Literatas                       Não conhecemos o preço da palavra. Envie esta revista a um amigo                          ...
2    BLA BLA BLA   Exero 01, 5555    Terça-feira, 27 de Setembro de 2011                                       https://lit...
Exero 01, 5555   BLA BLA BLA       3 Terça-feira, 27 de Setembro de 2011                                            https:...
4    BLA BLA BLA    Exero 01, 5555    Terça-feira, 27 de Setembro de 2011                                                 ...
Exero 01, 5555   BLA BLA BLA   5Terça-feira, 27 de Setembro de 2011                                                       ...
6    BLA BLA BLA   Exero 01, 5555    Terça-feira, 27 de Setembro de 2011                                            https:...
Exero 01, 5555   BLA BLA BLA       7Terça-feira, 27 de Setembro de 2011             https://literatas.blogs.sapo.mz       ...
8   BLA BLA BLA    Exero 01, 5555Terça-feira, 27 de Setembro de 2011                                                 https...
Exero 01, 5555    BLA BLA BLA       9Terça-feira, 27 de Setembro de 2011                                            https:...
10   BLA BLA BLA   Exero 01, 5555 Terça-feira, 27 de Setembro de 2011                                              https:/...
Revista literatas   edição 11
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Revista literatas edição 11

1.633 visualizações

Publicada em

Publicada em: Diversão e humor
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.633
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
13
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Revista literatas edição 11

  1. 1. Literatas Não conhecemos o preço da palavra. Envie esta revista a um amigo Literatas agora é no SAPOSai às Terças-feiras literatas.blogs.sapo.mz Encontre-nos no facebook Literatas Revista de Literatura Moçambicana e LusófonaDirector editorial: Eduardo Quive * Maputo * 27 de Setembro de 2011 * Ano 01 * Nº 11 * E-Mail: kuphaluxa@sapo.mzPaixãoPelaescritaRelançando Noémia de Sousa “Sangue Negro” Pág. 2
  2. 2. 2 BLA BLA BLA Exero 01, 5555 Terça-feira, 27 de Setembro de 2011 https://literatas.blogs.sapo.mz 2Em primEira“Sangue Negro” Ilustre obra da autora moçambicana Noémia de Sousa O PAíS - MAPuTO um homem de ontem mas não me neguem um lugar de repouso nos céus do vosso Hoje” meio de modificar as estruturas sociais que assolam a terraNa data em que a poetisa completaria 85 anos, 20 de moçambicana.Setembro de 2011, a Marimbique reeditou “Sangue Negro” Biografiade Noémia de Sousa e proporciona-nos uma leve camin- sempre, e desde muito cedo, pretendeu que o seu povohada pelos corredores do tempo, ou melhor, da história, avançasse uno, em colectivo, em direcção a um futuro queda revolta e da emoção. alterasse os eixos em que se fundamentava a atitude do homem, mas sem nunca fazer a apologia da desumaniza-“NoSSa voz ergue-se consciente e bárbara/ Sobre o branco ção. afirma-se, acima de tudo, africana e aposta fortementeegoísmo dos homens/ Sobre a indiferença assassina de na divulgação dos valores culturais moçambicanos.todos”. Noémia de Sousa não poderia ter um interessante NoémiA de Sousapoema para dedicar a José Craveirinha, seu velho compan- escritorA moçAmBicANA, Carolina Noémia abranches de As propostAs essenciais da sua expressão literária vão doheiro dos piqueniques que traçavam as linhas nacionalistas Sousa Soares nasceu a 20 de Setembro de 1926, em lou- desencanto quotidiano, de uma certa amargura, de umana última metade da década de 1950. renço Marques (hoje Maputo), Moçambique. o seu trabalho certa raiva, até ao grito dorido, até ao orgulho racial, até ao poético continua por publicar em livro. Poetiza que, numa protesto altivo que contém a pulsão danada contra cinco espécie de postura predestinada, desembaraçando-se das séculos de humilhação. O poema “Nossa Voz”, que abre o livro “Sangue Negro”, lançadoontem em Maputo, na sua segunda edição – desta vez pela Marimbique – prepara-nos para um regresso à história, mas sem abandonar as fundamentais normas tradicionais europeias, de 1949 a 1952 escreve e humanas bases de actualidade dezenas de poemas, estando muitos deles dispersos pela a grande base do texto de Noémia de Sousa está centrada imprensa moçambicana e estrangeira. na eterna dicotomia “nós/outros” - “nós”, os perfeitamente que sempre compuseram Noémia africanos; os “outros”, as gentes estranhas, os que chegaram com ApeNAs 22 anos de idade, surge na senda literária a África, os colonizadores. assim, estes são, sem dúvida, de Sousa. Nelson Saúte, que assina moçambicana num impulso encantatório, gritando o seu os dois grandes temas da poesia de Noémia de Sousa: se verbo impetuoso, objectivo e generoso, vincado (bem fundo) por um lado temos a contínua denúncia da total incom- o prefácio do livro, nunca escondeu na alma do seu povo, da sua cultura, da sua consciência preensão por parte do colonizador, que apenas capta a social, revelando um talento invulgar e uma coragem impres- superficialidade dos rituais, não compreendendo o âmago esse profundo sentimento pela sionante. de África, demonstrando, desta forma, uma visão plena- mente distorcida, por outro lado lança-nos em poemas desenhora que uma vez inspirada pelo mestiçA, reveLA ser marcada por uma profunda experiência, elogio aberto à raça negra, gritando bem alto e de forma em grande parte por via dessa mesma circunstância de ser plenamente perceptível que a presença do colonizadorspiritual ongs dos negros da América mestiça. em África é sinónimo de força que apenas veio denegrir a imagem daquela terra. brandaria em versos “deixem passar A suA poesia, desde logo, se mostrou “cheia” da “certeza radiosa” de uma esperança, a esperança dos humilhados, NoémiA de Sousa fala do orgulho de pertencer a África por meu povo”... Escrevíamos que que é sempre a da sua libertação. parte dos africanos. E por esse mesmo motivo vem afirmar que terão obrigatoriamente de ser os filhos a cantar essa Nelson Saúte nos prepara para esse todA A sua produção é marcada pela presença constante sua mãe-terra (que tanto amam e sentem) - e cantar África das raízes profundamente africanas, abrindo os caminhos tinha forçosamente que ser entendido por oposição à regresso ao tempo que de que falá- da exaltação da Mãe-África, da glorificação dos valores afri- maneira de cantar do colonizador. canos, do protesto e da denúncia. vamos. Primeiro, ele assume-o ao Nos seus poemas, o “eu” de Noémia de Sousa é entendido poesiA de forte impacto social, acusatória, a sua linguagem como um “colectivo”, um povo inteiro que quer ter palavra postar a começar um conselho de recorre estilisticamente à ressonância verbal, ao encadea- - o povo moçambicano. desta forma, a poetiza assume-se mento de significantes sonoros ásperos, à utilização de pala- como porta-voz daquele povo que é o seu e, dirigindo-se à José Craveirinha. vras que transportam o “grito inchado” de esperança. terra-mãe que os acolhe e protege, ora canta a sua vida, ora lhe pede perdão pela alienação demonstrada ao longo de“NElSoN: ProCura ser um fiel servo da memória de todos NoémiA de Sousa, como autêntica pioneira da literatura tanto tempo, ora (mesmo) lhe promete a rápida e definitivaos tempos para que a tua voz se faça ouvir no teu tempo. Moçambicana (como assim sempre foi considerada) pre- devolução do seu direito a uma vida própria, autêntica.E escuta com atenção o que te dizem as vozes de outras coniza - no seu percurso literário - a revolução como únicobocas, de outros mensageiros e as melodias de outras ApesAr de breve, porém prolífera, passagem de Noémiaxipendonas. Então sentirás sobre os ombros o peso – o de Sousa pelo panorama da literatura moçambicana, averdadeiro peso – de um genuíno legado, o legado do qualidade dos seus textos não deixou, jamais, de ser recon-teu amanhã em que dirás com toda a humildade: ‘Sou hecida e admirada.
