Memorial descritivo natalia lima costa

630 visualizações

Publicada em

Memorial

Publicada em: Engenharia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
630
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Memorial descritivo natalia lima costa

  1. 1. FACULDADE ATENAS MARANHENSE NATÁLIA LIMA COSTA TAINAH MONTE PALMA MEMORIAL DESCRITIVO São Luís-MA 2015
  2. 2. FACULDADE ATENAS MARANHENSE NATÁLIA LIMA COSTA TAINAH MONTE PALMA MEMORIAL DESCRITIVO Trabalho apresentado ao Curso de Arquitetura e Urbanismo da Faculdade Atenas Maranhense para obtenção de nota (Prova Oficial II). Professor: Keila Rodrigues São Luís-MA 2015
  3. 3. 1. Dados do Trabalho 1.1.Equipe: Natália Lima Costa e Tainah Monte Palma 1.2. Disciplina: Projeto de Arquitetura II 1.2.Professor(a): Keila Rodrigues 1.3.Etapa: Prova Oficial II 1.4.Instituição: Fama 1.5.Curso: Arquitetura e Urbanismo 1.6.Turma: 4º Periodo 1.7.Turno: Matutino 2. Dados da Obra 2.1.Cliente: Músico/Artista Plástico 2.2.Obra: Casa Unifamiliar 2.3.Endereço: xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx 2.4.Cod. Eletr.: xxxxxxxxxxx 2.5.Inscrição Imobiliária: xxxxxxxxxxx 2.6.Zona de Uso: xxxx 2.7.Uso: Residencial 2.8.Dados do Projeto 2.8.1. Testada do Terreno: 17,34 metros 2.8.2. Área do Terreno: 523,89 m² 2.8.3. Taxa de Ocupação (TO): 43% 2.8.4. Área Existente: 0,00 m² 2.8.5. Área Permeável: 297,72 m² 2.8.6. Área a Regularizar: 523,89 m² 2.8.7. Área a Construir: 226,17 m² 2.9.Responsáveis pelo Projetos Executivos 2.9.1. Projeto Arquitetônico: Natália Lima Costa e Tainah Monte Palma 2.9.2. Projeto Estrutural: Indefinido 2.9.3. Projeto Hidrossanitário: Indefinido 2.9.4. Projeto Elétrico e Telefônico: Indefinido
  4. 4. 2.10. Responsável pela Execução da Obra: Indefinido 3. Arquitetura 3.1.Considerações Gerais O projeto prevê a morada de uma família composta por um casal com dois filhos. Foi levado em consideração o perfil profissional assim como hobbies dos usuários. Para atender tais requisitos foram projetados dois ateliês, musical e artístico. O estilo arquitetônico solicitado pelo cliente foi o neoclássico. Contudo, o tipo de telhamento é cerâmico de telhas coloniais, com beiral feito em laje com platibanda. A implantação foi feita em lote com topografia regular, de formato trapezoidal, com base maior de 38,40 metros de comprimento, base menor de 30,23 metros e altura (largura do terreno) de 15,30 metros. Toda e qualquer dúvida que ocorrer durante a fase de execução da obra, falta de compatibilização entre projetos ou desejo de alteração devem ser verificados juntos aos autores dos respectivos projetos. É indispensável a execução fiel dos projetos. 3.2.Parâmetros funcionais e estéticos  Programa arquitetônico: Elaborado com base no número de usuários e suas necessidades.  Volumetria: Possui volumetria na área frontal, acompanhando a forma trapezoidal do terreno no sentido geral.  Áreas e proporções dos ambientes internos: Os ambientes internos foram pensados de acordo com as necessidades do cliente, mantendo um jogo de ambientes setorizados, separando íntimo, social e de serviço. Contudo intercalando-os no sentido transitório. Os ambientes são amplos e de fácil acesso.  Layout: Os ambientes internos foram dimensionados para proporcionar o maior conforto possível aos usuários.  Tipologia das Coberturas: Foi adotada solução simples de telhado em quatro águas.  Esquadrias: Foram adotadas disposições e quantidades compatíveis com as condições ótimas de iluminação e ventilação para uso residencial.
