SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
Baixar para ler offline
Prof. Bruno Cesar
www.bruno-
cesar.com
A HERMENÊUTICA NOS SÉCULOS
XIX E XX – O MÉTODO HISTÓRICO
CRÍTICO
CONTEXTO DA ÉPOCA
 Esse período foi caracterizado por visões nada
ortodoxas. Surgiram visões novas a respeito da
inspiração da Bíblia. Todas elas negavam a
inspiração verbal e a infalibilidade das Escrituras.
 O elemento humano na Bíblia foi enfatizado
muito mais do que havia sido anteriormente, e
encontrou reconhecimento geral. E aqueles que
também acreditavam no fator divino refletiram
sobre a relação mútua do humano e divino.
 TENTOU-SE, ENTÃO, SISTEMATIZAR A
DOUTRINA DA INSPIRAÇÃO EM VÁRIOS
GRAUS EM DIFERENTES PARTES DA BÍBLIA,
E EM SEUS GRAUS MAIS BAIXOS COM A
ADMISSÃO DE ERROS E IMPERFEIÇÕES.
 OUTROS ACEITARAM A TEORIA DE UMA
INSPIRAÇÃO PARCIAL, LIMTANDO-A ÀS
PORÇÕES CONCERNENTES À FÉ MORAL E,
CONSEQUENTEMENTE, ADMITINDO ERROS
NOS ASSUNTOS HISTÓRICOS E
GEOGRÁFICOS.
 SCHLEIERMACHER E SEUS SEGUIDORES
NEGARAM O CARÁTER SOBRENATURAL DA
INSPIRAÇÃO, E IDENTIFICARAM-NA COM A
ILUMINAÇÃO ESPIRITUAL DOS CRISTÃOS,
ENQUANTO OUTROS TEÓLOGOS
REDUZIRAM-NA AO PODER QUE TODOS OS
HOMENS POSSUEM SIMPLESMENTE EM
VIRTUDE DA LUZ NATURAL. ATUALMENTE É
COMUM FALAR DE INPIRAÇÃO COMO ALGO
DINÂMICO, E IMPUTÁ-LA AOS AUTORES AO
INVÉS DE SEUS ESCRITOS.
 NESSA ÉPOCA COMEÇOU A CIRCULAR A
IDEIA DE QUE O INTÉRPRETE BÍBLICO
DEVERIA IR AO TEXTO SEM NENHUMA
BAGAGEM, ISTO É, SEM A OPINIÃO DA
TEOLOGIA SISTEMÁTICA E AS CONFISSÕES
DE FÉ DA IGREJA. ALÉM DISSO, TORNOU-SE
PRINCÍPIO ESTABELECIDO O FATO DE QUE A
BÍBLIA DEVERIA SER INTERPRETADA COMO
QUALQUER OUTRO LIVRO. O ELEMENTO
ESPECIAL DIVINO DA BÍBLIA FOI
DESACREDITADO DE FORMA GERAL E O
INTÉRPRETE, USUALMENTE, SE LIMITAVA À
DISCUSSÃO DAS QUESTÕES HISTÓRICAS E
CRÍTICAS.
ESCOLAS OPONENTES
1) ESCOLA GRAMATICAL
X
2) ESCOLA HISTÓRICA
1) ESCOLA GRAMATICAL
 ESTA ESCOLA FOI FUNDADA POR ERNESTI,
QUE ESCREVEU UMA OBRA IMPORTANTE
SOBRE A INTERPRETAÇÃO DO NOVO
TESTAMENTO, NA QUAL ELE FORMULOU
QUATRO PRINCÍPIOS.
 A) O SENTIDO MÚLTIPLO DA ESCRITURA
DEVE SER REJEITADO E MANTIDO SÓ O
SENTIDO LITERAL
 B) AS INTERPRETAÇÕES ALEGÓRICAS E
TIPOLÓGICAS DEVEM SER DESAPROVADAS,
EXCETO EM CASOS ONDE O AUTOR INDICA
 QUE ELE PRETENDIA ASSOCIAR OUTRO
SENTIDO AO LITERAL.
 C) DESDE QUE A BÍBLIA TEM O SENTIDO
GRAMATICAL EM COMUM COM OUTROS
LIVROS, ESTE DEVERIA SER APURADO DE
FORMA SIMILAR EM AMBOS OS CASOS.
 D) O SENTIDO LITERAL PODE NÃO SER
DETERMINADO POR UM SUPOSTO SENTIDO
DOGMÁTICO.
 A ESCOLA GRAMATICAL FOI
ESSENCIALMENTE SOBRENATURALISTA E
