SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
Mesopotâmia
A Mesopotâmia uma região histórica do Oriente Médio (Ásia), incluída no Iraque e banhada pelos rios: Tigre e Eufrates. A palavra mesopotâmia, em grego, significa região entre rios. Estendendo-se desde o Deserto da Síria , a N.O,até as margens do Golfo Pérsico, a S.E., compreende duas áreas distintas:  1. O Planalto ou Alta Mesopotâmia , de constituição geológica complexa, onde  predominam formas muito eruditas;  2. A Planície ou Baixa Mesopotâmia , de origem rudimentar recente, cheia de lagoas,  pântanos e canais naturais.  Uma elevação de 75 metros de altura, situada nas proximidades da cidade de  Bagdá, marca o limite entre ambas.  rios: o Tigre, que desce das montanhas do Curdistão, e o Eufrates, que procede do Planalto da Anatólia, entrelaçando suas águas através de pântanos , lagos e canais. Afastam-se a seguir, para reencontrarem-se pouco antes da foz, fundindo-se num só: o Chat-el-Arab (Rio dos Árabes), que se lança no Golfo Pérsico.  Essa rica planície atraiu uma série de povos, que se encontraram  e se  misturaram , empreenderam guerra e dominaram uns aos outros , formando o que  denominamos "civilização mesopotâmica". Entre esses povos temos:1. Os Sumérios2. Os Babilônicos3. Os Assírios4. Os Caldeus Mesopotâmia e sua civilização :
A sociedade mesotâmica era dividida em castas. Os sacerdotes, os aristocratas, os militares e os comerciantes formaram castas privilegiada (a minoria). A maioria da população era formada pelos artesões, camponeses e escravos.  – A RELIGIÃO  Os mesopotâmicos adoravam diversas divindades e acreditavam que elas eram capazes de fazer tanto o bem quanto o mal. Os deuses diferenciavam-se dos homens por serem mais fortes, todo-poderosos e imortais. Cada cidade tinha um deus próprio, e, quando uma alcançava predomínio político sobre as outras, seu deus também se tornava mais cultuado.  Mesopotâmia e suas relações sociais :
Os pântanos da antiga Suméria (hoje sul do Iraque), foram o berço das cidades- estados do mundo. As cidades-estados pertenciam a um Deus, representado pelo Rei. A autoridade do Rei estendia-se a todas as cidades-estados. Ele era auxiliado por sacerdotes , funcionários e ministros .  Legislava em nome das divindades, assegurava as práticas religiosas, zelava pela  defesa de seus domínios, protegia e regulamentava a economia.  O mais ilustre soberano da Mesopotâmia foi Hamurábi, por volta de 1750 A.C., um Rei Babilônico, que conseguiu conquistar toda a Mesopotâmia . Hamurábi fundou um vasto Império, ao qual impôs a mesma administração e as mesmas leis. Era uma legislação baseada na lei de Talião (Olho por Olho, Dente por Dente, Braço por Braço, etc)  É o famoso código de Hamurábi, o primeiro conjunto e leis escritas da História. Organização Política :
Os comerciantes andavam em caravanas, levando seus produtos aos países vizinhos e às regiões mais distantes. Exportavam armas, tecidos de linho, lã e tapetes, além de pedras preciosas e perfumes.  Dessas terras traziam as matérias-primas que faltavam na Mesopotâmia, como o  Marfim da Índia, o Cobre de Chipre e a madeira do Líbano.  Sua Economia :
ARTE NA MESOPOTÂMIA : Para falarmos da arte desta civilização que é um aglomerado de vários povos como os Sumérios, Assírios, Babilônios, Hebreus, Fenícios, Medos, Persas e Hititas, devemos dizer que a Bíblia nos conta dos Tribunais de Justiça entre os Assírios, da Torre de Babel e da faustosa Nínive
                   Torre de Babel
OS JARDINS SUSPENSOS DA BABILÔNIA : Foram construídos por Nabucodonosor, segundo historiadores do passado, para sua esposa e rainha, que ele tinha trazido da Média, e tinha "paixão pelos arredores montanhosos" de uma terra natural. A rainha, achando a cidade da Babilônia muito plana e depressiva, foi a inspiração para o rei criar o jardim cheio de terraços, para recriar o terreno verde e montanhoso de sua terra natal. Os Jardins Suspensos estavam localizados no banco leste do Eufrates, num antigo bairro da cidade, entre as margens do rio e os palácios reais  
