SlideShare uma empresa Scribd logo

A importância da leitura

1 de 17
Baixar para ler offline
Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v.17, n.2, p.365-381, jul./dez., 2012
365
A IMPORTÂNCIA DO HÁBITO DA LEITURA NA
UNIVERSIDADE
Erik André de Nazaré Pires
Resumo: Trata da questão do quanto é fundamental o exercício da leitura no
segmento acadêmico, pois influencia diretamente na formação e qualificação
profissional. Objetiva em termos gerais colocar em pauta esse aspecto
tradicionalista que envolve a formação de um cidadão com visão de mundo mais
crítica. O procedimento metodológico empregado consiste da pesquisa
bibliográfica para fundamentar a produção textual do trabalho. A sociedade na qual
estamos ambientados requer pessoas que exerçam a cidadania de maneira adequada
para proporcionar um melhor desenvolvimento da mesma. Entende-se que os
graduandos em Biblioteconomia ou qualquer outra graduação precisam ser mais
conscientes quanto ao hábito constante da leitura, seja de obras que estão nos
moldes físicos ou eletrônicos.
Palavras-chave: Leitura. Sociedade. Biblioteconomia.
1 INTRODUÇÃO
No que confere para subsidiar a elaboração do corpo textual
foi realizado uma pesquisa bibliográfica que segundo Eco (2010) é
tido como primeiro passo na condução da pesquisa científica, no qual
abrangeu a leitura, análise e interpretação de livros, artigos de
periódicos tanto no formato impresso quanto no digital dentre outros
materiais informativos sobre a temática abordada.
Lakatos e Marconi (2005, p. 183) asseveram que esse tipo de
pesquisa “abrange toda bibliografia já tornada pública em relação ao
tema de estudo, desde publicações avulsas, boletins, jornais, revistas,
livros, pesquisas, monografias, teses, material cartográfico etc.
Consta no seu objetivo com enfoque geral colocar em pauta
esse aspecto tradicionalista que envolve a formação de um cidadão
Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v.17, n.2, p.365-381, jul./dez., 2012
366
com visão de mundo mais crítica e nos objetivos específicos:
acentuar que forma condizente que esse hábito faz-se necessário no
dia dia do graduando para que o mesmo possa qualificar-se com
melhor proficiência e relatar que o hábito de leitura além de fomentar
o conhecimento serve para ajudar a construir uma sociedade com
indivíduos melhores preparados no que diz respeito a praticarem os
seus direitos como cidadãos de maneira ativa.
A leitura fornece subsídios à atualização e educação
continuada, elementos esses fundamentais ao profissional de
Biblioteconomia e de outras áreas do conhecimento. Em sua
etimologia, o significado de leitura representa: “em grego, o pleno
sentido de ler, como legei é colher, recolher, juntar, que o latim
transformou em lego, legis, legere, denominado juntar
horizontalmente as coisas com o olhar” (CAMURÇA, 2011, não
paginado).
Conforme entende Martins (1982, p. 55), a leitura consiste
em:
[...] um processamento estruturado em torno da
compreensão de conteúdos (informação) nas
dimensões simbólicas (sentidos) e formais
(organização dos signos), para o qual não importa
tanto a linguagem, mas sim como os significados são
exteriorizados pelos autores e assimilados pelos
leitores.
Assim, Freire (2005) ensina que ler um texto é uma prática
que está além da simples capacidade de decodificar signos, mas que
se aprende e se exercita ao longo de toda vida pela leitura do mundo,
ou seja, da realidade na qual o leitor/sujeito está inserido e na qual
ele constrói suas relações sociais.
No que compete ao entendimento que se tem no momento da
sua compreensão, pode-se observar as seguintes habilidades
elencadas por Camurça (2011, não paginado): “[...] habilidade de
Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v.17, n.2, p.365-381, jul./dez., 2012
367
fazer proposições, identificar lacunas de informação, distinguir entre
observações e interferências, raciocinar hipoteticamente, e exercitar a
metacoginição”. Isso reflete como a prática deve ser realizada de
forma proficiente e condizente com o objetivo informacional que
cada indivíduo tem para satisfazer a sua necessidade de obtenção da
informação.
Uma visão mais técnica de leitura – e que por isso se opõe ao
entendimento de Freire (2005) – é dada por Ferreira (2004, p. 511),
que vê a leitura quase sempre como uma operação na qual se pode
“[...] percorrer, em um meio físico, sequências de marcas codificadas
que representam informações registradas, e reconvertê-las à forma
anterior (como imagens, sons, dados para processamento)”, com o
intuito de decodificar o que está registrado de forma condizente e
eficaz.
2 A LEITURA NA FOMENTAÇÃO DO CONHECIMENTO
Para Carvalho et. al. (2006, p. 20), uma leitura eficiente na
sociedade do conhecimento prevê que: “o ser humano precisa
realizar leituras diversificadas e de qualidade para sobreviver na era
da globalização. O mais importante é saber selecionar as leituras
evitando a sobrecarga informacional” o que resultará num melhor
aproveitamento na obtenção da informação. Assim, conclui-se que a
prática da leitura é fundamental para a construção de um indivíduo
com melhor senso crítico.
Com efeito, pelo que se pode analisar sobre a relação das
TIC’s e a leitura é que elas permitem ao leitor a construção de uma
trajetória de autoaprendizagem mais qualificada e não linear, haja
vista a quantidade de informações disponíveis na Rede Mundial de
Computadores – devidamente filtradas – podem ser combinadas e
recombinadas em conexões mentais diversificadas, ou, ainda,
Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v.17, n.2, p.365-381, jul./dez., 2012
368
redefinidas pelo acesso simultâneo a páginas de material informativo
ou por ligações entre diferentes tópicos, sites e páginas.
Esse ordenamento entre um emaranhado de conexões
textuais, imagéticas e audiovisuais, associado à intertextualidade dos
links, parece funcionar como um prolongamento do cérebro humano,
convidando o leitor ao desenvolvimento de uma estratégia de leitura
inovadora; bem como ao aprimoramento das habilidades, em especial
a de saber localizar informações de qualidade e confiáveis,
eliminando aquilo que se pode considerar lixo informacional.
Na perspectiva da Biblioteconomia e da Ciência da
Informação, esse aprendizado das TIC’s, tem sido explicado à luz do
conceito de competência informacional (information literacy), o qual
se revela como “[...] catalisador das mudanças do papel da biblioteca
em face das exigências da educação no século XXI” (CAMPELLO,
2003, p. 29), representando uma iniciativa dos bibliotecários
americanos dos anos de 1970 em direção a uma atuação mais efetiva
na educação dos usuários das bibliotecas, e que chegou ao Brasil
somente no início deste século.
É em face do potencial cognitivo das TIC’s no campo da
educação que a apropriação dessas ferramentas por professores,
bibliotecários, pesquisadores e alunos de diferentes níveis de ensino
pode resultar em uma experiência educativa enriquecedora, o que
implica na necessidade não só de conhecê-las e utilizá-las, mas
também na responsabilidade compartilhada de saber ensinar o modo
mais eficiente de empregá-las nas tarefas cotidianas, sejam essas
ligadas ao lazer, à pesquisa, ao estudo ou ao trabalho.
A considerar-se a área da Biblioteconomia e da Ciência da
Informação, a leitura é imprescindível para essas segmentações do
conhecimento, pois, sem esse hábito, as mesmas lidam com um
objeto fantasioso (ALMEIDA JÚNIOR, 2007), juntamente com o
uso da TIC’s para suprir essa necessidade informacional.
Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v.17, n.2, p.365-381, jul./dez., 2012
369
O ambiente online tem crescido consideravelmente no cenário
nacional. O Projeto Portal da Capes, na esfera federal, vem
contemplando professores, pesquisadores e alunos de diferentes
cursos de graduação e pós-graduação, inclusive em Biblioteconomia,
com a possibilidade de acesso à literatura internacional. Essa
ferramenta tem propiciado opções das mais diversificadas e
sofisticadas de leitura especializada em ambiente web,
principalmente pelo download de textos em diferentes idiomas,
estruturados em mídias legíveis por computadores, em formato
Portable Document Format (PDF) ou Hyper Text Markup Language
(HTML), colocando os leitores em contato com informações
atualizadas e escritas por experts em periódicos de prestígio
científico.
Outros serviços facilitadores para a leitura podem ser
encontrados nas bibliotecas eletrônicas. De acordo com Oppeheim
(1997 apud ROWLEY, 2002, p. 4), esse tipo de biblioteca consiste
em ser: “[...] uma coleção organizada e administrada de informações
numa variedade de meios (textos, imagem fixa, imagens em
movimento, som ou suas combinações), porém, todos em formatos
digitais”. Como se vê tais serviços têm se multiplicado desde as
últimas décadas do século passado e de maneira acentuadamente
rápida. Por meio deles pode-se, por exemplo, realizar leituras de
livros na íntegra (e-books), além de ter acesso a conteúdos de teses,
dissertações, artigos e outros tipos de trabalhos científicos
distribuídos remotamente nas universidades e nos institutos de
pesquisa.
Sobre os trabalhos resultantes de cursos de pós-graduação
stricto senso, há que se observar que até pouco mais de dez (10) anos
eles eram minimamente lidos, estando, quando possível,
armazenados nas estantes das bibliotecas universitárias, a espera de
leitores que se dirigissem até esses espaços para consultá-los. Assim,
com o desenvolvimento e com a expansão da internet e de outras
Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v.17, n.2, p.365-381, jul./dez., 2012
370
ferramentas, foi que a informação de interesse técnico e científico
pôde ser mais amplamente acessada, não só nas universidades e nas
instituições de pesquisa, mas principalmente pela sociedade maior,
resultando em uma nova realidade para os leitores.
Para a informação conseguir o efeito necessário para ajudar
no processo de construção do conhecimento, a mesma deve ser um
“impulso, impacto que altere o conhecimento” (ALMEIDA JÚNIOR,
2011, informação verbal), pelo qual o usuário tenha a possibilidade
de obter mais informações, em função disso, permitirá um aumento
de seu intelecto científico e cultural para a produção do
conhecimento.
3 A IMPORTÂNCIA DESSE HÁBITO NO AMBIENTE
ACADÊMICO
O ato da leitura representa um processo fundamental na vida
acadêmica, que requer o uso frequente desse expediente, pois, a
mesma “[..] contempla uma necessidade, que pode ser profissional,
existencial ou a simples necessidade do prazer de ler”
(CARAVANTES, 2006, p. 25).
Na verdade, esse procedimento é adotado desde a
alfabetização, pois “como domínio de habilidades especificas e de
formas particulares de conhecimento, a alfabetização deve tornar-se
precondição da emancipação social e cultural” (FREIRE, 1990, p. 2),
sendo de suma importância para a formação de um indivíduo melhor
preparado, para que no futuro, quando adentrar no ensino superior,
tenha maturidade para enfrentar a vida acadêmica.
Existem dois tipos de motivações principais que são basilares
para a realização da leitura, que são “a investigativa, com efeitos para
estudos ou atividades de trabalho, e a de lazer” (DUMONT, 2007, p.
72), que tornam essa prática dinâmica e proveitosa no uso correto da
informação.

