1
MANUAL DE OPERAÇÃO
OSMOSE REVERSA SMART
Imagens ilustrativas
REV.01.03
2
SUMÁRIO
1. INTRODUÇÃO......................................................................................................
3
1. Introdução
A finalidade deste manual é apresentar os principais componentes do equipamento, sua importância, e
demons...
4
1.3.A temperatura da água e a rejeição salina
A temperatura da água tem grande influencia sobre o desempenho do equipame...
5
2. Principais componentes do sistema:
2.1.Visão geral do equipamento:
OSMOSE de 10 á 45 l/h
OSMOSE de 75 l/h VISTA TRASE...
6
Etapas de filtração e vazão de acordo com cada modelo.
Modelo Vazão
Estágios
de
filtração
Filtro de
PP 5µm
Filtro
de
Car...
7
2.2.Válvulas
Válvula Tipo Função
Rejeito
(regulagem)
Manual plástico,
mangueira 1/4"
Controla a vazão e/ou pressão da ág...
8
2.8.Membrana de Osmose Reversa
Material: Poliamida tipo TFC de alta performance
Modelo: (ver tabela)
Pressão máxima de o...
9
3. Acessórios opcionais
Os acessórios opcionais já devem sair de fábrica instalado, caso necessite instalação posterior ...
10
A potencia dos equipamentos varia de 50 á 90 W, depende do número de estágios e vazão.
4.2.Instalando o equipamento (se...
11
4.3.Instalando o equipamento (com reservatório pressurizado)
O equipamento com reservatório liga e desliga automaticame...
12
4.4.Instalando o equipamento (com reservatório atmosférico)
O equipamento com reservatório liga e desliga automaticamen...
13
4.5.Parâmetros de ajuste e funcionamento
ITEM PARÂMETROS Como verificar
Pressão de entrada* Entre 1,0 e 4,0kgf/cm² Nece...
14
5. Manutenção periódica
5.1.Intervalo para a troca dos elementos filtrantes
A troca dos elementos filtrantes é fundamen...
15
5.2.Regulagem do equipamento
A regulagem da vazão do equipamento é feita por meio da válvula de regulagem do rejeito, q...
16
5.3.Ajuste do condutivímetro
Funções dos botões:
Sinal do
botão
Nome função
Select Key
1. Definição da casa decimal a s...
17
6
Configuração
do limite do
alarme
O sinal de "HI" e o buzzer pisca, pressione tecla select
key e add key para a entrad...
18
6. Problemas e soluções
Problema Causa Solução
Máquina não liga, nem a luz
vermelha do botão.
Falta de energia
Verifiqu...
19
7. Limpeza Química/Sanitização
7.1.Condições para realizar a Limpeza Química/Sanitização
A necessidade de proceder à li...
20
Limpeza química
1º parte Limpeza básica (ou Alcalina)
Produto: hidróxido de sódio NaOH (soda caustica)
 Encha um barri...
21
7.4.Procedimento para sanitização preventiva com BP 600 (Solução de glutaraldeído)
Imagem Ilustrativa
Para realizar o p...
22
DICA:
Após colocar o BP600 na osmose e realizar a sequência de procedimentos para sanitização, o filtro
bacteriológico ...
23
8. Valores iniciais para referências
8.1.Resultados iniciais de desempenho
Após colocar o equipamento em plena operação...
24
9. Armazenamento, conservação e descontinuidade.
9.1.Armazenamento
O armazenamento do equipamento deve ser feito em loc...
25
11. Termo de garantia legal
(De acordo com o Código de Proteção e Defesa do Consumidor: Lei no
. 8.078, de 11 de Setemb...
26
12. Ficha de controle
Faça uma copia desta ficha e preencha para ter um controle do desempenho do equipamento (no mínim...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Manual osmose smart - rev01 03 - condutivímetro honest

572 visualizações

Publicada em

Manual de osmose para controle de água para autoclave a vapor.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
572
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Manual osmose smart - rev01 03 - condutivímetro honest

  1. 1. 1 MANUAL DE OPERAÇÃO OSMOSE REVERSA SMART Imagens ilustrativas REV.01.03
  2. 2. 2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO................................................................................................................................................................... 3 1.1. O QUE É OSMOSE REVERSA............................................................................................................................................ 3 1.2. MEMBRANA DE OSMOSE UM DOS PRINCIPAIS COMPONENTES DO EQUIPAMENTO ........................................................... 3 1.3. A TEMPERATURA DA ÁGUA E A REJEIÇÃO SALINA ......................................................................................................... 4 2. PRINCIPAIS COMPONENTES DO SISTEMA:............................................................................................................ 5 2.1. VISÃO GERAL DO EQUIPAMENTO:.................................................................................................................................. 5 2.2. VÁLVULAS.................................................................................................................................................................... 7 2.3. BOMBA DE PRESSURIZAÇÃO DA MEMBRANA ................................................................................................................ 7 2.4. CARCAÇA DE FILTROS................................................................................................................................................... 7 2.5. FILTRO DE PP 5µM ........................................................................................................................................................ 7 2.6. FILTRO DE CARVÃO....................................................................................................................................................... 7 2.7. VASO DE PRESSÃO DA MEMBRANA................................................................................................................................ 7 2.8. MEMBRANA DE OSMOSE REVERSA ............................................................................................................................... 8 2.9. FILTRO DEIONIZADOR................................................................................................................................................... 8 2.10. FILTRO BACTERIOLÓGICO ............................................................................................................................................. 8 2.11. ESTERILIZADOR ULTRAVIOLETA (LÂMPADA UV)......................................................................................................... 8 2.12. CONDUTIVÍMETRO DIGITAL........................................................................................................................................... 