Economia e trabalhos na mesopotâmia  (Babilônia) A Agricultura. Era base da Economia. A economia da Baixa Mesopotâmia, em meados do terceiro milênio a.C., baseava-se na agricultura de irrigação. Cultivavam trigo, cevada, linho, gergelim (sésamo, de onde extraiam o azeite para alimentação e iluminação), árvores frutíferas, raízes e legumes. Os instrumentos de trabalho eram rudimentares, em geral de pedra, madeira e barro. O bronze foi introduzido na segunda metade do terceiro milênio a.C., porem, a verdadeira revolução ocorreu com a sua utilização, isto já no final do segundo milênio antes da Era Cristã. Usavam o arado semeador, a grade e carros de roda; A Criação de Animais. A criação de carneiros, burros, bois, gansos e patos era bastante desenvolvida; O Comércio. Os comerciantes eram funcionários a serviço dos templos e do palácio. Apesar disso, podiam fazer negócios por conta própria. A situação geográfica e a pobreza de matérias primas favoreceram os empreendimentos mercantis. As caravanas de mercadores iam vender seus produtos e buscar o marfim da Índia, a madeira do Líbano, o cobre de Chipre e o estanho de Cáucaso. Exportavam tecidos de linho, lã e tapetes, além de pedras preciosas e perfumes. As transações comerciais eram feitas na base de troca, criando um padrão de troca inicialmente representado pela cevada e depois pelos metais que circulavam sobre as mais diversas formas, sem jamais atingir, no entanto, a forma de moeda. A existência de um comércio muito intenso deu origem a uma organização economia sólida, que realizava operações como empréstimos a juros, corretagem e sociedades em negócios. Usavam recibos, escrituras e cartas de crédito. O comércio foi uma figura importante na sociedade mesopotâmica, e o fortalecimento do grupo mercantil provocou mudanças significativas, que acabaram por influenciar na desagregação da forma de produção templário-palaciana dominante na Mesopotâmia
Jardins Suspensos
uma das cidades mais importantes da Antigüidade, cuja localização é assinalada, atualmente, por uma região de ruínas a leste do rio Eufrates, a 90 km ao sul de Bagdá, no Iraque. Babilônia foi a capital do Império Babilônico durante os milênios II e I a.C. Na Antigüidade, a cidade se beneficiava de sua posição na importante rota comercial terrestre que ligava o golfo Pérsico com o Mediterrâneo.                      Babilônia
              Babilônia
Ruínas de Babilônia
Pena de morte para roubo de templo ou propriedade estatal, ou por aceitação de bens roubados. (Seção 6) Morte por ajudar um escravo a fugir ou abrigar um escravo foragido. (Seção 15, 16) Se uma casa mal-construída causa a morte de um filho do dono da casa, então o filho do construtor será condenado à morte (Seção 230) Mero exílio por incesto: "Se um senhor (homem de certa importância) teve relações com sua filha, ele deverá abandonar a cidade." (Seção 154) Distinção de classes em julgamento: Severas penas para pessoas que prejudicam outras de classe superior. Penas médias por prejuízo a membros de classe inferior. (Seção 196–;205)          Código de Hamurábi
             Hamurábi
Reinado de Hamurábi  A grandiosidade da Babilônia apareceu durante o reinado de Hamurábi. Este rei, utilizando sua habilidade bélica, conquistou várias cidades e regiões ao redor. Governou criando leis severas. O códigode Hamurábi baseava-se na idéia do “olho por olho, dente por dente”. Ou seja, a pessoa que cometia uma irregularidade ou crime pagava com uma punição no mesmo sentido e intensidade. Este código de leis foi registrado em escrita cuneiforme e gravado em pedras de argila. A economia da região era baseada na agricultura (praticada às margens dos rios Tigre e Eufrates) e no comércio.Durante esta época a Babilônia tornou-se uma das regiões mais prósperas do mundo antigo. A cidade era composta de habitações luxuosas e grandes templos religiosos. Estes, eram administrados pelos sacerdotes, que também tinham a função de tomar conta das finanças do governo.Reinado de Nabucodonosor  Após a morte de Hamurábi, a Babilônia perdeu força e foi invadida e conquistada por diversas tribos da região. Voltou a ganhar poder e importância somente no século VI AC, durante o reinado de Nabucodonosor. Este rei retomou as conquistas e ampliou as áreas de domínio e influência. Ordenou a construção de muralhas em volta da cidade. Dentro das muralhas foram construídos diversos templos e palácios luxuosos, decorados com pinturas e jardins. Para sua esposa, Nabucodonosor ordenou a construção dos famosos Jardins Suspensos da Babilônia (uma das sete maravilhas do mundo antigo).       2 Reinados em Babilônia
Tamara Ítalo Brito Vitória Maria Marcos Phelipe Demerson Willian Daniel Guimarães Componentes :

