SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
Baixar para ler offline
Resolução da Prova
            SEFAZ/2007
            Tecnologia da Informação

                             Prof. Jaime Correia Neto
                             jcn25@yahoo.com




11/1/2008                                           1
37- O gerenciamento eficiente da memória é uma tarefa crítica do sistema
      operacional. A respeito de tal contexto, assinale a opção correta.
      a) A técnica denominada troca de processos (swapping) é usada pelo
      sistema operacional para mudar a localização dos processos na memória,
      agrupando todas as áreas de memória livre em um único bloco,
      consumindo parte do tempo útil do processador para essa execução.
      b) Na técnica de paginação hierárquica, cada página de um processo é
      transferida para a memória, apenas quando é necessária. Para melhorar o
      desempenho, são usados discos redundantes e replicação de páginas
      operados de forma paralela.
      c) Um endereço físico é aquele gerado pela CPU (Central Processing Unit)
      enquanto o endereço lógico é aquele tratado diretamente pela unidade de
      memória, carregado especificamente no registrador de endereço de
      memória.
      d) Cada entrada em uma tabela de segmentos possui uma base de
      segmento que contém o endereço físico inicial no qual o segmento está
      localizado e o limite de segmento, que indica a extensão do segmento.
      e) Em máquinas Intel 80x86, o sistema operacional Linux usa apenas cinco
      segmentos: segmento para o código do kernel, segmento para os dados do
      kernel, segmento para o código do usuário, segmento para os dados do
      usuário e o segmento de estado da tarefa (TSS – Task State Segment).

11/1/2008                                                                2
“Dois métodos gerais para o gerenciamento de memória podem ser
       usados, dependendo (em parte) dos recursos de hardware disponíveis. A
       estratégia mais simples, denominada troca de processos (swapping),
       consiste em trazer totalmente cada processo para a memória, executá-lo
       durante um certo tempo e então devolvê-lo ao disco. A outra estratégia,
       denominada memória virtual, permite que programas possam ser
       executados mesmo que estejam apenas parcialmente carregados na
       memória principal.”
       TANENBAUM

       O item A está falso uma vez que afirma que o objetivo do swapping é
       mudar a localização dos processos na memória. Seu objetivo é retirar o
       processo para o disco, liberando, assim, espaço para outro processo.




11/1/2008                                                                  3
Processo de Swapping
            Um novo processo H
            inicia e precisa de
            espaço na memória. O
            processo B é removido
            para o disco para
            liberar espaço.




11/1/2008                          4
“Hierarchical Paging
        Most modern computer systems support a large logical address space
        (232 to 264). In such an environment, the page table itself becomes
        excessively large. For example, consider a system with a 32-bit logical
        address space. If the page size in such a system is 4KB (212), then a
        page table may consist of up to 1 million entries (232/212). Assuming
        that each entry consists of 4 bytes, each process may need up to 4
        MB of physical address space for the page table alone. Clearly, we
        would not want to allocate the page table contiguously in main memory.
        One simple solution to this problem is to divide the page table into
        smaller pieces. We can accomplish this division in several ways.
        One way is to use a two-level paging algorithm, in which the page table
        itself is also page.”

        OPERATING SYSTEMS CONCEPTS – SILBERSCHATZ

        “A fim de minimizar o problema de continuamente armazenar tabelas
        de páginas muito grandes na memória, diversos computadores utilizam
        tabelas de páginas em múltiplos níveis. Um exemplo simples desse
        método é mostrado na Figura 4.12. Na Figura vê-se um endereço
        virtual de 32 bits dividido em um campo PT1 de 10 bits, um campo PT2
        de 10 bits e um campo Deslocamento de 12 bits. Como o campo
        Deslocamento tem 12 bits, as páginas são de tamanho 4 KB. Os outros
        dois campos têm conjuntamente 20 bits, o que possibilita um total de
        220 páginas virtuais.”
11/1/2008                                                                   5
“O segredo para o método multinível de tabelas de páginas é evitar que
      todas elas sejam mantidas na memória o tempo todo, especialmente
      aquelas que não são necessárias. Suponha, por exemplo, que um
      processo necessite de 12 megabytes: os 4 megabytes da base da
      memória para o código do programa, outros 4 megabytes para os dados
      do programa e quatro megabytes do topo da memória para a pilha.
      Sobra, entre o topo dos dados e a base da pilha, um gigantesco espaço
      não usado.”
      TANENBAUM
      “Na maioria dos sistemas, existe uma tabela de páginas para cada
      processo. Cada processo pode ocupar uma grande área de memória
      virtual. Por exemplo, na arquitetura VAX, cada processo pode ter até 231
      = 2 Gbytes de memória virtual. Usando páginas de 29 = 512 bytes, a
      tabela de páginas de cada processo pode ter até 222 entradas.
      Claramente, a quantidade de memória requerida para tabelas de páginas
      seria inaceitável. Para superar esse problema, na maioria dos
      sistemas de memória virtual, as tabelas de páginas são também
      endereçadas na memória virtual, e não na memória real. Isso
      significa que as tabelas de páginas também estão sujeitas à paginação.
      Quando um processo está em execução, parte da sua tabela de páginas
      tem de estar na memória principal, incluindo a entrada da tabela que
      corresponde à página que está sendo executada. Alguns processadores
      usam um esquema de dois níveis para organizar tabelas de páginas muito
      grandes. “

11/1/2008                                                                  6
“Nesse esquema, existe um diretório de páginas, no qual cada entrada
        aponta para uma tabela de páginas. Dessa maneira, se o tamanho do
        diretório de páginas é X e o tamanho máximo de uma tabela de páginas
        é Y, o processo pode ter até X x Y páginas. Tipicamente, o tamanho
        máximo de uma tabela de páginas é restrito ao tamanho de uma
        página.”