8 3. ACESSÓRIOS OPCIONAIS ............................................................................................................................................. 9 3.1. RESERVATÓRIO ANAERÓBIO DE 10 OU 45 LITROS.......................................................................................................... 9 3.2. RESERVATÓRIO ATMOSFÉRICO DE 30, 50, 100 E 200 LITROS ......................................................................................... 9 3.3. SUPORTE DE SOBREPOR EM BANCADA .......................................................................................................................... 9 4. INSTALAÇÃO.................................................................................................................................................................... 9 4.1. REQUISITOS MÍNIMOS PARA OPERAÇÃO ........................................................................................................................ 9 4.2. INSTALANDO O EQUIPAMENTO (SEM RESERVATÓRIO, OPERAÇÃO DIRETA).................................................................. 10 4.3. INSTALANDO O EQUIPAMENTO (COM RESERVATÓRIO PRESSURIZADO)........................................................................ 11 4.4. INSTALANDO O EQUIPAMENTO (COM RESERVATÓRIO ATMOSFÉRICO) ......................................................................... 12 4.5. PARÂMETROS DE AJUSTE E FUNCIONAMENTO ............................................................................................................. 13 5. MANUTENÇÃO PERIÓDICA ....................................................................................................................................... 14 5.1. INTERVALO PARA A TROCA DOS ELEMENTOS FILTRANTES........................................................................................... 14 5.2. REGULAGEM DO EQUIPAMENTO.................................................................................................................................. 15 5.3. AJUSTE DO CONDUTIVÍMETRO..................................................................................................................................... 16 6. PROBLEMAS E SOLUÇÕES......................................................................................................................................... 18 7. LIMPEZA QUÍMICA/SANITIZAÇÃO ......................................................................................................................... 19 7.1. CONDIÇÕES PARA REALIZAR A LIMPEZA QUÍMICA/SANITIZAÇÃO............................................................................... 19 7.2. PRODUTOS A SEREM UTILIZADOS PARA A LAVAGEM QUÍMICA / SANITIZAÇÃO ........................................................... 19 7.3. PROCEDIMENTOS PARA LIMPEZA QUÍMICA.................................................................................................................. 19 LIMPEZA QUÍMICA.................................................................................................................................................................... 20 7.4. PROCEDIMENTO PARA SANITIZAÇÃO PREVENTIVA COM BP 600 (SOLUÇÃO DE GLUTARALDEÍDO).............................. 21 8. VALORES INICIAIS PARA REFERÊNCIAS.............................................................................................................. 23 8.1. RESULTADOS INICIAIS DE DESEMPENHO...................................................................................................................... 23 8.2. ANALISE DA ÁGUA ...................................................................................................................................................... 23 9. ARMAZENAMENTO, CONSERVAÇÃO E DESCONTINUIDADE......................................................................... 24 9.1. ARMAZENAMENTO...................................................................................................................................................... 24 9.2. CONSERVAÇÃO ........................................................................................................................................................... 24 9.3. DESCONTINUIDADE DO EQUIPAMENTO........................................................................................................................ 24 10. ASSISTÊNCIA TÉCNICA .............................................................................................................................................. 24 11. TERMO DE GARANTIA LEGAL ................................................................................................................................. 25 12. FICHA DE CONTROLE ................................................................................................................................................. 26
  3. 3. 3 1. Introdução A finalidade deste manual é apresentar os principais componentes do equipamento, sua importância, e demonstrar como devem ser os ajustes para o correto funcionamento do equipamento de Osmose Reversa SMART. A Osmose Reversa SMART é indicada para uso em laboratórios, hospitais, autoclaves, etc. A linha de osmoses laboratoriais tem varias opções de estágios de filtração: 3, 4, 5 e 6 estágios. Também apresenta varias opções de vazão: 10, 20, 30, 45 e 75 l/h. Nota: Para a máxima eficiência do equipamento recomendamos enviar para VEXER uma análise da água que alimentará o equipamento. 1.1.O que é osmose reversa Osmose é um processo natural que ocorre nas células de nosso corpo. Quando uma membrana semipermeável fica entre meios com diferentes concentrações salinas, através de uma pressão (osmótica) a água tende a atravessar a membrana em direção à solução mais salina, para tentar manter o equilíbrio salino das soluções. Na osmose reversa é aplicada uma pressão superior a pressão osmótica fazendo com que apenas água mais salina atravesse a membrana na direção da água menos salina obtendo-se água pura. Os sais dissolvidos são rejeitados pela membrana 1.2.Membrana de osmose um dos principais componentes do equipamento A osmose reversa hoje é o meio mais eficiente, estável e contínuo para filtração no que diz respeito a qualidade e baixo custo em processos que requeiram baixa concentração por íons, bactérias, etc. A membrana executa um processo físico de filtração por isso é eficiente para vários contaminantes, remove em média 96% dos sais dissolvidos e 99% de bactérias e vírus. A membrana de osmose reversa é o principal componente de filtração do equipamento. É um componente relativamente delicado que para ter uma vida útil adequada e eficiência precisa operar dentro de certos parâmetros. Por isso vale lembrar a necessidade de seguir as instruções deste manual principalmente em relação a troca dos elementos filtrantes, regulagem da máquina e uma análise da água de alimentação onde é verificado se é adequada ao funcionamento do aparelho, em casos extremos é necessário pré- adequar a água antes de entrar no equipamento.
