SINCRETISMO E INFLUÊNCIAS NOS RITOS MÁGICOS/MAÇÔNICOS E
CONCEPÇÕES ESOTÉRICAS E OCULTISTAS CONTEMPORÂNEAS
Prof. Dr. Carlos...
Particularmente, o sincretismo refere-se à fusão de elementos de diferentes cultos ou
doutrinas religiosas e a reinterpret...
Outra questão de interesse, para esta discussão sobre as relações entre organizações e
concepções esotéricas, são as impos...
10) Malkut – Reino/Mulher
As Sefirót Keter, Tiferet, Yesod e Malkut estão na coluna central da Árvore da Vida, nesta
ordem...
Norte do Templo, pois eles ainda não possuem a luz completa e ainda estão, esotericamente, mortos,
pois ainda não desperta...
Rosa-cruz por membros da Igreja Luterana foi a de ser uma contraparte protestante à Companhia de
Jesus da Igreja Católica ...
corporações de trabalhadores medievais, especialmente as guildas de pedreiros, os mais antigos
rituais da Maçonaria Operat...
esoterismo em geral podem ser criticadas ao se perguntar sobre o que é exatamente a “pureza
ritualística e doutrinária” em...
época, mesmo antes da ascensão do Nazismo.
O Gabinete do Dr. Caligari conta a história de um hipnotizador que mantém sob s...
No universo de Star Wars, não podemos esquecer a influência de Maria na aparência do
androide C-3PO, assim como a mão dire...
está submetida à um conceito de evolução que a supera e desvaloriza, com todos os problemas
éticos que daí derivam.
Esta a...
moderna, assim como de elementos do misticismo islâmico entre os rosa-cruzes originais, não é
uma influência espúria, mas ...
CAMPANI, C. Fundamentos da Cabala: Sêfer Yetsirá – Edição revisada e ampliada. Editora e
Gráfica da Universidade Federal d...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

SINCRETISMO E INFLUÊNCIAS NOS RITOS MÁGICOS/MAÇÔNICOS E CONCEPÇÕES ESOTÉRICAS E OCULTISTAS CONTEMPORÂNEAS

256 visualizações

Publicada em

Artigo publicado em revista

Publicada em: Espiritual
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
256
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

SINCRETISMO E INFLUÊNCIAS NOS RITOS MÁGICOS/MAÇÔNICOS E CONCEPÇÕES ESOTÉRICAS E OCULTISTAS CONTEMPORÂNEAS

  1. 1. SINCRETISMO E INFLUÊNCIAS NOS RITOS MÁGICOS/MAÇÔNICOS E CONCEPÇÕES ESOTÉRICAS E OCULTISTAS CONTEMPORÂNEAS Prof. Dr. Carlos A. P. Campani1 23 de Fevereiro de 2016 1. INTRODUÇÃO O problema de influências diversas nas ordens iniciáticas, místicas e ocultistas, nos ritos mágicos e maçônicos, no seu simbolismo e nas concepções esotéricas, é pungente nos dias de hoje e merece uma análise apurada. A análise que pretendemos fazer tem, como ponto inicial, as definições de sincretismo, influência e impostura, e busca traçar este fenômeno e seu significado em uma perspectiva histórica e conceitual. Particularmente, interessa-nos discutir as influências da Cabala judaica na Maçonaria, embora outras influências importantes também sejam citadas no artigo. Procuramos abordar de forma geral as ordens iniciáticas e não somente a Franco-Maçonaria, respeitando as especificidades de cada organização. O problema fundamental é se tais influências podem ser definidas como sincretismo, com toda a carga negativa e pejorativa que o termo carrega, significando influência espúria e perda de pureza, ou tratam-se de influências de natureza diversa. O importante é definir claramente as influências sofridas pelos ritos e doutrinas e daí derivar, numa perspectiva histórica, sua natureza e características. Pretendemos mostrar que, neste contexto, o conceito de pureza ritualística é vago e subjetivo, e a definição de sincretismo religioso não é totalmente adequada para ser aplicada. Ao final, este artigo aborda a influência do esoterismo e ocultismo na cultura pop. Ele apresenta os perigos das concepções trans-humanísticas presentes nas ordens iniciáticas e maçônicas, onde, sob influência do ideário neoliberal, se observa o progressivo abandono do humanismo, levando estas organizações ao niilismo. Esta ideia é desenvolvida e analisada pelo pesquisador David Livingstone. Usaremos a análise dele como ponto de partida para a discussão feita neste trabalho. 2. SINCRETISMO, INFLUÊNCIA E IMPOSTURA Para que se possa fazer uma discussão frutífera sobre este assunto, devemos primeiro definir formalmente o que se entende por “sincretismo”. Segundo o Novo Dicionário Aurélio: sincretismo. [Do gr. sygkretismós, 'reunião de vários Estados da ilha de Creta contra o adversário comum', atr. do fr. syncrètisme.] S. m. 1. Filos. Reunião artificial de ideias ou de teses de origens disparatadas. 2. Filos. Visão de conjunto, confusa, de uma totalidade complexa. Cf., nessas acepç., ecletismo. 3. Amálgama de doutrinas ou concepções heterogêneas: “As inteligências que mais ou menos diretamente nos governam estão em relação à administração ultramarina num estado de sincretismo bramânico, em que nada se compreende, em que nada se resolve” (Ramalho Ortigão, As Farpas, IV, p. 270). 4. Fusão de elementos culturais diferentes, ou até antagônicos, em um só elemento, continuando perceptíveis alguns sinais originários. 5. Psicol. Percepção global e indistinta, da qual surgem, depois, objetos distintamente percebidos. [Cf. ecletismo.] 1 Doutor em Ciência da Computação. Professor lotado no Departamento de Matemática e Estatística da Universidade Federal de Pelotas. Autor de dois livros: Fundamentos da Cabala: Sêfer Yetsirá; e Um Guia para o Islam. Coautor (autor de capítulo de livro) no livro Desafios e Avanços em Computação: O Estado da Arte. Estudante de Cabala judaica, Sufismo e Vedanta. Autor de diversos artigos em sua área profissional e sobre religião e misticismo.
