SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 34
Baixar para ler offline
Emoção
Prof. Dr. Caio Maximino
IESB/Unifesspa
Processos Psicológicos Básicos – Aula VIII
Slides
Conteúdos
●
Emoções primárias e secundárias
●
Demonstrar algumas das principais teorias
sobre as emoções
●
Discutir o papel de estruturas anatômicas
relacionadas ao comportamento emocional
●
Analisar a função social das emoções
https://www.ted.com/talks/tiffany_watt_smith_the_h
Emoções,
sentimentos, humores
●
O vídeo nos sugere que temos muitas palavras diferentes para
descrever estados que comumente chamamos de emocionais
─ “Há algumas emoções que são comuns a todos, como o terror que se
sente quando um carro derrapa. Mas normalmente nossas emoções
se misturam e andam juntas a ponto de ser difícil separá-las.”
●
Novamente, esse é um problema de definições.
●
“As pessoas têm um senso intuitivo do que significa emoção.
Ainda assim, é difícil definir o termo com precisão. Os termos
emoção, sensação e humor muitas vezes são utilizados de
maneira intercambiável na linguagem cotidiana, mas é útil
distinguir entre eles.” (Gazzaniga & Heatherton, 2018, p. 404)
GAZZANIGA, M. S.; HEATHERTON, T. F. Ciência psicológica: Mente, cérebro e comportamento. 5ª Ed. Porto Alegre: Artmed. 2018.
Emoções,
sentimentos, humores
●
Uma emoção é uma resposta negativa ou positiva imediata,
específica para eventos ambientais ou pensamentos internos
─ Normalmente interrompem o que está acontecendo ou desencadeiam
mudanças no raciocínio e comportamento
─ Componentes fisiológicos, comportamentais, e subjetivos (sentimentos)
●
Por sua vez, os humores são estados emocionais difusos, de
longa duração, que não têm um objeto ou gatilho identificável
─ Em vez de interromper o que está acontecendo, eles influenciam o
raciocínio e o comportamento
O estudo das emoções
no séc. XX
●
Behaviorismo (1950-1960): as emoções não existem, ou não podem ser
estudadas
●
Antropologia: as expressões emocionais são infinitamente maleáveis
●
Teorias estruturais – as emoções são “coisas” (tipos naturais)
─ Modelos discretos (anos 1970 e 1980)
─ Reconhecimento da expressão facial através das culturas
─ Demonstração de emoções universais?
●
Teorias funcionalistas – as emoções são “processos”
─ Sistemas dinâmicos, regulação emocional, teorias construtivistas (anos 1990-
2010)
Emoções discretas vs.
dimensões
●
Emoções discretas: conjunto finito e universal de emoções primárias e secundárias com
expressão fisiológica definida, significado adaptativo, e história evolutiva
─ Emoções primárias: Raiva, felicidade, repugnância, surpresa, tristeza, medo
─ Emoções secundárias: Remorso, culpa, submissão, vergonha, amor, rancor, inveja, etc.
─ Darwin, Ekman: expressões faciais e psicologia transcultural
─ Priorizada pela neurociência e pela biologia evolutiva porque sugerem métodos de estudo
●
Modelos dimensionais: as emoções são “reações a eventos no mundo que variam, em
um continuum” (Gazzaniga et al., 2006, p. 557)
─ Wundt (1899): dimensões de excitação-calma, prazer-desprazer, e tensão-relaxamento
─ Modelo circumplexo: valência (positiva-negativa) e alerta fisiológico (alta-baixa)
GAZZANIGA, M. S.; IVRY, R. B.; MANGUN, G. R. Neurociência cognitiva: A biologia da mente. 2ª Ed. Porto Alegre: Artmed. 2006.
Emoções discretas vs.
dimensões
GAZZANIGA, M. S.; HEATHERTON, T. F. Ciência psicológica: Mente, cérebro e comportamento. 5ª Ed. Porto Alegre: Artmed. 2018.
Componentes fisiológicos
das emoções
●
Componentes centrais: circuito de
Papez, “sistema límbico”,
neuromoduladores
●
Componentes periféricos: ativação
autonômica
O circuito de Papez
N. mamilar Tálamo anterior
Subículo
Giro
parahipocampal
Córtex entorrinalGiro cingulado
O “sistema límbico”
N. mamilar Tálamo anterior
Subículo
Giro
parahipocampal
Córtex entorrinalGiro cinguladoPFC
Amy
Hipotálamo
O “sistema límbico”
http://webspace.ship.edu/cgboer/limbicsystem.html
O “sistema límbico”
F
CM
S
PH
Cingulado
Amy
OFC
ROHEN, J. W., YOKOCHI, C., LÜTJEN-DRECOLL, E. (2002). Anatomia humana – Atlas fotográfico de anatomia sistêmica e regional.
5ª ed. São Paulo: Manole
O “sistema límbico”
Emoção /
comportamento
Aprendizagem /
memória
ROHEN, J. W., YOKOCHI, C., LÜTJEN-DRECOLL, E. (2002). Anatomia humana – Atlas fotográfico de anatomia sistêmica e regional.
5ª ed. São Paulo: Manole
O “lobo límbico” e o
sistema límbico
●
No “lobo límbico”, dois círculos concêntricos são observáveis:
─ O primeiro círculo é composto pelo córtex límbico (subículo, córtex pré-
piriforme, córtex peri-amigdalóide) e pelo córtex paralímbico associativo
(giro cingulado, giro subcaloso, giro para-hipocampal, istmo)
─ O segundo círculo é o giro intralímbico (hipocampo, porção anterior do
uncus, banda de Giacomini, ápice do uncus, cornos de Ammon, giro
denteado, giro fasciolar, fasciola cinerea, e hipocampo pré-comissural)
DI MARINO, V. ETIENNE, Y., NIDDAM, M. (2016). The amygdaloid nuclear complex. Anatomic study of the human amygdala.
Dordrecht: Springer
Giros do “lobo límbico”
DI MARINO, V. ETIENNE, Y., NIDDAM, M. (2016). The amygdaloid nuclear complex. Anatomic study of the human amygdala.
Dordrecht: Springer
●
Giro do cíngulo
●
Giro subcalosal
●
Giro paraterminal
●
Giro semilunar
●
Giro uncinado e
uncus
●
Giro
parahipocampal e
lobo piriforme
●
Istmo
O sistema límbico contém
diversas estruturas
●
Lobo límbico
●
Sistema septo-hipocampal
●
Complexo amigdalóide e estria terminal
●
Córtices entorrinal, frontal anterior, e
orbitofrontal
●
Ínsula
●
Estruturas do antigo rinencéfalo (bulbo e
trato olfatório, estrias olfativas,
tubérculo olfativo, substância perfurada
anterior)
●
Núcleo habenular e estria medular
●
Tálamo (em especial núcleos
anteriores e médio-dorsais)
●
Hipotálamo (em especial SON, MH, e
corpos mamilares)
●
Algumas estruturas mesencefálicas
(n. interpeduncular, região ventral do
tegmento, grísea periaquedutal)
●
Algumas estruturas do tronco
encefálico (loco cerúleo, n.
parabraquial, ns. rafe)
A ínsula
●
Recebe e integra sinais somatossensoriais do corpo inteiro
