Aula01 desenho linguagem

2.315 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.315
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
708
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
49
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula01 desenho linguagem

  1. 1. Desenho,  a  Linguagem  da  Arquitetura   Prof.  Carla  Freitas  Pacheco   estudio@caliandradesenhos.com.br   www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  2. 2. Pinturas rupestres em Vão Grande - Palmas / TO   Grafismos  pré-­‐históricos     -­‐  linguagem  que  nasce  antes  da  linguagem  oral  |  expressão  de  uma   técnica   ainda   rudimentar   dos   primeiros   planos   da   natureza   humana.     -­‐  herança  |  patrimônio  deixado  por  nossos  antepassados  |  marcas   do  fazer  humano  mais  primiGvo.   Desenho     desígnio  |  intenção  de  fazer  
  3. 3. O  homem  uGliza  o  desenho  para  representar  e  transmiGr   conhecimento  desde  a  pré-­‐história.   Desenho     desígnio  |  intenção  de  fazer   Desenho  uma  forma  de  expressar  idéias  
  4. 4. Desenho     desígnio  |  intenção  de  fazer  
  5. 5. Desenho     desígnio  |  intenção  de  fazer  
  6. 6. Século  XV   Descoberta  da  perspecGva  muda  radicalmente  a  forma  de  desenhar   do  mundo  ocidental.     A  perspecGva  exata  revelou  a  matemáGca  do  espaço  visual,  e  fez  com  que  o  anGgo  espaço   geométrico  e  abstrato  fosse  abandonado.  A  nova  ferramenta  permiGu  explorar    relações  de   proporção   e   de   formas   de   composição   ainda   não   experimentadas.   Além   de   possibilitar   o   controle  total  sobre  o  espaço  a  ser  trabalhado,  pois  unia  visual  e  proporcionalmente  todas  as   partes  de  um  mesmo  desenho  .   Demonstração de Dürer do princípio da representação da perspectiva. Ilustração do tratado de De Vries, de 1560.  
  7. 7. “No   Renascimento   o   desenho   ganha   cidadania.   E   se   de   um   lado   é   risco,   traçado,   mediação   para   expressão   de   um   plano   a   realizar,   linguagem   de   uma   técnica   construGva,   de   outro   lado   é   desígnio,   intenção,   propósito,   projeto   humano   no   senGdo   de   proposta   do   espírito.   Um   espírito   que   cria   objetos   novos   e   os   introduz   na   vida   real”.(Vilanova  ArGgas)  
  8. 8. E  assim  como  no  século  XV  a  descoberta  da  perspecGva  mudou  os   rumos   da   história   das   idéias,   dos   desígnios   humanos   impulsionando  o  período  que  conhecemos  como  Renascimento  é   possível   que   neste   século   a   computação   gráfica   esteja   impulsionando  uma  nova  revolução  nas  formas  de  pensar,  gerar  e   transmiGr  conhecimento  através  das  imagens,  do  desenho.    
  9. 9. As  visões  grandiosas  do   século  XX   Le  Corbusier  –  Plain  Voisin  
  10. 10. walking  ci@es   Concebidas  como  estruturas  que  se  arrastam  por  um  mundo   destroçado  depois  da  guerra  nuclear.  
  11. 11. Centro  George   Pompidou   Realização  da  retórica   tecnológica  e  da   infraestrutura  do   Archigram.  
  12. 12. A  Nova  Onda  Japonesa   A  Exposição  de  Osaka  de  1970  marca  o  declínio  ideológico   do  movimento  metabolista.  A  liderança  críGca  da   arquitetura  japonesa  passa  a  ser  exercida  por  um  grupo   denominado  Nova  Onda  Japonesa.    Obras  de  Arata  Isozaki    
  13. 13. Lucio   Costa   propõe   um   programa   para   o   ensino   do   desenho   que   visa   desenvolver  igualmente  no  indivíduo  os  dois  lados  desta  consciência  humana,   o  lado  racional  e  o  sensível.     Desenho  é  linguagem   passível  de  ser  ensinado  e  apreendido  ≠  dom  divino       forma  legíGma  de  expressão  da  consciência  humana   Desenvolver:   -­‐  Hábito  da  observação;   -­‐  Espírito  de  análise;   -­‐  Gosto  pela  precisão;   -­‐  Reavivar  a  pureza  da  imaginação;   -­‐  Intenção  de  criar  
  14. 14. Desenho   técnico:   para   a   inteligência   quando   concebe  e  deseja  construir,  o  desenho  como  meio   de  fazer;   Desenho   de   observação:   para   a   curiosidade   quando  observa  e  deseja  registrar;   Desenho  de  criação:  para  o  senGmento  quando  se   toca;   para   a   imaginação   quando   se   solta;   para   a   inteligência   quando   bola   a   coisa   ou   está   diante   dela  e  deseja  penetrar-­‐lhe  o  âmago  e  significar,  o   desenho  como  meio  de  expressão  plásGca.  
  15. 15. Hoje  a  computação  gráfica  como  a  ferramenta  de  desenho  do   século  XXI  trouxe  novas  formas  de  projetar,  de  construir   imagens,  de  simular  o  porvir  para  além  da  perspecGva  exata   do  século  XV.  A  computação  gráfica  trouxe  para  a  disciplina   desenho  o  componente  tempo:  objetos  que  se  deslocam  no   espaço,  no  espaço  virtual  simulado.  