  2. 2. Particularmente, o sincretismo refere-se à fusão de elementos de diferentes cultos ou doutrinas religiosas e a reinterpretação de seus símbolos. Notadamente, no Brasil observamos o sincretismo religioso nas religiões afro-brasileiras, que incorporaram elementos do Catolicismo em seu panteão. O sincretismo religioso frequentemente tem um objetivo prático. Na Igreja Cristã, a partir do Concílio de Niceia (325 d.C.), houve a incorporação de elementos pagãos ao cristianismo, com o objetivo de facilitar a ascensão da nova religião no Império Romano e a integração do Império. Nas religiões afro-brasileiras, o sincretismo objetivava ocultar-se, fugindo da perseguição religiosa da sociedade cristã na época da escravidão, funcionando como um fator de sobrevivência, assimilação e integração, seguindo a conceituação de Cacciatore de sincretismo religioso afro-brasileiro (FONSECA, D., 2012, pág. 97). As religiões trazidas pelos negros da África que não admitiam sincretismo religioso e pregavam a pureza doutrinária não foram capazes de sobreviver à perseguição religiosa e desapareceram, sem conseguir imprimir uma maior influência na cultura popular brasileira, e este é o caso do Islamismo, como comprova a violenta repressão policial à Revolta dos Malês (REIS, J., 2003). Apenas pequena influência, nos dias de hoje, pode ser atribuída ao Islamismo dos tempos da escravidão, como são os casos da importância da sexta-feira e o uso de indumentária de inspiração islâmica nos cultos afro-brasileiros. É importante enfatizar que o conceito de sincretismo religioso carrega, em certo grau, um sentido pejorativo, por ser contrário à ideia de pureza ritualística e doutrinária. O sincretismo, entendido neste sentido, não se aplica inteiramente ao caso da presença de elementos judaicos e simbolismo hermético nos ritos mágicos e maçônicos, na simbologia maçônica e nas concepções místicas, esotéricas e ocultistas contemporâneas. Neste contexto, faltam os caráteres de utilidade, sobrevivência e integração, assim como o sentido de “fusão de elementos antagônicos”, pois não há uma verdadeira fusão, muito menos parecem ser tão antagônicos os elementos presentes nestas tradições. Só para elucidar melhor a questão da fusão, devemos lembrar que, para o umbandista ou um seguidor do Candomblé, Iemanjá (do yoruba: Yèyé omo ejá) corresponde à Nossa Senhora da Conceição ou Nossa Senhora dos Navegantes, tomadas indistinta e literalmente. Em oposição, um Maçom com bom conhecimento de Maçonaria não teria dificuldades de identificar a origem judaica da disposição do Templo ou dos emblemas, símbolos e alegorias presentes nos graus simbólicos, e abstrair sua origem judaica para entender seu significado simbólico e sua função na Oficina, embora sem jamais esquecer sua origem. As tradições antigas preservadas nos ritos mágicos e maçônicos e nas doutrinas esotéricas aparecem mais por influência e síntese do que por sincretismo e fusão. Ao contrário do sincretismo, os elementos que foram incorporados, foram sistematizados e a incorporação destes elementos cumpre a função de preservação do conhecimento antigo, cobrindo-o com uma nova vestimenta, sem que haja realmente uma fusão completa ou utilidade de sobrevivência e preservação do culto. É importante observar que a Maçonaria Regular, da qual faz parte a própria família real britânica, sempre esteve ligada ao protestantismo inglês e nunca teve necessidade de assimilação e preservação. Assim, nela não aparecem as características marcantes de sincretismo, no sentido que Cacciatore conceitua. No caso da Maçonaria Liberal, de tradição francesa, os elementos humanistas, derivados da Revolução Francesa, se sobrepõe às concepções religiosas, neste contexto também não se aplicando o conceito de sincretismo religioso.
  3. 3. Outra questão de interesse, para esta discussão sobre as relações entre organizações e concepções esotéricas, são as imposturas, que são influências e filiações ilegítimas e/ou fraudulentas, distorcendo ideias, identidades e títulos. Na esteira do surgimento da Theosophical Society (1875), da Hermetic Order of the Golden Dawn (circa. 1887) e da Societas Rosacruciana in Anglia (1867), as duas últimas organizações ocultistas com inspiração maçônica, apareceram grande número de organizações ocultistas com as mais variadas alegações de filiação e as mais variadas influências, muitas vezes espúrias. Um caso emblemático é a Ordo Templi Orientis de Carl Kellner e Theodor Reuss, ambos Maçons de alta patente envolvidos com o rito de Memphis e Mizraim, e de suas ramificações a partir de Aleister Crowley, cujo impacto e influência nas concepções das atuais organizações ocultistas e místicas não podem ser negados. Esta constelação de organizações derivadas forma um conjunto complexo demais para ser tratado neste artigo, com diversas imposturas e muito charlatanismo (cf. KOENIG, P., 2001). 3. INFLUÊNCIAS DA CABALA JUDAICA NO SIMBOLISMO MAÇÔNICO Segundo uma autoridade maçônica bem conhecida: “A tradição dos Mistérios Judaicos é a que tem exercido maior influência em nossa Ordem, e por isso a maioria de nossas cerimônias e s.'