas. doente publicou três obras. desde 1973 que tomas tran- Mario Vargas Llosa, autor de “conversa n’A catedral” e de“A maior parte da obra poética de tranströmer está caracter- strömer, que é o poeta sueco mais traduzido no mundo e “Guerra do Fim do Mundo”.izada pela economia, de concreção e de metáforas expres- recebeu o Prémio Literário do conselho nórdico em 1990, vIdA E obra TomAs TrANsTrömEr nasceu em Estocolmo, em 1931. Filho de um jornalista que se divorciou da mãe, professora, quando ainda era pequeno. Por ter vivido com a mãe, teve muito pouco contacto com o pai. NA suA infância, passou muitos verões na ilha de Runmarö, o que veio a inspirar directamente a matriz dos seus poemas. os interesses de tomas tranströmer passaram pela pintura e pela música, mas também pela arqueologia e ciências naturais em geral. o galardoado começou cedo a escrever, tinha 13 anos e andava na escola de latim Södra. Foi influenciado pelas leituras de poesia, género que começou a apreciar. o primeiro livro foi publicado quando tinha 23 anos (“17 dikter” - “17 Poemas”, 1954). os seus poemas são construídos a partir da sua própria experiência, das percepções psicológicas e interpretações metafísicas do seu mundo. Em 1997, a cidade operária de Vaesteraas, onde viveu 30 anos, antes de regres- sar a Estocolmo nos anos 1990, criou o Prémio tranströemer. Vive actualmente numa ilha e continua a escrever, tendo desde então publicado três obras. Ao todo tem cerca de 15 obras numa longa carreira dedicada à escrita e venceu numer- osos prémios literários, como o Prémio Literário do conselho nórdico, em 1990. A primeira obra que publicou após o AVc, seis anos depois, é um livro de poemas intitulado “A Gôndola Mágoa”.
  8. 8. 8 BLA BLA BLA Exero 01, 5555Terça-feira, 11 de Outubro de 2011 https://literatas.blogs.sapo.mz 8no rEcanto dE apoLo... Inversos O Bebé que nasceu PEDRO DU BOIS - BRASIL do Abordo na razão inversa das distâncias permaneço em guarda: todo ataque antecede a hora da vingança traçadas fronteiras inviabilizam o encontro: a bandeira se situa na vista cansada do inalcançável HUMBERTO JOãO - LICHINGA olhar entre crianças Estava assim, secretamente, decido: a Mandoessa, só e somente anicharia um feto no seu ventrecaso a sua mãe desejasse. tinha sido essa forma ― a de adiamento de gravidezes das suas filhas com estar do outro lado carregandorecurso a plantas medicinais e com incomensurável auxílio da sua nyanga ― encontrada pela Mazalari, as flores secas da humildadea progenitora da Mandoessa. A Mazalari é que era a responsável pela engravidamento da sua própria e se saber ávido contatofilha. Pouco valia, portanto, o período fértil da filha e a potencialidade do homem que se enroscaria nas repelido ao corpo: a transformaçãomais profundas entranhas da sua filhinha. da hora em desespero coincidente Afinal de contas, tinha sido esta a pretensão da Mazalari aquando da vacinação tradicional da suadescendente: evitar uma gravidez indesejada e, consequentemente, um parto igualmente indesejado. ao poder e a glória da efemeridade.Pois, de acordo com os costumes locais, uma mulher que já se tinha engravidado alheiamente reuniacondição para não vencer um posterior casamento. Assim se pensava, assim se cumpria quase por todoregulado. Mas a Mandoessa estava distante de se precaver desse perigo. Ela se considerava imune, protegidapelas mais pesadas raízes contra gravidezes na região. dizia que a sua mãe foi muito atenciosa nomomento que ela ameninava. Lhe tinha dado banho com água purificada com mitchi duma respeitada,secreta e inominável planta do regulado. Até ela se gabava, garbosa: IZIDINE JAIME ― Eu posso fazer sexo de um a trinta de cada mês sem preservativo e nunca esses homens me con- na imensidao de uma brisaseguirão engravidar! corre o beijo mais doce da lembrança na verdade, essa confiança em demasia na vacina a si aplicada aquando da sua meninice fez com a um abraço distante se alçaMandoessa se entregasse de modo descuidado nos braços de qualquer homem, disposto a desfrutar suave na voz da saudadeo seu belo e vulgarizado corpo em acesas e apetitosas relações sexuais. talvez foi por