  5. 5.  Funcionalidade dos Materiais de Acabamento: Foram adotados materiais de alto padrão de qualidade, sendo especificados de acordo com os seus requisitos de uso e aplicação, intensidade e característica do uso, conforto antropodinâmico possibilitado e exposição a intempéries. 3.3. Espaços Definidos e Descrição dos Ambientes O projeto assim como a distribuição dos ambientes estão listados a seguir. Área Intima: o Três Suítes Área de Serviço o Cozinha o Dispensa o Lavanderia Área Social o Sala de Estar o Sala de Jantar o Ateliê Artístico o Ateliê Musical o Home Theater o Área de Lazer o Garagem 4. Acessibilidade Com base no artigo 80 do Decreto Federal N°5.296, de 2 de Dezembro de 2004, a acessibilidade é definida como “Condição para utilização, com segurança e autonomia, total ou assistida, dos espaços, mobiliários e equipamentos urbanos, das edificações, dos serviços de transporte e dos dispositivos, sistemas e meios de comunicação e informação, por pessoa portadora de deficiência ou com mobilidade reduzida”. O projeto em questão prevê portas de correr de 1 metro de largura, portas pivotantes e portas dos banheiros com 0,80 metros de largura. Vale lembrar que tal residência não possui deficientes como moradores, contudo possui acessibilidade limitada, porém não desprezível, não possuindo por exemplo obstáculos que dificultem o trânsito de deficientes.
  6. 6. 5. Sistema Construtivo Visando melhor logística, em forma do emprego do sistema construtivo que mais se aplica no sentido da facilidade de obtenção e abundancia de materiais na região, foram adotados os seguintes métodos construtivos: o Estrutura em concreto armado o Alvenaria de tijolos de 06 furos com dimensões 9cm x 14cm x 19cm. o Laje treliçada (treliças dispostas na direção do menor vão – Ferro 2 Ø 4.2mm + 1 Ø 6.3mm) com preenchimento de EPS (Isopor 8 cm x 40 cm x 200 cm) e capa de concreto de espessura 4cm. o Telha cerâmica tipo colonial – Inclinação 30% 6. Vida Útil do Projeto Sistema Vida Útil Mínima Estrutura ≥ 50 anos Pisos Internos ≥ 13 anos Vedação Vertical Interna ≥ 40 anos Vedação Vertical Externa ≥ 20 anos Cobertura ≥ 20 anos Hidrossanitário ≥ 20 anos 7. Sistema Estrutural Nesta seção serão expostos alguns dados acerca da tipologia estrutural adotada pelo projeto. O modelo construtivo no âmbito estrutural é o concreto armado, citado na seção 5. Abaixo pode se consultar tabela especificando as resistências características utilizados por elemento estrutural. Elemento Estrutural Fck Pilares 30 Mpa Vigas 30 Mpa Lajes 30 Mpa Sapatas 30 Mpa 7.1.Caracterização dos Elementos Estruturais Ressalta-se que a resistência característica exigida é consequência da adoção de concreto usinado em prol da aceleração executiva da obra e cumprimento dos prazos estipulados. Vale lembrar, que tal resistência possibilita a redução de elementos estruturais e consequentemente do volume final de concreto.