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (19)

02 mesopotâmia
02   mesopotâmia02   mesopotâmia
02 mesopotâmia
 
Os Fenícios - 6º Ano (2018)
Os Fenícios - 6º Ano (2018)Os Fenícios - 6º Ano (2018)
Os Fenícios - 6º Ano (2018)
 
A áfrica antiga
A áfrica antigaA áfrica antiga
A áfrica antiga
 
Oreino de kush
Oreino de kushOreino de kush
Oreino de kush
 
Reinos africanos
Reinos africanosReinos africanos
Reinos africanos
 
Unidade 4
Unidade 4Unidade 4
Unidade 4
 
A nubia e o reino de kush
A nubia e o reino de kushA nubia e o reino de kush
A nubia e o reino de kush
 
Anubiaeoreinodekush
AnubiaeoreinodekushAnubiaeoreinodekush
Anubiaeoreinodekush
 
Civilização africana
Civilização africanaCivilização africana
Civilização africana
 
03 a época histórica de daniel
03 a época histórica de daniel03 a época histórica de daniel
03 a época histórica de daniel
 
Acádios
AcádiosAcádios
Acádios
 
Os Fenícios - 6º Ano (2017)
Os Fenícios - 6º Ano (2017)Os Fenícios - 6º Ano (2017)
Os Fenícios - 6º Ano (2017)
 
Os acadios
Os acadiosOs acadios
Os acadios
 
Egito e Kush
Egito e KushEgito e Kush
Egito e Kush
 
Assíria
AssíriaAssíria
Assíria
 
A mesopotâmia
A mesopotâmiaA mesopotâmia
A mesopotâmia
 
Mesopotamia
Mesopotamia Mesopotamia
Mesopotamia
 
A Mesopotâmia - Prof.Altair Aguilar.
A Mesopotâmia - Prof.Altair Aguilar.A Mesopotâmia - Prof.Altair Aguilar.
A Mesopotâmia - Prof.Altair Aguilar.
 
História de África - parte 2
História de África - parte 2História de África - parte 2
História de África - parte 2
 

Destaque

Africa,berçodetodosnós
Africa,berçodetodosnósAfrica,berçodetodosnós
Africa,berçodetodosnósSueli
 
A civilazação da mesopotamia
A civilazação da mesopotamiaA civilazação da mesopotamia
A civilazação da mesopotamiaAndré Jn José
 
Africa o berço da humanidade
Africa o berço da humanidadeAfrica o berço da humanidade
Africa o berço da humanidadesabi yari bandiri
 
África Berço da Humanidade
África Berço da HumanidadeÁfrica Berço da Humanidade
África Berço da HumanidadeKaren Santos
 