        STALLINGS

        O item B está falso, pois o objetivo da paginação hierárquica, como visto
        é de otimizar o uso da memória, fazendo com que a tabela de páginas
        quando muito grande também sofra paginação (multinível). Isso permite
        economia da memória física.




11/1/2008                                                                     7
11/1/2008   8
Paginação Hierárquica
ou Multinível




 11/1/2008              9
Esses endereços não são fixos, podendo mudar toda vez que o processo
        for trazido para a memória principal. Para isso, é feita uma distinção
        entre endereços lógicos e endereços físicos. Um endereço lógico
        corresponde a uma posição relativa ao início do programa. As
        instruções do programa contêm apenas endereços lógicos. Um
        endereço físico designa uma posição na memória principal.
        Quando       o    processador     executa      um      processo,   ele
        automaticamente converte um endereço lógico para um
        endereço físico, somando ao endereço lógico a posição inicial da
        área de memória do processo, conhecida como seu endereço-
        base. Isso é mais um exemplo de característica do hardware do
        processador, projetada para atender a uma necessidade do sistema
        operacional. A natureza exata dessa característica de hardware depende
        da estratégia de gerenciamento de memória em uso.

        STALLINGS

        O item C é falso uma vez que o registrador d endereço de memória
        (MAR) da CPU lida apenas com endereços físicos. Pois comunica-se
        diretamente com a memória.




11/1/2008                                                                 10
“Memória virtual por segmentação é a técnica de gerência de memória
        onde o espaço de endereçamento virtual é dividido em blocos de
        tamanhos    diferentes  chamados    segmentos.     Na   técnica de
        segmentação, um programa é dividido logicamente em sub-rotinas e
        estruturas de dados, que são alocadas em segmentos na memória
        principal.

        Enquanto na técnica de paginação o programa é dividido em páginas
        de tamanho fixo, sem qualquer ligação com sua estrutura, na
        segmentação existe uma relação entre a lógica do programa e sua
        alocação na memória principal. Normalmente, a definição dos
        segmentos é realizada pelo compilador, a partir do código fonte do
        programa, e cada segmento pode representar um procedimento,
        função, vetor ou pilha.”




11/1/2008                                                               11
“O espaço de endereçamento virtual de um processo possui um
            número máximo de segmentos que podem existir, onde cada segmento
            pode variar de tamanho dentro de um limite. O tamanho do segmento
            pode ser alterado durante a execução do programa, facilitando a
            implementação de estruturas de dados dinâmicas. Espaços de
            endereçamento independentes permitem que uma sub-rotina seja
            alterada sem a necessidade de o programa principal e todas as suas
            sub-rotinas serem recompiladas e religadas. Em sistemas que
            implementam paginação, a alteração de uma sub-rotina do programa
            implica recompilar e religar a aplicação por completo.

            O mecanismo de mapeamento é muito semelhante ao de paginação.
            Os segmentos são mapeados através de tabelas de mapeamento de
            segmentos (TMS), e os endereços são compostos pelo número do
            segmento virtual (NSV) e por um deslocamento. O NSV identifica
            unicamente o segmento virtual que contém o endereço, funcionando
            como um índice na TMS. O deslocamento indica a posição do endereço
            virtual em relação ao início do segmento no qual se encontra. O
            endereço físico é obtido, então, combinando-se o endereço do
            segmento, localizado na TMS, com o deslocamento, contido no
            endereço virtual.”

            Arquitetura de Sistemas Operacionais - LTC


11/1/2008                                                                 12
“Although the user can now refer to objects in the program by a two-
      dimensional address, the actual physical memory is still, of course, a
      one-dimensional sequence of bytes. Thus, we must define an
      implementation to map two-dimensional user-defined addresses into
      one-dimensional physical addresses. This mapping is effected by a
      segment table. Each entry in the segment table has a segment
      base and a segment limit. The segment base contains the
      starting physical address where the segment resides in memory,
      whereas the segment limit specifies the length of the segment.

      OPERATING SYSTEMS CONCEPTS – SILBERSCHATZ

      O item D está correto foi extraído de forma idêntica ao trecho do livro
      Operating Systems Concepts citado acima.




11/1/2008                                                                  13
Note que o MAR (Memory
        Address Register
        comunica-se diretamente
        com a memória.)




11/1/2008                         14
“The 2.6 version of Linux uses segmentation only when required by
        the 80 x 86 architecture.

        All Linux processes running in User Mode use the same pair of
        segments to address instructions and data. These segments are
        called user code segment and user data segment , respectively.
        Similarly, all Linux processes running in Kernel Mode use the same
        pair of segments to address instructions and data: they are called
        kernel code segment and kernel data segment , respectively. Table
        2-3 shows the values of the Segment Descriptor fields for these four
        crucial segments.