  7. 7. Pilares Os pilares adotados são todos semelhantes em dimensão, 15 cm x 25 cm, respeitando a dimensão mínima estipulada pela norma NBR 6118: 2014 de 360 cm². A armação dos pilares é a mínima já que a casa não possui pavimento superior, sendo composta por 4 barras de 10mm e estribos de 5mm espaçados a cada 20 cm. Vigas As vigas (tantos as de cintamento quanto as superiores), assim como os pilares, também são semelhantes em dimensão, 15 cm x 25cm. A armação das vigas respeita a mínima já que a casa não possui pavimento superior, sendo composta por 4 barras de 8 mm e estribos de 5mm espaçados a cada 20 cm. Lajes As lajes, como já mencionadas na seção 5, são do tipo treliçada, montadas em uma única direção (menor vão), com as seguintes características: o Largura da treliça igual a 12 cm. o Preenchimento feito com EPS (Isopor 8 cm x 40 cm x 200 cm) o Capa de concreto de 4 cm. o Armadura de distribuição mínima em forma de malha com espaçamento de 20 cm nas duas direções com bitola de 4,2mm. o Altura total da laje igual a 12 cm. 7.2.Fundação As fundações são do tipo sapata isolada. Será executada viga de cintamento para suporte da alvenaria de vedação, dispensando a utilização de pedra bruta para tal. De acordo com o resultado da sondagem (Ensaio SPT), é possível o atendimento da demanda de cargas fornecidas pelos pilares, por sapatas 60 cm x 60 cm (mínima dimensão estipulada pela norma pertinente), numa cota de apoio de – 0,90 metros em relação a cota +0,00 de referência.
  8. 8. 7.2.1. Movimento de Terra Como já mencionado no início deste memorial descritivo, o terreno é relativamente regular ou plano. No entanto, mesmo que em pouca quantidade volumétrica, haverá cortes e aterros. Lembrando que também serão executadas escavações para confecção das sapatas nas cotas estipuladas em projeto. 7.2.2. Lançamento de Concreto Como também já mencionado, o concreto utilizado será do tipo usinado, facilitando também seu lançamento na obra, através de bombeamento. As cavas deverão estar limpas e isentas de quaisquer materiais indevidos. Deverá ser preparado lastro (concreto magro), de espessura 5cm e de traço 1:4:8 (Traço em Volume da padiola C=45cm, L=35cm, H=30cm). 7.3.Vigas Para a execução de vigas de cintamento deverão ser tomadas as seguintes precauções: na execução das formas estas deverão estar limpas para a concretagem, e colocadas no local escavado de forma que haja facilidade na sua remoção. Não será admitida a utilização da lateral da escavação como delimitadora da concretagem das sapatas. Antes da concretagem, as formas deverão ser molhadas até a saturação. A concretagem deverá ser executada conforme os preceitos da norma pertinente. A cura deverá ser executada para se evitar a fissuração da peça estrutural. 7.4.Pilares As formas dos pilares deverão ser aprumadas e escoradas apropriadamente, utilizando- se madeira de qualidade, sem a presença de desvios dimensionais, fendas, arqueamento, encurvamento, perfuração por insetos ou podridão. Antes da concretagem, as formas deverão ser molhadas até a saturação. . A concretagem deverá ser executada conforme os preceitos da norma pertienente. A cura deverá ser executada para se evitar a fissuração da peça estrutural. 7.5.Lajes O escoramento das lajes deverá ser executado com escoras de madeira de primeira qualidade ou com escoras metálicas, sendo as últimas mais adequadas. As formas deverão ser molhadas até a saturação, antes da concretagem. Após a concretagem a cura deverá ser executada para se evitar a retração do concreto e fissuração da superfície. A desforma deverá seguir os procedimentos indicados em norma.
