SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE
            HOSPITAL DE PEDIATRIA PROF. HERIBERTO FERREIRA BEZERRA

                         Sessão Anátomo - Clínica

Dia: 24 de agosto de 2012.
Local: - Hora: Auditório Profº Mariano Coelho, 4º Subsolo do HUOL - 7 h.
Residente: Tatiana Puppio Querido - Residente de Pediatria (R2)




      Pré-escolar de 3 anos e 11 meses, do sexo feminino, aparentemente
saudável, apresentou quadro de choro, após ter sido contrariada, seguido de
cianose e parada cardiorrespiratória irreversível a manobras de ressuscitação,
tendo sido encaminhada para necropsia.
      Filha única de pais jovens não-consanguíneos, nasceu de gestação a
termo, com sorologias para sífilis, HIV e hepatite B negativas, IgG positiva para
rubéola e toxoplasmose. Parto cesárea, com Apgar de 8/9, peso: 2930g,
comprimento: 49 cm, perímetro cefálico: 36cm. Triagens auditiva, oftalmológica
e metabólica neonatais negativas. Permaneceu em aleitamento materno
exclusivo    até   6   meses,   com    introdução   oportuna   da   alimentação
complementar. Desenvolvimento neuropsicomotor dentro da normalidade e
pondoestatural no percentil 50. Esquema vacinal completo, incluindo vacinas
especiais (hepatite A, pneumococo, meningococo C, varicela, influenza B e A).
Nos antecedentes familiares, avó materna hipertensa e com carcinoma
basocelular de face. Avô materno hipertenso. Avó paterna com diabetes. Pais
saudáveis.
      Dos 6 aos 11 meses de vida, apresentou quadro de constipação
funcional que melhorou com o incremento de fibra na dieta. Aos 12 meses,
procurou o ortopedista pediátrico devido a possível desvio postural em membro
superior esquerdo, tendo sido diagnosticada, após exame radiológico, “ulna
minor”(ulna esquerda 1cm menor que a direita). Durante reavaliação ortopédica
com 1ano e 8 meses de idade, foi solicitado exame de tomografia do antebraço
esquerdo, que evidenciou imagem osteolítica na diáfise distal da ulna, com
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE
         HOSPITAL DE PEDIATRIA PROF. HERIBERTO FERREIRA BEZERRA

sinais de baixa agressividade, relacionada a lesão benigna ou fratura. Foi
suspeitado de osteocondroma e recomendado tratamento conservador.
      Evoluía bem, com infecções de vias aéreas esporádicas, que se
resolviam com sintomáticos. Aos 2 anos e 3 meses, voltou a apresentar
constipação funcional, que novamente melhorou com incremento de fibras e o
uso de hidróxido de magnésio. Aos 2 anos e 5 meses, apresentou quadro de
febre, oligúria e hiporexia por 4 dias, sem outros sintomas. O exame físico foi
normal, exceto por distensão abdominal moderada, com fígado de consistência
normal, bordos finos, palpável a 3 cm do apêndice xifoide e   3 cm do recordo
costal direito. Baço impalpável. Exame anorretal normal. No início do quadro, o
hemograma evidenciou: Ht 33, Hb - 11, leucócitos 12.100 (B-5/S-69/ E-2/LT-
21/M3), plaquetas de 322.000, glicemia normal. Foi reforçada dieta rica em
fibras, mantido hidróxido de magnésio e solicitada urocultura que foi negativa.
Aos 2 anos e 6 meses, apresentou quadro de infecção de vias aéreas
superiores (IVAS) e otalgia. Procurou o pronto socorro, tendo sido medicada
com dipirona, anti-inflamatório não esteroide e antibiótico tópico (gotas
otológicas), com melhora do quadro. Na ocasião, apresentava hábito intestinal
a cada 2 dias, com fezes macias, sem esforço. Havia queixa de prurido anal e
visualização de oxiúrus, tendo sido prescrito palmoato de pirvínio, com
remissão dos sintomas. Foi suspenso o hidróxido de magnésio. Exame físico
sem anormalidades. Evoluía bem, sem constipação, mantendo quadros
esporádicos de IVAS. Aos 3 anos e 4 meses, apresentou quadro de amigdalite
purulenta, tendo sido medicada no pronto socorro com amoxicilina oral.      Na
consulta de puericultura aos 3 anos e 8 meses (Peso: 16,7Kg, Estatura: 101
cm) a criança estava bem, com recorrência da queixa de prurido anal, tendo
sido novamente prescrito palmoato de pirvínio. Havia referência de reavaliação
recente da ortopedia que reafirmou conduta expectante para o possível
osteocondroma em diáfise ulnar.Exames na ocasião evidenciaram: Ht 34,4%,
Hb 11,1, (VCM 73, HCM 23,6, CHCM 32,3, leuc – 6800 (B- 1/S – 50/E- 1/LT –
47/M-1), plaquetas 353.000; VSH – 10mm, glicose 75, exame de urina com 8
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE
            HOSPITAL DE PEDIATRIA PROF. HERIBERTO FERREIRA BEZERRA