.s se reveste agora de uma forma judaica ... Tão estreitas são as analogias entre certas doutrinas da Cabala e as dos primeiros graus da Maçonaria, que se chegou a supor que foram estudantes cabalistas os introdutores da Maçonaria especulativa em nossa Oficina Moderna” (LEADBEATER, C., 2012, pág. 105). Da mesma forma especula Albert C. Mackey, em sua monumental obra Encyclopedia of Freemasonry, verbete “Kaballah”, onde afirma que a Cabala está relacionada com a “ciência simbólica da Franco-Maçonaria” (MACKEY, A., 1873 & 1878). Como um exemplo desta influência, podemos observar a correspondência exata da Árvore da Vida bidimensional da Cabala judaica com a constituição do Templo Maçônico e a disposição da Loja. Primeiramente, devemos perceber que a estrutura do Templo Maçônico acompanha a do Templo de Jerusalém. Basta ver que, assim como o Templo de Jerusalém era dividido em três partes: Pátio externo; Lugar Santo; e Santo dos Santos; o Templo Maçônico é dividido também em três partes: Sala dos Passos Perdidos; Átrio; e Templo Interno. A Árvore da Vida é uma estrutura que é usada pelos místicos judeus para descrever a natureza divina e sua manifestação. A Árvore da Vida é formada por 10 entidades espirituais abstratas chamadas de Sefirót, que no Zohar, uma das obras chaves da Cabala judaica, são nomeadas como: Keter; Chokmá; Biná; Chesed; Gueburá; Tiferet; Netsach; Hod; Yesod; e Malkut (CAMPANI, C., 2011, págs. 7-9, 19, 33-39). As 10 Sefirót estão distribuídas em 3 colunas e são associadas a atributos da seguinte forma: 1) Keter – Coroa/Vontade 2) Chokmá – Sabedoria/Memória 3) Biná – Inteligência/Intuição 4) Chesed – Misericórdia/Direita/Sul 5) Gueburá – Força/Esquerda/Norte 6) Tiferet – Beleza/Centro 7) Netsach – Vitória/Eternidade/Pé direito 8) Hod – Glória/Esplendor/Pé esquerdo 9) Yesod – Fundação/Falo
  4. 4. 10) Malkut – Reino/Mulher As Sefirót Keter, Tiferet, Yesod e Malkut estão na coluna central da Árvore da Vida, nesta ordem, de cima para baixo. As Sefirót Chokmá, Chesed e Netsach estão localizadas na coluna da direita. Finalmente, as restantes, Biná, Gueburá e Hod, localizam-se na coluna da esquerda. As Sefirót estão organizadas em 3 tríades de elementos, cada tríade possui um elemento localizado na coluna do meio, e dois nas colunas laterais: Keter-Chokmá-Biná; Tiferet-Chesed-Gueburá; e Yesod- Netsach-Hod (CAMPANI, C., 2011, Figura 1, pág. 35 e Figura 3, pág. 38)2 . Assim como na Cabala judaica a Árvore da Vida é representada de forma antropomorfizada, existem similaridades e paralelos entre o corpo humano e o Templo Maçônico bastante evidentes. A disposição do Templo Maçônico atribui ao Oriente, ao Venerável e Dignitários, a posição da cabeça, sede do pensamento e da vontade. Os Aprendizes e Companheiros, posicionados ao Norte (Setentrião) e ao Sul do Templo, correspondem aos braços que são os responsáveis por executar as obras, assim como os Obreiros da Loja. No Ocidente, as duas Colunas Jakin e Boaz3 correspondem às pernas e aos pés, responsáveis pela sustentação do Templo e do corpo humano. Desta forma, a Árvore da Vida pode ser associada ao Templo Maçônico como se segue: A primeira tríade de Sefirót, a mais elevada na Árvore da Vida, é associada ao Venerável e aos Dignitários, o Orador e o Secretário, postados no Oriente do Templo, pois são eles os responsáveis pela administração da Loja e a instrução dos irmãos em Loja; O Orador é associado à Biná – inteligência, intuição e raciocínio, já que ele é responsável pela instrução e manutenção da Lei na Loja, enquanto que o Secretário é associado a Chokmá – sabedoria e memória, porque ele é responsável por registrar as informações da Loja; esta associação fica fortalecida ao percebermos que a Sefirá Chokmá é muda, pois a fala aparece apenas mais abaixo, no nível de Biná (CAMPANI, C., 2011, págs. 81 e 86) e a atividade do Orador de instruir os irmãos pressupõe fala, para que o conhecimento possa ser transmitido; As Sefirót Chesed e Gueburá são os braços, os Obreiros da Loja, Chesed é associado ao Sul e aos Companheiros e Gueburá ao Norte a aos Aprendizes; Tiferet é o peito e o coração da Loja, o Ocidente e o Mestre de Cerimônias; Netsach e Hod são as pernas e os pés, associados aos Vigilantes e às Colunas Jakin e Boaz; Yesod é associado ao Cobridor Interno e Malkut ao Cobridor Externo e ao próprio Templo como um todo (externamente) pois, na Árvore da Vida, estas duas Sefirót estão conjugadas e a Sefirá Malkut é a inferior e a mais próxima do mundo material, assim como a parte externa do Templo é a mais próxima do mundo profano. No centro do Templo encontram-se as três Colunas: Sabedoria; Força; e Beleza; que correspondem às Sefirót Chokmá, Gueburá e Tiferet, cada uma delas encontrando-se em uma das colunas da Árvore da Vida. É como se uma representação bidimensional da Árvore da Vida estivesse projetada sobre o plano do piso do Templo, estabelecendo as posições exatas dos elementos componentes da Loja com seus correspondentes na simbologia cabalística. A Cabala associa o lado direito da Árvore da Vida ao Sul, Misericórdia e Bem, e o lado esquerdo ao Norte, Justiça e Mal. O simbolismo Maçônico faz o mesmo, ao interpretar os lados Norte e Sul do Templo, já que o Norte (Setentrião) é o lado “escuro”, pois a luz maior fica ao Sul. Sobre isso, a Bíblia diz que: “do norte se derramará o mal sobre todos os habitantes da terra” (Jeremias 1:14). Sabemos que a Menorá, o candelabro de sete braços, era posta no lado sul do Tabernáculo, pois a Menorá representa sabedoria e luz. No Templo de Jerusalém, os sacrifícios mais sagrados eram feitos no lado norte do altar. Essa lei está baseada na passagem que diz: “E o imolará ao lado do altar, para o lado norte” (Levítico 1:11). Isso associa o lado Norte com a morte e o Sul com a luz (CAMPANI, C., 2011, págs. 177-178, 198). Assim, a localização dos Aprendizes fica ao 2 Eventualmente, a Sefirá Keter é substituída na primeira tríade da Árvore da Vida por Daat, uma pseudo Sefirá. 3 As duas colunas do Templo de Salomão, citadas em 1 Reis 7:13-22.
