Morin edgar cabeca_bem_feita

1.468 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.468
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
29
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Morin edgar cabeca_bem_feita

  1. 1. A cabeça bem-feita Edgar Morin Reflexões da Turma de Educomunicação ECA/USP SOBRE A OBRA DE Disciplina: Teorias da Comunicação Prof. Dra. Maria Immacolata Vassallo de Lopes Aula do dia: 15/03/2011
  2. 2. Referência do texto lido: <ul><li>MORIN, Edgar. Inter-poli-transdisciplinaridade. IN: MORIN, Edgar. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento.Tradução: Eloá Jacobina.12 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006. 128p. </li></ul>Quem é Edgar Morin ? http://pt.wikipedia.org/wiki/Edgar_Morin
  3. 3. NUVEM DE TAGS
  4. 4. Nuvem de tags <ul><li>Defesa do pensamento complexo. </li></ul><ul><li>Inter-Poli-Multi-Trans disciplinaridade. </li></ul><ul><li>Disciplina: especialização agora? Ficar preso só, isolamento. </li></ul><ul><li>Ciência se constituiu em torno de disciplinas. </li></ul><ul><li>Disciplina ajuda a sistematizar a pesquisa, ciência em geral. </li></ul><ul><li>Ao contrário, causa isolamento. </li></ul>
  5. 5. Nuvem de tags <ul><li>Hiper-especialização: lado negativo. </li></ul><ul><li>As partes não vivem sem o todo. </li></ul><ul><li>A parte e o todo – a parte depende do todo para ser entendida. E o todo depende das partes. </li></ul><ul><li>Ligações – Conexões. </li></ul><ul><li>Solidariedade das partes. -> Entendimento do outro. </li></ul><ul><li>O outro é o “estranho”, viver no meio da diferença sendo parte do todo. </li></ul>
  6. 6. Nuvem de tags <ul><li>Criação das universidades que abrigam as disciplinas. </li></ul><ul><li>Falar de interdisciplinaridade acaba com a disciplinas? Com a disciplinaridade? </li></ul><ul><li>A questão de ordem em se fazer pesquisa interdisciplinar: projetos, pessoas de várias áreas. Coexistir e fertilizar as disciplinas – vice e versa. </li></ul><ul><li>Coexistência da disciplina. </li></ul>
  7. 7. Nuvem de tags <ul><li>A ciência é uma coisa viva. </li></ul><ul><li>Abertura ou fechamento? E a comunicação? </li></ul><ul><li>Comunicação = Comum/Comunio/Comunicare. </li></ul><ul><li>As humanidades são abertas (Ciências Humanas). Tratam do homem. </li></ul><ul><li>Comprovar: provar com os fatos. Protocolos, metodologias. </li></ul><ul><li>Elos com outras ciências sociais. </li></ul><ul><li>Contato/Conflito. </li></ul><ul><li>Comunicação: princípio social básico. </li></ul>
  8. 8. Nuvem de tags <ul><li>Comunicação: processo social básico. </li></ul><ul><li>Origens do conceito de comunicação: relatos mitológicos das estratégias de mídia. </li></ul><ul><li>Ritos, mitos, narrativas. (Também objetos da antropologia). Lèvy-Strauss antropólogo. </li></ul><ul><li>Mitologia, apropriação da psicologia, história, arqueologia. </li></ul><ul><li>Jüng/Umberto Eco – mito. </li></ul><ul><li>Mitologia Moderna. </li></ul>
  9. 9. Nuvem de tags <ul><li>Mito do James Bond. O que lhe dá poder? </li></ul><ul><li>Equipamentos, a pasta dele? </li></ul><ul><li>Paradigma da razão instrumental. </li></ul><ul><li>Inglês, dominância. </li></ul><ul><li>Equipamento: Bond passa sempre por onde? </li></ul><ul><li>Um lugar de inventos. Invenções tecnológicas! </li></ul><ul><li>É a tecnologia que lhe dá o grande diferencial de um mito moderno. </li></ul><ul><li>Poder concreto. </li></ul>
  10. 10. Nuvem de tags <ul><li>Ideologia da narrativa da comunicação de massa. </li></ul><ul><li>James Bond é da ordem da razão. </li></ul><ul><li>Como a mitologia pode ser abordada por diversas disciplinas. </li></ul><ul><li>Um mesmo objeto com abordagens diferentes. </li></ul><ul><li>Parcelas reunidas em um todo. Ex: mitologia. </li></ul><ul><li>As partes não são estáticas. </li></ul><ul><li>A disciplina tem o seu sentido de organizar o conhecimento. </li></ul>