●
Também está envolvida na consciência subjetiva dos estados corporais,
como sentir sua pulsação, sentir fome ou sentir necessidade de urinar
●
Particularmente ativa quando as pessoas experimentam nojo (como
quando expostas a maus cheiros) ou observam expressões faciais de
nojo em outras pessoas
GAZZANIGA, M. S.; HEATHERTON, T. F. Ciência psicológica: Mente, cérebro e comportamento. 5ª Ed. Porto Alegre: Artmed. 2018.
O complexo amigdalóide
●
Conjunto em formato de amêndoa de estruturas,
localizado bilateralmente profunda e medialmente no
lobo temporal do cérebro
●
Subdivisões (1) lateral, (2) basolateral, (3) baso-
medial, (4) cortical, (5) central, e (6) medial
●
A amígdala está envolvida em tarefas emocionais,
principalmente a estímulos aversivos e
ameaçadores, aumentando a saliência desses
estímulos (i.e., facilitando o processamento da
informação emocional e o envio de sinais a outros
sistemas de respostas que devem ser sensíveis a
essa informação)
DI MARINO, V. ETIENNE, Y., NIDDAM, M. (2016). The amygdaloid nuclear complex. Anatomic study of the human amygdala.
Dordrecht: Springer
QUIZ
Teorias sobre a emoção
●
Teoria da emoção de James-Lange: As pessoas percebem
padrões específicos de respostas corporais e, como resultado
dessa percepção, sentem emoção.
●
Teoria da emoção de Cannon-Bard: Informações sobre
estímulos emocionais são enviadas simultaneamente ao córtex
e ao corpo e resultam em experiência emocional e reações
corporais, respectivamente.
●
●
Teoria dos dois fatores de Schachter-Singer: Rótulo aplicado
ao alerta fisiológico que resulta em experimentar uma emoção.
Teoria de James-Lange
●
As respostas corporais PRECEDEM a
emoção, e experienciamos uma
emoção DEPOIS que nossos corpos
reagem
●
Assim, a emoção é causada por um
padrão específico de respostas
corporais
Teoria de Cannon-Baird
●
Resulta da crítica de Cannon às teorias de James; muitas emoções
produzem respostas corporais semelhantes. As semelhanças tornam
muito difícil para as pessoas determinarem rapidamente qual emoção
elas estão sentindo
●
As emoções são organizadas no encéfalo, e os sentimentos
emocionais e as respostas corporais ocorrem simultaneamente
─ Um estímulo emocionalmente competente ativa regiões subcorticais, que por
sua vez envia informações separadamente para o córtex (Cs) e para o corpo
Teoria de Schachter-Singer
●
“Eles achavam que a teoria de James-Lange estava certa em equiparar a
percepção da reação do corpo com uma emoção, mas concordavam com
Cannon-Bard quando diziam que existem muitas emoções diferentes para que
houvesse um padrão autonômico exclusivo para cada uma dela”
●
Um estímulo emocionalmente competente produz um alerta fisiológico
indiferenciado, que inicia um processo de interpretação (“appraisal”), criando
um rótulo para esse alerta com base no contexto e nas memórias
Schachter e Singer, 1962
●
Injetou-se nos participantes um estimulante (adrenalina) ou placebo.
●
Aos participantes informados da condição adrenalina foi dito que o fármaco poderia fazer com que
se sentissem instáveis, tivessem taquicardia e sentissem seus rostos quentes. Todas essas
atividades corporais são efeitos colaterais do uso de adrenalina. Os participantes não
informados não receberam qualquer informação sobre os efeitos do fármaco.
●
Na condição de euforia, cada participante foi exposto a um cúmplice que estava de ótimo humor,
brincando com um bambolê e fazendo aviões de papel.
●
Na condição de irritação, cada participante ficava sentado esperando com um cúmplice. Tanto o
participante quanto o cúmplice foram convidados a preencher um questionário com perguntas
muito insultantes, por exemplo se sua mãe tinha traído seu pai. O cúmplice ficou irritado, rasgou
o questionário e saiu da sala.
●
Os participantes codificaram os indicadores comportamentais de euforia como estando ligados à
diversão. Eles também codificaram indicadores comportamentais de raiva como concordando
com a raiva do cúmplice. Além disso, foram questionados os estados emocionais dos
participantes, se eles se sentiam felizes ou com raiva.
Plot twist: Os resultados não apóiam o
que os autores afirmavam!
●
Resultados estatisticamente não-
significativos
●
Schachter e Wheeler, 1962 –
tentativa de replicar
conceitualmente os experimentos
não encontra diferença entre
adrenalina e placebo!
QUIZ
Emoção e cognição
●
Robert Zajonc: Primazia do
afeto sobre a cognição
●
Richard Lazarus:
Julgamentos afetivos
inconscientes com
caráter cognitivo
Teoria dos marcadores
somáticos
●
Antonio Damasio: Reações corporais que surgem a partir da
avaliação emocional de consequências de uma ação.
●
Os marcadores somáticos seriam armazenados no OFC
●
Estas associações de marcadores podem ocorrer novamente durante a
tomada de decisão; quando temos de fazer decisões complexas e
incertas, os marcadores somáticos criados por um estímulo relevante
são agregados para produzir uma “rede de estado somático”, que
influencia fortemente nossa decisão sobre como agir
Função comunicativa
das emoções
As emoções fortalecem as
relações interpessoais
●
Como os seres humanos são animais sociais, muitas emoções envolvem dinâmicas
interpessoais.
●
A culpa é um estado emocional negativo associada à ansiedade, tensão e agitação. A
experiência de culpa raramente faz sentido fora do contexto da interação interpessoal.
─ Baumeister et al. (1994): a culpa protege e fortalece as relações interpessoais de três maneiras
○ Os sentimentos de culpa desencorajam as pessoas a fazerem coisas que prejudicariam seus relacionamentos
○ Exibições de culpa demonstram que as pessoas se preocupam com seus parceiros de relacionamento, reafirmando,
assim, os laços sociais
○ A culpa é uma tática que pode ser utilizada para manipular os outros
●
Algumas teorias do constrangimento sugerem que ele retifica o embaraço interpessoal e
restaura os laços sociais. O constrangimento representa submissão e afiliação ao grupo
social. Também representa o reconhecimento do erro social não intencional
Slides