  3. 3. Exero 01, 5555 BLA BLA BLA 3 Terça-feira, 27 de Setembro de 2011 https://literatas.blogs.sapo.mz 3Em primEiraCarlos Santos lança “Pastor de ondas”Carlos dos Santos entrou para as profundezas de uma sociedade e deixou funcionar a sua imaginaçãoentre a realidade e a ficção. “O Pastor de Ondas” mostra essa falta de limites entre esses dois espaços. O PAíS - MAPuTO Mas, primeiro era preciso perceber se os homens acreditam caracterizar a forma como o personagem se faz a esse realmente se local - Curvei-me até quase cair para a frente e entrei, a podem voar. custo, quase que gatinhando, como se estivesse a fazer uma vénia, em acto da mais profunda sujeição. a entrada “o ESCorPião é tão rebaixada que quando acabei de entrar... dei comigo está agora a sentado no chão”. andar em minha direcção. Quero É uM encontro com seres de um outro espaço. É uma ida fugir dele, mas incompreensível a uma agência de viagem que nos leva estou sem forças. para todos os lados, até aos inesperados. Esgotado. deve ser por causa “E dali partiam para onde bem lhes apetecia. uns iam das vertigens do dali encontrarem-se com os seus defuntos, falando-lhes voo. afinal, voar aos espíritos nas mais íntimas línguas. outros, a partir é muito cansa- dali encontravam-se com o próprio deus em pess... em tivo para quem, espírito. outros iam ter com extraterrestres das mais dis- como eu, não paras localizações celestiais.” nasceu ave.” E S ta Co N - Na vErdadE, Carlos dos Santos é que nos leva em difer- Statação do entes viagens como se ele próprio fosse a agência pela narrador/per- forma simples com que escreve e pelos diferentes temas sonagem surge que recolhe para este “o Pastor de ondes.” Nós, prop- na sua visita ositadamente, apegamo-nos no ângulo desse estranho ao curandeiro curandeiro. Mas podíamos ir muito para além desse ponto onde se desco- e despertarmos a falarmos de um universo que o autor bre a voar com pretende nos oferecer. Ele o faz com simplicidade, como auxílio de uma quem nos conta a história com todo o seu entusiasmo, águia e depois é como quem quer passar para os que o ouvem. atacado por um escorpião. aqui surgem FOTO: O PAíS E SAPO Mz as contradições propositadas do autor ou o baralho próprio de um personagem como o dele, que se encon- tra num espaço sem perceber o que está a acontecer. ÉdEPoiS dE “Quinta dimensão”, o livro em prosa de Carlos como dormir na rua e acordar na cama do rei e depoisdos Santos, a alcance Editores prepara-se para lançar “o procurar uma explicação. “o Pastor de ondas” deixa-nospastor de ondas”. Embora coloca um paralelismo entre nessa situação controversa principalmente quando nosas duas obras – uma espécie de “continuidade” – em “o caracteriza um escorpião com lâminas para riscar “onzes”Pastor de ondas” Carlos dos Santos transfigura-se, faz uma no corpo de quem visita um curandeiro.profunda penetração à “ficção científica” e expõe as suas a HiStória, em si, começa meio a medo, sem nos darcrenças. campo para percebermos se entramos para um espaçoPor falarMoS em “crenças”, dos Santos parece brincar pela livre vontade ou por falta de opção.com elas. ou melhor, parece confundir o leitor se o que “rESvalEi-ME a medo para o interior da palhota cilín-escreve é simplesmente um alinhamento do narrador - que drica de caniço, coberta com capim seco” – começaé participante – ou o autor também se identifica com elas. o livro dando-nos a imagem do espaço para depoisJornalismo e Línguas- o evento é organizado no âmbito das celeb-rações de mais um aniversário da rádio que seassinala no dia sua criação, 2 de outubro.a ter lugar nesta quarta e quinta-feira em Maputo,o encontro vai juntar académicos, especialistasda África do Sul, tanzânia, inglaterra, Cabo verdee angola. Serão debatidos temas relacionadoscom a radiodifusão e linguística, com destaquepara as línguas moçambicanas, assim com asexperiências dos países convidados no que con-cerne a uso das línguas nacionais nos meios decomunicação social.durante as vii Jornadas de radiodifusão e lin-guística será lançado o livro Serviço Público deradiodifusão: desafios do Presente e do futuro,composto por comunicações das jornadas ante-riores.recordar que as vii jornadas foram antecedi-das de debates organizados mensalmente pelonúcleo de línguas da rádio Moçambique
  4. 4. 4 BLA BLA BLA Exero 01, 5555 Terça-feira, 27 de Setembro de 2011 LITERATuRA MOÇAMBICANA 4Noémia de SousaescritorA moçAmBicANA, Carolina Noémia abranchesde Sousa Soares nasceu a 20 de Setembro de 1926, em aposta fortemente na divulgação dos valores culturais moçambicanos.lourenço Marques (hoje Maputo), Moçambique. o seu As propostAs essenciais da sua expressão literária vãotrabalho poético continua por publicar em livro. Poetiza do desencanto quotidiano, de uma certa amargura,que, numa espécie de postura predestinada, desemba- de uma certa raiva, até ao grito dorido, até ao orgul-raçando-se das normas tradicionais europeias, de 1949 a ho racial, até ao protesto altivo que contém a pulsão1952 escreve dezenas de poemas, estando muitos deles danada contra cinco séculos de humilhação.dispersos pela imprensa moçambicana e estrangeira. a grande base do texto de Noémia de Sousa está cen-com ApeNAs 22 anos de idade, surge na senda literária trada na eterna dicotomia “nós/outros” - “nós”, os per-moçambicana num impulso encantatório, gritando oseu verbo impetuoso, objectivo e generoso, vincado feitamente africanos; os “outros”, as gentes estranhas, os que chegaram a África, os colonizadores. assim, estes Nossa Voz(bem fundo) na alma do seu povo, da sua cultura, da sua são, sem dúvida, os dois grandes temas da poesia deconsciência social, revelando um talento invulgar e uma Noémia de Sousa: se por um lado temos a contínuacoragem impressionante.mestiçA, reveLA ser marcada por uma profunda experiên- denúncia da total incompreensão por parte do coloniza- dor, que apenas capta a superficialidade dos rituais, não NOéMIA DE SOuSAcia, em grande parte por via dessa mesma circunstância de compreendendo o âmago de África, demonstrando, ao J. Craveirinhaser mestiça. a sua poesia, desde logo, se mostrou “cheia” desta forma, uma visão plenamente distorcida, porda “certeza radiosa” de uma esperança, a esperança dos outro lado lança-nos em poemas de elogio aberto à Nossa voz ergueu-se consciente e bárbarahumilhados, que é sempre a da sua libertação. raça negra, gritando bem alto e de forma plenamente sobre o branco egoísmo dos homenstodA A sua produção é marcada pela presença constante perceptível que a presença do colonizador em África é sobre a indiferença assassina de todos.das