Recomendados

Biblioteca Escolar e Escola Uma relação evidente
Biblioteca Escolar e Escola Uma relação evidenteBiblioteca Escolar e Escola Uma relação evidente
Biblioteca Escolar e Escola Uma relação evidenteMarcos Rosendo
 
Letramento bibliotecas universitárias
Letramento bibliotecas universitáriasLetramento bibliotecas universitárias
Letramento bibliotecas universitáriasLeonardo Renault
 
Be significados para os alunos
Be   significados para os alunosBe   significados para os alunos
Be significados para os alunosDomingos Boieiro
 
Transicoes para futuros_desejaveis_das_be_1_
Transicoes para futuros_desejaveis_das_be_1_Transicoes para futuros_desejaveis_das_be_1_
Transicoes para futuros_desejaveis_das_be_1_Teresa Gonçalves
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (9)

A influência da internet nos hábitos da leitura
A influência da internet nos hábitos da leituraA influência da internet nos hábitos da leitura
A influência da internet nos hábitos da leitura
 
Artigo leitura uma porta aberta...
Artigo leitura   uma porta aberta...Artigo leitura   uma porta aberta...
Artigo leitura uma porta aberta...
 
Leitura e escrita disléxicos
Leitura e escrita disléxicosLeitura e escrita disléxicos
Leitura e escrita disléxicos
 
Artigo rse
Artigo rseArtigo rse
Artigo rse
 
Projeto a leitura e as ciências
Projeto a leitura e as ciênciasProjeto a leitura e as ciências
Projeto a leitura e as ciências
 
Leitura processo - Delaine Cafiero
Leitura processo - Delaine CafieroLeitura processo - Delaine Cafiero
Leitura processo - Delaine Cafiero
 
Dossier.questoes e razoes.82
Dossier.questoes e razoes.82Dossier.questoes e razoes.82
Dossier.questoes e razoes.82
 
Literatura e ti cs
Literatura e ti csLiteratura e ti cs
Literatura e ti cs
 
Papel do Bibliotecário
Papel do BibliotecárioPapel do Bibliotecário
Papel do Bibliotecário
 

Semelhante a A importância da leitura

O futuro da biblioteconomia no brasil texto da profa. vania lima
O futuro da biblioteconomia no brasil   texto da profa. vania limaO futuro da biblioteconomia no brasil   texto da profa. vania lima
O futuro da biblioteconomia no brasil texto da profa. vania limaMonitor Científico FaBCI
 