essa via que elacontraiu vírus de hiV, diagnosticado mais tarde. cores do amanhecer se dissolvem todavia, uma dose de entristecimento dedicara uma visitação à vida da Mandoessa por dilatado Sorrisos choram nos lábiostempo. tinha morrido a Mazalari, mãe da Mandoessa, sem conceder aos companheiros da vida um aviso o embalo que o coração senteprévio. no entanto, não era simplesmente a morte da velha Mazalari que fazia a Mandoessa acomodar Quando no amor se nasceentristecimentos. Era igualmente o facto da já perecida mãe possuir a chave que abria o seu ventre a na saudade se morreanichar novos seres. Sim, tinha morrido a controladora do seu ventre. de resto, a partir dessa altura continuou a se entregar aos homens de modo banal, e desprovida de A paisagem sublime no horizonteesperança de um dia seu corpo constituir o berço de qualquer criatura, visto que, não conseguiria des- São águas que nos lavam a almaactivar a vacina que lhe havia sido aplicada. Mas para o espanto de muitos, a Mandoessa ficou grávida os olhos se entregamde três meses logo após a morte da mãe. E nasceram mais inesperadas conclusões das pessoas que corações se beijamassistiam o sucedido. uma delas, chegava a dizer: E em cada sorriso há um ente: ― A mãe tinha pedido à nyanga que a sua filha devia engravidar logo após ao seu físico desapareci- - A felicidade de amarmento. ora, o aparecimento a gravidez no interior da Mandoessa, trouxe dois sentimentos opostos, o de um sorriso lava o espiritosatisfação e de insatisfação. Estava satisfeita porque desvendou fertilidade das suas interioridades. E no tranquilo silêncio dos lábiosficou, igualmente, insatisfeita porque a gravidez apareceu sem que ela soubesse o co-autor do feto que há mais razões de viverjazia no seu ventre. isto porque ela admitia para o coito sexos opostos de modo descontrolado, numa Sentir o mundo que há dentro nósautêntica promiscuidade sexual. Agarrar o céu Foi mais forte, todavia, o segundo sentimento, o de insatisfação. A Mandoessa, portanto, entendeu que descançar a voz e falar com o coração.o bebé que ela inconscientemente admitira não mais devia continuar protegido no seu ventre. Então,decidiu preparar uma porção de muquina, fármaco que na região acreditavam expulsar precocemente Inspiraçãoos fetos de todos ventres. de facto, no dia ulterior, a Mandoessa se estendeu no escasso espaço do quarto de banho. depois,engoliu a porção do fármaco tradicionalmente preparado para facilitar abortos. Esperou, de seguida,que o seu ventre reagisse ante a acção desta muquina. com efeito, em rápidos minutos o bebé estavasaindo ― ela esperava que fosse morto. Mas o bebé não saiu completamente. Ficaram encravadas lá no OCTÁvIO DINALA - LICHINGAseu interior os fragmentos inferiores do petiz, nomeadamente as pernas. E foi o próprio bebé que deu Ficou para atrás tudo que me meçaconta deste erro à fracassada infanticida, chorado de modo ininterrupto. os choros, de facto assustaram a Mandoessa, pois não esperava a vida desta criança. A criança ou o Ficou para atrás o tempo de uma infânciafeto devia nascer morto, pronto para arremessado na latrina próxima. Ficou aflita. o problema prescin-dia as suas capacidades. teve que solicitar uma enfermeira que de instantâneo veio segurar a vida da Ficou para atrás os lugares e mistérioscriança. E nascia assim a diolinda, de forma não programada. Ademais, constatou que gravidez que aMandoessa carregava era já de sete meses, razão pela qual bebé estava relativamente feito, acabando Ficou para atrás tudopor completar os restantes meses no berçário. o tempo encarnou-se no meu suspiro carregou os meus amuletos _______________________________ deixou mágoas do passado dany Wambire (pseudónimo de danito Gimo da Graça Avelino). nasceu em 1 de Junho de1989, no distrito de Manica, província de Manica (os seus pais são todos da província de Sofala). tornou- neste quarto deixo-me flutuarse órfão bastante cedo, de pai aos 10 anos, e de mãe aos 12 anos. desde então cresceu sob custódia dasua tia (cristina oliveira Garanhe Massora, irmã mais velha da sua mãe). Em 2008 tornou-se professor no deixo tudo ate o meu respirardistrito