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os mecanismos de defesa
Os mecanismos de defesa Os mecanismos de defesa
Os mecanismos de defesa MandyNeres7
 
As teorias do desenvolvimento humano
As teorias do desenvolvimento humanoAs teorias do desenvolvimento humano
As teorias do desenvolvimento humanoBruno Gurué
 
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.pptAula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.pptBruna Talita
 
2. freud e o inconsciente
2. freud e o inconsciente2. freud e o inconsciente
2. freud e o inconscientenorberto faria
 
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.Alexandre Simoes
 
Introdução ao estudo de psicologia de grupos
Introdução ao estudo de psicologia de gruposIntrodução ao estudo de psicologia de grupos
Introdução ao estudo de psicologia de gruposClaudson Cerqueira Santana
 
Emoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e AfectosEmoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e Afectosguested634f
 

Mais procurados (20)

Os mecanismos de defesa
Os mecanismos de defesa Os mecanismos de defesa
Os mecanismos de defesa
 
As teorias do desenvolvimento humano
As teorias do desenvolvimento humanoAs teorias do desenvolvimento humano
As teorias do desenvolvimento humano
 
Princípios da neuropsicologia
Princípios da neuropsicologiaPrincípios da neuropsicologia
Princípios da neuropsicologia
 
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.pptAula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
 
2. freud e o inconsciente
2. freud e o inconsciente2. freud e o inconsciente
2. freud e o inconsciente
 
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
 
Introdução ao estudo de psicologia de grupos
Introdução ao estudo de psicologia de gruposIntrodução ao estudo de psicologia de grupos
Introdução ao estudo de psicologia de grupos
 