leucócitos/campo, raros cristais de oxalato de cálcio e exame parasitológico de
fezes negativo. Foram prescritos ferro polimaltosado e dieta rica em ferro e
fibras.
          Aos 3 anos e 10 meses, um mês e 15 dias antes do óbito, a criança veio
à consulta pediátrica com história de que estava bem, brincando, sem qualquer
queixa, quando apresentou queda sem diferença de nível, com trauma no
mento, seguida de perda de consciência e parada cardiorrespiratória, tendo
sido reanimada por familiares. A mãe referiu que durante o socorro, percebeu
elevação importante da frequência cardíaca. A paciente foi levada ao pronto-
socorro, onde deu entrada consciente e aparentemente bem, tendo sido
posteriormente liberada após realização de tomografia de crânio normal e
encaminhada ao pediatra. Ao exame físico na consulta, paciente ativa, corada,
exame neurológico e ausculta cardiopulmonar normais, abdome com leve
distensão, fígado a 2 cm do recordo costal, consistência normal. Baço
impalpável. Foi encaminhada para avaliação do neuropediatra, que afastou
possível causa neurológica, baseado na história clínica, exame físico e
resultado da tomografia. Igualmente foram considerados normais o exame
clínico cardiológico e eletrocardiograma. Foi solicitado ecocardiograma que não
houve tempo para ser realizado.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Caso clinico
Caso clinicoCaso clinico
Caso clinico
mairaaas
 
Casos clínicos e questões
Casos clínicos e questõesCasos clínicos e questões
Casos clínicos e questões
Josiana E Rafael
 
1202257993 exames bebe1
1202257993 exames bebe11202257993 exames bebe1
1202257993 exames bebe1
Pelo Siro
 
Caso clínico josé ribamar
Caso clínico   josé ribamarCaso clínico   josé ribamar
Caso clínico josé ribamar
Myrelle Cristina
 

Mais procurados (20)

Testedopezinho
TestedopezinhoTestedopezinho
Testedopezinho
 
Resumo: Caso Clínico - ITU
Resumo: Caso Clínico - ITUResumo: Caso Clínico - ITU
Resumo: Caso Clínico - ITU
 
Icterícia neonatal
 Icterícia neonatal  Icterícia neonatal
Icterícia neonatal
 
Apresentação caso clinico
Apresentação caso clinico Apresentação caso clinico
Apresentação caso clinico
 
10078 texto do artigo-34302-1-10-20160603
10078 texto do artigo-34302-1-10-2016060310078 texto do artigo-34302-1-10-20160603
10078 texto do artigo-34302-1-10-20160603
 
Casoclinico geriaria
Casoclinico geriariaCasoclinico geriaria
Casoclinico geriaria
 
Estudo de caso
Estudo de casoEstudo de caso
Estudo de caso
 
Triagem neonatal
Triagem neonatalTriagem neonatal
Triagem neonatal
 
O idoso como doador de órgãos uma nova fronteira a ser ultrapassada - 27 de...
O idoso como doador de órgãos   uma nova fronteira a ser ultrapassada - 27 de...O idoso como doador de órgãos   uma nova fronteira a ser ultrapassada - 27 de...
O idoso como doador de órgãos uma nova fronteira a ser ultrapassada - 27 de...
 