Celoi fabbrin
Celoi fabbrin Celoi fabbrin
Celoi fabbrin equipetics
 
Repensando a biblioteca escolar, traugott, wolffenbuttel
Repensando a biblioteca escolar, traugott, wolffenbuttelRepensando a biblioteca escolar, traugott, wolffenbuttel
Repensando a biblioteca escolar, traugott, wolffenbuttelpibiduergsmontenegro
 
II Sicea Inter-regional Sul-Sudeste e IV Jornada Acadêmica do CAp/UFRJ
II Sicea Inter-regional Sul-Sudeste e IV Jornada Acadêmica do CAp/UFRJII Sicea Inter-regional Sul-Sudeste e IV Jornada Acadêmica do CAp/UFRJ
II Sicea Inter-regional Sul-Sudeste e IV Jornada Acadêmica do CAp/UFRJTatyanne Valdez
 
A formação de leitores na educação infantil
A formação de leitores na educação infantilA formação de leitores na educação infantil
A formação de leitores na educação infantilMarcia Gomes
 
Ações educativas da Biblioteca do Colégio de Aplicação da UFRJ
Ações educativas da Biblioteca do Colégio de Aplicação da UFRJ Ações educativas da Biblioteca do Colégio de Aplicação da UFRJ
Ações educativas da Biblioteca do Colégio de Aplicação da UFRJ Tatyanne Valdez
 
Cirene Sousa E Silva
Cirene Sousa E SilvaCirene Sousa E Silva
Cirene Sousa E Silvawaleri
 
Lit inf folheto_3_dt
Lit inf folheto_3_dtLit inf folheto_3_dt
Lit inf folheto_3_dtCelia MLB
 
Projeto a leitura e as ciências
Projeto a leitura e as ciênciasProjeto a leitura e as ciências
Projeto a leitura e as ciênciasmanjosp
 
A importância do ensino da libras para a formação do bibliotecário joice di...
A importância do ensino da libras para a formação do bibliotecário   joice di...A importância do ensino da libras para a formação do bibliotecário   joice di...
A importância do ensino da libras para a formação do bibliotecário joice di...Joice Dias Costa
 
Valor actual da be fundamentação
Valor actual da be fundamentaçãoValor actual da be fundamentação
Valor actual da be fundamentaçãoesperancasantos
 
Estrategias De Incentivo A Leitura Furtado
Estrategias De Incentivo A Leitura  FurtadoEstrategias De Incentivo A Leitura  Furtado
Estrategias De Incentivo A Leitura FurtadoCassia Furtado
 
Aprender com a_biblioteca_escolar
Aprender com a_biblioteca_escolarAprender com a_biblioteca_escolar
Aprender com a_biblioteca_escolarSandra Rebelo
 
Sobradinho - Fátima Regina da Silva Bandeira
Sobradinho - Fátima Regina da Silva BandeiraSobradinho - Fátima Regina da Silva Bandeira
Sobradinho - Fátima Regina da Silva BandeiraCursoTICs
 
Projeto de Pesquisa - Doutorado - ECA
Projeto de Pesquisa - Doutorado - ECAProjeto de Pesquisa - Doutorado - ECA
Projeto de Pesquisa - Doutorado - ECADalton Martins
 

Semelhante a A importância da leitura (20)

O futuro da biblioteconomia no brasil texto da profa. vania lima
O futuro da biblioteconomia no brasil   texto da profa. vania limaO futuro da biblioteconomia no brasil   texto da profa. vania lima
O futuro da biblioteconomia no brasil texto da profa. vania lima
 
letramento_digital.pptx
letramento_digital.pptxletramento_digital.pptx
letramento_digital.pptx
 
Celoi fabbrin
Celoi fabbrin Celoi fabbrin
Celoi fabbrin
 
Repensando a biblioteca escolar, traugott, wolffenbuttel
Repensando a biblioteca escolar, traugott, wolffenbuttelRepensando a biblioteca escolar, traugott, wolffenbuttel
Repensando a biblioteca escolar, traugott, wolffenbuttel
 
II Sicea Inter-regional Sul-Sudeste e IV Jornada Acadêmica do CAp/UFRJ
II Sicea Inter-regional Sul-Sudeste e IV Jornada Acadêmica do CAp/UFRJII Sicea Inter-regional Sul-Sudeste e IV Jornada Acadêmica do CAp/UFRJ
II Sicea Inter-regional Sul-Sudeste e IV Jornada Acadêmica do CAp/UFRJ
 
TRANSLITERACY NA EDUCAÇÃO INFORMAL; PAPEL DA BIBLIOTECA ESCOLAR
TRANSLITERACY NA EDUCAÇÃO INFORMAL; PAPEL DA BIBLIOTECA ESCOLARTRANSLITERACY NA EDUCAÇÃO INFORMAL; PAPEL DA BIBLIOTECA ESCOLAR
TRANSLITERACY NA EDUCAÇÃO INFORMAL; PAPEL DA BIBLIOTECA ESCOLAR
 
A formação de leitores na educação infantil
A formação de leitores na educação infantilA formação de leitores na educação infantil
A formação de leitores na educação infantil
 
Ações educativas da Biblioteca do Colégio de Aplicação da UFRJ
Ações educativas da Biblioteca do Colégio de Aplicação da UFRJ Ações educativas da Biblioteca do Colégio de Aplicação da UFRJ
Ações educativas da Biblioteca do Colégio de Aplicação da UFRJ
 
Ler mais, ler melhor
Ler mais, ler melhorLer mais, ler melhor
Ler mais, ler melhor
 
Monografia Francieli Pedagogia 2010
Monografia Francieli Pedagogia 2010Monografia Francieli Pedagogia 2010
Monografia Francieli Pedagogia 2010
 
Cirene Sousa E Silva
Cirene Sousa E SilvaCirene Sousa E Silva
Cirene Sousa E Silva
 
Lit inf folheto_3_dt
Lit inf folheto_3_dtLit inf folheto_3_dt
Lit inf folheto_3_dt
 
Projeto a leitura e as ciências
Projeto a leitura e as ciênciasProjeto a leitura e as ciências
Projeto a leitura e as ciências
 
A importância do ensino da libras para a formação do bibliotecário joice di...
A importância do ensino da libras para a formação do bibliotecário   joice di...A importância do ensino da libras para a formação do bibliotecário   joice di...
A importância do ensino da libras para a formação do bibliotecário joice di...
 
