Apresentação4

23.162 visualizações

Publicada em

Desenvolvimento da criança dos 0 aos 10 anos

Publicada em: Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
23.162
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
20.300
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
205
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação4

  1. 1. O desenvolvimento da criança Dos 0 aos 10 anos
  2. 2. Nascimento- Completa dependência dos adultos cuidadores;- Posição mais passiva, ligada à satisfação das suas necessidades básicas.
  3. 3. Nascimento- Comunicação essencialmente através dochoro quando não satisfeitas as suasnecessidades;- Reconhecimento das figuras cuidadoras;- Reduzido controlo motor.
  4. 4. Capacidade Sensorial- Audição;- Gosto/Paladar;- Olfacto;- Tacto;- Visão.
  5. 5. Segundo/Terceiro Mês- Aumento do número de horas acordado;- Progressivo domínio do pescoço;
  6. 6. Segundo/Terceiro Mês- Segue as pessoas com o olhar;- Aparecimento do sorriso voluntário;- Alguma imitação do adulto (palrar).
  7. 7. Quarto Mês - Senta-se com apoio; - Tenta agarrar objectos (pinça);- Boa maturidade dos sentidos.
  8. 8. Terceiro TrimestreProgressivo desenvolvimento motor:- Passa os objectos duma mão para a outra;- Agarra e explora-os com maior destreza;
  9. 9. Terceiro Trimestre- Senta-se e agarra-se com maior facilidade;- Bom domínio do pescoço;
  10. 10. Terceiro Trimestre- Idade da curiosidade, do explorar  (examina, agarra, agita e leva à boca);- Surge a “angústia do estranho”;- Reconhece o seu nome (responde quando chamado).
  11. 11. Quarto TrimestreO desenvolvimento motor permite todo um mundo por explorar. Explorar / limites protectores
  12. 12. Desenvolvimento Emocional- Grande dependência da figura materna;- Fase do egocentrismo e omnipotência porexcelência.
  13. 13. Ganham os bebés que:- Efectuarem uma boa ligação aos adultos mais próximos;- Construírem uma relação de confiança básica, marcada por um padrão rotineiro, sem períodos de separação traumáticos ou perdas de figuras de referência.
  14. 14. Ideias para estimulação do bebé1º Mês - Converse ou cante para o bebé. Osom da sua voz é reconfortante e transmite-lhe segurança.Faça massagens à criança, estimule cadaparte do corpo dela: pés, mãos, costas, rosto.O toque das mãos transmite amor, carinho esegurança.
  15. 15. Ideias para estimulação do bebé2º Mês - Apresente objectos grandes ecoloridos para que ele possa brincar e tentaralcançá-los com as mãos.Junto ao berço coloque um móbil coloridodentro do campo de visão do bebé.
  16. 16. Ideias para estimulação do bebé3º Mês - Cante, faça gestos e expressõesfaciais. O bebé tentará imitar e responderáaos estímulos com sorrisos e ruídos.Estimule o tacto do bebé com objectos dediferentes texturas.Coloque-o sentado apoiado por almofadas.
  17. 17. Ideias para estimulação do bebé4º Mês - Conte histórias curtas e imite obarulho dos animais com diferentes tons devoz. O bebé tentará imitar.Mande-lhe brinquedos (bolas, dados) paraele tentar agarrar.
  18. 18. Ideias para estimulação do bebé5º Mês - Deixe-o brincar com brinquedosmacios, como mordedores, pois tudo que eleagarrar, vai levar à boca.Coloque músicas de diferentes ritmos edance com ele.Espalhe brinquedos à sua volta e deixe-o abrincar no chão.
  19. 19. Ideias para estimulação do bebé6º Mês - Durante as refeições relate ao bebé o queele está a comer. Mostre-lhe os alimentos.Convide a criança para passear, e espere que elalhe estenda os braços.Imite o barulho de animais e objectos, como gatos,telefone, estimulando-a a fazer o mesmo.Ao ar livre, deixe-a próxima das árvores, para queela observe o balancear o e barulho das folhas.
  20. 20. Ideias para estimulação do bebé7º Mês – Proporcione à criança amanipulação de brinquedos que façambarulho, de diferentes cores, formas etamanhos. Coloque-os próximos do bebé eestimule-o de modo a ele ir buscá-los.Ensine-o a dizer adeus. Em pouco temporepetirá os gestos dos adultos.
  21. 21. Ideias para estimulação do bebé8º Mês - Brinque às escondidas com umatoalha ou cortina. Permita que a criançamande objectos para o chão. Ele repetiráinúmeras vezes este movimento. Destaforma, está-se a fomentar a noção de causa eefeito.Conte histórias, mostrando as imagens dolivro.
  22. 22. Ideias para estimulação do bebé9º Mês - Deixe junto ao bebé brinquedosgrandes e coloridos. Ensine-o a empilhá-lose a encaixá-los.Relate-lhe verbalmente as suas acções. Elecomeçará a repetir sílabas. Converse sobreanimais e imite o barulho dos mesmos.
