Dte aula 13desenhotecnico

953 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
953
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
562
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
13
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dte aula 13desenhotecnico

  1. 1. DTE   Desenho  Técnico  para   Arquitetura   Centro  Universitário  Planalto  –  UNIPLAN   Arquitetura  e  Urbanismo   Professoras  Ana  CrisAna  Castro  |  Carla  Freitas  
  2. 2. Desenho  Arquitetônico     Circulação  –  Definição  Dicionário  Aurélio  on  line   s.f.  Ato  ou  efeito  de  circular.  /  Movimento  do  que  circula:  circulação   da  seiva.  /  A  facilidade  de  se  mover  usando  as  vias  de  comunicação;   giro,  curso,  trânsito:  a  circulação  dos  automóveis.  //  Circulação   atmosférica,  conjunto  dos  movimentos  efetuados  pelas  grandes   massas  de  ar  do  globo.  //  Circulação  do  ar,  renovação  do  ar,   venAlação.  //  Circulação  monetária,  montante  de  moeda  em  curso.   Circulação  Ver6cal   •  Escadas   •  Rampas   •  Elevadores   Circulação  Horizontal   •  Corredores   •  Passagens   •  Calçadas   Professoras  Ana  CrisAna  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  3. 3. Escadas   Escadas   são   compostas   por   uma   série   de   degraus   dispostos   em   sequência   para   que   por   eles   possamos   subir   ou   descer   determinadas   alturas.  É  o  Apo  de  circulação  verAcal  mais  usado  em  arquitetura.   Professoras  Ana  CrisAna  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  4. 4. Tipos  de  Escadas:   Fonte:  CHING,  Francis.  “Dicionário  Visual  de  Arquitetura”   Professoras  Ana  CrisAna  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  5. 5. Tipos  de  Escadas:   Fonte:  CHING,  Francis.  “Dicionário  Visual  de  Arquitetura”   Professoras  Ana  CrisAna  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  6. 6. Tipos  de  Escadas:   Professoras  Ana  CrisAna  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  7. 7. Tipos  de  Escadas:   Professoras  Ana  CrisAna  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  8. 8. Tipos  de  Escadas:   Professoras  Ana  CrisAna  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  9. 9. Cálculo  e  desenho  de  uma  escada  básica   Conforme  a  norma  (NBR  9050)   As  dimensões  dos  pisos  e  espelhos  devem  ser  constantes  em   toda  a  escada  e  atender  as  seguintes  condições:   a)  Pisos  (p):  0,28m  <  p  <  0,32m;   b)  Espelhos  (e):  0,16m  <  e  <  0,18m;   c)  0,63m  <  p  +  2e  <  0,65m.   O   cálculo   é   realizado   baseado   na   fórmula   de   BLONDEL,   e   os   limites   mínimos   e   máximos  de  espelho  e  piso  são  definidos  pela  legislação  de  edificações.   Fórmula  de  Blondel   2  e  +  p  =  63   Quan6dade  de  espelhos   n  =        h          e   Onde:   e  =  espelho   p  =  piso   Professoras  Ana  CrisAna  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  10. 10. Largura  das  Escadas  (NBR  9050)     •  Recomendável:  1,50m   •  Mínima:  1,20m  
  11. 11. DTE   Desenho  Técnico  para  Arquitetura   Centro  Universitário  Planalto  –  UNIPLAN   Arquitetura  e  Urbanismo   Professoras  Ana  CrisAna  Castro  |  Carla  Freitas  
