Vestigios históricos em santa maria da feira 2 manuel afonso-5ºa

1.252 visualizações

Publicada em

Santa Maria da Feira e os seus vestígios históricos mais antigos

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.252
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
690
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Vestigios históricos em santa maria da feira 2 manuel afonso-5ºa

  1. 1. VESTIGIOS HISTÓRICOS EM SANTA MARIA DA FEIRA COMUNIDADES RECOLECTORAS E AGRO-PASTORIS Imagem 1 Manuel Afonso Portela Mengo Ratola, nº 16 5º Ano Turma A História e Geografia de Portugal Escola EB-23 Fernando Pessoa Prof. Orientador: Carlos Baptista Santa Maria da Feira, 12 de Novembro de 2014
  2. 2. Agradecimentos Ao realizar este trabalho contei com a ajuda de pessoas e entidades a quem gostaria de deixar o meu agradecimento. São elas a Juliana, minha educadora do ATL, que me proporcionou e conduziu a uma visita ao Museu Convento dos Loios, ao Museu Convento Loios e à sua guia Teresa que nos acompanhou durante a visita. Muito Obrigado.
  3. 3. Índice Capítulo I - As Comunidades recolectoras ................................................................................ 5 1. Caraterização ................................................................................................................. 5 2. Os vestígios .................................................................................................................... 5 Capítulo II – Comunidades Agro-pastoris .................................................................................. 6 1. Caracterização ............................................................................................................... 6 2. Vestígios ........................................................................................................................ 7 Conclusões .............................................................................................................................. 10 Índice de Imagens ................................................................................................................... 11 Bibliografia .............................................................................................................................. 12
  4. 4. VESTIGIOS HISTÓRICOS EM SANTA MARIA DA FEIRA AS COMUNIDADES RECOLECTORAS E AGRO-PASTORIS Página 4 de 12 Introdução No concelho de Santa Maria da Feira há vestígios da passagem de povos pré-históricos, contudo a primeira referência encontrada feita a Santa Maria da Feira é do ano de 977. Foi habitada pelos Romanos, sendo denominada de “civitas sanctae mariae”. Neste trabalho vou tentar caracterizar as comunidades que habitaram estas terras anteriormente à romanização, bem como procurar e descrever os vestígios encontrados daquela época, designadamente das comunidades recolectoras e agro-pastoris. Imagem 2
  5. 5. VESTIGIOS HISTÓRICOS EM SANTA MARIA DA FEIRA AS COMUNIDADES RECOLECTORAS E AGRO-PASTORIS Página 5 de 12 Capítulo I - As Comunidades recolectoras 1. Caraterização Há muitos milhares de anos, a Europa estava coberta por grandes camadas de gelo. Os primeiros homens vieram para a Península Ibérica, muito provavelmente de África, através do estreito de Gibraltar. Viviam em pequenas comunidades para vencerem as dificuldades. Dependiam totalmente do que a natureza lhes dava. Viviam da recolecção, isto é, para se alimentarem apanhavam frutos, raízes, folhas, ovos, pescavam e caçavam - diz-se que eram recolectores. Os animais forneciam-lhes para além da carne e dos ovos, as peles, pelo que usavam como vestuário as peles dos animais, para se protegerem do frio. Não permaneciam muito tempo no mesmo local. Quando os alimentos faltavam procuravam outros locais, para garantir a sobrevivência. Eram, por isso, nómadas. Viviam em grutas ou cavernas, cabanas feitas de madeira, ou tendas montadas com ossos e peles. Com o fogo, começaram a cozinhar os alimentos, aquecer-se, iluminar-se e a afastar os animais ferozes. Fabricavam instrumentos feitos de pedra, madeira e osso. Designadamente bifaces, pontas de lança, arpões e anzóis, utilizados na caça, na pesca e na preparação das peles. 2. Os vestígios São precisamente os vestígios destes instrumentos que chegaram até aos nossos dias e que provam a existência destes povos recolectores na Península Ibérica e concretamente nas Terras de Santa Maria, posteriormente designadas por “civitas sanctae mariae”. Prova disto mesmo encontramos na primeira exposição do Museu do Convento dos Lóios, em Santa Maria da Feira, que tivemos oportunidade de visitar como elemento de preparação para este trabalho. Assim podemos aí encontrar bifaces, pontas de lança e outros instrumentos ou ferramentas feitas em pedra.
