Desequilíbrios regionais – questões económicas

1.002 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.002
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
25
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Desequilíbrios regionais – questões económicas

  1. 1. Desequilíbrios regionais – questões económicas Disciplina área de integração Modulo 6 Tema 4.3 Desequilíbrios regionais Formadora: Fernanda correia Formando: bruno oliveira Abril 2015 Agrupamento de escolas dos carvalhos
  2. 2. o Este trabalho foi realizado no âmbito da disciplina de área de integração, modulo 6, no tema desequilíbrios regionais nas questões económicas. o Neste tema analisa-se as desigualdades entre as regiões portuguesas , a nível do PIB, taxa de atividade, distribuição percentual população ativa e taxa de desemprego. o As desigualdades verificadas nas regiões portuguesas são varias , nomeadamente , questões demográficas económicas sociais entre outras . o Nas desigualdades a nível económico , demonstro nas regiões de Lisboa e vila real . Bruno Oliveira modulo 6 tema 4.3 Desequilíbrios regionais 2
  3. 3. • Vila real e lisboa Bruno Oliveira modulo 6 tema 4.3 Desequilíbrios regionais 3
  4. 4. • Lisboa • A Grande Lisboa é a única região do país em que o rendimento por habitante ultrapassa o rendimento médio europeu. As restantes regiões do país encontram-se bastante mais atrasadas. E por que é que Lisboa tem maior rendimento? Porque é mais produtiva. Por outro lado, Lisboa e Porto, não só possuem melhores estradas e infra -estruturas (isto é: melhor capital físico), como também conseguem atrair pessoas com maiores níveis de qualificação( isto é: melhor capital humano). Também as regiões mais avançadas têm melhores indicadores de inovação e criatividade do que as restantes zonas do país. A região de Lisboa em face das condições que lhe são inerentes, atrai empresas mais dinâmicas e produtivas, bem como trabalhadores qualificados à procura de melhores empregos. As empresas mais dinâmicas e de maior valor acrescentado optam por não se localizarem nas regiões mais atrasadas, porque não existem infra -estruturas adequadas, nem há uma massa crítica de trabalhadores especializados. Sendo assim, aumentam as assimetrias regionais no futuro, onde a disparidade de rendimentos entre o litoral e o interior se acentuam significativamente. Bruno Oliveira modulo 6 tema 4.3 Desequilibrios regionais 4
  5. 5. • Vila real • As questões económicas são decisivas para o abandono escolar na universidade de Vila Real, um problema que afeta principalmente os estudantes do primeiro ano que se queixam ainda de dificuldades de adaptação ou desapontamento com o curso. Estas conclusões fazem parte de um estudo divulgado hoje e que foi desenvolvido por um grupo de investigadores da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), coordenador por Fernando Bessa. "Procuramos saber com rigor quais as razões que estavam na origem do abandono escolar na UTAD", afirmou à agência Lusa o investigador estudo incidiu nos alunos de licenciatura e mestrado integrado da UTAD matriculados em 2013/2014. Na academia transmontana estudam cerca de 7.500 alunos. Foram identificados 1.117 estudantes em situação de incumprimento no pagamento de propinas e 86 alunos em situação de anulação de matrícula. Dos 1.203 identificados, foram contactados 355, tendo um número reduzido mostrado disponibilidade para ser inquirido. As inquirições foram realizadas por telefone através de questionário a 37 alunos, sendo que oito aceitaram participar em entrevista aprofundada realizada presencialmente. Bruno Oliveira modulo 6 tema 4.3 Desequilibrios regionais 5
  6. 6. • Portugal Continental define-se como um país facilmente divisível nas regiões Norte, Centro, Lisboa e Vale do Tejo, Alentejo e Algarve; distintas entre si. Estas diferenças entre regiões, sub-regiões e concelhos em Portugal tendem a acentuar-se gerando desigualdades entre os portugueses pelo que este factor constitui um forte obstáculo ao desenvolvimento. • A desigualdade regional em Portugal verifica-se a diversos níveis: Turismo, Desemprego, PIB per capita, desenvolvimento industrial, infra-estruturas, entre outros. • As diferentes regiões portuguesas (NUTS II e NUTS III) possuem valores do PIB per capita marcadamente distintos. Optando por um maior nível de desagregação regional - NUTS III – verifica-se que a região de Lisboa, tendencialmente, revela um PIB per capita superior à média do país, tendo um grande peso na percentagem do PIB nacional. Em dados estatísticos lançados pelo INE verificam-se ainda outras tendências, nomeadamente, o PIB a preços correntes, ou seja, a riqueza produzida, tem aumentado mais acentuadamente na Região de Lisboa seguida da Região Centro, Região do Alentejo e Região Norte. Bruno Oliveira modulo 6 tema 4.3 Desequilíbrios regionais 6