VINCULAVA-SE ÀS PRÓPRIAS PALAVRAS DO
TEXTO COMO FONTE LEGÍTIMA DE
INTERPRETAÇÃO AUTÊNTICAE DA VERDADE
RELIGIOSA.
 MAS SEU MÉTODO ERA UNILATERAL NO
SENTIDO DE QUE ATENDIA SÓ À
INTERPRETAÇÃO PURA E SIMPLES DO
TEXTO, A QUAL NÃO É SEMPRE SUFICIENTE
NA INTERPRETAÇÃO DA BÍBLIA.
2) ESCOLA HISTÓRICA
 A ESCOLA HISTÓRICA ORIGINOU-SE COM
SEMLER. FILHO DE PAIS PIETISTAS,
TORNOU-SE, MAIS OU MENOS A DESPEITO
DE SI MESMO, O PAI DO RACIONALISMO. NA
SUA OBRA SOBRE O CÂNON,ELE DIRIGIU A
ATENÇÃO À VERDADE NEGLIGENCIADA DA
ORIGEM HISTÓRICA HUMANA E À
COMPOSIÇÃO DA BÍBLIA.
 NA SUA SEGUNDA OBRA, SOBRE A
INTERPRETAÇÃO DO NOVO TESTAMENTO,
FORMULOU CERTOS PRINCÍPIOS DE
INTERPRETAÇÃO. SEMPLER SALIENTOU O
 FATO DE QUE VÁRIOS LIVROS DA BÍBLIA SE
ORIGINARAM DE UMA FORMA HISTÓRICA E,
CONSEQUENTEMENTE, ERAM HISTORICAMENTE
CONDICIONADOS. A PARTIR DO FATO DE QUE OS
LIVROS SEPARADOS FORAM ESCRITOS PARA
DIFERENTES CLASSES DE INDIVÍDUOS, ELE
CONCLUIU QUE ELES CONTINHAM MUITO DO
QUE ERA MERAMENTE LOCAL E EFÊMERO, E
QUE NÃO PRETENDIAM TER VALOR NORMATIVO
PARA TODOS OS HOMENS E EM
TODOS OS TEMPOS. ALÉM DISSO, VIU NELES UMA
MISTURA DE ERROS, UMA VEZ QUE JESUS E OS
APÓSTOLOS SE ADAPTARAM, EM ALGUNS
ASSUNTOS, ÀS PESSOAS A QUEM SE
ENDEREÇAVAM.
 CONSEQUENTEMENTE, ARGUMENTOU QUANTO
À NECESSIDADE DE MANTER ESSAS COISAS EM
MENTE NA INTERPRETAÇÃO DO NOVO
TESTAMENTO. E, EM RESPOSTA À QUESTÃO DE
QUAL SERIA O ELEMENTO DE VERDADE
OBRIGATÓRIA NA BÍBLIA, ELE INDICOU
“O QUE SERVE PARA APERFEIÇOAR O
CARÁTER MORAL DO HOMEM”.
 SEU ENSINO FAVORECEU A IDEIA DE QUE AS
ESCRITURAS SÃO PRODUÇÕES HUMANAS
FALÍVEIS E, VIRTUALMENTE, FEZ COM QUE A
RAZÃO HUMANA SE TORNASSE O ÁRBITRO
DA FÉ. SEMLER NÃO CRIOU ESSAS IDEIAS
MAS SIMPLESMENTE VOCALIZOU OS
PENSAMENTOS AMPLAMENTE EM VOGA EM
SEU TEMPO.
O QUE ENSINAVA
 O MÉTODO HISTÓRICO-CRÍTICO, EM LINHAS
GERAIS, ENSINAVA QUE:
 A) A BÍBLIA CONTÉM ERROS
 B) HÁ PARTES NA BÍBLIA QUE NÃO SÃO
INSIPARADAS
 C) MILAGRES NÃO EXISTEM (PODEM SER
EXPLICADOS DOUTRA FORMA)
 D) AS PARTES DA BÍBLIA QUE FALAM DE
SALVAÇÃO ESTÃO CORRETAS, MAS OS
TRECHOS QUE FALAM DE GEOGRAFIA,
HISTÓRIA, CIÊNCIA E DEMAIS ASSUNTOS,
PODEM ESTAR ERRADOS.
 E) NÃO É NECESSÁRIO ORAR, BASTA
MEDITAR
PRINCIPAIS NOMES DO MÉTODO
HISTÓRICO-CRÍTICO
FRIEDRICH SCHLEIERMACHER
RUDOLF BULTMANN
PAUL TILICH
KARL BARTH (NEO-ORTODOXO)
CONCLUSÃO
 O MÉTODO HISTÓRICO-CRÍTICO EMBORA
TENHA TRAZIDO ALGUNS BENEFÍCIOS,
TROUXE INÚMEROS MALEFÍCIOS À
CORRETA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA.
 OBSERVAREMOS, AGORA COMO TEM SIDO
FEITA A HERMENÊUTICA NO SÉCULO XXI