  16. 16. Desenho  ArGs@co  x  Desenho  Técnico     Desenho  ArisGco  ou  Desenho  de  Criação   É  o  desenho  como  meio  de  expressão  plásGca;  apresenta  conceitos,   idéias  e  sensações  sem  necessidade  de  representar  a  realidade.     Desenho  de  Observação   É   o   desenho   apropriado   para   as   ciências:   botânica,   biologia,   medicina,  etc.     Desenho  Técnico   É   o   desenho   como   meio   de   fazer;   busca   a   maior   proximidade   possível  com  a  realidade,  em  formas  e  dimensões.   O  desenho  técnico  não  pode  sujeitar-­‐se  aos  gostos  e  caprichos  de   cada   desenhista,   pois   será   uGlizado   por   profissionais   diversos   para   chegar   à   fabricação   de   um   objeto   específico:   máquina,   cadeira   ou   casa.  
  17. 17. O  Desenho  Arquitetônico   Desenho  técnico  normaGzado  para  representação  de  projetos   de  arquitetura;   permite  registrar  o  maior  número  de  informações,  a  serem   acessadas  por  diferentes  profissionais  envolvidos  no  processo   de  concepção  e  execução  de  um  projeto;   transmite-­‐se  as  mesmas  informações  necessárias  à  construção   do  objeto  ou  elemento  arquitetônico   é  um  documento  e  deve  atender  às  normas  de  representação   gráfica  (NBR’s).      
  18. 18. O  desenho  arquitetônico  pode   ser  executados  à  mão,  sobre   pranchetas,  com  uso  de   instrumentos  (réguas,  lápis,   caneta,  esquadro,  escala,   compasso,  etc.)  ou  digitalizadas,   por  meio  da  computação  gráfica.  
  19. 19. O  Projeto  Arquitetônico   Deve  conter  todas  as  informações  necessárias  para  ser  entendido   e  executado;   ConsGtui-­‐se  de  diversos  documentos  contendo:   informações  gráficas:  desenhos  técnicos  -­‐  plantas,  cortes,  vistas,   elevações,  perspecGvas   informações   escritas:   memorial   descriGvo,   especificações   técnicas  de  materiais  e  sistemas  construGvos.   Para  que  as  informações  sejam  corretamente  entendidas  devem   ser   indicadas   ainda   dimensões,   nomes   de   ambientes,   áreas,   pé   direito,   níveis,   entre   outros,   cada   qual   com   localização   e   hierarquia  adequadas  à  sua  função  no  desenho.  
  20. 20. CAD  –  Desenho  auxiliado  por  computador     -­‐  possibilita   ao   projeGsta   visualizar   o   produto   e   os   diferentes   subsistemas,  favorecendo  a  visão  global;   -­‐  permite   que   a   informação   possa   ser   mais   facilmente   comunicada,  aumentando  a  eficiência  e  rapidez  do  processo;   -­‐  aumenta  a  viabilidade  de  projetos  complexos,  que  não  seriam   possíveis  de  forma  manual;   -­‐  facilita  a  manipulação  e  integração  de  informações;     -­‐  pode  trabalhar  com  representação  em  três  dimensões;  
  21. 21. CAD  -­‐  Computer  Aided  Design  ou  Desenho  Auxiliado  por   Computador   CAE  -­‐  Computer  Aided  Engineering  ou  Engenharia  Auxiliada  por   Computador   CAM*  -­‐  Computer  Aided  Manufacturing  ou  Fabricação  AssisGda  por   Computador     *programas  uGlizados  para  fabricação  das  peças  desenhadas  em   CAD,  a  tecnologia  CAD/CAM  corresponde  à  integração  das  técnicas   CAD  e  CAM  num  sistema.   Pode-­‐se  projetar  um  componente  qualquer  na  tela  do  computador  e   transmiGr  as  informações  entre  o  computador  e  uma  máquina  CNC   (máquinas  controladas  numericamente).  
  22. 22. “Todas  as  coisas  que  conhecemos  e   que   estamos   habituados   a   ver,   se   apresentam  aos  nossos  olhos  como   formas  geométricas.  “   Carvalho,   Benjamin   de   A.   Desenho   Geométrico.  
  23. 23. Pontos,  Retas,  Planos  e  Volumes:     as  formas  geométricas  na  composição  
  24. 24. O  PONTO   Elementos  Básicos  da  Forma  no  Espaço  
  25. 25. A  LINHA  E  O  PLANO   Elementos  Básicos  da  Forma  no  Espaço  
  26. 26. Elementos  Básicos  da  Forma  no  Espaço   A  LINHA  E  O  PLANO  
  27. 27. ArGgas   ainda   sem   conhecer   das   diversas   possibilidades   da   computação   gráfica   para   o   exercício   do   desenho   encerra   sua   aula   inaugural  com  a  seguinte  pergunta  /  provocação  aos  seus  alunos  na   FAU  USP:   “Como   se   viu,   ninguém   desenha   pelo   desenho.  Para  construir  igrejas  há  que  tê-­‐ las   na   mente,   em   projeto.   Parodiando   Bluteau,   agrada-­‐me   interpelar-­‐vos,   par>cularmente  aos  mais  jovens,  os  que   ingressam   hoje   em   nossa   Escola:   que   catedrais   tendes   no   pensamento?   Aqui   aprendereis   a   construí-­‐las   duas   vezes:   aprendereis   da   nova   técnica   e   ajudareis   na   criação   de   novos   símbolos.   Uma   síntese  que  só  ela  é  criação”.     E  nós  o  que  temos  em  mente,  quais  são  as  nossas  catedrais,  que  projetos  sonhamos  para  o   nosso  tempo,  para  nossas  cidades?    

×