  9. 9. 8. Paredes ou Painéis de Vedação 8.1.Caracterização e Dimensões do Material Serão empregados tijolos cerâmicos de 06 furos de dimensão 9 cm x 14 cm x 19 cm. 8.2.Sequência de Execução Deve-se começar a execução das paredes pelos cantos, assentado-se os blocos em amarração. Durante toda a execução, o nível e o prumo de cada fiada devem ser verificados. Os blocos devem ser assentados com argamassa de cimento, areia e vedalit e revestidas conforme especificações do projeto de arquitetura. 8.3.Conexões e interfaces com os demais elementos construtivos O encontro da alvenaria com as esquadrias (alumínio e madeira) deve ser feito com vergas e contra-vergas de concreto. Estes elementos deverão ser embutidos na alvenaria, apresentando comprimento de 0,30m mais longo em relação aos dois lados de cada vão. Caso, por exemplo, a janela possua 1,20m de largura, a verga e contra-verga terão comprimento de 1,80m. 9. Cobertura A cobertura em si é composta por diversos elementos, são eles: o Terças o Caibros o Ripas o Telhas Cerâmicas do tipo Colonial o Pingadeiras em concreto Abaixo segue tabela com dimensões de tais elementos: Elemento Dimensão Terças 8 cm x 16 cm ( Comprimento Var.) Caibros 8 cm x 8 cm ( Comprimento Var.) Ripas 2 cm x 5 cm Telha Colonial Macho: 15,5 x 46,5 x 12 cm ; Femea: 16,5 x 46,5 x 14,5 cm Pingadeira 18cm x 100cm x 2,5cm
  10. 10. 10.Esquadrias 10.1. Portas (Esquadrias de Madeira) A tabela abaixo sistematiza a classificação de portas (esquadrias de madeira) presentes no projeto de acordo com o ambiente. Ambiente Especificação de Porta Intimo -Porta de Madeira com Revestimento Melamínico Cantareira 2,10mx70cmx30mm Mogno. Estrutura em madeira maciça com miolo composto por sarrafos com espaçamento entre eles. Pintura de fundo preparatório. É necessário dar mais uma ou duas demãos de tinta. Social -Porta de Madeira com Revestimento Melamínico Cantareira 2,10mx70cmx30mm Mogno. Estrutura em madeira maciça com miolo composto por sarrafos sem espaçamento entre eles. Acabamento de película decorativa impregnada com resinas melamínicas. -Porta de correr praiana, fabricada em madeira maciça, 100% seca em estufa, com vidros. Acompanha baguetes para fixação dos vidros, guarnição para um lado, trilhos em alumínio com roldanas reguláveis. -Porta pivotante em madeira maciça cedro real 2,10mx2,00mx50mm, Acompanha batente, ferragem de pino pivoltante e arco com visor. Serviço -Porta de Madeira com Revestimento Melamínico Cantareira 2,10mx80cmx30mm Mogno. Estrutura em madeira maciça com miolo composto por sarrafos com espaçamento entre eles. Pintura de fundo preparatório. É necessário dar mais uma ou duas demãos de tinta.
  11. 11. 10.2. Esquadrias de Alumínio As esquadrias (janelas) serão de alumínio na cor natural, fixadas na alvenaria, em vãos requadrados e nivelados com contramarco. Os vidros deverão ter espessura mínima 6mm e ser temperados, nos casos de painéis maiores. Os vidros jateados das esquadrias poderão receber o jato de areia ou película fosca. 11.Revestimento Cerâmico (Piso) A tabela ilustra as dimensões e tipos de revestimentos por cômodo da residência. Cômodo Tipo de Revestimento Cozinha Marca: Pamesa, 60cm x 60cm, PEI 5, Cor: Branco Sala de Estar Marca: Pamesa, 60cm x 60cm, PEI 5, Cor: Branco Sala de Jantar Marca: Pamesa, 60cm x 60cm, PEI 5, Cor: Branco Lavanderia Marca: Pamesa, 60cm x 60cm, PEI 5, Cor: Branco Home Theater Marca: Pamesa, 60cm x 60cm, PEI 5, Cor: Branco Ateliê de Arte Marca: Pamesa, 60cm x 60cm, PEI 5, Cor: Branco Ateliê de Musica Marca: Pamesa, 60cm x 60cm, PEI 5, Cor: Branco Suítes Marca: Pamesa, 60cm x 60cm, PEI 5, Cor: Branco Closet Marca: Pamesa, 60cm x 60cm, PEI 5, Cor: Branco Banheiros Marca: Pamesa, 30cm x 30cm, PEI 5, Cor: Branco Garagem Marca: Pamesa, 60cm x 60cm, PEI 5, Cor: Branco Varanda Marca: Pamesa, 60cm x 60cm, PEI 5, Cor: Branco Dispensa Marca: Pamesa, 60cm x 60cm, PEI 5, Cor: Branco Área de Serviço Marca: Pamesa, 60cm x 60cm, PEI 5, Cor: Branco Área de Lazer Marca: Pamesa, 60cm x 60cm, PEI 5, Cor: Marrom 12.Pintura A tabela abaixo ilustra os tipos de pintura de paredes por cômodo da residência.