  4. 4. 4 1.3.A temperatura da água e a rejeição salina A temperatura da água tem grande influencia sobre o desempenho do equipamento de osmose reversa. No gráfico pode-se notar que quanto maior a temperatura da água de alimentação maior é a vazão do permeado (água tratada) e menor a rejeição salina, se a temperatura estiver baixa a vazão de água tratada será menor. A temperatura da água de referência é 25ºC. No momento de regulagem da máquina deve-se observar este fator. Para calcular a vazão em determinada temperatura use a seguinte expressão: FCT Cáteóricavazão permeadovazão   25 A membrana de osmose reversa de última geração (tipo TFC) rejeita até 99,5% dos sais dissolvidos, porém existem alguns saís que tem taxa de rejeição menor, na média a rejeição é de 96%, mas pode variar dependendo dos tipos de sais predominantes na água. A tabela abaixo mostra a taxa de rejeição de algumas substâncias. Substância Rejeição Substância Rejeição Cálcio 95/99% Bicarbonato 95/99% Sódio 94/99% Arsênio 97/99% Magnésio 95/99% Borato 61/92% Chumbo 94/99% Boro 67/95% Nitrato 90/97% Cádmio 97/99% Amônia 85/97% Níquel 97/99% Alumínio 97/99% Cianureto 92/97% Cobre 97/99% Sílica 97/99% Cloreto 97/99% Fluoreto 96/99% Radioatividade 95/99% Zinco 97/99% Pesticidas 98/99% Potássio 87/94% Prata 95/99% Bário 96/99% Fosfato 97/99% Ferrocianeto 98/99% Sulfato 97/99% Acetona 70% Cromato 95/99% Formol 40% Estrôncio 96/99% Orgânicos 98/99% Cromo 97/98% Bactérias 99% Brometo 87/94% Vírus 99% Silicato 85/90% Protozoários 99% Temp. °C FCT Temp. °C FCT 5 2.58 19 1.24 6 2.38 20 1.19 7 2.22 21 1.15 8 2.11 22 1.11 9 2.00 22 1.11 10 1.89 23 1.09 11 1.78 24 1.04 12 1.68 25 1.00 13 1.61 26 0.97 14 1.54 27 0.94 15 1.47 28 0.91 16 1.39 29 0.88 17 1.34 30 0.85 18 1.29 FCT = Fator de correção de temperatura
  5. 5. 5 2. Principais componentes do sistema: 2.1.Visão geral do equipamento: OSMOSE de 10 á 45 l/h OSMOSE de 75 l/h VISTA TRASEIRA Quando não houver filtro bacteriológico a saída será diretamente pela mangueira na “saída de água tratada” ** Osmoses de 30 e 45 e 75 l/h com mais de 3 estágios o deionizador é duplo (2 peças). Dependendo do número de estágios pode mudar o número de filtros e sua posição
  6. 6. 6 Etapas de filtração e vazão de acordo com cada modelo. Modelo Vazão Estágios de filtração Filtro de PP 5µm Filtro de Carvão Membrana de osmose reversa Filtro Deionizador Filtro 0,22µm bacteriol. (ponto uso) Filtro 0,22µm bacteriol. (cartucho) Esterilizador ultravioleta (U.V.) VOS00103 10 l/h 3 Sim Sim Sim VOS00104 10 l/h 4 Sim Sim Sim Sim VOS00105 10 l/h 5 Sim Sim Sim Sim Sim VOS00106 10 l/h 6 Sim Sim Sim Sim Sim Sim VOS00203 20 l/h 3 Sim Sim Sim VOS00204 20 l/h 4 Sim Sim Sim Sim VOS00205 20 l/h 5 Sim Sim Sim Sim Sim VOS00206 20 l/h 6 Sim Sim Sim Sim Sim Sim VOS00303 30 l/h 3 Sim Sim Sim VOS00304 30 l/h 4 Sim Sim Sim Sim (duplo) VOS00305 30 l/h 5 Sim Sim Sim Sim (duplo) Sim VOS00306 30 l/h 6 Sim Sim Sim Sim (duplo) Sim Sim VOS00403 45 l/h 3 Sim Sim Sim VOS00404 45 l/h 4 Sim Sim Sim Sim (duplo) VOS00405 45 l/h 5 Sim Sim Sim Sim (duplo) Sim VOS00406 45 l/h 6 Sim Sim Sim Sim (duplo) Sim Sim VOS00703 75 l/h 3 Sim Sim Sim VOS00704 75 l/h 4 Sim Sim Sim Sim (duplo) VOS00705 75 l/h 5 Sim Sim Sim Sim (duplo) Sim Sim VOS00706 75 l/h 6 Sim Sim Sim Sim (duplo) Sim Sim Sim - Equipamentos com 4,5 e 6 estágios de filtração produzem água tipo II, deste que sanitizados periodicamente.
  7. 7. 7 2.2.Válvulas Válvula Tipo Função Rejeito (regulagem) Manual plástico, mangueira 1/4" Controla a vazão e/ou pressão da água rejeitada, consequentemente controla a vazão de ÁGUA TRATADA. Solenoide Automática rosca 1/2"bsp Interromper a passagem de água pelo equipamento no momento em que estiver fora de uso. Válvula do rejeito Solenoide Fechado Aberto 2.3.Bomba de pressurização da Membrana Material: Plásticos diversos (partes em contato com água). Modelo: Bomba diafragma, tensão de 24 Vcc Pressão máxima de operação: 125psi Função: Pressurizar a água na membrana de osmose reversa 2.4.Carcaça de Filtros Material: Plástico polipropileno Modelo: 2.1/2”x10”-1/4" Modelo: 2.1/2”x20”-1/4” (apenas no carvão e deionizadores da osmose 75 l/h) Pressão máxima de operação: 50psi Função: Acomodar os filtros 2.5.Filtro de PP 5µm Material: Plástico polipropileno. Modelo: VFC10212 – (2.1/2”x10” 5µm) Pressão máxima de operação: 50psi Função: Reter sólidos em suspensão na água 2.6.Filtro de carvão Material: Carvão compactado (carbon block) Para osmoses de 10 á 45 l/h: VCC10212 – (2.1/2”x10”) Para osmoses de 75 l/h: VFC20212 – (2.1/2”x20”) Pressão máxima de operação: 50psi Função: Remover o cloro e reter sólidos em suspensão 2.7.Vaso de pressão da membrana Material: Plástico polipropileno Pressão máxima de operação: 125psi Função: Acomoda a membrana de osmose reversa
  8. 8. 8 2.8.Membrana de Osmose Reversa Material: Poliamida tipo TFC de alta performance Modelo: (ver tabela) Pressão máxima de operação: 150psi Faixa de pH admissível: 3 á 12 Função: Principal etapa de filtração remove saís minerais, vírus, bactérias, etc. Vazão Modelo da Membrana 10 l/h VMO00010 (1812-50) 20 l/h VMO00020 (2012-100) 30 l/h VMO00030 (2812-200) 45 l/h VMO00045 (3012-300) 75 l/h VMO00045 (3012-300) (2 peças) 2.9.Filtro Deionizador Material: Resina mista de troca iônica (aniônica e catiônica) Para osmoses de 10 á 45 l/h: (2.1/2”x10”) Para osmoses de 75 l/h: (2.1/2”x20”) Pressão máxima de operação: 50psi Função: Para condutividades elétricas mais baixas o deionizador é mais uma etapa de remoção de saís minerais. (osmoses de 30, 45 e 75 l/h que tenham deionizador o mesmo é duplo (2 peças)). 2.10. Filtro bacteriológico Material: Polipropileno Modelo: Ponto de uso 0,22µm, conexão com aste de 1/4" Modelo: Cartucho 0,22µm, 2.1/2” x 10” Pressão máxima de operação: 10psi (ponto de uso) Função: Reter bactérias 2.11. Esterilizador Ultravioleta (Lâmpada UV) Material: Aço inox Modelo: 11W - Conexão de 1/4"bsp fêmea, radiação 254nm Pressão máxima de operação: 100psi Função: Destruir (inativar) bactérias. 2.12. Condutivímetro digital Função: Indica a qualidade da água servida pela osmose, indica também a temperatura. Seu sensor é do tipo “in line” com constante K1.
