Puericultura- Roteiro Prático

42.319 visualizações

Publicada em

Roteiro pático de Puericultura - Universidade Federal do Rio Grande do Norte(UFRN) - Internato em Pediatria I

3 comentários
40 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
42.319
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
15
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
3
Gostaram
40
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Puericultura- Roteiro Prático

  1. 1. HOSPITAL DE PEDIATRIA PROFESSORHERIBERTO FERREIRA BEZERRA - HOSPEDAMBULATÓRIO DE PUERICULTURADevani Ferreira Pires
  2. 2. HOSPITAL DE PEDIATRIA PROFESSOR HERIBERTO FERREIRA BEZERRA ROTEIRO PARA CONSULTA DE PUERICULTURAAntecedentes Obstétricos e Diagnósticos do período gestacional e neonatal, idadeperinatais gestacional, APGAR, tipo de reanimação na sala de parto, peso de nascimento, tempo de oxigenioterapia, medicamentos e a programação de alta hospitalar.Triagem Neonatal Triagem para erros inatos do metabolismo, Emissões Otoacústicas (EOA), Teste do Reflexo Vermelho.Antecedentes familiares Registro de dados relevantes.Caracterização da situação Registro de nascimento, situação econômica, históriapsicossocial da família de violência, uso de álcool ou drogas ilícitas, negligência ou maus tratos – ver necessidade de intervenção.Anamnese Queixa principal e história da doença atual. Interrogar sobre alimentação, funções eliminatórias e sono.Antropometria Peso, comprimento e perímetro cefálico. Observar ganho esperado para cada faixa etária. Utilizar as curvas de crescimento (OMS). Classificar: percentil ou Escore Z.Exame físico Exame físico geral e segmentar; fácies, alterações fenotípicas, presença de malformações ou deformidades, cor da pele (palidez, cianose, icterícia).Aparelho locomotor Doença displásica do quadril, clavículas, coluna vertebral, sinais de tocotraumatismos, pé torto.Aparelho respiratório e Frequência respiratória, expansibilidade torácica,cardiovascular percussão, ausculta pulmonar e cardíaca, pulsos.Abdome Inspeção, palpação, percussão, examinar região umbilical.Aparelho genitourinário Inspeção, palpação. Identificar: fimose, hidrocele, epi / hispopádia, hérnia, criptorquidia, ambiguidade genital, coalescência de pequenos lábios, imperfuração himenal. Pires, DF. Roteiro de Puericultura
  3. 3. Fissura labial, palatina; morfologia, tônus e posturaAparelho estomagnático da língua; morfologia e posição da mandíbula. Reflexos - busca, sucção, deglutição.Exploração sensorial Visão: transparência, reflexo vermelho, Triagem para Retinopatia da Prematuridade (ROP) – se indicado. Audição: reflexo cocleopalpebral, exame de emissões otoacústicas - EOA, PEATE – se indicado.Desenvolvimento Neuropsicomotor Avaliar crescimento do perímetro craniano, palpar fontanela, investigar os reflexos, tônus, postura, força muscular, aquisições motoras, desenvolvimento social-adaptativo e linguagem.Imunização Avaliar atualização em cada consulta. Identificar situações específicas: orientar e encaminhar. BCG, Hepatite B, Tetra, Rotavírus, VOP/VIP Tríplice Viral, Anti-Pneumocócica, Anti- Meningocócica, Anti-Influenza.Aconselhamento sobre alimentação Aleitamento Materno: aleitamento materno exclusivo nos 1os 06 meses de vida e complementado por dois anos ou mais. Nos 1os 06 meses recomendar regime de livre demanda e técnica correta de aleitamento materno. Fórmula infantil: detalhar a época de introdução, tipo de leite, quantidade, diluição, administração e aceitação. Orientar: higiene no