Universidade Federal de Minas Gerais                    Escola de Arquitetura           TAU 043 – SISTEMAS TECNOLÓGICOS DE...
LOCAL – CONTEXTO URBANO
LOCAL – CONTEXTO URBANO
ESPAÇOS PÚBLICOS E MOBILIÁRIOS URBANOS Diagnóstico do Local:
ESPAÇOS PÚBLICOS E MOBILIÁRIOS URBANOS Justificativa:  • Requalificar o ambiente público utilizado pelos moradores    com...
ESPAÇOS PÚBLICOS E MOBILIÁRIOS URBANOS  Possibilidades:   Material                          Especificações               ...
ESPAÇOS PÚBLICOS E MOBILIÁRIOS URBANOS  Material                              Especificações                              ...
ESPAÇOS PÚBLICOS E MOBILIÁRIOS URBANOSMaterial                          Especificações                              Contra...
ESPAÇOS PÚBLICOS E MOBILIÁRIOS URBANOSProcedimentos: • O espaço que abrigará a quadra multiuso na Vila São   Vicente é der...
ESPAÇOS PÚBLICOS E MOBILIÁRIOS URBANOS Referências Conceituais:      Grand Cafe "The Basket"
PortoBello – Mobiliários Urbanos Inteligentes
Revista Sustentabilidade
Projeto de Jacira Farias – Favelas do Rio
REFERÊNCIASSylvio E. de Podestá Arquitetura - http://www.podesta.arq.br,acesso em 10/12/2011;Blog PortoBello - http://www....
Trabalho
Trabalho
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Trabalho

946 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
946
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
756
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho

  1. 1. Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Arquitetura TAU 043 – SISTEMAS TECNOLÓGICOS DE BAIXO IMPACTOPROFESSORES: JOSÉ EUSTÁQUIO MACHADO DE PAIVA/BRENO HENRIQUE LEITE COTAVILA SÃO VICENTE ADEQUAÇÃO DA PRAÇA DE CONVIVÊNCIA Bruno Malacco Diogo Guadalupe Edgard Oliveira
  2. 2. LOCAL – CONTEXTO URBANO
  3. 3. LOCAL – CONTEXTO URBANO
  4. 4. ESPAÇOS PÚBLICOS E MOBILIÁRIOS URBANOS Diagnóstico do Local:
  5. 5. ESPAÇOS PÚBLICOS E MOBILIÁRIOS URBANOS Justificativa: • Requalificar o ambiente público utilizado pelos moradores como foco de lazer; • Promover um espaço multiuso para atender aos habitantes do aglomerado; É importante que ele possa ser interpretado de formas diferentes por pessoas diversas, proporcionando a utilização de todos os moradores; • Gerar um local em que a comunidade tenha plena identificação com o mesmo.
  6. 6. ESPAÇOS PÚBLICOS E MOBILIÁRIOS URBANOS  Possibilidades: Material Especificações Contra-Indicação Sarrafos de madeira: 10 cm de altura por 2,5 cm de largura, Apesar de ser muito comum em são dispostos na forma de quadrados de 2 x 2 m sobre um quadras poliesportivas e de tênis lastro de pedra nº 2 com 5 cm de altura. Esses quadrados devido ao baixo custo de execução, o devem preenchidos diagonalmente, semelhante a um jogo de cimentado não pode ser considerado damas, por uma camada de concreto de 8 cm de altura. Após um piso esportivo. O material nãoPiso Cimentado a cura de 24 horas, os sarrafos são retirados e o espaço vazio absorve o impacto dos é preenchido por concreto ou asfalto. O acabamento tem em movimentos dos jogadores, o que média 2 cm de espessura e pode ser feito com argamassa pode causar problemas de saúde. de cimento e areia quando se tratar de quadras Caso a opção de revestimento seja a descoberta, ou por pó de cimento, se a quadra for coberta. Atinta epóxi, é exigido um trabalho demarcação é feita com tinta acrílica resistente à abrasão. qualificado de pintura.
  7. 7. ESPAÇOS PÚBLICOS E MOBILIÁRIOS URBANOS Material Especificações Contra-Indicação O piso asfáltico é usado em quadras para a prática de quase todos os esportes – tênis, basquete, vôlei, handebol, paddle e badminton – e ainda é de fácil construção. Sobre uma base de pó de pedra é colocada uma camada de 5 cm de pedra nº 1. Em seguida, uma camada de emulsão asfáltica e outra de pedriscos com altura entre 3 e 5 cm. Por fim, uma nova camada de emulsão asfáltica de 2 a 5Piso Asfáltico demãos de resina sintética. No caso das quadras para tênis, o acabamento da última demão deve ser áspero, para que o pique da bola seja mais lento. A construção demora de 2 a 3 semanas. Como manutenção, a resina sintética deve ser substituída a cada 5 anos nas quadras descobertas e a cada 8 anos nas cobertas, O escoamento da água demora cerca de 15 a 20 minutos.
  8. 8. ESPAÇOS PÚBLICOS E MOBILIÁRIOS URBANOSMaterial Especificações Contra-Indicação Também conhecido como quadra de terra, o piso de saibro é ideal para jogos de tênis, pois absorve bem o impacto dos movimentos dos jogadores. Apesar da aparência rústica, sua execução requer cuidados. Segundo o engenheiro Soly Harari, a construção deve ser feita em terrenos planos, bem compactados e, de preferência, de composição argilosa. O primeiro passo é fazer uma moldura com blocos de cimento e cinta de concreto na medida da quadra. Ela deverá ter 30 cm de altura e ficar parcialmente enterrada. No Exige terrenos planos e fundo dessa moldura é espalhada uma camada de 20 cm de altura bem compactados. de cacos de tijolo, que deve ser muito bem compactada com a Manutenção frequenteSaibro ajuda de água. Em seguida, cobre-se o espaço com uma camada com reposição de pó de de 20 cm de saibro misturado com água e terra vermelha. Depois telha, varredura e de compactada, deve-se abrir pequenas valas e fazer sapatas de humidificação do solo concreto nos locais onde serão fixados os postes de sustentação regularmente. da rede. Por fim, espalha-se o pó de telha, que facilita a movimentação dos jogadores na quadra. Deve-se também prever um caimento de 0,5% nas laterais a fim de agilizar o escoamento da água. Construída dessa forma, a autodrenagem demora cerca de 8 horas. Para a manutenção, são necessárias frequentes reposições do pó de telha da superfície e é preciso varrer e molhar a quadra duas vezes ao dia.
  9. 9. ESPAÇOS PÚBLICOS E MOBILIÁRIOS URBANOSProcedimentos: • O espaço que abrigará a quadra multiuso na Vila São Vicente é derivado de corte no terreno, sendo assim, o mesmo deve ser compactado com rolo pequeno, para suportar o revestimento monolítico para o piso do ambiente. • Utilização de Piso Cimentado por causa da eficiência do método e do baixo custo de manutenção; • O mobiliário não pode restringir o uso do local, sendo priorizado formas não fixas de bancos e mesas.  Mobiliário esportivo flexível, ou que não demande muito espaço. Ex.: Cesta de basquete, etc;  Mobiliário urbano não-fixo. Ex.: Bancos, mesinhas de jogos, etc.
  10. 10. ESPAÇOS PÚBLICOS E MOBILIÁRIOS URBANOS Referências Conceituais: Grand Cafe "The Basket"
  11. 11. PortoBello – Mobiliários Urbanos Inteligentes
  12. 12. Revista Sustentabilidade
  13. 13. Projeto de Jacira Farias – Favelas do Rio
  14. 14. REFERÊNCIASSylvio E. de Podestá Arquitetura - http://www.podesta.arq.br,acesso em 10/12/2011;Blog PortoBello - http://www.portobello.com.br, acesso em10/12/2011;Conversa Afiada - http://www.conversaafiada.com.br, acessoem 10/12/2011;Revista AU Edição 200 – Intervenção em Favelas.

×