Aula de campo

161 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
161
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula de campo

  1. 1. introduçãoPara uma aprendizagem plena, necessita-se dealguns fatores, dentre os quais podem encontrar, ointeresse e motivação, que como afirma SENICIATO(ANO), pode-se perceber um avanço quanto a
  2. 2. Figura: Aula de Campo em Pedraria
  3. 3. Alunos e professores, muitasvezes, apontam a sala de aula como umambiente entediante, sem muitos atrativos(BENETTI, 2002).
  4. 4. Aula de campoA aula de campoconsiste, segundo Silva(2002), uma forma deaproximação da teoria com aprática e uma possibilidade de
  5. 5. Aula de Campo: Metodologia EficazAs aulas de Ciências e Biologiadesenvolvidas em ambientes naturaistendem a ser uma metodologia eficaztanto por envolverem e motivarem Fonte: ....crianças e jovens nas atividadeseducativas, quanto por constituíremum instrumento de superação da Ou seja, numa aula de campo, em que o tema chave seja plantas, pode serfragmentação do sobre solos (geologia), insetos (entomologia), o clima, incluso conceitos conhecimento. ampliando assim o campo de conceitual do aluno, dando a este uma maior significação de alguns fatores.
  6. 6. Meio ambiente = fonte de conhecimento“No método positivista, tãoconhecido nosso, o campo (realidadeconcreta) é externo ao sujeito. Oconhecimento/a verdade está no objeto,portanto no campo, no que vemos”.(SUERTEGARAY, 2001, p.3).
  7. 7. Motivação x aprendizagemAlém dos aspectos emocionaisenvolvidos – e que podem serimportantes para a motivação emaprender –, as aulas de campofavorecem também uma abordagemao mesmo tempo mais complexa emenos abstrata dos fenômenosestudados. (SENICIATO, ANO).
  8. 8. Conhecer a realidade local e sua complexidade,relacionando com problemáticas locais, no espaçogeográfico eleva o trabalho do professor/aluno a umareflexão critica e interventiva na sociedade em queeste se insere.
  9. 9. Em relação ao ensino de ecologia, quandorelatado sobre a preservação ambiental, sobre ainterferência do homem no meio ambiente. Casoesta aula seja dada exclusivamente em sala deaula, o aluno não dará muita importância, ouseja, sua percepção em quanto a preservaçãoambiental não vou aguçada. Como afirmaMachado (1982), que só cuidamos, respeitamose preservamos aquilo que conhecemos.
  10. 10. Na realização desta metodologia, o professor tem queter o cuidado pra estar bem preparado(conceitualmente) e estabelecendo os objetivos de talaula. Pois como afirma LOPES e ALLAINS (2002apud SENICIATO, ANO): A própria complexidade que envolve uma aula de campo, em que os alunos deparam-se com uma quantidade maior de fenômenos quando comparada a uma aula tradicional, pode confundir os alunos na construção dos conceitos
  11. 11. Segundo SANTOS (2002), as contribuições da aulade campo de Ciências e Biologia em um ambientenatural podem ser positivas na aprendizagem dosconceitos à medida que são um estímulo para osprofessores, que vêem uma possibilidade deinovação para seus trabalhos e assim se empenhammais na orientação dos alunos. Para os alunos éimportante que o professor conheça bem o ambientea ser visitado e que este ambiente seja limitado, nosentido espacial e físico, de forma a atender osobjetivos da aula.
  12. 12. BENETTI (2002), em um trabalho sobre asperspectivas de professores de Ciências em relaçãoaos procedimentos didáticos, expõe que muitas vezesos professores não exploram adequadamente asoportunidades oferecidas em um trabalho de campopor desconhecimento sobre o local a ser visitado, oque acarreta um despreparo quanto à maneira delidar com os fenômenos apresentados. (pdf. 10).
  13. 13. Final da aula  criação de mapas mentaisElaboração de ummapa mental Representando ospercursospercorridos, característ Figura: Mapa Mentalicas do meio, o que foi
  14. 14. Naeducação básica: Desenhos  representando, a seumodo, o seu espaço vivido.No ensino superior: Escrever ou falar.
  15. 15. ConclusãoO desenvolvimento das aulas de Ciências eEcologia em um ecossistema terrestre naturalfavorece a manifestação de sensações e emoções nosalunos, as quais normalmente não se manifestariamdurante as aulas teóricas.
  16. 16. Desse modo, todas as emoções e sensaçõessurgidas durante a aula de campo em umambiente natural podem auxiliar naaprendizagem dos conteúdos, à medida queos alunos recorrem a outros aspectos de suaprópria condição humana, além darazão, para compreenderem os fenômenos
  17. 17. ...O aluno agora não é apenas umobservador, mas um investigador queprocura ser parte integrante dapaisagem.
  18. 18. xxxxxxxxxxx
  19. 19. Motivação e ensinoAvanço do ensino de CiênciaAliar aspectos educacionais e afetivos Aprendizagem mais significativa.Metodologia Eficaz Envolvere motivar Instrumento de superação da fragmentação do conhecimento
  20. 20. motiva, agregando teoria e prática e ainda épossível avaliar se as atividades desenvolvidasem sala proporcionaram mudanças nos queparticipam desse processo, pois é atravésdesse contato real no campo, que seestabelecem relações no que é observado.Onde é possível utilizar as situações externasobservando um fato isolado e podercontextualizá-lo no tempo e no espaço.
  21. 21. Referências BibliográficasFIGUEIREDO, V. S.; SILVA, G. S. C. AImportância da Aula de Campo na Prática emGeografia. In.: 10º Encontro Nacional de Prática deEnsino em Geografia. ALVES, M. B. N.; ALVES, C. R. Aula deCampo: Ferramenta Metodológica Para Leiturade Mundo.

×