Estudo de caso clinico
Estudo de caso clinicoEstudo de caso clinico
Estudo de caso clinico
 
DoençA Hipertensiva EspecíFica Da Gravidez
DoençA Hipertensiva EspecíFica Da GravidezDoençA Hipertensiva EspecíFica Da Gravidez
DoençA Hipertensiva EspecíFica Da Gravidez
 
Caso clinico
Caso clinicoCaso clinico
Caso clinico
 
10 zenker
10 zenker10 zenker
10 zenker
 
Casos clínicos e questões
Casos clínicos e questõesCasos clínicos e questões
Casos clínicos e questões
 
Triagem Neonatal
Triagem NeonatalTriagem Neonatal
Triagem Neonatal
 
Fibrose cística
Fibrose císticaFibrose cística
Fibrose cística
 
1202257993 exames bebe1
1202257993 exames bebe11202257993 exames bebe1
1202257993 exames bebe1
 
HIV/Aids: Alteracões Ósseas e Renais
HIV/Aids: Alteracões Ósseas e RenaisHIV/Aids: Alteracões Ósseas e Renais
HIV/Aids: Alteracões Ósseas e Renais
 
Caso clínico josé ribamar
Caso clínico   josé ribamarCaso clínico   josé ribamar
Caso clínico josé ribamar
 
Teste de triagem neonatal
Teste de triagem neonatalTeste de triagem neonatal
Teste de triagem neonatal
 

Semelhante a Sessão Ánatomo - Clínica

Consequencias do diagnostico tardio
Consequencias do diagnostico tardioConsequencias do diagnostico tardio
Consequencias do diagnostico tardio
adrianomedico
 
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASO
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASOCUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASO
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASO
Jonathan Sampaio
 
Desnutrição protéico calórica como causa de pc relato de caso
Desnutrição protéico calórica como causa de pc   relato de casoDesnutrição protéico calórica como causa de pc   relato de caso
Desnutrição protéico calórica como causa de pc relato de caso
gisa_legal
 

Semelhante a Sessão Ánatomo - Clínica (20)

4hi.pdf
4hi.pdf4hi.pdf
4hi.pdf
 
Consequencias do diagnostico tardio
Consequencias do diagnostico tardioConsequencias do diagnostico tardio
Consequencias do diagnostico tardio
 
Cópia de Healthcare Center Website - by Slidesgo.pptx
Cópia de Healthcare Center Website - by Slidesgo.pptxCópia de Healthcare Center Website - by Slidesgo.pptx
Cópia de Healthcare Center Website - by Slidesgo.pptx
 
QUADRIX_011_IAMSPE-RM-2022_Prova_Pratica_MEDICINA PALIATIVA.pdf
QUADRIX_011_IAMSPE-RM-2022_Prova_Pratica_MEDICINA PALIATIVA.pdfQUADRIX_011_IAMSPE-RM-2022_Prova_Pratica_MEDICINA PALIATIVA.pdf
QUADRIX_011_IAMSPE-RM-2022_Prova_Pratica_MEDICINA PALIATIVA.pdf
 
Hematúria na infância
Hematúria na infânciaHematúria na infância
Hematúria na infância
 
Dor abdominal na infância: abordagem e diagnóstico diferencial
Dor abdominal na infância: abordagem e diagnóstico diferencialDor abdominal na infância: abordagem e diagnóstico diferencial
Dor abdominal na infância: abordagem e diagnóstico diferencial
 
Estudo de caso curso de enfermagem sobre
Estudo de caso curso de enfermagem sobreEstudo de caso curso de enfermagem sobre
Estudo de caso curso de enfermagem sobre
 
Anátomo Clínico R2 Klécida Nunes Rodrigues
Anátomo Clínico R2 Klécida Nunes RodriguesAnátomo Clínico R2 Klécida Nunes Rodrigues
Anátomo Clínico R2 Klécida Nunes Rodrigues
 
Sessão Anátomo - Clínica
Sessão Anátomo - ClínicaSessão Anátomo - Clínica
Sessão Anátomo - Clínica
 
Caso clínico leishmaniose visceral
Caso clínico leishmaniose visceralCaso clínico leishmaniose visceral
Caso clínico leishmaniose visceral
 
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASO
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASOCUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASO
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASO
 
Síndrome de Prader Willi
Síndrome de Prader WilliSíndrome de Prader Willi
Síndrome de Prader Willi
 
Estudo de Caso - Histerectomia
Estudo de Caso - HisterectomiaEstudo de Caso - Histerectomia
Estudo de Caso - Histerectomia
 
Onco hematologia
Onco hematologiaOnco hematologia
Onco hematologia
 
Termologia da área de enfermagem
Termologia da área de enfermagemTermologia da área de enfermagem
Termologia da área de enfermagem
 