preparo da mamadeira, volume, diluição correta, temperatura e intervalo. A introdução dos alimentos complementares a partir dos 06 meses de vida deve ser segura e adequada, qualitativa e quantitativamente.Aconselhamento sobre higiene Banho, troca das fraldas, prevenção de assaduras, lavagem de roupa, vestuário, postura antirrefluxo e posição para dormir – prevenção da Síndrome da Morte Súbita do Lactente. Cuidados ambientais. Orientar sobre efeito nocivo da exposição ao fumo.Prevenção de acidentes: Prevenção de queda, asfixia, queimadura, choque, intoxicação, afogamento, lesões por ferimentos perfurantes ou cortantes e transporte correto em automóvel. Pires, DF. Roteiro de Puericultura
  4. 4. EXAME ORTOPÉDICO DO RECÉM-NASCIDO: Movimentar passivamente os dedos e os punhos. Movimentos de flexoextensão do cotovelo e pronossupinação do antebraço. Palpar o pescoço e as clavículas em busca de saliências, regiões dolorosas ou deformidades. Pesquisar movimentos cervicais: rotações laterais, inclinações e flexoextensão. Inspecionar e palpar tórax e coluna. Realizar a manobra de Ortolani: recém-nascido sem roupa, em decúbito dorsal, coxas aduzidas e flexionadas a 90°. Os joelhos devem ficar flexionados, as mãos do examinador realizam movimentos de adução e abdução dos quadris. O sinal de Ortolani positivo corresponde ao estalido percebido durante o exame, decorrente do encaixe da cabeça do fêmur no fundo do acetábulo. Examinar os pés – formato e movimentos.PRINCIPAIS OCORRÊNCIAS ORTOPÉDICAS NO RNCondição Características CondutaSindactilia / Dedos extanumerários, fusão Excluir síndromes.polidactilia parcial ou completa de um ou Cirurgia após 01 ano de idade. mais dedos. Polidactilias vestigiais: ressecção.Sinostose Bloqueio da pronossupinação. Expectante.radioulnarTorcicolo Inspeção: cabeça inclinada / Fisioterapia precoce.congênito tumoração palpável no esternocleidomastoideoEscoliose Deformação na coluna, assimetria Observação. Avaliaçãocongênita do tronco. neurológica. Cirurgia s/n.Hipoplasia do Assimetria na região do peitoral. Expectante/Excluir síndromes.músculo peitoral Cirurgia na idade adulta.Displasia do Sinal de Ortolani positivo. Tratamento precoce.desenv. quadril.Joelho recurvado Encurvamento posterior do joelho Tratamento precoce com e limitação da flexão. imobilização. Cirurgia s/nPé torto Deformidades: equino, cavo, varo Tratamento precoce –congênito e aduto. imoblização / cirurgias s/nPé metatarso varo Extremidade do pé desviada para Tratamento precoce. dentro, com rigidez.Pé aduto postural Extremidade do pé desviada para Observação / manipulação. dentro, sem rigidez.Pé calcaneovalgo Pé dorsoflexionado e calcanhar Observação / manipulação.(postural) abaixado, flexível.Fonte: Atenção à saúde do recém-nascido – MS, 2011. Pires, DF. Roteiro de Puericultura
  5. 5. GANHO PONDERAL MÉDIO NO PRIMEIRO ANO DE VIDAFaixa etária Ganho Ponderal Crescimento linear Perímetro cefálico1º Trimestre 25 a 30 g/dia - (+ 700g/mês) 3,5 cm/mês 2,0 cm/mês2º Trimestre 20 g/dia - (+ 600g/mês) 2,0 cm/mês 1,0 cm/mês3º Trimestre 15 g/dia - (+ 450g/mês) 1,5 cm/mês 0,5 cm/mês4º Trimestre 10 g/dia - (+ 300g/mês) 1,2 cm/mês 0,5 cm/mêsObservação: em geral, a criança duplica o peso do nascimento, entre o 5º e o 6º mês de vida e o triplica aos dozemeses. No primeiro ano de vida, a criança cresce em média 25 cm, sendo 15 cm no 1º semestre e 10 cm no 2ºsemestre. No 2º ano de vida a criança cresce em média 10 a 12 cm, com um ganho ponderal de 02 kg/ano.CURVAS DE CRESCIMENTO