O Auto da Barca do Inferno - Personagens

550 visualizações

Publicada em

Personagens do livro e o que representam.

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
550
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O Auto da Barca do Inferno - Personagens

  1. 1. Introdução O Auto da Barca do Inferno é uma peça escrita por Gil Vicente durante a transição entre a Idade Média e o Renascimento. O autor aproveita a temática religiosa como pretexto para a crítica de costumes. Os especialistas classificam-na como moralidade, mesmo que muitas vezes se aproxime da farsa. Ela proporciona uma amostra do que era a sociedade de Lisboa no período em que foi escrita, embora alguns dos assuntos que cobre sejam atuais.
  2. 2. Personagens A peça inicia-se num porto imaginário, onde se encontram as duas barcas, a Barca do Inferno, cuja tripulação é o Diabo e o seu Companheiro, e a Barca da Glória, tendo como tripulação um Anjo na proa. Cada personagem discute com o Diabo e com o Anjo para qual das barcas entrará. Os personagens do Auto, com exceção do anjo de do diabo, são representantes típicos da sociedade da época.
  3. 3. O Diabo e seu Companheiro Conduzem a barca infernal.
  4. 4. O Anjo Conduz a barca celeste.
  5. 5. O Fidalgo O fidalgo, chamado Dom Anrique, vem acompanhado de seu criado, que carrega uma cadeira de espaldas. Este elemento simboliza a opressão dos mais fortes, a tirania e a presunção do moço.
  6. 6. O Onzeiro Representa os agiotas, aqueles que faziam empréstimos e cobravam muito mais, muitos juros. Traz consigo um bolsão que simboliza o pecado da usura; o apego ao dinheiro.
  7. 7. O Parvo Representa o povo português, rude e ignorante, porém de bom coração e temente a Deus. Não traz nada consigo, pois tudo o que fez na vida não foi por maldade. Passageiro da barca celeste.
  8. 8. O Frade Representa os maus sarcedotes de uma época extremamente religiosa. Traz consigo uma moça, uma espada, um escudo, um capacete e o seu hábito. Estes elementos representam a vida mundana do clero, e a dissolução dos seus costumes.
  9. 9. A Alcoviteira Simboliza a degradação moral e a feitiçaria popular. Arcas de feitiços, armários de mentir, furtos alheios, jóias de seduzir, guarda-roupa de encobrir, casa movediça, estrado de cortiça, coxins e moças. Estes elementos representam a exploração interesseira dos outros, para seu próprio lucro e a sua atividade de alcoviteira ligada à prostituição.
  10. 10. O Judeu Representa os infiéis, que são alheios à fé cristã, pois na época a religião dominante era o cristianismo. Traz consigo um bode. Este elemento simboliza a rejeição à fé cristã, pois o bode é o símbolo do Judaísmo.
  11. 11. O Procurador e o Carregador Encarnam a burocracia jurídica da época. Processos, vara da Justiça e livros. Estes elementos simbolizam a magistratura.
  12. 12. O Enforcado Teve uma vida sem fé e corrupta. Completamente perdido. Agiu de forma completamente errada. Traz consigo a corda cujo fora enforcado, representando sua vida terrena corrupta.
  13. 13. Os quatro Cavaleiros Representam as cruzadas contra os mouros e a força da fé católica. Apesar de terem matado muitos homens, acabam por serem perdoados devido a mortes terem sido “em nome de Deus”. Passageiros da barca celeste.

×