Síndromes da Deleção 13q -Relato
Síndromes da Deleção 13q -RelatoSíndromes da Deleção 13q -Relato
Síndromes da Deleção 13q -Relato
 
parasitoses
parasitosesparasitoses
parasitoses
 
SLIDE - FRATURA TÍBIA.pptx.pptx
SLIDE - FRATURA TÍBIA.pptx.pptxSLIDE - FRATURA TÍBIA.pptx.pptx
SLIDE - FRATURA TÍBIA.pptx.pptx
 
Paralisia Facial
Paralisia FacialParalisia Facial
Paralisia Facial
 
Desnutrição protéico calórica como causa de pc relato de caso
Desnutrição protéico calórica como causa de pc   relato de casoDesnutrição protéico calórica como causa de pc   relato de caso
Desnutrição protéico calórica como causa de pc relato de caso
 

Mais de blogped1

Mais de blogped1 (20)

Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de TannerEstadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
 
Roteiro de Consulta de Puericultura
Roteiro de Consulta de PuericulturaRoteiro de Consulta de Puericultura
Roteiro de Consulta de Puericultura
 
Febre amarela: Nota Informativa
Febre amarela: Nota InformativaFebre amarela: Nota Informativa
Febre amarela: Nota Informativa
 
Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...
Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...
Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...
 
Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016
Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016
Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016
 
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vida
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de VidaABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vida
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vida
 
Diagnóstico diferencial de bócio na infância
Diagnóstico diferencial de bócio na infânciaDiagnóstico diferencial de bócio na infância
Diagnóstico diferencial de bócio na infância
 
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
 
Psoríase na infância
Psoríase na infânciaPsoríase na infância
Psoríase na infância
 
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilities
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilitiesRevised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilities
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilities
 
Sinusite Bacteriana Aguda
Sinusite Bacteriana AgudaSinusite Bacteriana Aguda
Sinusite Bacteriana Aguda
 
Otite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites Media
Otite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites MediaOtite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites Media
Otite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites Media
 
Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016
Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016
Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016
 
Giant congenital juvenile xanthogranuloma
Giant congenital juvenile xanthogranulomaGiant congenital juvenile xanthogranuloma
Giant congenital juvenile xanthogranuloma
 
Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.
Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.
Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.
 
Hipoglicemia Neonatal
Hipoglicemia  Neonatal Hipoglicemia  Neonatal
Hipoglicemia Neonatal
 
Síndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura Conceitual
Síndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura ConceitualSíndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura Conceitual
Síndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura Conceitual
 
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...
 
Picnodisostose
PicnodisostosePicnodisostose
Picnodisostose
 
Internato em Pediatria I - 2015 - Sob a ótica Discente
Internato em Pediatria I - 2015 - Sob a ótica DiscenteInternato em Pediatria I - 2015 - Sob a ótica Discente
Internato em Pediatria I - 2015 - Sob a ótica Discente
 