Valor actual da be fundamentação
Valor actual da be fundamentaçãoValor actual da be fundamentação
Valor actual da be fundamentação
 
Estrategias De Incentivo A Leitura Furtado
Estrategias De Incentivo A Leitura  FurtadoEstrategias De Incentivo A Leitura  Furtado
Estrategias De Incentivo A Leitura Furtado
 
Repensando a biblioteca escolar
Repensando a biblioteca escolarRepensando a biblioteca escolar
Repensando a biblioteca escolar
 
Aprender com a_biblioteca_escolar
Aprender com a_biblioteca_escolarAprender com a_biblioteca_escolar
Aprender com a_biblioteca_escolar
 
Sobradinho - Fátima Regina da Silva Bandeira
Sobradinho - Fátima Regina da Silva BandeiraSobradinho - Fátima Regina da Silva Bandeira
Sobradinho - Fátima Regina da Silva Bandeira
 
Projeto de Pesquisa - Doutorado - ECA
Projeto de Pesquisa - Doutorado - ECAProjeto de Pesquisa - Doutorado - ECA
Projeto de Pesquisa - Doutorado - ECA
 

Mais de claudia murta

Competências e habilidades
Competências e habilidadesCompetências e habilidades
Competências e habilidadesclaudia murta
 
Linguagem de especialidade
Linguagem de especialidadeLinguagem de especialidade
Linguagem de especialidadeclaudia murta
 
Instrumento e grade de avaliação estudos sintáticos
Instrumento e grade de avaliação estudos sintáticosInstrumento e grade de avaliação estudos sintáticos
Instrumento e grade de avaliação estudos sintáticosclaudia murta
 
Apresentação disciplina avaliação 03-10 (1)
Apresentação disciplina avaliação   03-10 (1)Apresentação disciplina avaliação   03-10 (1)
Apresentação disciplina avaliação 03-10 (1)claudia murta
 
O que é mesmo o ato de avaliar
O que é mesmo o ato de avaliarO que é mesmo o ato de avaliar
O que é mesmo o ato de avaliarclaudia murta
 
Escrita semplagio final
Escrita semplagio finalEscrita semplagio final
Escrita semplagio finalclaudia murta
 
Colecao de mapas_conceituais
Colecao de mapas_conceituaisColecao de mapas_conceituais
Colecao de mapas_conceituaisclaudia murta
 
Modernismo iii fase(7)
Modernismo iii fase(7)Modernismo iii fase(7)
Modernismo iii fase(7)claudia murta
 
Metodologia pesquisa
Metodologia pesquisaMetodologia pesquisa
Metodologia pesquisaclaudia murta
 
Romantismo contexto histórico
Romantismo contexto histórico Romantismo contexto histórico
Romantismo contexto histórico claudia murta
 
Vanguardas Europeias
Vanguardas EuropeiasVanguardas Europeias
Vanguardas Europeiasclaudia murta
 

Mais de claudia murta (20)

Competências e habilidades
Competências e habilidadesCompetências e habilidades
Competências e habilidades
 
Texto argumentativo
Texto argumentativoTexto argumentativo
Texto argumentativo
 
Linguagem de especialidade
Linguagem de especialidadeLinguagem de especialidade
Linguagem de especialidade
 
Ideias de Maturana
Ideias de MaturanaIdeias de Maturana
Ideias de Maturana
 
Diários todos
Diários todosDiários todos
Diários todos
 
Instrumento e grade de avaliação estudos sintáticos
Instrumento e grade de avaliação estudos sintáticosInstrumento e grade de avaliação estudos sintáticos
Instrumento e grade de avaliação estudos sintáticos
 
Texto alvarez
Texto alvarezTexto alvarez
Texto alvarez
 
Apresentação disciplina avaliação 03-10 (1)
Apresentação disciplina avaliação   03-10 (1)Apresentação disciplina avaliação   03-10 (1)
Apresentação disciplina avaliação 03-10 (1)
 
Autoavaliação
AutoavaliaçãoAutoavaliação
Autoavaliação
 
Autoavaliação
AutoavaliaçãoAutoavaliação
Autoavaliação
 
O que é mesmo o ato de avaliar
O que é mesmo o ato de avaliarO que é mesmo o ato de avaliar
O que é mesmo o ato de avaliar
 
Quinhentismo(1)
Quinhentismo(1)Quinhentismo(1)
Quinhentismo(1)
 
Escrita semplagio final
Escrita semplagio finalEscrita semplagio final
Escrita semplagio final
 
Colecao de mapas_conceituais
Colecao de mapas_conceituaisColecao de mapas_conceituais
Colecao de mapas_conceituais
 
Modernismo iii fase(7)
Modernismo iii fase(7)Modernismo iii fase(7)
Modernismo iii fase(7)
 
Figuras linguagem2
Figuras linguagem2Figuras linguagem2
Figuras linguagem2
 
Figuras linguagem
Figuras linguagemFiguras linguagem
Figuras linguagem
 
Metodologia pesquisa
Metodologia pesquisaMetodologia pesquisa
Metodologia pesquisa
 
Romantismo contexto histórico
Romantismo contexto histórico Romantismo contexto histórico
Romantismo contexto histórico
 
Vanguardas Europeias
Vanguardas EuropeiasVanguardas Europeias
Vanguardas Europeias
 

Último

1. Qual é a principal política pública que está sendo negada às Marias no víd...
1. Qual é a principal política pública que está sendo negada às Marias no víd...1. Qual é a principal política pública que está sendo negada às Marias no víd...
1. Qual é a principal política pública que está sendo negada às Marias no víd...azulassessoriaacadem3
 
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...azulassessoriaacadem3
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...excellenceeducaciona
 
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIACONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIAHenrique Pontes
 
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...Prime Assessoria
 
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...azulassessoriaacadem3
 
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º anoReprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º anoMariaJoão Agualuza
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...excellenceeducaciona
 
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...azulassessoriaacadem3
 
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...azulassessoriaacadem3
 
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento Mary Alvarenga
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...excellenceeducaciona
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...azulassessoriaacadem3
 
08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da MulherMary Alvarenga
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...azulassessoriaacadem3
 
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...excellenceeducaciona
 
A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...
A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...
A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...Prime Assessoria
 
B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...
B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...
B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...Prime Assessoria
 
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptxAndreia Silva
 

Último (20)

Namorar não és ser don .
Namorar não és ser don                  .Namorar não és ser don                  .
Namorar não és ser don .
 
1. Qual é a principal política pública que está sendo negada às Marias no víd...
1. Qual é a principal política pública que está sendo negada às Marias no víd...1. Qual é a principal política pública que está sendo negada às Marias no víd...
1. Qual é a principal política pública que está sendo negada às Marias no víd...
 
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
 
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIACONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
 
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
 
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
 
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º anoReprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
 
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
 
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
 
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
 
08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
 
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...
 
A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...
A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...
A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...
 
B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...
B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...
B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...
 
