SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE
         DEPARTAMENTO DE PEDIATRIA
        INTERNATO EM PEDIATRIA I – PED I




    ATENDIMENTO PEDIÁTRICO
        AMBULATORIAL:
           “Dicas e lembretes”




                  LEONARDO MOURA FERREIRA DE SOUZA
ATENDIMENTO PEDIÁTRICO
              AMBULATORIAL


1- INTRODUÇÃO

1.1 - CONCEITOS FUNDAMENTAIS

 Recém-nascido (RN) : 0 – 28 dias
  Lactente: 29 dias – 02 anos       1ª infância: 0- 2
anos
  Pré-escolar: 3 – 5 anos            2ª infância: 2 – 10
anos
  Escolar: 6 – 10 anos
  Adolescente: 10- 20 anos
ATENDIMENTO PEDIÁTRICO
AMBULATORIAL

2 - A CONSULTA PEDIÁTRICA NA UNIDADE BÁSICA
DE SAÚDE (UBS)
    2.1- Objetivos


    2.1.1- Gerais

   Inserir o aluno do Curso de Medicina na nova proposta
    curricular :
        - atendimento primário a população pediátrica na rede
    básica de saúde, visando uma melhor formação
    profissional generalista .

   Abordagem prática e objetiva da criança.- Ações básicas
    de Saúde X AIDIPI
2.1.2 -Específicos
     Avaliação global do paciente pediátrico
       - Avaliação do estado nutricional
       - Avaliação do Crescimento e Desenvolvimento
       - Avaliação da situação vacinal
       - Avaliação alimentar

3 – ELEMENTOS DA CONSULTA PEDIÁTRICA
    3.1-   Anamnese
    3.2-   Exame físico
    3.3-   Solicitação de exames complementares
    3.4-   Prescrição médica
    3.5-   Orientações gerais
    3.6-   Encaminhamento ao especialista
3.1 – ANAMNESE
ASPECTOS RELEVANTES

A queixa principal
A história da doença atual
Sintomas associados
A cronologia dos sintomas
A duração da doença
Antecedentes (pessoais, familiares )
ANAMNESE
SINTOMAS

FEBRE
 Início
 Tempo de duração: em horas, dias.
 Sintomas associados: calafrios, vômitos, diarréia,
  tosse,
 Intensidade da febre- métodos de aferição
 Comportamento da criança no período de apirexia.
 Lactente febril sem sinais de localização”

     - investigar sinais e sintomas de doença bacteriana
  grave:
       calafrios (bacteremia oculta), letargia, sonolência,
  recusa alimentar, hipoatividade.
 Sinal de alerta para doença bacteriana : febre >
  39,5°c.
ANAMNESE
VÔMITOS
 Início
 Aspecto
 Pós - alimentares, pós – tosse.
 Sintomas associados: diarréia, febre.
 No RN: infecção, estenose hipertrófica do piloro,
  obstrução intestinal.
ANAMNESE
DIARRÉIA
   Início
   Duração: aguda, persistente, crônica.
   Numero de evacuações
   Aspecto das fezes
   Presença de muco, pus, sangue
   Diurese - Sede
   Sintomas associados: vômitos, febre,
   Diarréia crônica , perda de peso, déficit pondero-
    estatural, esteatorréia - Síndrome de má absorção
   Antecedentes pessoais de parasitoses prévias
   Tipo de alimento ingerido nas últimas 24 horas
    (entero infecções)
ANAMNESE
TOSSE
 Início
 Duração
 “Cansaço”
 “Chiado no peito”
 Tipo de tosse: seca, produtiva, ladrante (“tosse de
  cachorro”), coqueluchóide
 Sintomas associados: coriza, espirros, obstrução
  nasal, febre, cianose.
 Tosse aguda, seca, cansaço, “chiado no peito “ – Crise
  asmática.
 Tosse crônica, com déficit pondero-estatural e diarréia-
  mucoviscidose (Fibrose Cística).
ANAMNESE

TOSSE
 Tosse, febre, aumento da FR, dispnéia- Pneumonia
 Tosse ladrante (cachorro), à noite, estridor -
  Laringite espasmódica
 Lactente com sintomas gripais , piora progressiva
  do desconforto respiratório - Bronquiolite
 Tosse > 3 semanas, febre, perda de peso, historia
  epidemiológica + TB - Tuberculose
 Antecedentes Pessoais : pneumonias de repetição -
  Imudeficiências? Corpo estranho ?.
 Antecedentes familiares: asma, alergias
ANAMNESE

CEFALÉIA
 Caráter agudo ou recorrente
 Queixas visuais- escotomas - fotossenbilidade-
  pródomos – Enxaqueca (Migrânea)
 Sintomas associados: febre, sonolência, vômitos,
  perda de peso
 Cefaléia aguda, com febre, vômitos em jato, sinais
  meníngeos- Meningite
 Antecedentes familiares de enxaqueca
ANAMNESE
DOR ABDOMINAL
 Início

 Duração : aguda, crônica, crônica recorrente

 Caráter : cólica, em pontada

 Localização : localizada, difusa, com ou sem
  irradiação
 Sintomas associados: vômitos, diarréia, febre

 Antecedentes de enteroparasitoses
ANAMNESE
DOR ABDOMINAL

   Dor abdominal crônica recorrente, de caráter
    noturno, antecedentes familiares de Doença Péptica
     - Gastrite, úlcera

   Dor abdominal, febre, colúria, hepatomegalia,
    icterícia- Hepatite

   Dor abdominal em escolar, adolescente,
    inicialmente difusa, depois localizada em fossa
    ilíaca direita, acompanhado de febre, vômitos,
    parada da eliminação de gases ou fezes -
    Apendicite aguda
ANAMNESE
DOR EM MEMBROS INFERIORES
 “Dor de crescimento”: aparecimento noturno, melhora com
  massagens, intensa atividade física.