raízes profundamente africanas, abrindo os caminhos sinónimo de força que apenas veio denegrir a imagem Nossa voz molhada das cacimbadas do sertãoda exaltação da Mãe-África, da glorificação dos valores daquela terra. nossa voz ardente como o sol das malangasafricanos, do protesto e da denúncia. NoémiA de Sousa fala do orgulho de pertencer a África nossa voz atabaque chamandopoesiA de forte impacto social, acusatória, a sua lingua- por parte dos africanos. E por esse mesmo motivo vem nossa voz lança de Maguiguanagem recorre estilisticamente à ressonância verbal, ao afirmar que terão obrigatoriamente de ser os filhos a nossa voz, irmão,encadeamento de significantes sonoros ásperos, à uti- cantar essa sua mãe-terra (que tanto amam e sentem) - e nossa voz trespassou a atmosfera conformista da cidadelização de palavras que transportam o “grito inchado” de cantar África tinha forçosamente que ser entendido por e revolucionou-aesperança. oposição à maneira de cantar do colonizador. arrastou-a como um ciclone de conhecimento.NoémiA de Sousa, como autêntica pioneira da literatura Nos seus poemas, o “eu” de Noémia de Sousa é enten-Moçambicana (como assim sempre foi considerada) pre- dido como um “colectivo”, um povo inteiro que quer ter E acordou remorsos de olhos amarelos de hienaconiza - no seu percurso literário - a revolução como único palavra - o povo moçambicano. desta forma, a poetiza e fez escorrer suores frios de condenadosmeio de modificar as estruturas sociais que assolam a terra assume-se como porta-voz daquele povo que é o seu e acendeu luzes de esperança em almas sombrias de deses-moçambicana. e, dirigindo-se à terra-mãe que os acolhe e protege, ora perados...sempre, e desde muito cedo, pretendeu que o seu povo canta a sua vida, ora lhe pede perdão pela alienaçãoavançasse uno, em colectivo, em direcção a um futuro demonstrada ao longo de tanto tempo, ora (mesmo) lhe Nossa voz, irmão!que alterasse os eixos em que se fundamentava a ati- promete a rápida e definitiva devolução do seu direito nossa voz atabaque chamando.tude do homem, mas sem nunca fazer a apologia da a uma vida própria, autêntica.desumanização. afirma-se, acima de tudo, africana e ApesAr de breve, porém prolífera, passagem de Noémia Nossa voz lua cheia em noite escura de desesperança de Sousa pelo panorama da literatura moçambicana, nossa voz farol em mar de tempestadeJustificação a qualidade dos seus textos não deixou, jamais, de ser reconhecida e admirada nossa voz limando grades, grades seculares nossa voz, irmão! nossa voz milhares, nossa voz milhões de vozes clamando! NOéMIA DE SOuSAse o nosso canto negro é simultaneamente A MuLHER QuE RI À Nossa voz gemendo, sacudindo sacas imundas, VIDA E À MORTEBAço e ameaçador como o mar nossa voz gorda de miséria,em Noites de calmaria; nossa voz arrastando grilhetasse A nossa voz é rouca e agreste nossa voz nostálgica de ímpissó se abrindo em gritos de rebeldia; nossa voz Áfricase é ao mesmo tempo amarga e doce a nossa poesia nossa voz cansada da masturbação dos batuques da guerracomo suco de nhantsumas silvestres; nossa voz gritando, gritando, gritando!se é encovado e profundo o nosso olhar Nossa voz que descobriu até ao fundo,rAsgANdo-se impávido à luz do dia; lá onde coaxam as rãs,se são disformes e gretados nossos pés espalmados NOéMIA DE SOuSA a amargura imensa, inexprimível, enorme como o mundo,de triLHAr caminhos ingratos; da simples palavra ESCravidão:se A nossa alma se fechou para a alegria Para lá daquela curvae só dá hospedagem ao ódio e à revolta os espíritos ancestrais me esperam. Nossa voz gritando sem cessar,- Não nos culpes a nós, irmão vindo das ruas da cidade. nossa voz apontando caminhos Breve, muito breve nossa voz xipalapalaQue eNtre nós e o sol se interpuseram tomarei o meu lugar entre os antepassados nossa voz atabaque chamandogrAdes FeiAs de escravidão, nossa voz, irmão!grAdes NegrAs e cerradas a impedir-nos de tostar À terra deixarei os despojos do meu corpo inútil nossa voz milhões de vozes clamando, clamando, clamando.de verdAdeirA felicidade, as unhas córneas de todos os labores este invólucro sulcado pela aranha dos diasmAs Ai, irmão vindo das ruas da cidade!Nosso Firme sentido de justiça, nossa indómita vontade a Enquanto não falo com a voz do nyanganascer cada aurora é uma vitóriaNossA misériA comum vestida de sacas rotas e imundas, saúdo-a com o riso irreverente do meu secreto triunfoNossA própriA escravidãoserão o calor e o maçarico que fundirão oyo, oyo, vida!pArA sempre as grossas colunas que nos zebravam a vida Para lá daquela curvainteira os espíritos ancestrais me esperame LHe arrancaram todo o jeito doce e inexprimível de vida.FicHA técNicA Propriedade do Movimento Literário Kuphaluxa Sede: Centro Cultural Brasil-Moçambique* AV. 25 de Setembro nº 1728, Maputo, Caixa Postal nº 1167 * Celulares: (+258) 82 27 17 645 e (+258) 84 57 78 117 * Fax: (+258) 21 02 05 84 * E-mail: kuphaluxa@sapo.mzDirector Editorial: Eduardo Quive (eduardoquive@gmail.com)Coordenador: Amosse Mucavele (amosse1987@yahoo.com.br)Editor - Canto da Poesia: Rafael Inguane (inguane.rafael@hotmail.com)Redacção: David Bamo, Nelson Lineu, Mauro Brito, Izidine Jaime, Japone Arijuane.Colaboradores: Maputo: Osório Chembene Júnior * Xai-Xai: Deusa D´África * Tete: Ruth Boane * Nampula: Jessemusse Cacinda * Lichinga: Mukurruza*Brasil:Balneário Camboriú - Pedro Du Bois * Santa Catarina: Samuel da Costa * Nilton Pavin * Marcelo Soriano * Portugal: Victor Eustaquio e Joana Ruas.Design e páginação: Eduardo Quive
  5. 5. Exero 01, 5555 BLA BLA BLA 5Terça-feira, 27 de Setembro de 2011 CRÓNICA / CONTO 5 FiLosoFonias rapsódicas A morte do sexo e o nascimento do MARCELO SORIANO - BRASIL amor m.m.soriano@gmail. com NELSON LINEu - MAPuTO Nota preliminar: Antes de prosseguir - amor! - Não me chame assim, nesse mato já não com este artigo, tem Coelho- victor respondeu a esposa. lembro ao leitor- Não podemos desistir o último a desistir vence- voltou a atacar a Madalena. que me dirijo à- Madalena não achas que nosso amor já está enrugado?