GESTALT
GESTALTGESTALT
GESTALT
 
Psicologia social
Psicologia socialPsicologia social
Psicologia social
 
Psicologia humanista
Psicologia humanistaPsicologia humanista
Psicologia humanista
 
Emoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e AfectosEmoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e Afectos
 
Psicoterapias
PsicoterapiasPsicoterapias
Psicoterapias
 
Emoção e cognição
Emoção e cogniçãoEmoção e cognição
Emoção e cognição
 
Psicologia Comunitária
Psicologia Comunitária    Psicologia Comunitária
Psicologia Comunitária
 
Atenção
AtençãoAtenção
Atenção
 
Teoria PsicanalíTica
Teoria PsicanalíTicaTeoria PsicanalíTica
Teoria PsicanalíTica
 
Introdução à psicologia
Introdução à psicologiaIntrodução à psicologia
Introdução à psicologia
 
Ep neurose e psicose
Ep neurose e psicoseEp neurose e psicose
Ep neurose e psicose
 
ESTUDO DIRIGIDO - PSICOSSOMÁTICA
ESTUDO DIRIGIDO - PSICOSSOMÁTICAESTUDO DIRIGIDO - PSICOSSOMÁTICA
ESTUDO DIRIGIDO - PSICOSSOMÁTICA
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
 

Semelhante a Emoções

Emoções cognição
Emoções cogniçãoEmoções cognição
Emoções cogniçãoAulas Abel
 
Neurociência afetiva
Neurociência afetivaNeurociência afetiva
Neurociência afetivaCaio Maximino
 
01 sentimentos e emoções no comportamento humano
01 sentimentos e emoções no comportamento humano01 sentimentos e emoções no comportamento humano
01 sentimentos e emoções no comportamento humanoGraça Martins
 
_Emoção- Apresentação.pdf
_Emoção- Apresentação.pdf_Emoção- Apresentação.pdf
_Emoção- Apresentação.pdfCarlaFreire34
 
Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemPsicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemLuiz Maciel
 
Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemPsicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemLuiz Maciel
 
Psicanalise- psicologia social2
Psicanalise- psicologia social2Psicanalise- psicologia social2
Psicanalise- psicologia social2Daniele Rubim
 
Neurociência do consumo: Entendendo o que é Neuromarketing. Aula 2 - Emoção e...
Neurociência do consumo: Entendendo o que é Neuromarketing. Aula 2 - Emoção e...Neurociência do consumo: Entendendo o que é Neuromarketing. Aula 2 - Emoção e...
Neurociência do consumo: Entendendo o que é Neuromarketing. Aula 2 - Emoção e...Billy Nascimento
 
Linguagem emocional e afetividade na educação
Linguagem emocional e afetividade na educaçãoLinguagem emocional e afetividade na educação
Linguagem emocional e afetividade na educaçãoAdrianaBruno9
 
Sistema Límbico_EC2019 (1).pdf
Sistema Límbico_EC2019 (1).pdfSistema Límbico_EC2019 (1).pdf
Sistema Límbico_EC2019 (1).pdfMartolino Prova
 
Curso O Desenvolvimento Infantil - Módulo A Etiologia das Neuroses
Curso O Desenvolvimento Infantil - Módulo A Etiologia das NeurosesCurso O Desenvolvimento Infantil - Módulo A Etiologia das Neuroses
Curso O Desenvolvimento Infantil - Módulo A Etiologia das NeurosesTacio Aguiar
 
A verdade e a criatividade
A verdade e a criatividadeA verdade e a criatividade
A verdade e a criatividadeunesp
 
Aula wundt
Aula   wundtAula   wundt
Aula wundtgtoassa
 

Semelhante a Emoções (20)

NO LIMITE DAS EMOÇÕES
NO LIMITE DAS EMOÇÕESNO LIMITE DAS EMOÇÕES
NO LIMITE DAS EMOÇÕES
 
Emoções cognição
Emoções cogniçãoEmoções cognição
Emoções cognição
 
Neurociência afetiva
Neurociência afetivaNeurociência afetiva
Neurociência afetiva
 
Concepções da mente
Concepções da menteConcepções da mente
Concepções da mente
 
EMOÇOES
EMOÇOES EMOÇOES
EMOÇOES
 
01 sentimentos e emoções no comportamento humano
01 sentimentos e emoções no comportamento humano01 sentimentos e emoções no comportamento humano
01 sentimentos e emoções no comportamento humano
 
_Emoção- Apresentação.pdf
_Emoção- Apresentação.pdf_Emoção- Apresentação.pdf
_Emoção- Apresentação.pdf
 
Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemPsicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagem
 
Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemPsicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagem
 
AULA 1 - PSICOLOGIA.pptx
AULA 1 - PSICOLOGIA.pptxAULA 1 - PSICOLOGIA.pptx
AULA 1 - PSICOLOGIA.pptx
 
Psicanalise- psicologia social2
Psicanalise- psicologia social2Psicanalise- psicologia social2
Psicanalise- psicologia social2
 
Neurociência do consumo: Entendendo o que é Neuromarketing. Aula 2 - Emoção e...
Neurociência do consumo: Entendendo o que é Neuromarketing. Aula 2 - Emoção e...Neurociência do consumo: Entendendo o que é Neuromarketing. Aula 2 - Emoção e...
Neurociência do consumo: Entendendo o que é Neuromarketing. Aula 2 - Emoção e...
 