  6. 6. VESTIGIOS HISTÓRICOS EM SANTA MARIA DA FEIRA AS COMUNIDADES RECOLECTORAS E AGRO-PASTORIS Página 6 de 12 Capítulo II – Comunidades Agro-pastoris 1. Caracterização Entretanto o clima tornou-se mais quente e seco e a vida das comunidades alterou-se. Com efeito, com a melhoria do clima, criaram-se condições para a prática da agricultura e pastorícia. Surgiram novas espécies vegetais e novos animais: o veado, o javali, o carneiro, o cavalo, a cabra e o cão. Assim, surgiram as comunidades agro-pastoris na Península Ibérica (P.I) há cerca de 5.000 anos. No sul e este da P.I. viviam os Iberos que provavelmente vieram do norte de África. Da Europa Central vieram os Celtas, que já conheciam o ferro e o ouro e se fixaram no norte e oeste da P.I. Mais tarde Celtas e Iberos viriam a misturar-se, dando origem aos Celtiberos, que se organizaram em tribos. Os Lusitanos foram uma destas tribos. Os Celtas habitaram as zonas montanhosas, em castros ou citânias, dedicando-se á agricultura e á criação e domesticação de animais. Começaram a produzir os seus alimentos (cereais, carne, leite). Por isso, as comunidades agropastoris eram produtoras. Começaram, então, a ter alimentos todo o ano e passaram a viver sempre no mesmo local. Tornaram-se sedentários. Ao tornar-se sedentário, o Homem começou a construir as suas casas. Surgem assim as primeiras aldeias, perto dos campos cultivados, cercadas de muralhas para as comunidades melhor se defenderem dos animais selvagens e dos grupos inimigos. As casas tinham geralmente forma circular, ou quadrangular e uma única divisão. O chão de terra batida, o telhado era de colmo ou de madeira e as paredes de pedra, argila amaçada com palha (taipa) ou adobe. Relativamente á domesticação de animais, depois do cão, os primeiros animais domesticados foram a cabra, a ovelha, o porco e a vaca. Reproduzindo estes animais em cativeiro, o Homem tinha o seu sustento assegurado. Para além da carne, os animais forneciam-lhe também o leite, a lã que utilizava na tecelagem e as peles com que se cobria. Alguns animais de grande porte como bois, vacas, burros ou cavalos passaram a ser utilizados como força de trabalho nos campos, puxando arados ou charruas, carregando feixes de lenha ou molhos de cereal, ou servindo de montada ao próprio Homem. O Homem fabricou novos utensílios como a enxada, o arado e a foice, com materiais mais resistentes, como o cobre, o bronze e o ferro e começou a usar a roda e a mó manual. Os instrumentos agrícolas e as armas tornaram-se mais resistentes. Desenvolveu novas actividades como a cestaria, olaria e tecelagem, para transportar e armazenar os alimentos que produzia.
  7. 7. VESTIGIOS HISTÓRICOS EM SANTA MARIA DA FEIRA AS COMUNIDADES RECOLECTORAS E AGRO-PASTORIS Página 7 de 12 As comunidades agro-pastoris acreditavam na vida além-túmulo. Enterravam os seus mortos em túmulos. Estes muitas vezes eram câmaras circulares construídas com grandes pedras levantadas e cobertas por uma grande laje de pedra - as antas ou dolmens. O morto era enterrado juntamente com oferendas de alimentos, objectos pessoais e adornos. Se durante a vida terrena tivesse sido guerreiro poderia ser enterrado com as suas armas. Imagem 3 2. Vestígios Os castros, ou o que resta deles chegaram até aos nossos dias e concretamente aqui em Santa Maria da Feira, como pudemos comprovar na nossa visita ao Museu Convento dos Loios, onde se encontram duas maquetas do Castro de Romariz e referências ao Castro de Fiães, bem como o espólio encontrado em ambos. A primeira maqueta traduz o castro antes da Romanização e a segunda maqueta tenta reproduzir o castro após a romanização. Para além de que é possível observar in loco, no caso do Castro de Romariz, as ruínas das construções castrejas. No entanto o grande legado que nos deixou as comunidades agropastoris foi, sem dúvida, a própria agricultura, a criação de gado e a pastorícia.
