INSTITUTO FEDERAL DE
EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE
PERNAMBUCO
IFPE - Campus Pesqueira
Carlos Henrique ¹
Ana Raquel Gal...
 Descrição: infecção intestinal aguda, causada pela enterotoxina
do bacilo da Cólera. Pode se apresentar de forma grave, ...
 Período de incubação: de algumas horas a 5 dias. Na
maioria dos casos, de 2 a 3 dias.
 Período de transmissibilidade: d...
 O diagnóstico consiste no isolamento e identificação do vibrião
nas fezes do paciente. Para tratamento, a reidratação é ...
 Formas leves e moderadas, com soro de reidratação oral (SRO);
 Formas graves, com hidratação venosa e antibiótico.
 Medidas de educação em saúde;
 Evitar as possíveis fontes de infecção, ingerir vegetais cozidos e
lavar bem, desinfetar...
 Descrição: A coqueluche, também conhecida pelos nomes
pertussis, tosse comprida, tosse com guincho e tosse
espasmódica, ...
 Fase de convalescença: os paroxismos de tosse desaparecem e dão
lugar a episódios de tosse comum, esta fase pode persist...
 Período de incubação: em média de 5 a 20 dias,podendo variar de
1 a 3 semanas e, raramente, até 42 dias.
 Período de tr...
 Para diagnóstico, a observação do paciente e de seus sintomas é
necessária. Exames de sangue e, em alguns casos, cultura...
 O tratamento deve ser feito sob orientação médica e consiste
basicamente no uso de antibióticos. Quanto à prevenção, o u...
 Vacinação;
 Controle de Comunicantes
 Isolamento e Desinfecção Concorrente e Terminal
OBRIGADO!
Cólera&coqueluche
Cólera&coqueluche
Cólera&coqueluche
Cólera&coqueluche
Cólera&coqueluche
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Cólera&coqueluche

545 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
545
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
116
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
24
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cólera&coqueluche

  1. 1. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO IFPE - Campus Pesqueira Carlos Henrique ¹ Ana Raquel Galindo² Anny Kariny de Oliveira² Brunna Roberta² Claudiany Miro² Gisllayne Marrielle² Iranilson Galindo² 1- Orientador 2- Acadêmicos de Bacharelado em Enfermagem
  2. 2.  Descrição: infecção intestinal aguda, causada pela enterotoxina do bacilo da Cólera. Pode se apresentar de forma grave, com diarréia aquosa e profusa, com ou sem vômitos, dor abdominal e câimbra. Esse quadro, quando não tratado prontamente, pode evoluir para desidratação, acidose, colapso circulatório, com choque hipovolêmico e insuficiência renal á infecção.  Agente etiológico:Víbrio cholerae.  Reservatório: o homem é o principal. Estudos recentes sugerem a existência de reservatórios ambientais como plantas aquáticas e frutos do mar.  Modo de transmissão: ingestão de água ou alimentos contaminados por fezes ou vômitos de doente ou portador.
  3. 3.  Período de incubação: de algumas horas a 5 dias. Na maioria dos casos, de 2 a 3 dias.  Período de transmissibilidade: dura enquanto houver eliminação do V. cholerae nas fezes, o que ocorre, geralmente,até poucos dias após a cura.  Suscetibilidade e imunidade: A suscetibilidade é variável e aumenta na presença de fatores que diminuem a acidez gástrica. A infecção produz elevação de anticorpos e confere imunidade por tempo limitado, em torno de 6 meses.
  4. 4.  O diagnóstico consiste no isolamento e identificação do vibrião nas fezes do paciente. Para tratamento, a reidratação é essencial e é, na maioria dos casos, o único método necessário. Entretanto, a visita ao médico é indispensável, já que só ele será capaz de analisar o caso e, caso seja necessário, prescrever antibióticos. Medicamentos antidiarreicos não são indicados, já que facilitam a multiplicação da bactéria por diminuírem o peristaltismo intestinal
  5. 5.  Formas leves e moderadas, com soro de reidratação oral (SRO);  Formas graves, com hidratação venosa e antibiótico.
  6. 6.  Medidas de educação em saúde;  Evitar as possíveis fontes de infecção, ingerir vegetais cozidos e lavar bem, desinfetar verduras cruas, higiene pessoal e na manipulação de alimentos;  Tratamento em massa associado a medidas de saneamento;  Controle direcionado a toda comunidade, para garantir o impacto desejado.
  7. 7.  Descrição: A coqueluche, também conhecida pelos nomes pertussis, tosse comprida, tosse com guincho e tosse espasmódica, é uma doença bacteriana que atinge o sistema respiratório .  Formas: endêmica e epidêmica.  Fase Catarral: com duração de 1 ou 2 semanas,sintomas leves,com surtos de tosse cada vez mais intensos.  Fase paroxística: geralmente afebril ou com febre baixa. Em alguns casos, ocorrem vários picos de febre ao longo do dia. Tosse seguida de vômitos, ruído na respiração.
  8. 8.  Fase de convalescença: os paroxismos de tosse desaparecem e dão lugar a episódios de tosse comum, esta fase pode persistir de 2 a 6 semanas, podendo se prolongar até 3 meses.  Agente etiológico: Bordetella pertussis.  Reservatório: o homem.  Modo de transmissão: contato direto de pessoa doente com pessoa suscetível, objetos recém-contaminados com secreções do doente é pouco frequente, em virtude da dificuldade do agente sobreviver fora do hospedeiro.
  9. 9.  Período de incubação: em média de 5 a 20 dias,podendo variar de 1 a 3 semanas e, raramente, até 42 dias.  Período de transmissibilidade: se estende de 5 dias após o contato com um doente até 3 semanas após o início dos acessos de tosse, podendo se prolongar de 4 a 6 meses em lactentes menores de 6 meses. A maior transmissibilidade ocorre na fase catarral.  Suscetibilidade e imunidade: a suscetibilidade é geral. O indivíduo torna-se imune após adquirir a doença, ou após receber vacinação.  Complicações: pneumonia dentre outras podendo levar o indivíduo a óbito.
  10. 10.  Para diagnóstico, a observação do paciente e de seus sintomas é necessária. Exames de sangue e, em alguns casos, cultura das secreções a fim de identificar a presença da bactéria no organismo, complementam o exame.
  11. 11.  O tratamento deve ser feito sob orientação médica e consiste basicamente no uso de antibióticos. Quanto à prevenção, o uso precoce da vacina é imprescindível. Em crianças, ela é distribuída gratuitamente em postos de saúde e é feita em três doses (aos 2, 4 e 6 meses de idade) e dois reforços (aos 15 meses e aos 4 anos), mantendo a imunização por aproximadamente dez anos OBS: Procurar sempre o médico em caso de suspeita de qualquer patologia. A automedicação é extremamente perigosa.
  12. 12.  Vacinação;  Controle de Comunicantes  Isolamento e Desinfecção Concorrente e Terminal
  13. 13. OBRIGADO!

×