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
 

A importância da leitura

  • 1. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v.17, n.2, p.365-381, jul./dez., 2012 365 A IMPORTÂNCIA DO HÁBITO DA LEITURA NA UNIVERSIDADE Erik André de Nazaré Pires Resumo: Trata da questão do quanto é fundamental o exercício da leitura no segmento acadêmico, pois influencia diretamente na formação e qualificação profissional. Objetiva em termos gerais colocar em pauta esse aspecto tradicionalista que envolve a formação de um cidadão com visão de mundo mais crítica. O procedimento metodológico empregado consiste da pesquisa bibliográfica para fundamentar a produção textual do trabalho. A sociedade na qual estamos ambientados requer pessoas que exerçam a cidadania de maneira adequada para proporcionar um melhor desenvolvimento da mesma. Entende-se que os graduandos em Biblioteconomia ou qualquer outra graduação precisam ser mais conscientes quanto ao hábito constante da leitura, seja de obras que estão nos moldes físicos ou eletrônicos. Palavras-chave: Leitura. Sociedade. Biblioteconomia. 1 INTRODUÇÃO No que confere para subsidiar a elaboração do corpo textual foi realizado uma pesquisa bibliográfica que segundo Eco (2010) é tido como primeiro passo na condução da pesquisa científica, no qual abrangeu a leitura, análise e interpretação de livros, artigos de periódicos tanto no formato impresso quanto no digital dentre outros materiais informativos sobre a temática abordada. Lakatos e Marconi (2005, p. 183) asseveram que esse tipo de pesquisa “abrange toda bibliografia já tornada pública em relação ao tema de estudo, desde publicações avulsas, boletins, jornais, revistas, livros, pesquisas, monografias, teses, material cartográfico etc. Consta no seu objetivo com enfoque geral colocar em pauta esse aspecto tradicionalista que envolve a formação de um cidadão
  • 2. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v.17, n.2, p.365-381, jul./dez., 2012 366 com visão de mundo mais crítica e nos objetivos específicos: acentuar que forma condizente que esse hábito faz-se necessário no dia dia do graduando para que o mesmo possa qualificar-se com melhor proficiência e relatar que o hábito de leitura além de fomentar o conhecimento serve para ajudar a construir uma sociedade com indivíduos melhores preparados no que diz respeito a praticarem os seus direitos como cidadãos de maneira ativa. A leitura fornece subsídios à atualização e educação continuada, elementos esses fundamentais ao profissional de Biblioteconomia e de outras áreas do conhecimento. Em sua etimologia, o significado de leitura representa: “em grego, o pleno sentido de ler, como legei é colher, recolher, juntar, que o latim transformou em lego, legis, legere, denominado juntar horizontalmente as coisas com o olhar” (CAMURÇA, 2011, não paginado). Conforme entende Martins (1982, p. 55), a leitura consiste em: [...] um processamento estruturado em torno da compreensão de conteúdos (informação) nas dimensões simbólicas (sentidos) e formais (organização dos signos), para o qual não importa tanto a linguagem, mas sim como os significados são exteriorizados pelos autores e assimilados pelos leitores. Assim, Freire (2005) ensina que ler um texto é uma prática que está além da simples capacidade de decodificar signos, mas que se aprende e se exercita ao longo de toda vida pela leitura do mundo, ou seja, da realidade na qual o leitor/sujeito está inserido e na qual ele constrói suas relações sociais. No que compete ao entendimento que se tem no momento da sua compreensão, pode-se observar as seguintes habilidades elencadas por Camurça (2011, não paginado): “[...] habilidade de
  • 3. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v.17, n.2, p.365-381, jul./dez., 2012 367 fazer proposições, identificar lacunas de informação, distinguir entre observações e interferências, raciocinar hipoteticamente, e exercitar a metacoginição”. Isso reflete como a prática deve ser realizada de forma proficiente e condizente com o objetivo informacional que cada indivíduo tem para satisfazer a sua necessidade de obtenção da informação. Uma visão mais técnica de leitura – e que por isso se opõe ao entendimento de Freire (2005) – é dada por Ferreira (2004, p. 511), que vê a leitura quase sempre como uma operação na qual se pode “[...] percorrer, em um meio físico, sequências de marcas codificadas que representam informações registradas, e reconvertê-las à forma anterior (como imagens, sons, dados para processamento)”, com o intuito de decodificar o que está registrado de forma condizente e eficaz. 2 A LEITURA NA FOMENTAÇÃO DO CONHECIMENTO Para Carvalho et. al. (2006, p. 20), uma leitura eficiente na sociedade do conhecimento prevê que: “o ser humano precisa realizar leituras diversificadas e de qualidade para sobreviver na era da globalização. O mais importante é saber selecionar as leituras evitando a sobrecarga informacional” o que resultará num melhor aproveitamento na obtenção da informação. Assim, conclui-se que a prática da leitura é fundamental para a construção de um indivíduo com melhor senso crítico. Com efeito, pelo que se pode analisar sobre a relação das TIC’s e a leitura é que elas permitem ao leitor a construção de uma trajetória de autoaprendizagem mais qualificada e não linear, haja vista a quantidade de informações disponíveis na Rede Mundial de Computadores – devidamente filtradas – podem ser combinadas e recombinadas em conexões mentais diversificadas, ou, ainda,
  • 4. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v.17, n.2, p.365-381, jul./dez., 2012 368 redefinidas pelo acesso simultâneo a páginas de material informativo ou por ligações entre diferentes tópicos, sites e páginas. Esse ordenamento entre um emaranhado de conexões textuais, imagéticas e audiovisuais, associado à intertextualidade dos links, parece funcionar como um prolongamento do cérebro humano, convidando o leitor ao desenvolvimento de uma estratégia de leitura inovadora; bem como ao aprimoramento das habilidades, em especial a de saber localizar informações de qualidade e confiáveis, eliminando aquilo que se pode considerar lixo informacional. Na perspectiva da Biblioteconomia e da Ciência da Informação, esse aprendizado das TIC’s, tem sido explicado à luz do conceito de competência informacional (information literacy), o qual se revela como “[...] catalisador das mudanças do papel da biblioteca em face das exigências da educação no século XXI” (CAMPELLO, 2003, p. 29), representando uma iniciativa dos bibliotecários americanos dos anos de 1970 em direção a uma atuação mais efetiva na educação dos usuários das bibliotecas, e que chegou ao Brasil somente no início deste século. É em face do potencial cognitivo das TIC’s no campo da educação que a apropriação dessas ferramentas por professores, bibliotecários, pesquisadores e alunos de diferentes níveis de ensino pode resultar em uma experiência educativa enriquecedora, o que implica na necessidade não só de conhecê-las e utilizá-las, mas também na responsabilidade compartilhada de saber ensinar o modo mais eficiente de empregá-las nas tarefas cotidianas, sejam essas ligadas ao lazer, à pesquisa, ao estudo ou ao trabalho. A considerar-se a área da Biblioteconomia e da Ciência da Informação, a leitura é imprescindível para essas segmentações do conhecimento, pois, sem esse hábito, as mesmas lidam com um objeto fantasioso (ALMEIDA JÚNIOR, 2007), juntamente com o uso da TIC’s para suprir essa necessidade informacional.
