Gab cap.20

4.132 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Gab cap.20

  1. 1. GabaritoCap. 20 Interpretando o Brasil.
  2. 2. Monitorando a aprendizagem• 1. a) A ideia-chave desse autor é a do “homem cordial” – tipo sociológico que age pela emoção, abdica da formalidade e do respeito aos esquemas universais e apoia-se na lógica de favores. O “homem cordial” não diferencia o espaço público do espaço privado, ou seja, ele atua no espaço público com as mesmas regras e valores utiliza na esfera privada.
  3. 3. Monitorando a aprendizagem• 1. B) Porque o espaço público é tomado como prolongamento do espaço privado. Essa confusão de valores favorece a ocorrência de fenômenos como o coronelismo, o apadrinhamento, o “jeitinho” e a corrupção, em que os interesses pessoais estão acima do bem comum. A essa lógica o autor chamou de patrimonialismo: em lugar de critérios universais e objetivos, o “homem cordial” leva em consideração os laços sentimentais e familiares.
  4. 4. Monitorando a aprendizagem• 1. C) O objetivo é identificar no espaço urbano algumas práticas identificadas ao patrimonialismo e práticas relacionadas a normas universais (modernas). Existem mudanças e permanências. A vida urbana pede regras universais e a sociedade brasileira as cria , porém elas se combinam com a lógica patrimonialista. Ex: a moderna legislação de trânsito e alguns expedientes usados por muitos motoristas para burlá-las é um exemplo.
  5. 5. Monitorando a aprendizagem• Normas específicas para proteger segmentos específicos (filas especiais para gestantes, idosos e deficientes físicos).• Esquemas que contrariam a normas universais (furar fila).
  6. 6. Monitorando a aprendizagem• “ A casa e a rua” são categorias que se prestam a uma leitura da sociedade brasileira porque “casa” e “rua” não se referem simplesmente a espaços geográficos ou a coisas físicas. São noções que exprimem valores morais e representam espaços de ação social. A casa define tanto um espaço íntimo e privativo de uma pessoa como um espaço máximo e absolutamente público, como quando os referimos ao Brasil como nossa casa.
  7. 7. Monitorando a aprendizagem• A rua é vista como lugar do impessoal, do isolamento e do desumano. É o espaço da malandragem e do perigo, daquilo que não tem dono (na rua se pode fazer tudo e de qualquer forma). Estar em casa ou na rua envolve mudanças de atitudes, gestos, roupas, assuntos e mesmo de papéis sociais. É muito comum que mesmo sujeito que faz questão de manter sua casa limpa e organizada se sinta à vontade para jogar lixo na calçada.
  8. 8. Monitorando a aprendizagem• Para muitos brasileiros, atitudes como essa não são vistas como contraditórias. É por isso que o código da casa (pessoal e hierarquizado) e o código da rua (individualista e igualitário) são percebidos por nós como diferentes, mas nem por isso exclusivas ou hegemônicas.
  9. 9. Assimilando conceitos• Proibição: dirigir carro usando celular com fone ou viva voz. (não pode).• Desconforto da lei: suprimir a praticidade de usar telefone celular quando e onde se quer em prol da segurança do motorista, passageiro e pedestre.• Jeitinho: se a lei não menciona a proibição de usar telefone público ao dirigir, o indivíduo usa (isso pode).
  10. 10. Assimilando conceitos• Modo pacífico de resolver problemas que não corresponde à realidade social: mesmo se a situação da charge fosse possível (dirigir e usar um telefone público ao mesmo tempo), a lógica da lei estaria em questão, pois seu objetivo é a segurança do público. (“orelhão).

×