de Machanga, sul da província de Sofala, depois de formado pelo instituto nacional de Educaçãode Adultos – beira (2006-2007). E foi lá onde começou a escrever, como forma de divertimento e para deixo que a poesia me julgueamparar-se dos vícios. Portanto, escreveu lá o seu primeiro livro (inédito), intitulado sugestivamente deixo que as palavras me embriaguem“Peripécias do Regulado de Esteve”, que tem alguns textos publicados pelo jornal o País e o País online,desde Março de 2011. deixo o silêncio me revelar Actualmente sou professor numa escola primária completa, algures na cidade da beira, e estudante deixo tudo que esteja vivono 2º ano do curso de história, na uP-beira. deixo a alma corpo deixo-me morto Recolha por: MuKuRRuZA
  9. 9. Exero 01, 5555 BLA BLA BLA 9Terça-feira, 11 de Outubro de 2011 https://literatas.blogs.sapo.mz 9outras marGEns PALESTINA Acontecendo A estradaSILAS CORREIA LEITE – SãO PAULO MAURO BRITO - MAPUTO FÁTIMA PORTO - LUANDA a estrada que passa por mim e um sonho nos velhos mapas do mundo, entre manuscritos e relíquias Entre sextantes e mapas de tesouro Fixas meus olhos abstracto, fiavel A Palestina está lá Em desejo um grande espaço geográfico no papel Pedindo calado todo sonho e um carrossel uma terra, um povo, e uma sentença um beijo terra árabe de um tempo, um lugar. uma sagrada historicidade milenar Suave, ansiado desviado de tudo no toque dos lábios hoje as mães palestinas choram os filhos mortos todos nos sentamos de uma terra que há no historial Em silêncio Mas querem anular o que há corpos se colam debaixo do pedestal E a terra chora em sangue e lágrimas Em odores que se misturam Pois querem matar a Palestina Rogando mais estupido sonhar alto e cada um menino de si Que ainda está no coração, na alma de seu aguerrido povo que luta desnudam-se publicado em nenhum livro não é só uma bandeira ou um hino que funda um povo Sentimentos É alma historial desse povo, a Palestina nas mãos que deslizam porque a macacaquice de nao nos Que grita em todos nós caminhos ocultos sentarmos a mesa um espaço que seja pátria e seja livre de peles nuas Sem diásporas, sem fronteiras, sem medo so perca de tempo Porque a Palestina está no mundo desejo com a historia sendo remorso. E o espírito da Palestina grita em nós! de um momento a dois ver a famosa novela das 21 -0- transformado num corpo só. e a nos um vicio maquiavelico Músculo a poesia seguinte ABREU PAXE-LUANDAAmor Marítimo na sala branca constelação aquém o amor jasmim A beleza e a formosura das portas esse galho sábado da rocha os alicerces da canela secam teu gosto foram-seLurdes breda - Portugal silêncio a mesa gráfica o semba vai a bordo nestes dias seu lugar o aniversário couple noir NELSON LINEU - MAPUTO Há, na minha boca, alguma vidraça na gargalhada sem palavras nos acessos os degraus nascem ao meio-dia dum domingo Ela era bonita O canto d’um rio: com leis da sintaxe no norte dos anos como as outras teve o mesmo fim. a face dum corpo fecha as janelas Palavras d’água doce, contra as horas invisível passeio pelo passeio Pretendida até pelo chão partirá longe o pêlo sílaba dum deserto quando repouso casou-se. Com peixes a navegarem, jamais como se o casamento fosse o fim as ruas do exílio a beleza e a formosura foram-se. Fogem-me por entre os lábios. transformam o século sem músculo em poesia seguinte A magreza dela é para a deselegância as roupas até aos dedos já não são apenas para o marido O meu corpo líquido apreciar exclusivamente também para tapar as cicatrizes. Veste-se de limos e sargaços. Pele de areia branca. Seixos. Seios. Neste jardim A curva do rio FERNANDA DIAS - MACAU Contorna as minhas coxas: Poeta niilista orquídeas e rouxinóis Margens verdes não são rimas para poema exótico À margem de mim... aqui o pássaro rouxinol em canto e penas está ali nos ramos da champaca EZEQUIEL SIMANGO - TETE uma árvore a cada primavera mutilada A vida fingi em mim Alma. Calma... pelo fatal perfume dos botões uma penumbra teórica devaneio sombrio do destino Espuma etérea e as orquídeas aos cachos são banais Existo em nada Em busca de mar. carne vegetal suspensa feita cor Meu estado é sem desígnio ensaiando funesta sedução Rebolando num vácuo rijo Amar. Mar. Amar. da mariposa macho que por ela Morro cada dia ignora a fêmea. Aqui, perfume, cor Renasço e retorno Ao vazio existencial tudo concorre simultâneo e certeiro para o êxtase perdulário deste maio. FontE:canto da PoesiaEspaço para divulgação de poetas dos países LuSÓFonoS. Envie os seus textos para: kuphaluxa@sapo.mz