África: o berço da humanidade
África: o berço da humanidadeÁfrica: o berço da humanidade
África: o berço da humanidadeeiprofessor
 
África, berço da humanidade
África, berço da humanidadeÁfrica, berço da humanidade
África, berço da humanidadeCEJALaguna
 
Aula 7 arte e arquitetura mesopotâmia [revisado em 121013]
Aula 7 arte e arquitetura mesopotâmia [revisado em 121013]Aula 7 arte e arquitetura mesopotâmia [revisado em 121013]
Aula 7 arte e arquitetura mesopotâmia [revisado em 121013]glauci coelho
 
Suportes e instrumentos da escrita
Suportes e instrumentos da escritaSuportes e instrumentos da escrita
Suportes e instrumentos da escritarafaforte
 
Os suportes da escrita e seus instrumentos 6º ano
Os suportes da escrita e seus instrumentos 6º anoOs suportes da escrita e seus instrumentos 6º ano
Os suportes da escrita e seus instrumentos 6º anoClóvis J. R. Oliveira
 
Historia 6º ano - Mesopotâmia
Historia 6º ano - MesopotâmiaHistoria 6º ano - Mesopotâmia
Historia 6º ano - MesopotâmiaFábio Paiva
 

Destaque (19)

Africa,berçodetodosnós
Africa,berçodetodosnósAfrica,berçodetodosnós
Africa,berçodetodosnós
 
Mesopotamia [Slide]
Mesopotamia [Slide]Mesopotamia [Slide]
Mesopotamia [Slide]
 
Mesopotâmia
MesopotâmiaMesopotâmia
Mesopotâmia
 
Povos da mesopotâmia
Povos da mesopotâmiaPovos da mesopotâmia
Povos da mesopotâmia
 
Mesopotâmia
MesopotâmiaMesopotâmia
Mesopotâmia
 
A civilazação da mesopotamia
A civilazação da mesopotamiaA civilazação da mesopotamia
A civilazação da mesopotamia
 
Africa o berço da humanidade
Africa o berço da humanidadeAfrica o berço da humanidade
Africa o berço da humanidade
 
África Berço da Humanidade
África Berço da HumanidadeÁfrica Berço da Humanidade
África Berço da Humanidade
 
Mesopotamia
Mesopotamia Mesopotamia
Mesopotamia
 
África: o berço da humanidade
África: o berço da humanidadeÁfrica: o berço da humanidade
África: o berço da humanidade
 
África, berço da humanidade
África, berço da humanidadeÁfrica, berço da humanidade
África, berço da humanidade
 
Aula 7 arte e arquitetura mesopotâmia [revisado em 121013]
Aula 7 arte e arquitetura mesopotâmia [revisado em 121013]Aula 7 arte e arquitetura mesopotâmia [revisado em 121013]
Aula 7 arte e arquitetura mesopotâmia [revisado em 121013]
 
Suportes e instrumentos da escrita
Suportes e instrumentos da escritaSuportes e instrumentos da escrita
Suportes e instrumentos da escrita
 
Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
 
Os suportes da escrita e seus instrumentos 6º ano
Os suportes da escrita e seus instrumentos 6º anoOs suportes da escrita e seus instrumentos 6º ano
Os suportes da escrita e seus instrumentos 6º ano
 
Mesopotamia[1]
Mesopotamia[1]Mesopotamia[1]
Mesopotamia[1]
 
Mesopotamia slide
Mesopotamia slideMesopotamia slide
Mesopotamia slide
 
Historia 6º ano - Mesopotâmia
Historia 6º ano - MesopotâmiaHistoria 6º ano - Mesopotâmia
Historia 6º ano - Mesopotâmia
 
1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia
 

Semelhante a Historia slide

Semelhante a Historia slide (20)

Antiguidade oriental 02
Antiguidade oriental 02Antiguidade oriental 02
Antiguidade oriental 02
 