  12. 12. Desenho  Técnico  Arquitetônico     Caligrafia  Técnica    -­‐  Letras  e  Algarismos     Princípios  Gerais  –  revisão  do  que  já  foi  visto  em  aula:   -­‐  Equipamentos  e  Materiais;   -­‐  Tipos  de  papéis;   -­‐  Normas  de  Desenho  Técnico  e  diferentes  Apos  de  desenhos;   -­‐  Escalas  numéricas  e  gráficas;   -­‐  Sistema  de  Representação,  Convenções  e  Etapas  do  Desenho   Arquitetônico.   Professoras  Ana  CrisAna  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  13. 13. Equipamentos  e  Materiais   Prancheta   Régua  paralela  ou  Régua  T   Escalímetro   Esquadros   Lápis  e  Lapiseira   Compasso   Professoras  Ana  CrisAna  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  14. 14. Formatos  e  Tipos  de  Papéis   Segundo   a   NBR   10068,   o   f o r m a t o   b á s i c o   p a r a   desenhos   técnicos   é   o   retângulo   de   área   igual   a   1   m2   e   de   lados   medindo   841   mm   x   1189   mm,   isto   é,   guardando  entre  si  a  mesma   relação   que   existe   entre   o   lado   de   um   quadrado   e   sua   diagonal.   Professoras  Ana  CrisAna  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  15. 15. Formatos  e  Tipos  de  Papéis   D e s t e   f o r m a t o   b á s i c o ,   designado   por   A0   (A   zero),   deriva-­‐se   a   série   "A"   pela   biparAção   ou   pela   duplicação   sucessiva.   Professoras  Ana  CrisAna  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  16. 16. Formatos  e  Tipos  de  Papéis   Os   papéis   de   desenho   são   caracterizados   pela   transparência,   brancura  e  aspereza.   Papéis  lisos  são  mais  indicados  para  desenhos  à  Anta.   Papéis   mais   ásperos   são   melhores   para   desenhos   com   lápis   e   grafite.   Professoras  Ana  CrisAna  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  17. 17. Formatos  e  Tipos  de  Papéis   Dimensão  de  pranchas  –  Medidas  em  milímetros  (gildo  pag.  28)     Professoras  Ana  CrisAna  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  18. 18. Formatos  e  Tipos  de  Papéis   Início  do  desenho   Para   começar   selecione   o   papel   adequado   (Apo   e   tamanho).   Prenda  o  papel  na  prancheta,  caso  use  régua  T  prenda  seu  papel   mais  próximo  (de  2  a  3  cm)  da  cabeça  do  T.   Para  fixar  o  papel  prefira  fita  do  Apo  crepe  que  é  a  mais  adequada.   Prender  o  papel  Régua  Paralela   Prender  o  papel  Régua  T   Professoras  Ana  CrisAna  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  19. 19. Importante     1  –  Antes  de  começar  a  desenhar,  limpe  a  prancheta   2  –  Verificar  o  grafite  da  lapiseira  e  aponte  o  lápis  (quando  for  uAlizá-­‐lo)   3  –  No  desenho  a  Anta,  verifique  a  carga  da  caneta  nanquim  e  seu  funcionamento  ante   de  começar   4  –  Não  use  a  borda  inferior  da  régua  T  ou  da  paralela.  NUNCA   5  –  Não  espete  o  compasso;  nem  na  prancheta,  nem  na  régua.   6  –  Não  volte  atrás  no  traço.   7  –  Não  use  o  escalímetro  para  traçar  retas.   8  –  Jamais  use  esAletes  ou  instrumentos  cortantes  sobre  a  prancheta  para  cortar  papel   e  não  use  a  régua  paralela  ou  T  como  guia  de  corte.   9  –  Lave  periodicamente  com  água  e  sabão  os  esquadros,  a  régua  T,  a  paralela  e  o   escalímetro.   10  –  Sua  prancheta  não  é  apoio  de  mochila,  não  deixe  mochila  e  objetos  pesados  em   cima  da  régua  paralela,  pois  danifica  o  instrumento!   Professoras  Ana  CrisAna  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  20. 20. Antes  de  começar  a  desenhar...   Evite  trabalhar   assim   Evite  trabalhar   assim   Ilustração  Gildo  Montenegro   Professoras  Ana  CrisAna  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  21. 21.   Um  bom  desenhista  se  forma  com  três  pontos  importantes     PERSISTÊNCIA  |  TREINAMENTO  |  OBSERVAÇÃO     Professoras  Ana  CrisAna  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  22. 22. Normas  de  Desenho  Técnico   “O  desenho  técnico  não  pode  sujeita-­‐se  aos  gostos  e  caprichos  de   cada  desenhista,  pois  será  uAlizado  por  profissionais  diversos  para   chegar  à  fabricação  de  um  objeto  específico:  máquina,  cadeira  ou   casa.”     