  11. 11. Nuvem de tags <ul><li>A propriedade. Ciência como histórico da atividade proprietária. Campos de conhecimento. Delimitação. </li></ul><ul><li>Pertencimento/Reconhecimento. </li></ul><ul><li>Paradigmas/Referências. </li></ul><ul><li>Competições no campo da ciência. </li></ul><ul><li>Pesquisa -> tecnologia -> transformar o mundo. </li></ul><ul><li>Paulo Freire/Marx/Darwin. Idéias. </li></ul><ul><li>Ciência básica. País de periferia. </li></ul><ul><li>Desenvolvimento de Patentes. </li></ul>
  12. 12. Nuvem de tags <ul><li>Montadoras: “maquiladoras”. América Latina. </li></ul><ul><li>Países da periferia, lutar pela necessidade de se desenvolver. Mas não recebem estímulos para a ciência básica. </li></ul><ul><li>Cibernética/Informática/Pesquisas interdisciplinares. </li></ul><ul><li>Máquinas que mudaram todas as ciências. </li></ul><ul><li>Pós-humano, ciborgue. </li></ul><ul><li>Multicompetência: a pessoa tem que ter ajuda de outros pesquisadores para formar uma idéia. </li></ul>
  13. 13. Nuvem de tags <ul><li>Migração de conceitos de uma ciência para a outra. </li></ul><ul><li>O código genético, biologia molecular. Noções de informação/organização/auto-regulamentação. </li></ul><ul><li>A disciplina é limitada, tem fronteiras que a caracterizam. </li></ul><ul><li>O autor comenta sobre encontros que revolucionaram -> um terceiro conhecimento (mais complexo). </li></ul><ul><li>Uma terceira fronteira. </li></ul>
  14. 14. Nuvem de tags <ul><li>Dificuldade para os próprios autores e pesquisadores enfrentar essas misturas entre as áreas. Ego. Incertezas. </li></ul><ul><li>Incomplitude. Promovendo um outro aprendizado. Ex. Darwin. Desapego ao que já se sabe para outros conhecimentos. </li></ul><ul><li>Darwin era pouco acadêmico. Outro olhar. Vivacidade. Não estava engessado. Hiper-especializado. </li></ul><ul><li>Movimentos dialéticos. </li></ul>
  15. 15. Nuvem de tags <ul><li>Pensamento não especializado -> senso comum. </li></ul><ul><li>Ruptura epistemológica: distanciamento. </li></ul><ul><li>Não podemos descartar nossos insights, imaginação. Outra ordem? </li></ul><ul><li>Há fronteiras e movimentos contra as fronteiras. </li></ul><ul><li>As fronteiras que se alargam e que até são banidas. </li></ul><ul><li>Fronteiras móveis, não apenas na área de humanas. </li></ul><ul><li>Circulação do conhecimento. </li></ul><ul><li>Espaços de intersecção. </li></ul>
  16. 16. Nuvem de tags <ul><li>Exigências MIT – engenharia e + um curso mais livre. </li></ul><ul><li>McLuhan: veio da literatura. </li></ul><ul><li>Ponto fundamental: Institucionalização da Ciência. </li></ul><ul><li>Departamentos, Projetos. Jeito de a ciência existir, implicações políticas e de poder dentro da ciência. </li></ul><ul><li>Muita coisa que foi estabelecida como fronteira não tem nada a ver com o conhecimento. “Lado negro da lua”. </li></ul><ul><li>“ Olhar inocente”: quebra paradigmas e constrói outras ligações. </li></ul>
  17. 17. Nuvem de tags <ul><li>Case Darwin: curiosidade. </li></ul><ul><li>Anos 50 – biologia molecular, surgiu de forma casual, mas depois foi legitimada com o prêmio Nobel. </li></ul><ul><li>Pensando em nosso curso: Ismar Soares. “Quando o educador do ano é um Educomunicador .” </li></ul><ul><li>Aproveitem muito essa conexão que existe no próprio nome do curso. Hibridação. </li></ul><ul><li>A comunicação, séc. XX, nasce em uma época em que a idéia de disciplina não é tão forte. </li></ul>
  18. 18. Nuvem de tags <ul><li>Aquilo que pode ser considerado uma “fragilidade” da comunicação. </li></ul><ul><li>Durkheim e a psicologia. </li></ul><ul><li>Estranhamento em cima de um campo novo que se apresenta. </li></ul><ul><li>Competência/Qualidade do que se faz. </li></ul><ul><li>A novidade com estranhamento/resistência/autoritarismo. </li></ul><ul><li>Propriedade. Disputa de poder. </li></ul><ul><li>Reserva de Mercado. </li></ul><ul><li>Intersecção que a pessoa não quer entender. </li></ul>