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Hermenêutica - Introdutória
Hermenêutica - IntrodutóriaHermenêutica - Introdutória
Hermenêutica - Introdutóriaibpcursos
 
Hermenêutica bíblica i
Hermenêutica bíblica iHermenêutica bíblica i
Hermenêutica bíblica idenilsonlemes
 
03 a interpretação literal e a alegórica
03   a interpretação literal e a alegórica03   a interpretação literal e a alegórica
03 a interpretação literal e a alegóricaDiego Fortunatto
 
Aula 9 regras gerais da interpretação
Aula 9   regras gerais da interpretaçãoAula 9   regras gerais da interpretação
Aula 9 regras gerais da interpretaçãoIago Rodrigues
 
Aula 1 questões iniciais
Aula 1   questões iniciaisAula 1   questões iniciais
Aula 1 questões iniciaisIago Rodrigues
 
Trabalho 01 hermenêutica Pr. Antenor Pedro dos Santos.
Trabalho 01 hermenêutica   Pr. Antenor Pedro dos Santos.Trabalho 01 hermenêutica   Pr. Antenor Pedro dos Santos.
Trabalho 01 hermenêutica Pr. Antenor Pedro dos Santos.Fernando Soyer
 
Hermeneutica biblica
Hermeneutica biblicaHermeneutica biblica
Hermeneutica biblicaArturAMF
 
A InterpretaçãO Da BíBlia
A InterpretaçãO Da BíBliaA InterpretaçãO Da BíBlia
A InterpretaçãO Da BíBliaDimensaoCatolica
 
Aula 2 por quê estudar hermenêutica
Aula 2   por quê estudar hermenêuticaAula 2   por quê estudar hermenêutica
Aula 2 por quê estudar hermenêuticaIago Rodrigues
 

Mais procurados (20)

Omar interpretação bíblica básica
Omar   interpretação bíblica básicaOmar   interpretação bíblica básica
Omar interpretação bíblica básica
 
Hermenêutica - Introdutória
Hermenêutica - IntrodutóriaHermenêutica - Introdutória
Hermenêutica - Introdutória
 
Hermenêutica bíblica i
Hermenêutica bíblica iHermenêutica bíblica i
Hermenêutica bíblica i
 
Apostila hermeneutica seamid
Apostila hermeneutica seamidApostila hermeneutica seamid
Apostila hermeneutica seamid
 
Aula hermenêutica completa
Aula hermenêutica completaAula hermenêutica completa
Aula hermenêutica completa
 
Hermenêutica ensinai
Hermenêutica  ensinaiHermenêutica  ensinai
Hermenêutica ensinai
 
Hermenêutica
Hermenêutica Hermenêutica
Hermenêutica
 
1ªaula de hermenêutica
1ªaula de hermenêutica1ªaula de hermenêutica
1ªaula de hermenêutica
 
03 a interpretação literal e a alegórica
03   a interpretação literal e a alegórica03   a interpretação literal e a alegórica
03 a interpretação literal e a alegórica
 
Hermenêutica Bíblica
Hermenêutica Bíblica Hermenêutica Bíblica
Hermenêutica Bíblica
 
Curso de hermeneutica 1 atualizado
Curso de hermeneutica 1 atualizadoCurso de hermeneutica 1 atualizado
Curso de hermeneutica 1 atualizado
 
Aula 9 regras gerais da interpretação
Aula 9   regras gerais da interpretaçãoAula 9   regras gerais da interpretação
Aula 9 regras gerais da interpretação
 
Aula 1 questões iniciais
Aula 1   questões iniciaisAula 1   questões iniciais
Aula 1 questões iniciais
 
Introdução ao estudo da hermenêutica 1
Introdução ao estudo da hermenêutica 1Introdução ao estudo da hermenêutica 1
Introdução ao estudo da hermenêutica 1
 
Trabalho 01 hermenêutica Pr. Antenor Pedro dos Santos.
Trabalho 01 hermenêutica   Pr. Antenor Pedro dos Santos.Trabalho 01 hermenêutica   Pr. Antenor Pedro dos Santos.
Trabalho 01 hermenêutica Pr. Antenor Pedro dos Santos.
 