- Eu acho que você está com preguiça de amar, esforce-se isso não pode acabar, poderia aceitar CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa),mesmo que seja difícil, mas isso depois de um de nós morrer. portanto, podemos encontrar gerúndios, futuros doo victor foi dizendo que todos os dias se esforçava para tudo voltar ao normal, passaram-se três pretérito, expressões etnocêntricas, familiares a certosanos que não sentia aquele frio que só ela matava, o peito já não sentia necessidade de ter a cabeça leitores, porém, inusitadas a outros. Oxalá, que estadela semeada, as pernas dela não convidavam os seus olhos quanto mais olhava indesejável ficava.a mulher chamava-lhe de aquiles porque calcanhar dela era o ponto dele mais fraco, o traseiro peculiaridade não seja pretexto para correções, masdela não mexia ao mesmo rítmo do bater do seu coração como antes, o umbigo dela passou aser a parte do corpo que ele menos queria ver, outrora ele não podiam camar sem olhar, era para para integrações e enriquecimentos léxicos e culturaisconfirmar se estava mesmo com a mulher, porque ele era fielíssimo. ao lado dela sentia-se só hoje entre nós. Marcelo Soriano. Santa Maria - RS - BR.ela era a razão da sua inexistência, aquela saia preferida dele passou a ser injusta.a Madalena achava que o amor deles acabou prazo. E devia ser por les casarem-se por desinteresse 14/07/2011.outros casam por dinheiro, riqueza ,ostentação, exibicionismo e até por amor e não era esse o casodeles.Já não sentia vontade de arranhar as costas dele, a mão dele já não lhe criava arrepios, nem depoisde abraçados sentia aquela quentura entre as pernas, ver-lhe descamisado era como ver um tronco [LetrAs Ao veNto], as veias do braço dele não corriam aquela sangue de leão que lha faziam ser domador, os pêlosdo peito não passavam de um capim seco, até passou a gostar de lhe ver grosso, porque quandochega-se casa ia direito a cama, era melhor com ele na cama a dormir duque acordado a repararem- Escreveu letras no papel. Levantou o papel na altura dos olhos. Ese um ao outro como Coelho e a cobra sem ninguém piscar o olho. soprou contra a janela. As letras são insetos que voam em buscafez nascer uma boa disposição, segundo o que ela aprendera as mulheres é que salvavam o de sol.casamento e os relacionamento só terminavam por incompetência delas, pediu ao meio marido eraassim que ela o chamava ultimamente, para falar-lhe na orelha aquelas palavras que ele inventoumas foi ela que deu o aval para ser usada. isso nunca tentaram quem sabe daria certo.- Quais? Eu até me esquece que falava nas tuas orelhas. [ALmA é pANdorgA]E ela ordenou para ele procurar se lembrar porque ela também tinha se esquecido. Quem sabe aívoltariam a ser homem e mulher. os filhos nem ninguém sabia o que não estava a acontecer, nacama eram como as madeiras que a constituiam ou lençol que não podiam usar.Quanto mais tempo estivessem longe um do outro sentiam-se bem como antes quando estavam Ao contrário do que imaginam os desalmados, a alma não dormejuntos , tinham que ter algo a fazer para não ficarem a pensar no outro.No Segundo ano daquele insólito a Madalena decidiu trabalhar, daí o querer arranjar empregado oculta no lado de dentro, ela paira muito alto, do lado de fora, comodoméstico para cuidar da casa e dos filhos. antes até poderia haver discução porque na zona norte uma pandorga que acena colorido ao olhar inquieto do Menino Deus.do país que era da Madalena trabalhavam homens e do victor no Sul trabalhavam mulheres nessaprofissão.unanimente chegaram a conclusão que tinha que ser uma mulher. Pós o seu lado feminino ia deacordo com o que se pretendia na casa e havia coisas que ela podia fazer por ter nascido com ela eum homem teria que aprender. [trAtAdo de poemA]Na segunda semana o victor voltou cansado do serviço não estava a sentir-se bem e deu-se decara com a empregada que estava limpar o quarto. a má disposição se foi , transpirava em toda A poesia vem assim: desescrita... Para que a desapaguem...parte do corpo, revelava-se o homem que estava dentro dele. Pegou nela agressivamente, sem lhedar tempo para um grito, babava nos lençóis . voltou ao mundo selvagem, domou-lhe, horas iampassando com mais vontade ia ficando e não saia o líquido que até então era desperdícios. As cores primárias de um poema são Leste, Oeste, Norte e Sul.a mulher chegou e assistiu sentada e não fizera nada, depois de cinco horas ele caiu no chão como Os pontos cardeais de um poema: Amarelo, Ciano e Magenta.um tronco, pedia água, a mulher concedeu o pedido mesmo depois de ver tudo aquilo acontecerna sua própria cama. As operações básicas da matemática do poema: Sólido, Líquido, Gasosoa empregada foi ajoelhando e pedindo desculpas contou como aconteceu . a Margarida mesmo e Etéreo.com aquela dor entre inveja e ciúme pagou dois meses adiantado e a empregada se foi da casa. Os quatro estados da matéria do poema: soma, subtração, divisão eEla questionava-se se o marido ja não vem fazendo isso por aí fora. vestiu-se de preto e sentou-se multiplicação.na sala com os seus três filhos onde iam brincando. o victor estava até então no quarto de um lado Mas eu diria que o poema só aceita quatro sexos: água, terra, fogo etriste por ter matado o seu juramento pessoal e feliz por ter voltado a ser homem. ar.Eles queriam ser um casal exemplar, disseram um ao outro que não podiam se divorciar ,queriamser exemplo para sociedade e principalmente para os seus filhos, que casamento era para sempre enão só porque tinham um passado parecido , ambos viveram com madrasta ou padrasto. O vazio de quem poema (do verbo poemar) não é oco.a Madalena depois da separação dos seus país que por ser criança não soube o motivo, viveu com E tudo o que ciranda, ri-ri-rindo, em torno do próprio eixo éa mãe e um padrasto que lhe maltratava e via-lhe como empregada, foi impedida de estudar masa mãe conseguiu com que ela mesmo com doze anos estudasse de noite. a mãe ajudava-lhe as versopião... E dá poema...vezes nas lágrimas. E não há nada mais íntimo, mais próximo, que um poema e seu poeta.Era dona de casa mas tinha que se submeter aos devaneios do marido porque ela via aquele Estão tão juntos, tão aglomerados, que ocupam o mesmo lugar nocasamento como salvação, ficou muito tempo solteira vivia do que produzia na sua machambauma parte era para casa e outra vendiam para matar outras necessidades. espaço.a boca pequena voavam relatos falsos dos homens que a desejavam e desconsiguiam levar-lhe acama, porque ela queria casar e a maioria deles já eram casados. Mentiam que dormiam na casadela. Quem iria casar com uma mulher que já passará nas mãos de quase todos? Nem com todabeleza dela seria humilhação demais.o padrasto era um comerciante, viajava dependendo da fertilidade e das necessidades de cada [coNtrA-ceNAs de umA Noite de meiAzona. daí que não teve tempo de ouvir o que se falava da mãe, e quando soube já estava rendidoaos encantos dela. estAção]a mãe adoeceu ela estava sozinha a cuidou mas não foi suficiente morrerá nos seus braços. E chegao padrasto depois de uma semana carinhosamente a tratou, parecia outro homem, em menos deuma