  12. 12. Cômodo Tipo de Revestimento Cozinha PVA cor CREME sobre massa corrida PVA Sala de Estar PVA cor BRANCO NEVE (acabamento fosco) sobre massa corrida PVA Sala de Jantar PVA cor CREME sobre massa corrida PVA Lavanderia Marca: Pamesa, 60cm x 60cm, PEI 5, Cor: Branco Home Theater PVA cor CREME sobre massa corrida PVA Ateliê de Arte PVA cor MARFIM sobre massa corrida PVA Ateliê de Musica PVA cor MARFIM sobre massa corrida PVA Suítes PVA cor BRANCO NEVE (acabamento fosco) sobre massa corrida PVA Closet PVA cor BRANCO NEVE (acabamento fosco) sobre massa corrida PVA Garagem PVA cor BRANCO NEVE (acabamento fosco) sobre massa corrida PVA Varanda PVA cor MARFIM sobre massa corrida PVA Dispensa PVA cor BRANCO NEVE (acabamento fosco) sobre massa corrida PVA Área de Serviço PVA cor BRANCO NEVE (acabamento fosco) sobre massa corrida PVA Área de Lazer PVA cor MARFIM sobre massa corrida PVA Toda área externa da casa terá pintura do tipo acrílica acetinada cor PALHA. 13.Louças 13.1. Aplicação no Projeto  5 Lavatórios (Banheiros)  1 Tanque (Área de Serviço)  5 Bacias com caixa acoplada (Banheiros) 14.Tetos Todos os tetos possuem pintura PVA cor BRANCO NEVE (acabamento fosco) sobre massa corrida PVA. 15.Metais  3 cubas de embutir de inox pequenas  3 torneiras de mesa (bica alta) para cubas de inox  5 torneiras de mesa (bica baixa) para cubas de louça ovais  8 acabamentos de registro / torneiras de parede (para chuveiros)  5 papeleiras
  13. 13.  4 duchas higiênicas  4 chuveiros elétricos 16.Soleira em Granito/Bancadas Trata-se de uma material de alta resistência, com pequena porosidade, resistente à água, de fácil manuseio e adequação às medidas do local. Modelo de Referência: Granito Cinza Andorinha. Dimensões: L (comprimento variável) x 15cm (largura) x 17mm (altura) As bancadas da cozinha, área de serviço, banheiros e área de lazer deverão ser instaladas a 90cm do piso. - Espessura do granito: 20mm. 17.Instalações de Água Pluviais A captação das águas pluviais foi definida de duas formas: através das calhas de cobertura e das calhas de piso. As águas de escoamento superficial serão coletadas por caixas de ralo, distribuídas pelo terreno conforme indicação do projeto. Dessas caixas sairão condutores horizontais que as interligam com as caixas de inspeção. O projeto de drenagem de águas pluviais compreende:  Calhas de cobertura: para a coleta das águas pluviais provenientes de parte interna da cobertura.  Condutores verticais (AP): para escoamento das águas das calhas de cobertura até as caixas de inspeção ou calhas de piso situadas no terreno.  Ralos hemisféricos (RH): ralo tipo abacaxi nas junções entre calhas de cobertura e condutores verticais para impedir a passagem de detritos para a rede de águas pluviais.  Caixa de ralo (CR): caixa coletora para drenagem de águas superficiais. Trata-se de uma caixa em alvenaria de tijolos maciços e fundo em concreto com grelha de ferro fundido 40x40cm.  Poço de visita (PV): para inspeção da rede, com dimensões de 60x60cm, profundidade conforme indicado em projeto, acesso com diâmetro de 60cm, com tampa de ferro fundido de 60cm tipo pesado, articulada.
