Autonomo

5.038 visualizações

Publicada em

slides da aula de anatomia do primeiro periodo da unifal, prof alessandra

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.038
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
83
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Autonomo

  1. 1. SISTEMA NERVOSOSISTEMA NERVOSO AUTÔNOMOAUTÔNOMO
  2. 2. FunçãoFunção  Manter a HomeostaseManter a Homeostase  Assegurar nutrientes, eletrólitos e oxigênio.Assegurar nutrientes, eletrólitos e oxigênio.  Dois sistemas:Dois sistemas: Humoral (endócrino)+Neural (autônomo)=SNCHumoral (endócrino)+Neural (autônomo)=SNC
  3. 3. IntroduçãoIntrodução  Divide-se em somático e visceralDivide-se em somático e visceral  Somático – relaciona com meio externoSomático – relaciona com meio externo -- SN aferenteSN aferente emite receptores periféricos (meio ambiente)emite receptores periféricos (meio ambiente) -- SN eferenteSN eferente comando aos mm esqueléticos proporcionando ocomando aos mm esqueléticos proporcionando o movimentomovimento  Visceral – atividade visceralVisceral – atividade visceral -- SN aferenteSN aferente conduz impulsos das vísceras a áreas do SNCconduz impulsos das vísceras a áreas do SNC -- SN eferenteSN eferente traz impulsos dos centros nervosos até as estruturastraz impulsos dos centros nervosos até as estruturas visceraisviscerais (SN autônomo) –(SN autônomo) – simpático, parassimpático e sistema nervososimpático, parassimpático e sistema nervoso entérico.entérico.
  4. 4. Exemplos da Ação AutônomaExemplos da Ação Autônoma  Sistema CardiovascularSistema Cardiovascular Reflexo barorreceptorReflexo barorreceptor (controle da(controle da pressão arterial frente a uma mudançapressão arterial frente a uma mudança súbita da postura o desequilíbrio resultasúbita da postura o desequilíbrio resulta nana hipotensão ortostática)hipotensão ortostática)
  5. 5. DIFERENÇAS ENTRE O COMPONENTE EFERENTE DO S. N. SOMÁTICO COM O VISCERAL (S. N. A.) S. N. SOMÁTICO S. N. VISCERAL (S.N.A.) - AS FIBRAS NERVOSAS TERMINAM EM UM M. ESQUELÉTICO - AS FIBRAS NERVOSAS TERMINAM EM UM M. LISO, M. CARDÍACO OU GLÂNDULAS - É VOLUNTÁRIO - É INVOLUNTÁRIO - EXISTE UMA PLACA MOTORA - NÃO HÁ PLACA MOTORA - SÓ HÁ UM (1) NEURÔNIO ENTRE O S.N.C E O M. ESQUELÉTICO - EXISTEM DOIS (2) NEURÔNIOS ENTRE O SNC E O ÓRGÃO EFETOR (NEURÔNIOS PRÉ-GANGLIONAR E PÓS-GANGLIONAR)
  6. 6. Sistema Nervoso Somático 1 gânglio Sistema Nervoso Autônomo Neurônio pré ganglionar Neurônio pós ganglionar
  7. 7. DIFERENÇAS ENTRE O COMPONENTE AFERENTE DO S. N. SOMÁTICO COM O VISCERAL Tomemos como base a DOR S. N. SOMÁTICO •ESTÍMULOS SEMPRE CONSCIENTES • MAIS LOCALIZADO (sabemos o local da dor) • QUALIDADE DO ESTÍMULO S. N. VISCERAL • VÁRIOS ESTÍMULOS INCONSCIENTES • MAIS DIFUSO (dor referida) • QUALIDADE DO ESTÍMULO
  8. 8. DIFERENÇAS ANATÔMICAS E FARMACOLÓGICAS ENTRE SISTEMA NERVOSO SIMPÁTICO E PARASSIMPÁTICO CRITÉRIO SIMPÁTICO PARASSIMPÁTICO - Posição do neurônio pré- ganglionar T1 a L2 Tronco encefálico e S2 a S4 - Posição do neurônio pós- ganglionar Longe das vísceras Próximo ou na parede da víscera - Tamanho da fibra pré- ganglionar Curtas Longas - Tamanho da fibra pós- ganglionar Longas Curtas - Classificação farmacológica das fibras pré-ganglionares Colinérgicas Colinérgicas - Classificação farmacológica das fibras pós-ganglionares Adrenérgicas (maioria) Colinérgicas * Colinérgicas – liberam acetilcolina estando presente na placa motora (coração, m. esquelético e glândulas). inibidora acetilcolinesterase * Adrenérgicas – liberam noradrenalina influenciam o humor, ansiedade, sono e alimentação. Suas principais ações no sistema cardiovascular e a de manter a pressão sanguínea em níveis normais (usadas no tratamento de choque).