Hermeneutica bíblica
Hermeneutica bíblicaHermeneutica bíblica
Hermeneutica bíblica
 
Hermeneutica biblica
Hermeneutica biblicaHermeneutica biblica
Hermeneutica biblica
 
A InterpretaçãO Da BíBlia
A InterpretaçãO Da BíBliaA InterpretaçãO Da BíBlia
A InterpretaçãO Da BíBlia
 
Aula 2 por quê estudar hermenêutica
Aula 2   por quê estudar hermenêuticaAula 2   por quê estudar hermenêutica
Aula 2 por quê estudar hermenêutica
 
Hermenêutica x Exegese
Hermenêutica x ExegeseHermenêutica x Exegese
Hermenêutica x Exegese
 

Destaque

Interpretação e tradução 2013-2 - Teoria Geral do Direito
Interpretação e tradução   2013-2 - Teoria Geral do DireitoInterpretação e tradução   2013-2 - Teoria Geral do Direito
Interpretação e tradução 2013-2 - Teoria Geral do DireitoFabiana Del Padre Tomé
 
O papel do espírito santo na interpretação bíblica 4
O papel do espírito santo na interpretação bíblica 4O papel do espírito santo na interpretação bíblica 4
O papel do espírito santo na interpretação bíblica 4Bruno Cesar Santos de Sousa
 
Aula do dia 30 04 - professora daniele souto
Aula do dia 30 04 - professora daniele soutoAula do dia 30 04 - professora daniele souto
Aula do dia 30 04 - professora daniele soutoFernanda Moreira
 
As traduções bíblicas e o significado do texto 5
As traduções bíblicas e o significado do texto 5As traduções bíblicas e o significado do texto 5
As traduções bíblicas e o significado do texto 5Bruno Cesar Santos de Sousa
 
Historia de la hermenéutica
Historia de la hermenéuticaHistoria de la hermenéutica
Historia de la hermenéuticaamfyce
 
Princípios da interpretação bíblica
Princípios da interpretação bíblicaPrincípios da interpretação bíblica
Princípios da interpretação bíblicaDaladier Lima
 
Estrangeirização e domesticação sem radicalismos
Estrangeirização e domesticação sem radicalismosEstrangeirização e domesticação sem radicalismos
Estrangeirização e domesticação sem radicalismosAbrates
 
Hermeneutica - Métodos hermenêuticos
Hermeneutica - Métodos hermenêuticosHermeneutica - Métodos hermenêuticos
Hermeneutica - Métodos hermenêuticosibpcursos
 
Aula 5 observações gerais
Aula 5   observações geraisAula 5   observações gerais
Aula 5 observações geraisIago Rodrigues
 

Destaque (17)

A necessidade do estudo da hermenêutica 2
A necessidade do estudo da hermenêutica 2A necessidade do estudo da hermenêutica 2
A necessidade do estudo da hermenêutica 2
 
Interpretação e tradução 2013-2 - Teoria Geral do Direito
Interpretação e tradução   2013-2 - Teoria Geral do DireitoInterpretação e tradução   2013-2 - Teoria Geral do Direito
Interpretação e tradução 2013-2 - Teoria Geral do Direito
 
O papel do espírito santo na interpretação bíblica 4
O papel do espírito santo na interpretação bíblica 4O papel do espírito santo na interpretação bíblica 4
O papel do espírito santo na interpretação bíblica 4
 
Hermenêutica Parte 2
Hermenêutica Parte 2Hermenêutica Parte 2
Hermenêutica Parte 2
 
HERMENÊUTICA
HERMENÊUTICAHERMENÊUTICA
HERMENÊUTICA
 
Introdução a hermeneutica bíblica walter c. kaiser jr. e moisés silva
Introdução a hermeneutica bíblica   walter c. kaiser jr. e moisés silvaIntrodução a hermeneutica bíblica   walter c. kaiser jr. e moisés silva
Introdução a hermeneutica bíblica walter c. kaiser jr. e moisés silva
 
Aula do dia 30 04 - professora daniele souto
Aula do dia 30 04 - professora daniele soutoAula do dia 30 04 - professora daniele souto
Aula do dia 30 04 - professora daniele souto
 
Inspiração e interpretação bíblica 3
Inspiração e interpretação bíblica 3Inspiração e interpretação bíblica 3
Inspiração e interpretação bíblica 3
 
A formação da bíblia
A formação da bíbliaA formação da bíblia
A formação da bíblia
 
As traduções bíblicas e o significado do texto 5
As traduções bíblicas e o significado do texto 5As traduções bíblicas e o significado do texto 5
As traduções bíblicas e o significado do texto 5
 
Aula hermenêutica
Aula hermenêuticaAula hermenêutica
Aula hermenêutica
 
Historia de la hermenéutica
Historia de la hermenéuticaHistoria de la hermenéutica
Historia de la hermenéutica
 