  9. 9. 9 3. Acessórios opcionais Os acessórios opcionais já devem sair de fábrica instalado, caso necessite instalação posterior é necessário enviar o equipamento para a VEXER. 3.1. Reservatório anaeróbio de 10 ou 45 litros Reservatório anaeróbio com volume de 10 ou 45 litros. Controle automático de nível 3.2. Reservatório atmosférico de 30, 50, 100 e 200 litros Reservatório atmosférico com volume de 30, 50, 100 e 200 litros Controle automático de nível 3.3. Suporte de Sobrepor em bancada Como opcional pode ser fornecido um suporte para instalar a osmose sobre a bancada ou no chão. 4. Instalação 4.1.Requisitos mínimos para operação Item Parâmetro Qualidade da água de alimentação Água potável de acordo com a portaria 2914/11 M.S. com: *Dureza total até 60ppm *Cloro livre até 2ppm (isenta de bactérias) *Sílica até 20ppm *Ferro até 0,05ppm **Condutividade até 200µS/cm Temperatura entre 10 e 40°C Ponto de conexão hidráulico Torneira ou registro com mangueira rosca de 1/2” bsp ***Pressão da rede hidráulica que alimenta a máquina Entre 1,0 e 4,0kgf/cm² (14,2 e 56,9psi), pressões menores diminuem o rendimento do equipamento. Vazão da rede hidráulica que alimenta a máquina Mínimo de 4 vezes a vazão de alimentação do equipamento (água tratada + água rejeitada) Tensão da rede elétrica Seleção 127V~ / 220V~ 60Hz monofásico, Plug com aterramento. (plug padrão NBR14136 10A, pino 4,0mm 2P+T) Temperatura do ambiente Entre 10 e 40°C Ponto de esgoto Ralo ou pia, que escoe a vazão requerida *Valores acima do indicado reduzem a vida útil da membrana de osmose reversa (não coberta pela garantia). ** A condutividade máxima de entrada é de 1000µS/cm, porem para os equipamentos atingirem o desempenho esperado a máxima na entrada é de 200µS/cm (em média, pois varia de acordo com tipos de saís). ***O equipamento pode funcionar com pressão de até 0,5 kgf/cm² porem, o rendimento cai em torno de 30%.
  10. 10. 10 A potencia dos equipamentos varia de 50 á 90 W, depende do número de estágios e vazão. 4.2.Instalando o equipamento (sem reservatório, operação direta)  Fixe o equipamento na parede (ou no suporte de sobrepor).  Direcione a mangueira do rejeito para um ralo ou pia  Direcione a mangueira de água tratada para o ponto de uso.  Verifique se há água na linha de alimentação  Conecte a mangueira de alimentação na entrada da osmose e em uma torneira rosca 1/2"  VERIFIQUE A TENSÃO  Verifique se a chave de seleção “NORMAL/SANITIZAÇÃO” está na posição “NORMAL”  A chave liga/desl do equipamento deve estar na posição Desl, então conecte o equipamento na tomada da rede elétrica com a tensão apropriada.  Tecle o botão vermelho, liga, do equipamento. PRONTO O EQUIPAMENTO JÁ ESTÁ PRODUZINDO  Verifique após 5 minutos (no máximo) se está saindo água pela mangueira do rejeito, caso não esteja saindo verifique se há água na linha de alimentação da osmose.  O EQUIPAMENTO NÃO PODE TRABALHAR SEM ÁGUA NA ALIMENTAÇÃO.  Para interromper o fornecimento de água tecle em, desl.  Recomendamos descartar a água dos 40 primeiros minutos de funcionamento
  11. 11. 11 4.3.Instalando o equipamento (com reservatório pressurizado) O equipamento com reservatório liga e desliga automaticamente pelo nível do reservatório.  Fixe o equipamento na parede (ou no suporte de sobrepor).  Posicione o reservatório em uma distância que a mangueira de conexão alcance na osmose  Direcione a mangueira do rejeito para um ralo ou pia  Direcione a mangueira do reservatório para a conexão na osmose (quick fitting)  Direcione a mangueira de água tratada para o ponto de uso.  Verifique se há água na linha de alimentação  Conecte a mangueira de alimentação na entrada da osmose e em uma torneira rosca 1/2"  VERIFIQUE A TENSÃO  Verifique se a chave de seleção “NORMAL/SANITIZAÇÃO” está na posição “NORMAL”  A chave liga/desl do equipamento deve estar na posição Desl, então conecte o equipamento na tomada da rede elétrica com a tensão apropriada.  Abra a válvula de saída da água tratada  Tecle o botão vermelho (liga) do equipamento PRONTO O EQUIPAMENTO JÁ ESTÁ PRODUZINDO  Verifique após 5 minutos (no máximo) se está saindo água pela mangueira do rejeito, caso não esteja saindo verifique se há água na linha de alimentação da osmose.  O EQUIPAMENTO NÃO PODE TRABALHAR SEM ÁGUA NA ALIMENTAÇÃO.  Feche a válvula de saída de água tratada.  Para coletar a água basta abrir e fechar a válvula de saída de água tratada, que o equipamento liga e desliga automaticamente pelo controle de nível do reservatório.  Mantenha sempre o botão LIGA/DESL na posição LIGA pois a osmose liga e desliga automaticamente pelo controle de nível.  Na saída do reservatório pressurizado existe uma válvula mantenha a mesma sempre aberta.  Recomendamos descartar a água dos 40 primeiros minutos de funcionamento
  12. 12. 12 4.4.Instalando o equipamento (com reservatório atmosférico) O equipamento com reservatório liga e desliga automaticamente pelo nível do reservatório.  Fixe o equipamento na parede (ou no suporte de sobrepor);  Posicione o reservatório em uma distância que a mangueira de conexão e fio elétrico alcance na osmose;  Direcione a mangueira do rejeito para um ralo ou pia;  Direcione a mangueira de água tratada para o RESERVATÓRIO;  Verifique se há água na linha de alimentação;  Conecte a mangueira de alimentação na entrada da osmose e em uma torneira com rosca de 1/2";  VERIFIQUE A TENSÃO;  Verifique se a chave de seleção “NORMAL/SANITIZAÇÃO” está na posição “NORMAL”;  A chave liga/desl do equipamento deve estar na posição Desl, então conecte o equipamento na tomada da rede elétrica com a tensão apropriada;  Tecle o botão vermelho (liga) do equipamento PRONTO O EQUIPAMENTO JÁ ESTÁ PRODUZINDO  Verifique após 5 minutos (no máximo) se está saindo água pela mangueira do rejeito, caso não esteja saindo verifique se há água na linha de alimentação da osmose;  O EQUIPAMENTO NÃO PODE TRABALHAR SEM ÁGUA NA ALIMENTAÇÃO;  Para coletar a água tratada é necessário retira-la diretamente na saída do RESERVATÓRIO, o equipamento liga e desliga automaticamente pelo controle de nível do reservatório;  Mantenha sempre o botão LIGA/DESL na posição LIGA, pois a osmose liga e desliga automaticamente pelo controle de nível;  Recomendamos descartar a água dos 30 primeiros minutos de funcionamento.