  23. 23. Ideias para estimulação do bebé10º Mês - Converse com o bebé e dê-lhealternativas. Ex.: "Queres o urso ou a bola".Procurar que aponte o desejado.Dê-lhe um telefone de brinquedo -incentivar a linguagem.
  24. 24. Ideias para estimulação do bebé11º Mês - Deixe à mão objectos que possamser colocados e retirados de uma caixa oubalde.Chame a atenção para objectos e animaisconhecidos e também para as novidades.Estimule-o a beber água em copos ou com oauxílio de palhinhas.
  25. 25. Ideias para estimulação do bebé12º Mês - Cante e conte histórias.Disponibilize livros e revistas para manusear.Incentive-o a comer sozinho.Explique-lhe tudo: o que estão a fazer, onde vão...Brinque às escondidas ou à apanhada com acriança.
  26. 26. Segundo/Terceiro Ano Dependência absoluta ➯ RelativaVai aprendendo a interagir em dois mundosfundamentais:- Mundo das relações interpessoais;- Mundo físico.
  27. 27. Segundo/Terceiro anoTrês marcos evolutivos no desenvolvimento:- Aparecimento da marcha;- Linguagem oral (sobretudo o não);- Controlo dos esfíncteres.
  28. 28. Desenvolvimento Motor Proporciona uma maior capacidade e aptidão para explorar e manipular o meio à sua volta:- Desenvolve a marcha;- Aperfeiçoa a motricidade fina.
  29. 29. Desenvolvimento da Linguagem Surge a “função semiótica”, que permite:- Pensar;- Falar;- Fantasiar, o jogo simbólico e o faz-de-conta;- Desenhar;- Dramatizar.
  30. 30. Desenvolvimento da Linguagem1 ano: Primeiras palavras (desenvolvimento mais lento que o motor);18 meses: Maior investimento no desenvolvimento da linguagem;2º ano de vida: Surgimento do não, eu, meu.
  31. 31. Desenvolvimento da Linguagem24 meses: Idade dos porquês (alia cada vez mais a exploração física à verbal);32 meses: Usa frases curtas e fala sobre um assunto por curtos períodos de tempo; Desenvolve a consciência de si e imagens mentais (ideias, símbolos).
  32. 32. Desenvolvimento da Linguagem Sugestões:- Falar para a criança de frente para ela;- Ler, contar histórias, cantar;- Mandar beijinhos, mostrar a língua, fazer caretas...- Pronunciar as palavras correctamente;- Evitar repreender erros.
  33. 33. Controlo dos esfíncteresCom cerca de dois anos de idade, inicia-se oprocesso de ensino do controlo dosmúsculos que permitem a possibilidade decontenção e expulsão das fezes e da urina.
  34. 34. Controlo dos esfíncteresMomento marcante da relação pais/criança.Importa realizar o processo comtranquilidade, aceitando e respeitando oritmo da criança.
  35. 35. Dos 3 aos 5 anosA capacidade de criar imagens mentais(símbolos, ideias) leva à progressivacompreensão de conceitos como dentro,fora, cima, baixo, trás, frente (etc.), fundamentais para a aprendizagemacadémica.
  36. 36. Dos 3 aos 5 anos- Fase fundamental da criatividade,imaginação e das brincadeiras “faz-de-conta”.- Temas ligados à imitação docomportamento dos adultos.- Desenvolvimento da empatia.
  37. 37. Medos da Criança A imaginação assume um papelpreponderante nos medos das crianças e épotenciado o surgimento do medo doescuro, dos monstros, fantasmas, ladrões,entre outros.
  38. 38. Os pais podem ajudar- Validar os sentimentos dos filhos;- Explorarem em conjunto os medos e suas razões;- Cumplicidade pais/filhos;- Evitar a fuga aos medos.
  39. 39. Sexualidade da criançaA exploração do mundo através damanipulação e da linguagem leva àinevitável questão da sexualidade, e dasdiferenças anatómicas.
  40. 40. Sexualidade da criançaÉ a fase de reconhecimento do seu sexo.Procurará explorar através do tacto, daobservação, comparação, e do brincar(brincadeiras que promovem ocontacto).
  41. 41. Sexualidade da criançaA criança começa a identificar-se com oprogenitor do mesmo sexo.Curiosidade em explorar questõesrelacionadas com a vida dos adultos (deonde vêm os bebés?).Brincadeiras exibicionistas.
  42. 42. Pede-se aos pais:- Procurem satisfazer a curiosidade dos seusfilhos (de modo adequado à suamaturidade);- Mantenham viva a diferença geracionalpais/criança (limites);
  43. 43. Pede-se aos pais:- Afirmação dos seus próprios afectos e pelaligação de amor entre o pai e a mãe: acriança deve aprender a respeitar aexistência de intimidade entre os pais, semque isso corresponda a um sentimento deperda de amor.
  44. 44. Regras e limitesFase por excelência em que a criançainveste na medição das sua posses / limites.São comuns as birras, comportamentosomnipotentes, de risco, oposição.
