Cap.16: Sociologia da Comunicação

7.612 visualizações

Publicada em

0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.612
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
147
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cap.16: Sociologia da Comunicação

  1. 1. A sociologia e as teorias da comunicação<br />Roberto Mosca Jr.<br />
  2. 2. Introdução<br />Sociologia e meios de comunicação de massa.<br />Tecnologia da produção de bens materiais vs tecnologia dos meios comunicação.<br />Mudança na relação das pessoas com o mundo e com as outras pessoas. (sujeito sociológico).<br />Tecnologia ligada a produção simbólica:<br />prensa manual (Gutemberg séc. - XVI)<br />Fotografia (Daguerre - 1839).<br />Telefone (Grambell - 1876). <br />
  3. 3. Introdução<br />Conhecimento passa a ser produzido, registrado, reproduzido e disseminado.<br />Imprensa (prensa automatizada).<br />Cultura em moldes industriais.<br />Mensagens dirigidas a um público amplo, irrestrito e indiferenciado.<br />Uso de tecnologia para para conquista de lucro e poder.<br />
  4. 4. Introdução<br />Sec. XIX:<br />Primeiros jornais, telégrafo e linhas férreas.<br />Relação agentes, lugares e fatos antes isolados, desconhecidos e inacessíveis, agora se aproximam no tempo e espaço.<br />A informações antes ligadas ao contato direto e à linguagem oral quase sempre predominante, agora dispõem de outros suportes.<br />
  5. 5. Introdução<br />Transformação da visão de mundo e cultura dos grupos sociais.<br />Não temos mais dimensões objetivas e naturais, mas sim representações construídas tecnologicamente.<br />Ampliação do universo mediático.<br />
  6. 6. O Advento da sociedade de massa<br />Os camponeses chegavam às cidades, devido ao desenvolvimento da revolução industrial e da urbanização, em geral, perdiam as identidades familiares e regionais para, em um processo de permanente assimilação, transformarem-se em um complexo e amalgamado conjunto social caracterizado pela venda da força de trabalho e pelo impedimento de acesso ao conhecimento e informação cultural. As elites viam com desconfiança a população indiferenciada quanto a sexo, idade e origem, e passaram a denominá-la de massa.<br />
  7. 7. A comunicação como mídia<br />Mass Communication Researche (Pesquisa de comunicação de massa)<br />Harold Lasswell<br />Entender o funcionamento dos meios de comunicação de massa era importante para usá-lo a favor da democracia.<br />Mídia enquanto arma de condução das massas<br />Teoria “hipodérmica” (uso instantâneo e eficiente da mídia sobre a população).<br />Orson Wells e Segunda Guerra Mundial.<br />
  8. 8. A comunicação como informação<br />Durante toda a primeira metade do século XX, predominava essa visão da comunicação como resultado de um processo tecnológico bem concebido do ponto de vista estratégico.<br />Meio como suporte e não como forma expressiva.<br />Feedback é o processo pelo qual um emissor pode controlar um processo de comunicação, por meio de mecanismos de resposta do receptor. Um dos exemplos mais conhecidos é o IBOPE, que vai informar o número de televisões ligados em determinado programa.<br />
  9. 9. A Escola de Palo Alto ou a comunicação como interação<br />A comunicação é a via pela qual as interações se dão de forma recíproca e em múltiplos sentidos, a partir de regras e códigos nem sempre evidentes.<br />
  10. 10. A teoria crítica e a comunicação como indústria<br />Em relação a comunicação pensava a cultura mediática como nova forma de opressão ideológica e dominação da burguesia sobre as classes subalternas.<br />Rejeitavam o conceito de cultura de massa. (não são produzidos pela massa e nem satisfazem suas necessidades).<br />Nova forma de distribuição de uma cultura simbólica de baixa qualidade.<br />
  11. 11. A teoria crítica e a comunicação como indústria<br />Gosto cultural de segunda linha.<br />Entretenimento de baixo custo.<br />Produção maciça e seriada de bens simbólicos: Jornais, cinema e radio e televisão constituem sistemas de dominação.<br />Apropriação do “tempo livre” do trabalhador.<br />Happy end.<br />
  12. 12. A teoria crítica e a comunicação como indústria<br />As classes mais pobres, diante da racionalidade econômica e política da indústria cultural, só resta a subserviência e a passividade.<br />Dominação cultural<br />Primeira geração que se seguiram a escola de frankfurt: Habbermas, Jean Boudrillard e Guy Débord. (os meios de comunicação de massa estão presos a sistemas eficientes de exercício do poder econômico, social e político).<br />
  13. 13. A comunicação como cultura<br />Cultural Studies(Birminghan/CCCS)<br />Richard HoggartEdward Thompson, Stuart Hall.<br />É o receptor que, com sua cultura subjetividade e contexto social no qual está imerso, estabelece o sentido de uma mensagem.<br />Influência da escola de Chicago e da técnica da etnografia (pesquisa empírica).<br />Conceito de hegemonia de Gramsci.<br />História literária de George Lúkacs.<br />Comunicação não possui uma racionalidade mecânica, mais sim uma complexidade e ambiguidade.<br />
  14. 14. A comunicação como texto e contexto<br />Metodologia hermenêutica (valorização do texto para entendimento das mensagens).<br />Decifração de códigos, das regras e dos signos lingüísticos.<br />Levi Strauss.<br />Saussure<br />Roland Barthes (procura entender o processo de criação de símbolos e de suas regras de combinação, que constituem sua gramática).<br />Estudo da fotografia em a câmera clara.<br />

×