O N C O L O G I A 
Alterações em determinados 
genes – mutações – 
causam o câncer, mas falhas 
na interação que cada célu...
O N C O L O G I A 
 
O PRÓXIMO 
DESAFIO 
REVERTER 
O CÂNCER 
A luta contra o câncer
!
! 
#
   


  
 	 
 
$
%

	 


	' 
(
)
')

	%*
 



#
*


 
+, 
! 
   

	%  

%	
 
	'

-
 
.)
julho de 2002 • CIÊNCIA HOJE • 51 
O conhecimento 
dos processos 
genéticos 
e bioquímicos 
que induzem 
a formação 
de cé...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Cancer

186 visualizações

Publicada em

cancer

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
186
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cancer

  1. 1. O N C O L O G I A Alterações em determinados genes – mutações – causam o câncer, mas falhas na interação que cada célula do organismo mantém com as demais células e com moléculas presentes na chamada matriz extracelular também estão envolvidas na origem e evolução dos tumores. Os cientistas vêm desvendando detalhes desses mecanismos (os genéticos e os interativos), o que poderá levar a novas drogas que previnam ou combatam a doença e talvez a terapias capazes de reverter o processo que resulta no câncer. José Ernesto Belizário Departamento de Farmacologia, Instituto de Ciências Biomédicas, Universidade de São Paulo 50 • • CIÊNCIA CIÊNCIA HOJE HOJE • • vol. vol. 31 31 • • n nº º 184 184
  2. 2. O N C O L O G I A O PRÓXIMO DESAFIO REVERTER O CÂNCER A luta contra o câncer
  3. 3. !
  4. 4. ! # $
  5. 5. % ' (
  6. 6. )
  7. 7. ') %* # * +, ! % % ' - .)
  8. 8. julho de 2002 • CIÊNCIA HOJE • 51 O conhecimento dos processos genéticos e bioquímicos que induzem a formação de células cancerosas vem permitindo desenvolver novas estratégias de tratamento
  9. 9. O N C O L O G I A
  10. 10. % / # 0 !
  11. 11. 1 .)
  12. 12. 22
  13. 13. 3 # 4
  14. 14. 5 %
  15. 15. 5 # -
  16. 16. '4
  17. 17. )
  18. 18. % 5 .
  19. 19. 5
  20. 20. 6,7 # / # 0 4 52 • CIÊNCIA HOJE • vol. 31 • nº 184 8
  21. 21. # 9
  22. 22. Células normais e células neoplásicas )
  23. 23. * # * :
  24. 24. ; )
  25. 25. -% 4
  26. 26. 5 ! #
  27. 27. =2
  28. 28. ?5
  29. 29. @
  30. 30. 5 + -' A
  31. 31. B 5C
  32. 32. 5 D 5
  33. 33. 1 %' 4
  34. 34. % %
  35. 35. E Figura 1. A proliferação descontrolada de células epiteliais leva à formação de um tumor, e quando essas células se tornam malignas podem invadir tecidos próximos, alcançando vasos sangüíneos e se espalhando para outras partes do organismo Tumor primário Célula epitelial normal Membrana basal Célula tumoral metastásica Vaso sangüíneo ADAPTADO DE SCIENTIFIC AMERICAN, VOL. 275, Nº. 3
  36. 36. O N C O L O G I A julho de 2002 • CIÊNCIA HOJE • 53 DIVISÃO NORMAL Fatores de controle positivo do ciclo celular Fatores de controle negativo do ciclo celular Mutação de genes responsáveis por fatores de controle positivo e negativo Células-filhas APOPTOSE Apoptose (morte programada) FORMAÇÃO DE TUMOR Células tumorais Ponto de checagem 2 Ciclo celular Ponto de checagem 1 Fatores de crescimento Hormônios esteróides e Citocinas Mitose G2 G1 S Como genes normais se tornam oncogenes ) 9 5 2,, 5/
  37. 37. ' ! .)
  38. 38. '
  39. 39. 3,'
  40. 40. .3F 43F' G G' 5 4
  41. 41. 32 H3?' 4
  42. 42. 32IH3?I *: ;*
  43. 43. 4
  44. 44. .
  45. 45. '
  46. 46. )
  47. 47. ' G H
  48. 48. # '
  49. 49. - @@
  50. 50. '
  51. 51. 5 G
  52. 52. =
  53. 53. .
  54. 54. 5 # Figura 2. No ciclo celular normal, a divisão da célula pode ser interrompida nos chamados ‘pontos de checagem’ do processo Figura 3. Durante o ciclo celular, uma célula pode seguir três caminhos: divisão normal, apoptose ou desenvolvimento de células tumorais
  55. 55. O N C O L O G I A Telomerase e imortalização celular ) @
  56. 56. J
  57. 57. G G .)'5 % 5 4 '
  58. 58. ) ' -
  59. 59. B, D, '
  60. 60. % 4
  61. 61. G 4
  62. 62. 5'. -
  63. 63. 4 5
  64. 64. 5 # Aberrações cromossômicas e aneuploidias K - ) 9 ' L9