  19. 19. Nuvem de tags <ul><li>A carreira do jornalismo. Reservas de mercado. Permeiam todas as áreas. Nossa tendência daqui há alguns anos? </li></ul><ul><li>Das humanas somos das ciências moles x ciências duras. (Soft/hard sciences). </li></ul><ul><li>Hegemonia das ciências duras. Elas nasceram/se estabeleceram antes. </li></ul><ul><li>O incômodo da comunicação para a área de ciências sociais. </li></ul><ul><li>Tempo e história da comunicação para comunicação/ Reconhecimento. </li></ul>
  20. 20. Nuvem de tags <ul><li>Comunicação: objeto de estudo que se impõem. </li></ul><ul><li>Sai e se impõe por causa dos meios de comunicação de massa. </li></ul><ul><li>Rádio. Ex. Guerra dos Mundos. Orson Wells. Dramatização no rádio – rádionovela. Ouvintes do meio. </li></ul><ul><li>Provocar Pânico. </li></ul><ul><li>Obama e discurso sobre a religião. </li></ul><ul><li>Twitter – vazamento de radiação – Pânico. </li></ul><ul><li>ONU – comunicado/sem riscos. ONU se contradiz e reconhece riscos. </li></ul>
  21. 21. Nuvem de tags <ul><li>História – do Campo da Comunicação. Séc. XX. O tal departamento de comunicação nasceu em uma faculdade de sociologia que queria desenvolver um trabalho sobre rádio. Guerra fria/mercados de sabão-sabonetes. Financiamento dos projetos. </li></ul><ul><li>Pesquisa de comunicação de massa no depto. de sociologia. Mass communication research . </li></ul><ul><li>Trabalho empírico. Grandes projetos. </li></ul><ul><li>Pesquisa pragmática: eficiência. O que o rádio pode fazer pelos EUA na guerra. </li></ul>
  22. 22. Nuvem de tags <ul><li>Nazismo e propaganda via meios de comunicação: imprensa e rádio. </li></ul><ul><li>Cinema, Hitler. Filme italiano: Um dia muito especial retrato cotidiano do que foi o nazismo na vida das pessoas. </li></ul><ul><li>Início de 2011, estudos de tecnologia 3D, nos filmes de Hitler. </li></ul><ul><li>Políticos e assessores de imprensa. </li></ul><ul><li>Carisma. Debate entre Kenedy e Nixon. Primeira eleição de importância da televisão. Vietnã. </li></ul>
  23. 23. Nuvem de tags <ul><li>A questão do meio, da linguagem do meio. McLuhan: “ o meio é a mensagem”. </li></ul><ul><li>O que é que a tela faz. </li></ul><ul><li>Uma coisa é a comunicação escrita. Pensamento/Ordem. </li></ul><ul><li>Outra coisa é um desenho em uma parede. </li></ul><ul><li>Fala/Voz/Rádio. </li></ul><ul><li>Movimento/Imagem/TV – divisor de águas. </li></ul><ul><li>Visualidade é mais que a imagem. </li></ul><ul><li>Complexidade. Mistura/Hibridizada. </li></ul>
  24. 24. Nuvem de tags <ul><li>Transdisciplinaridade: onde as coisas de fundem mesmo. </li></ul><ul><li>Interdisciplinaridade e multi: colaboração entre as disciplinas/duas abordagens. Ex. etnografia. </li></ul><ul><li>Transdisciplinar: as disciplinas somem e fica o projeto. Todos falando de uma mesma coisa, o mesmo objeto. </li></ul><ul><li>Genética: empreitada que envolve uma transdisciplinaridade. Ex. codificação do DNA que tem natureza jurídica. </li></ul>
  25. 25. Nuvem de tags <ul><li>Biologia/Genética/Informação: biogenética, biotecnologia. </li></ul><ul><li>O conceito de disciplina pode ser removido. Só não o é quando permanece importante/útil para a sociedade. </li></ul><ul><li>O que é importante dentro dessa complexidade é o decompor para chegar à disciplina para poder conhecer, organizar. </li></ul><ul><li>Final do texto metadisciplinar: ultrapassa/conserva a disciplina. </li></ul>
  26. 26. Nuvem de tags <ul><li>Meta: debruça-se sobre ela mesma. Ex. epistemologia. </li></ul><ul><li>Pensar e refletir -> meta discurso. </li></ul><ul><li>Ex. Gramática. </li></ul>

×