UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO
Centro de Ciências Humanas e Sociais – CCH
Departamento de História
Salva...
Brasil no Século XVII
Capitanias Hereditárias
As capitanias foram uma forma de
administração territorial do império
portug...
Brasil no Século XVII – Governo Geral
 Com a finalidade de centralizar administrativamente a
organização da Colônia, o re...
Capitania do Rio de Janeiro
 A Capitania Real do Rio de Janeiro foi o nome dado,
em 1567, a secção mais setentrional da C...
Governadores da Coloniais da Capitania do Rio de Janeiro
1565 - 1808
PERÍODO GOVERNADORES DO RIO DE JANEIRO
(SÉCULOS XVI, ...
Salvador Correia de Sá e Benevides –
Governador da Capitania do Rio de Janeiro
Salvador Correia de Sá e Benevides, Governa...
Mais um pouco sobre Salvador Benevides….
Mapa do Rio de Janeiro, séc. XVII
 Salvador Correia de Sá e Benevides faleceu no...
Colônia portuguesa de Angola
Mapa de Luanda, Angola.
Antes de tratar sobre a luta de reconquista de Angola, é necessário f...
Conquista de Angola pelos Holandeses
• Em maio de 1641, os holandeses enviam direto do Recife, uma frota composta por vint...
A Luta pela Reconquista!
 Tropas, navios e munição em quantidades suficientes para o socorro da
África Central não poderi...
Para refletir:
Exclusivo (pacto) Colonial
 Pacto Colonial, uma realidade ou não?
 Salvador e Benevides pode ser visto, s...
Atividade Final
Em dupla, após a apresentação do conteúdo, repense e responda a
seguinte perguntas:
1.Pacto colonial, uma...
Bibliografia
BOXER, Charles Ralph. O império colonial português (1415-1825). São Paulo:
Companhia das Letras, 2002
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Trabalho Final de Didática - 2013.1

335 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
335
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho Final de Didática - 2013.1

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Centro de Ciências Humanas e Sociais – CCH Departamento de História Salvador Correia de Sá e Benevides e a Luta de reconquista pela Angola – Séc. XVII (1648) Terceiro ano do Ensino Médio Disciplina: Didática Professora: Rachel Colacique Aluno: Bruno Corrêa de Sá e Benevides
  2. 2. Brasil no Século XVII Capitanias Hereditárias As capitanias foram uma forma de administração territorial do império português pela qual a Coroa, com recursos limitados, delegou a tarefa de colonização e exploração de determinadas áreas a particulares, através da doação de lotes de terra, sistema utilizado inicialmente com sucesso na exploração das ilhas atlânticas. No Brasil, este sistema ficou conhecido como capitanias hereditárias, tendo vigorado, sob diversas formas, durante o período colonial, do início do século XVI até ao século XVIII, quando o sistema de hereditariedade foi extinto pelo Marquês de Pombal, em 1759.
  3. 3. Brasil no Século XVII – Governo Geral  Com a finalidade de centralizar administrativamente a organização da Colônia, o rei de Portugal resolveu criar, em 1548, o Governo Geral.  Para tanto, resgatou dos herdeiros a capitania da Bahia de Todos os Santos, transformando-a na primeira capitania real ou da Coroa, sede do Governo Geral.  Esta medida não implicou a extinção das capitanias hereditárias e até mesmo outras foram implantadas, como a de Itaparica, em 1556, e a do Recôncavo Baiano, em 1566.  No século XVII continuaram a ser criadas capitanias hereditárias para estimular a ocupação do Estado do Maranhão. Tomé de Sousa, o primeiro governador do Brasil, chegou em 1549 e fundou a cidade de Salvador, a primeira da Colônia.
  4. 4. Capitania do Rio de Janeiro  A Capitania Real do Rio de Janeiro foi o nome dado, em 1567, a secção mais setentrional da Capitania de São Vicente, que tinha como limites pontos litorâneos hoje ocupados por Macaé (Rio de Janeiro), ao norte, e Caraguatatuba (São Paulo), ao sul.  Esta parcela mais ao norte da Capitania de São Vicente havia sido abandonada por seu donatário, Martim Afonso de Sousa, que nunca se interessou em seu povoamento.  Com a primeira fundação da cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro, reverteu para a Coroa como Capitania Real do Rio de Janeiro, tendo como primeiro mandatário Estácio de Sá (1565-1567).