  13. 13. 13 4.5.Parâmetros de ajuste e funcionamento ITEM PARÂMETROS Como verificar Pressão de entrada* Entre 1,0 e 4,0kgf/cm² Necessário instrumento portátil Pressão da bomba 4 á 6,0 kgf/cm² Leitura no manômetro “pressão sistema” Vazão de água tratada Ver tabela Ler dica Vazão de água rejeitada Ver tabela Ler dica Condutividade da água Rejeição média de 96,5% dos sais para osmose SEM deionizador Rejeição média de 99,7% dos sais para osmose COM deionizador Leitura direta no condutivímetro Ler Dica Ler Nota Ph da água tratada** Entre 3 á 12. Necessário instrumento portátil Temperatura da água Entre 10 e 40°C Termômetro externo (não fornecido) medida na saída da água tratada *Com pressão de 0,5 kgf/cm² o rendimento do equipamento cai em torno de 30% **A retirada dos saís pelo equipamento diminui o Ph da água tratada em torno de 17% em relação ao de entrada Dica:  Para verificar se a vazão está correta pegue um recipiente graduado e meça o volume de água que o equipamento enche em 1 minuto, está será a vazão em lpm. Ou em um recipiente de 1 litro anote quanto tempo demora a encher e compare com a tabela.  Para medir a rejeição salina é necessário ter um condutivímetro portátil (ou bancada) - Em um recipiente limpo colete água tratada (permeado) e meça a condutividade (Cpermeado). - Agora meça a condutividade elétrica da água que alimenta a máquina (Calimentação), no ponto que a mesma será instalada. Então substitua os valores na seguinte formula. Vazão de água tratada e rejeito Modelo Vazão ÁGUA TRATADA (máxima) Vazão REJEITO (mínima) Tempo para encher um becker de 1 litro ÁGUA TRATADA Tempo para encher um becker de 1 litro ÁGUA REJEITADA VOS0010X 0,16 lpm (10 l/h) 0,50 lpm (30 l/h) 6,0 min. (360 seg.) 2,4 min. (144 seg.) VOS0020X 0,32 lpm (20 l/h) 0,80 lpm (48 l/h) 3,0 min. (180 seg.) 1,2 min. (72 seg.) VOS0030X 0,5 lpm (30 l/h) 1,2 lpm (72 l/h) 2,0 min. (120 seg.) 0,7 min. (42 seg.) VOS0040X 0,75 lpm (45 l/h) 1,50 lpm (90 l/h) 1,3 min. (78 seg.) 0,6 min. (36 seg.) VOS0070X 1,25 lpm (75 l/h) 1,25 lpm (60 l/h) 0,75 min. (45 seg.) 1,00 min. (60 seg.) Os valores desta tabela são com base em uma pressão de entrada de 1kgf/cm² e condutividade elétrica de entrada de até 200µS/cm, valores podem variar em torno de 15% para água tratada. Calimentação - Cpermeado x 100 = % de rejeição salina Calimentação
  14. 14. 14 5. Manutenção periódica 5.1.Intervalo para a troca dos elementos filtrantes A troca dos elementos filtrantes é fundamental para o correto funcionamento e preservação do equipamento sua troca deve ser feita tomando como referência a tabela abaixo: *Intervalo para a troca dos elementos filtrantes Tipo de filtro Intervalo de troca Filtro de PP 5µm Mensal Filtro de Carvão “carbon block” Mensal Membrana de osmose Duração média de 2 anos Deionizador Sempre que a condutivimetro alarmar Filtro bacteriológico 0,22µm Semestral Lâmpada ultravioleta Anual *O momento da troca dos elementos filtrantes pode variar bastante, depende da qualidade da água de alimentação, águas com teor de cloro livre acima de 2ppm ou alta quantidade de contaminantes, como sais e material em suspensão, exigem trocas antecipadas dos elementos filtrantes. PARA VALIDADE DA GARANTIA UTILIZAR ELEMENTOS FILTRANTES ORIGINAIS VEXER As recomendações abaixo valem para todos os elementos filtrantes.  Para a troca dos elementos filtrantes é necessário estar em um ambiente limpo, (que possa ser molhado). Tenha em mãos luva descartável e álcool 70.  Desligue o equipamento  Abra a carcaça do elemento a ser trocado (sentido horário)  Borrife álcool 70 nos elementos filtrantes novos, carcaça, vaso e demais partes expostas.  Coloque os novos elementos filtrantes, verifique se as vedações estão corretas e feche novamente. Troca dos filtros Troca da membrana Filtro bacteriológico de Ponto de uso Troca da lâmpada UV
  15. 15. 15 5.2.Regulagem do equipamento A regulagem da vazão do equipamento é feita por meio da válvula de regulagem do rejeito, quanto mais fechada estiver está válvula maior será a quantidade de água tratada. Devem-se respeitar os limites máximos descritos neste manual tanto para a ÁGUA TRATADA quanto para o REJEITO. Durante a regulagem é recomendável deixar as mangueiras de água tratada e rejeito visíveis, em NENHUM momento a vazão de água tratada deve ser maior que a do rejeito.  Com o auxílio de um becker meça qual o volume de ÁGUA TRATADA a osmose produz em 1 minuto.  Compara os resultados com o da tabela deste manual.  Caso necessite aumentar a vazão de água tratada FECHE um pouco a válvula de saída do rejeito  Caso necessite diminuir a vazão de água tratada ABRA um pouco a válvula de saída do rejeito  Meça a vazão de saída de água tratada, caso não alcançou o resultado repita os passos acima.  Meça vazão de saída do rejeito, ela não deve ser menor que 20% do recomendado neste manual, vazões maiores no rejeito não há problema. Válvula de regulagem do rejeito, dentro da carenagem do equipamento - O equipamento já vem regulado de fabrica, considerando a pressão de entrada de 1kgf/cm², caso opere com pressões maiores a vazão do permeado não pode ficar maior que 15% da recomendada, então é necessário abrir um pouco a válvula de saída do rejeito para ajustar o permeado. - Com uma pressão de entrada de 0,5 kgf/cm² a vazão de água tratada cai em torno de 30% Atenção: Antes de iniciar a regulagem é necessário verificar se existe água na alimentação Atenção: Os pré e pós-filtros devem estar novos. Atenção: Durante a regulagem da máquina fique atento a mangueira de saída do rejeito, em nenhum momento a sua vazão poderá ser obstruída ou mesmo menor que a de água tratada Atenção: Verifique a temperatura da água e ajuste a vazão conforme tabela neste manual. Nota: Ao regular a ação de mudança de vazão e pressão pode não ser imediata a cada regulagem aguarde alguns segundos para verificar os resultados. Lembrete: Quanto mais se fecha a válvula de saída do rejeito menor é a vazão do rejeito e maior a de água tratada
