O slideshow foi denunciado.
Seu SlideShare está sendo baixado. ×

A escola de zé menezes partituras-cbm

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Grupo de Pesquisa José Maria Neves do Conservatório Brasileiro de Música/CEU - Método de Guitarra: A Escola de Zé Menezes ...
Grupo de Pesquisa José Maria Neves do Conservatório Brasileiro de Música/CEU - Método de Guitarra: A Escola de Zé Menezes ...
Grupo de Pesquisa José Maria Neves do Conservatório Brasileiro de Música/CEU - Método de Guitarra: A Escola de Zé Menezes ...
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio

Confira estes a seguir

1 de 41 Anúncio

A escola de zé menezes partituras-cbm

Baixar para ler offline

Obras de Zé Menezes: Forró Forrado, Gafieira Carioca Nº 2, Gafieirando, Dani no Frevo, Encabulado, Contrapontando, Uma Noite na Lapa, Nunca Mais, Fantasia Sertaneja, Seresteiro, Entre sem bater, Divertimento, Terra Quente , Reco no Choro , Canção Amiga, Nosso Jardim, Guitarra no Choro, Guitarra no Jazz, Abertura de Os Trapalhões, Três Amigos.

Obras de Zé Menezes: Forró Forrado, Gafieira Carioca Nº 2, Gafieirando, Dani no Frevo, Encabulado, Contrapontando, Uma Noite na Lapa, Nunca Mais, Fantasia Sertaneja, Seresteiro, Entre sem bater, Divertimento, Terra Quente , Reco no Choro , Canção Amiga, Nosso Jardim, Guitarra no Choro, Guitarra no Jazz, Abertura de Os Trapalhões, Três Amigos.

Anúncio
Anúncio

Mais Conteúdo rRelacionado

Diapositivos para si (18)

Quem viu também gostou (14)

Anúncio

Semelhante a A escola de zé menezes partituras-cbm (14)

Mais recentes (20)

