ADAPTABILIDADE FISIOLÓGICA DA 
CLOSTERIUM SP. PARA FONTES 
DE CARBONO DIFERENTES E 
MUDANÇA NA LUZ E CONDIÇÕES 
ANAORÓBICA...
Contexto 
 O uso de microalgas para produção de 
biomassa e como fonte alternativa e 
sustentável de energia, tem se torn...
 A produção de biomassa pode ser destinada à produção de ração para animas e 
suplemento alimentar.
 Grande foco do cultivo de microalgas é a produção de biodiesel, 
devido às altas taxas de crescimento e recursos necessá...
Nosso experimento 
Foi retirado uma amostra obtida de um lago de 
peixes e inoculado em meio basal. Após 
transferências s...
Procedimento 
 O crescimento em meio mínimo adicionado de glicose 
em aerobiose resultou em DO mais baixa (0,88) e pH 
ma...
Gráfico comparativo DO e pH
Novo experimento 
 Esse experimento foi realizado com o intuito 
de obter uma ou mais espécies de microalgas 
capazes de ...
Procedimento 
 Utilizando-se do método de repicagens 
sucessivas, uma amostra do lago de peixe foi 
inoculado em um meio ...
 Esse procedimento será repetido n vezes, até 
que 
........................................................................
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Adaptabilidade fisiológica da closterium sp

173 visualizações

Publicada em

engenharia de Bioprocessos

Publicada em: Engenharia
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Adaptabilidade fisiológica da closterium sp

  1. 1. ADAPTABILIDADE FISIOLÓGICA DA CLOSTERIUM SP. PARA FONTES DE CARBONO DIFERENTES E MUDANÇA NA LUZ E CONDIÇÕES ANAORÓBICAS
  2. 2. Contexto  O uso de microalgas para produção de biomassa e como fonte alternativa e sustentável de energia, tem se tornado foco de extensas pesquisas devido a sua capacidade de alcançar altas taxas de crescimento em meios relativamente de baixo custo.
  3. 3.  A produção de biomassa pode ser destinada à produção de ração para animas e suplemento alimentar.
  4. 4.  Grande foco do cultivo de microalgas é a produção de biodiesel, devido às altas taxas de crescimento e recursos necessário para seu crescimento.
  5. 5. Nosso experimento Foi retirado uma amostra obtida de um lago de peixes e inoculado em meio basal. Após transferências sucessivas foi isolada uma única colônia. Essa colônia foi submetida a diferentes meios, variando luz e condições heterotróficas.
  6. 6. Procedimento  O crescimento em meio mínimo adicionado de glicose em aerobiose resultou em DO mais baixa (0,88) e pH mais alto (8,5) do que o observado quando O2 não estava disponível, indicando inibição do crescimento por elevação do pH. O alto pH dos cul- tivos aeróbicos iluminados pode ser explicado pelo consumo de CO2, causando de sequilíbrio nos agentes tamponantes do meio. Também foi observado crescimento nos cultivos mantidos em ausência de luz, tanto aerobicamente (DO final 1,0; pH fi- nal 5,5) quanto anaerobicamente (DO final 0,2; pH final 5,6), quando o meio continha glicose. Quando cultivada na ausência de luz, APS12 também mostrou perda de pig- mentação, provavelmente pela inibição da biosíntese de clorofila. Os dados de pH e DO estão na figura a seguir:
  7. 7. Gráfico comparativo DO e pH
  8. 8. Novo experimento  Esse experimento foi realizado com o intuito de obter uma ou mais espécies de microalgas capazes de degradar lactose, visando sua utilização no tratamento de efluentes de lacticínios.
  9. 9. Procedimento  Utilizando-se do método de repicagens sucessivas, uma amostra do lago de peixe foi inoculado em um meio autotrófico em um erlenmeyer a fim de selecionar apenas microalgas, eliminando assim seres herotróficos. Após um período de 72 horas uma alíquota desse meio foi diluído em 100 vezes em um tubo belco, agora contendo lactose, a fim de favorecer o predomínio de microorganismos capazes de degradá-la.
  10. 10.  Esse procedimento será repetido n vezes, até que ........................................................................... ........................................................................... ..................

×