  7. 7. Vila real • Vila Real é uma cidade portuguesa e capital do Distrito de Vila Real, na Região Norte e sub-região do Douro, com cerca de 30 000 habitantes no seu perímetro urbano.1 É capital da província tradicional de Trás-os-Montes e Alto Douro. Bruno Oliveira modulo 6 tema 4.3 Desequilibrios regionais 7
  8. 8. lisboa • Lisboa GCTE, além de ser a capital de Portugal, é a cidade mais populosa do país, com uma população de 547 733 habitantes dentro dos seus limites administrativos,2 uma área de 100 km².3 Cerca de três milhões de pessoas vivem na Grande Área Metropolitana de Lisboa (aproximadamente 27% da população de todo o país), o que torna a cidade a 20.ª área urbana mais populosa da União Europeia4 5 , sendo, portanto, a maior zona urbana portuguesa, seguida pelo Porto. Lisboa é a grande cidade e a capital mais a Ocidente do continente europeu, além de ser a única capital ao longo da costa atlântica dentre os países europeus. Bruno Oliveira modulo 6 tema 4.3 Desequilibrios regionais 8
  9. 9. Desequilíbrios regionais em Vila real • A maioria dos estudantes inquiridos (78%) é natural do exterior do concelho de Vila Real. A UTAD é, assim, responsável por “atrair uma população extra significativa”, sendo este índice de captação de pessoas externas ao concelho, que durante pelo menos um ciclo de estudos se fixam em Vila Real, “uma grande mais-valia para a região”, salienta Daniel Gonçalves. A UTAD é a responsável pela fixação — mesmo que temporal — de uma média de 2664 estudantes em Vila Real por ano. E estes alunos são “uma forte componente geradora de negócio e de dinâmicas económicas”, diz Francisco Diniz. • “A partir de agora, sabendo da importância destes valores, deveremos procurar seguir políticas de fixação mais perene no tempo destes jovens na região, uma vez que são essenciais para a dinamização e o desenvolvimento económico e social do concelho de Vila Real e da região de Trás-os-Montes, com reflexos em todo o país”, já que os desequilíbrios regionais condicionam a evolução de Portugal, adianta Daniel Gonçalves. • O presidente da Câmara de Vila Real, Rui Santos, frisou que este estudo confirma que “a UTAD é Vila Real e Vila Real é a UTAD”. • “Nós temos tido uma grande aproximação da universidade, com a criação de incubadoras de empresas, por exemplo, porque tão ou mais importante do que manter a UTAD é manter os recém-licenciados no concelho de Vila Real e é nisso que estamos a trabalhar”, promete o autarca. Bruno Oliveira modulo 6 tema 4.3 Desequilibrios regionais 9
  10. 10. Desequilíbrios regionais em Lisboa • A área metropolitana de Lisboa reflecte acentuados desequilíbrios regionais, a não existência dum modelo que perspective a sua sustentabilidade e competitividade, a falta de projetos integrados que envolvam a qualidade da paisagem humanizada, rentabilizem os recursos energéticos e potenciem a mobilidade. • • Apesar dos exemplos europeus, a região da Grande Lisboa enreda-se numa conurbação de cidades- subúrbios incapazes de se tornarem competitivas, de gerarem emprego, coesão social e qualidade de vida, traduzindo uma falta de modelos de referência e de teorias. • • As acessibilidades regionais são um factor determinante do desenvolvimento, mas não se compadecem com as indefinições de traçado e localização das grandes infra-estruturas, enunciando a ausência dum pensamento e de estudos cientificamente sustentados sobre as regiões. Bruno Oliveira modulo 6 tema 4.3 Desequilibrios regionais 10
  11. 11. • Google Bruno Oliveira modulo 6 tema 4.3 Desequilíbrios regionais 11
  12. 12. • Desequilíbrios regionais Bruno Oliveira modulo 6 tema 4.3 Desequilíbrios regionais 12

×