        Besides the four segments just described, Linux makes use of a few
        other specialized segments. We'll introduce them in the next section
        while describing the Linux GDT - Global Descriptor Table .”

        Understanding the Linux Kernel, 3rd Edition
        By Daniel P. Bovet, Marco Cesati




11/1/2008                                                                      15
O item E é falso, pois como vimos o Linux quando necessário a utilização
       da arquitetura 80x86 usa 4 segmentos e não cinco.
       Contudo, o GDT do linux trabalha com 18 segmentos, os 4 vistos
       anteriormente e mais 14 segmentos, onde está incluso o TSS.




11/1/2008                                                                   16

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gerenciamento de Memória
Gerenciamento de MemóriaGerenciamento de Memória
Gerenciamento de Memória
elliando dias
 
Aula 9 gerenciamento_memoria (1)
Aula 9 gerenciamento_memoria (1)Aula 9 gerenciamento_memoria (1)
Aula 9 gerenciamento_memoria (1)
escoteirodabahia
 
Gerenciamento de memória cap 03 (ii unidade)
Gerenciamento de memória cap 03 (ii unidade)Gerenciamento de memória cap 03 (ii unidade)
Gerenciamento de memória cap 03 (ii unidade)
Faculdade Mater Christi
 
Sistemas operacionais memória no linux
Sistemas operacionais   memória no linuxSistemas operacionais   memória no linux
Sistemas operacionais memória no linux
Carlos Melo
 
12/03/2010 - Sistemas Operacionais Aula3
12/03/2010 - Sistemas Operacionais Aula312/03/2010 - Sistemas Operacionais Aula3
12/03/2010 - Sistemas Operacionais Aula3
Universal.org.mx
 
2009 1 - sistemas operacionais - aula 8 - memoria
2009 1 - sistemas operacionais - aula 8 - memoria2009 1 - sistemas operacionais - aula 8 - memoria
2009 1 - sistemas operacionais - aula 8 - memoria
Computação Depressão
 
Sistemas operacionais introdução
Sistemas operacionais introduçãoSistemas operacionais introdução
Sistemas operacionais introdução
Carlos Melo
 
Cricte banco de_dados_em_memoria_sobre_clusters_de_computadores
Cricte banco de_dados_em_memoria_sobre_clusters_de_computadoresCricte banco de_dados_em_memoria_sobre_clusters_de_computadores
Cricte banco de_dados_em_memoria_sobre_clusters_de_computadores
orvel
 

Mais procurados (20)

Gerenciamento de Memória
Gerenciamento de MemóriaGerenciamento de Memória
Gerenciamento de Memória
 
Gerenciamento de memoria
Gerenciamento de memoriaGerenciamento de memoria
Gerenciamento de memoria
 
Gerencia de memoria
Gerencia de memoriaGerencia de memoria
Gerencia de memoria
 
Gerencia de Memoria Virtual
Gerencia de Memoria VirtualGerencia de Memoria Virtual
Gerencia de Memoria Virtual
 
Aula 9 gerenciamento_memoria (1)
Aula 9 gerenciamento_memoria (1)Aula 9 gerenciamento_memoria (1)
Aula 9 gerenciamento_memoria (1)
 
Gerenciamento de memória cap 03 (ii unidade)
Gerenciamento de memória cap 03 (ii unidade)Gerenciamento de memória cap 03 (ii unidade)
Gerenciamento de memória cap 03 (ii unidade)
 
SO-05 Gerenciamento de Memória e Alocação
SO-05 Gerenciamento de Memória e AlocaçãoSO-05 Gerenciamento de Memória e Alocação
SO-05 Gerenciamento de Memória e Alocação
 
Sistemas operacionais memória no linux
Sistemas operacionais   memória no linuxSistemas operacionais   memória no linux
Sistemas operacionais memória no linux
 
Sistemas Operacionais 13 gerenciamento de memória
Sistemas Operacionais  13   gerenciamento de memóriaSistemas Operacionais  13   gerenciamento de memória
Sistemas Operacionais 13 gerenciamento de memória
 
Gerenciamento de Memoria
Gerenciamento de MemoriaGerenciamento de Memoria
Gerenciamento de Memoria
 
Apostila 6 gerência de memória
Apostila 6   gerência de memóriaApostila 6   gerência de memória
Apostila 6 gerência de memória
 
Gerenciamento de memória
Gerenciamento de memóriaGerenciamento de memória
Gerenciamento de memória
 
Aula 04-gerenciamento-basico-de-memoria
Aula 04-gerenciamento-basico-de-memoriaAula 04-gerenciamento-basico-de-memoria
Aula 04-gerenciamento-basico-de-memoria
 
Gerenciamento de memoria
Gerenciamento de memoriaGerenciamento de memoria
Gerenciamento de memoria
 
12/03/2010 - Sistemas Operacionais Aula3
12/03/2010 - Sistemas Operacionais Aula312/03/2010 - Sistemas Operacionais Aula3
12/03/2010 - Sistemas Operacionais Aula3
 
Gerenciamento memoria
Gerenciamento memoriaGerenciamento memoria
Gerenciamento memoria
 