Anúncio

A escola de zé menezes partituras-cbm

  1. 1. Grupo de Pesquisa José Maria Neves do Conservatório Brasileiro de Música/CEU - Método de Guitarra: A Escola de Zé Menezes 1 Partituras de José Menezes França1 Seleção de peças de Zé Menezes aplicadas à guitarra elétrica. Este material foi produzido através dos manuscritos do Autor. As digitações foram retiradas de vídeos e de orientações do Autor. Visa à execução na guitarra elétrica, porém podem ser tocadas em outros instrumentos. Forró Forrado 1 Contrapontando 2 Gafieira Carioca Nº 2 5 Gafieirando 6 Dani no Frevo 8 Encabulado 10 Uma Noite na Lapa 12 Nunca Mais 14 Reco no Choro 17 Fantasia Sertaneja 18 Seresteiro 22 Entre sem bater 25 Divertimento 26 Terra Quente 28 Nosso Jardim 30 Canção Amiga 32 Guitarra no Jazz 33 Guitarra no Choro 34 Abertura de Os Trapalhões 36 Três Amigos 38 1 Edições musicais produzidas Por Rogério Borda, Bruno Scantamburlo e Pedro Autran para a conclusão no Grupo de Pesquisa José Maria Neves do Conservatório Brasileiro de Música / Centro Universitário - Método de Guitarra: A Escola de Zé Menezes. Todos os direitos do Autor estão reservados.
  2. 2. Grupo de Pesquisa José Maria Neves do Conservatório Brasileiro de Música/CEU - Método de Guitarra: A Escola de Zé Menezes 2
  3. 3. Grupo de Pesquisa José Maria Neves do Conservatório Brasileiro de Música/CEU - Método de Guitarra: A Escola de Zé Menezes 3
  4. 4. Grupo de Pesquisa José Maria Neves do Conservatório Brasileiro de Música/CEU - Método de Guitarra: A Escola de Zé Menezes 4
  5. 5. Grupo de Pesquisa José Maria Neves do Conservatório Brasileiro de Música/CEU - Método de Guitarra: A Escola de Zé Menezes 5
  6. 6. Grupo de Pesquisa José Maria Neves do Conservatório Brasileiro de Música/CEU - Método de Guitarra: A Escola de Zé Menezes 6
  7. 7. Grupo de Pesquisa José Maria Neves do Conservatório Brasileiro de Música/CEU - Método de Guitarra: A Escola de Zé Menezes 7
  8. 8. Grupo de Pesquisa José Maria Neves do Conservatório Brasileiro de Música/CEU - Método de Guitarra: A Escola de Zé Menezes 8
  9. 9. Grupo de Pesquisa José Maria Neves do Conservatório Brasileiro de Música/CEU - Método de Guitarra: A Escola de Zé Menezes 9
  10. 10. Grupo de Pesquisa José Maria Neves do Conservatório Brasileiro de Música/CEU - Método de Guitarra: A Escola de Zé Menezes 10
  11. 11. Grupo de Pesquisa José Maria Neves do Conservatório Brasileiro de Música/CEU - Método de Guitarra: A Escola de Zé Menezes 11
  12. 12. Grupo de Pesquisa José Maria Neves do Conservatório Brasileiro de Música/CEU - Método de Guitarra: A Escola de Zé Menezes 12
  13. 13. Grupo de Pesquisa José Maria Neves do Conservatório Brasileiro de Música/CEU - Método de Guitarra: A Escola de Zé Menezes 13
  14. 14. Grupo de Pesquisa José Maria Neves do Conservatório Brasileiro de Música/CEU - Método de Guitarra: A Escola de Zé Menezes 14
  15. 15. Grupo de Pesquisa José Maria Neves do Conservatório Brasileiro de Música/CEU - Método de Guitarra: A Escola de Zé Menezes 15
  16. 16. Grupo de Pesquisa José Maria Neves do Conservatório Brasileiro de Música/CEU - Método de Guitarra: A Escola de Zé Menezes 16
  17. 17. Grupo de Pesquisa José Maria Neves do Conservatório Brasileiro de Música/CEU - Método de Guitarra: A Escola de Zé Menezes 17
  18. 18. Grupo de Pesquisa José Maria Neves do Conservatório Brasileiro de Música/CEU - Método de Guitarra: A Escola de Zé Menezes 18
  19. 19. Grupo de Pesquisa José Maria Neves do Conservatório Brasileiro de Música/CEU - Método de Guitarra: A Escola de Zé Menezes 19
  20. 20. Grupo de Pesquisa José Maria Neves do Conservatório Brasileiro de Música/CEU - Método de Guitarra: A Escola de Zé Menezes 20
  21. 21. Grupo de Pesquisa José Maria Neves do Conservatório Brasileiro de Música/CEU - Método de Guitarra: A Escola de Zé Menezes 21
  22. 22. Grupo de Pesquisa José Maria Neves do Conservatório Brasileiro de Música/CEU - Método de Guitarra: A Escola de Zé Menezes 22
  23. 23. Grupo de Pesquisa José Maria Neves do Conservatório Brasileiro de Música/CEU - Método de Guitarra: A Escola de Zé Menezes 23
  24. 24. Grupo de Pesquisa José Maria Neves do Conservatório Brasileiro de Música/CEU - Método de Guitarra: A Escola de Zé Menezes 24
  25. 25. Grupo de Pesquisa José Maria Neves do Conservatório Brasileiro de Música/CEU - Método de Guitarra: A Escola de Zé Menezes 25
  26. 26. Grupo de Pesquisa José Maria Neves do Conservatório Brasileiro de Música/CEU - Método de Guitarra: A Escola de Zé Menezes 26
