Pelourinho feira manuel alvim

1.278 visualizações

Publicada em

Pesquisa sobre o pelourinho de santa maria da feira.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.278
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
622
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pelourinho feira manuel alvim

  1. 1. O PELOURINHO DA FEIRA : AUTOR: Manuel Tavares (nº 17), 5ºA PROFESSOR: Dr. Carlos Baptista Santa Maria da Feira, 17 de fevereiro de 2015
  2. 2. Índice Pag. 1. Introdução 2 2. A formação dos concelhos 3 3. O Pelourinho da Feira 4 3.1. O Capitel do Pelourinho da Feira 5 3.2. Reconstrução da cronologia 6 4. Conclusão 7 Bibliografia 8
  3. 3. 1. Introdução Este trabalho de pesquisa foi feito no âmbito da disciplina de História e Geografia de Portugal, com o objetivo de procurar informação sobre o pelourinho da Feira. Para fazer o trabalho, visitei o Museu Convento dos Lóios, pesquisei na Biblioteca Municipal e consultei os livros referidos na Bibliografia. Deparei-me com falta de informação sobre este assunto, assim como algumas incongruências. 2
  4. 4. 2. A formação de concelhos Na Idade Média, os reis, a nobreza e o clero fundaram concelhos para povoar as suas terras através de cartas de foral. Os concelhos tinham alguma autonomia e os símbolos do poder concelhio eram a carta de foral, o selo e o pelourinho. Ao longo da Idade Média, o poder real teve um papel importante no controlo da autonomia dos concelhos mesmo nas terras senhoriais. Esse controlo era feito pelo alcaide (encarregado da chefia militar), e pelo juiz de fora (que julgava os crimes mais graves). 3
  5. 5. 3. O Pelourinho da Feira O Condado da Feira foi criado no reinado de D. Afonso V. Neste condado havia dois poderes: o do conde e do Domus Municipalis (assembleia dos homens bons). O capitel do antigo Pelourinho da Feira (Figura 1) demonstra precisamente esses dois poderes. Datado do início do século XVI onde são reproduzidas de um lado as armas portuguesas e do outro o brasão dos Pereira ladeado por duas esferas armilares. Figura 1. Capitel do Pelourinho da Feira 4
  6. 6. 3.1. O Capitel do Pelourinho da Feira Brasão dos Condes da Feira (Pereiras). Cruz floreada aberta em campo vermelho. Armas Portuguesas (face oculta). Duas esferas armilares, iguais às das armas reais da primeira página do foral “à Feira e à Terra de Santa Maria”. Dimensões: 36cm de altura e 28cm de largura 5
  7. 7. 3.2. Reconstrução da cronologia • 1109 - Concessão de foral por D. Henrique • 1270 - Concessão do foral por D. Afonso III • 1514 - D. Manuel I dá foral novo à povoação; provável construção do pelourinho • Séc. XX - os fragmentos foram guardados no Museu Convento dos Lóios. 6
  8. 8. 4. Conclusão O capitel do Pelourinho da Feira guardado no Museu do Convento dos Lóios é uma fonte valiosíssima para a história do Concelho da Feira. É um testemunho da importância destes símbolos dos concelhos para a reconstrução de factos históricos. 7
  9. 9. Bibliografia • BAPTISTA, Carlos. Registos de História e Geografia de Portugal, (www.registosdehistoria.blogspot.pt), acedido em 17 de fevereiro de 2015. • BARREIRA, Aníbal; MOREIRA, Gorete; MOREIRA, Mendes; RODRIGUES, Teresa. HistGeo 5, 1ª Edição, Edições ASA II, Vila Nova de Gaia, 2014. • FERREIRA, Henrique Vaz. Feira: a vila, o concelho e o castelo da Feira, onde nasceu Portugal: a Vila e as suas entradas, Câmara Municipal de Santa Maria da Feira, 1989, pag. 28-32. • OLIVEIRA, Ana José. Roteiro do Museu do Convento dos Lóios, Câmara Municipal de Santa Maria da Feira, 2008. 8

×