Mente asemcoes
Mente asemcoesMente asemcoes
Mente asemcoes
 
Aula de cerebro
Aula de cerebroAula de cerebro
Aula de cerebro
 
Linguagem emocional e afetividade na educação
Linguagem emocional e afetividade na educaçãoLinguagem emocional e afetividade na educação
Linguagem emocional e afetividade na educação
 
Psicologi a
Psicologi aPsicologi a
Psicologi a
 
Sistema Límbico_EC2019 (1).pdf
Sistema Límbico_EC2019 (1).pdfSistema Límbico_EC2019 (1).pdf
Sistema Límbico_EC2019 (1).pdf
 
Curso O Desenvolvimento Infantil - Módulo A Etiologia das Neuroses
Curso O Desenvolvimento Infantil - Módulo A Etiologia das NeurosesCurso O Desenvolvimento Infantil - Módulo A Etiologia das Neuroses
Curso O Desenvolvimento Infantil - Módulo A Etiologia das Neuroses
 
A verdade e a criatividade
A verdade e a criatividadeA verdade e a criatividade
A verdade e a criatividade
 
Aula wundt
Aula   wundtAula   wundt
Aula wundt
 

Mais de Caio Maximino

Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebra
Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebraPapel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebra
Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebraCaio Maximino
 
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipo
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipoEfectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipo
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipoCaio Maximino
 
Impacto del pez cebra en biología y neurociencias
Impacto del pez cebra en biología y neurocienciasImpacto del pez cebra en biología y neurociencias
Impacto del pez cebra en biología y neurocienciasCaio Maximino
 
El pez cebra en el estudio de psicofarmacos
El pez cebra en el estudio de psicofarmacosEl pez cebra en el estudio de psicofarmacos
El pez cebra en el estudio de psicofarmacosCaio Maximino
 
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"Caio Maximino
 
A cerebralização do sofrimento psíquico
A cerebralização do sofrimento psíquicoA cerebralização do sofrimento psíquico
A cerebralização do sofrimento psíquicoCaio Maximino
 
Human physiological response in perspective: Focus on the capitalocene
Human physiological response in perspective: Focus on the capitaloceneHuman physiological response in perspective: Focus on the capitalocene
Human physiological response in perspective: Focus on the capitaloceneCaio Maximino
 
Vertebrate stress mechanisms under change
Vertebrate stress mechanisms under changeVertebrate stress mechanisms under change
Vertebrate stress mechanisms under changeCaio Maximino
 
The nervous system: an evolutionary approach
The nervous system: an evolutionary approachThe nervous system: an evolutionary approach
The nervous system: an evolutionary approachCaio Maximino
 
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividade
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividadeO monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividade
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividadeCaio Maximino
 
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência crítica
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência críticaPor um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência crítica
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência críticaCaio Maximino
 
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...Caio Maximino
 
Métodos quantitativos na pesquisa em educação e ensino
Métodos quantitativos na pesquisa em educação e ensinoMétodos quantitativos na pesquisa em educação e ensino
Métodos quantitativos na pesquisa em educação e ensinoCaio Maximino
 
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciência
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciênciaAula 2: Um pouco de filosofia da ciência
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciênciaCaio Maximino
 
Inferência estatística nas ciências experimentais
Inferência estatística nas ciências experimentaisInferência estatística nas ciências experimentais
Inferência estatística nas ciências experimentaisCaio Maximino
 
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remotoAprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remotoCaio Maximino
 
A importância das práticas corporais para a saúde mental
A importância das práticas corporais para a saúde mentalA importância das práticas corporais para a saúde mental
A importância das práticas corporais para a saúde mentalCaio Maximino
 
Transtornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimentoTranstornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimentoCaio Maximino
 
Evidências científicas de eficácia em farmacoterapia
Evidências científicas de eficácia em farmacoterapiaEvidências científicas de eficácia em farmacoterapia
Evidências científicas de eficácia em farmacoterapiaCaio Maximino
 
Transtornos alimentares
Transtornos alimentaresTranstornos alimentares
Transtornos alimentaresCaio Maximino
 

Mais de Caio Maximino (20)

Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebra
Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebraPapel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebra
Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebra
 
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipo
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipoEfectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipo
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipo
 
Impacto del pez cebra en biología y neurociencias
Impacto del pez cebra en biología y neurocienciasImpacto del pez cebra en biología y neurociencias
Impacto del pez cebra en biología y neurociencias
 
El pez cebra en el estudio de psicofarmacos
El pez cebra en el estudio de psicofarmacosEl pez cebra en el estudio de psicofarmacos
El pez cebra en el estudio de psicofarmacos
 
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"
 