  5. 5. Norte do Templo, pois eles ainda não possuem a luz completa e ainda estão, esotericamente, mortos, pois ainda não despertaram completamente para a vida espiritual, processo que se completará apenas no 3º grau. No simbolismo maçônico, o Delta Luminoso (BOUCHER, J., 1979, págs. 104-110) evoca a figura do Triângulo e o número 3. O número 3 aparece ao longo da tradição cabalística sempre com um significado dialético: dois elementos opostos em conflito, tese—antítese; e um conciliador, síntese. Para os cabalistas judeus, o equilíbrio entre elementos opostos, que são conciliados por um terceiro elemento (coincidentia oppositorum), é a origem e caracterização dos fenômenos do mundo (CAMPANI, C., 2011, pág. 50). Na Cabala judaica, a Tríade é associada às três Colunas da Árvore da Vida, às letras hebraicas Álef, Mêm e Shin, e aos elementos Ar, Água e Fogo. A Água se opõe ao Fogo, pois a Água apaga o Fogo e o Fogo ferve a Água. O Ar é o elemento conciliador, equilibrador, porque ele esfria a Água, impedindo que ela evapore, e sopra a Água para longe do Fogo, impedindo que ele apague. Sabemos que o número 3 é considerado pela Maçonaria um número misterioso. Ele contém a unidade, que representa Deus, e a dualidade, que representa o mundo, já que 1+2=3. O número 3 encerra dentro dele dois elementos que se opõem e um elemento que lhes concilia. Ele forma na geometria o triângulo, o menor e mais perfeito polígono. Durante os 3 anos, em recordação às 3 viagens, o Aprendiz Maçom deve compreender a unidade, a dualidade e a trindade (ADOUM, J., 2012, pág. 173). Todos estes conceitos são, sem dúvida, de origem judaica. Finalmente, talvez o mais visível elemento judaico presente nos rituais maçônicos seja a alegoria do ritual de 3º grau. Diferente do que ocorre no ritual de 1º grau, em que o elemento chave é a Câmara de Reflexão4 , com seu simbolismo hermético e alquímico, a elaborada alegoria do 3º grau nos remete à Jerusalém nos tempos do Rei Salomão. Estes são apenas alguns poucos exemplos de influências da Cabala judaica nos rituais da Maçonaria e em seu simbolismo. Inúmeros outros poderiam ser apresentados, mas não pretendemos apresentar mais provas que fundamentem nossa tese sobre esta influência, pois achamos que o apresentado já é suficiente para corroborar a tese. Embora não tão impactantes, observamos também a agregação de elementos da mitologia antiga, da Escola Pitagórica e, como já citado acima, do Hermetismo e Alquimia no simbolismo maçônico. 4. ROSACRUCIANISMO E SUFISMO A Rosa-cruz foi fundada na Alemanha por um grupo de luteranos, em torno do ano de 1604. Eles usaram o símbolo proposto por Martinho Lutero para ser o símbolo do Luteranismo, a rosa e a cruz, como símbolo da sociedade por eles fundada. A iniciativa inicial para a fundação de uma sociedade deste tipo aparentemente deveu-se a Johann Valentin Andrae (1586-1654), um pastor luterano interessado em reformar a vida social na Alemanha da época. O grupo permaneceu oculto até 1614, quando então tornou-se público o documento FAMA Fraternitatis (ANDRAE, J. & VAUGHN, T. & HASELMEYER, A., 1923), um manifesto dos membros da recém fundada organização, cujo objetivo era catalisar a ideia original de Andrae. Há controvérsias se o documento fundador foi obra de Andrae, havendo mais evidências que negam isso do que corroborem (ANDRAE, J. & VAUGHN, T. & HASELMEYER, A., 1923, págs. iii-iv). Existe uma hipótese sustentado que uma das motivações que levaram à fundação da Ordem 4 O uso da expressão “Câmara de Reflexões”, muito difundido no meio maçônico, confunde seu propósito que é o de ser uma reflexão do neófito sobre si mesmo, e não um conjunto de reflexões desconexas.
  6. 6. Rosa-cruz por membros da Igreja Luterana foi a de ser uma contraparte protestante à Companhia de Jesus da Igreja Católica – ordem religiosa que propunha estudar todas as manifestações religiosas, razão pela qual nunca foi bem vista pelo Vaticano. Tal hipótese permanece sem comprovação. A vinculação que a AMORC faz de sua organização com o Antigo Egito é, em nossa opinião, completamente improvável, funcionando muito mais como um belo elemento mítico para adornar o simbolismo e os rituais da Ordem. É mais fácil encontrar a origem da AMORC na filiação de seu fundador, Harvey Spencer Lewis, à Ordo Aureae & Rosae Crucis (OARC), liderada pelo sucessor belga de Peladan, Emille Dantinne (1884-1969), onde recebeu sua iniciação das mãos do próprio Dantinne. O FAMA Fraternitatis descreve a história do mítico fundador da Ordem, Christian Rosenkreuz, chamado no documento de “Pai R.C.”, um alemão que, planejando visitar Jerusalém, acabou viajando para Damasco onde teve contato com “sábios da Arábia” e “maravilhou-se com as revelações que lhes haviam sido feitas sobre toda a natureza”. Após “duras e penosas viagens”, Christian Rosenkreuz retorna para a Alemanha, onde funda o Hospital do Espírito Santo, projeto ao qual juntam-se outros irmãos. O documento segue descrevendo eventos que ocorreram muitos anos após a morte do fundador, quando o Irmão N.N. decide, como bom arquiteto, reformar o edifício da Fraternidade para torná-lo mais adequado aos objetivos da Ordem. No Fama Fraternitatis são definidos os fundamentos axiomáticos da Ordem. Fica evidente, para aqueles que conhecem as alegorias, metodologia e simbolismo das ordens iniciáticas, o significado do mito que o documento descreve. Além disto, fica patente a influência do misticismo islâmico (Sufismo) sobre os primeiros rosa-cruzes. Devemos nos lembrar que foram as obras do sábio muçulmano, filósofo e alquimista árabe Jabir ibn Hayyan (também conhecido como Geber) que reintroduziram na Europa, após um período de obscurantismo, o Hermetismo e a Alquimia. Não podemos deixar de citar o uso de terminologia hermética e alquímica em obras do Imam Al-Tustari, como por exemplo em seu Tafsir Al-Tustari (AL-TUSTARI, S., 2011, págs. XVII-XIX)5 . Há razoáveis evidências do envolvimento de rosa-cruzes na fundação da Franco-Maçonaria e na incorporação dos aspectos especulativos na Ordem, particularmente na França. Este é um assunto extenso, que merece artigo próprio, e não será desenvolvido aqui. 5. SINCRETISMO OU INFLUÊNCIA? Pelo que apresentamos até agora, sincretismo não é uma boa definição para o contexto do assunto abordado. Devemos entender que as relações que se estabeleceram entre as tradições antigas, particularmente a Cabala judaica, os ritos maçônicos e as concepções esotéricas contemporâneas, podem ser melhor conceituadas como influências legítimas e historicamente bem definidas. Isso fica demonstrado pela ausência de utilidade, integração e sobrevivência neste fenômeno, o que, ao contrário, ocorreu com o sincretismo religioso de um modo geral. A pergunta que deve ser feita é se há realmente herança dos rituais das antigas escolas de mistério para os ritos maçônicos. A resposta mais aceitável é pouca ou nenhuma – a despeito de alguns autores maçônicos terem a tendência de aumentar, mistificar e romancear tais possibilidades, vinculando a Maçonaria com os construtores das Pirâmides do Egito e do Templo de Salomão em Jerusalém. Há mais relação dos ritos maçônicos atuais com os ritos primitivos usados pelas 5 Um Tafsir é um comentário ao texto do Alcorão. Os comentários do Imam Al-Tustari são de cunho místico, sendo usada a terminologia hermética e alquímica, sempre conectada a conceitos místicos, porque estas ciências eram populares na época em que a obra foi escrita.