2009 1 - sistemas operacionais - aula 8 - memoria
2009 1 - sistemas operacionais - aula 8 - memoria2009 1 - sistemas operacionais - aula 8 - memoria
2009 1 - sistemas operacionais - aula 8 - memoria
 
Sistemas operacionais introdução
Sistemas operacionais introduçãoSistemas operacionais introdução
Sistemas operacionais introdução
 
Resolução de Problemas - Sistemas Operacionais
Resolução de Problemas - Sistemas OperacionaisResolução de Problemas - Sistemas Operacionais
Resolução de Problemas - Sistemas Operacionais
 
Cricte banco de_dados_em_memoria_sobre_clusters_de_computadores
Cricte banco de_dados_em_memoria_sobre_clusters_de_computadoresCricte banco de_dados_em_memoria_sobre_clusters_de_computadores
Cricte banco de_dados_em_memoria_sobre_clusters_de_computadores
 

Destaque

CRM - Customer Relationship Management
CRM - Customer Relationship Management CRM - Customer Relationship Management
CRM - Customer Relationship Management
Fernando Palma
 
MPOG2008 - Walter Cunha
MPOG2008 - Walter CunhaMPOG2008 - Walter Cunha
MPOG2008 - Walter Cunha
Walter Cunha
 
Aula 5 sintaxe de regência
Aula 5   sintaxe de regênciaAula 5   sintaxe de regência
Aula 5 sintaxe de regência
J M
 

Destaque (8)

Gerenciamento de programas e portfólio de projetos
Gerenciamento de programas e portfólio de projetosGerenciamento de programas e portfólio de projetos
Gerenciamento de programas e portfólio de projetos
 
CRM - Customer Relationship Management
CRM - Customer Relationship Management CRM - Customer Relationship Management
CRM - Customer Relationship Management
 
Edital2 Marinha
Edital2 MarinhaEdital2 Marinha
Edital2 Marinha
 
MPOG2008 - Walter Cunha
MPOG2008 - Walter CunhaMPOG2008 - Walter Cunha
MPOG2008 - Walter Cunha
 
Riscos as-a-Service por Bruno Horta
Riscos as-a-Service por Bruno HortaRiscos as-a-Service por Bruno Horta
Riscos as-a-Service por Bruno Horta
 
A Governança de TI atraves da Gestão Estratégica da Informação
A Governança de TI atraves da Gestão Estratégica da InformaçãoA Governança de TI atraves da Gestão Estratégica da Informação
A Governança de TI atraves da Gestão Estratégica da Informação
 
Marinha
MarinhaMarinha
Marinha
 
Aula 5 sintaxe de regência
Aula 5   sintaxe de regênciaAula 5   sintaxe de regência
Aula 5 sintaxe de regência
 

Semelhante a Amostra Resolucao da Prova Sefaz 2007 Prof Jaime

Memória virtual 2
Memória virtual 2Memória virtual 2
Memória virtual 2
jackeline456
 
Sistemas Operacionais
Sistemas OperacionaisSistemas Operacionais
Sistemas Operacionais
Bia Vieira
 
Arquitetura 8 1 - 2012.2
Arquitetura 8   1 - 2012.2Arquitetura 8   1 - 2012.2
Arquitetura 8 1 - 2012.2
Paulo Fonseca
 
Arquitetura 8 1 - 2012.2
Arquitetura 8   1 - 2012.2Arquitetura 8   1 - 2012.2
Arquitetura 8 1 - 2012.2
Paulo Fonseca
 
Resumos sobre tecnologias de informação e conceitos basicos
Resumos sobre tecnologias de informação e conceitos basicosResumos sobre tecnologias de informação e conceitos basicos
Resumos sobre tecnologias de informação e conceitos basicos
Joo200
 
Desenvolvendo aplicações Web escaláveis
Desenvolvendo aplicações Web escaláveisDesenvolvendo aplicações Web escaláveis
Desenvolvendo aplicações Web escaláveis
elliando dias
 

Semelhante a Amostra Resolucao da Prova Sefaz 2007 Prof Jaime (20)

Gerência de Memória: Memória Principal
Gerência de Memória: Memória PrincipalGerência de Memória: Memória Principal
Gerência de Memória: Memória Principal
 
Gestao de Memoria_SLIDE.pptx
Gestao de Memoria_SLIDE.pptxGestao de Memoria_SLIDE.pptx
Gestao de Memoria_SLIDE.pptx
 
355862 slide12-mem virt
355862 slide12-mem virt355862 slide12-mem virt
355862 slide12-mem virt
 
Memória Virtual - Aspectos Básicos
Memória Virtual - Aspectos BásicosMemória Virtual - Aspectos Básicos
Memória Virtual - Aspectos Básicos
 
Memória virtual 2
Memória virtual 2Memória virtual 2
Memória virtual 2
 
Sistema Operativo 2
Sistema Operativo 2Sistema Operativo 2
Sistema Operativo 2
 
Htm trabalho
Htm trabalhoHtm trabalho
Htm trabalho
 
(ACH2044) Sistemas Operacionais - Aula 17
(ACH2044) Sistemas Operacionais - Aula 17(ACH2044) Sistemas Operacionais - Aula 17
(ACH2044) Sistemas Operacionais - Aula 17
 
