O CEGO E  O POETA
<ul><li>Dizem que havia um cego sentado na calçada em Paris, com o boné a seus pés e um pedaço de madeira onde se lia escr...
 
<ul><li>Um poeta passou por ali, parou e viu poucas moedas no boné. Sem pedir licença, pegou no cartaz e virou-o ao contrá...
 
<ul><li>Pelo fim da tarde, o poeta passou novamente pelo local e viu que o boné estava cheio de notas e moedas. </li></ul>
 
<ul><li>O cego, reconhecendo os passos do transeunte, perguntou se havia sido ele quem escrevera no pedaço de madeira. Sob...
 
<ul><li>O cego, por sua vez, nunca soube o que o cartaz dizia. Mas, os que por ali passavam, liam o que lá estava escrito:...
 
<ul><li>Mudar o discurso, quando nada nos acontece, pode tornar outra a vida. </li></ul><ul><li>Precisamos sempre de escol...
 
<ul><li>Charles Chaplin disse: </li></ul><ul><li>“ A vida é uma peça que não permite ensaios. Por isso, cante, chore, danc...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O Cego E O Poeta

833 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
833
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O Cego E O Poeta

  1. 1. O CEGO E O POETA
  2. 2. <ul><li>Dizem que havia um cego sentado na calçada em Paris, com o boné a seus pés e um pedaço de madeira onde se lia escrito a giz branco : </li></ul><ul><li>“ Por favor, ajude-me, sou cego”. </li></ul>
  3. 4. <ul><li>Um poeta passou por ali, parou e viu poucas moedas no boné. Sem pedir licença, pegou no cartaz e virou-o ao contrário. Com o giz escreveu outras palavras. </li></ul><ul><li>Voltou a colocar o pedaço de madeira aos pés do cego e foi-se embora. </li></ul>
  4. 6. <ul><li>Pelo fim da tarde, o poeta passou novamente pelo local e viu que o boné estava cheio de notas e moedas. </li></ul>
  5. 8. <ul><li>O cego, reconhecendo os passos do transeunte, perguntou se havia sido ele quem escrevera no pedaço de madeira. Sobretudo, queria saber o que havia escrito. </li></ul><ul><li>O poeta respondeu: </li></ul><ul><li>– Nada que não esteja de acordo com o seu pedido, mas com outras palavras. </li></ul><ul><li>Entretanto sorriu e continuou o seu caminho. </li></ul>
  6. 10. <ul><li>O cego, por sua vez, nunca soube o que o cartaz dizia. Mas, os que por ali passavam, liam o que lá estava escrito: </li></ul><ul><li>“ Hoje é primavera em Paris e eu não posso vê-la.” </li></ul>
  7. 12. <ul><li>Mudar o discurso, quando nada nos acontece, pode tornar outra a vida. </li></ul><ul><li>Precisamos sempre de escolher a forma certa para comunicar. Não vale simplesmente falar. Precisamos da palavra essencial para nos encontrarmos . </li></ul>
  8. 14. <ul><li>Charles Chaplin disse: </li></ul><ul><li>“ A vida é uma peça que não permite ensaios. Por isso, cante, chore, dance, ria e viva intensamente antes que a cortina se feche e a peça termine sem aplausos”. </li></ul><ul><li>Autor : desconhecido </li></ul><ul><li>Versão e adaptação: </li></ul><ul><li>J. Alberto de Oliveira </li></ul>

×