  10. 10. 10 BLA BLA BLA Exero 01, 5555 Terça-feira, 11 de Outubro de 2011 https://literatas.blogs.sapo.mz 10 Noites d ´Álma Em outras paLavras https://noitesdalma.blogspot.com VII Prêmio Literário Valdeck Almeida de Jesus – CRÔNICAS EdIção Em HomENAgEm A EsCrITorEs BAIANosFalácias duma mulher sofrida 1 - o Prêmio Literário Valdeck Almeida de Jesus visa estimular novas produções literárias e é dirigido a candidatos de qualquer nacionalidade, residentes no brasil ou no exterior, desde que seus trabalhos sejam escritos em língua portuguesa. 2 – As inscrições acontecem de 01 de janeiro a até 30 de novembro, através do e-mail valdeck2007@ XIGUIANA DA LUZ gmail.com (cRÔnicAS de até 20 linhas, minibiografia de até cinco, endereço completo, com cEP e fone de contato, com ddd). os textos devem vir dEntRo do corpo do e-mail. inscrições incompletas serão desclassificadas. Vale a data de postagem no e-mail. não serão aceitas inscrições pelos correios. 3 - A crônica deve ser inédita, versando sobre qualquer tema (exceto apologia ao uso de drogas,Quando ouvirdes que morri, não conteúdo racista, preconceituoso, propaganda política ou intolerância religiosa ou de culto). terão preferências os textos sobre escritores baianos da contemporaneidade. Entende-se como escritores contemporâneos aqueles cuja obra ainda não foi lançada por grandes editoras e que não são con-choreis de angústia hecidos do grande público. cada autor responderá perante a lei por plágio, cópia indevida ou outro crime relacionado ao direito autoral. A inscrição implica concordância com o regulamento e cessão dos direitos autorais apenas para a primeira edição do livro.Livrai as vossas almas de todos remorsos, 4 - uma equipe de escritores faz a seleção de apenas um texto por autor. A premiação é a publica- ção do texto selecionado em livro, em até seis meses do encerramento das inscrições. os escritoreslacrimejeis de felicidade cordial selecionados devem criar um blog gratuito, após a divulgação do resultado do concurso, para dar visibilidade ao trabalho de todos os participantes. os casos omissos serão decididos soberanamente pela equipe promotora.Porque a minha morte, será a vitória 5 - o autor que desejar adquirir exemplares do livro deverá fazê-lo diretamente com a editora ou com o organizador do prêmio. os primeiros dez classificados receberão um exemplar gratuitamente.retumbante sob a vida. os demais podem receber, a critério da organização do evento e da disponibilidade de recursos financeiros.E se ainda me quiserdes ter por perto, modELo dE FICHA dE INsCrIção: Paulo Pereira dos Santosvinde comigo. Não estareis perdido, Rua Santo André, 40 – Edf. Pedra – Apt. 201 35985-999 – Portão belo horizonte-MGjuntos, desvendaremos o mistério e… (31) 3366-9988, 8877-8999 modELo dE mINIBIogrAFIA:quem sabe, Paulo Pereira dos Santos é natural de Santana-Pb. Escritor, poeta e jornalista, tem dois livros publicados: “Antes de tudo” e “Até amanhã”. Paticipa de cinco antologias de poesias. Graduado emEncontramos Deus no banho para comunicação social. Menção honrosa em diversos concursos de poesia, tem dois livros no prelo e pretende lançá-los em 2012.descobrir o seu verdadeiro sexo e ques- proJETo puBLICAdo No sITE do pNLL do mINIsTÉrIo dA CuLTurAtioná-lo o porquê da superioridade mAIs INFormAçÕEs: Valdeck Almeida de Jesusdos homens sob as mulheres. tel: (71) 8805-4708 E-mail: valdeck2007@gmail.com Site do organizador: www.galinhapulando.com Discurso de - Destina Nlhomulo, mãe da NOTA: NESTE CONCURSO PODEM TAMBÉM PARTICIPAR PESSOAS DE OUTROS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA, INCLUINDO MOçAMBIQUE, SENDO QUE NA Kotile IMPOSSÍBILIDADE DESTES EM FALAR DE ESCRITORES BAIANOS, PODEM FALAR DOS CONTEMPORÂNIOS DOS SEUS PAÍSES.