Curso openmp
Curso openmpCurso openmp
Curso openmp
 
Sistemas Operacionais
Sistemas OperacionaisSistemas Operacionais
Sistemas Operacionais
 
Arquitetura 8 1 - 2012.2
Arquitetura 8   1 - 2012.2Arquitetura 8   1 - 2012.2
Arquitetura 8 1 - 2012.2
 
Arquitetura 8 1 - 2012.2
Arquitetura 8   1 - 2012.2Arquitetura 8   1 - 2012.2
Arquitetura 8 1 - 2012.2
 
Resumos sobre tecnologias de informação e conceitos basicos
Resumos sobre tecnologias de informação e conceitos basicosResumos sobre tecnologias de informação e conceitos basicos
Resumos sobre tecnologias de informação e conceitos basicos
 
S.o aula 3132
S.o aula 3132S.o aula 3132
S.o aula 3132
 
7 – mecanismos de gestão de memória
7 – mecanismos de gestão de memória7 – mecanismos de gestão de memória
7 – mecanismos de gestão de memória
 
Aula01 administrador de banco de dados dba
Aula01 administrador de banco de dados  dbaAula01 administrador de banco de dados  dba
Aula01 administrador de banco de dados dba
 
SO03 - Sistemas-Operacionais - Gerencia de Memoria.pdf
SO03 - Sistemas-Operacionais - Gerencia de Memoria.pdfSO03 - Sistemas-Operacionais - Gerencia de Memoria.pdf
SO03 - Sistemas-Operacionais - Gerencia de Memoria.pdf
 
Desenvolvendo aplicações Web escaláveis
Desenvolvendo aplicações Web escaláveisDesenvolvendo aplicações Web escaláveis
Desenvolvendo aplicações Web escaláveis
 
Hardware memória principal
Hardware  memória  principalHardware  memória  principal
Hardware memória principal
 
Otimizacao de websites em PHP
Otimizacao de websites em PHPOtimizacao de websites em PHP
Otimizacao de websites em PHP
 

Mais de Walter Cunha

Coletanea Redes de Computadores (ESAF) - Walter Cunha
Coletanea Redes de Computadores (ESAF) - Walter CunhaColetanea Redes de Computadores (ESAF) - Walter Cunha
Coletanea Redes de Computadores (ESAF) - Walter Cunha
Walter Cunha
 
Coletanea Governanca (Esaf) - Walter Cunha
Coletanea Governanca (Esaf) - Walter CunhaColetanea Governanca (Esaf) - Walter Cunha
Coletanea Governanca (Esaf) - Walter Cunha
Walter Cunha
 
Coletanea Hardware e Arquitetura (ESAF) - Walter Cunha
Coletanea Hardware e Arquitetura (ESAF) - Walter CunhaColetanea Hardware e Arquitetura (ESAF) - Walter Cunha
Coletanea Hardware e Arquitetura (ESAF) - Walter Cunha
Walter Cunha
 
Coletanea Segurança e Auditoria (Esaf) - Walter Cunha
Coletanea Segurança e Auditoria (Esaf) -  Walter CunhaColetanea Segurança e Auditoria (Esaf) -  Walter Cunha
Coletanea Segurança e Auditoria (Esaf) - Walter Cunha
Walter Cunha
 
Coletanea UML e OO (ESAF) - Jaime Correia
Coletanea UML e OO (ESAF) - Jaime CorreiaColetanea UML e OO (ESAF) - Jaime Correia
Coletanea UML e OO (ESAF) - Jaime Correia
Walter Cunha
 
Coletanea BD e BI (ESAF) - Jaime Correia
Coletanea BD e  BI (ESAF) - Jaime CorreiaColetanea BD e  BI (ESAF) - Jaime Correia
Coletanea BD e BI (ESAF) - Jaime Correia
Walter Cunha
 
PCF03 - 2001 Comentada
PCF03 - 2001 ComentadaPCF03 - 2001 Comentada
PCF03 - 2001 Comentada
Walter Cunha
 
Prova Da Dataprev 2006 Jaime Correia Amostra
Prova Da Dataprev 2006   Jaime Correia   AmostraProva Da Dataprev 2006   Jaime Correia   Amostra
Prova Da Dataprev 2006 Jaime Correia Amostra
Walter Cunha
 
Supercombo Serpro - Amostra
Supercombo Serpro - AmostraSupercombo Serpro - Amostra
Supercombo Serpro - Amostra
Walter Cunha
 
Coletanea PMBoK Esaf
Coletanea PMBoK Esaf  Coletanea PMBoK Esaf
Coletanea PMBoK Esaf
Walter Cunha
 
MPOG - TI - Jaime (Amostra)
MPOG - TI - Jaime (Amostra)MPOG - TI - Jaime (Amostra)
MPOG - TI - Jaime (Amostra)
Walter Cunha
 
TRFB 2006 - TI - Jaime
TRFB 2006 - TI - JaimeTRFB 2006 - TI - Jaime
TRFB 2006 - TI - Jaime
Walter Cunha
 

Mais de Walter Cunha (20)

Desmistificando o Gerenciamento por Projetos - Walter Cunha
Desmistificando o Gerenciamento por Projetos - Walter Cunha Desmistificando o Gerenciamento por Projetos - Walter Cunha
Desmistificando o Gerenciamento por Projetos - Walter Cunha
 
