Problemas urbanos

950 visualizações

Publicada em

geografia

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
950
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
13
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
50
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Problemas urbanos

  1. 1. PROBLEMAS URBANOS
  2. 2. PROBLEMAS URBANOS E CONDIÇÕES DE VIDA URBANA Pág. 110/111 O excessivo crescimento das áreas urbanas não permite ajustar permanentemente as infraestruturas às necessidades da população. PROBLEMAS URBANÍSTICOS Colocam em risco a sustentabilidade e a qualidade de vida. Fig. Urbanização, Almada.
  3. 3. SATURAÇÃO DAS INFRAESTRUTURAS Pág. 112 O crescimento contínuo da população conduz a uma saturação do espaço e à incapacidade de resposta por parte de:  redes de distribuição de água e energia, de saneamento e de transportes;  os tribunais, as finanças, as escolas, os hospitais, os centros de apoio à infância e aos idosos e uma grande diversidade de serviços.
  4. 4. Fig. Congestionamento de trânsito.Fig. Parque de estacionamento subterrâneo.Fig. Emissão de gases poluentes. Pág. 112 SATURAÇÃO DAS INFRAESTRUTURAS Fig. Parque de estacionamento. A mobilidade e os transportes são causa de problemas como:  congestionamentos de trânsito;  dificuldades de estacionamento;  proliferação de parques subterrâneos;  emissão de gases poluentes. Intensifica os movimentos pendulares Insuficiência e ineficácia dos transportes públicos urbanos Resulta da: Reduz a facilidade de deslocação A crescente utilização do transporte individual
  5. 5. HABITAÇÃO E HABITABILIDADE Pág. 113 Fig. Ribeira, Porto. Em Portugal, na sua maior parte, os prédios do centro da cidade são arrendados, o que provoca uma maior degradação de muitos edifícios nas áreas mais antigas. Quando estes edifícios ficam desocupados e não se procede à sua demolição ou recuperação, frequentemente são ocupados por população de escassos recursos. Fig. Bairro de lata numa área urbana. É também este tipo de população que habita os bairros de lata, formando bolsas de habitação precária.
  6. 6. ENVELHECIMENTO E SOLIDÃO Nas áreas suburbanas, são as crianças e adolescente que sofrem outra solidão: a ausência dos pais. Pág. 114 O envelhecimento da população levanta problemas sociais de abandono e solidão.  Indisciplina.  Insucesso escolar.  Risco de consumo e de drogas e álcool.
  7. 7. DESEMPREGO E POBREZA Pág. 115 Fig. Taxa de desemprego no interior das principais cidades europeias (2008). Fig. Homem à procura de emprego.  problemas económicos;  diminuição dos contactos sociais e da autoestima;  aumento da pobreza e da exclusão social. O desemprego é particularmente grave nas cidades, onde a sobrevivência das famílias depende apenas dos salários. Provoca:Agrava-se com: DESEMPREGO  conjuntura económica atual;  deslocalização das empresas.
  8. 8. Pág. 115 DESEMPREGO E POBREZA A pobreza, muitas vezes, propícia a criminalidade e a insegurança. A pobreza urbana inclui:  idosos com baixas pensões de reforma;  trabalhadores mal remunerados;  famílias monoparentais;  certos grupos étnicos e culturais minoritários;  sem-abrigo.
  9. 9. PRESSÃO AMBIENTAL Pág. 116/117 Fig. Aterro sanitário.Fig. Acumulação de resíduos numa rua de Lisboa. As cidades são os principais consumidores de recursos naturais e de energia e os maiores produtores de resíduos. Obriga à construção de equipamentos de deposição e tratamento de lixos e águas residuais. As duas regiões mais urbanizadas produzem mais de 60% dos resíduos urbanos.
  10. 10. PRESSÃO AMBIENTAL Pág. 116 Fig. Índice de qualidade do ar em algumas aglomerações de Portugal Continental (2011). Fig. Perfil térmico de uma cidade. A temperatura é superior nas áreas centrais das cidades e diminui para a periferia. Os níveis de ruído e a poluição atmosférica comprometem a qualidade do ar.