  45. 45. Regras e limitesTorna-se, mais que nunca, importantetransmitir regras e limites consistentes por parte dos adultos.
  46. 46. Regras e limitesEnsinar uma criança a lidar com o não,também é ensinar-lhe que ela tambémpode dizer não quando alguém quiser lheimpor atitudes ou comportamentos.
  47. 47. Regras dos limitesAfecto- Os limites aprendem-se com odesejo de agradar à figura amada;Modelagem – A moral desenvolve-se apartir da tentativa de querer ser como oadulto admirado.
  48. 48. Regras dos limitesO estabelecimento de limites claros épromotor do desenvolvimento da criança.Quando for necessário, dizer não,explicando o motivo da decisão. Não terreceio em impor a autoridade;
  49. 49. Regras dos limites É importante que ambos os progenitoresestejam em sintonia na aplicação doslimites;Devem ser coerentes e consistentes (o que não pode fazer hoje, não pode amanhã).
  50. 50. Regras dos limites Atenção a momentos como:- Refeições;- Hora de dormir. Segurança das rotinas
  51. 51. Regras dos limites- Devem ser mantidos, apesar das “armasutilizadas pelas crianças;- Demonstrar a diferença geracional; Tarefa a longo prazo.
  52. 52. Lidar com a agressividadeÉ necessário aceitar que, bem doseados,sentimentos como a frustração e aagressividade são naturais e, é essencialpara a criança poder brincar e experienciá-los.
  53. 53. Lidar com a agressividadeQuando existe uma agressão por parte dacriança, importa perguntar o motivo de talgesto. Posteriormente, fazê-la pedir desculpa àagredida.
  54. 54. Lidar com a agressividadeÉ importante incentivar o diálogo e serpaciente. Muitas vezes, o tom de voz édeterminante e diz mais do que as palavras.Procure ouvir a criança.
  55. 55. Castigos:Sim ou Não?
  56. 56. “Regras” das repreensões Explicar de forma clara o comportamento “alvo” da repreensão, e comunicar, de forma construtiva e optimista, o que esperamos que ela realize; Expressar à criança que confiamos que, no futuro, conseguirá realizar o comportamento desejado; Poder do elogio. Palavras proibidas - “Sempre” e “Nunca”;
  57. 57. Dos 5 aos 7 anosEntrada no período de latência;O princípio da realidade ganha espaço ao doprazer;“Período de calma” no desenvolvimentoemocional.
  58. 58. Dos 5 aos 7 anosAté este estádio de desenvolvimento espera-se que a criança tenha adquirido amaturidade sensório-motora necessária paraingressar num novo desafio: A Escola.
  59. 59. EscolaA escola ajusta-se perfeitamente ao estádio dedesenvolvimento das crianças, exigindo delasprodução e ordem.A relação com novas pessoas que representama autoridade e a competência exercita, daparte da criança, a adaptação, a auto-afirmação, a capacidade de concentração, etc.
  60. 60. EscolaA criança passa a estar sujeita a avaliaçõespor parte do(s) seu(s) professor(es), colegas,bem como por si mesma, necessitandopossuir um auto-controlo que lhe permitacorresponder às novas exigências.
  61. 61. EscolaAs crianças são menos egocêntricas, ecapazes de usar operações mentais pararesolver problemas concretos.Ainda sem a capacidade de realizaroperações formais e pensamento abstracto(adolescência).
  62. 62. EscolaPede-se que:Estimule o desenvolvimentocognitivo da criança, através deactividades como o contar,classificar, construir e manipular,entre outras.
  63. 63. Dos 6 aos 10 anosAs actividades podem (e devem) ter cadavez mais regras. O valor destas é quase maissignificativo do que a actividade em si.Enquanto a criança em idade pré-escolarobedece às regras sem compreender oporquê, a partir dos 6/7 anos percebe-aspelo seu valor funcional.
  64. 64. Brincar Até aos 6 anos: brincadeirasfísicas, lutas, perseguições, “faz de conta”;Dos 6 anos 10 anos: predominância dosjogos com regras, como asescondidas, macaca, elástico...
  65. 65. Desenvolvimento MotorAdquire um maior equilíbrio;Coordenação e controlo do seu corpo, bemcomo dos seus limites;Maior capacidade de auto-controlo.
  66. 66. SocializaçãoA identidade de género continua aestruturar-se (importância dasfiguras de referência);O grupo de pares torna-seprogressivamente mais importante- a pertença a um grupo éfundamental para a sua identidade.
  67. 67. A criança aprende a brincar É a brincar que ela aprende o que mais ninguém lhe pode ensinar.Descobre, compreende o papel dos adultos e a comportar-se e a sentir-se como eles.Aprende a conhecer o mundo, bem como a conhecer-se a si mesma.
  68. 68. O desenvolvimento da criança Dos 0 aos 10 anos
  69. 69. ippiblog.blogspot.pt

×