  14. 14.  Ramais horizontais: tubulações que interligam as caixas de inspeção e poços de visita, escoando águas provenientes dos condutores verticais e águas superficiais provenientes das áreas gramadas. 18.Instalação de Esgoto Sanitário A instalação predial de esgoto sanitário foi baseada segundo o Sistema Dual que consiste na separação dos esgotos primários e secundários através de um desconector, conforme ABNT NBR 8160 – Sistemas prediais de esgoto sanitário – Projeto e execução. As caixas de inspeções deverão ser localizadas nas áreas externas. No projeto foi previsto uma caixa de gordura especial para receber os efluentes provenientes das pias da cozinha. Todos os tubos e conexões da rede de esgoto deverão ser em PVC rígido. A destinação final do sistema de esgoto sanitário deverá ser feita em rede pública de coleta de esgoto sanitário, quando não houver disponível, adotar a solução individual de destinação de esgotos sanitários. 19.Instalação de Água Fria Para o cálculo da demanda de consumo de água foram consideradas as populações equivalentes aos números de usuários previstos para o estabelecimento (2 adultos, 2 crianças e 2 empregados). 19.1. Sistema de Abastecimento Para o abastecimento de água potável, foi considerado um sistema indireto, ou seja, a água proveniente da rede pública não segue diretamente aos pontos de consumo, ficando armazenada em reservatórios, que têm por finalidade principal garantir o suprimento de água da edificação em caso de interrupção do abastecimento pela concessionária local de água e uniformizar a pressão nos pontos e tubulações da rede predial. A reserva que foi estipulada é equivalente a dois consumos diários da edificação. A água da concessionária local, após passar pelo hidrômetro da edificação, abastecerá diretamente o reservatório inferior (cisterna). Através do sistema de recalque previsto na casa de máquinas, a água é bombeada do reservatório 1 para o reservatório 2, por meio dos comandos automáticos que acionam e desligam as bombas conforme variação dos níveis dos reservatórios. A água, a partir do reservatório 2, segue pela coluna de distribuição predial, como consta nos desenhos do projeto.
  15. 15. 19.2. Ramal Predial Os hidrômetros deverão ser instalados em local adequado, a 1,50m, no máximo, da testada do imóvel e devem ficar abrigados em caixa ou nicho, de alvenaria ou concreto. O hidrômetro terá dimensões e padrões conforme dimensionamento da concessionária local de água e esgoto. A partir do hidrômetro, haverá uma tubulação de 25mm, em PVC Rígido, para abastecer o reservatório inferior. Deve haver livre acesso do pessoal do Serviço de Águas ao local do hidrômetro de consumo. 20.Instalações Elétricas No projeto de instalações elétricas foi definido a distribuição geral das luminárias, pontos de força, comandos, circuitos, chaves, proteções e equipamentos. O atendimento à edificação foi considerado em baixa tensão, conforme a tensão operada pela concessionária local em 110V ou 220V. Os alimentadores foram dimensionados com base o critério de queda de tensão máxima admissível considerando a distância aproximada de 40 metros do quadro geral de baixa tensão até a subestação em poste. Caso a distância seja maior, os alimentadores deverão ser redimensionados. Os circuitos que serão instalados seguirão os pontos de consumo através de eletrodutos, conduletes e caixas de passagem. Todos os materiais deverão ser de qualidade para garantir a facilidade de manutenção e durabilidade. 21. Forração de Gramas Planta herbácea de 10-20 cm de altura. A forração escolhida deverá apresentar folhas densas e pilosas. A densidade deverá proporcionar a formação de tapete verde uniforme e ornamental. A forração deverá ser adquirida na fora de rolos, pois esse formato proporciona maior resistência no momento do transporte e maior facilidade de manuseio e plantio.

×