  27. 27. Grupo de Pesquisa José Maria Neves do Conservatório Brasileiro de Música/CEU - Método de Guitarra: A Escola de Zé Menezes 27
  28. 28. Grupo de Pesquisa José Maria Neves do Conservatório Brasileiro de Música/CEU - Método de Guitarra: A Escola de Zé Menezes 28
  29. 29. Grupo de Pesquisa José Maria Neves do Conservatório Brasileiro de Música/CEU - Método de Guitarra: A Escola de Zé Menezes 29
  30. 30. Grupo de Pesquisa José Maria Neves do Conservatório Brasileiro de Música/CEU - Método de Guitarra: A Escola de Zé Menezes 30
  31. 31. Grupo de Pesquisa José Maria Neves do Conservatório Brasileiro de Música/CEU - Método de Guitarra: A Escola de Zé Menezes 31
  32. 32. Grupo de Pesquisa José Maria Neves do Conservatório Brasileiro de Música/CEU - Método de Guitarra: A Escola de Zé Menezes 32
  33. 33. Grupo de Pesquisa José Maria Neves do Conservatório Brasileiro de Música/CEU - Método de Guitarra: A Escola de Zé Menezes 33
  34. 34. Grupo de Pesquisa José Maria Neves do Conservatório Brasileiro de Música/CEU - Método de Guitarra: A Escola de Zé Menezes 34
  35. 35. Grupo de Pesquisa José Maria Neves do Conservatório Brasileiro de Música/CEU - Método de Guitarra: A Escola de Zé Menezes 35
  36. 36. Grupo de Pesquisa José Maria Neves do Conservatório Brasileiro de Música/CEU - Método de Guitarra: A Escola de Zé Menezes 36 Abertura de “Os Trapalhões”
  37. 37. Grupo de Pesquisa José Maria Neves do Conservatório Brasileiro de Música/CEU - Método de Guitarra: A Escola de Zé Menezes 37 Quem assistiu televisão até os anos 80 conhece bem esta música que consagrou Zé Menezes como compositor e arranjador na rede globo. Porém o que pouca gente sabe é que está música foi composta na guitarra elétrica. “A história da abertura de “Os Trapalhões” foi o seguinte, é que na Globo antigamente cada abertura era feita para um determinado programa, quer dizer, novelas ou show tinha uma abertura e era para aquele programa, hoje não, as novelas fazem a mesma coisa, só muda a cena, mas, o fundo é aquilo que estamos escutando a mil anos, naquele tempo não, tinha 20 maestros, produtores da Globo, para exatamente uns trabalharem na linha de novela, e outros na linha de show, e eu era guitarrista, trabalhei com todo esses maestros que vinham de fora, do Japão, da China, da Inglaterra, da França, então agente trabalhava com a orquestra da Globo, só que quando foi para fazer “Os Trapalhões” era na Tupi, e o Vanucci era muito meu amigo, Augusto Cesar Vanucci, então ele chegou e disse: Faz a abertura de “Os Trapalhões” pra Globo, aí eu falei: Mas eles não tem a abertura deles, mas eles queriam uma abertura nova, aí se tratando de “Os Trapalhões” tinha que fazer alguma coisa de engraçada, algo satirizado, mas aí ele disse: Não, faz uma abertura pomposa, faz de conta que você vai fazer algo para um musical nos Estados Unidos, com grande orquestra, aí era a minha vez de fazer alguma coisa para deixar de ser só um guitarrista, eu não tinha pretensão não, mas sempre temos uma pretensãozinha de querer melhorar as coisas né, e eu não tinha esperança, pois só tinha maestro tipo, o Radamés, Guio de Moraes, só tinha gente grandes arranjadores, foram buscar nos Estados Unidos oferecendo uma nota preta para fazer a abertura de “Os Trapalhões”, e eu corri por fora, sem pretensão nenhuma, mas, aí eu fiz a minha abertura, cheguei em casa, liguei um gravadorzinho e de cara saiu a abertura de “Os Trapalhões”, do jeito que eu fiz na guitarra, eu fiz para grande orquestra da Radio Nacional, distribuí, eu fiz dois arranjos, um em Sol maior e o outro em Ré maior que é o original, e a minha abertura no meio desse pessoal todinho foi aprovada, resultado, depois me chamaram para assinar contrato, aí como arranjador, aí eu fiquei meio apreensivo, por que, é verdade que fui arranjador na RCA entre 60 e 70, naquele tempo na reunião de produção eles acertavam algo com agente, e se desse errado elem falavam, “passei para o Menezes o negocio certo”, ou seja, o produtor nunca estava errado, então chegava na minha casa, sábado todinho ou domingo todinho para fazer o arranjo do programa, por que segunda tinha que rolar, então passei para produtor, para trabalhar só em um programa, passei muito tempo trabalhando no viva o gordo, como produtor e arranjador, depois fiz a abertura do Chico City também, varias aberturas de programa, Levanta Poeira, um bocado de programa daquele tempo, mas foi a abertura de “Os Trapalhões” que me fez subir para a posição de maestro, arranjador e produtor”. Eu fiz um arranjo bem funqueado, beirando o samba, eu queria bastante percussão”.