Antiguidade oriental
Antiguidade orientalAntiguidade oriental
Antiguidade oriental
 
Mesopotmiaslideshare 110316160606-phpapp02
Mesopotmiaslideshare 110316160606-phpapp02Mesopotmiaslideshare 110316160606-phpapp02
Mesopotmiaslideshare 110316160606-phpapp02
 
Povos da Mesopotâmia.pdf
Povos da Mesopotâmia.pdfPovos da Mesopotâmia.pdf
Povos da Mesopotâmia.pdf
 
História da mesopotâmia
História da mesopotâmiaHistória da mesopotâmia
História da mesopotâmia
 
Atividade3
Atividade3Atividade3
Atividade3
 
A mesopotâmia
A mesopotâmiaA mesopotâmia
A mesopotâmia
 
Cidades, passado e presente
Cidades, passado e presenteCidades, passado e presente
Cidades, passado e presente
 
Mesopotamia
MesopotamiaMesopotamia
Mesopotamia
 
Mesopotâmia
MesopotâmiaMesopotâmia
Mesopotâmia
 
Mesopotâmia II
Mesopotâmia IIMesopotâmia II
Mesopotâmia II
 
Trabalho
Trabalho Trabalho
Trabalho
 
Antiguidade oriental
Antiguidade orientalAntiguidade oriental
Antiguidade oriental
 
A mesopotâmia
A mesopotâmiaA mesopotâmia
A mesopotâmia
 
Mesopotamia disma
Mesopotamia dismaMesopotamia disma
Mesopotamia disma
 
Hebreus, Fenícios e Persas
Hebreus, Fenícios e PersasHebreus, Fenícios e Persas
Hebreus, Fenícios e Persas
 
Mesopotâmia as civilizações da antiguidade
Mesopotâmia   as civilizações da antiguidadeMesopotâmia   as civilizações da antiguidade
Mesopotâmia as civilizações da antiguidade
 
Mesopotâmia
MesopotâmiaMesopotâmia
Mesopotâmia
 
Antiguidade oriental em
Antiguidade oriental  emAntiguidade oriental  em
Antiguidade oriental em
 
História - Mesopotâmia
História - MesopotâmiaHistória - Mesopotâmia
História - Mesopotâmia
 

Último

Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.keislayyovera123
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinhaMary Alvarenga
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADOcarolinacespedes23
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfmirandadudu08
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Mary Alvarenga
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniCassio Meira Jr.
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxOsnilReis1
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBAline Santana
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesMary Alvarenga
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 

Último (20)

Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinha
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdf
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 

