Dte aula 01tiposdesenho

1.469 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.469
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
977
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dte aula 01tiposdesenho

  1. 1. DTE   Desenho  Técnico  e  Expressivo   Centro  Universitário  Planalto  –  UNIPLAN   Arquitetura  e  Urbanismo   Professoras  Ana  CrisBna  Castro  |  Carla  Freitas  
  2. 2. que  é  desenho?      e  para  que  serve  afinal  está  disciplina?     Professoras  Ana  CrisBna  Castro  e    Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br  |  www.caliandradesenhos.com.br  
  3. 3. Desenho   é   traçado,   risco.   É   também   projeto,   plano,   forma,   feiBo,   configuração,   delineamento,   esboço,   elaboração.   É   a   representação   de   formas   sobre   uma   superQcie,   por   meio   de   pontos,  linhas,  sombras  e  cores.   Buarque  de  Holanda  F.,  Aurélio.  Dicionário  Aurélio  Eletrônico  –  Século  XXI.     Professoas  Ana  CrisBna  Castro  e    Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br  |  www.caliandradesenhos.com.br  
  4. 4. O   arquiteto   Vilanova   ArBgas   definiu   desenho   como   desígnio,   intenção  de  fazer.  E  ao  estabelecer  este  fazer  como  próprio  do   homem  situou  o  desenho  como  linguagem  e  que  possivelmente   nasceu  antes  da  linguagem  oral  –  nos  grafismos  pré-­‐históricos.   Professoras  Ana  CrisBna  Castro  e    Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br  |  www.caliandradesenhos.com.br  
  5. 5. O   homem   uBliza   o   desenho   para   representar   e   transmiBr   conhecimento  desde  a  pré-­‐história.  Mas  apenas...   “No  Renascimento  o  desenho  ganha  cidadania.  E  se  de  um  lado  é  risco,  traçado,  mediação   para  expressão  de  um  plano  a  realizar,  linguagem  de  uma  técnica  constru<va,  de  outro  lado   é   desígnio,   intenção,   propósito,   projeto   humano   no   sen<do   de   proposta   do   espírito.   Um   espírito  que  cria  objetos  novos  e  os  introduz  na  vida  real”.  [...]     ArBgas,  Vilanova.  “O  Desenho”,  in  Caminhos  da  arquitetura:  Vilanova  ArBgas.  São  Paulo,  Cosac  &  Naify  Edições.  1999.   Professoras  Ana  CrisBna  Castro  e    Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br  |  www.caliandradesenhos.com.br  
  6. 6. Ato  de  imaginar  é  algo  que  está  sempre  presente  no  fazer  humano,   tanto  no  fazer  arfsBco  onde  é  comum  se  esperar  imaginação,  mas   também  no  fazer  cienffico.  E  ao  defender  está  idéia  ArBgas  situa  o   fazer  arfsBco  como  uma  “forma  concreta  e  necessária  da  ação  do   homem  na  criação  de  uma  natureza  propriamente  humana”.   Desenhar  é  uma  forma  de   expressar  idéias;  e  para  se   conceber  uma  idéia  é   fundamental  se  ter  imaginação.   Por  sua  vez  a  imaginação  é  algo   próprio  do  ser  humano  pleno  no   exercício  de  suas  capacitações.     Professoras  Ana  CrisBna  Castro  e    Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br  |  www.caliandradesenhos.com.br  
  7. 7. No  século  XV  a  descoberta  da  perspecBva  exata  mudou  radicalmente  a  forma  de   desenhar   do   mundo   ocidental.   Não   se   tratava   apenas   da   invenção   de   um   instrumento  profissional  para  arBstas  e  arquitetos.  A  perspecBva  exata  revelou  a   matemáBca   do   espaço   visual,   e   fez   com   que   o   anBgo   espaço   geométrico   e   abstrato  fosse  abandonado.  A  nova  ferramenta  permiBu  a  exploração  de  relações   de  proporção  e  de  formas  de  composição  ainda  não  experimentadas.  Além  de   possibilitar  o  controle  total  sobre  o  espaço  a  ser  trabalhado,  pois  unia  visual  e   proporcionalmente  todas  as  partes  de  um  mesmo  desenho.   Professoras  Ana  CrisBna  Castro  e    Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br  |  www.caliandradesenhos.com.br  
