UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DEJANEIROCENTRO ACADÊMICO DE HISTÓRIAGESTÃO FILHOS DA PÚBLICAOfício CAHIS-UERJ N° 21/2013 Ri...
que os graduandos citados no primeiro parágrafo, por irresponsabilidade e falta decompromisso com os deveres da docência d...
estudantes, levará esse grave caso para o Conselho Superior de Ensino Pesquisa eExtensão, além de protocolar este document...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Oficio cahis

1.499 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.499
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.108
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Oficio cahis

  1. 1. UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DEJANEIROCENTRO ACADÊMICO DE HISTÓRIAGESTÃO FILHOS DA PÚBLICAOfício CAHIS-UERJ N° 21/2013 Rio de Janeiro, 16 de Abrilde 20131 - 1Para: Departamento de História, SR1 e Ouvidoria da UERJDe: CAHIS-UERJ, Gestão Filhos da PúblicaAssunto: Solicitação de providências legaisSolicitamos as providências legais ao professor Paulo Seda, Chefe doDepartamento de História e aos responsáveis pelos demais órgãos da Universidade que estereferido ofício está sendo destinado.O Centro Acadêmico de História, por meio de suas atribuições, vematravés desse ofício pedir providências às graves práticas, abaixo relatadas, doProfessor Edgard Leite que prejudicaram os graduandos Mariana Teixeira Alves, IsaacRadoman, Natan Hildo Valerio, Thiago de Sá, Vitor Hugo, Felipe Carvalho e WallaceBorges, dentre outros.Durante o segundo semestre do ano letivo de 2012 o professor EdgardLeite lecionou a matéria obrigatória de História da Península Ibérica para a entãoturma do 2º período dos estudantes acima citados. Ao final do período, o referidoprofessor lançou as notas dos estudantes no sistema Aluno On-Line com apenas umaavaliação, desrespeitando as normas da Universidade que deliberam obrigatoriedadede duas avaliações e o direito a uma prova final para aqueles com notas abaixo damédia, como consta no Regulamento da Universidade que rogamos ao Departamentode História, por meio desse ofício, que se faça cumprir: APROVEITAMENTO ESCOLAR -Del. 33/95 - Título IV, Cap. VI, Seção II; Del. 44/79 e Del 30/98.Além disso, o professor se ausentou durante cerca de 1 mês alegandoproblemas de saúde, na ocasião o CAHIS protocolou um ofício pedindo substituição doprofessor, porém, após esse longo período este voltou à sala de aula, sem prestarmaiores informações. Talvez seja por suas excessivas faltas que o mesmo professortenha dispensado até mesmo o controle de presença dos alunos. O agravante disso é
  2. 2. que os graduandos citados no primeiro parágrafo, por irresponsabilidade e falta decompromisso com os deveres da docência deste professor, ficaram com notas baixas(que variaram de 5,0 à 6,0). Estas notas foram aplicadas de forma generalizada ealeatória, dando ensejo a acreditar que o referido professor sequer corrigiu as provas,tendo simplesmente atribuído estes valores na certeza de que, em não reprovando aturma inteira, todos os alunos se dariam por satisfeitos. Vale também lembrar que oprofessor Edgar sequer entregou ou deu vista aos alunos da referida prova,com ascorreções e justificativas pertinentes, o que reforça ainda mais essa dúvida quanto ànão correção da mesma. Os estudantes, certos de terem respondido às questões daprova de forma que as notas arbitradas tenham sido muito aquém de sua capacidade edesempenho, e orientados pelo Centro Acadêmico, se organizaram, e como é dedireito, pediram revisão juntamente à secretaria do curso. O professor Edgar Leite feza revisão das provas, e comprovando a sua total falta de critérios na avaliação,diminuiu drasticamente as notas de todos os estudantes (que variaram de 0,0 à 4,0).Também é fato que, diante deste comportamento completamenteabusivo, arbitrário e irresponsável, o referido professor não se deu ao trabalho sequerde aplicar critério diferente em relação a alunos que nem compareceram às avaliaçõesaplicadas pelo mesmo, haja vista relatos de alunos nestas condições que receberamnota e foram aprovados tanto na disciplina História Ibérica como na disciplina Históriada Idade Média I ministradas por ele, como pôde ser comprovado através de umapostagem de uma aluna na rede social Facebook, indignada com tal situação, na qualela própria figurava como aluna ausente, mas ainda assim teve sua aprovaçãogarantida pelo professor Edgar Leite, em ambas as disciplinas, com as médias finais 5,0e 9,0, respectivamente. Esta postagem foi reproduzida através do recurso deprintscreen e pode vir a ser apresentado, reservando a identidade da autora, comoconteúdo probatório, oportunamente.Após a divulgação dessas notas os estudantes, indignados com talsituação que se arrasta pelo início desse ano letivo de 2013, foram conversarpessoalmente com o professor Edgar Leite. O mesmo teve a atitude absurda einadmissível de coagir os estudantes com um gravador de áudio durante a conversa.Durante o diálogo, que houve testemunhas, o professor alegou problemas mentais dedislexia para justificar o fato de ter aprovado alunos que sequer compareceram a suasaulas e avaliações. Essa justificativa é completamente incabível, se o mesmo não temcondições mentais de avaliar uma turma de estudantes que se abstenha da profissãode docente evitando prejudicar os graduandos. Além desse argumento, o professorEdgar Leite ofereceu uma prova final (que não foi aplicado no período quecorresponde) aos estudantes, que já estão cursando as matérias do 3º período (!). Essaproposta completamente irresponsável e improcedente foi seguida do aviso coercitivoque caso os estudantes quisessem “deixar tudo pra lá” ele deixaria a nota como estavano sistema, havendo a grave possibilidade, com isso, que sua pretensão seja a de usaresta nova avaliação como fator de intimidação e possível moeda de troca com osestudantes, tendo o mesmo alegado que se sentiu exposto diante da instituição emfunção do pedido de revisão de notas.Todas essas atitudes arbitrárias, irresponsáveis não compactuam com aspráticas de um docente. Por isso o Centro Acadêmico de História, em defesa desses
  3. 3. estudantes, levará esse grave caso para o Conselho Superior de Ensino Pesquisa eExtensão, além de protocolar este documento em todos os órgãos competentes daUniversidade, e caso seja necessário levaremos a esfera do poder judiciário. Pedimosque os órgãos competentes da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, cientes desseofício, tomem as medidas legais para evitar que os estudantes sejam prejudicados ecobrem explicações do dito professor Edgar Leite, caso seja necessário, abrindo umprocesso administrativo. Pedimos também, ao Departamento de História, a folha deponto de presença do Professor Edgar Leite referente ao segundo semestre do anoletivo de 2012, para averiguarmos a sua assiduidade na sala de aula.Atenciosamente,David Gomes Hugo Muller2011.1.01368.11 2010.1.01757.11Telefones para contato: 8383-8542 (David) – 8341-5568 (Mariana)

×