  16. 16. 16 5.3.Ajuste do condutivímetro Funções dos botões: Sinal do botão Nome função Select Key 1. Definição da casa decimal a ser alterada 2. Exibe a condutividade em TDS Add key 1. Ajustar o valor selecionado 2. Checar a temperatura/mA/condutiv. Enter key 1. Entrar na configuração de parâmetro no menu principal 2. Salvar os parâmetros e entrar no próximo menu Ordem de configuração Nome menu Introdução para as funções 1 Constante do eletrodo Pressionar o Enter Key até a tela começar a piscar o sinal "c =", operar tecla de Select Key e add key para introduzir o valor constante do eletrodo necessário pressionar a tecla ENTER para salvar e entrar na configuração de parâmetro seguinte 2 Base de configuração do ponto da constante o sinal de ponto Base na tela pisca, (na primeira calibração é utilizado a contate que se localiza no fio do condutivímetro ou sobre o condutivímetro), Pressione select key para definir posição do ponto Base, pressione a tecla Enter key para salvar e entrar na configuração de parâmetro seguinte. 3 definição da unidade de medição o sinal de "unidade" pisca no visor, pressione add key para selecionar a unidade de medição (ppm, ppt, µS / cm ou mS / cm), pressione a tecla Enter key para salvar e entrar na parametrização seguinte 4 Configuração de transferência de 4mA o sinal pisca "4mA" na tela, pressione tecla select key para introduzir o valor 4mA transferível e pressione a tecla Enter key para salvar e definir o ponto de Base (os mesmos procedimentos como ajuste constante do aletrodo), pressione a tecla Enter para salvar e introduzir nota definição do seguinte parâmetro: o intervalo de valores limite é 0 ~ 1999 5 configuração de transferência 20mA o sinal "20mA" pisca, definindo os dados de acordo com 20 mA e pressione a tecla Enter para definir o valor Base , pressione a tecla Enter para introduzir o ajuste do próximo parâmetro
  17. 17. 17 6 Configuração do limite do alarme O sinal de "HI" e o buzzer pisca, pressione tecla select key e add key para a entrada do valor limite necessario; pressione a tecla Enter para salvar, em seguida, defina o ponto Base, pressione a tecla Enter key para salvar e introduzir a nota definição do seguinte parâmetro: o intervalo de valores limite é 0 ~ 1999 (> configuração liberação de alarme) 7 configuração de liberação de alarme o sinal buzzer "Lo" pisca, outra definição é a mesma que a anterior, pressionando a tecla Enter key para salvar e para introduzir o ajuste do próximo parâmetro A calibração é feita ajustando a constante da célula, para isto é necessário remover o sensor do condutivímetro e utilizar uma solução padrão de calibração. Caso tenha um condutivímetro de referência (de bancada, portátil, etc), não é necessário remover a célula basta medir a condutividade na saída de água tratada e conferir com o da osmose, então ajuste a constante do sensor até o valor da condutividade medida com o equipamento de referência. Para condutividades menores que 5,0µS/cm podem ocorrer uma contaminação da água ao sair do “sistema fechado”, então a condutividade medida no de referência é ligeiramente maior que a condutividade dentro da osmose (a medida pelo condutivímetro da osmose). Nestes equipamentos a célula de condutividade tem constante K1, que tem um “range de medição” mais adequado as diversas aplicações da osmose reversa, para condutividades menores que 0,25 µS/cm, pode ocorrer um erro maior de leitura, geralmente indicando o valor de 0,00 µS/cm. NOTA: Alguns condutivimetro não possuem alarme sonoro apenas ótico fica piscando na tela do condutivímetro. Nestes casos desconsiderar a configuração do item 8.
  18. 18. 18 6. Problemas e soluções Problema Causa Solução Máquina não liga, nem a luz vermelha do botão. Falta de energia Verifique se a tomada que está conectada ao equipamento tem energia na tensão correta. Fusível queimado Substitua o fusível. Máquina não produz água, totalmente sem produção, luz vermelha do botão está acesa. Não entra água no filtro de PP (copo transparente) Válvula solenoide com problemas Válvula pode estar entupida, limpe as partes internas da válvula. Válvula queimada troque a válvula Caso tenha reservatório, a boia pode apresentar problemas Fio da boia desconectado ou com mal contato. Relê que é comandado pela boia com defeito Boia travada no tanque, (levantada). Sai pouquíssima água em ambas as mangueiras. Bomba da osmose não ligou. Baixa pressão/vazão de alimentação de água Necessário instalar o equipamento em um ponto com pressão entre 1,0 e 4,0 kgf/cm² Falta de água Verifique se há água na alimentação Filtro entupido Troque os pré-filtros Válvula solenoide com problemas Verifique se a mesma está abrindo e deixando passar a vazão mínima para o sistema. Bomba com defeito Troque a bomba (e fonte). Baixa vazão de permeado e rejeito, pressão baixa no manômetro. Baixa pressão/vazão de alimentação de água Necessário instalar o equipamento em um ponto com pressão entre 1,0 e 4,0 kgf/cm² Falta de água Verifique se há água na alimentação Filtro entupido Troque os pré-filtros Bomba com defeito Troque a bomba (e fonte). A produção de água tratada está baixa, porém o rejeito está alto, pressão da bomba está alta. Máquina desregulada Regule a máquina Membrana impregnada com incrustações ou deteriorada Trocar a membrana Filtro deionizador ou bacteriológico entupido Troque os pós-filtros Temperatura da água muito baixa Procure um ponto com temperatura adequada Condutividade da água está alta, a produção de água tratada e rejeito também está alta, pressão do sistema está baixa. Membrana danificada Trocar a membrana Vaso de pressão da membrana está danificado Trocar o vaso de pressão Condutividade da água está alta (considerando a máquina regulada) Durante alguns minutos ao ligar o equipamento. É normal a condutividade ficar alta nos primeiros minutos de funcionamento. Temperatura da água muito alta Procurar ponto de alimentação com temperatura mais baixa, (ideal 25°C) Água de alimentação inadequada para atingir a condutividade desejada. Procurar outro ponto de alimentação que a água se enquadre no percentual de rejeição de saís da membrana para o processo. Membrana impregnada com incrustações ou deteriorada Trocar a membrana Caso o Deionizador for novo pode haver “restos de produto químico” da ativação da resina do deionizador Ligar a osmose e deixar enxaguando por 40 minutos. Deionizador saturado Trocar o filtro deionizador Condutivímetro descalibrado Efetuar a calibração