semana convenceu-lhe a vender a casa, porque lhe traria lembranças da mãe, era isso que É noite... E os pirilampos chuleiam o passo-a-passoacontecia ela não conseguia dormir. ao dormir a mãe sempre ia ao quarto dela para saber comoestava e lhe cobria se não estivesse coberta. Era a essa hora que ela sempre acordava e punha-se a das horas.chorar lembrando-se dela. Nos jardins o descanso é santo.Partiu com o padrasto que prometeu, jurando que a cuidaria e pediu-lhe desculpas pelo queaconteceu antes e já mais voltaria a acontecer. - Vem ver! Vem ver, ó Cema! Olha um bico de luaarrumaram as malas e foram-se. Chegaram numa casa onde uns meninos vieram a correr echamavam o padrasto de pai e um beijo de uma senhora que só se ela fosse cega não perceberia acesa.que se tratava da esposa dele, mãe daqueles meninos. A varanda é dos grilos...apresentou a Madalena como uma órfã, ele a levou para cuidar e ela ajudaria com o trabalho decasa e os meninos. a mulher orgulhosa pelo gesto do marido a recebeu e lhe mostrou onde tinha Pequena árvore... Cadeirinha de balançar noiteque dormir e os restantes cantos da casa, onde ficava as roupas sujas para ela lavar, como tinha quese apresentar, tudo isso antes dela descansar e perceber o que era essa nova vida. ventada.o padrasto a deixou e viajou logo sem lhe despedir. Ela foi pensando quantas mulheres como sua O junco... No lago... Espeta o luar...mãe andavam por ai reféns. E indo na linha do que se tem dito: os homens são poucos e essa lutarenhida visto que muitos perderam a vida na Guerra e outros vão homo-sexualizando- se. Aranhas velhas babam tricôs...Sempre triste e humilde ia fazendo o seu trabalho diário. ficou amiga dos meninos que a acarinhavame escondiam aquela comida que era para os da mesa, traziam a noite no quarto dela. Paixão de lua é coisa de muroo padrasto vinha e voltava. Certo dia ela roubou dinheiro dele e fugiu nunca mais a viram
  6. 6. 6 BLA BLA BLA Exero 01, 5555 Terça-feira, 27 de Setembro de 2011 https://literatas.blogs.sapo.mz 6- discurso dirEctoLurdes Breda: Apaixonada pelas palavrasLurdes Breda nasceu no concelho de Montemor- o-Velho, onde reside. Frequenta o curso de Línguas e Literaturas Modernas – Variante Estudos Portugueses, da universidade Aberta. Foi premiada em vários certames literários nacionais e internacionais. é autora de treze obras literárias: “O misterioso falcão de jalne”, “Asas de vento e sal”, “zuleida, a princesa moura”, “A outra face do luar”,“A Nuvenzinha Cor-de-Farinha”, “O Duende Barnabé e as Cores Mágicas”, “O Abade João”, “O Piolho zarolho e o Arco- íris da Amizade”, “O Alfabeto Trapalhão”, “Para ti, Pai”, “O Rap do Mar e outros contos da mesma ideia? O ser escritor compensa? E qual é o papel os Livros ocupam um papel de extrema importância do escritor? de rimar”, “O Duende Barnabé e o Jogo na minha vida e a leitura é fundamental para a minha evolução e realização, que pessoal quer profissional, peNso Que a literatura pode ter uma função social e catártica geométrico” e “Para ti, Mãe” e co-autora enquanto escritora. importantes. o escritor tem, por isso, um papel fundamental na sociedade. o carisma do escritor pode, inclusivamente, de outras sete (cinco das quais editadas O escritor peruano Mario Vargas Llosa certa vez disse o influir na forma como a sua obra é vista e até na generali- seguinte “a minha passagem pelo jornalismo foi fun- dade da literatura perante o leitor. Pode fazer a diferença no Brasil): “Contos com Vinho Madeira – damental como escritor”. Como porta-voz da sociedade na defesa de determinadas causas. Se o escritor ama a sua você percebe na literatura ou no jornalismo uma função arte, por mais provações que experimente, se consegue Cultura Madeirense na Forma Líquida”, definida ou mesmo prática? fazer passar, no todo ou em parte, a sua mensagem, então compensa ser escritor. “Folhas ao Vento”, “Casa lembrada, Casa A LiterAturA e o jornalismo, embora em paradigmas diferentes e cada qual utilizando metodologias próprias A língua une-nos, mas continuamos muito distantes uns Perdida”, “Rosa dos Ventos”, “Amo de Ti – podem, por vezes, complementar-se. dependendo do dos outros, em termos globais, qual é o estado clínico da género literário e da forma como é trabalhado o jor- literatura de expressão portuguesa? E o que a literatura Cancioneiro Infanto-Juvenil para a Língua nalismo, pode existir, com certeza, uma função prática, do seu país recebe dos outros quadrantes lusófonos, con- sobretudo, neste último, uma vez que se deve pautar pela cretamente os africanos, refiro-me à literatura moçambi- Portuguesa”, “Prémio Alquimia das Letras” objectividade e rigor na informação. a literatura, no meu cana, angolana, guineense, cabo-verdiana etc.? ponto de vista, tem uma função mais estética e subjectiva, e “Prémio Valdeck Almeida de Jesus de embora mesmo através da literariedade se possa veicular peNso Que cada vez mais, possivelmente por influência da determinadas mensagens mais ou menos práticas. globalização e consequente inter e multiculturalidade entre Poesia – V Edição 2009”. Com o intuito de os países de língua Portuguesa, os autores africanos têm Quais são os autores imprescindíveis nas sua leituras um maior reconhecimento, neste caso, em Portugal. talvez promover a inclusão das pessoas portadoras como escritor e leitor e que nunca o abandonam? também pelo próprio “peso” que o escritor vai tendo no seu país de origem e que perpassa fronteiras. de deficiência na sociedade, participa em teNHo umA formação literária muito influenciada pelos autores clássicos portugueses, em especial os do século Se em Moçambique, Angola, Cabo-Verde, São-Tomé, projectos que englobam a literatura, a XiX: Eça de Queiroz, Júlio dinis e trindade Coelho. li ainda Timor Leste etc. o grande problema que cruza o caminho florbela Espanca, fernando Pessoa e os seus heterónimos, do escritor é encontrar uma editora onde possa publicar música e as artes de palco, em parceria Miguel torga e Sophia de Mello Breyner andersen. Na o seu trabalho, e em seguida alguém que compre e leia literatura estrangeira, destaco léon tolstói, alexandre a mesma, creio que em Portugal e no Brasil acontece o com a APPACDM – unidade Funcional de dumas, Gabriel García Márquez e Mia Couto. inverso. Ou seja, compreende-se que as possibilidades de publicação nesses dois países são bem maiores do que as Montemor-o-Velho. é, com frequência, Neste mundo cada vez mais globalizado, tão afeito ao nossas, não se corre o risco de se ter muita obra imatura imagético, com um nível elevado de analfabetismo e nas prateleiras. Qual a sua opinião