  8. 8. “É  atribuída  a  Brunelleschi  a  descoberta  da  perspec<va  exata,  a  descoberta  cienIfica  mais   importante,  quero  crer,  de  todo  o  século  XV.  Descoberta  cienIfica,  porque  mais  que  um   mero  instrumento  profissional,  a  perspec<va  pode  ser  entendida  como  a  consagração  e  o   estabelecimento   preciso,   indiscuIvel,   da   homogeneidade   e   unidade   matemá<ca   do   espaço  visual.  Ou,  em  outras  palavras,  com  a  perspec<va  exata,  abandona-­‐se  o  espaço   geométrico  e  abstrato  da  ciência  an<ga  e  em  parte  medieval,  e  se  adota,  com  precisão   matemá<ca,  o  espaço  empírico  do  quo<diano.  É  por  isso  que  ousei  dizer  que  a  perspec<va   exata  floren<na  nada  mais  era  do  que  a  úl<ma  etapa  do  espaço  proposto  por  GioTo.  [...]   Com  a  perspec<va  exata  é  que  se  pode  falar,  pela  primeira  vez,  em  “composição”,  pois  o   ar<sta  passa  a  ter  um  instrumento  de  controle  sobre  cada  trecho  do  campo,  do  espaço  a   ser  trabalhado,  seja  ele  bi  ou  tridimensional.  Assim,  já  no  século  XV,  vemos  os  cadernos  de   esboços  preparatórios  povoarem-­‐se  de  fragmentos  de  pintura  (ou  escultura),  estudados   separadamente  porque  o  ar<sta  sabia  de  antemão  que,  pela  perspec<va,  poderia  unificar   todas  as  partes,  proporcionalmente,  na  composição  final.”       KaBnsky,  Júlio  Roberto.  “Ensinar  –  aprender:  por  uma  educação  criadora”,  in  Contribuição  ao  Ensino  de  Arquitetura  e  Urbanismo.   Gouvêa,  Luis  Alberto  de  Campos;  Barreto,  Frederico  Flósculo  Pinheiro;  Gorovitz,  Matheus.  InsBtuto  Nacional  de  Estudos  e  Pesquisas   Educacionais.  Brasília.  DF.  1999.   Professoras  Ana  CrisBna  Castro  e    Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br  |  www.caliandradesenhos.com.br  
  9. 9. Hoje  a  computação  gráfica  como  a  ferramenta  de  desenho  do  século   XXI   trouxe   novas   formas   de   projetar,   de   construir   imagens,   de   simular  o  porvir  para  além  da  perspecBva  exata  do  século  XV.     A   computação   gráfica   trouxe   para   a   disciplina   desenho   o   componente  tempo:  objetos  que  se  deslocam  no  espaço,  no  espaço   virtual  simulado.   Desenhos  3D  de  Zaha  Hadid   Professoras  Ana  CrisBna  Castro  e    Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br  |  www.caliandradesenhos.com.br  
  10. 10. Sendo   o   desenho   linguagem,   como   acreditamos   que   é   conclui-­‐se   que  é  passível  de  ser  ensinado  e  apreendido  e  é  forma  legíBma  de   expressão  da  consciência  humana.     Lucio   Costa   propôs   um   programa   para   o   ensino   do   desenho   que   visava   desenvolver   igualmente   no   indivíduo   os   dois   lados   desta   consciência  humana:  o  lado  racional  e  o  sensível.     Portanto  DESENHO  é  linguagem,  meio  de  expressão  e  comunicação   Várias  edições  do  livro  de  Besy  Edwards  sobre  o  tema  ensino  do  desenho   Professoras  Ana  CrisBna  Castro  e    Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br  |  www.caliandradesenhos.com.br  
  11. 11. O  ensino  do  desenho  proposto  por  Lucio  Costa  deveria:   -­‐  visar  o  hábito  da  observação,     -­‐  o  espírito  de  análise,     -­‐  o  gosto  pela  precisão,   fornecendo  assim  os  meios  de  traduzirem-­‐se  as  idéias  e   dar  melhor  compreensão  ao  mundo  das  formas,  para   resultar  necessariamente  em  uma  maior  idenBficação   com  ele.       Ao  mesmo  tempo  também  deveria:   -­‐  desenvolver,  ou  reavivar  a  pureza  da  imaginação   -­‐  a  intenção  de  criar,  caracterísBcas  próprias  da   condição  humana.       E  de  suas  considerações  resulta  na  divisão  do  desenho  em   três  modalidades  diferentes:   Professoras  Ana  CrisBna  Castro  e    Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br  |  www.caliandradesenhos.com.br  
  12. 12. Desenho  técnico:  para  a  inteligência  quando  concebe  e  deseja   construir,  o  desenho  como  meio  de  fazer;       Desenho  de  observação:  para  a  curiosidade  quando  observa  e   deseja  registrar;       Desenho  de  criação:  para  o  senBmento  quando  se  toca;  para  a   imaginação  quando  se  solta;  para  a  inteligência  quando  bola  a   coisa   ou   está   diante   dela   e   deseja   penetrar-­‐lhe   o   âmago   e   significar,  o  desenho  como  meio  de  expressão  plásBca.   Professoras  Ana  CrisBna  Castro  e    Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br  |  www.caliandradesenhos.com.br  
  13. 13. Desenho  ArCsDco  ou  Desenho  de  Criação         No  dizer  poéBco  de  Lucio  Costa:  “para  o   senBmento  quando  se  toca;  para  a   imaginação  quando  se  solta;  para  a   inteligência  quando  bola  a  coisa  ou  está   diante  dela  e  deseja  penetrar-­‐lhe  o  âmago   e  significar.”  Desenho  como  meio  de   expressão  plásBca;  apresenta  conceitos,   ideias  e  sensações  sem  necessidade  de   representar  a  realidade.   Professoras  Ana  CrisBna  Castro  e    Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br  |  www.caliandradesenhos.com.br  