  19. 19. 19 7. Limpeza Química/Sanitização 7.1.Condições para realizar a Limpeza Química/Sanitização A necessidade de proceder à limpeza química deve ser avaliada por um técnico da VEXER. A sanitização deve ser realizada quando houver contaminação microbiológica na água tratada, esta contaminação será determinada por análise microbiológica realizada em laboratório. O intervalo entre sanitizações pode variar bastante, pois dependem de vários fatores como qualidade da água de alimentação, uso da máquina, temperatura, número de estágios de filtração, etc. As análises de água é que vão determinar o intervalo entre as sanitizações, podendo então ser validado um intervalo. Este intervalo deve ser no mínimo a cada 30 dias para evitar crescimento acentuado de biofilme. Para aplicações que NÃO levam em consideração a contagem microbiológica a sanitização deve ser feita pelo menos a cada 90 dias evitando assim incrustação por biofilme. 7.2.Produtos a serem utilizados para a Lavagem Química / Sanitização - Produto químico para limpeza química: ácido clorídrico / HCl / (acido muriático). - Produto químico para limpeza química: hidróxido de sódio / NaOH / (soda caustica). - Produto químico para sanitização: BP 600, (1-5 Pentanodial) solução de Glutaraldeído. **Para utilização de outros produtos consulte a VEXER** 7.3. Procedimentos para limpeza química UTILIZE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO (EPI): ÓCULOS, LUVAS E PROTETOR FACIAL. Conforme o desenho, preparar um circuito fechado para a recirculação. 1) Encher o reservatório com 10 litros de água tratada pelo próprio equipamento. 2) Retire os filtros de carvão, deionizador e bacteriológico. 3) Conectar a entrada de água do equipamento na torneira inferior do reservatório 4) Mude a chave “normal/sanitização” para “SANITIZAÇÃO” 5) Com as saídas de água tratada e rejeito direcionadas para o esgoto ligar a máquina, verifique se a água está saindo pelo REJEITO após aproximamente 2 minutos (ou 2 litros no reservatório) de água saindo pelo REJEITO desligue a máquina. 6) Conectar o rejeito e permeado na parte superior do reservatório 7) Preparar no reservatório a solução (ver procedimentos) 8) Ligar o equipamento e circular a solução conforme o tempo indicado para cada procedimento 9) Fazer um pré-enxague por 5 minutos. 10) Colocar filtros de PP 5 micra e Carvão novos 11) Fazer o enxágüe final conforme cada processo 12) Colocar o filtro deionizador novo. OBS 1: Reservatório deve estar ao menos 1 metro mais alto que a osmose OBS 2: Se o equipamento não “puxar a solução” é ar na linha, então desconecte a mangueira da torneira do reservatório (entrada da máquina) e conecte na torneira de alimentação, como se fosse produzir água tratada, abra a mesma e ligue a máquina por 2 minutos aproximadamente, desligue a máquina reconecte a mangueira no reservatório tentando não tirar a água que ficou na mangueira.  É importantíssimo que o filtro de carvão ativado e Deionizador sejam retirados do equipamento antes de iniciar a LIMPEZA QUÍMICA  Após os procedimentos volte à chave “normal/sanitização” para a posição NORMAL RECOMENDAMOS QUE ESTES PROCEDIMENTOS SEJAM FEITOS FORA DA ÁREA DE TRABALHO
  20. 20. 20 Limpeza química 1º parte Limpeza básica (ou Alcalina) Produto: hidróxido de sódio NaOH (soda caustica)  Encha um barrilete com 10 litros de água tratada pelo próprio equipamento  Retire o filtro de carvão e deionizador  Adicionar pequenas doses de soda no reservatório até que o PH fique igual a 12,0.  A solução fica por 3 horas em contato com equipamento, alternando da seguinte forma: 30 minutos com o equipamento ligado (recirculando) e 30 minutos parado.  Remonte a mangueiras na posição normal e faça um pré enxágue (sem filtros) da solução por 5 min.  Colocar elemento filtrante de carvão velho, (ver procedimento para troca de filtros)  Faça enxágue final até o valor da condutividade voltar ao normal. Caso a temperatura da solução chegar a 38ºC pare a limpeza e espere o resfriamento da solução. Se a água ficar muito suja troque a solução. Se o filtro de PP ficar muito sujo troque o filtro e continue o processo. 2º parte: Limpeza ácida Produto: ácido clorídrico, HCl, (ácido muriático).  Após fazer o enxágue da solução alcalina encha o barrilete com 10 litros de água tratada.  Retire o filtro de carvão  Adicionar pequenas doses de ácido no reservatório até que o PH fique igual a 3,0.  A solução fica por 3 horas em contato com equipamento, alternando da seguinte forma: 30 minutos com o equipamento ligado (recirculando) e 30 minutos parado.  Remonte a mangueiras na posição normal e faça um pré enxágue (sem filtros) da solução por 5 min.  Colocar elemento filtrante de PP e Carvão novos, (ver procedimento para troca de filtros)  Faça enxágue final até o valor da condutividade voltar ao normal.  Reinstale o filtro deionizador (de preferência novo) (ver períodos/ocasiões de troca)  Mude a chave NORMAL/SANITIZAÇÃO para o modo “normal”. Caso a temperatura da solução chegar a 38ºC pare a limpeza e espere o resfriamento da solução. Se a água ficar muito suja troque a solução. Se o filtro de PP ficar muito sujo troque o filtro e continue o processo.
  21. 21. 21 7.4.Procedimento para sanitização preventiva com BP 600 (Solução de glutaraldeído) Imagem Ilustrativa Para realizar o procedimento, verifique o modelo do equipamento na tabela abaixo e as quantidades de produtos que deverão ser adicionadas nos copos. Modelo Vazão Filtro de PP 5µ Filtro de Carvão Filtro deionizador Filtro deionizador Filtro 0,22 µm Bacteriológico (Ponto uso) Filtro 0,22 µm Bacteriológico (cartucho) VOS00103 10 l/h 10 ml 75 ml X X X X VOS00104 10 l/h 15 ml 75 ml 10 ml X X X VOS00105 10 l/h 15 ml 75 ml 10 ml X Ver dica X VOS00106 10 l/h 15 ml 75 ml 10 ml X Ver dica X VOS00203 20 l/h 10 ml 75 ml X X X X VOS00204 20 l/h 15 ml 75 ml 10 ml X X X VOS00205 20 l/h 5 ml 75 ml 10 ml X Ver dica X VOS00206 20 l/h 5 ml 75 ml 10 ml X Ver dica X VOS00303 30 l/h 10 ml 75 ml X X X X VOS00304 30 l/h 5 ml 75 ml 10 ml 10 ml X X VOS00305 30 l/h 5 ml 75 ml 10 ml 10 ml Ver dica X VOS00306 30 l/h 5 ml 75 ml 10 ml 10 ml Ver dica X VOS00403 45 l/h 10 ml 75 ml X X X X VOS00404 45 l/h 5 ml 75 ml 10 ml 10 ml X X VOS00405 45 l/h 5 ml 75 ml 10 ml 10 ml Ver dica X VOS00406 45 l/h 5 ml 75 ml 10 ml 10 ml Ver dica X VOS00703 75 l/h 10 ml 75 ml X X X X VOS00704 75 l/h 10 ml 150 ml 20 ml 20 ml X X VOS00705 75 l/h 5 ml 150 ml 20 ml 20 ml Ver dica 5 ml VOS00706 75 l/h 5 ml 150 ml 20 ml 20 ml Ver dica 5 ml Sequência de procedimentos para sanitização da osmose:  Remova os elementos filtrantes dos copos abaixo da osmose (de acordo com cada modelo).  Lave os copos com água e sabão e enxágue;  Coloque filtros novos e ligue o equipamento por 10 minutos.  Abra novamente cada copo adicione o produto pelas paredes do copo, após reconectar novamente;  Ligue a Osmose Reversa por 2 minutos ou até que a condutividade fique acima de 20 µS/cm;  Desligar o equipamento e deixar o produto em contato com o equipamento por 12 horas;  Após as 12 horas, realizar o enxágue por aproximadamente 1 hora ou até que a condutividade normalize;  Após o equipamento estará pronto para uso.