sobre isso? convidada para actividades que visam a com uma diversidade cultural abrangente, o que te leva a dedicar à arte de escrever numa era onde ler um livro em portugAL, ao contrário do que possa pensar, não é assim promoção do livro e da leitura, junto das não é a palavra de ordem? tão fácil editar. Por outro lado, há expedientes e editoras que proliferam com a vontade do autor em editar. Muitas escolas. Colabora em jornais e revistas de soBretudo, A paixão das e pelas palavras… o acreditar vezes a obra não é criteriosamente avaliada ou clivada para que escrever e ler continuam a ser a base essencial para edição, o que significa a introdução no mercado de obras âmbito regional e nacional. a formação do ser humano. além disso, consequência paraliterárias a par com as obras literárias. da globalização e da evolução das novas tecnologias da informação e da comunicação, é possível aliar a escrita Que obra de um escritor de qualquer quadrante do mundo e a leitura a novas ferramentas como enriquecimento que os moçambicanos deviam ler urgentemente? E comoNa infância, qual foi o seu primeiro contacto marcante e incentivo à sua (re)descoberta. um livro pode ser um formar leitores?com a escrita? alimento para a alma… Escrever é uma arte. uma arteFoi NA escola, com a descoberta dos diversos textos literári- que deve ser cultivada como uma flor delicada. Só assim peNso Que Mia Couto é uma excelente escolha e um escritoros e respectivos autores, assim como com a elaboração de poderá desabrochar na sua plenitude. que todos deveriam ler, independentemente da naciona-composições: a aprendizagem do uso e do poder da palavra lidade. E é um bom exemplo de que um autor africano éaliados à imaginação. O escritor angolano José Agualusa disse, certa vez, que reconhecido no exterior. Quanto a formar leitores, acho que “o escritor africano deve sair do gueto”, sendo o escritor se deve sempre passar a mensagem de que ler deve ser umQue espaço os livros ocupam no seu dia-a-dia? A leitura, a voz dos que não têm voz, a sua intervenção social não prazer, uma viagem a nós mesmos e a mundos de outrade alguma forma, influencia o seu trabalho e o seu quo- só deve cingir-se à escrita num país com baixos níveis de forma inacessíveis. deve alimentar-se a magiatidiano? leitura, o escritor deve se expor na sociedade, comunga
  7. 7. Exero 01, 5555 BLA BLA BLA 7Terça-feira, 27 de Setembro de 2011 https://literatas.blogs.sapo.mz https://literatas.blogs.sapo.mz 7LuRDES BREDA É um rosto de sorriso fácil. um sorriso nascido na sua própria simplicidade e noamor de todos aqueles que a rodeiam. umsorriso que brota da fertilidade da terra. umsorriso que irradia a luz do sol, que desabrocha no perfume das flores e sedispersa no abraço do vento até aos confinsda fantasia… Considera-se um ser humano privilegiadopelo afecto que os outros lhe dedicam epelo dom da escrita. do seio da Naturezaflúi a inspiração, que dá vida às palavras,com que inunda a brancura do papel. a sensibilidade e a criatividade são instrumentos fundamentais, que utiliza naelaboração dos seus textos, recamando-os depois, com a multiplicidade dos sentimentos e dasemoções experimentadas no quotidiano. Quando acredita que determinado percurso é o mais certo para os objectivosa que se propõe, é obstinada em segui-lo.Possui, todavia, uma enorme capacidade deimproviso, face às adversidades inerentes aqualquer vivência. Se tivesse que apontar alguns dos seusdefeitos, não hesitaria em dizer que é teimosa, demasiado perfeccionista eextremamente distraída. ironicamente, outalvez não, muitas são as pessoas, que apóslerem o que ela escreve, lhe dizem ser boaobservadora. Pensa então, para consigomesma, que o que tem é uma imaginaçãodemasiado fértil… Extraído do blog da autora: http://lurdesbreda.wordpress.com
  8. 8. 8 BLA BLA BLA Exero 01, 5555Terça-feira, 27 de Setembro de 2011 https://literatas.blogs.sapo.mz 8no rEcanto dE apoLo... Resultado7 anos de sextas de poesia PEDRO Du BOIS - BRASIL os mesmos declamadores e seus próximos, mesmo assim sem Certos jogos gritam resultados MAuRO BRITO - MAPuTO deixar frustração por parte dos organizadores, tampouco dos É sempre dito por aí que a sexta-feira é dedicada fazedores de poesia. trancados em gargantasao homem ou seja em palavras autênticas, é o dia de ressaltar que no início quem se encontrava em frente dodo homem; mas a última sexta-feira do mês de projecto era o poeta nato amarildo, tempos depois por outros afogadas em líquidosSetembro, feliz ou infelizmente foi cem por cento motivos, teve de abandonar a missão de fazer acontecer adedicada a poesia, somente a ela, literalmente sem poesia na sua forma mais expressiva; assumiu assim o leme oconcorrentes. um dia com indiferente frio, a litera- fotojornalista Juma Kapela, mais conhecido por feling Kapela,tas não se fez rogado, estava lá, quase rebentando que com toda sua força segurou-o, escrevendo assim novos reaparecem em esbirrospelas costuras do espaço do café Kultur do iCMa caminhos da poesia, como poeta bélico, assim e conhecido. Mas os tempos mudaram, as escritas amadureceram, os espirros poetas cresceram, a poesia conquistou o seu espaço na mente dos jovens de Moçambique, levando mais adeptos no acordo para o seu elenco, é evidente hoje o seu poder e afirmação no terreno da cultura moçambicana, sendo um instrumen- desacordado em regras: to de intervenção social, de elevação do espírito humano, e exaltação de outros valores. temos como exemplo de alguns que deram a cara as noites de poesia durante os nos que passaram: Professor orlando, Mia Couto, domi ao vencedor Chirongo, Clemente Bata, Jonasse, lucílio Manjate, mano azagaia, Shakal, tira teimas, Jaime Santos, ungulani Ba Ka cabe o barulho Khossa, Nataniel Ngomane, Pedro Muimabo, Kululeko, e muito mais figuras de vários sectores da sociedade. Sete infernal do nada anos a fazer poesia e declamar significa muita aprendiza- gem, companhia, humanismo, amor, troca de experiência, quantificado no instante. irmandade, significa acima de tudo obter uma nova visão– como habitual mensalmente. que nos permite compreender os prós e contras da sociedade, depois de se ter verificado uma paragem por enfrentando novos desafios.dois meses, por motivos alheios à vontade dos Nesta noite que assinala o sétimo aniversário do grupo Pela depois a vida segue o trajetopoetas, mas graças aos mesmos e os demais, a arte d’alma, foram cabeças de cartaz: Simba- poeta, Pedro Mui-sessão de poesia voltou com a carga fortíssima. ambo - stand up Comedy, Catarina & lorena Gonzaga - violino previamente decorado: ao vencedorMais de