Gestão Estratégica de Recursos (CGU)
Gestão Estratégica de Recursos (CGU) Gestão Estratégica de Recursos (CGU)
Gestão Estratégica de Recursos (CGU)
 
Técnicas e Ferramentas da Gestão de Projetos Aplicadas às Contratações Públicas
Técnicas e Ferramentas da Gestão de Projetos Aplicadas às Contratações PúblicasTécnicas e Ferramentas da Gestão de Projetos Aplicadas às Contratações Públicas
Técnicas e Ferramentas da Gestão de Projetos Aplicadas às Contratações Públicas
 
Seminário Melhores Práticas em Contratações de TI (ENAP) - Walter Cunha
Seminário Melhores Práticas em Contratações de TI (ENAP) -  Walter CunhaSeminário Melhores Práticas em Contratações de TI (ENAP) -  Walter Cunha
Seminário Melhores Práticas em Contratações de TI (ENAP) - Walter Cunha
 
Panorama dos Concursos Públicos de TI - Senacoo 2014 (Amostra)
Panorama dos Concursos Públicos de TI - Senacoo 2014 (Amostra)Panorama dos Concursos Públicos de TI - Senacoo 2014 (Amostra)
Panorama dos Concursos Públicos de TI - Senacoo 2014 (Amostra)
 
Terceirização no Desenvolvimento de Sistema
Terceirização no Desenvolvimento de SistemaTerceirização no Desenvolvimento de Sistema
Terceirização no Desenvolvimento de Sistema
 
Panorama dos Concurso Públicos de TI (USP, 2012) - Walter Cunha
Panorama dos Concurso Públicos de TI (USP, 2012) - Walter CunhaPanorama dos Concurso Públicos de TI (USP, 2012) - Walter Cunha
Panorama dos Concurso Públicos de TI (USP, 2012) - Walter Cunha
 
Coletanea Redes de Computadores (ESAF) - Walter Cunha
Coletanea Redes de Computadores (ESAF) - Walter CunhaColetanea Redes de Computadores (ESAF) - Walter Cunha
Coletanea Redes de Computadores (ESAF) - Walter Cunha
 
Coletanea Governanca (Esaf) - Walter Cunha
Coletanea Governanca (Esaf) - Walter CunhaColetanea Governanca (Esaf) - Walter Cunha
Coletanea Governanca (Esaf) - Walter Cunha
 
Coletanea Hardware e Arquitetura (ESAF) - Walter Cunha
Coletanea Hardware e Arquitetura (ESAF) - Walter CunhaColetanea Hardware e Arquitetura (ESAF) - Walter Cunha
Coletanea Hardware e Arquitetura (ESAF) - Walter Cunha
 
Coletanea Segurança e Auditoria (Esaf) - Walter Cunha
Coletanea Segurança e Auditoria (Esaf) -  Walter CunhaColetanea Segurança e Auditoria (Esaf) -  Walter Cunha
Coletanea Segurança e Auditoria (Esaf) - Walter Cunha
 
Coletanea UML e OO (ESAF) - Jaime Correia
Coletanea UML e OO (ESAF) - Jaime CorreiaColetanea UML e OO (ESAF) - Jaime Correia
Coletanea UML e OO (ESAF) - Jaime Correia
 
Coletanea BD e BI (ESAF) - Jaime Correia
Coletanea BD e  BI (ESAF) - Jaime CorreiaColetanea BD e  BI (ESAF) - Jaime Correia
Coletanea BD e BI (ESAF) - Jaime Correia
 
PCF03 - 2001 Comentada
PCF03 - 2001 ComentadaPCF03 - 2001 Comentada
PCF03 - 2001 Comentada
 
Prova Da Dataprev 2006 Jaime Correia Amostra
Prova Da Dataprev 2006   Jaime Correia   AmostraProva Da Dataprev 2006   Jaime Correia   Amostra
Prova Da Dataprev 2006 Jaime Correia Amostra
 
Supercombo Serpro - Amostra
Supercombo Serpro - AmostraSupercombo Serpro - Amostra
Supercombo Serpro - Amostra
 
Coletanea PMBoK Esaf
Coletanea PMBoK Esaf  Coletanea PMBoK Esaf
Coletanea PMBoK Esaf
 
MPOG 2008 TI - Resolução - Jaime Correia
MPOG 2008 TI - Resolução - Jaime CorreiaMPOG 2008 TI - Resolução - Jaime Correia
MPOG 2008 TI - Resolução - Jaime Correia
 
MPOG - TI - Jaime (Amostra)
MPOG - TI - Jaime (Amostra)MPOG - TI - Jaime (Amostra)
MPOG - TI - Jaime (Amostra)
 
TRFB 2006 - TI - Jaime
TRFB 2006 - TI - JaimeTRFB 2006 - TI - Jaime
TRFB 2006 - TI - Jaime
 

Último

Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Dirceu Resende
 

Último (11)

EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAEAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
 
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
 
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
 
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdfFrom_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
 
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
 
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPalestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
 
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiEntrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
 
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
 
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
 
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASCOI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
 