Sessão Ánatomo - Clínica

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE HOSPITAL DE PEDIATRIA PROF. HERIBERTO FERREIRA BEZERRA Sessão Anátomo - Clínica Dia: 24 de agosto de 2012. Local: - Hora: Auditório Profº Mariano Coelho, 4º Subsolo do HUOL - 7 h. Residente: Tatiana Puppio Querido - Residente de Pediatria (R2) Pré-escolar de 3 anos e 11 meses, do sexo feminino, aparentemente saudável, apresentou quadro de choro, após ter sido contrariada, seguido de cianose e parada cardiorrespiratória irreversível a manobras de ressuscitação, tendo sido encaminhada para necropsia. Filha única de pais jovens não-consanguíneos, nasceu de gestação a termo, com sorologias para sífilis, HIV e hepatite B negativas, IgG positiva para rubéola e toxoplasmose. Parto cesárea, com Apgar de 8/9, peso: 2930g, comprimento: 49 cm, perímetro cefálico: 36cm. Triagens auditiva, oftalmológica e metabólica neonatais negativas. Permaneceu em aleitamento materno exclusivo até 6 meses, com introdução oportuna da alimentação complementar. Desenvolvimento neuropsicomotor dentro da normalidade e pondoestatural no percentil 50. Esquema vacinal completo, incluindo vacinas especiais (hepatite A, pneumococo, meningococo C, varicela, influenza B e A). Nos antecedentes familiares, avó materna hipertensa e com carcinoma basocelular de face. Avô materno hipertenso. Avó paterna com diabetes. Pais saudáveis. Dos 6 aos 11 meses de vida, apresentou quadro de constipação funcional que melhorou com o incremento de fibra na dieta. Aos 12 meses, procurou o ortopedista pediátrico devido a possível desvio postural em membro superior esquerdo, tendo sido diagnosticada, após exame radiológico, “ulna minor”(ulna esquerda 1cm menor que a direita). Durante reavaliação ortopédica com 1ano e 8 meses de idade, foi solicitado exame de tomografia do antebraço esquerdo, que evidenciou imagem osteolítica na diáfise distal da ulna, com
  • 2. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE HOSPITAL DE PEDIATRIA PROF. HERIBERTO FERREIRA BEZERRA sinais de baixa agressividade, relacionada a lesão benigna ou fratura. Foi suspeitado de osteocondroma e recomendado tratamento conservador. Evoluía bem, com infecções de vias aéreas esporádicas, que se resolviam com sintomáticos. Aos 2 anos e 3 meses, voltou a apresentar constipação funcional, que novamente melhorou com incremento de fibras e o uso de hidróxido de magnésio. Aos 2 anos e 5 meses, apresentou quadro de febre, oligúria e hiporexia por 4 dias, sem outros sintomas. O exame físico foi normal, exceto por distensão abdominal moderada, com fígado de consistência normal, bordos finos, palpável a 3 cm do apêndice xifoide e 3 cm do recordo costal direito. Baço impalpável. Exame anorretal normal. No início do quadro, o hemograma evidenciou: Ht 33, Hb - 11, leucócitos 12.100 (B-5/S-69/ E-2/LT- 21/M3), plaquetas de 322.000, glicemia normal. Foi reforçada dieta rica em fibras, mantido hidróxido de magnésio e solicitada urocultura que foi negativa. Aos 2 anos e 6 meses, apresentou quadro de infecção de vias aéreas superiores (IVAS) e otalgia. Procurou o pronto socorro, tendo sido medicada com dipirona, anti-inflamatório não esteroide e antibiótico tópico (gotas otológicas), com melhora do quadro. Na ocasião, apresentava hábito intestinal a cada 2 dias, com fezes macias, sem esforço. Havia queixa de prurido anal e visualização de oxiúrus, tendo sido prescrito palmoato de pirvínio, com remissão dos sintomas. Foi suspenso o hidróxido de magnésio. Exame físico sem anormalidades. Evoluía bem, sem constipação, mantendo quadros esporádicos de IVAS. Aos 3 anos e 4 meses, apresentou quadro de amigdalite purulenta, tendo sido medicada no pronto socorro com amoxicilina oral. Na consulta de puericultura aos 3 anos e 8 meses (Peso: 16,7Kg, Estatura: 101 cm) a criança estava bem, com recorrência da queixa de prurido anal, tendo sido novamente prescrito palmoato de pirvínio. Havia referência de reavaliação recente da ortopedia que reafirmou conduta expectante para o possível osteocondroma em diáfise ulnar.Exames na ocasião evidenciaram: Ht 34,4%, Hb 11,1, (VCM 73, HCM 23,6, CHCM 32,3, leuc – 6800 (B- 1/S – 50/E- 1/LT – 47/M-1), plaquetas 353.000; VSH – 10mm, glicose 75, exame de urina com 8
  • 3. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE HOSPITAL DE PEDIATRIA PROF. HERIBERTO FERREIRA BEZERRA leucócitos/campo, raros cristais de oxalato de cálcio e exame parasitológico de fezes negativo. Foram prescritos ferro polimaltosado e dieta rica em ferro e fibras. Aos 3 anos e 10 meses, um mês e 15 dias antes do óbito, a criança veio à consulta pediátrica com história de que estava bem, brincando, sem qualquer queixa, quando apresentou queda sem diferença de nível, com trauma no mento, seguida de perda de consciência e parada cardiorrespiratória, tendo sido reanimada por familiares. A mãe referiu que durante o socorro, percebeu elevação importante da frequência cardíaca. A paciente foi levada ao pronto- socorro, onde deu entrada consciente e aparentemente bem, tendo sido posteriormente liberada após realização de tomografia de crânio normal e encaminhada ao pediatra. Ao exame físico na consulta, paciente ativa, corada, exame neurológico e ausculta cardiopulmonar normais, abdome com leve distensão, fígado a 2 cm do recordo costal, consistência normal. Baço impalpável. Foi encaminhada para avaliação do neuropediatra, que afastou possível causa neurológica, baseado na história clínica, exame físico e resultado da tomografia. Igualmente foram considerados normais o exame clínico cardiológico e eletrocardiograma. Foi solicitado ecocardiograma que não houve tempo para ser realizado.