História da Fisiologia no Brasil

622 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
622
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

História da Fisiologia no Brasil

  1. 1. História da Fisiologia no Brasil Prof. Me. Caio Maximino 2013 Universidade do Estado do Pará Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Campus de Marabá
  2. 2. Physiologia ● Fernel (1542): “Conhecimento natural” ● Antiguidade: Inferência a partir do conhecimento anatômico grosseiro. ● Vesalius (c. 1543) introduz a anatomia moderna → caminho aberto para o domínio experimental
  3. 3. William Harvey (1628), o pai da fisiologia moderna
  4. 4. A fisiologia brasileira, séc. 19 ● Implantação das primeiras escolas de medicina ● Essencialmente livresca, parcamente experimental ● 1880: Louis Couty funda o primeiro laboratório de fisiologia experimental no Museu Nacional do Rio de Janeiro → influência direta da escola francesa chefiada por Bernard. ● Pesquisa de cunho farmacológico ● Com a morte de Couty (1884), o núcleo se dispersa.
  5. 5. Oswaldo Cruz e a criação de Manguinhos ● “Nosso maior passo cultural foi consequencia de uma praga. Quando o governo decidiu atacar o problema da febre amarela, enconrou o homem […] Oswaldo Cruz e criação de Manguinho, saldo formidável onde, de quasi nada, passamos a possuir um dos melhores Institutos de Medicina Experimental do mundo [...]” (Thales Martins, 1939)
  6. 6. A primeira universidade propriamente dita ● 1913: Início da cadeira de fisiologia da Universidade do Paraná; ● 1934: Integração à cadeira de Farmacologia, do prof. Azor Oliveira e Cruz. ● Azor estabeleceu ampla colaboração com Franklin de Moura Campos no campo da nutrição.
  7. 7. Os Ozório de Almeida ● 1906: Álvaro vai à França se qualificar para assumir a cadeira na Faculdade de Medicina do RJ. ● 1911: Fundação do laboratório experimental fora da universidade ● 1915: Miguel e Branca se juntam a Álvaro ● 1926: “Laboratório dos Ozório” se abre para estudantes
  8. 8. Os Ozório de Almeida ● 1913-1928: “Metabolismo basal do homem tropical”: trocas respiratórias e produção de calor no cérebro e no fígado; fisiologia comparativa ● 1927-1931: Uremia e suposta secreção antitóxica do rim ● 1934-1941: Influência do oxigênio hiperbárico no tratamento do câncer, lepra e gangrena experimental. ● 1934: Miguel entra no Instituto Oswaldo Cruz, onde pesquisa excitação e inibição na rigidez de descrerebração, farmacologia da crioepilepsia, e reflexos labirínticos
  9. 9. Os primórdios da fisiologia mineira ● 1912: Otavio Magalhães, estagiário em Manguinhos, muda-se para o futuro Instituto Ezequiel Dias, onde inicia a pesquisa com venenos animais, soros e vacinas. ● O Instituto irá abrigar diversos professores vindos da Faculdade de Medicina de Minas Gerais. ● Década de 1940: O governo estadual muda a orientação do Instituto, e Magalhães se restringe ao trabalho docente na Faculdade de Medicina; a pesquisa fica estagnada.
  10. 10. Primeiros ensaios da fisiologia em SP ● 1914-1917: Etheocles de Alcântara Gomes desenvolve um curso prático de fisiologia na Faculdade de Medicina; ● 1919-1929: Cantidio de Moura Campos e Franklin de Moura Campos iniciam a pesquisa fisiológica; grande foco no campo de nutrição e metabolismo. ● 1939: Paulo Sawaya inicia o estudo da fisiologia comparativa na Faculdade de Fisiologia, Ciências e Letras; pesquisas utilizando animais marinhos motivam a criação do Instituto de Biologia Marinha da USP (São Sebastião).
  11. 11. Thales Martins ● 1926-1936: inicia a pesquisa no “laboratório dos Ozório”, iniciando o campo da endocrinologia no Brasil. ● Trabalho de orientação farmacológica, usando principalmente cachorros. ● Década de 1930: Colaboração importante com Ribeiro do Valle no Instituto Butantã (SP) e fundação da cadeira de fisiologia na Escola Paulista de Medicina.
  12. 12. Carlos Chagas Filho e o Laboratório de Biofísica da Universidade do Brasil (1937) ● Mensuração do potencial de membrana no poraquê. ● Efeitos da doença de Chagas nos potenciais em cultura de miocárdio e tecido neural. ● Expandiu-se enormemente, transformando-se em Instituto de Biofísica em 1946. ● Aristides Leão (depressão alastrante), Paes de Carvalho (miocárdio), Eduardo Oswaldo Cruz (neurofisiologia do sistema visual)
  13. 13. A interiorização da pesquisa fisiológica em SP ● Década de 1950: Miguel Covian vai à Ribeirão Preto chefiar o Departamento de Fisiologia da Faculdade de Medicina da USP, enquanto Mauricio Rocha e Silva irá chefiar o Departamento de Farmacologia. ● Formou diversos neurocientistas importantes, incluindo César Timo-Iaria (São Paulo), José Antunes Rodrigues (Ribeirão Preto), Negreiros e Paiva (Campinas), e Katsumasa Hoshino (Bauru).
  14. 14. Prossegue a fisiologia mineira ● A Fundação Rockefeller começa, no final da década de 1940, a fornecer bolsas de estudos a jovens professores da Escola de Veterinária; instaura-se uma linha de pesquisa em nutrição de ruminantes. ● Universidade de Minas Gerais (Escola de Veterinária + Faculdade de Medicina) formará, na década de 1960, um importante centro de pesquisa fisiológica sob Wilson Beraldo.
  15. 15. 1943: Inicia-se a pesquisa fisiológica em Recife ● Nelson Chaves assume a cadeira na Faculdade de Medicina. ● “Instituto Álvaro Ozório de Almeida”, devotado ao estudo da fisiologia, cirurgia experimental e histologia. ● Incorporação à Universidade aumenta o incurso de verbas federais e privadas, mudando o foco para a fisiologia da nutrição. ● Local de passagem de diversos nobelistas (Houssay, Bovet, Adrian, von Euler) e pesquisadores nacionais (Chagas Filho, Rocha e Silva, Sawaya, Ribeiro do Valle, Covian).
  16. 16. A pesquisa fisiológica no Pará ● Morfofisiologia do sistema visual (alunos de Eduardo Oswaldo Cruz) ● Neuroquímica (alunos de Roberto Paes de Carvalho) ● Neuroendocrinologia (alunos de José Antunes Rodrigues)
  17. 17. À guisa de conclusão ● A pesquisa fisiológica no país sempre se caracterizou por: – Multidisciplinaridade (histologia, anatomia, fisiologia, biofísica, farmacologia) – Elementos aplicados e pesquisa básica – Aspectos comparativos (uso de modelos animais tradicionais e não-tradicionais).

×