A cerebralização do sofrimento psíquico
A cerebralização do sofrimento psíquicoA cerebralização do sofrimento psíquico
A cerebralização do sofrimento psíquico
 
Human physiological response in perspective: Focus on the capitalocene
Human physiological response in perspective: Focus on the capitaloceneHuman physiological response in perspective: Focus on the capitalocene
Human physiological response in perspective: Focus on the capitalocene
 
Vertebrate stress mechanisms under change
Vertebrate stress mechanisms under changeVertebrate stress mechanisms under change
Vertebrate stress mechanisms under change
 
The nervous system: an evolutionary approach
The nervous system: an evolutionary approachThe nervous system: an evolutionary approach
The nervous system: an evolutionary approach
 
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividade
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividadeO monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividade
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividade
 
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência crítica
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência críticaPor um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência crítica
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência crítica
 
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...
 
Métodos quantitativos na pesquisa em educação e ensino
Métodos quantitativos na pesquisa em educação e ensinoMétodos quantitativos na pesquisa em educação e ensino
Métodos quantitativos na pesquisa em educação e ensino
 
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciência
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciênciaAula 2: Um pouco de filosofia da ciência
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciência
 
Inferência estatística nas ciências experimentais
Inferência estatística nas ciências experimentaisInferência estatística nas ciências experimentais
Inferência estatística nas ciências experimentais
 
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remotoAprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
 
A importância das práticas corporais para a saúde mental
A importância das práticas corporais para a saúde mentalA importância das práticas corporais para a saúde mental
A importância das práticas corporais para a saúde mental
 
Transtornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimentoTranstornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimento
 
Evidências científicas de eficácia em farmacoterapia
Evidências científicas de eficácia em farmacoterapiaEvidências científicas de eficácia em farmacoterapia
Evidências científicas de eficácia em farmacoterapia
 
Transtornos alimentares
Transtornos alimentaresTranstornos alimentares
Transtornos alimentares
 

Último

A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSdjgsantos1981
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfRafaela Vieira
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 

Último (20)

