Linfonodo Sentinela em Câncer de Mama

15.579 visualizações

Publicada em

0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
15.579
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
90
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Linfonodo Sentinela em Câncer de Mama

    1. 1. Linfonodo Sentinela Aspectos técnicos da detecção radioguiada Dr. Carlos Eduardo Anselmi Laboratório de Medicina Nuclear Complexo Hospitalar Santa Casa Poa/RS
    2. 2. Linfonodo Sentinela <ul><li>O status dos linfonodos axilares é o fator prognóstico mais importante em pacientes com câncer de mama em estádios iniciais, sendo a avaliação histológica o método mais acurado </li></ul><ul><li>Princípio de que o tumor de propaga de forma ordenada nos linfáticos </li></ul><ul><li>O LS é o primeiro linfonodo em uma cadeia linfática a receber a linfa de um determinado tumor </li></ul>
    3. 3. Dissecção Axilar <ul><li>Complicações da dissecção axilar </li></ul><ul><ul><li>Linfedema </li></ul></ul><ul><ul><li>Lesão de estruturas vasculares </li></ul></ul><ul><ul><li>Disfunção do membro </li></ul></ul><ul><ul><li>Dano a nervos </li></ul></ul><ul><li>O LS pode predizer o status dos demais linfondos da cadeia linfática </li></ul>
    4. 4. Drenagem linfática da mama
    5. 5. Linfonodo Sentinela TUMOR LINFONODO SENTINELA
    6. 6. Indicações <ul><li>Tumores pequenos (até 3 cm?) </li></ul><ul><li>Axila clinicamente negativa (?) </li></ul><ul><li>Contra-indicado em tumores inflamatórios </li></ul>
    7. 7. Aspectos técnicos <ul><li>Etapas </li></ul><ul><ul><li>Pesquisa pré-operatória </li></ul></ul><ul><ul><li>Pesquisa intra-operatória </li></ul></ul><ul><li>Radiofármaco: composto por duas partes </li></ul><ul><ul><li>Radioativa: 99m Tc </li></ul></ul><ul><ul><li>Fármaco: meio utilizado para que a radiação chegue até a estrutura que deve ser estudada </li></ul></ul><ul><ul><li>O radiotraçador ideal deve mostrar o linfático saindo do local de administração e chegando no linfonodo, deve ficar retido e não progredir para um segundo linfonodo </li></ul></ul>
    8. 8. Radiofármacos Journal of Nuclear Medic in e Vol. 42 No. 8 1198-1215
    9. 9. Radiofármacos Journal of Nuclear Medic in e Vol. 42 No. 8 1198-1215
    10. 10. Tipos de injeção <ul><li>Migração para o LS x Injeção </li></ul><ul><li>Intradérmica: 1% </li></ul><ul><li>Peritumoral: 0,1% </li></ul>Intradérmica Peritumoral/Intratumoral Periareolar
    11. 11. Tipos de injeção Journal of Nuclear Medicine Vol. 45 No. 2 220-225
    12. 12. Pesquisa pré-operatória <ul><li>Material injetado: 99mTc-fitato </li></ul><ul><li>Tamanho do colóide: 200 – 1000 nm </li></ul><ul><li>Dose: 0,2 mCi (7,4 MBq) </li></ul><ul><li>Número de doses: 1 </li></ul><ul><li>Volume: 0,2 ml </li></ul><ul><li>Agulha de insulina </li></ul><ul><li>Administração intradérmica periareolar </li></ul><ul><li>Imagens dinâmicas e estáticas </li></ul><ul><li>Duração: 30 minutos a algumas horas </li></ul>
    13. 13. Pesquisa pré-operatória <ul><li>A imagem tem a finalidade de auxiliar o cirurgião a planejar a abordagem cirúrgica </li></ul><ul><li>Proporciona uma visão ampla (axila, mama, mamária interna, axila contra-lateral </li></ul><ul><li>Identifica o primeiro linfonodo a aparecer </li></ul><ul><li>Alerta para a ausência de migração </li></ul>
    14. 15. Anterior Anterior com marcação Lateral direita Lateral direita com marcação
    15. 16. MARCAÇÃO
    16. 17. SPECT/CT
    17. 18. Pesquisa intra-operatória <ul><li>Uso do gama probe </li></ul><ul><li>Detector de radiação por semicondutor </li></ul><ul><li>Mostra a quantidade de radiação (atividade) por meio de áudio e de indicador numérico </li></ul>
    18. 19. Pesquisa intra-operatória
    19. 20. Pesquisa intra-operatória <ul><li>Atividade </li></ul><ul><ul><li>Hora da injeção </li></ul></ul><ul><ul><li>Atividade injetada </li></ul></ul><ul><ul><li>Drenagem </li></ul></ul><ul><ul><li>Distância </li></ul></ul><ul><ul><li>Tecidos adjacentes </li></ul></ul><ul><ul><li>Ângulo </li></ul></ul>
    20. 21. Pesquisa intra-operatória <ul><li>LS </li></ul><ul><ul><li>Apresenta atividade no gama probe </li></ul></ul><ul><ul><li>Azul </li></ul></ul><ul><ul><li>Ambos </li></ul></ul><ul><ul><li>Normalmente são encontrados 1 a 2 LS </li></ul></ul><ul><li>O LS é enviado para a patologia </li></ul><ul><li>Se positivo, é necessário realizar o esvaziamento axilar </li></ul><ul><ul><li>Imediato </li></ul></ul><ul><ul><li>Tardio </li></ul></ul>
    21. 22. Azul patente
    22. 25. Detecção 1000 cts 10 cts 30 cts 10 cts 200 cts 1000 cts
    23. 26. Falsos negativos <ul><li>Comprometimento tumoral do linfonodo sentinela </li></ul><ul><li>Obstrução do linfático aferente </li></ul><ul><li>Idade </li></ul><ul><li>Local de injeção junto à axila </li></ul>
    24. 27. <ul><li>n = 618 </li></ul><ul><li>Taxa de identificação:96% </li></ul><ul><li>Taxa de FN: 5% - 7,6% </li></ul>Falsos negativos The Breast Journal, 2005
    25. 28. Certificação técnica <ul><li>Taxa de sucesso na identificação igual a 97% </li></ul>
    26. 29. Controvérsias <ul><li>Quimioterapia neoadjuvante </li></ul><ul><li>Multifocal/Multicêntrico </li></ul><ul><li>Biópsia prévia </li></ul><ul><li>Carcinoma ductal in situ </li></ul><ul><li>Gestação </li></ul><ul><li>Homens </li></ul>
    27. 30. Vantagens do LS (quando negativo) <ul><li>Elimina a necessidade de esvaziamento axilar </li></ul><ul><li>Possível menor tempo cirúrgico </li></ul><ul><li>Menos linfonodos para exame patológico </li></ul><ul><li>Diminui o tempo de internação </li></ul><ul><li>Não há necessidade de dreno </li></ul><ul><li>Não há necessidade de terapia preventiva ou corretiva de disfunção do membro superior </li></ul><ul><li>Retorno mais rápido às atividades de rotina </li></ul>
    28. 31. <ul><li>“ Máxima eficácia, mínima mutilação” </li></ul>Ann Oncol Paganelli et al. 13 (12): 1839

    ×