  5. 5. Governadores da Coloniais da Capitania do Rio de Janeiro 1565 - 1808 PERÍODO GOVERNADORES DO RIO DE JANEIRO (SÉCULOS XVI, XVII E XVIII) 1565-1567 Estácio de Sá (fundador da cidade) 1567-1568 Mem de Sá (governador-geral) 1569-1572 Salvador Correia de Sá (1ª vez) 1573-1575 Cristovão de Barros 1576-1577 Antônio Salema 1577-1599 Salvador Correia de Sá (2ªvez) 1599-1602 Francisco de Mendonça e Vasconcelos 1602-1608 Martim de Sá (1ªvez) 1608-1614 Afonso de Albuquerque 1614-1617 Constantino Menelau 1617-1620 Rui Vaz Pinto 1620-1623 Francisco Fajardo 1623-1632 Martim de Sá (2ªvez) 1633-1637 Rodrigo de Miranda Henriques 1637-1642 Salvador Correia de Sá e Benevides (1ªvez) 1642-1643 Duarte Correia Vasqueanes (interino) 1643-1644 Luís Barbalho Bezerra 1644-1645 Francisco de Souto Maior 1645-1648 Duarte Correia Vasqueanes (1ªvez) 1648 Salvador Correia de Sá e Benevides (2ªvez) 1648-1649 Duarte Correia Vasqueanes (interino) 1649-1651 Salvador de Brito Pereira 1651-1652 Antônio Galvão (interino) 1652-1657 D. Luís de Almeida Portugal 1657-1659 Tomé Correia de Alvarenga 1659-1660 Salvador Correia de Sá e Benevides (3ªvez) (…). Para ver lista completa dos governadores, acessar: http://www0.rio.rj.gov.br/arquivo/pdf/governantes/gov_rio_de_janeiro_1.pd f
  6. 6. Salvador Correia de Sá e Benevides – Governador da Capitania do Rio de Janeiro Salvador Correia de Sá e Benevides, Governador da cidade do Rio de Janeiro, como visto na lista anterior.  Foi filho de Martim Correia de Sá, que descendia da família dos fundadores do Rio de Janeiro, Mem de Sá e Estácio de Sá.  De regresso a Portugal, em 1643 foi nomeado almirante das frotas do Brasil e membro do Conselho Ultramarino.  Foi por três vezes nomeado a Governador da Capitania do Rio de Janeiro.  Em 1647 comandou a frota que reconquistou Angola e São Tomé e Príncipe para Portugal, para resolver a questão da ocupação holandesa em África, sendo nomeado governador de Angola.  Em 1662 superou a chamada Revolta da Cachaça, no Rio de Janeiro. No ano seguinte regressou a Portugal, onde se manteve até a morte como um membro do Conselho Ultramarino.
  7. 7. Mais um pouco sobre Salvador Benevides…. Mapa do Rio de Janeiro, séc. XVII  Salvador Correia de Sá e Benevides faleceu no dia 1 de Janeiro de 1688 e jaz sepultado na sacristia do Convento das Carmelitas Descalças de Nossa Senhora dos Remédios4 , em Lisboa.  Filho de: Martim Correia de Sá e de D. Maria de Mendoza y Benavides, espanhola, filha de D. Manuel de Benavides (alcaide-mor e castelão da Fortaleza de Santa Catarina da Ilha de Cadiz).  Casou em La Rioja (atual Argentina), com: D. Juana Catalina Ramirez de Ugarte y Velasco rica viúva "criolla" (espanhola nascida na América), filha de D. Pedro Ramirez de Velasco, sobrinha de D. Luís de Velasco, Vice-Rei do México e, por duas vezes, do Peru.  Tiveram seis filhos, dos quais dois ficaram famosos: - Martim Correia de Sá e Benevides Velasco (6 de junho de 1639 - 28 de outubro de 1678) que lutou com o pai em Angola e foi feito 1º Visconde de Asseca; - João Correia de Sá, Marechal de Campo, com importantes serviços prestados no Brasil e na Índia; - Salvador Correia de Sá, morto jovem; - o padre jesuíta Sebastião de Sá; - D. Teresa Velasco. - Domingos Correia de Sá e Benevides c.c. Isabel de Sequeiros y Vilhena, bp Lisboa
  8. 8. Colônia portuguesa de Angola Mapa de Luanda, Angola. Antes de tratar sobre a luta de reconquista de Angola, é necessário fazer algumas considerações sobre o tráfico negreiro, e sua importância para o comércio de cana-de-açúcar.  Em Angola foram estabelecidas feitorias, cujos principais objetivos eram explorar comercialmente as riquezas locais e formar monopólios comerciais controlados pela coroa, sendo o ouro, o marfim e os escravos os principais monopólios portugueses na África;  O motivo para o início do tráfico negreiro no Brasil foi a produção de cana-de-açúcar. Os escravos eram utilizados como mão-de-obra no Nordeste. Vistos como um bem material, eles podiam ser trocados, leiloados ou vendidos em caso de necessidade.