  • 5. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v.17, n.2, p.365-381, jul./dez., 2012 369 O ambiente online tem crescido consideravelmente no cenário nacional. O Projeto Portal da Capes, na esfera federal, vem contemplando professores, pesquisadores e alunos de diferentes cursos de graduação e pós-graduação, inclusive em Biblioteconomia, com a possibilidade de acesso à literatura internacional. Essa ferramenta tem propiciado opções das mais diversificadas e sofisticadas de leitura especializada em ambiente web, principalmente pelo download de textos em diferentes idiomas, estruturados em mídias legíveis por computadores, em formato Portable Document Format (PDF) ou Hyper Text Markup Language (HTML), colocando os leitores em contato com informações atualizadas e escritas por experts em periódicos de prestígio científico. Outros serviços facilitadores para a leitura podem ser encontrados nas bibliotecas eletrônicas. De acordo com Oppeheim (1997 apud ROWLEY, 2002, p. 4), esse tipo de biblioteca consiste em ser: “[...] uma coleção organizada e administrada de informações numa variedade de meios (textos, imagem fixa, imagens em movimento, som ou suas combinações), porém, todos em formatos digitais”. Como se vê tais serviços têm se multiplicado desde as últimas décadas do século passado e de maneira acentuadamente rápida. Por meio deles pode-se, por exemplo, realizar leituras de livros na íntegra (e-books), além de ter acesso a conteúdos de teses, dissertações, artigos e outros tipos de trabalhos científicos distribuídos remotamente nas universidades e nos institutos de pesquisa. Sobre os trabalhos resultantes de cursos de pós-graduação stricto senso, há que se observar que até pouco mais de dez (10) anos eles eram minimamente lidos, estando, quando possível, armazenados nas estantes das bibliotecas universitárias, a espera de leitores que se dirigissem até esses espaços para consultá-los. Assim, com o desenvolvimento e com a expansão da internet e de outras
  • 6. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v.17, n.2, p.365-381, jul./dez., 2012 370 ferramentas, foi que a informação de interesse técnico e científico pôde ser mais amplamente acessada, não só nas universidades e nas instituições de pesquisa, mas principalmente pela sociedade maior, resultando em uma nova realidade para os leitores. Para a informação conseguir o efeito necessário para ajudar no processo de construção do conhecimento, a mesma deve ser um “impulso, impacto que altere o conhecimento” (ALMEIDA JÚNIOR, 2011, informação verbal), pelo qual o usuário tenha a possibilidade de obter mais informações, em função disso, permitirá um aumento de seu intelecto científico e cultural para a produção do conhecimento. 3 A IMPORTÂNCIA DESSE HÁBITO NO AMBIENTE ACADÊMICO O ato da leitura representa um processo fundamental na vida acadêmica, que requer o uso frequente desse expediente, pois, a mesma “[..] contempla uma necessidade, que pode ser profissional, existencial ou a simples necessidade do prazer de ler” (CARAVANTES, 2006, p. 25). Na verdade, esse procedimento é adotado desde a alfabetização, pois “como domínio de habilidades especificas e de formas particulares de conhecimento, a alfabetização deve tornar-se precondição da emancipação social e cultural” (FREIRE, 1990, p. 2), sendo de suma importância para a formação de um indivíduo melhor preparado, para que no futuro, quando adentrar no ensino superior, tenha maturidade para enfrentar a vida acadêmica. Existem dois tipos de motivações principais que são basilares para a realização da leitura, que são “a investigativa, com efeitos para estudos ou atividades de trabalho, e a de lazer” (DUMONT, 2007, p. 72), que tornam essa prática dinâmica e proveitosa no uso correto da informação.
  • 7. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v.17, n.2, p.365-381, jul./dez., 2012 371 Além de transmitir informação, o que consequentemente poderá gerar conhecimento, é imprescindível para o discente, independentemente da graduação que esteja cursando, haja vista, que todas as áreas de atuação profissional requerem de fontes de informação qualificadas para suprir a necessidade informacional, portanto, os discentes que necessitam dessa prática tão elementar para a obtenção de uma qualificação satisfatória diante de um mercado de trabalho tão exigente na contemporaneidade, sendo que a leitura faz parte dessa exigência, uma vez que a mesma constitui-se num “[...] importante instrumento para a vida social e cognitiva do sujeito, o que qualifica sua inserção no âmbito social, político, econômico e cultural” (BOSO et al., 2010, p. 24). O processo de leitura na graduação torna-se essencial para um desenvolvimento profissional mais qualificado atrelado à obtenção de conhecimento. No que se refere a essa prática Jouve (2002, p. 17) ensina que leitura: é uma atividade complexa, plural, que se desenvolve em várias direções […] é antes de mais nada um ato concreto, observável, que recorre a atividades definidas pelo ser humano. Com efeito, nenhuma leitura é possível sem um funcionamento do aparelho visual e de diferentes funções do cérebro. Ler é, anteriormente a qualquer análise do conteúdo, uma operação de percepção, de identificação e de memorização dos signos. Para se exercer essa prática tão fundamental à formação pessoal, acadêmica e profissional, as ações de incentivo à cultura contribuem deveras na conjectura informacional, pois, segundo Monteiro (2010), as ações culturais constituem de instrumentos eficientes tidas como principal meio de se obter sucesso na promoção e no incentivo à leitura, pois geram informação e conhecimento, através da utilização de atividades lúdicas, criativas e inovadoras, e a
  • 8. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v.17, n.2, p.365-381, jul./dez., 2012 372 Biblioteconomia, no contexto educacional, exerce um importante papel com contribuição na formação acadêmica, no que concerne ao gerenciamento da informação de modo exemplar. Santos (2008) considera a leitura relevante no contexto da prática social como ação transformadora, por contribuir para o desenvolvimento do homem, e, consequentemente, da sociedade. A universidade tem como uma das suas missões aprimorar esse desenvolvimento pessoal e científico, complementando esse aspecto, de acordo com Pereira (2009), essa prática, começando na gênese dos estudos, a qual é imprescindível na formação pessoal e profissional de um indivíduo, proporcionando que o mesmo se torne um excelente acadêmico e pesquisador. Destarte, a academia é responsável pela formação de um leitor assíduo, haja vista que “de uma forma geral, a leitura está presente no processo de ensino e de aprendizagem dos cursos de graduação, no âmbito das ciências da informação, como de resto, nos demais cursos acadêmicos” (NEVES, 2007, p. 26). O ensino superior requer um hábito bastante rotineiro da leitura, devido ao seu alto grau de exigência e complexidade, pois quando da realização de trabalho de natureza acadêmica, quais sejam: artigos, TCC’s e demais elaborações científicas, observa-se, consequentemente, que há uma maior geração de conhecimento. Assim sendo, constata-se que a universidade propicia uma alta parcela de colaboração no desenvolvimento e provimento de ciência. A força da universidade não está no pretenso monopólio do conhecimento. Está, sim, na capacidade de gerar um tipo especial de conhecimento, na habilidade em trabalhar com ele e, principalmente em formar e educar pessoas para continuarem a executar ambas as tarefas. A força da universidade, sua característica mais singular está na aliança entre educação e avanço do conhecimento (CRUZ, 2006, p. 42).
