Margarida Ferreira, 6.ºA, n.º13    28 de março de 2013
ÍndiceIntrodução…………………………………………… 2A Partida………………………………………………. 2O Inimigo.…………………………………………… 3A Emboscada…………………………………………....
IntroduçãoComo sabem a Guerra Colonial ocorreu entre 1961e 1974.O    meu    avô    materno     participou    nesseaconteci...
onde desagua no mar. São aproximadamente300km de fronteira divididos pelo rio.                O InimigoNaquele tempo havia...
4
Todos estes buracos na viatura foram feitos por balas.Da companhia do meu avô morreram os 17 naemboscada e um de acidente....
Nas zonas a centenas de km das cidades não haviam escolas nem        hospitais, não haviam cuidados para ninguém.         ...
Duas fotos cedidas pelo meu avô: na primeira é ele que está nocimo do poste e na segunda o meu avô é o da direita.        ...
As AlcunhasO meu avô também nos conta que havia alcunhaspara alguns militares:O “malapeiro”, por ser de São João de Ver a ...
O “mosteiro”, por ser de Mosteirô. É o meu avô, oquarto a contar da direita em cima.               ConclusãoOs militares e...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A guerra colonial e a minha família

1.575 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.575
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.244
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A guerra colonial e a minha família

  1. 1. Margarida Ferreira, 6.ºA, n.º13 28 de março de 2013
  2. 2. ÍndiceIntrodução…………………………………………… 2A Partida………………………………………………. 2O Inimigo.…………………………………………… 3A Emboscada…………………………………………. 3A Miséria Negra……………………………………. 5O Divertimento…………………………………... 5As Alcunhas………………………………………. 7Conclusão………………………………………….. 8 1
  3. 3. IntroduçãoComo sabem a Guerra Colonial ocorreu entre 1961e 1974.O meu avô materno participou nesseacontecimento histórico, durante os anos de 1965 a1967.Eu decidi recolher alguma informação e produzireste trabalho. A PartidaO meu avô conta-nos que a partida foi feita emsetembro de 1965 num barco chamado Vera Cruzque transportava cerca 3600 pessoas. Embarcaramem Alcântara (Lisboa) e ao fim de 9 dias estavamem Luanda (a capital de Angola).Foram todos para um campo militar no Grafanil.De lá eram distribuídos pelas zonas onde estavamdestinados. A meio da comissão, normalmente,havia uma mudança para outro local. Nosprimeiros 14 meses, o meu avô esteve em VistaAlegre (distrito de Vige), e nos últimos 10 mesesem Nóqui. Esta vila é onde o rio Zaire, que vem doCongo, faz um joelho. O rio Zaire divide a fronteiraentre Angola e o Congo até Santo António de Zaire, 2
  4. 4. onde desagua no mar. São aproximadamente300km de fronteira divididos pelo rio. O InimigoNaquele tempo havia três movimentos delibertação: MPLA, FNLA e UNITA. O meu avôafirma que ele e os colegas só sabiam disto atravésda rádio Brazzaville (ex-Congo belga). Os chefes sólhes diziam que os inimigos se chamavam osturras (o diminutivo de terroristas). A EmboscadaO meu avô não assistiu a grandes confrontos. Oconfronto mais grave da sua companhia foi quandoum certo dia um pelotão da companhia sedeslocava para fazer o reabastecimento, sofreuuma emboscada e de 35 militares morreram 17.Por sorte nesse dia o meu avô ficou no quartel. 3
  5. 5. 4
  6. 6. Todos estes buracos na viatura foram feitos por balas.Da companhia do meu avô morreram os 17 naemboscada e um de acidente. Nas operações nãomorreu nenhum. A Miséria NegraQuando Salazar dizia que os portugueses estavamem áfrica para educar, era uma mentira, pois aofim de 400 anos o meu avô chegou lá e foi isto queviu: foto 6-11-66. 5
  7. 7. Nas zonas a centenas de km das cidades não haviam escolas nem hospitais, não haviam cuidados para ninguém. O DivertimentoO meu avô e os seus amigos militares inventavaminstrumentos e brincadeiras, para se divertiremsem pensarem no clima e nas mortes causadas nosoutros anos de guerra. 6
  8. 8. Duas fotos cedidas pelo meu avô: na primeira é ele que está nocimo do poste e na segunda o meu avô é o da direita. 7
  9. 9. As AlcunhasO meu avô também nos conta que havia alcunhaspara alguns militares:O “malapeiro”, por ser de São João de Ver a quemchamam “malapeiros”. É o primeiro a contar daesquerda em cima.O “mais bonito”, porque afirmou um dia quandoestava a olhar para o espelho “ou o espelho meengana ou sou o mais bonito”. É o terceiro a contarda esquerda em cima.O “pescador”, porque era mesmo pescador. É oprimeiro a contar da esquerda em baixo.O “rapa caveiras”, porque fazia barbas. É o quintoa contar da esquerda em baixo. 8
  10. 10. O “mosteiro”, por ser de Mosteirô. É o meu avô, oquarto a contar da direita em cima. ConclusãoOs militares eram obrigados a ir para a guerra equando lá chegavam não tinham noção de contraquem combatiam. A população local de raça negravivia em más condições.O meu avô teve sorte por não ter participado emcombates e, apesar de tudo, acabou por termomentos de diversão e de boa camaradagem comos seus colegas. 9

×