  7. 7. corporações de trabalhadores medievais, especialmente as guildas de pedreiros, os mais antigos rituais da Maçonaria Operativa (CARR, T., 1911), que com os rituais das escolas de mistério da antiguidade. Sugerimos uma comparação do ritual de 1º grau, “Aprendiz contratado”, dos maçons operativos (cf. Worshipful Society of Freemasons, Rough Masons, Wallers, Slaters, Paviors, Plaisterers and Bricklayers Ritual 1° Indentured Apprentice6 ) com os rituais atuais dos Maçons especulativos para que fique evidente a semelhança entre ambos. A presença de elementos simbólicos destas escolas da antiguidade, como os Pitagóricos, na Maçonaria moderna, tem a função de preservar este conhecimento, muito mais que ser algum tipo de sincretismo. O mesmo se pode dizer dos elementos judaicos presentes na definição do Templo Maçônico, formação da Loja, nos rituais e no simbolismo dos graus iniciais da Ordem. A Maçonaria assume assim o papel de repositório e contêiner do conhecimento das antigas civilizações, que a nossos tempos chegaram principalmente pelas mãos dos cabalistas judeus. A relação da religião judaica com as religiosidades do antigo Oriente Médio: Sumérios; Hititas; Babilônios; Assírios; etc. aparece em um contexto histórico em que estas expressões religiosas politeístas imprimiram profunda marca na religiosidade do povo judeu que, ao longo dos séculos, construiu uma das mais antigas crenças monoteístas do mundo, a partir destes elementos politeístas, e que está consolidada na Lei Mosaica. Diversos autores sugerem que a Cabala judaica descende da Cabala caldeia, já perdida nas brumas dos tempos (cf. “The Chaldean Legend”, Theosophy, Vol. 52, No. 6, April, 19647 ). As referências aos Caldeus no livro de Daniel são usadas como comprovação destas alegações. Assim, o misticismo judaico aparece como uma “Arca”, que preservou das vicissitudes do tempo este conhecimento até os dias de hoje. A Cabala judaica consolidou-se e atingiu uma posição quase canônica no Judaísmo em meados da Idade Média, quando apareceram as suas mais importantes obras: o Sêfer Yetsirá; o Bahir; e o Zohar (CAMPANI, C., 2011, pág. 4). As relações da Cabala judaica com o misticismo islâmico também são bem conhecidas (CAMPANI, C., 2011, págs. 124 e 141). Uma hipótese deste autor vincula-se à influência da obra “O Tratado das Letras” do Imam Al Tustari (CLEMENTE, P., 2006) sobre as obras do Rabino Abraão Abuláfia. Esta tese carece aqui de maior aprofundamento, a ser feito em trabalho futuro. Finalmente, para encerrar estes breves parágrafos sobre a história da Cabala judaica, cabe afirmar a legitimidade e originalidade da Cabala dos judeus, que apresenta inequívoca complexidade, profundidade e beleza. Dezenas de ritos maçônicos foram criados e diversos deles sobreviveram aos nossos dias e ainda são praticados. Esta diversidade teve sua origem muito mais em aspectos históricos, na facilitação da execução dos ritos e em influências culturais e políticas do que sincretismo, especialmente religioso. Cabe afirmar que, no ritual maçônico, não há ortodoxia e heresia (LEADBEATER, C., 2012, pág. 30). Em conclusão, tentamos mostrar até aqui que o termo “sincretismo” é inadequado no contexto proposto para este artigo, sendo o termo “influência” mais correto, evidenciando as características do fenômeno de forma mais apropriada, sem a conotação pejorativa que o primeiro termo possui. As possíveis objeções às influências históricas sofridas pelas ordens iniciáticas modernas e o 6 Disponível em: http://www.stichtingargus.nl/vrijmetselarij/operatives_r1.html. Acesso em: 16 de Fevereiro de 2016. 7 Disponível em: http://www.wisdomworld.org/additional/ListOfCollatedArticles/TheChaldeanLegend.html#1top Acesso em: 17 de Fevereiro de 2016.
  8. 8. esoterismo em geral podem ser criticadas ao se perguntar sobre o que é exatamente a “pureza ritualística e doutrinária” em um campo de pensamento em que sempre houve interpenetração de concepções. Podemos fornecer diversos exemplos: Cabala judaica e Cabala caldeia; Rosacrucianismo e Sufismo; Cabala judaica e Sufismo; Hermetismo e Sufismo; Cabala judaica, Hermetismo e simbolismo maçônico; etc. Pelo que foi mostrado até aqui, este conceito de pureza, assim aplicado, é vago e subjetivo. Um caso à parte é o estudo da influência de Thelema e Aleister Crowley no esoterismo e ocultismo contemporâneo. Embora muitos prefiram negar e despistar suas relações com a Ordo Templi Orientis (O.T.O.), Theodor Reuss e Aleister Crowley, sabemos que a filosofia thelêmica penetrou profundamente nas organizações esotéricas e ocultistas contemporâneas, incluindo Maçons de alta patente. A AMORC é um caso emblemático, já que é bem documentada a relação entre a O.T.O. e Harvey Spender Lewis, embora isso hoje seja negado (cf. R. Vanloo, “Is the AMORC an offspring of the O.T.O. or not?”8 ). Existem documentos que comprovam inclusive o pagamento regular de filiação da AMORC à O.T.O. de Reuss, embora Spencer Lewis detestasse Aleister Crowley e ameaçasse Reuss com o corte no pagamento caso Crowley mantivesse seu posto na O.T.O. Esta relação entre a AMORC e a O.T.O., e os contatos entre Lewis e Reuss, são corroboradas também pelo depoimento, preservado em documento, do médico alemão, ocultista, Maçom e rosa-cruz, Dr. Arnold Krumm-Heller, amigo de Reuss. As pesquisas feitas na documentação existente também demonstram uma planejada colaboração entre Reuss e Lewis para a fundação de uma Ordem em finais de 1921, o que é cabal demonstração do envolvimento de Lewis com a O.T.O. de Reuss (cf. P. Koenig, “Ordo Templi Orientis & Antiquus Mysticus Ordo Rosae Crucis”9 ). Outro exemplo de influência de Thelema em ordens tradicionais contemporâneas é a aceitação da filosofia thelêmica pela Fraternitas Rosicruciana Antiqua (FRA), fundada pelo Dr. Arnold Krumm-Heller, que era iniciado na O.T.O. de Reuss. Associado a este tema da disseminação de organizações de cunho ocultista a partir da O.T.O., P. Koenig desenvolve a ideia da McDonaldização10 do ocultismo. O modelo McDonalds de organização ocultista acabou provocando a disseminação de fraternidades, escolas e sociedades espúrias, charlatanismo e imposturas (cf. P. Koening, “Ordo Templi Orientis: The McDonaldisation of Occulture”11 ). 