  • 9. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v.17, n.2, p.365-381, jul./dez., 2012 373 Quando se adentra para estudar no âmbito do nível superior de ensino, a responsabilidade diante da sociedade fica mais evidenciada, porque uma das missões da universidade é contribuir para a mesma de maneira científica. Assim, quando se trabalha com conhecimento, consequentemente, se atua com a pesquisa, a qual tem por finalidade “descobrir respostas para questões, mediante a aplicação de métodos científicos” (SELLTIZ, 1965, p. 5) e os seus respectivos planos variam de acordo com a sua finalidade, como demonstram Lakatos e Marconi (2009, p. 3) ao afirmarem que: toda pesquisa deve basear-se em uma teoria, que serve como ponto de partida para a investigação bem sucedida de um problema. A teoria, sendo instrumento de ciência, é utilizada para conceituar os tipos de dados a serem analisados. Para ser válida, deve apoiar- se em fatos observados e provados, resultantes da pesquisa. As pesquisas dos problemas práticos podem levar à descoberta de princípios básicos, e, frequentemente, fornece conhecimentos que têm aplicação imediata. Para se ter uma ideia clarividente a respeito da pesquisa, Ander-Egg (1978, p. 28) a conceitua como “um procedimento reflexivo sistemático, controlado e crítico, que permite descobrir novos fatos ou dados, relações ou leis, em qualquer campo do conhecimento”. Desta feita, o manuseio do processo de fazer pesquisas de qualquer natureza reflete a necessidade de proficiência e qualidade, quando se trabalha com técnicas de pesquisa com o intuito de gerar resultados para a sociedade em forma de ciência. Com a tecnologia despontando de uma forma ascendente para agilizar o processo de obtenção de informação, principalmente quando se utiliza a internet para angariar a mesma, observa-se uma mudança de paradigma atinente a esse acesso instantâneo às fontes de informação, o que fica mais evidente devido ao:
  • 10. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v.17, n.2, p.365-381, jul./dez., 2012 374 mundo que mudou, a tecnologia hoje se faz presente. Não basta ter apenas acesso a essas tecnologias ou a outros suportes, é fundamental que o indivíduo também estimule a prática da leitura, para se ter uma melhor compreensão daquilo que está lendo, caso contrário a informação não cumpre sua função. Aquele que não tem a prática da leitura encontra dificuldade em entender, compreender e aprender (BARBOSA, 2009, p. 39-40). O uso da informática para se ter acesso à leitura torna-se de suma importância, haja vista no século em que se vive, a mesma ser imprescindível no cotidiano de qualquer profissional que esteja atuando em qualquer área do conhecimento humano. A tecnologia se sobressai pela necessidade de se ter que atuar no ambiente profissional com o auxílio da mesma; e isso representa, segundo Moraes (2005, p. 25) a um “desafio quando nos deparamos com os novos cenários mundiais caracterizados simultaneamente pelos grandes avanços científicos e tecnológicos [...]”, sendo essa alteração no panorama mundial uma realidade que faz parte de uma maneira massificada como se comporta a sociedade na qual estamos inseridos. A leitura está associada intimamente à formação educacional da pessoa desde a sua infância, passando pelos estágios da vida e da educação, e o incentivo a essa prática muito importante para o ser humano faz-se necessário para quando do ingresso no ensino superior, pois “a universidade deve assumir várias posições enquanto instituição de ensino, tanto no que diz respeito a formar leitores críticos, como em influenciar na transformação social por intermédio dos alunos-sujeitos-leitores” (PAULO; SILVA, 2007, p. 6), nesse contexto, a leitura configura-se como fundamental para a formação de indivíduos com uma visão de mundo mais abrangente e satisfatória.
  • 11. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v.17, n.2, p.365-381, jul./dez., 2012 375 A universidade, por ser uma unidade de ensino bastante respeitada por conferir um nível alto de aprendizagem ao discente, na maioria das vezes, é a responsável por estimular o incentivo à leitura, devido o estudante perceber a necessidade de adotar essa prática no seu dia a dia através da bibliografia que o professor sugere a cada disciplina cursada, sendo que para o futuro profissional é essencial desenvolver o hábito de ler, para ficar atualizado com o que está sendo produzido na sua área de atuação profissional. Nessa perspectiva, “[...] estes indivíduos podem mudar o seu modo de pensar, analisar, questionar, produzir e conceber a realidade, tornando-se objetos ou sujeitos da leitura” (AQUINO, 2000, p. 31), tornando-se, assim, fundamentais para um desenvolvimento mais proficiente da humanidade quanto à questão científica e cultural. A academia fornece, através das bibliotecas setoriais, biblioteca central e unidades de informação da respectiva graduação em que o discente adentra, possibilidades de obtenção da informação de uma forma acessível e com uma gama consistente, para uma geração de conhecimento com alto grau de cientificismo. A leitura oferece grandes oportunidades de obtenção de conhecimento, independentemente da área de atuação profissional, pois como afirmam Lakatos e Marconi (2007, p. 15): ler significa conhecer, interpretar, decifrar. A maior parte dos conhecimentos é obtida através da leitura, que possibilita não só a ampliação, como também o aprofundamento do saber em determinado campo cultural ou científico. Desse modo, a universidade realiza um papel preponderante no fornecimento de informações com índice considerável de relevância.
  • 12. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v.17, n.2, p.365-381, jul./dez., 2012 376 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS Uma das missões da universidade se configura como além da formação de leitores em potencial, também como formar cidadãos com visão de mundo com criticidade suficiente para saber tratar de assuntos dos mais variados gêneros como: sociedade, violência, saúde etc. Destarte os discentes quando terminarem suas respectivas graduações poderão exercer sua cidadania com mais proficiência e ajudar a sociedade entender melhor como pode ter os seus direitos devidamente respeitados. Convém ressaltar que este estudo não teve a pretensão de esgotar o assunto em questão, que é bastante abrangente, mas apenas conhecer, a partir da literatura como a prática da leitura no ambiente acadêmico é importante na formação de futuros profissionais com mais qualidade para a sociedade, deste então, sugere-se que estudos complementares sejam realizados para acompanhar e aprofundar o tema em questão. REFERÊNCIAS ALMEIDA JÚNIOR, Oswaldo Francisco de. Leitura, Mediação e Apropriação da Informação. In: SANTOS, Jussara Pereira (Org.). A Leitura como prática pedagógica na formação do profissional da informação. Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional, 2007. p. 32-45. ______. Professor associado da Universidade Estadual de Londrina e professor titular do programa de pós-graduação em Ciência da Informação da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquista Filho (UNESP/Marília). Desafios e oportunidades em um contexto de mudanças: a inclusão informacional para o século XXI. Palestra
