Pa hu programa_necessidades1

1.308 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.308
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
586
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
28
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pa hu programa_necessidades1

  1. 1. PROGRAMA  DE  NECESSIDADES   A  ação  do  Arquiteto   Universidade  Paulista  -­‐  UNIP   Arquitetura  e  Urbanismo   Professores:  Carla  Freitas  |  Leonardo  Inojosa  
  2. 2. Programa  de  Necessidades  e  a  Ação  do  Arquiteto   O  programa  traduz  necessidades  e  aspirações   formuladas  pela  vida  social  dos  homens.   Professores  Carla  Freitas|Leonardo  Inojosa   www.caliandradesenhos.blogspot.com.br    |  estudio@caliandradesenhos.com.br  
  3. 3. Programa  de  Necessidades  e  a  Ação  do  Arquiteto   O  programa  de  necessidades  expressa  a  relação  dos   espaços  que  devem  ser  criados  nos  ediQcios.   Professores  Carla  Freitas|Leonardo  Inojosa   www.caliandradesenhos.blogspot.com.br    |  estudio@caliandradesenhos.com.br  
  4. 4. Programa  de  Necessidades  e  a  Ação  do  Arquiteto   Exemplo  de  um  programa  de  necessidades  de  uma  habitação  média:     VesTbulo  (ou  Hall)   Lavabo   Sala  de  Estar  /  Jantar   Quartos  (dois)   Banheiro  (um)   Suite  (uma)   Cozinha   Área  de  Serviço   Quarto  de  Empregada   Banheiro  de  Empregada   Garagem   Professores  Carla  Freitas|Leonardo  Inojosa   www.caliandradesenhos.blogspot.com.br    |  estudio@caliandradesenhos.com.br  
  5. 5. Programa  de  Necessidades  e  a  Ação  do  Arquiteto   Na   fase   inicial   do   projeto,   quando   as   primeiras   conversas   com   o   cliente   acontecem   o   arquiteto   toma   conhecimento   das   caracterís_cas   par_culares   que   cada   um   dos   ambientes   descritos   anteriormente  devem  ter.   Duas  “cabanas”  imersas  na  natureza,  mas  com  aspectos  dis_ntos!   As  caracterís_cas  par_culares  que  cada  ambiente  vai  ter  reflete  os   hábitos  e  aspirações  individuais  dos  futuros  moradores  da  casa.   Professores  Carla  Freitas|Leonardo  Inojosa   www.caliandradesenhos.blogspot.com.br    |  estudio@caliandradesenhos.com.br  
  6. 6. “O   programa,   portanto,   é   tanto   mais   eficiente   quanto   melhor   explicitada   a   finalidade   do   ediQcio,   definindo   a   capacidade   ou   o   dimensionamento   aproximado   de   cada   compar_mento,   as   circulações   entre   eles,   as   condições   desejáveis   de   iluminação,   ven_lação,   temperatura,   o   equipamento   previsível   etc.”  Edgar  Graeff   Professores  Carla  Freitas|Leonardo  Inojosa   www.caliandradesenhos.blogspot.com.br    |  estudio@caliandradesenhos.com.br  
  7. 7. “O  atendimento  das  necessidades  e  aspirações  expressas  pelo   programa,   assim   como   daquelas   que   estão   nele   implícitas,   cons_tui  o  obje_vo  principal  da  realização  do  ediQcio.”   Edgar  Graeff   Professores  Carla  Freitas|Leonardo  Inojosa   www.caliandradesenhos.blogspot.com.br    |  estudio@caliandradesenhos.com.br  
  8. 8.   O  programa  de  necessidades  define  as  finalidades   do  espaço  arquitetônico.       Professores  Carla  Freitas|Leonardo  Inojosa   www.caliandradesenhos.blogspot.com.br    |  estudio@caliandradesenhos.com.br  
  9. 9. O  programa  de  necessidades  não  brota  espontaneamente   das  necessidades  e  aspirações  das  pessoas.   O   programa   de   necessidades   é   elaborado   pelo   arquiteto   através  de  estudos  e  da  interpretação  de  dados  colhidos   sobre  os  usuários  do  ediQcio  a  ser  projeta,  sobre  os  meios   de   edificar   disponíveis   no   local   e   sobre   as   condições   Qsicas  do  local  do  projeto.   Professores  Carla  Freitas|Leonardo  Inojosa   www.caliandradesenhos.blogspot.com.br    |  estudio@caliandradesenhos.com.br  
  10. 10. “Os   meios   de   edificação,   por   exemplo,   existem   em   disponibilidade,   oferecidos   pela   natureza,   pela   indústria,   pela   tecnologia   da   construção;   cabe   ao   arquiteto,   informado   das   exigências   do   programa,   selecionar   e   escolher   os   meios   que   lhe   parecem   mais   convenientes   à   realização   da   obra.   Assim,   dentro   de   certos   limites,   ditados   pelo   programa   e   decorrentes   das   possibilidades   dos   próprios   meios   –   limitações   tanto   menores   quanto   maior   o   desenvolvimento   industrial   e   tecnológico   -­‐   ,   o   arquiteto   é   livre   para   escolher   os   meios   de   edificação   e   o   faz,   geralmente,   nos   termos   descritos   por   Lucio   Costa,   isto   é,   apoiando-­‐se  no  seu  sen_mento  individual.”     Edgar  Graeff   Professores  Carla  Freitas|Leonardo  Inojosa   www.caliandradesenhos.blogspot.com.br    |  estudio@caliandradesenhos.com.br  