6. INFLUÊNCIAS DO ESOTERISMO E OCULTISMO NA CULTURA POP Uma das expressões da cultura pop que marcaram a Alemanha no início do séc. 20 foi o cinema expressionista alemão. Devemos lembrar que no período que antecedeu a 2ª Guerra Mundial, a Alemanha viveu um fenômeno de profusão de ordens iniciáticas e ocultistas. Este forte interesse pelo ocultismo acabou influenciando a política, a cultura e a arte do país. O próprio Nazismo aparece como um fenômeno não só político, mas também estético (KOEPNICK, L., 1999, Introdução) e religioso/ocultista. O cinema expressionista alemão teve seu ponto máximo nas obras: O Gabinete do Dr. Caligari de Robert Wiene (1920); O Golem de Carl Boese e Paul Wegener (1920); Nosferatu de F.W. Murnau (1922); e Metropolis de Fritz Lang (1927). Todas estas obras contém elementos mágicos e ocultistas. O Golem apresenta também um caráter antissemita, comum na Alemanha da 8 Disponível em: http://www.parareligion.ch/sunrise/vanloo/vanloo.htm. Acesso em: 15 de Fevereiro de 2016. 9 Disponível em: http://www.parareligion.ch/sunrise/vanloo/mylewis.htm. Acesso em: 15 de fevereiro de 2016. 10 McDonaldização é o termo criado pelo sociólogo estadunidense George Ritzer para designar uma cultura que privilegia a superficialidade e a rapidez de consumo. 11 Disponível em: http://www.parareligion.ch/mcdonald.htm. Acesso em: 16 de Fevereiro de 2016.
  9. 9. época, mesmo antes da ascensão do Nazismo. O Gabinete do Dr. Caligari conta a história de um hipnotizador que mantém sob seu controle um sonâmbulo. O Golem baseia-se na lenda judaica de um ser artificial, semelhante ao homunculus de Paracelso, que vem à vida por meio de poderes mágicos da Cabala. Nosferatu foi o primeiro filme feito baseado na obra de Bram Stoker. No filme foram introduzidas ideias ocultistas inspiradas na O.T.O. Finalmente, Metropolis é uma obra de cunho totalmente ocultista e populista. O roteiro do filme descreve um mundo dividido entre duas classes: a classe de Pensadores, que vivem na parte alta da cidade em luxo e ostentação; e a classe de Trabalhadores que vivem nos subterrâneos em condições miseráveis. Evidentemente a cidade de Metropolis só existe pelo trabalho dos que vivem em seus subterrâneos. O construtor e governante de Metropolis, Joh Fredersen, comanda a cidade em um prédio que é chamado de “Nova Torre de Babel”. Ele tem um filho chamado Freder que, acidentalmente, acaba indo visitar os subterrâneos. Em cena memorável, o filme mostra os trabalhadores exercendo atividades repetitivas e dependentes em uma máquina, que na visão de Freder transforma-se no ídolo pagão canaanita Moloch, ao qual eram ofertados sacrifícios humanos. Freder tem a visão do ídolo-máquina devorando os trabalhadores. A partir desta visão, Freder busca saber mais sobre a situação dos trabalhadores e descobre uma mulher, Maria, que é uma líder religiosa, santa e carismática que busca conscientizar os trabalhadores de sua situação. Sabendo disso, Joh Fredersen procura o mago-engenheiro C.A. Rotwang, que projeta um androide com capacidade de assumir a aparência de uma pessoa. Rotwang é a imagem do ocultista, com um Pentagrama invertido adornando seu laboratório e uma porta em sua casa que leva às catacumbas da cidade, uma referência ao conhecimento dos antigos. Sua mão direita é mecânica, o que evoca a “mão oculta” e a senda da mão esquerda. O androide, assumindo a aparência de Maria, é enviado por Rotwang a Yoshiwara, um lugar de luxúria e perdição, e passa a confundir a todos com um comportamento lascivo. Em determinado momento, ela é erguida sobre os ombros de diversos homens com um cálice na mão, a representação exata de Babalon, a prostituta do Apocalipse na filosofia thelêmica, sustentada sobre os sete pecados capitais e com um cálice cheio de abominações em sua mão. Ao final, Freder consegue evitar uma tragédia e media um acordo entre Joh Fredersen e os trabalhadores. Ele torna- se o mediador entre “a cabeça” (os Pensadores) e “as mãos” (os Trabalhadores). A película é uma alegoria sobre o populismo e a conciliação social benéfica aos interesses apenas dos que estão “acima”. Considerando a época da exibição do filme, a vinculação disso com o Fascismo e o Nazismo é bem óbvia. Mas a mensagem do filme permanece atual, com o papel de mediador, em nossa sociedade dominada pelo neoliberalismo e o capitalismo financeiro, sendo interpretada pela cultura pop alienante e pela mídia de massas. A obra acabou tendo enorme influência na cultura pop contemporânea. Basta ver as enumeráveis capas de revistas inspiradas no visual de Metropolis e na aparência do androide/Maria, ou então no clipe Radio Gaga do grupo Queen, em que são usadas cenas do filme e em que Fred Mercury assume a aparência de Maria. Vemos a mesma imagem de Maria na estética de Lady Gaga no clipe Paparazzi. Interessante observar que o nome artístico de Lady Gaga é uma homenagem ao clipe Radio Gaga. No clipe Material Girl, Madonna reproduz exatamente a cena em que Maria representa Babalon (LIVINGSTONE, D., 2015).