uma razão para juntar no mesmo espaço, e open Mic: 10 poetas em slide e feira do livro e artesanato.apesar de ser dedicado a poesia, artes como a Numa autêntica miscelânea entre almas de diferentes cores, resta a tênue lembrançamúsica, a dança, o stand up comedy, o futebol, a poetas da frança, Haiti e alemanha, depois do espaço ter sidoescrita, etc, todas as artes conjuntas, no intuito de purificado pelo som dos violinos, em dose única, ouviu-se do que esquece.resumir tudo em forma de poesia. também poemas e língua changana, Sena e portuguesa, com diria que colheu mais uma rosa no jardim da vida, a presença de poetas d’alma como anabela Jaime, Polinésio,mas tratando-se de um grupo que faz poesia e King e Sérgio, o Movimento literário Kuphaluxa também fez-sedeclama, como lhe poderíamos felicitar? diríamosque o grupo Pela arte d’alma deu mais um passo presente, representado pelos declamadores francisco Junior & izidine Jaime, os pedaços de poema em língua inglesa na voz Africanizadoao assinalar sete longos e duradoiros anos a orga- de Simba; a comédia veio para aflorar os ânimos, duma formanizar as noites poesia e a recitar os mesmos, desde diferente, tocando cada espectador que ali se encontrava. ARSéNIO IMPISSA - LICHINgAa primeiríssima noite, onde o número de aderentes o regresso do poeta bélico amarildo a fechar a noite, deera quase ínfimo, sendo que constituíam plateia forma mais natural que podia nos ter concebido ao sabor do Sou homem África dentro bolo que foi confeccionado para simbolizar a data tão especial a onde a minha realidade sou. la fora sou nomes que dizem, mon-Sobreviver, reviver! stro… EDuARDO TOCOLOuA - LICHINgA Poetas Em cada cantinho por onde vou. NONIA ISSAC – TETE Quem sou homem preto revanche no sussuro, Veremos Que na presença da sombra de deus Sou um simples esqueleto Connosco poesia, Que representa os ateus!!? dando a vida no duro, vigilantes do nosso amor. JAPONE ARIJuANE - MAPuTO ai de mim na minha sina Pelo povo eu juro, Censurados como não Que crente sou belzebu aqui estamos, formas absolutas E o verdadeiro é obra divina Por um dia tao puro! resistimos, por aquilo que amamos. formar desinformados Na minha cor de diabo dizia Kankhomba, Peregrinando hostilidades históricas Serenos, murmuramos: Contemplando o futuro que passa Não choro aqui o meu realismo Embriao de Messumba, dizer, fazer e Sentir a literatura Na ingratidão do tempo Mas sim o vosso egoísmo “o racismo”. Navegamos nela a dignidade do presente que não se vê Mãe Niasse do sertao do lago Niassa, a poesia andorinha-mos em lindas teorias Nosso amante. Serpenteantes em práticas hostis Por onde a espada perpassa. Queremos ser aquele que passa ranger de dentes, Serenamente palavreamos Estacionados no tempo HuMBERTO RODRIguES -LICHINgA inesperadamente esculpimos palavras Barrigas cheias da fome que engolimos Por entre as gentes, Essa é a nossa arte Para não morrer dela oh mãe Niassa o teu agasalho fica o recado, aqui é Maningue Nice! Sentimulos longe de ser pecado, Não passamos dificuldades oh mãe Niassa LuA E ALMA vivemo-las. Pulando o cercado o que fazemos as tuas aguas nascentes o meu mundo acontece Nem melhor nem pior. Que lubrificam as montanhas Para o outro lado do cenado. no mais minúsculo cílio Não fazemos! Escorem nas nossas mentes do tempo... o que somos oh mãe Niassa. alguém quis que fossemos E devora-me a certeza Não nós! Procurada pelos estrangeiros de reencontrar-me amarados onde não podemos comer Contada outrem diante do espelho: oh mãe Niassa ahhh esbeltas asas Pobre de nós. inchadas de vida Niassa nossa mãe de belas rosas e aromas beijando o vento em passagem!
  9. 9. Exero 01, 5555 BLA BLA BLA 9Terça-feira, 27 de Setembro de 2011 https://literatas.blogs.sapo.mz 9canto da poEsia - FacEbook Última vontade A manhã pálida Poema da morte VICENTE SITOE HuDSON gwAMBE Sinto vontade... raffael inguane de deitar-me em cima Naquela manhã pálida ... desta cama deslizava sob o asfalto da cidade das acácias a morte morreu mortalmente morrida, apadrinhado estava de um frio que congelava os meus mar- Cabeça para cima fins Barriga ao ar Matando mortos mortais, Naquela manhã pálida expirei o Co2 pálido, naquela manhã Cruzar os braços no peito respirei cacimba Cruzar as pernas Matadores mortíferos da mortalidade e martandade morta. a minha boca parecia um chaminé de tanto respirar o Co2, sobre este leito fiquei amarrotado com frio... fechar os olhos um morticínio mortiço em morraria Pensar... E naquela manhã pálida vi o Chiquito deitado ao lado de uma imaginar... Mortificação do moribundo mortificativo lareira de papelão, bem enrolado como uma serpente, cobria ele o próprio frio inspirar o último ar a mortinatalidade do morto-vivo é um mortório mortuoso da manhã pálida e de tanto frio que estava recebia dolorosos Expirar a única vida carinhos do frio E me desligar o mortulho da mortualha mortificada vi o Chiquito, vi o Chiquito rico de fome e rei de palidez voltar ao desconhecido E o morediço morredoiro morremorrer a língua estava pálida, vi o Chiquito, não tinha onde ir da inexistência o lar dele era dia e noite na rua, vi o Chiquito, ao esquecimento alimentava-se de fome a cada rodar do dia voltar aonde nunca estive cobria o frio, o luxo de enganar o estômago era raro Morrer para o mundo e para os céus... vi o Chiquito a sofrer mas, no calcanhar dele há uma família voltar ao vão Que não o querem apenas me desligar Chiquito de água vive, mas o amanhã nos pés dele se ajo- elhará E terá o luxo que hoje é um caso notávelNÓS gABAMO-NOS DIVERSÃO, SABE-NOS APETER PEDRO PIERRE PETROSSE MORTE O VALOR DA VIDA Chiquito não é mais escravo da manhã pálida Já é escravo da vida luxuosa que o rodeia Chiquito estende a mão para o próximoNós gabamo-nos, E com amor ajuda o próximoPorque vivemos na cidade,onde tem água, luz de qualidade, IzIDINE JAIME Chiquito já tem uma família e dá todas as regaliastemos tudo por perto. Chiquito hoje é homem rico e estende a mão para o próxi- Noite calma moNós gabamo-nos, Corpos dançam Chiquito hoje é homem rico e assou todo sofrimento noPorque vivemos em Maputo city, o som reina luxoa cidade das acácias. deuses da música E estende a mão para o próximoacácias que viraram balneários públicos. Sabem-nos na almaJá nem sei se elas libertam oxigénio ou oximijo. a Paixão é líquida o álcool faz-nos outros Eu ainda não morriMesmo assim gabamo-nos,Porque vivemos no prédio, CorajososMas, alguns de nós não conhecem o vizinho do lado. as vezes Sem juizoConsumimos poluição sonora de 1 a 365 de cada ano. Sentimo-nos CELSO AuguSTO FOLEgEolhem para o jardim da Estrela vulgo