Historia slide

  • 2. A Mesopotâmia uma região histórica do Oriente Médio (Ásia), incluída no Iraque e banhada pelos rios: Tigre e Eufrates. A palavra mesopotâmia, em grego, significa região entre rios. Estendendo-se desde o Deserto da Síria , a N.O,até as margens do Golfo Pérsico, a S.E., compreende duas áreas distintas: 1. O Planalto ou Alta Mesopotâmia , de constituição geológica complexa, onde predominam formas muito eruditas; 2. A Planície ou Baixa Mesopotâmia , de origem rudimentar recente, cheia de lagoas, pântanos e canais naturais. Uma elevação de 75 metros de altura, situada nas proximidades da cidade de Bagdá, marca o limite entre ambas. rios: o Tigre, que desce das montanhas do Curdistão, e o Eufrates, que procede do Planalto da Anatólia, entrelaçando suas águas através de pântanos , lagos e canais. Afastam-se a seguir, para reencontrarem-se pouco antes da foz, fundindo-se num só: o Chat-el-Arab (Rio dos Árabes), que se lança no Golfo Pérsico. Essa rica planície atraiu uma série de povos, que se encontraram e se misturaram , empreenderam guerra e dominaram uns aos outros , formando o que denominamos "civilização mesopotâmica". Entre esses povos temos:1. Os Sumérios2. Os Babilônicos3. Os Assírios4. Os Caldeus Mesopotâmia e sua civilização :
  • 3. A sociedade mesotâmica era dividida em castas. Os sacerdotes, os aristocratas, os militares e os comerciantes formaram castas privilegiada (a minoria). A maioria da população era formada pelos artesões, camponeses e escravos. – A RELIGIÃO Os mesopotâmicos adoravam diversas divindades e acreditavam que elas eram capazes de fazer tanto o bem quanto o mal. Os deuses diferenciavam-se dos homens por serem mais fortes, todo-poderosos e imortais. Cada cidade tinha um deus próprio, e, quando uma alcançava predomínio político sobre as outras, seu deus também se tornava mais cultuado. Mesopotâmia e suas relações sociais :
  • 4. Os pântanos da antiga Suméria (hoje sul do Iraque), foram o berço das cidades- estados do mundo. As cidades-estados pertenciam a um Deus, representado pelo Rei. A autoridade do Rei estendia-se a todas as cidades-estados. Ele era auxiliado por sacerdotes , funcionários e ministros . Legislava em nome das divindades, assegurava as práticas religiosas, zelava pela defesa de seus domínios, protegia e regulamentava a economia. O mais ilustre soberano da Mesopotâmia foi Hamurábi, por volta de 1750 A.C., um Rei Babilônico, que conseguiu conquistar toda a Mesopotâmia . Hamurábi fundou um vasto Império, ao qual impôs a mesma administração e as mesmas leis. Era uma legislação baseada na lei de Talião (Olho por Olho, Dente por Dente, Braço por Braço, etc) É o famoso código de Hamurábi, o primeiro conjunto e leis escritas da História. Organização Política :
  • 5. Os comerciantes andavam em caravanas, levando seus produtos aos países vizinhos e às regiões mais distantes. Exportavam armas, tecidos de linho, lã e tapetes, além de pedras preciosas e perfumes. Dessas terras traziam as matérias-primas que faltavam na Mesopotâmia, como o Marfim da Índia, o Cobre de Chipre e a madeira do Líbano. Sua Economia :
  • 6. ARTE NA MESOPOTÂMIA : Para falarmos da arte desta civilização que é um aglomerado de vários povos como os Sumérios, Assírios, Babilônios, Hebreus, Fenícios, Medos, Persas e Hititas, devemos dizer que a Bíblia nos conta dos Tribunais de Justiça entre os Assírios, da Torre de Babel e da faustosa Nínive
  • 7. Torre de Babel
  • 8. OS JARDINS SUSPENSOS DA BABILÔNIA : Foram construídos por Nabucodonosor, segundo historiadores do passado, para sua esposa e rainha, que ele tinha trazido da Média, e tinha "paixão pelos arredores montanhosos" de uma terra natural. A rainha, achando a cidade da Babilônia muito plana e depressiva, foi a inspiração para o rei criar o jardim cheio de terraços, para recriar o terreno verde e montanhoso de sua terra natal. Os Jardins Suspensos estavam localizados no banco leste do Eufrates, num antigo bairro da cidade, entre as margens do rio e os palácios reais  