  22. 22. 22 DICA: Após colocar o BP600 na osmose e realizar a sequência de procedimentos para sanitização, o filtro bacteriológico do ponto de uso deve ser sanitizado a parte. 1) Manter o equipamento desligado; 2) Desconectar o filtro microbiológico do ponto de coleta, pressionando firmemente para cima o anel da conexão easy fit, enquanto estiver pressionando o anel para cima puxar o filtro para baixo. 3) Imergir o filtro microbiológico em uma solução de “BP 600” a 1% e deixar em repouso até o final do enxague da osmose (após 12 horas). 4) Após esse período lavar a parte externa do filtro com água purificada; 5) Após o enxague da osmose reinstale o filtro 6) Reinstalar o filtro microbiológico no equipamento utilizando luvas látex descartáveis; 7) Ligar o equipamento e descartar água por 15 minutos para enxágue da parte interna do filtro; 8) Cessar a coleta de água, desligando o equipamento; 9) O equipamento está pronto para o uso. Em alguns casos após a sanitização o filtro deionizador pode saturar a resina, neste caso é necessário a sua substituição por um filtro novo.
  23. 23. 23 8. Valores iniciais para referências 8.1.Resultados iniciais de desempenho Após colocar o equipamento em plena operação, (até 48h após) é muito importante que seja preenchido os dados abaixo para se ter estes valores como referência. Data Vazão Permeado Vazão Rejeito Pressão Entrada Pressão Bomba Condutividade 8.2.Analise da água Segue alguns parâmetros importantes para serem analisados na água de alimentação da máquina Estes dados são essenciais para determinação da viabilidade de uso e vida útil dos componentes do equipamento, indicamos fazer a análise segundo a portaria 518 do M.S. Os dados mais significativos estão abaixo: Substância Resultado Cálcio (Ca) Magnésio (Mg) Potássio (K) Sódio (Na) Cloretos Ferro (Fe) Manganês (Mn) Sílica (SiO2) Alumínio (Al) Níquel (Ni) Sulfato (SO4) Bário (Ba) Estrôncio (Sr) Nitrato (NO3) Bicarbonato (HCO3) Fluoreto Fosfato (PO4) Matéria orgânica DBO DQO Condutividade TDS Ph Dureza total Turbidez Isenta de óleos/graxas Cloro livre
  24. 24. 24 9. Armazenamento, conservação e descontinuidade. 9.1.Armazenamento O armazenamento do equipamento deve ser feito em local seco na temperatura ambiente. 9.2.Conservação  Manter o equipamento sempre limpo, para está limpeza pode ser usado pano úmido com álcool ou produto de limpeza multiuso tipo “VEJA”, retirar o excesso com pano úmido em água, nunca jogue água diretamente sobre o equipamento ou partes internas, retire o equipamento da tomada para está limpeza.  O equipamento deve ser ligado todos os dias, mesmo que não seja necessário demanda de água tratada, a osmose reversa deve ser ligada por 20 minutos isto evita proliferação acentuada de microorganismos e incrustação da membrana. 9.3.Descontinuidade do equipamento O equipamento pode ser enviado para VEXER para darmos os fins apropriados. Caso queira descartar por conta segue destino dos materiais empregados na máquina. a) Metais: Aço 1010/1020, alumínio, latão: usado na carenagem, bomba, ferragens e transformador – Reciclável e pode ser reprocessado. b) Plásticos PVC, PP, PA e PEAD – usado nas conexões, mangueiras, bombas, filtros e membrana de osmose reversa – Reciclável e pode ser reprocessado. c) Componentes eletrônicos – usado no condutivímetro e fontes eletrônicas. 10. Assistência Técnica A assistência técnica da VEXER é feita na própria fabrica em Curitiba, PR. Endereço: Rua prof. Algacyr Munhoz Mader, 3474-A – Curitiba, PR – CEP: 81350 - 010 Horário comercial: (41) 3016-7288 Plantão pelo fone: (41) 9805-0077 / (41) 9696-3919 / (41) 9805-0088 e-mail: vexer@vexer.com.br site: www.vexer.com.br
  25. 25. 25 11. Termo de garantia legal (De acordo com o Código de Proteção e Defesa do Consumidor: Lei no . 8.078, de 11 de Setembro de 1990). A empresa Vexer Indústria e Comércio de Equipamentos Ltda., em cumprimento ao artigo nº 8.078 da lei, de 11 de Setembro de 1990 vêm por meio deste instrumento legal, garantir o direito do consumidor de reclamar pelos vícios aparentes ou de fácil constatação de todos os produtos por ela fabricados e comercializados, pelo prazo de 90 dias, a contar da data de entrega efetiva dos produtos. Tratando-se de vício oculto, o prazo de decadência inicia-se no momento em que ficar evidenciado o defeito, conforme disposto Parágrafo 3º do Art. 26 da Lei 8.078. Para que o presente termo de Garantia Legal surta efeito, o consumidor deverá observar as condições abaixo descritas: - Não permitir que pessoas despreparadas utilizem o produto em questão. - Não permitir o uso indevido bem como mau uso do produto. - Utilizar somente elementos filtrantes (pré-filtros, filtros, membranas) comercializados pela Vexer. - Utilizar somente o sanitizante indicado pela Vexer. - Seguir detalhadamente todas as orientações de uso. - Enviar uma análise da água que alimentara o equipamento com os parâmetros descritos neste manual. Não estão cobertos pela garantia: - Elementos filtrantes, cartuchos de filtração, membranas de osmose reversa, fontes, avarias de qualquer natureza provenientes do transporte, uso indevido ou danos causados quando na montagem ou instalações executadas por pessoas não autorizadas, e ou que não sigam rigorosamente as instruções de uso estabelecidas pela nossa empresa. - Outras partes de desgaste natural pelo uso como bombas, selo mecânico, adesivos, etc - Equipamentos que sem a nossa prévia autorização tenham sido entregues a terceiros para execução de reparos. - Partes elétricas decorrentes de instalação incorreta ou surtos na rede. - Transportes, fretes e seguros sempre ocorrerão por conta do cliente.
  26. 26. 26 12. Ficha de controle Faça uma copia desta ficha e preencha para ter um controle do desempenho do equipamento (no mínimo mensal). Respon_ sável Data Vazão Permeado Vazão Rejeito Pressão Entrada Pressão Bomba Condutividade e temperatura - Houve alguma sanitização ou limpeza? - Alguma falha ou manutenção?

×