Apostila e caderno de exercicios de WORD
Apostila e caderno de exercicios de  WORDApostila e caderno de exercicios de  WORD
Apostila e caderno de exercicios de WORD
 

Amostra Resolucao da Prova Sefaz 2007 Prof Jaime

  • 1. Resolução da Prova SEFAZ/2007 Tecnologia da Informação Prof. Jaime Correia Neto jcn25@yahoo.com 11/1/2008 1
  • 2. 37- O gerenciamento eficiente da memória é uma tarefa crítica do sistema operacional. A respeito de tal contexto, assinale a opção correta. a) A técnica denominada troca de processos (swapping) é usada pelo sistema operacional para mudar a localização dos processos na memória, agrupando todas as áreas de memória livre em um único bloco, consumindo parte do tempo útil do processador para essa execução. b) Na técnica de paginação hierárquica, cada página de um processo é transferida para a memória, apenas quando é necessária. Para melhorar o desempenho, são usados discos redundantes e replicação de páginas operados de forma paralela. c) Um endereço físico é aquele gerado pela CPU (Central Processing Unit) enquanto o endereço lógico é aquele tratado diretamente pela unidade de memória, carregado especificamente no registrador de endereço de memória. d) Cada entrada em uma tabela de segmentos possui uma base de segmento que contém o endereço físico inicial no qual o segmento está localizado e o limite de segmento, que indica a extensão do segmento. e) Em máquinas Intel 80x86, o sistema operacional Linux usa apenas cinco segmentos: segmento para o código do kernel, segmento para os dados do kernel, segmento para o código do usuário, segmento para os dados do usuário e o segmento de estado da tarefa (TSS – Task State Segment). 11/1/2008 2
  • 3. “Dois métodos gerais para o gerenciamento de memória podem ser usados, dependendo (em parte) dos recursos de hardware disponíveis. A estratégia mais simples, denominada troca de processos (swapping), consiste em trazer totalmente cada processo para a memória, executá-lo durante um certo tempo e então devolvê-lo ao disco. A outra estratégia, denominada memória virtual, permite que programas possam ser executados mesmo que estejam apenas parcialmente carregados na memória principal.” TANENBAUM O item A está falso uma vez que afirma que o objetivo do swapping é mudar a localização dos processos na memória. Seu objetivo é retirar o processo para o disco, liberando, assim, espaço para outro processo. 11/1/2008 3
  • 4. Processo de Swapping Um novo processo H inicia e precisa de espaço na memória. O processo B é removido para o disco para liberar espaço. 11/1/2008 4
  • 5. “Hierarchical Paging Most modern computer systems support a large logical address space (232 to 264). In such an environment, the page table itself becomes excessively large. For example, consider a system with a 32-bit logical address space. If the page size in such a system is 4KB (212), then a page table may consist of up to 1 million entries (232/212). Assuming that each entry consists of 4 bytes, each process may need up to 4 MB of physical address space for the page table alone. Clearly, we would not want to allocate the page table contiguously in main memory. One simple solution to this problem is to divide the page table into smaller pieces. We can accomplish this division in several ways. One way is to use a two-level paging algorithm, in which the page table itself is also page.” OPERATING SYSTEMS CONCEPTS – SILBERSCHATZ “A fim de minimizar o problema de continuamente armazenar tabelas de páginas muito grandes na memória, diversos computadores utilizam tabelas de páginas em múltiplos níveis. Um exemplo simples desse método é mostrado na Figura 4.12. Na Figura vê-se um endereço virtual de 32 bits dividido em um campo PT1 de 10 bits, um campo PT2 de 10 bits e um campo Deslocamento de 12 bits. Como o campo Deslocamento tem 12 bits, as páginas são de tamanho 4 KB. Os outros dois campos têm conjuntamente 20 bits, o que possibilita um total de 220 páginas virtuais.” 11/1/2008 5
  • 6. “O segredo para o método multinível de tabelas de páginas é evitar que todas elas sejam mantidas na memória o tempo todo, especialmente aquelas que não são necessárias. Suponha, por exemplo, que um processo necessite de 12 megabytes: os 4 megabytes da base da memória para o código do programa, outros 4 megabytes para os dados do programa e quatro megabytes do topo da memória para a pilha. Sobra, entre o topo dos dados e a base da pilha, um gigantesco espaço não usado.” TANENBAUM “Na maioria dos sistemas, existe uma tabela de páginas para cada processo. Cada processo pode ocupar uma grande área de memória virtual. Por exemplo, na arquitetura VAX, cada processo pode ter até 231 = 2 Gbytes de memória virtual. Usando páginas de 29 = 512 bytes, a tabela de páginas de cada processo pode ter até 222 entradas. Claramente, a quantidade de memória requerida para tabelas de páginas seria inaceitável. Para superar esse problema, na maioria dos sistemas de memória virtual, as tabelas de páginas são também endereçadas na memória virtual, e não na memória real. Isso significa que as tabelas de páginas também estão sujeitas à paginação. Quando um processo está em execução, parte da sua tabela de páginas tem de estar na memória principal, incluindo a entrada da tabela que corresponde à página que está sendo executada. Alguns processadores usam um esquema de dois níveis para organizar tabelas de páginas muito grandes. “ 11/1/2008 6