  • 9. Economia e trabalhos na mesopotâmia (Babilônia) A Agricultura. Era base da Economia. A economia da Baixa Mesopotâmia, em meados do terceiro milênio a.C., baseava-se na agricultura de irrigação. Cultivavam trigo, cevada, linho, gergelim (sésamo, de onde extraiam o azeite para alimentação e iluminação), árvores frutíferas, raízes e legumes. Os instrumentos de trabalho eram rudimentares, em geral de pedra, madeira e barro. O bronze foi introduzido na segunda metade do terceiro milênio a.C., porem, a verdadeira revolução ocorreu com a sua utilização, isto já no final do segundo milênio antes da Era Cristã. Usavam o arado semeador, a grade e carros de roda; A Criação de Animais. A criação de carneiros, burros, bois, gansos e patos era bastante desenvolvida; O Comércio. Os comerciantes eram funcionários a serviço dos templos e do palácio. Apesar disso, podiam fazer negócios por conta própria. A situação geográfica e a pobreza de matérias primas favoreceram os empreendimentos mercantis. As caravanas de mercadores iam vender seus produtos e buscar o marfim da Índia, a madeira do Líbano, o cobre de Chipre e o estanho de Cáucaso. Exportavam tecidos de linho, lã e tapetes, além de pedras preciosas e perfumes. As transações comerciais eram feitas na base de troca, criando um padrão de troca inicialmente representado pela cevada e depois pelos metais que circulavam sobre as mais diversas formas, sem jamais atingir, no entanto, a forma de moeda. A existência de um comércio muito intenso deu origem a uma organização economia sólida, que realizava operações como empréstimos a juros, corretagem e sociedades em negócios. Usavam recibos, escrituras e cartas de crédito. O comércio foi uma figura importante na sociedade mesopotâmica, e o fortalecimento do grupo mercantil provocou mudanças significativas, que acabaram por influenciar na desagregação da forma de produção templário-palaciana dominante na Mesopotâmia
  • 11. uma das cidades mais importantes da Antigüidade, cuja localização é assinalada, atualmente, por uma região de ruínas a leste do rio Eufrates, a 90 km ao sul de Bagdá, no Iraque. Babilônia foi a capital do Império Babilônico durante os milênios II e I a.C. Na Antigüidade, a cidade se beneficiava de sua posição na importante rota comercial terrestre que ligava o golfo Pérsico com o Mediterrâneo. Babilônia
  • 12. Babilônia
  • 14. Pena de morte para roubo de templo ou propriedade estatal, ou por aceitação de bens roubados. (Seção 6) Morte por ajudar um escravo a fugir ou abrigar um escravo foragido. (Seção 15, 16) Se uma casa mal-construída causa a morte de um filho do dono da casa, então o filho do construtor será condenado à morte (Seção 230) Mero exílio por incesto: "Se um senhor (homem de certa importância) teve relações com sua filha, ele deverá abandonar a cidade." (Seção 154) Distinção de classes em julgamento: Severas penas para pessoas que prejudicam outras de classe superior. Penas médias por prejuízo a membros de classe inferior. (Seção 196–;205) Código de Hamurábi
  • 15. Hamurábi
  • 16. Reinado de Hamurábi  A grandiosidade da Babilônia apareceu durante o reinado de Hamurábi. Este rei, utilizando sua habilidade bélica, conquistou várias cidades e regiões ao redor. Governou criando leis severas. O códigode Hamurábi baseava-se na idéia do “olho por olho, dente por dente”. Ou seja, a pessoa que cometia uma irregularidade ou crime pagava com uma punição no mesmo sentido e intensidade. Este código de leis foi registrado em escrita cuneiforme e gravado em pedras de argila. A economia da região era baseada na agricultura (praticada às margens dos rios Tigre e Eufrates) e no comércio.Durante esta época a Babilônia tornou-se uma das regiões mais prósperas do mundo antigo. A cidade era composta de habitações luxuosas e grandes templos religiosos. Estes, eram administrados pelos sacerdotes, que também tinham a função de tomar conta das finanças do governo.Reinado de Nabucodonosor  Após a morte de Hamurábi, a Babilônia perdeu força e foi invadida e conquistada por diversas tribos da região. Voltou a ganhar poder e importância somente no século VI AC, durante o reinado de Nabucodonosor. Este rei retomou as conquistas e ampliou as áreas de domínio e influência. Ordenou a construção de muralhas em volta da cidade. Dentro das muralhas foram construídos diversos templos e palácios luxuosos, decorados com pinturas e jardins. Para sua esposa, Nabucodonosor ordenou a construção dos famosos Jardins Suspensos da Babilônia (uma das sete maravilhas do mundo antigo). 2 Reinados em Babilônia
  • 17.
  • 18.
  • 19. Tamara Ítalo Brito Vitória Maria Marcos Phelipe Demerson Willian Daniel Guimarães Componentes :