  10. 10. No universo de Star Wars, não podemos esquecer a influência de Maria na aparência do androide C-3PO, assim como a mão direita mecânica de Darth Vader e Luke Skywalker, uma referência ao personagem Rotwang. Além disso, é bem conhecido o envolvimento de diversos artistas pop com o ocultismo. Um exemplo é o envolvimento de David Bowie com vertentes magickas12 da cabala e Thelema. Ele nunca escondeu que parte da inspiração para sua obra reside nas ideias de Aleister Crowley. Em seus clipes, seus gestos, posturas e visual, e as letras das músicas buscam transmitir, mesmo que subliminarmente, estas concepções thelêmicas. Na sua música “Station to Station”, de 1976, ele faz referência à Árvore da Vida, descrevendo uma viagem “para baixo”, da divindade para a Terra, ao dizer na letra da música: “from Kether to Malkuth”. Também envolvidos com o ocultismo estão Jimmy Page do Led Zeppelin, um estudante de ocultismo, e o escritor de histórias em quadrinhos Alan Moore, responsável pela criação de sucessos como Watchmen e V de Vingança, assim como pela nova fase de Batman, que é profundamente envolvido em magia ritualística (LIVINGSTONE, D., 2015). Interessante lembrar que o selo de gravação do grupo Led Zeppelin assemelha-se a uma representação de Lúcifer, o anjo caído, e que encartes de álbuns do grupo apresentam símbolos ocultistas. Sabemos que nos anos 70 Jimmy Page estava obcecado por Crowley. Em todos os casos, a influência ocultista nas obras é bem clara. Poderíamos citar inúmeros outros exemplos, mas parece-nos suficiente os apresentados para comprovar a influência do ocultismo na cultura pop contemporânea. Na década de 60, esta confluência de sinais e ideias ocultistas na cultura pop acabou resultando no surgimento do New Age e do Movimento Hippie. O New Age faz parte dos movimentos de contracultura característicos da época em que surgiu, visando um novo modelo de consciência moral e social. Ele teve como inspiração princípios teosóficos e escritos ocultistas do início do século 20. O movimento tem como referência a música Imagine de John Lennon. 7. OS PERIGOS DO TRANS-HUMANISMO O Humanismo foi um aspecto fundamental do Renascimento, surgindo junto com o Protestantismo e a revolução científica. Ele teve profunda influência na Revolução Francesa e seus ideais. O Humanismo valoriza a condição humana e suas potencialidades. Ao longo do século 20, o Humanismo acabou induzindo a luta pelos direitos humanos e grandes avanços sociais. Sobre isso, para Norberto Bobbio, “O elenco dos direitos do homem se modificou, e continua a se modificar, com a mudança das condições históricas” (BOBBIO, N., 2004, pág. 13). A Maçonaria, que recebeu grande influência dos ideais da Revolução Francesa, e a Rosa- cruz, de inspiração Protestante, nasceram em torno de ideais humanistas. Pelas influências históricas e contexto em que surgiram, o caráter das organizações maçônicas e rosa-cruzes é místico e humanístico. Nos anos recentes tornaram-se populares ideias trans-humanísticas ou pós-humanísticas, ambos termos de sentido vago, denotando algum tipo de superação da condição humana. Embora o termo “trans-humanismo” seja aplicado à ciência e tecnologia, ele também aparece como uma agenda ocultista (LIVINGSTONE, D., 2015). Neste contexto, os perigos da busca do “homem superior” manifestam-se na desvalorização da condição humana e dos direitos humanos, e na divisão da humanidade entre os “superiores”, os “acima”, e os “inferiores”, os que vivem nos subterrâneos, como nos mostra o filme Metropolis. A condição humana já não é mais importante e 12 A palavra “magicka” com “k” é uma indicação que trata-se de uma vertente thelêmica. O uso do “k” na palavra inglesa “magick” é uma inovação de Crowley.
  11. 11. está submetida à um conceito de evolução que a supera e desvaloriza, com todos os problemas éticos que daí derivam. Esta agenda pode ser percebida nas relações entre o Nazismo e as ideias de Friedrich Nietzsche. Para a ideologia nazista, a humanidade se dividiria entre os da “raça superior” e os das “raças inferiores” (Untermenschen). As origens ocultistas da ideologia Nazista são bem conhecidas. Seguramente o homem que mais influenciou Hitler, no período que antecedeu a sua ascensão ao poder, foi o ocultista Johann Dietrich Eckart. Devemos entender que a Alemanha viveu um renascimento ocultista no período que antecedeu a ascensão do Nazismo, de 1880 até 1910. Na fundação do partido Nazista aparece em destaque a Sociedade Thule, uma sociedade ocultista com uma agenda racista e trans-humanista (GOODRICK-CLARKE, N., 1993). Neste contexto, a SS de Himmler aparece como um novo culto pagão e ocultista, que encontra inspiração nas lendas arturianas e onde podemos encontrar rituais iniciáticos e mágicos, tendo o próprio Himmler como um tipo de sumo sacerdote. Estas concepções trans-humanísticas presentes no ocultismo são transmitidas pela própria cultura pop, basta citar a letra da música “Quicksand” de David Bowie, de 1971, onde ele diz: “Just a mortal with potential of a superman.” Interessante complementar que Bowie tinha uma obsessão pelo Nazismo, e na mesma música ele diz: “I'm living in a silent film Portraying Himmler's sacred realm” A implicação deste imaginário ocultista trans-humanista é que, sob a influência do sistema econômico e político atual, o neoliberalismo, os homens sejam divididos entre aqueles que possuem todos os direitos e aqueles que não possuem nenhum direito. Para o “homem superior” não há Deus – Deus está morto. A busca do “homem superior” tende a desenvolver ideologias que submetem largas camadas da população à condição de “sub-humanos”, disseminando intolerância, preconceito e xenofobia, como vemos hoje nas ruas do nosso país. Esta é uma conveniente situação para a consolidação do neoliberalismo e do capitalismo financeiro internacional. A progressão de ideias deste tipo no seio das organizações iniciáticas e ocultistas remete tais organizações ao niilismo e ateísmo. 