  11. 11. PRESSÃO AMBIENTAL Fig. Lisboa ao anoitecer.  elevada concentração de gases poluentes;  materiais de construção e impermeabilização dos solos;  climatização e iluminação artificial;  calor gerado pelos transportes. O aumento da temperatura, nas áreas centrais, deve-se: Pág. 117
  12. 12. PRESSÃO AMBIENTAL Pág. 117 Fig. Vila Nova de Gaia. A expansão urbana invade espaços cada vez mais vastos, com elevada aptidão agrícola e áreas sensíveis do ponto de vista ambiental:  zonas ribeirinhas;  leitos de cheia;  encostas íngremes.
  13. 13. PRESSÃO AMBIENTAL Pág. 117 Fig. Vista aérea de Almada. A forte pressão construtiva, aliada ao elevado custo do solo nas áreas urbanas, leva à falta de zonas verdes e de caminhos pedonais.
  14. 14. Pág. 110 a 117 PROBLEMAS URBANOS E CONDIÇÕES DE VIDA URBANA . Verificar resposta Atividade: 1 – Enumere os problemas que resultam do excessivo crescimento da população nas áreas urbanas.
  15. 15. Pág. 110 a 117 PROBLEMAS URBANOS E CONDIÇÕES DE VIDA URBANA Verificar resposta Atividade: 2 – Elabore um pequeno texto que relacione desemprego com os problemas urbanos.
  16. 16. Fig. Parque Eduardo VII, Lisboa. RECUPERAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA URBANA Pág. 118/119 O planeamento é um processo essencial na prevenção e resolução dos problemas urbanos. Assumem particular importância os Planos Municipais do Ordenamento do Território (PMOT):  Planos Diretores Municipais (PDM).  Planos de Urbanização (PU).  Planos do Pormenor (PP). Procura gerir a utilização do espaço de forma equilibrada, de modo a criar condições de vida adequadas. Definem a organização espacial de uma área do perímetro urbano do território municipal onde seja necessária. É um instrumento de gestão territorial de nível local, que fixa as linhas gerais de ocupação do território municipal. Desenvolvem e concretizam propostas de organização espacial de qualquer área específica do concelho. PLANEAMENTO
  17. 17. Fig. Jovens a participar numa ação de limpeza de um bairro. RECUPERAR E REVITALIZAR AS CIDADES Pág. 120/121/122 A revitalização do centro das cidades é, hoje, uma preocupação motivada quer por interesses económicos quer sociais e políticos. Reabilitação urbana – intervenção em áreas degradadas que inclui a conservação, o restauro, a reforma ou a ampliação e a transformação, a reconstrução e a renovação de um edifício ou conjunto edificado. Requalificação – alteração funcional de edifícios ou espaços, com a redistribuição da população e das atividades económicas. Renovação urbana – demolição total ou parcial de edifícios e estruturas, de um dado território urbano. R E V I T A L I Z A Ç Ã O
  18. 18. Fig. Crianças na escola. Fig. Espaço de lazer de uma cidade. Fig. Tráfego na cidade. Fig. Palácio da Pena, Sintra. Fig. Apoio a idosos. HUMANIZAR OS ESPAÇOS DE VIVÊNCIA Pág. 123 A valorização urbana passa por:  melhorar a gestão do tráfego urbano;  alargar os serviços de acompanhamento de crianças e jovens;  aumentar o número e a qualidade dos espaços verdes e melhorar os que existem;  construir e otimizar equipamentos coletivos;  desenvolver serviços de apoio à população idosa.
  19. 19. Pág. 120 a 122 PROBLEMAS URBANOS E CONDIÇÕES DE VIDA URBANA Atividade: 1 – Mencione ações que podem ser desenvolvidas para revitalizar uma área urbana. Verificar resposta Fig. Ribeira do Porto.
  20. 20. Pág. 120 a 122 PROBLEMAS URBANOS E CONDIÇÕES DE VIDA URBANA Verificar resposta Fig. Torre Vasco da Gama, Parque das Nações (Lisboa).Fig. Av. D. João II - Parque das Nações (Lisboa). Atividade: 2 – Identifique o tipo de intervenção efetuado na zona representada nas imagens.
  21. 21. FIM DA APRESENTAÇÃO

×