Princípios da interpretação bíblica
Princípios da interpretação bíblicaPrincípios da interpretação bíblica
Princípios da interpretação bíblica
 
Estrangeirização e domesticação sem radicalismos
Estrangeirização e domesticação sem radicalismosEstrangeirização e domesticação sem radicalismos
Estrangeirização e domesticação sem radicalismos
 
Hermeneutica - Métodos hermenêuticos
Hermeneutica - Métodos hermenêuticosHermeneutica - Métodos hermenêuticos
Hermeneutica - Métodos hermenêuticos
 
Aula 5 observações gerais
Aula 5   observações geraisAula 5   observações gerais
Aula 5 observações gerais
 
Hermenêutica aula 3
Hermenêutica aula 3Hermenêutica aula 3
Hermenêutica aula 3
 

Semelhante a O Método Histórico-Crítico e seus principais expoentes

Dicionário de jesus e dos evangelhos
Dicionário de jesus e dos evangelhosDicionário de jesus e dos evangelhos
Dicionário de jesus e dos evangelhosAbdias Barreto
 
Dicionário de jesus e dos evangelhos
Dicionário de jesus e dos evangelhosDicionário de jesus e dos evangelhos
Dicionário de jesus e dos evangelhosSérgio Ira
 
Todas as parábolas da bíblia - Herbert Lockyer
Todas as parábolas da bíblia - Herbert LockyerTodas as parábolas da bíblia - Herbert Lockyer
Todas as parábolas da bíblia - Herbert Lockyerjesusnaveia
 
Visao espirita da_biblia
Visao espirita da_bibliaVisao espirita da_biblia
Visao espirita da_bibliacaodeguerra
 
Estudo Sobre a biblia.pptx
Estudo Sobre a biblia.pptxEstudo Sobre a biblia.pptx
Estudo Sobre a biblia.pptxRobertoMaciel20
 
Estudo Sobre a biblia.pptx
Estudo Sobre a biblia.pptxEstudo Sobre a biblia.pptx
Estudo Sobre a biblia.pptxRobertoMaciel20
 
Novo testamento artigo
Novo testamento artigoNovo testamento artigo
Novo testamento artigoIsrael serique
 
Curso biblico da igreja batista adore de palhoça sc
Curso biblico da igreja batista adore de palhoça scCurso biblico da igreja batista adore de palhoça sc
Curso biblico da igreja batista adore de palhoça scpolianysbernal
 
26 daniel - homilética completa do pregador
26   daniel - homilética completa do pregador26   daniel - homilética completa do pregador
26 daniel - homilética completa do pregadorjosé nasci
 
Evangelho de Lucas (1) - Semana Bíblica 2013
Evangelho de Lucas (1) - Semana Bíblica 2013Evangelho de Lucas (1) - Semana Bíblica 2013
Evangelho de Lucas (1) - Semana Bíblica 2013kakaufig
 
Todas as Parábolas da Bíblia - Herbert Lockyer
Todas as Parábolas da Bíblia - Herbert LockyerTodas as Parábolas da Bíblia - Herbert Lockyer
Todas as Parábolas da Bíblia - Herbert LockyerArão Zuconelli
 
11 a interpretação das escrituras
11   a interpretação das escrituras11   a interpretação das escrituras
11 a interpretação das escriturasJoao Franca
 
hermeneutica inclusiva o combate as seitas.pptx
hermeneutica inclusiva o combate as seitas.pptxhermeneutica inclusiva o combate as seitas.pptx
hermeneutica inclusiva o combate as seitas.pptxRichard Sias
 

Semelhante a O Método Histórico-Crítico e seus principais expoentes (20)

Introdução Bíblica
Introdução BíblicaIntrodução Bíblica
Introdução Bíblica
 
Dicionário de jesus e dos evangelhos
Dicionário de jesus e dos evangelhosDicionário de jesus e dos evangelhos
Dicionário de jesus e dos evangelhos
 
Dicionário de jesus e dos evangelhos
Dicionário de jesus e dos evangelhosDicionário de jesus e dos evangelhos
Dicionário de jesus e dos evangelhos
 
Todas as parábolas da bíblia - Herbert Lockyer
Todas as parábolas da bíblia - Herbert LockyerTodas as parábolas da bíblia - Herbert Lockyer
Todas as parábolas da bíblia - Herbert Lockyer
 
Visao espirita da_biblia
Visao espirita da_bibliaVisao espirita da_biblia
Visao espirita da_biblia
 
Hebreus
HebreusHebreus
Hebreus
 
Hebreus
HebreusHebreus
Hebreus
 
Estudo Sobre a biblia.pptx
Estudo Sobre a biblia.pptxEstudo Sobre a biblia.pptx
Estudo Sobre a biblia.pptx
 