  • 13. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v.17, n.2, p.365-381, jul./dez., 2012 377 proferida na Universidade Federal do Amazonas (UFAM). Manaus, 26 jul. 2011. ANDER-EGG, Ezequiel. Introducción a las técnicas de investigación social para trabajadores sociales. 7. ed. Buenos Aires: Humanitas, 1978. AQUINO, Mirian de Albuquerque. Leitura e produção: desvelando e (re)construindo textos. João Pessoa: Editora Universitária, 2000. BARBOSA, Cássia do Socorro Martinez. Hábito de leitura do corpo docente e discente da Faculdade de Biblioteconomia da UFPA: uma pesquisa visando aperfeiçoar o ensino do curso. 2009. 91 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) – Faculdade de Biblioteconomia, Instituto de Ciências Sociais Aplicadas, Universidade Federal do Pará, Belém, 2009. BOSO, Augiza Carla et al. Aspectos cognitivos da leitura: conhecimento prévio e teoria dos esquemas. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v. 15, n. 2, p. 24-39, jul./dez. 2010. Disponível em: < http://revista.acbsc.org.br/index.php/racb/article/view/716/pdf_39>. Acesso em: 14 fev. 2011. CAMPELLO, Bernadete Santos. O Movimento da competência informacional: uma perspectiva para o letramento informacional. Ciência da Informação, Brasília, DF, v. 32, n. 3, p. 28-37, set./dez. 2003. Disponível em: <http://revista.ibict.br/ciinf/index.php/ciinf/article/view/26/22>. Acesso em: 22 ago. 2011.
  • 14. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v.17, n.2, p.365-381, jul./dez., 2012 378 CAMURÇA, Tatiana Apolinaro. Dificuldades de Leitura na Formação Superior uma questão de exclusão. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE BIBLIOTECONOMIA, DOCUMENTAÇÃO E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 24., 2011, Alagoas. Anais eletrônicos... Alagoas, 2011. Disponível em: < http://febab.org.br/congressos/index.php/cbbd/xxiv/paper/view/471/6 59>. Acesso em: 20 nov. 2011. CARAVANTES, Geraldo Ronchetti. Leitura dinâmica e aprendizagem. 2. ed. Porto Alegre: AGE, 2006. CARVALHO, Lafaiete da Silva et al. A Leitura na sociedade do conhecimento. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v. 11, n. 1, p. 19-27, jan./jul. 2006. Disponível em: < http://revista.acbsc.org.br/index.php/racb/article/view/459/576>. Acesso em: 8 mar. 2011. CRUZ, Carlos Henrique de Brito. Pesquisa e Universidade. In: STEINER, João E.; MALNIC, Gerhard (Org.). Ensino Superior: conceito e dinâmica. São Paulo: USP, 2006. p. 30-45. DUMONT, Lígia Maria Moreira. Leitura, via de acesso ao conhecimento: algumas reflexões. In: SANTOS, Jussara Pereira (Org.). A Leitura como prática pedagógica na formação do profissional da informação. Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional; Associação Brasileira de Educação em Ciência da Informação; Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil, 2007. p. 64-76. ECO, Umberto. Como se faz uma tese. 23. ed. São Paulo: Perspectiva, 2010.
  • 15. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v.17, n.2, p.365-381, jul./dez., 2012 379 FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Miniaurélio: o minidicionário da língua portuguesa. 6. ed. rev. atual. Curitiba: Positivo, 2004. FREIRE, Paulo. A Importância do ato de ler: em três artigos que se completam. 46. ed. São Paulo: Cortez, 2005. ______. Alfabetização: Leitura da palavra, leitura de mundo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990. JOUVE, Vincent. A Leitura. Tradução Brigitte Hervot. São Paulo: UNESP, 2002. Tradução de: La lecture. LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação de dados. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2009. ______. Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos, pesquisa bibliográfica, projeto e relatório, publicações e trabalhos científicos. 7. ed. rev. e ampl. São Paulo: Atlas, 2007. ______. Fundamentos da metodologia cientifica. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2005. MARTINS, Maria Helena. O Que é leitura. 6. ed. São Paulo: Brasiliense, 1982. MORAES, Maria Cândida. Contextualizando a problemática educacional. In: ENRICONE, Délcia; GRILLO, Marlene. Educação superior: vivências e visão de futuro. Porto Alegre: Edufsc, 2005. p. 25-30.
  • 16. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v.17, n.2, p.365-381, jul./dez., 2012 380 MONTEIRO, Fernanda Alves. As Ações culturais como incentivo a leitura na Biblioteca Pública de Barcarena-Pa. 2010. Belém. 57 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) – Faculdade de Biblioteconomia, Instituto de Ciências Sociais Aplicas, Universidade Federal do Pará, Belém, 2010. NEVES, Iara Conceição Bitencourt. A Leitura como prática na formação do Profissional da Informação. In: SANTOS, Jussara Pereira (Org.). A Leitura como prática pedagógica na formação do Profissional da Informação. Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional, 2007. p. 17-32. PAULO, Dilene Fátima de Lima; SILVA, Alzira Karla Araújo da. Do ler ao fazer: práticas de leitura dos discentes do Curso de graduação de Biblioteconomia/UFPB. Biblionline, João Pessoa, v. 3, n. 1, 2007. Disponível em: <http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/biblio/article/viewFile/149 1/1152>. Acesso em: 15 fev. 2011. PEREIRA, Lúcia Regina Neves. A Mediação da leitura no ambiente escolar. 2009. 41 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) – Faculdade de Biblioteconomia, Instituto de Ciências Sociais Aplicas, Universidade Federal do Pará, Belém, 2009. ROWLEY, Jennifer. A Biblioteca eletrônica. 2. ed. Tradução Antônio Agenor Briquet de Lemos. Brasília, DF: Briquet de Lemos, 2002. Tradução de: Eletronic library. SANTOS, Julieta Nazaré Tavares. A Leitura como instrumento de responsabilidade social: projeto energia da leitura na ELETRONORTE. Belém. 2008. 55 f. Trabalho de Conclusão de
  • 17. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v.17, n.2, p.365-381, jul./dez., 2012 381 Curso (Graduação) – Faculdade de Biblioteconomia, Instituto de Ciências Sociais Aplicas, Universidade Federal do Pará, Belém, 2008. SELLTIZ, Claire. Métodos de pesquisa nas relações sociais. Tradução Dante Moreira Leite. São Paulo: Herder: Edusp, 1965. Tradução de: Research methods in social relations. _______________ THE IMPORTANCE OF THE UNIVERSITY OF READING HABIT Abstract: This is the fundamental question of how much the exercise of reading in the academic sector as a significant influence on training and qualifications. Objective generally put on the agenda this aspect traditionalist involving the formation of a citizen with a more critical view of the world. The methodological procedure used consists of literature to support the textual production of the work. The society in which we are acclimatised requires persons engaged citizenship in a manner adequate to provide a better development of the same. It is understood that the students in Library Science graduate or any other need to be more aware of the constant habit of reading, it works along the lines that are physical or electronic. Keywords: Reading. Society. Library Science. _______________ Erik André de Nazaré Pires E-mail: eriknazare@hotmail.com RECEBIDO: 18-03-2012 ACEITO: 10-09-2012