DA CADERNETA DA CRIANÇA (MS, 2007):Índice Peso/Idade: expressa a relação entre a massa corporal e a idade cronológica da criança. Sãodefinidos quatro pontos de corte para o indicador de Peso por Idade (percentis 0,1, 3, 10 e 97), permitindoa seguinte classificação do estado nutricional infantil:ÍNDICE PESO POR IDADE (P/I) CLASSIFICAÇÃOÍndice P/I menor que o percentil 0,1 Peso Muito Baixo para a IdadeÍndice P/I > ao percentil 0,1 e < que o percentil 3 Peso Baixo para a IdadeÍndice P/I > ao p 3 e < que o percentil 10 Risco NutricionalÍndice P/I > ao percentil 10 e < que o percentil 97 Peso Adequado para a Idade (eutrofia)Índice P/I > ao percentil 97 Risco de SobrepesoÍndice Peso/Altura (P/A): expressa a harmonia entre as dimensões de massa corporal e altura. Sãodefinidos três pontos de corte para o indicador de peso por altura (percentis 3, 10 e 97), permitindo aseguinte classificação:ÍNDICE PESO POR ALTURA (P/A) CLASSIFICAÇÃOÍndice P/A menor que o percentil 3 Criança de Baixo Peso para a AlturaÍndice P/A > ao percentil 3 e < que p 10 Risco de Baixo Peso para a AlturaÍndice P/A > ao pc 10 e < que o p 97 Criança com peso adequado para a AlturaÍndice P/A > ao p 97 Risco de Sobrepeso para a Altura Pires, DF. Roteiro de Puericultura
  6. 6. Índice Altura/Idade (A/I): O indicador de Altura por idade (A/I) expressa o crescimento linear decrianças e corresponde ao dado que melhor representa o efeito cumulativo de situações adversas sobre ocrescimento da criança. São definidos três pontos de corte para o índice de Altura por Idade (percentis 3,10 e 97), permitindo a seguinte classificação do crescimento infantil:ÍNDICE ALTURA PARA A IDADE (A/I) CLASSIFICAÇÃOÍndice A/I < que o percentil 3 Criança com Altura Baixa para a IdadeÍndice A/I > ao percentil 3 e < que p 10 Risco para Altura Baixa para a IdadeÍndice A/I > ao percentil 10 e < que o p 97 Altura Adequada para a IdadeÍndice A/I > ao percentil 97 Altura Elevada para a IdadeNas crianças menores de 02 anos de idade, recomenda-se a utilização do P/I, seguida daavaliação da relação E/I. Nos pré-escolares e escolares os agravos nutricionais serão melhor avaliadospela relação E/I, seguida do P/E. São consideradas desnutridas todas as crianças cujas relações P/E, P/I,E/I estiverem abaixo de –2 desvios padrão (DP) do percentil 50, considerando-se desnutridas graves asclassificadas abaixo de –3 desvios padrão (OMS). Pires, DF. Roteiro de Puericultura
  7. 7. Alimentação Complementar (Dep. de Nutrologia da Sociedade Brasileira de Pediatria)Faixa Etária Tipo de AlimentoAté o 6º mês Leite Materno Exclusivo6º mês Leite Materno + Papa de frutas6º ao 7º mês LM + Papa de Frutas + 1ª Papa Salgada + Ovo + Suco de frutas7º ao 8º mês Acrescentar 2ª papa salgada (jantar)9º ao 11º mês Gradativamente passar para a comida da família, manter LM12º mês Comida da família, manter Leite MaternoPREVENÇÃO DE ANEMIA E SUPLEMENTAÇÃO VITAMÍNICARecomendação de suplementação medicamentosa de ferro do Departamento Científico de NutrologiaPediátrica da SBP:Situação RecomendaçãoLactentes nascidos a termo, de peso Nenhumaadequado para a idade gestacional, emaleitamento materno exclusivo até 06 mesesde idade.Situação RecomendaçãoLactentes nascidos a termo, de peso Nenhumaadequado para a idade gestacional, em usode fórmula infantil até 06 meses de idade e apartir do sexto mês, se houver ingestãomínima de 500 ml de fórmula por dia.Lactentes nascidos a termo, com peso 01 mg de ferro elementar/kg de peso/dia atéadequado para a idade gestacional, a