Princesa baixinha

7.702 visualizações

Publicada em

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.702
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.516
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
220
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Princesa baixinha

  1. 1. Era uma vez uma princesa muito bonita mas que sofria imenso por ser baixinha.Sempre que ia passear as outras crianças troçavam:“É pequenina como um cogumelo, baixinha como a relva”“É baixinha demais para ser uma verdadeira princesa”“As princesas a sério têm que ser altas e elegantes”Claro que diziam isto em voz baixa, mas ela ouvia-ose ficava muito triste.
  2. 2. Um dia a princesa Catarinafoi visitar a Rainha avó,que além de ser rainhaera também uma grande amiga.Enroscou-se no seu colo e perguntou:“Porque sou tão baixinha?Porque é que todos fazem troça de mim?”
  3. 3. A rainha avó respondeu:«É porque eles não percebem nada de nada.O teu avô também era baixinho e ele fez coisas muito importantes.»
  4. 4. «Então também quero fazer coisas importantes.»Decidiu a princesa.A rainha avó achou muito bem e preparou-lhe logo uma trouxacom as coisas de que ela ia precisar para fazer uma viagem:Um arco e uma flecha para o caso de encontrar um inimigo,uma moeda de ouro, porque dá sempre jeito,um pente e um espelho para estar sempre bonitae três caramelos para o caso de se sentir triste.
  5. 5. Depois de atravessar três bosques,duas montanhas e um deserto chegoua uma aldeia que vivia atormentada pelosataques de um dragão.Os habitantes passavam a vida trancadosem casa, cheiinhos de medo. Mas a princesanão tinha medo dele, nem só umbocadinho!
  6. 6. «Tenho uma arma para derrotar oDragão. Vejam.»Disse mostrando oarco e a flecha.«São tão pequeninos» Respondeu ochefe desconsolado.«Isso é o que vocês pensam»As pessoas observavam e murmuravam:«Ela é tão pequena, não vai conseguir.»
  7. 7. A princesa não se deixou desencorajar. Subiu à montanha onde vivia o dragãoe disparou a flecha, que acertou na sua enorme barriga.«Ai, ai, isso dói» berrou o dragão.Então a princesa aproximou-se e ameaçou:«Esta flecha é pequena, por isso a tuador é pequenina mas se continuaresa maltratar os meus amigosvolto com uma muito maior.»O dragão fugiu a sete pésdecidido a nuncamais aparecer porali.
  8. 8. Os habitantes da aldeia gritaram em coro:«VIVA A PRINCESAAH! GRANDE PRINCESA!»Toda satisfeita com a sua proeza, Catarina retomou a sua viagem.
  9. 9. Depois de atravessar mais três bosques,duas montanhas e um deserto, chegoua outra aldeia. Como tinha fome decidiucomprar um biscoito com a moeda deouro, mas ninguém tinha nada para comer.Um bruxo lançou um feitiço às sacas defarinha. Ninguém as conseguia abrir,era impossível desatar os nós.
  10. 10. «Talvez sejam muito apertadaspara as vossas mãos, mas paraas minhas não», respondeua princesa triunfante.
  11. 11. Com os seus dedos pequeninosCatarina desatou todos os nós.Agora o padeiro já podia fazerpão para toda a aldeia e umgrande biscoito para a princesa,que retribuiu com a moeda de ouro.E todos gritaram:«OH, GRANDE PRINCESADESTE DE COMER À ALDEIAINTEIRA!»
  12. 12. Catarina meteu outra vez os pés aocaminho e depois de atravessar trêsbosques, duas montanhas e um deserto,chegou a outra aldeia ameaçadaPor um bando de condores.
  13. 13. «Todos os dias à tarde, voam até à aldeia edevoram tudo o que encontram, ninguém seatreve a expulsá-los da montanha.»Contaram os habitantes.«Vou eu» decidiu a princesa.«Com esse tamanhinho?» Duvidaram eles.
  14. 14. Sem lhes prestar atenção, Catarina partiu para a montanha. Mas enquanto trepava pensava:«Ai , ai o que é que eu vou fazer?»Ao chegar tirou do saco o espelho eaproximou-o do chefe dos condores,este ao ver a sua imagem reflectidano espelho e ao ver como era feioso,ficou tão assustado que desatou a voar.E os outros foram atrás dele, jurandonunca mais voltar.Lá em baixo ao verem os condores voarpara longe gritaram.«AH, GRANDE PRINCESALIVRASTE-NOSDAQUELES MONSTROS»
  15. 15. No topo da montanha a princesasentiu-se sozinha e um poucoperdida. Foi então que se lembroudos caramelos que a rainha avólhe tinha dado.Comeu um, mas um sónão chegava. Então tirou osegundo mas ainda não erasuficiente, então tirou o terceiroe enquanto chupava o caramelocomeçou a sentir-se melhor.
  16. 16. Ajeitou a coroa na cabeça e voltou a partir, desta vez para casa.
  17. 17. De novo atravessou desertos,montanhas e bosques. Ao todo,três desertos, seis montanhas enove bosques.Enquanto passava pelas aldeias queajudara não parava de ouvir:«Ah, grande Princesa! Que viva anossa Princesa»
  18. 18. Quando a princesinha entrou no castelo , foi recebida com gritos de alegria “Viva a Grande Pincesinha!” “É mais valente que 100 cavaleiros!”
  19. 19. De uma das janelas do palácio a avó acenou-lhe comovida. «É ainda mais corajosa do que o avô» pensou para si própria. «Porque ir à guerra há muitos que têm que ir, mas ser grande e pequenina ao mesmo tempo,é coisa mais complicada de conseguir.»
  20. 20. FIM

×