Madjerman’s, deuses de nós Por longas estradas passeiEstá todo deplorado. também somos longas distâncias percorriÁ dias atrás era um autêntico dzudza’s fashion. filhos do além Em bravos mares navegueia praça da juventude, Mas Minha alma diz: Eu ainda não morrivirou um parque de venda de materiais de construção. Matamo-nos antes de morrer Corpo esmorecido, sistema muscularNós temos coragem, tudo é uma festa digestivo e circulatório enfraquecidosConviver com o lixo, como se fosse um membro da família. Sorrisos se beijam apesar do meu débil estado físicoaté contaminamos as crianças. disfarçados em bravos mares navegueiElas são bem desleixadas, Como os homens minha alma sussurra: eu ainda não morriMas não têm culpa, dois coraçõesapenas tiveram a quem puxar. também se abraçam continentes, mares bons e maus a vida riam-se de mim, me mantenho firmeviras daqui, tem papel no chão, é uma cena firme na minha infinita esperançaviras para ali, tem garrafa no chão, também diversão firme no meu caminhar, a vida torna-se um caosviras acolá, tem plástico no chão, E quem não se “de verde” de varias ervas, até daninhas e frutos silvestres vivoviras mais uma vez, tem preservativo usado no chão. É azul. frutos que outrora não sabia da sua comestibilidadeviras mais uma vez e o cenário piora, fazem parte do meu improvisado cardápio de dificuldadeos vermes deliciam-se de restos de comida podre. o que faço eu neste imenso vácuo de sociedaderespiramos a nauseabundice das nossas acções de ufuta. neste local esverdeado e abundado por selvagensolhem para os contentores de lixo, animais irracionais, onde só eu trago racionalidadeSe não estão vazios, transbordam de lixo,Mas o lixo ainda desfila desnorteado pela cidade. pretendo gozar os direitos humanos na sua plenitude pois na urbe não sorri, mas tanto sofride quem é a culpa? estrondos de insígnias ouvi, mas reafirmo eu ainda não morri.Será do conselho municipal?Que cobra taxas e não cumpre com as suas obrigações? a minha educação redundou-se em frustraçãoSerá dos munícipes? Não tive consideração, apesar da minha formaçãoQue não sabem gerir o seu lixo, Chamada superior, culpei a corrupçãodeitando-o de qualquer maneira, Por isso para o mato partialegando que a gerência do lixo cabe ao município. isolado vivo, a miséria curiosamente suporto, pois eu ainda não morri…de quem é a culpa?Eu, não sei.Só sei que nós gabamo-nos porque vivemos na cidade. textos do Grupo - Canto da Poesia do facebooK. recolha de raffa inguane.
  10. 10. 10 BLA BLA BLA Exero 01, 5555 Terça-feira, 27 de Setembro de 2011 https://literatas.blogs.sapo.mz 10 Noites d ´Álma Em outras paLavras https://noitesdalma.blogspot.com RESULTADO DO IV CONCURSO “Sport Club Internacional” de Contos, Crônicas, Poesias e Histórias do Inter.Carta de Mbie à Nikotile VENCEDORES: POESIA 1º LugAr - João Justiniano, com a poesia: tarde triste - troféu 2º LugAr - Nelsi inês urnau, com a poesia: Entardecer - Medalha XIguIANA DA Luz 3º LugAr - José Nedel, com a poesia: Conflito distributivo - Medalha 4º LugAr - Mário luís Souza terres, com a poesia: definição - Menção HonrosaHomens desta terra, VENCEDORES: CONTOSChamaram-me para educar seus ouvidos,Surdos e mudos, 1º LugAr - Sonia mª d. athayde, com o conto: Muito além do olhar - troféuCegos e cheios de vozes que não deixam nenhum dizer, 2º LugAr - adilar Signori, com o conto: a roupa Nº 3 - MedalhaDizem que és tu a culpada meu amor, mas sei que não. 3º LugAr – antonio augusto Bandeira, com o conto: o infinito - MedalhaEncheram-te de desilusões na cabeça. Na cabeça sim eu sei, porque na 4º LugAr - Edson Xavier de Castro, com: Palavras trocadas - Menção Honrosaalma vice me trancou e não deixa ninguém entrar.Pediram-te sexo, entre a vagina, os seios e lábios amelados, a sua VENCEDORES: CRÔNICASbeleza informal, eles levaram tudo isso.Eu sei Kotile. 1º LugAr-péroLA Bensabath oiy, com a Crônica: torcedor ou Macho Profano? -troféuSei também que você não é deles! 2º LugAr Sonia athayde, No Principio,Era a Cor. - MedalhaOfereceste-os amizade e amor, 3º LugAr – adilar Signori, com a Crônica: o retrato dos Meus Pais - MedalhaProvando a sua lealdade aos vagineiros deste mundo selvagem. 4º LugAr – alcione Sortica, com a Crônica: o jovem que chora - Menção HonrosaMundo que não sabe amar. Mundo com homens que sem piedadevão fazendo dos seus nesse teu coraçãozinho pequenito. Cheio de VENCEDORES: HISTÓRIAS DO INTERpequeneza e pureza.Eu sabia que é isso mesmo Maputo…que é assim mesmo Ka Mpfumo 1º LugAr - Edson Xavier de Castro, com vermelho inter-troféudele. 2º LugAr - Márcio Mór Giongo, com Mar vermelho - MedalhaSabia também que te entregarias demasiadamente à esses nholwenes, 3º LugAr-JúLio Mafra, com o Primeiro Jogo - Medalhaviventes desse mundo que não lhes pertence. 4º LugAr - Mario l. S. terres, com Colorado o Clube do Povo - Menção HonrosaDisseram-me em jeito de gozo que venceriam esta luta em que senti-mesozinho, a combater leões, tigres e leopardos famintos, dependentes da MEDALHAS DE MéRITO CuLTuRAL POéTICO PARA:caça. Caça aos mais sensíveis.E sempre soube das intenções desses recuados do tempo. Mutantesdestes dias. Predadores sem objectivo, que na verdade são extermina- vALdir Luiz Scariot em Histórias do inter: com a tobata Pioneira.dores de virgens deste Nkomane, até do Deus mi livre que Deus há-de emANueLLe BueNo, com a Crônica: olhar Colorado.levar pelas maldades. mArceLo ALLgAyer Canto, com o poema: inútil transigência,Virgens que seriam escolhidas de Cristo para o reino das bruxas e as vALter morigi, com o poema: internacional.mãos doutras donzelas que desta vida passaram. viviANe BALAu, com o poema: internacional.Sabia Kotile…eu sabia tudo. iArA irigArAy, com o poema: Música.Sabia que levariam-te para lá depois de revelarem-se falsosamente,seus amantes e apaixonados, fiéis e venerandos.Na verdade não prestam. São das impurezas…São palavras atormentadoras e sem espírito que ti seduzirão a tombar reALizAção e Coordenação: Cesardo vignochi Presidente, lúcio ignácio regnerno palácio da morte. vice-presideNte, mAriNês Bonacina diretora Cultural,Ha! Nikotile, quem diria va hetile…são os mufanas de uma cidadegrande e cheia de maldições. Maldições que agora você também tem! porto ALegre, setembro de 2011.Hoje os espíritos vigam-se das suas decisões de ir a capital, cobrindo-sede sacos, movendo-se à fome e esfregando-se aos homens machos que reALizAção: cApoLAt - Casa do Poeta latino-americano e departamento Cultural da fECi/iNtEr.agressivamente ti fazem.Esperava ti amar e ter-te um dia…mas o que poço fazer depois detantos que com metical fizeram tudo? Seu eu Mbié

×