Dea aula 04desenhoarq

942 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
942
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
378
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
41
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dea aula 04desenhoarq

  1. 1. Introdução  ao  Desenho   Arquitetônico   Universidade  Católica  de  Brasília   Curso  de  Engenharia  Civil   Disciplina  –  Desenho  Arquitetônico   Prof.  Carla  Freitas  
  2. 2. Desenho  Técnico  Arquitetônico   Princípios  Gerais   -­‐  Equipamentos  e  Materiais;   -­‐  Tipos  de  papéis;   -­‐  Normas  de  Desenho  Técnico  e  diferentes  tipos  de   desenhos;   -­‐  Escalas  numéricas  e  gráIicas;   -­‐  Sistema  de  Representação,  Convenções  e  Etapas  do   Desenho  Arquitetônico.   Professora  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  3. 3. Equipamentos  e  Materiais   ¡  Prancheta   ¡  Régua  paralela  ou  Régua  T   ¡  Escalímetro   ¡  Esquadros   ¡  Lápis  e  Lapiseira   ¡  Compasso     Professora  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  4. 4. Formatos  e  Tipos  de   Papéis   Segundo   a   NBR   10068,   o   formato   básico   para   desenhos   técnicos  é  o  retângulo  de  área   igual   a   1   m2   e   de   lados   medindo  841  mm  x  1189  mm,   isto   é,   guardando   entre   si   a   mesma   relação   que   existe   entre  o  lado  de  um  quadrado  e   sua  diagonal.   Professora  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  5. 5. Formatos  e  Tipos  de   Papéis   Deste   formato   básico,   designado   por   A0   (A   zero),   deriva-­‐se   a   série   "A"   pela   bipartição   ou   pela   duplicação  sucessiva.   Professora  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  6. 6. Formatos  e  Tipos  de  Papéis   ¡  Os   papéis   de   desenho   são   c a r a c t e r i z a d o s   p e l a   transparência,   brancura   e   aspereza.   ¡  Papéis   lisos   são   mais   indicados   para   desenhos   à   tinta.   ¡  Papéis   mais   ásperos   são   melhores   para   desenhos   com  lápis  e  graIite.   Professora  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  7. 7. Formatos  e  Tipos  de  Papéis   Professora  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  8. 8. Formatos  e  Tipos  de  Papéis   Início  do  desenho   Para  começar  selecione  o  papel  adequado  (tipo  e  tamanho).   Prenda  o  papel  na  prancheta,  caso  use  régua  T  prenda  seu   papel  mais  próximo  (de  2  a  3  cm)  da  cabeça  do  T.   Para  Iixar  o  papel  preIira  Iita  do  tipo  crepe  que  é  a  mais   adequada.    Professora  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br   Prender  o  papel  Régua  T  Prender   o   papel   Régua  Paralela  
  9. 9. Importante     1  –  Antes  de  começar  a  desenhar,  limpe  a  prancheta   2  –  VeriIicar  o  graIite  da  lapiseira  e  aponte  o  lápis  (quando  for  utilizá-­‐lo)   3  –  No  desenho  a  tinta,  veriIique  a  carga  da  caneta  nanquim  e  seu  funcionamento   ante  de  começar   4  –  Não  use  a  borda  inferior  da  régua  T  ou  da  paralela.  NUNCA   5  –  Não  espete  o  compasso;  nem  na  prancheta,  nem  na  régua.   6  –  Não  volte  atrás  no  traço.   7  –  Não  use  o  escalímetro  para  traçar  retas.   8  –  Jamais  use  estiletes  ou  instrumentos  cortantes  sobre  a  prancheta  para  cortar   papel  e  não  use  a  régua  paralela  ou  T  como  guia  de  corte.   9  –  Lave  periodicamente  com  água  e  sabão  os  esquadros,  a  régua  T,  a  paralela  e  o   escalímetro.   10  –  Sua  prancheta  não  é  apoio  de  mochila,  não  deixe  mochila  e  objetos  pesados  em   cima  da  régua  paralela,  pois  daniIica  o  instrumento!   Professora  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  10. 10. Professora  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br   Ilustração  Gildo  Montenegro   Evite   trabalhar   assim   Evite  trabalhar  assim   Antes  de  começar  a  desenhar...  
  11. 11. Antes  de  começar  a  desenhar…     Um  bom  desenhista  se  forma  com  três  pontos   importantes     PERSISTÊNCIA  |  TREINAMENTO  |  OBSERVAÇÃO     Professora  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  12. 12. Normas  de  Desenho  Técnico   ¡  No  Brasil  a  norma  que  rege   os  princípios  gerais  de   representação  em  desenho   técnico  é  a  NBR  10067.   ¡  “O  desenho  técnico  não  pode  sujeita-­‐se  aos  gostos  e  caprichos  de   cada  desenhista,  pois  será  utilizado  por  proIissionais  diversos  para   chegar  à  fabricação  de  um  objeto  especíIico:  máquina,  cadeira  ou   casa.”    Gildo  Montenegro,  Desenho  Arquitetônico   ¡  NBR   –   Normas   Brasileiras   Registradas   ¡  AS   NBR’s   são   elaboradas   pela   ABNT,   Associação   Brasileira   de   Normas   Técnicas,   responsável   por   estudar   e   elaborar   padrões   técnicos   proIissionais   para   o   Brasil.   Professora  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  13. 