  14. 14. Desenho  de  Observação   O   desenho   para   a   curiosidade   quando   observa   e   deseja   registrar.   É   muito   apropriado   para   as   ciências:   botânica,   biologia,  medicina,  etc.   Professoras  Ana  CrisBna  Castro  e    Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br  |  www.caliandradesenhos.com.br  
  15. 15. Desenho  Técnico   O   desenho   como   meio   de   fazer;   busca   a   maior   proximidade   possível  com  a  realidade,  em  formas  e  dimensões,  assim  como  o   desenho  de  observação,  mas  difere  por  não  poder  sujeitar-­‐se  aos   gostos   e   caprichos   de   cada   desenhista,   pois   será   uBlizado   por   profissionais   diversos   para   chegar   à   fabricação   de   um   objeto   específico:  máquina,  cadeira  ou  casa.   Professoras  Ana  CrisBna  Castro  e    Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br  |  www.caliandradesenhos.com.br  
  16. 16. Desenho  Arquitetônico:  uma  modalidade  do  desenho  técnico   Desenho   técnico   normaBzado   para   representação   de   projetos   de   arquitetura.  Deve  conter  todas  as  informações  necessárias  para  ser   entendido  e  executado.  É  um  documento  e  deve  atender  às  normas   de  representação  gráfica  (NBR’s).   O  desenho  arquitetônico  pode  ser  executados  à  mão,  com  uso  de  instrumentos  (réguas,  lápis,   caneta,  esquadro,  escala,  compasso,  etc.)  ou  digitalizado,  por  meio  da  computação  gráfica.   Professoras  Ana  CrisBna  Castro  e    Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br  |  www.caliandradesenhos.com.br  
  17. 17. Desenho   “É   uma   operação   que   nos   possibilita   representar   uma   imagem   tridimensional   sobre   uma   superQcie   plana,   definindo   os   elementos   básicos:  composição,  proporções,  efeitos  de  volume,  etc.  ConsBtui  a   base   indispensável   para   qualquer   obra   no   senBdo   tradicional   do   termo.”  Aula  de  Desenho,  Fundamentos  do  Desenho  ArfsBco.  Roig,  Gabriel  MarBn   Alguns  Bpos  de  desenho:   -­‐  Esboços,  Croquis;   -­‐  Desenhos  de  conceitos;   -­‐  PerspecBvas:   -­‐  Axonométricas   -­‐  Isométrica   -­‐  Dimétrica   -­‐  Trimétrica   -­‐  Cavaleiras   -­‐  Projeção  cavaleira   -­‐  Projeção  cabinete   -­‐  Projeção  clinográfica   -­‐  Exatas   -­‐  PerspecBva  de  frente   -­‐  PerspecBva  oblíqua   -­‐  PerspecBva  de  um  objeto  em  qualquer  posição   Professoras  Ana  CrisBna  Castro  e    Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br  |  www.caliandradesenhos.com.br  
  18. 18. “O  segredo  de  todo  desenho  está  em  aprender  a  observar,  analisar   realmente  o  moBvo  e  dominar  o  desenho  prévio,  ou  seja,  o  plano,   esboço,   estágio   preliminar   a   parBr   do   qual   se   engendra   a   composição,   o   enquadramento   e   as   proporções,   mais   do   que   na   capacidade   ou   incapacidade   de   aplicar   determinada   técnica.   Portanto,  previamente  ao  desenho  existe  uma  educação  senBmental   do  desenhista  –  que  poderia  ser  chamada  de  desenho  do  desenho  -­‐,   baseada   num   conjunto   de   propostas   e   formulações   abstratas   e   esquemáBcas  que  nos  possibilitam  compreender  e  resolver  melhor  o   modelo,   estabelecer   uma   relação   entre   a   aparente   desordem   do   gesto  e  a  clareza  da  estrutura.”     Aula  de  Desenho,  Fundamentos  do  Desenho  ArfsBco.  Roig,  Gabriel  MarBn   Professoras  Ana  CrisBna  Castro  e    Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br  |  www.caliandradesenhos.com.br  
  19. 19. Então  você  ainda  acredita  que  desenho   é  uma  habilidade  mágica?   Professoras  Ana  CrisBna  Castro  e    Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br  |  www.caliandradesenhos.com.br  
  20. 20. Desenhar  é  :   aprender  a  ver  claramente  para  daí  representar  aquilo  que  se  vê.       Agora  vamos  praBcar....       Professoras  Ana  CrisBna  Castro  e    Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br  |  www.caliandradesenhos.com.br  
  21. 21. Exercício  –  Desenhar  de  memória:     -­‐  Garrafa  de  Coca-­‐Cola;   -­‐  Lata  de  refrigerante;   -­‐  Congresso  Nacional;   -­‐  Catedral  de  Brasília.     Professoras  Ana  CrisBna  Castro  e    Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br  |  www.caliandradesenhos.com.br  

×