Gildo  Montenegro.  Desenho  Arquitetônico   No   Brasil   a   norma   que   rege   os   princípios   gerais   de   representação   em  desenho  técnico  é  a  NBR  10067.     NBR  –  Normas  Brasileiras  Registradas     AS   NBR’s   são   elaboradas   pela   ABNT,   Associação   Brasileira   de   Normas   Técnicas,   responsável   por   estudar   e   elaborar   padrões   técnicos  profissionais  para  o  Brasil.   Professoras  Ana  CrisAna  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  23. 23. Normas  de  Desenho  Técnico   “A   base   para   maior   parte   do   desenho   arquitetônico   é   a   linha,   cuja   essência   é   a   conAnuidade.   Em   um   desenho   consAtuído   somente   de   linhas,   a   informação   arquitetônica   transmiAda   (espaço   volumétrico;   definição   dos   elementos   planos,   sólidos   e   vazios;   profundidade)   depende  primordialmente  das  diferenças  discerníveis  no  peso  visual   dos  Apos  de  linhas  usados.”   F.  Ching.  Representação  Gráfica  em  Arquitetura   Professoras  Ana  CrisAna  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  24. 24. Normas  de   Desenho  Técnico   No  desenho  arquitetônico  o  traço   grosso  é  feito  com  espessuras  0,6   ou  0,8mm  na  escala  de  1:50  e  0,5   ou  0,6mm  na  escala  de  1:100.  Os   Apos  de  linhas  são  encontrados  na   NBR  8403   Professoras  Ana  CrisAna  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  25. 25. Escalas  numéricas  e  gráficas   No   desenho   técnico   é   comum   termos   que   representar   objetos   que   não   podem   ser   desenhados   em   suas   medidas   reais,   é   impossível   desenhar   um   automóvel   ou   uma   casa   em   seu   tamanho   verdadeiro.   Assim   as   escalas   são   ferramentas   para   que   possamos   representar   corretamente  estes  objetos,  mas  de  forma  reduzida.  Para  a  indústria   também   é   necessário   representar   muitas   vezes   objetos   muito   pequenos   em   tamanhos   ampliados,   e   ai   o   desenho   em   escala   é   de   ampliação  e  não  de  redução.  Desta  forma  temos  escalas  de  redução  e   escalas  de  ampliação.   Professoras  Ana  CrisAna  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  26. 26. Escalas  numéricas  e  gráficas   “Escala  é  a  relação  entre  cada  medida  do  desenho  e  sua  dimensão   real  no  objeto.”   Gildo  Montenegro     As  escalas  de  redução  recomendadas  pela  NBR  6492,  que  trata  de   representação  em  projetos  de  arquitetura  são:   As  escalas  de  redução  ou  as  de  ampliação  são  chamadas  de   numéricas  ou  métricas.     As  escalas  devem  ser  lidas:   1:50    um  para  cinquenta   1:500  um  para  quinhentos   Professoras  Ana  CrisAna  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  27. 27. Escalas  numéricas  e  gráficas   As   escalas   gráficas   são   a   representação   em   desenho   das   escalas   numéricas,  e  são  muito  úteis  em  desenhos  de  revistas  e  livros  onde  a   impressão  fotográfica  muitas  vezes  altera  a  escala  original.   Exemplo:   A   escala   gráfica   correspondente   a   1:50   é   representada   por   segmentos   iguais   de   2cm,   isso   porque   se   dividirmos   1m   por   50   teremos  0,02m  ou  2cm.   Professoras  Ana  CrisAna  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  28. 28. Etapas  do  Desenho  Arquitetônico   Professoras  Ana  CrisAna  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  29. 29. Etapas  do  Desenho  Arquitetônico   Professoras  Ana  CrisAna  Castro  e    Carla  Freitas  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  

×