13. Normas  de  Desenho  Técnico   ¡  “A  base  para  maior  parte  do  desenho  arquitetônico  é  a  linha,  cuja  essência   é   a   continuidade.   Em   um   desenho   constituído   somente   de   linhas,   a   informação  arquitetônica  transmitida  (espaço  volumétrico;  deIinição  dos   elementos   planos,   sólidos   e   vazios;   profundidade)   depende   primordialmente  das  diferenças  discerníveis  no  peso  visual  dos  tipos  de   linhas  usados.”  F.  Ching.  Representação  GráIica  em  Arquitetura   Professora  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  14. 14. Normas  de  Desenho  Técnico   Arquitetônico   ¡  No  desenho  arquitetônico   o  traço  grosso  é  feito  com   espessuras  0,6  ou  0,8mm   na  escala  de  1:50  e  0,5  ou   0,6mm  na  escala  de  1:100.   Os  tipos  de  linhas  são   encontrados  na  NBR  8403   Professora  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  15. 15. Escalas  numéricas  e   gráficas   ¡  No   desenho   técnico   é   comum   termos   que   representar   objetos   que   não   podem   ser   desenhados   em   suas   medidas   reais,   é   impossível   desenhar   um   automóvel   ou   uma   casa   em   seu   tamanho   verdadeiro.   Assim   as   escalas   são   ferramentas   para   que   possamos   representar  corretamente  estes  objetos,  mas   de  forma  reduzida.  Para  a  indústria  também   é   necessário   representar   muitas   vezes   objetos   muito   pequenos   em   tamanhos   ampliados,   e   ai   o   desenho   em   escala   é   de   ampliação   e   não   de   redução.   Desta   forma   temos   escalas   de   redução   e   escalas   de   ampliação.   Professora  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  16. 16. Escalas  numéricas  e  gráficas   ¡  As   escalas   gráIicas   são   a   representação   em   desenho   das   escalas   numéricas,  e  são  muito  úteis  em  desenhos  de  revistas  e  livros  onde   a  impressão  fotográIica  muitas  vezes  altera  a  escala  original.   ¡  Exemplo:   ¡  A   escala   gráIica   correspondente   a   1:50   é   representada   por   segmentos   iguais   de   2cm,   isso   porque   se   dividirmos   1m   por   50   teremos  0,02m  ou  2cm.   Professora  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  17. 17. Sistema  de  Representação,  Convenções   e  Etapas  do  Desenho  Arquitetônico   Professora  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br   As  projeções  ortográIicas  (ortogonais)  da  geometria  descritiva  são  usadas  no   desenho  arquitetônico  apenas  mudando  os  termos  técnicos.  
  18. 18. Sistema  de  Representação,  Convenções  e   Etapas  do  Desenho  Arquitetônico   Professora  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  19. 19. Sistema  de  Representação,  Convenções  e   Etapas  do  Desenho  Arquitetônico   Professora  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  20. 20. Sistema  de  Representação,  Convenções  e   Etapas  do  Desenho  Arquitetônico   Professora  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  21. 21. Etapas  do  Desenho  Arquitetônico   Professora  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  22. 22. Etapas  do  Desenho  Arquitetônico   Professora  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  23. 23. Caligrafia  Técnica   ¡  O   desenho   técnico   exige   boa   apresentação   e   não   podemos   dispensar   o   correto  uso  de  letras  e  algarismos  para  completar  as  informações  gráIicas   dos  projetos.   ¡  “Todos   os   símbolos   e   letras   de   apresentação   gráIica   devem   ser   considerados   elementos   na   composição   de   uma   apresentação.   Seu   impacto   sobre   a   composição   depende   do   tamanho,   do   peso   e   da   colocação.”    (F.  Ching.  Representação  GráIica  em  Arquitetura)   Professora  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  24. 24. Caligrafia  Técnica   ¡  “Todas   as   pessoas   inevitavelmente   desenvolvem   um   estilo   individual   para   letras.   As   características   mais   importantes   para   letras   são   legibilidade   e  consistência,  tanto  em  estilo  quanto  em   espaçamento.”   (F.   Ching.   Representação   GráIica  em  Arquitetura)   Professora  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  25. 25. Exercício   Desenho  de  um  projeto  arquitetônico  em  escala   adequada  conforme  as  normas  técnicas  brasileiras.   Orientação  em  sala  de  aula.   Professora  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  26. 26. Caligrafia  Técnica   Recomenda-­‐se  para  o  desenho  manual  de  letras   e  algarismos:   1)  caligraIia  inclinada  não  é  recomendada;   2)altura  mínima  para  texto  é  de  3milimetros;   3)espaçamento  entre  linhas  deve  ser  igual  ou   superior  a  3milimetros;   4)direção  do  texto   Professora  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br  |  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  

×