A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 

Emoções

  • 1. Emoção Prof. Dr. Caio Maximino IESB/Unifesspa Processos Psicológicos Básicos – Aula VIII
  • 3. Conteúdos ● Emoções primárias e secundárias ● Demonstrar algumas das principais teorias sobre as emoções ● Discutir o papel de estruturas anatômicas relacionadas ao comportamento emocional ● Analisar a função social das emoções
  • 5. Emoções, sentimentos, humores ● O vídeo nos sugere que temos muitas palavras diferentes para descrever estados que comumente chamamos de emocionais ─ “Há algumas emoções que são comuns a todos, como o terror que se sente quando um carro derrapa. Mas normalmente nossas emoções se misturam e andam juntas a ponto de ser difícil separá-las.” ● Novamente, esse é um problema de definições. ● “As pessoas têm um senso intuitivo do que significa emoção. Ainda assim, é difícil definir o termo com precisão. Os termos emoção, sensação e humor muitas vezes são utilizados de maneira intercambiável na linguagem cotidiana, mas é útil distinguir entre eles.” (Gazzaniga & Heatherton, 2018, p. 404) GAZZANIGA, M. S.; HEATHERTON, T. F. Ciência psicológica: Mente, cérebro e comportamento. 5ª Ed. Porto Alegre: Artmed. 2018.
  • 6. Emoções, sentimentos, humores ● Uma emoção é uma resposta negativa ou positiva imediata, específica para eventos ambientais ou pensamentos internos ─ Normalmente interrompem o que está acontecendo ou desencadeiam mudanças no raciocínio e comportamento ─ Componentes fisiológicos, comportamentais, e subjetivos (sentimentos) ● Por sua vez, os humores são estados emocionais difusos, de longa duração, que não têm um objeto ou gatilho identificável ─ Em vez de interromper o que está acontecendo, eles influenciam o raciocínio e o comportamento
  • 7. O estudo das emoções no séc. XX ● Behaviorismo (1950-1960): as emoções não existem, ou não podem ser estudadas ● Antropologia: as expressões emocionais são infinitamente maleáveis ● Teorias estruturais – as emoções são “coisas” (tipos naturais) ─ Modelos discretos (anos 1970 e 1980) ─ Reconhecimento da expressão facial através das culturas ─ Demonstração de emoções universais? ● Teorias funcionalistas – as emoções são “processos” ─ Sistemas dinâmicos, regulação emocional, teorias construtivistas (anos 1990- 2010)
  • 8. Emoções discretas vs. dimensões ● Emoções discretas: conjunto finito e universal de emoções primárias e secundárias com expressão fisiológica definida, significado adaptativo, e história evolutiva ─ Emoções primárias: Raiva, felicidade, repugnância, surpresa, tristeza, medo ─ Emoções secundárias: Remorso, culpa, submissão, vergonha, amor, rancor, inveja, etc. ─ Darwin, Ekman: expressões faciais e psicologia transcultural ─ Priorizada pela neurociência e pela biologia evolutiva porque sugerem métodos de estudo ● Modelos dimensionais: as emoções são “reações a eventos no mundo que variam, em um continuum” (Gazzaniga et al., 2006, p. 557) ─ Wundt (1899): dimensões de excitação-calma, prazer-desprazer, e tensão-relaxamento ─ Modelo circumplexo: valência (positiva-negativa) e alerta fisiológico (alta-baixa) GAZZANIGA, M. S.; IVRY, R. B.; MANGUN, G. R. Neurociência cognitiva: A biologia da mente. 2ª Ed. Porto Alegre: Artmed. 2006.
  • 9. Emoções discretas vs. dimensões GAZZANIGA, M. S.; HEATHERTON, T. F. Ciência psicológica: Mente, cérebro e comportamento. 5ª Ed. Porto Alegre: Artmed. 2018.
  • 10. Componentes fisiológicos das emoções ● Componentes centrais: circuito de Papez, “sistema límbico”, neuromoduladores ● Componentes periféricos: ativação autonômica
  • 11. O circuito de Papez N. mamilar Tálamo anterior Subículo Giro parahipocampal Córtex entorrinalGiro cingulado
  • 12. O “sistema límbico” N. mamilar Tálamo anterior Subículo Giro parahipocampal Córtex entorrinalGiro cinguladoPFC Amy Hipotálamo
  • 14. O “sistema límbico” F CM S PH Cingulado Amy OFC ROHEN, J. W., YOKOCHI, C., LÜTJEN-DRECOLL, E. (2002). Anatomia humana – Atlas fotográfico de anatomia sistêmica e regional. 5ª ed. São Paulo: Manole
  • 15. O “sistema límbico” Emoção / comportamento Aprendizagem / memória ROHEN, J. W., YOKOCHI, C., LÜTJEN-DRECOLL, E. (2002). Anatomia humana – Atlas fotográfico de anatomia sistêmica e regional. 5ª ed. São Paulo: Manole
  • 16. O “lobo límbico” e o sistema límbico ● No “lobo límbico”, dois círculos concêntricos são observáveis: ─ O primeiro círculo é composto pelo córtex límbico (subículo, córtex pré- piriforme, córtex peri-amigdalóide) e pelo córtex paralímbico associativo (giro cingulado, giro subcaloso, giro para-hipocampal, istmo) ─ O segundo círculo é o giro intralímbico (hipocampo, porção anterior do uncus, banda de Giacomini, ápice do uncus, cornos de Ammon, giro denteado, giro fasciolar, fasciola cinerea, e hipocampo pré-comissural) DI MARINO, V. ETIENNE, Y., NIDDAM, M. (2016). The amygdaloid nuclear complex. Anatomic study of the human amygdala. Dordrecht: Springer
  • 17. Giros do “lobo límbico” DI MARINO, V. ETIENNE, Y., NIDDAM, M. (2016). The amygdaloid nuclear complex. Anatomic study of the human amygdala. Dordrecht: Springer ● Giro do cíngulo ● Giro subcalosal ● Giro paraterminal ● Giro semilunar ● Giro uncinado e uncus ● Giro parahipocampal e lobo piriforme ● Istmo
  • 18. O sistema límbico contém diversas estruturas ● Lobo límbico ● Sistema septo-hipocampal ● Complexo amigdalóide e estria terminal ● Córtices entorrinal, frontal anterior, e orbitofrontal ● Ínsula ● Estruturas do antigo rinencéfalo (bulbo e trato olfatório, estrias olfativas, tubérculo olfativo, substância perfurada anterior) ● Núcleo habenular e estria medular ● Tálamo (em especial núcleos anteriores e médio-dorsais) ● Hipotálamo (em especial SON, MH, e corpos mamilares) ● Algumas estruturas mesencefálicas (n. interpeduncular, região ventral do tegmento, grísea periaquedutal) ● Algumas estruturas do tronco encefálico (loco cerúleo, n. parabraquial, ns. rafe)