  9. 9. Conquista de Angola pelos Holandeses • Em maio de 1641, os holandeses enviam direto do Recife, uma frota composta por vinte e um navios e três mil homens com o objetivo de tomar dos portugueses a cidade de São Paulo de Luanda, em Angola. • Após levar dez semanas em uma travessia complicada do Atlântico, os holandeses atingiram a costa africana e procuravam a entrada da baía de Luanda. • Foi somente neste momento que o comandante Jol descobriu que ninguém, em toda sua frota, conhecia a localização exata da entrada desta baía. • Depois de algum tempo de indecisão vagueando pela costa africana, Jol se alegrou ao ver que dois de seus navios haviam apreendido o Jesus Maria José, navio mercante que vinha abastecer Luanda com 160 pipas de vinho. • A grande sorte de Jol foi que, o capitão desta embarcação, um espanhol, não só lhe indicou a localização exata da entrada da baía de Luanda, mas também o ponto ideal em que os holandeses deveriam desembarcar, numa praia localizada à meia distância de dois fortes onde os canhões não poderiam atingi-los.
  10. 10. A Luta pela Reconquista!  Tropas, navios e munição em quantidades suficientes para o socorro da África Central não poderiam sair de Portugal, que continuava em guerra de fronteira com a Espanha e guerra marítima com a Holanda. Coube então ao Rio de Janeiro e às capitanias adjacentes – principais interessadas no restabelecimento do tráfico negreiro – a tarefa de fornecer gente e petrechos, “pois todo o Brasil necessita de escravos para seu remédio”.  É Salvador Correia de Sá e Benevides (1602-1688) quem conduz, em maio de 1648, a frota luso-brasílica que reconquistará Angola. Composta de onze naus e quatro patachos, com quase dois mil homens, a expedição é financiada em 70% por fundos coletados junto aos negreiros e fazendeiros fluminenses.  A partir daí, a presença brasílica afirma-se na África Central. Depois da independência, Angola continua sob influência brasileira, e desde 1823 fala-se da presença em Luanda, e sobretudo em Benguela, de um “partido brasileiro”, que joga as cartas dos interesses negreiros dos escravistas do Império do Brasil contra a política colonial portuguesa.
  11. 11. Para refletir: Exclusivo (pacto) Colonial  Pacto Colonial, uma realidade ou não?  Salvador e Benevides pode ser visto, segundo uma corrente de historiadores, como um exemplo de quebra de paradigma, uma vez que traça contornos diferentes do conceito do “Pacto Colonial”.  A partir dele, podemos perceber que a elite local possuía força de decisão e era bastante participativa, inclusive realizando comércio de produtos com outras colônias e colônias de outros reinos, fato inimaginável para aqueles que acreditam na esterilidade do Pacto Colonial.
  12. 12. Atividade Final Em dupla, após a apresentação do conteúdo, repense e responda a seguinte perguntas: 1.Pacto colonial, uma realidade ou não? 2.Qual a importância de Angola para a indústria açucareira? 3.Por que Salvador e Benevides investiu na luta de Reconquista de Angola? 4.É possível, no estudo da História, existirem duas versões para o mesmo acontecimento? O que você acha?
  13. 13. Bibliografia BOXER, Charles Ralph. O império colonial português (1415-1825). São Paulo: Companhia das Letras, 2002

×