  65. 65. % - '
  66. 66. $-
  67. 67. ) / - 54 • CIÊNCIA HOJE • vol. 31 • nº 184 *
  68. 68. .) ?,
  69. 69. ' ) ! ' 9 /J) 5 .)! !' #
  70. 70. O microambiente celular e a malignidade )
  71. 71. ' * M,7 % 4
  72. 72. N
  73. 73. #
  74. 74. 4 *
  75. 75. 1 Figura 4. Imagem, obtida em microscópio eletrônico, de um corte de endométrio (revestimento interno do útero) de rata, com invaginações (setas verdes) da membrana de uma célula epitelial invadindo o estroma, ação limitada pela lâmina basal (setas pretas) e por componentes da matriz extracelular Célula epitelial Matriz extracelular Estroma
  76. 76. O N C O L O G I A Célula cancerosa Mobilização das citocinas Membrana Inibidores de metaloproteinases Citocinas Metaloproteinases Fatores de crescimento e angiogênicos Componentes da matriz extracelular julho de 2002 • CIÊNCIA HOJE • 55 Estroma Epitélio Células imunológicas Células endoteliais Fibroblastos basal Mobilização de fatores angiogênicos, fatores de crescimento, metaloproteinases e nutrientes ') 5 -
  77. 77. 5 K - * 5 @ # 5 * % ' )
  78. 78. -
  79. 79. -
  80. 80. . 5
  81. 81. ! % @
  82. 82. 5
  83. 83. % - .
  84. 84. 5 9 ) 4
  85. 85. 5
  86. 86. ' ( 9 % '
  87. 87. % :O; 4
  88. 88. % %
  89. 89. 'N
  90. 90. @
  91. 91. '
  92. 92. ) 5 $
  93. 93. @% 2 ! H
  94. 94. 9
  95. 95. 9 ') 4 )
  96. 96. $ 5
  97. 97. :
  98. 98. ;
  99. 99. % )
  100. 100. P ! 2P3F 2' G 5
  101. 101. Figura 5. As interações entre uma célula epitelial cancerosa, as células do estroma e os componentes da matriz extracelular são complexas, e seu estudo pode levar a novas formas de inibir ou eliminar o câncer
  102. 102. O N C O L O G I A Ativação 3 P3F2
  103. 103. ' %' 5 K
  104. 104. 5
  105. 105. P3F2 5 ' 4 P3F2
  106. 106. 5 5 '/
  107. 107. P3F2 '
  108. 108. %
  109. 109. ' Diferenciação celular e reprogramação gênica )
  110. 110. 5 8 Q
  111. 111. 9
  112. 112. % 5 !
  113. 113. % )
  114. 114. # 56 • CIÊNCIA HOJE • vol. 31 • nº 184 G )
  115. 115. 4 #
  116. 116. $
  117. 117. = 1
  118. 118. )' F G
  119. 119. 24 @5 ! % 5 5
  120. 120. K
  121. 121. - .)H %
  122. 122. =
  123. 123. ) .)
  124. 124. 5 # ! 5
  125. 125. 4
  126. 126. # Metástase e angiogênese ) #
  127. 127. 9 % @
  128. 128. 5
  129. 129. )
  130. 130. 5 %
  131. 131. 1 % N
  132. 132. 1 9 L
  133. 133. Figura 6. As interações com o microambiente são essenciais na formação de células malignas, como ocorre com células epiteliais expostas à radiação ionizante – o processo é mediado, em parte, pelo fator de transformação e crescimento 1 (TGF-1) ADAPTADO DE MOLECULAR MEDICINE TODAY Epitélio Tumor Radiação ionizante LTGF- 1 (inativado) TGF- 1
  134. 134. O N C O L O G I A julho de 2002 • CIÊNCIA HOJE • 57 % % 5 5 '
  135. 135. 1'
  136. 136. @
  137. 137. L9
  138. 138. 5 8 ' 55 5//' 5 % F3F
  139. 139. E43F' 5 '
  140. 140. )
  141. 141. % ' $E 5 '
  142. 142. H 5 @ # 9
  143. 143. % #
  144. 144. ! 5
  145. 145. % 5 5 ! % 5= R : ;' 5
  146. 146. ) 5// '
  147. 147. 5
  148. 148. P
  149. 149. 5
  150. 150. 5
  151. 151. ( # ' N 5 // 5'%
  152. 152. 5 % ) - % % 9
  153. 153. 5 //' 5
  154. 154. O desafio de reverter a malignidade P
  155. 155. % # -
  156. 156. ) ! % ' '
  157. 157. 9
  158. 158. 2,,
  159. 159. /
  160. 160. 5 04
  161. 161. P
  162. 162. @ % (
  163. 163. 4
  164. 164. 5 ' 5
  165. 165. )
  166. 166. 4
  167. 167. )
  168. 168. Sugestões para leitura HANAHAN, D. WEINBERG, R. A. ‘The hallmarks of cancer’, in Cell, v. 100, p. 57, 2000. LIOTTA, L. A. KOHN, E. C. ‘The microenvironment of the tumour-host interface’, in Nature, v. 411, p. 375, 2001. PARK, C. C.; BISSEL, M. J. BARCELLOS-HOFF, M. H. ‘The influence of the microenvironment on the malignant phenotype’, in Molecular Medicine Today, v. 61, p. 324, 2000. TLSTY, T. D. HEIN, P. W. ‘Know thy neighbor: stromal cells can contribute oncogenic signals’, in Current Opinon in Genetics Development, v. 11, p. 54, 2001.

×