  11. 11. Exero 01, 5555 BLA BLA BLA 11Terça-feira, 11 de Outubro de 2011 https://literatas.blogs.sapo.mz 11aGEndado Convocatória Projecto Poesia nas Acácias IIª Assembleia Geral Ordinária CONVITE Terá lugar no próximo dia 15 de Outubro (sábado), pelas 10:00 horas, a IIª Assembleia-geral Ordinária do Movimento Literário no âmbito das celebrações do dia da cidade de Maputo e de mais Kuphaluxa, a realizar-se na nossa sede, Centro Cultural Brasil –um aniversário do Movimento Literário Kuphaluxa, será realizadoentre os dias 10 e 12 de novembro do ano em curso, uma exposição Moçambique (CCBM) em Maputo.de poesia denominada “Poesia nas Acácias” a ter lugar na cidade deMaputo.oBJECTIvo Agenda constitui principal objectivo desta iniciativa, divulgar novos autoresmoçambicanos, promover o gosto pela leitura e levar a poesia alugares comuns onde o povo possa ter acesso a ela sem custos. 1. Situação geral do movimento;rEquIsITos 2. Regulamento interno do movimento; cada participante pode enviar no máximo três poemas (só umserá seleccionado para exposição) da sua autoria que obedeçam osseguintes requisitos: 3. Código de conduta interno; • • Poemas ocupando no máximo de uma página do word Poemas escritos na língua portuguesa 4. Directivas da revista Literatas;pArTICIpAção 5. Elaboração do plano de actividades e aprovação de todos os participantes o farão voluntariamente, sem direito a nen-huma remuneração. neste projecto, só poderão participar apenas projectos para 2012;poetas iniciantes, sem nenhum livro publicado e não há restrição deidade nem nível académico. 7. Eleições gerais; Para a participação neste projecto são convidados todos escritoresiniciantes de todas cidades do País. 8. Diversos.dIrEITos AuTorAIs A presença pontual de todos é crucial. A partir da altura em que os poemas são expostos, passam a ser dedomínio público, sendo que, o entanto, o poema será exposto coma assinatura do autor. “Dizer, fazer e sentir a literatura”ENdErEço do ENvIo dos TExTos os poemas devem ser escritos no formato Word-2003, letra do http://kuphaluxa.blogspot.comtipo – times new Roman, tamanho 12 e enviados electronicamentepara o endereço: kuphaluxa@sapo.mzvALIdAdE Maputo, 28 de Setembro de 2011 os poemas devem ser enviados a partir da data da divulgação desteconvite até ao dia 23 de outubro de 2011. os textos enviados depoisdessa data não merecerão a nossa atenção. os seleccionados, serão anunciados no blogue do MovimentoLiterário Kuphaluxa no endereço: http://kuphaluxa.blogspot.com eda revista Literatas: http://literatas.blogs.sapo.mz e ainda na versãoelectrónica da mesma até ao dia 01 de novembro de 2011.CAsos omIssos não serão aceites poemas que contenham seguintes conteúdose ambiguidades: • Ofensivas político-partidárias • Insultos ou outras expressões capazes de ferir as boas manei-ras de convívio social • Descriminações raciais, religiosas, étnica, género entre outrasrECurso As deliberações da comissão organizadora deste evento não terãodireito a recurso. A Comissão Organizadora

×