  9. 9. ANATOMIA DO SISTEMA NERVOSO SIMPÁTICO - TRONCO SIMPÁTICO • GÂNGLIOS PRÉ-VERTEBRAIS E NN. ESPLÂNCNICOS • RAMOS COMUNICANTES BRANCO E CINZENTO * Brancos ligam a medula ao tronco simpático * Cinzento ligam o tronco simpático aos nervos espinhais
  10. 10. Nervos esplâncnicos e Gânglios pré-vertebrais  Gânglios: - 2 Gânglios celíacos; - 2 Gânglios aórtico-renais; - 1 Gânglio mesentérico superior; - 1 Gânglio mesentérico inferior.
  11. 11. TRAJETO DAS FIBRAS PRÉ-GANGLIONARES - RAIZ VENTRAL DOS NN. ESPINHAIS- RAIZ VENTRAL DOS NN. ESPINHAIS (T1 - L2)(T1 - L2) - RAMO COMUNICANTE BRANCO- RAMO COMUNICANTE BRANCO - GÂNGLIO PARAVERTEBRAL NO- GÂNGLIO PARAVERTEBRAL NO MESMO NÍVEL ouMESMO NÍVEL ou - GÂNGLIO PARAVERTEBRAL- GÂNGLIO PARAVERTEBRAL SUPERIOR OU INFERIOR ouSUPERIOR OU INFERIOR ou - GÂNGLIO PRÉ-VERTEBRAL- GÂNGLIO PRÉ-VERTEBRAL
  12. 12. TRAJETO DAS FIBRAS PÓS-GANGLIONARES -RAMO COMUNICANTE CINZENTO destino: glândula, Músculo liso ou cardíaco -- N. ESPINHAL (se distribuem em territórios de inervação de um nervo) -NERVO INDEPENDENTE (liga o gânglio a víscera) -ARTÉRIA ( acompanham uma artéria)
  13. 13. ANATOMIA DO SISTEMA NERVOSO PARASSIMPÁTICO TRONCO ENCEFÁLICO ( fibras pré-ganglionares )TRONCO ENCEFÁLICO ( fibras pré-ganglionares ) - NÚCLEO DE EDINGER-WESTPHAL (III)- NÚCLEO DE EDINGER-WESTPHAL (III) - NÚCLEO LACRIMAL (VII)- NÚCLEO LACRIMAL (VII) - NÚCLEO SALIVATÓRIO SUPERIOR (VII)- NÚCLEO SALIVATÓRIO SUPERIOR (VII) - NÚCLEO SALIVATÓRIO INFERIOR (IX)- NÚCLEO SALIVATÓRIO INFERIOR (IX) - NÚCLEO DORSAL DO VAGO (X)- NÚCLEO DORSAL DO VAGO (X)
  14. 14. • • • • • • • • • • NÚCLEO DE EDINGER-WESTPHAL NÚCLEO LACRIMAL NÚCLEO SALIVATÓRIO SUPERIOR NÚCLEO SALIVATÓRIO INFERIOR NÚCLEO DORSAL DO VAGO III VII IX X GÂNGLIO CILIAR GÂNGLIO PTERIGOPALATINO GÂNGLIO SUBMANDIBULAR GÂNGLIO ÓTICO GÂNGLIOS VISCERAIS GLÂNDULA LACRIMAL MM. ESFÍNCTER DA PUPILA E CILIAR GLÂNDULAS SUBMANDIBULAR E SUBLINGUAL GLÂNDULA PARÓTIDA VÍSCERAS CERVICAIS, TORÁCICAS E ABDOMINAIS
  15. 15. Plexos VisceraisPlexos Viscerais  Emaranhado de filetes nervosos presentes nas cavidades torácica,Emaranhado de filetes nervosos presentes nas cavidades torácica, abdominal e pélvica.abdominal e pélvica.  Constituição – simpático, parassimpático e viscerais aferentes.Constituição – simpático, parassimpático e viscerais aferentes.
  16. 16. Plexos da Cavidade TorácicaPlexos da Cavidade Torácica  Plexos esofágico, cardíaco e pulmonarPlexos esofágico, cardíaco e pulmonar  Origem: parassimpática – vagoOrigem: parassimpática – vago simpática – gânglios cervicais e torácicossimpática – gânglios cervicais e torácicos * Doença de chagas – destruição destes gânglios* Doença de chagas – destruição destes gânglios
  17. 17. Plexos da Cavidade AbdominalPlexos da Cavidade Abdominal e Pélvicoe Pélvico  Abdominal - Plexos celíaco (solar) – o maior dos plexosAbdominal - Plexos celíaco (solar) – o maior dos plexos viscerais;viscerais;  Estão aí: gânglios simpáticos, celíaco, mesentérico sup. eEstão aí: gânglios simpáticos, celíaco, mesentérico sup. e aórtico-renaisaórtico-renais • Doença de Chagas – Dilatação do esôfago e do intestinoDoença de Chagas – Dilatação do esôfago e do intestino  Pélvicos – plexo hipogástrico superior e inferior.Pélvicos – plexo hipogástrico superior e inferior.
  18. 18. Aórtico-renais

×