8. CONCLUSÃO Neste artigo apresentamos as ordens iniciáticas modernas, em especial a Maçonaria, desempenhando o nobre papel de repositório ou contêiner para a preservação do conhecimento filosófico, iniciático e místico antigo. Usando uma terminologia teosófica, podemos dizer que as ordens iniciáticas desenvolvem a síntese do conhecimento antigo e da ciência e filosofia. Como afirma o grande estudioso e místico muçulmano René Guénon, em aula proferida em 1925: “a pura metafísica está essencialmente acima e além de toda forma e toda contingência ... sob a aparência de diversidade existe sempre uma base de unidade, ao menos, onde a verdadeira metafísica existe, pela simples razão de que a verdade é única.” (citado em CAMPANI, C., 2011, Prefácio, pág. xxii). A discussão sobre a apropriação de conhecimento antigo nas ordens iniciáticas e no ocultismo e esoterismo contemporâneo concentra-se em estabelecer a legitimidade desta influência. Mostramos neste artigo que a expressão “sincretismo”, com o seu sentido pejorativo muitas vezes induzido, não é a melhor definição. Demonstramos que a presença de elementos judaicos na Oficina
  12. 12. moderna, assim como de elementos do misticismo islâmico entre os rosa-cruzes originais, não é uma influência espúria, mas encontra-se bem fundamentada num contexto histórico bem definido. O conceito de pureza ritualística e doutrinária aplicado a este caso é, como vimos, vago e subjetivo. No caso específico da Franco-Maçonaria, a exclusão das influências judaicas e cabalísticas praticamente faria desaparecer todo o simbolismo e o sentido presente nos graus simbólicos, que são a base da Maçonaria especulativa, restando apenas muito pouca coisa dos graus filosóficos, que possuem alguma influência cristã. Podemos fornecer exemplos de ambas as influências, cristãs e judaicas, nos graus filosóficos. Basta ver que, no Rito Escocês Antigo e Aceito, o 18º grau, um dos mais profundos e importantes, tem como emblema a rosa-cruz entre as pernas de um compasso, tendo abaixo a imagem de um pelicano arrancando pedaços de seu próprio peito para alimentar seus sete filhotes. No círculo estão as letras I.N.R.I. O grau faz referência ao Monte Calvário. Estes emblemas e símbolos não são judaicos, mas cristãos. No entanto, no geral, os elementos judaicos prevalecem nos graus filosóficos, como no 23º grau em que, próximo ao Trono, é posta a Arca da Aliança, onde se pode ver o Tetragrama, e o avental é decorado com o Candelabro de Sete Braços. Devemos nos lembrar que estes elementos judaicos são simbólicos, não religiosos, transmitindo ensinamentos esotéricos e éticos. Assim, estes elementos não são sincréticos, mas essenciais para o trabalho da Ordem. No artigo foi feita uma breve discussão das imposturas, charlatanismo e McDonaldização das ordens iniciáticas e do esoterismo, como definido por Peter Koenig. Mostramos também que as ordens iniciáticas passam por um processo, em certo sentido degenerativo, de influência do neoliberalismo em seu “senso comum”, que é consequência das concepções trans-humanísticas que povoam o imaginário ocultista. Tais elementos acabam introduzindo nas ordens iniciáticas e no esoterismo contemporâneo concepções niilistas. Nossa exposição baseia-se no trabalho de David Livingstone. Em trabalhos futuros pretendemos desenvolver melhor a influência do ocultismo na cultura pop e suas consequências e um estudo sobre a hipótese feita por este autor de influência da obra “O Tratado das Letras” do Imam Al Tustari nos trabalhos do Rabino Abraão Abuláfia. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS FONSECA, D. As raízes do sincretismo religioso afro-brasileiro. Revista Língua Viva, Vol. 2, N. 1, p. 96-136, jul./dez. 2012. ISSN: 2237-9800. REIS, J. Rebelião Escrava no Brasil: a história do levante dos Malês em 1835. São Paulo: Companhia das Letras, 2003. KOENIG, P. Der O.T.O. Phänomen. München, 2001. LEADBEATER, C. Pequena História da Maçonaria. 12ª edição, São Paulo: Pensamento, 2012. ISBN: 978-85-315-0501-0. MACKEY, A. Encyclopedia of Freemasonry, Vol I (1873) & Vol II (1878). Disponível em: http://www.themasonictrowel.com/ebooks/freemasonry/eb0091.pdf. Acesso em: 21 de Fevereiro de 2016.
  13. 13. CAMPANI, C. Fundamentos da Cabala: Sêfer Yetsirá – Edição revisada e ampliada. Editora e Gráfica da Universidade Federal de Pelotas, 2011, 346p. ISBN: 978-85-7192-803-9. Disponível em: https://archive.org/details/livrocomcapa. Acesso em: 18 de Fevereiro de 2016. BOUCHER, J. A Simbólica Maçônica. São Paulo: Ed. Pensamento, 1979. ISBN: 85-315-0625-5. ADOUM, J. Grau do Aprendiz e seus Mistérios. 22ª edição, São Paulo: Ed. Pensamento, 2012. ISBN: 978-85-315-0277-4. ANDRAE, J. & VAUGHN, T. & HASELMEYER, A. The Fame and Confession of the Fraternity of R.C.; Commonly of the Rosie Cross: With a Praeface Annexed Thereto, and a Short Declaration of Their Physical Work. Societas Rosicruciana in Anglia, 1923. Disponível em: http://oadriax.net/FTP/Masonic%20Rosicrucian%20Library/fama.pdf. Acesso em: 16 de Fevereiro de 2016. AL-TUSTARI, S. Tafsir Al-Tustari: The Great Commentaries on the Holy Qur’an. Series Volume IV, Tradução de Annabel Keeler e Ali Keeler, Royal Aal al-Bayt Institute for Islamic Thought & Fons Vitae Publishing, 2011, 478 pp. ISBN-13: 9781891785191. CARR, T. The Ritual of the Operative Free Masons. Cornell University Library. Tyler Publishing Co., 1911. The Chaldean Legend. Theosophy, Vol. 52, No. 6, April, 1964, pp. 175-182. Disponível em: http://www.wisdomworld.org/additional/ListOfCollatedArticles/TheChaldeanLegend.html#1t op. Acesso em: 17 de Fevereiro de 2016. CLEMENTE, P. El Tratado de las Letras (Risalat Al-Huruf) del Sufi Sahl Al-Tustari. Anuario de Estudios Filológicos, ISSN 0210-8178, vol. XXIX, 2006, p. 87-100. KOEPNICK, L. Walter Benjamin and the Aesthetics of Power. University of Nebraska Press, 2ª edição, Series Modern German Culture and Literature, 1999. 277 pp. ISBN-13: 9780803227446. ISBN-10: 0803227442. LIVINGSTONE, D. Transhumanism: The History of a Dangerous Idea. Sibilillah Publications, 2015. ISBN-10: 1515232573. ISBN-13: 978-1515232575. BOBBIO, N. A Era dos Direitos. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004. GOODRICK-CLARKE, N. The Occult Roots of Nazism: Secret Aryan Cults and Their Influence on Nazi Ideology. New York University Press, 1993. 293 p. ISBN-13: 978-0814730607 ISBN-10: 0814730604.

×