  • 7. “Nesse esquema, existe um diretório de páginas, no qual cada entrada aponta para uma tabela de páginas. Dessa maneira, se o tamanho do diretório de páginas é X e o tamanho máximo de uma tabela de páginas é Y, o processo pode ter até X x Y páginas. Tipicamente, o tamanho máximo de uma tabela de páginas é restrito ao tamanho de uma página.” STALLINGS O item B está falso, pois o objetivo da paginação hierárquica, como visto é de otimizar o uso da memória, fazendo com que a tabela de páginas quando muito grande também sofra paginação (multinível). Isso permite economia da memória física. 11/1/2008 7
  • 10. Esses endereços não são fixos, podendo mudar toda vez que o processo for trazido para a memória principal. Para isso, é feita uma distinção entre endereços lógicos e endereços físicos. Um endereço lógico corresponde a uma posição relativa ao início do programa. As instruções do programa contêm apenas endereços lógicos. Um endereço físico designa uma posição na memória principal. Quando o processador executa um processo, ele automaticamente converte um endereço lógico para um endereço físico, somando ao endereço lógico a posição inicial da área de memória do processo, conhecida como seu endereço- base. Isso é mais um exemplo de característica do hardware do processador, projetada para atender a uma necessidade do sistema operacional. A natureza exata dessa característica de hardware depende da estratégia de gerenciamento de memória em uso. STALLINGS O item C é falso uma vez que o registrador d endereço de memória (MAR) da CPU lida apenas com endereços físicos. Pois comunica-se diretamente com a memória. 11/1/2008 10
  • 11. “Memória virtual por segmentação é a técnica de gerência de memória onde o espaço de endereçamento virtual é dividido em blocos de tamanhos diferentes chamados segmentos. Na técnica de segmentação, um programa é dividido logicamente em sub-rotinas e estruturas de dados, que são alocadas em segmentos na memória principal. Enquanto na técnica de paginação o programa é dividido em páginas de tamanho fixo, sem qualquer ligação com sua estrutura, na segmentação existe uma relação entre a lógica do programa e sua alocação na memória principal. Normalmente, a definição dos segmentos é realizada pelo compilador, a partir do código fonte do programa, e cada segmento pode representar um procedimento, função, vetor ou pilha.” 11/1/2008 11
  • 12. “O espaço de endereçamento virtual de um processo possui um número máximo de segmentos que podem existir, onde cada segmento pode variar de tamanho dentro de um limite. O tamanho do segmento pode ser alterado durante a execução do programa, facilitando a implementação de estruturas de dados dinâmicas. Espaços de endereçamento independentes permitem que uma sub-rotina seja alterada sem a necessidade de o programa principal e todas as suas sub-rotinas serem recompiladas e religadas. Em sistemas que implementam paginação, a alteração de uma sub-rotina do programa implica recompilar e religar a aplicação por completo. O mecanismo de mapeamento é muito semelhante ao de paginação. Os segmentos são mapeados através de tabelas de mapeamento de segmentos (TMS), e os endereços são compostos pelo número do segmento virtual (NSV) e por um deslocamento. O NSV identifica unicamente o segmento virtual que contém o endereço, funcionando como um índice na TMS. O deslocamento indica a posição do endereço virtual em relação ao início do segmento no qual se encontra. O endereço físico é obtido, então, combinando-se o endereço do segmento, localizado na TMS, com o deslocamento, contido no endereço virtual.” Arquitetura de Sistemas Operacionais - LTC 11/1/2008 12
  • 13. “Although the user can now refer to objects in the program by a two- dimensional address, the actual physical memory is still, of course, a one-dimensional sequence of bytes. Thus, we must define an implementation to map two-dimensional user-defined addresses into one-dimensional physical addresses. This mapping is effected by a segment table. Each entry in the segment table has a segment base and a segment limit. The segment base contains the starting physical address where the segment resides in memory, whereas the segment limit specifies the length of the segment. OPERATING SYSTEMS CONCEPTS – SILBERSCHATZ O item D está correto foi extraído de forma idêntica ao trecho do livro Operating Systems Concepts citado acima. 11/1/2008 13
  • 14. Note que o MAR (Memory Address Register comunica-se diretamente com a memória.) 11/1/2008 14
  • 15. “The 2.6 version of Linux uses segmentation only when required by the 80 x 86 architecture. All Linux processes running in User Mode use the same pair of segments to address instructions and data. These segments are called user code segment and user data segment , respectively. Similarly, all Linux processes running in Kernel Mode use the same pair of segments to address instructions and data: they are called kernel code segment and kernel data segment , respectively. Table 2-3 shows the values of the Segment Descriptor fields for these four crucial segments. Besides the four segments just described, Linux makes use of a few other specialized segments. We'll introduce them in the next section while describing the Linux GDT - Global Descriptor Table .” Understanding the Linux Kernel, 3rd Edition By Daniel P. Bovet, Marco Cesati 11/1/2008 15
  • 16. O item E é falso, pois como vimos o Linux quando necessário a utilização da arquitetura 80x86 usa 4 segmentos e não cinco. Contudo, o GDT do linux trabalha com 18 segmentos, os 4 vistos anteriormente e mais 14 segmentos, onde está incluso o TSS. 11/1/2008 16