partir 02 anos de idadeda introdução de alimentos complementares,se não houver ingestão mínima de 500 ml defórmula por dia.Prematuros e recém-nascidos de baixo peso, 02 mg de ferro elementar/Kg de peso/diamaiores que 1500 g à partir do 30º dia de durante todo o primeiro ano de vida. Apósvida. este período, 01 mg/kg/dia até 02 anos de idade.Prematuros e recém-nascidos com peso ao 03 mg de ferro elementar/Kg de peso/dia,nascimento entre 1000 a 1500g. até 06 meses ou a melhora dos índices hematológicos. Manter dose profilática até 02 anos de idade.Prematuros e recém-nascidos com peso ao 04 mg de ferro elementar/Kg de peso/dia.nascimento inferior a 1000g. Pires, DF. Roteiro de Puericultura
  8. 8. Vitamina DoseVitamina D 200 UI/dia até 18 mesesViatamina A (a cada 06 m) Crianças menores de 06 meses, amamentadas: 50.000 UIViatamina A (a cada 06 m) Crianças entre 06 e 12 meses: 100.000 UIViatamina A (a cada 06 m) Crianças entre 12 a 72 meses: 200.000 UIFonte: Departamento de Nutrologia Pediátriaca da Sociedade Brasileira de Pediatria CALENDÁRIO VACINAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA 2011/2012Vacina Ao 1m 2m 3m 4m 5m 6m 7m 12m 15m 18m 4a 6 14 nascer anos a16 anosBCG IDHepatite BDTP/DTPaDT/DTPaHIBVOP/VIPPneumococo conjugadaMeningococo C conjugadaRotavirusFebre A partir de 09 meses de idadeamarelaHepatite ASCRVaricelaInfluenzaHPV Meninas e meninos a partir de 09 anos Pires, DF. Roteiro de Puericultura
  9. 9. CALENDÁRIO VACINAL DO MINISTÉRIO DA SAÚDE 2012 CALENDÁRIO VACINAL 2012 – MINISTÉRIO DA SAÚDE IDADE VACINA DOSE BCG - ID Dose Única Ao nascer Hepatite B 1º Dose Pentavalente (DTP+ Hib+ HB) Vacina Poliomielite Inativada 02 meses 1º Dose Vacina Oral Rotavírus Humano Vacina Pneumocócica 10 Vacina Meningocócica C 1º Dose 03 meses Pentavalente (DTP+ Hib+ HB) Vacina Poliomielite Inativada 04 meses 2º Dose Vacina Oral Rotavírus Humano Vacina Pneumocócica 10 05 meses Vacina Meningocócica C 2º Dose Pentavalente (DTP+ Hib+ HB) 06 meses Vacina Oral Poliomielite 3º Dose Vacina Pneumocócica 10 09 meses Febre Amarela Dose inicial Tríplice Viral 1º Dose 12 meses Vacina Pneumocócica 10 Reforço Tríplice Bacteriana (DTP) 1º Reforço 15 meses Vacina Oral Poliomielite Reforço Vacina Meningocócica C Tríplice Bacteriana (DTP) 2º Reforço 04 anos Tríplice Viral 2º Dose Idade Vacina Dose 10 anos Febre Amarela Uma dose a cada 10 anos*Menores de 05 anos Vacina Oral de Poliomielite Anual * De 06 meses a Vacina de Influenza (gripe) Anualmenores de 02 anos Pires, DF. Roteiro de Puericultura
  10. 10. Marcos do Desenvolvimento Neuropsicomotor Idade em mesesReflexos / Marcos de DNPM 01 02 03 04 05 06 07 08 09Reflexo de MoroPreensão palmar reflexaFuga à asfixiaMarcha reflexaOlha para pessoa que o observaFixa e acompanha objetos no campo visualSegue com o olhar 180ºArrulha e sorriPreensão palmar voluntáriaRolaErgue a cabeça apoiada nos antebraçosSentaSegura e transfere objetos de uma mão para outraVira a cabeça em direção à vozReconhece quando se dirigem a elaArrasta-se ou engatinhaFica de pé seguroMarcos de DNPM 09 10 11 12 13 15 18 21 24Senta a partir do decúbito dorsalImita pequenos gestos ou brincadeiras (tchau)Fica de pé momentaneamenteAnda com apoioAnda sozinha, raramente caiJoga bolaPreensão em pinçaAnda segurando nos móveisPrimeiros passos (solto)Anda para trásTira qualquer peça do vestuárioCombina de 2 a 3 palavrasDistancia-se da mãe sem perdê-la de vistaLeva o alimento à boca com suas mãosNomeia uma figura Pires, DF. Roteiro de Puericultura

×