Estudo Sobre a biblia.pptx
Estudo Sobre a biblia.pptxEstudo Sobre a biblia.pptx
Estudo Sobre a biblia.pptx
 
Novo testamento artigo
Novo testamento artigoNovo testamento artigo
Novo testamento artigo
 
Curso biblico da igreja batista adore de palhoça sc
Curso biblico da igreja batista adore de palhoça scCurso biblico da igreja batista adore de palhoça sc
Curso biblico da igreja batista adore de palhoça sc
 
26 daniel - homilética completa do pregador
26   daniel - homilética completa do pregador26   daniel - homilética completa do pregador
26 daniel - homilética completa do pregador
 
Evangelho de Lucas (1) - Semana Bíblica 2013
Evangelho de Lucas (1) - Semana Bíblica 2013Evangelho de Lucas (1) - Semana Bíblica 2013
Evangelho de Lucas (1) - Semana Bíblica 2013
 
Hermeneutica bíblica cópia
Hermeneutica bíblica   cópiaHermeneutica bíblica   cópia
Hermeneutica bíblica cópia
 
Todas as Parábolas da Bíblia - Herbert Lockyer
Todas as Parábolas da Bíblia - Herbert LockyerTodas as Parábolas da Bíblia - Herbert Lockyer
Todas as Parábolas da Bíblia - Herbert Lockyer
 
Disciplina de Bibliologia
Disciplina de BibliologiaDisciplina de Bibliologia
Disciplina de Bibliologia
 
STNB-NT1-M2
STNB-NT1-M2STNB-NT1-M2
STNB-NT1-M2
 
Aula ieb (1)
Aula ieb (1)Aula ieb (1)
Aula ieb (1)
 
11 a interpretação das escrituras
11   a interpretação das escrituras11   a interpretação das escrituras
11 a interpretação das escrituras
 
hermeneutica inclusiva o combate as seitas.pptx
hermeneutica inclusiva o combate as seitas.pptxhermeneutica inclusiva o combate as seitas.pptx
hermeneutica inclusiva o combate as seitas.pptx
 

Mais de Bruno Cesar Santos de Sousa (17)

Como estudar a bíblia
Como estudar a bíbliaComo estudar a bíblia
Como estudar a bíblia
 
O que pode acontecer a um cristão que despreza o estudo bíblico
O que pode acontecer a um cristão que  despreza o estudo bíblicoO que pode acontecer a um cristão que  despreza o estudo bíblico
O que pode acontecer a um cristão que despreza o estudo bíblico
 
A importância do estudo bíblico para a igreja
A importância do estudo bíblico para a igrejaA importância do estudo bíblico para a igreja
A importância do estudo bíblico para a igreja
 
Panorama do novo testamento
Panorama do novo testamentoPanorama do novo testamento
Panorama do novo testamento
 
Hinduísmo
HinduísmoHinduísmo
Hinduísmo
 
Hare krishna
Hare krishnaHare krishna
Hare krishna
 
Espiritismo
EspiritismoEspiritismo
Espiritismo
 
Novo testamento 2 2016.1 tarde e noite
Novo testamento 2   2016.1 tarde e noiteNovo testamento 2   2016.1 tarde e noite
Novo testamento 2 2016.1 tarde e noite
 
Novo testamento 1 noite 2016.1
Novo testamento 1   noite 2016.1Novo testamento 1   noite 2016.1
Novo testamento 1 noite 2016.1
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
 
Homilética I Itaporanga
Homilética I ItaporangaHomilética I Itaporanga
Homilética I Itaporanga
 
O cânon do novo testamento
O cânon do novo testamentoO cânon do novo testamento
O cânon do novo testamento
 
Principais Tipos de Sermão
Principais Tipos de SermãoPrincipais Tipos de Sermão
Principais Tipos de Sermão
 
Teologia da prosperidade
Teologia da prosperidadeTeologia da prosperidade
Teologia da prosperidade
 
A corrida da vida cristã
A corrida da vida cristãA corrida da vida cristã
A corrida da vida cristã
 
Missões e as redes sociais
Missões e as redes sociaisMissões e as redes sociais
Missões e as redes sociais
 
O papel do espírito santo no livro de Atos
O papel do espírito santo no livro de AtosO papel do espírito santo no livro de Atos
O papel do espírito santo no livro de Atos
 

Último

Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 

Último (20)

Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 

O Método Histórico-Crítico e seus principais expoentes

  • 1. Prof. Bruno Cesar www.bruno- cesar.com A HERMENÊUTICA NOS SÉCULOS XIX E XX – O MÉTODO HISTÓRICO CRÍTICO
  • 2. CONTEXTO DA ÉPOCA  Esse período foi caracterizado por visões nada ortodoxas. Surgiram visões novas a respeito da inspiração da Bíblia. Todas elas negavam a inspiração verbal e a infalibilidade das Escrituras.  O elemento humano na Bíblia foi enfatizado muito mais do que havia sido anteriormente, e encontrou reconhecimento geral. E aqueles que também acreditavam no fator divino refletiram sobre a relação mútua do humano e divino.
  • 3.  TENTOU-SE, ENTÃO, SISTEMATIZAR A DOUTRINA DA INSPIRAÇÃO EM VÁRIOS GRAUS EM DIFERENTES PARTES DA BÍBLIA, E EM SEUS GRAUS MAIS BAIXOS COM A ADMISSÃO DE ERROS E IMPERFEIÇÕES.  OUTROS ACEITARAM A TEORIA DE UMA INSPIRAÇÃO PARCIAL, LIMTANDO-A ÀS PORÇÕES CONCERNENTES À FÉ MORAL E, CONSEQUENTEMENTE, ADMITINDO ERROS NOS ASSUNTOS HISTÓRICOS E GEOGRÁFICOS.
  • 4.  SCHLEIERMACHER E SEUS SEGUIDORES NEGARAM O CARÁTER SOBRENATURAL DA INSPIRAÇÃO, E IDENTIFICARAM-NA COM A ILUMINAÇÃO ESPIRITUAL DOS CRISTÃOS, ENQUANTO OUTROS TEÓLOGOS REDUZIRAM-NA AO PODER QUE TODOS OS HOMENS POSSUEM SIMPLESMENTE EM VIRTUDE DA LUZ NATURAL. ATUALMENTE É COMUM FALAR DE INPIRAÇÃO COMO ALGO DINÂMICO, E IMPUTÁ-LA AOS AUTORES AO INVÉS DE SEUS ESCRITOS.
  • 5.  NESSA ÉPOCA COMEÇOU A CIRCULAR A IDEIA DE QUE O INTÉRPRETE BÍBLICO DEVERIA IR AO TEXTO SEM NENHUMA BAGAGEM, ISTO É, SEM A OPINIÃO DA TEOLOGIA SISTEMÁTICA E AS CONFISSÕES DE FÉ DA IGREJA. ALÉM DISSO, TORNOU-SE PRINCÍPIO ESTABELECIDO O FATO DE QUE A BÍBLIA DEVERIA SER INTERPRETADA COMO QUALQUER OUTRO LIVRO. O ELEMENTO ESPECIAL DIVINO DA BÍBLIA FOI DESACREDITADO DE FORMA GERAL E O INTÉRPRETE, USUALMENTE, SE LIMITAVA À DISCUSSÃO DAS QUESTÕES HISTÓRICAS E CRÍTICAS.
  • 6. ESCOLAS OPONENTES 1) ESCOLA GRAMATICAL X 2) ESCOLA HISTÓRICA
  • 7. 1) ESCOLA GRAMATICAL  ESTA ESCOLA FOI FUNDADA POR ERNESTI, QUE ESCREVEU UMA OBRA IMPORTANTE SOBRE A INTERPRETAÇÃO DO NOVO TESTAMENTO, NA QUAL ELE FORMULOU QUATRO PRINCÍPIOS.  A) O SENTIDO MÚLTIPLO DA ESCRITURA DEVE SER REJEITADO E MANTIDO SÓ O SENTIDO LITERAL  B) AS INTERPRETAÇÕES ALEGÓRICAS E TIPOLÓGICAS DEVEM SER DESAPROVADAS, EXCETO EM CASOS ONDE O AUTOR INDICA
  • 8.  QUE ELE PRETENDIA ASSOCIAR OUTRO SENTIDO AO LITERAL.  C) DESDE QUE A BÍBLIA TEM O SENTIDO GRAMATICAL EM COMUM COM OUTROS LIVROS, ESTE DEVERIA SER APURADO DE FORMA SIMILAR EM AMBOS OS CASOS.  D) O SENTIDO LITERAL PODE NÃO SER DETERMINADO POR UM SUPOSTO SENTIDO DOGMÁTICO.