  38. 38. Grupo de Pesquisa José Maria Neves do Conservatório Brasileiro de Música/CEU - Método de Guitarra: A Escola de Zé Menezes 38
  39. 39. Grupo de Pesquisa José Maria Neves do Conservatório Brasileiro de Música/CEU - Método de Guitarra: A Escola de Zé Menezes 39
  40. 40. Grupo de Pesquisa José Maria Neves do Conservatório Brasileiro de Música/CEU - Método de Guitarra: A Escola de Zé Menezes 40
  41. 41. Grupo de Pesquisa José Maria Neves do Conservatório Brasileiro de Música/CEU - Método de Guitarra: A Escola de Zé Menezes 41 Três Amigos - Essa peça é muito significativa na obra de Zé Menezes porque é uma homenagem a dois de seus grandes amigos, mestres e incentivadores: Radámés Gnatalli e Garoto. Tem três partes as quais representam Zé Menezes, Radamés e Garoto. Cada parte contém elementos musicais representativos dos estilos de tocar e compor de cada um. A 1ª parte representa Zé Menezes, contém harmonias recorrentes da sua maneira de harmonizar como, por exemplo, o acorde A7(b9)(13) do terceiro tempo do compasso 10 e o acorde D69 do compasso 11. Passagens de vozes internas como as do compasso 15 e 16, e também nos compassos 33 e 34. A 2ª parte que começa no compasso 49 representa Radamés Gnatalli que Zé Menezes tinha grande admiração e dizia que ele possuía um estilo técnico ao piano, representando este estilo estão as escalas do compasso 53 que encaminham a harmonia de D6 (tônica) para o Gm7 C7 (IIm7 V7 de Fá), do compasso 55 (bIII – Fá, relativo do homônimo menor), a do compasso 59 (tônica) para o C#m7(b5) F#7(#9) (II v para o relativo menor), e a escala dos compassos 63 e 64 que encaminham uma cadência de ponte para a 3ª parte. As marchas harmônicas rápidas dos compassos 57 e 58, e a dos compassos 60 a 62 também são características do estilo de tocar, arranjar e compor de Radamés que Zé Menezes representa nesta parte da peça. A 3ª parte começa no compasso 66 retrata Garoto e seu estilo no violão, que Zé Menezes conhecia muito bem. Já no compasso 67 inicia com um acorde idiomático do estilo de Garoto que aproveitava o dedo indicador para fazer um determinado baixo e com o mesmo dedo tocar uma nota na 1ª corda em um traste anterior ao que tocava o baixo. Acordes m7M, m7(9) seguidos de escalas como os dos compassos 68, 72 e 78 também eram característicos de Garoto, segundo Zé Menezes, muito interessante é a passagem do compasso 81 ao 83 onde Zé Menezes utiliza na marcha harmônica Am7(b5) D7, G7 C7, F7 Bb7, motivos melódicos característicos de Garoto. (...) “Eu fiz uma musica (...) fazendo uma homenagem ao meu velho amigo Radamés e ao grande amigo Garoto. (...) É, o Três Amigos (...) essa primeira foi o Zé Menezes (...) essa que eu acabei de tocar é Radamés, é uma coisa mais técnica, é diferente (...), acabou Radamés, agora Garoto (...) a intenção foi exatamente isso, uma homenagem ao velho amigo Radamés e ao Garoto. Pra quem conheceu o Garoto, as músicas do Garoto, estão vendo (...) é bonito né? Isso aqui é Garoto. (...) Garoto nasceu em 1915, e eu em 1921. Daí ele e eu fazíamos os programas juntos, fazíamos os programas grandes. Depois eu passei a fazer parte das grandes orquestras da rádio. A Nacional possuía três orquestras, três big bands e uma orquestra sinfônica completa com mais ou menos oitenta músicos, (...) eu passei a fazer parte da orquestra da noite, a orquestra melhor, que era regida pelo Radamés, pelo Léo Perachi, e o Nilo Panicalho. (...) Radamés quis fazer a Orquestra Brasileira de Shows. Radamés era muito chegado ao regional, na cabeça dele ele queria formar o regional dentro da grande orquestra. Ele no piano, eu, Garoto e Bola Sete (...) Radamés fazia sempre com uns arranjos maravilhosos. De forma que tem várias gravações que foram feitas pelo Garoto com orquestra. O Radamés escrevia muito pro Garoto, e escrevia pra mim também, depois, acabou escrevendo mais para mim. (...) De repente o Garoto saiu da Rádio Nacional, foi fazer uma temporada em São Paulo eu fiquei sozinho. Foi aí que eu comecei a pegar a carga maior. Radamés inventou o quarteto continental que acompanhava todos os cantores da época como Araci de Almeida, entre outras. Nós Gravamos com aquele pessoal todo. O Quarteto Continental passou a ser chamado de Quinteto Radamés com a chegada do Chiquinho e depois passou a ser Sexteto com a inclusão da Aida Gnatalli, fizemos uma temporada na Europa de sucesso” (...) (Menezes, 2003).

×