  • 19. A ínsula ● Recebe e integra sinais somatossensoriais do corpo inteiro ● Também está envolvida na consciência subjetiva dos estados corporais, como sentir sua pulsação, sentir fome ou sentir necessidade de urinar ● Particularmente ativa quando as pessoas experimentam nojo (como quando expostas a maus cheiros) ou observam expressões faciais de nojo em outras pessoas GAZZANIGA, M. S.; HEATHERTON, T. F. Ciência psicológica: Mente, cérebro e comportamento. 5ª Ed. Porto Alegre: Artmed. 2018.
  • 20. O complexo amigdalóide ● Conjunto em formato de amêndoa de estruturas, localizado bilateralmente profunda e medialmente no lobo temporal do cérebro ● Subdivisões (1) lateral, (2) basolateral, (3) baso- medial, (4) cortical, (5) central, e (6) medial ● A amígdala está envolvida em tarefas emocionais, principalmente a estímulos aversivos e ameaçadores, aumentando a saliência desses estímulos (i.e., facilitando o processamento da informação emocional e o envio de sinais a outros sistemas de respostas que devem ser sensíveis a essa informação) DI MARINO, V. ETIENNE, Y., NIDDAM, M. (2016). The amygdaloid nuclear complex. Anatomic study of the human amygdala. Dordrecht: Springer
  • 21.
  • 22. QUIZ
  • 23. Teorias sobre a emoção ● Teoria da emoção de James-Lange: As pessoas percebem padrões específicos de respostas corporais e, como resultado dessa percepção, sentem emoção. ● Teoria da emoção de Cannon-Bard: Informações sobre estímulos emocionais são enviadas simultaneamente ao córtex e ao corpo e resultam em experiência emocional e reações corporais, respectivamente. ● ● Teoria dos dois fatores de Schachter-Singer: Rótulo aplicado ao alerta fisiológico que resulta em experimentar uma emoção.
  • 24. Teoria de James-Lange ● As respostas corporais PRECEDEM a emoção, e experienciamos uma emoção DEPOIS que nossos corpos reagem ● Assim, a emoção é causada por um padrão específico de respostas corporais
  • 25. Teoria de Cannon-Baird ● Resulta da crítica de Cannon às teorias de James; muitas emoções produzem respostas corporais semelhantes. As semelhanças tornam muito difícil para as pessoas determinarem rapidamente qual emoção elas estão sentindo ● As emoções são organizadas no encéfalo, e os sentimentos emocionais e as respostas corporais ocorrem simultaneamente ─ Um estímulo emocionalmente competente ativa regiões subcorticais, que por sua vez envia informações separadamente para o córtex (Cs) e para o corpo
  • 26. Teoria de Schachter-Singer ● “Eles achavam que a teoria de James-Lange estava certa em equiparar a percepção da reação do corpo com uma emoção, mas concordavam com Cannon-Bard quando diziam que existem muitas emoções diferentes para que houvesse um padrão autonômico exclusivo para cada uma dela” ● Um estímulo emocionalmente competente produz um alerta fisiológico indiferenciado, que inicia um processo de interpretação (“appraisal”), criando um rótulo para esse alerta com base no contexto e nas memórias
  • 27. Schachter e Singer, 1962 ● Injetou-se nos participantes um estimulante (adrenalina) ou placebo. ● Aos participantes informados da condição adrenalina foi dito que o fármaco poderia fazer com que se sentissem instáveis, tivessem taquicardia e sentissem seus rostos quentes. Todas essas atividades corporais são efeitos colaterais do uso de adrenalina. Os participantes não informados não receberam qualquer informação sobre os efeitos do fármaco. ● Na condição de euforia, cada participante foi exposto a um cúmplice que estava de ótimo humor, brincando com um bambolê e fazendo aviões de papel. ● Na condição de irritação, cada participante ficava sentado esperando com um cúmplice. Tanto o participante quanto o cúmplice foram convidados a preencher um questionário com perguntas muito insultantes, por exemplo se sua mãe tinha traído seu pai. O cúmplice ficou irritado, rasgou o questionário e saiu da sala. ● Os participantes codificaram os indicadores comportamentais de euforia como estando ligados à diversão. Eles também codificaram indicadores comportamentais de raiva como concordando com a raiva do cúmplice. Além disso, foram questionados os estados emocionais dos participantes, se eles se sentiam felizes ou com raiva.
  • 28. Plot twist: Os resultados não apóiam o que os autores afirmavam! ● Resultados estatisticamente não- significativos ● Schachter e Wheeler, 1962 – tentativa de replicar conceitualmente os experimentos não encontra diferença entre adrenalina e placebo!
  • 29. QUIZ
  • 30. Emoção e cognição ● Robert Zajonc: Primazia do afeto sobre a cognição ● Richard Lazarus: Julgamentos afetivos inconscientes com caráter cognitivo
  • 31. Teoria dos marcadores somáticos ● Antonio Damasio: Reações corporais que surgem a partir da avaliação emocional de consequências de uma ação. ● Os marcadores somáticos seriam armazenados no OFC ● Estas associações de marcadores podem ocorrer novamente durante a tomada de decisão; quando temos de fazer decisões complexas e incertas, os marcadores somáticos criados por um estímulo relevante são agregados para produzir uma “rede de estado somático”, que influencia fortemente nossa decisão sobre como agir
  • 33. As emoções fortalecem as relações interpessoais ● Como os seres humanos são animais sociais, muitas emoções envolvem dinâmicas interpessoais. ● A culpa é um estado emocional negativo associada à ansiedade, tensão e agitação. A experiência de culpa raramente faz sentido fora do contexto da interação interpessoal. ─ Baumeister et al. (1994): a culpa protege e fortalece as relações interpessoais de três maneiras ○ Os sentimentos de culpa desencorajam as pessoas a fazerem coisas que prejudicariam seus relacionamentos ○ Exibições de culpa demonstram que as pessoas se preocupam com seus parceiros de relacionamento, reafirmando, assim, os laços sociais ○ A culpa é uma tática que pode ser utilizada para manipular os outros ● Algumas teorias do constrangimento sugerem que ele retifica o embaraço interpessoal e restaura os laços sociais. O constrangimento representa submissão e afiliação ao grupo social. Também representa o reconhecimento do erro social não intencional