  • 9.  A ESCOLA GRAMATICAL FOI ESSENCIALMENTE SOBRENATURALISTA E VINCULAVA-SE ÀS PRÓPRIAS PALAVRAS DO TEXTO COMO FONTE LEGÍTIMA DE INTERPRETAÇÃO AUTÊNTICAE DA VERDADE RELIGIOSA.  MAS SEU MÉTODO ERA UNILATERAL NO SENTIDO DE QUE ATENDIA SÓ À INTERPRETAÇÃO PURA E SIMPLES DO TEXTO, A QUAL NÃO É SEMPRE SUFICIENTE NA INTERPRETAÇÃO DA BÍBLIA.
  • 10. 2) ESCOLA HISTÓRICA  A ESCOLA HISTÓRICA ORIGINOU-SE COM SEMLER. FILHO DE PAIS PIETISTAS, TORNOU-SE, MAIS OU MENOS A DESPEITO DE SI MESMO, O PAI DO RACIONALISMO. NA SUA OBRA SOBRE O CÂNON,ELE DIRIGIU A ATENÇÃO À VERDADE NEGLIGENCIADA DA ORIGEM HISTÓRICA HUMANA E À COMPOSIÇÃO DA BÍBLIA.  NA SUA SEGUNDA OBRA, SOBRE A INTERPRETAÇÃO DO NOVO TESTAMENTO, FORMULOU CERTOS PRINCÍPIOS DE INTERPRETAÇÃO. SEMPLER SALIENTOU O
  • 11.  FATO DE QUE VÁRIOS LIVROS DA BÍBLIA SE ORIGINARAM DE UMA FORMA HISTÓRICA E, CONSEQUENTEMENTE, ERAM HISTORICAMENTE CONDICIONADOS. A PARTIR DO FATO DE QUE OS LIVROS SEPARADOS FORAM ESCRITOS PARA DIFERENTES CLASSES DE INDIVÍDUOS, ELE CONCLUIU QUE ELES CONTINHAM MUITO DO QUE ERA MERAMENTE LOCAL E EFÊMERO, E QUE NÃO PRETENDIAM TER VALOR NORMATIVO PARA TODOS OS HOMENS E EM
  • 12. TODOS OS TEMPOS. ALÉM DISSO, VIU NELES UMA MISTURA DE ERROS, UMA VEZ QUE JESUS E OS APÓSTOLOS SE ADAPTARAM, EM ALGUNS ASSUNTOS, ÀS PESSOAS A QUEM SE ENDEREÇAVAM.  CONSEQUENTEMENTE, ARGUMENTOU QUANTO À NECESSIDADE DE MANTER ESSAS COISAS EM MENTE NA INTERPRETAÇÃO DO NOVO TESTAMENTO. E, EM RESPOSTA À QUESTÃO DE QUAL SERIA O ELEMENTO DE VERDADE OBRIGATÓRIA NA BÍBLIA, ELE INDICOU
  • 13. “O QUE SERVE PARA APERFEIÇOAR O CARÁTER MORAL DO HOMEM”.  SEU ENSINO FAVORECEU A IDEIA DE QUE AS ESCRITURAS SÃO PRODUÇÕES HUMANAS FALÍVEIS E, VIRTUALMENTE, FEZ COM QUE A RAZÃO HUMANA SE TORNASSE O ÁRBITRO DA FÉ. SEMLER NÃO CRIOU ESSAS IDEIAS MAS SIMPLESMENTE VOCALIZOU OS PENSAMENTOS AMPLAMENTE EM VOGA EM SEU TEMPO.
  • 14. O QUE ENSINAVA  O MÉTODO HISTÓRICO-CRÍTICO, EM LINHAS GERAIS, ENSINAVA QUE:  A) A BÍBLIA CONTÉM ERROS  B) HÁ PARTES NA BÍBLIA QUE NÃO SÃO INSIPARADAS  C) MILAGRES NÃO EXISTEM (PODEM SER EXPLICADOS DOUTRA FORMA)
  • 15.  D) AS PARTES DA BÍBLIA QUE FALAM DE SALVAÇÃO ESTÃO CORRETAS, MAS OS TRECHOS QUE FALAM DE GEOGRAFIA, HISTÓRIA, CIÊNCIA E DEMAIS ASSUNTOS, PODEM ESTAR ERRADOS.  E) NÃO É NECESSÁRIO ORAR, BASTA MEDITAR
  • 16. PRINCIPAIS NOMES DO MÉTODO HISTÓRICO-CRÍTICO FRIEDRICH SCHLEIERMACHER RUDOLF BULTMANN
  • 17. PAUL TILICH KARL BARTH (NEO-ORTODOXO)
  • 18. CONCLUSÃO  O MÉTODO HISTÓRICO-CRÍTICO EMBORA TENHA TRAZIDO ALGUNS BENEFÍCIOS, TROUXE INÚMEROS MALEFÍCIOS À CORRETA INTERPRETAÇÃO BÍBLICA.  OBSERVAREMOS, AGORA COMO TEM SIDO FEITA A HERMENÊUTICA NO SÉCULO XXI