  11. 11. O  Poder  do  Arquiteto   -­‐  Selecionar  e  escolher  os  meios  de  edificação,  ou  de  construção;     -­‐  Interpretar  as  necessidades  e  aspirações  daqueles  que  irão   usufruir  do  ediQcio.   O  arquiteto  é  o  responsável  maior  pelas  qualidades  da   obra  de  arquitetura.   Segundo  Edgar  Graeff,  é  daí  que  decorre  o  peso  maior  da   responsabilidade   social   dos   arquitetos   como   autores   de   obras   que   afetam   direta   e   imposi_vamente   a   vida   co_diana  dos  membros  de  uma  comunidade.   Professores  Carla  Freitas|Leonardo  Inojosa   www.caliandradesenhos.blogspot.com.br    |  estudio@caliandradesenhos.com.br  
  12. 12. Para  relembrar  alguns  pontos...   O  que  diz  Le  Corbusier:   “Arquitetura   se   ocupa   da   casa,   da   casa   comum   e   habitual,   para   homens   normais   e   comuns.   Ela   despreza   os   palácios.   Eis   um   sinal   dos   tempos.”       “Estudar  a  casa  para  o  homem  corrente,  qualquer  um,  é  reencontrar   as   bases   humanas,   a   escala   humana,   a   necessidade-­‐_po,   a   função-­‐ _po,  a  emoção-­‐_po.  Eis  aí.  Isso  é  capital.  Isso  é  tudo.”   Professores  Carla  Freitas|Leonardo  Inojosa   www.caliandradesenhos.blogspot.com.br    |  estudio@caliandradesenhos.com.br  
  13. 13. Então  vamos  a  prá_ca.  Como  podemos  estudar  a  casa?   Professores  Carla  Freitas|Leonardo  Inojosa   www.caliandradesenhos.blogspot.com.br    |  estudio@caliandradesenhos.com.br  
  14. 14. A  resposta  vem  do  próprio  Le  Corbusier....     Ao  arquiteto  3  lembretes  e  um  aviso!     O  volume;   A  superQcie;   A  planta.     E  o  aviso:     não   esquecer   do   traçado   regulador,   aquilo   que   coloca   ordem,   define  e  diferencia  toda  arquitetura  do  caos.   Professores  Carla  Freitas|Leonardo  Inojosa   www.caliandradesenhos.blogspot.com.br    |  estudio@caliandradesenhos.com.br  
  15. 15. Primeiro  lembrete  –  O  Volume   “A   arquitetura   é   jogo   sábio,   correto   e   magnífico   dos   volumes   reunidos   sob   a   luz.   Nossos   olhos   são   feitos   para   ver   formas   sob   a   luz;  as  sombras  e  os  claros  revelam  as  formas;  os  cubos,  os  cones,  as   esferas,   os   cilindros   ou   as   pirâmides   são   as   grandes   formas   primárias  que  a  luz  revela  bem;  suas  imagens  são  ní_das  e  tangíveis,   sem   ambiguidades.   É   por   isso   que   são   belas   formas,   as   mais   belas   formas.  Todo  mundo  está  de  acordo  com  isso,  a  criança,  o  selvagem   e  o  metaQsico.  É  a  própria  condição  das  artes  plás_cas.”   Professores  Carla  Freitas|Leonardo  Inojosa   www.caliandradesenhos.blogspot.com.br    |  estudio@caliandradesenhos.com.br  
  16. 16. Segundo  lembrete  –  A  Super=cie   “A   arquitetura   sendo   jogo   sábio,   correto   e   magnífico   dos   volumes   reunidos   sob   a   luz,   o   arquiteto   tem   por   tarefa   fazer   viver   as   superQcies  que  envolvem  esses  volumes,  sem   que   essas,   tornadas   parasitas,   devorem   o   volume  e  o  absorvam  em  seu  proveito:  triste   história  dos  tempos  presentes.”   Professores  Carla  Freitas|Leonardo  Inojosa   www.caliandradesenhos.blogspot.com.br    |  estudio@caliandradesenhos.com.br  
  17. 17. Terceiro  lembrete  –  A  Planta   “A  planta  é  a  geradora.   O   olho   do   espectador   se   move   em   um   espaço   feito   de   ruas   e   de   casas.  Recebe  o  choque  dos  volumes  que  se  elevam  à  volta.  Se  esses   volumes   são   formais   e   não-­‐degradados   por   alterações   intempes_vas,   se   a   ordenação   que   os   agrupa   exprime   um   ritmo   claro,   e   não   uma   aglomeração  incoerente,  se  as  relações  entre  os  volumes  e  o  espaço   são   feitas   de   proporções   justas,   o   olho   transmite   ao   cérebro   sensações   coordenadas   e   o   espirito   re_ra   delas   sa_sfações   de   ordem   superior:  isso  é  arquitetura.”   Professores  Carla  Freitas|Leonardo  Inojosa   www.caliandradesenhos.blogspot.com.br    |  estudio@caliandradesenhos.com.br  
  18. 18. Um  úlAmo  aviso...   O  traçado  regulador   “Do  nascimento  fatal  da  arquitetura.   A  obrigação  da  ordem.  O  traçado  regulador  é  uma  garan_a  contra  o   arbitrário.  Proporciona  a  sa_sfação  do  espírito.   O   traçado   regulador   é   um   meio;   não   é   uma   receita.   Sua   escolha   e   suas   modalidades   de   expressão   fazem   parte   integrante   da   criação   arquitetural.”   Professores  Carla  Freitas|Leonardo  Inojosa   www.caliandradesenhos.blogspot.com.br    |  estudio@caliandradesenhos.com.br  

×