  8. 8. VESTIGIOS HISTÓRICOS EM SANTA MARIA DA FEIRA AS COMUNIDADES RECOLECTORAS E AGRO-PASTORIS Página 8 de 12 2.1 Castro de Romariz O Castro de Romariz está implantado no topo do Monte Crasto, à altitude de 375m, na freguesia de Romariz, concelho de Santa Maria da Feira. Foi um povoado sucessivamente ocupado, desde as comunidades agro-pastoris, aos tempos do Império Romano. Do que dele resta é possível concluir que foi um povoado cercado por uma muralha, sendo que a malha urbana apresenta conjuntos castrejos típicos, de construções circulares, ou quadrangulares em pedra, que culminariam com um telhado, entretanto desaparecido, de colmo, ou madeira, delimitados por arruamentos de traçado irregular. O espólio deste castro é constituído por várias espécies de cerâmica, vidro, metal moedas e epígrafes. Tendo o vidro, muito provavelmente resultado das trocas comerciais que povos do Mediterrâneo, como os Fenícios, Gregos e Cartagineses estabeleceram com as populações residentes da Península Ibérica. Imagem 4 2.2 Castro de Fiães O Castro de Fiães localiza-se na freguesia de Fiães, concelho de Santa Maria da Feira. Foi um povoado fortificado castrejo que possui igualmente uma longa cronologia de ocupação, desde o período proto-histórico à ocupação romana. Apresentaria um núcleo mais antigo e posteriormente já na época romana, terá constituído a mítica povoação de Lancóbriga, fazendo parte do itinerário que ligava Braga (Bracara Augusta) a Lisboa (Olisipo).
  9. 9. VESTIGIOS HISTÓRICOS EM SANTA MARIA DA FEIRA AS COMUNIDADES RECOLECTORAS E AGRO-PASTORIS Página 9 de 12 Apesar de ter permanecido intacto durante séculos, o património do castro de Fiães não resistiu ao crescimento urbano, pelo que hoje encontra-se gravemente destruído e aquilo que ainda resta não se encontra acessível e a descoberto, até como forma de proteção. No entanto foi possível recuperar um conjunto de moedas, que se encontram no Museu Convento dos Loios, denominado “O Tesouro do Castro de Fiães”, bem como algumas joias, peças de barro, designadamente púcaros, tigelas, pratos e travessas. Imagem 5
  10. 10. VESTIGIOS HISTÓRICOS EM SANTA MARIA DA FEIRA AS COMUNIDADES RECOLECTORAS E AGRO-PASTORIS Página 10 de 12 Conclusões Na introdução a este trabalho propus-me caracterizar as comunidades recolectoras e agro- pastoris, bem como fazer um levantamento dos vestígios deixados por esses povos no atual concelho de Santa Maria da Feira, tudo sob o desafio proposto pelo Prof. Carlos Baptista na aula de História e Geografia de Portugal. Feita a pesquisa e realizado este trabalho, penso ter correspondido ao desafio, podendo concluir que os povos recolectores e agro-pastoris nos deixaram muitos vestígios e posso afirmar que os vestígios de maior valor são a moeda, o vidro e peças de cerâmica, para além, naturalmente os próprios castros.
  11. 11. VESTIGIOS HISTÓRICOS EM SANTA MARIA DA FEIRA AS COMUNIDADES RECOLECTORAS E AGRO-PASTORIS Página 11 de 12 Índice de Imagens  Imagem 1 ……………………………………………………………. Castro de Romariz  Imagem 2 …………………………………………………………… Comunidades Recolectoras  Imagem 3 ………………………………………………………….. Comunidades Agro-pastoris  Imagem 4 …………………………………………………………… Parte do espólio do Castro de Romariz  Imagem 5 ………………………………………………………………“Tesouro” do Castro de Fiães
  12. 12. VESTIGIOS HISTÓRICOS EM SANTA MARIA DA FEIRA AS COMUNIDADES RECOLECTORAS E AGRO-PASTORIS Página 12 de 12 Bibliografia  As Comunidades Recoletoras – Slideshare, pt.slideshare.net  As Comunidades Agropastoris – 5º Ano Prof. Alice – Slideshare, pt.slideshare.net  Castro de Romariz, folheto informativo do Museu Convento dos Loios, www.cm- feira.pt  Museu Convento dos Loios, www.cm-feira.pt  Relatório da visita de estudo ao Museu, Convento dos Loios, pt.slideshare.net  Wikipédia.

×