DOR DE GARGANTA
   Início : Abrupto, gradual.
   Febre - sintomas catarrais(coriza, espirros, tosse)-
    amigdalite viral
   Febre - adenopatia submandibular dolorosa, intensa dor a
    deglutição, exudato - Faringo tonsilite estreptocócica .
ANAMNESE
“FALTA DE APETITE ”
   Doenças associadas: anemia, parasitoses.
   Fase de crescimento - 2 a 5 anos
   Erro alimentar - “baganas” – Seletividade alimentar

EXANTEMA
 Doenças febris exantemáticas agudas: exantema
  súbito, sarampo, rubéola, varicela, dengue,
  escarlatina, meningoccoccemia.
 Forma de início
 Evolução - Distribuição
 Dados epidemiológicos - casos na família,
  contactantes .
3.2 - EXAME FÍSICO

CONSIDERAÇOES GERAIS – REGRAS BASILARES

   Conquistar a simpatia e a confiança - criança /pais
   Delicadeza na abordagem da criança
   Criança no colo ou nos braços da mãe
   Evitar imediato deitar a criança
   Evitar colocar subitamente na mesa
   Evitar voz elevada, gestos bruscos
   Jamais perder a paciência
   Sucesso do exame físico – cooperação : conquista
    X abordagem
   Para o exame objetivo – boa iluminação do
    ambiente-luz natural
EXAME FÍSICO


PARÂMETROS ANTROPOMÉTRICOS


   Peso
   Altura
   Perímetro Cefálico (PC)
   Importância: Ganho ponderal satisfatório (RN), Avaliação
    Pondero-Estatural (Crescimento)*,Classificação do
    Estado Nutricional, Detecção precoce de microcefalia,
    macrocefalia.


* Curva padrão: OMS
EXAME FÍSICO
PARÂMETROS ANTROPOMÉTRICOS
EXAME FÍSICO
AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO
EXAME FÍSICO
                      ECTOSCOPIA

   Impressão geral
   Hidratação
   Fácies
   Atitude
   Marcha
   Sorriso
   Gemência
EXAME FÍSICO

    INSPEÇÃO, PALPAÇÃO, AUSCULTA, PERCURSSÃO

CABEÇA
 Deformidades cranianas
 Lesões de couro cabeludo (Piodremites, tíneas)
 Fontanela : abaulada, deprimida , tensa, alargamento


FACE
 Nariz: desvio de septo, epistaxe
 Olhos : estrabismo,”olhar em sol poente”(hidrocefalia)
 Orelhas : má formações, apêndices auriculares
 Boca: alterações de palato, lábio leporino , dentes
 Fácies Sindrômica: epicanto, hipertelorismo, nariz em sela
 Fácies alérgica: olheiras, prega de D.Morgan
PESCOÇO
 Linfoadenomegalias : cervical , submandibular

 Aumento da tireóide
 Torcicolo

TÓRAX
 Deformidades: proeminência do apêndice xifóide,
rosário raquítico.

APARELHO RESPIRATÓRIO
 FR , retrações, sibilos , creptos, alterações do MV
 BAN, gemência, cianose - desconforto respiratório
grave
 Instridor respiratório
     APARELHO CARDIOVASCULAR


   Ausculta cardíaca: FC , sopros, alterações do ritmo
   PA : GNDA, obesas, adolescentes
   Pulsos: centrais, periféricos
   Perfusão periférica - tempo de enchimento capilar
ABDOMEN

   Ascite
   Distensão abdominal
   Hepatomegalia/ esplenomegalia – hepatoesplenomegalia
   Massas palpáveis-Tumor de Wilms, Neuro blastoma
   Ruídos adventícios


GENITÁLIA

   Hidrocele , hérnia inguinal, fimose, coalescência peq. lábios
   Leucorréia , hiperemia vulvar( vulvo vaginites inespecíficas )
   Hiperemia , edema prepucial, secreção- (balanopostites)
   Hiperemia, exudação áreas de fraldas (dermatite das fraldas)
   EXTREMIDADES

   Lesões de piodermite
   Edemas(cacifo positivo)
   Comprometimento articular (artralgia X artrite)
   Encurtamento de membros inferiores
   Pés planos, Geno –varum , Geno valgum, pés tortos
    congênitos
   Polidactilia, Quirodactilia,
   Clinodactilia, prega simiesca.(Sindome de Down)
MUCOSA, PELE E ANEXOS

   Estado de hidratação
   Palidez
   Cianose
   Icterícia
   Exantemas

COLUNA VERTEBRAL- REGIÃO LOMBOSACRA- ÂNUS

   Desvios: escoliose, cifose
   Espinha bífida, meningomielocele
   Mancha mongólica
   Fissuras anais, hemorróidas, oxíurus
   OROFARINGE

   Hiperemia, Hipertrofia
   Exudatos, petéquias no palato/ vesículas
   Monilíase ( grumos esbranquiçados)
   Estado de conservação dos dentes

   OTOSCOPIA

   Otorréia
   Aspecto da membrana timpânica: hiperemia, abaulamento,
    opacidade, ruptura
   Dor a compressão do tragus - validade questionada (OMA)
O EXAME FÍSICO DO RN
 Particularidades do RN

  Eritema tóxico
  Icterícia fisiológica
  Milium facial
  Bossa serossanguínea, cefalohematoma
  Ingurgitamento mamário/vulvar
  Pesquisa dos reflexos primitivos : sucção,moro, preensão
palmar e plantar, marcha reflexa.
  Fimose fisiológica
  Importante : fratura de clavículas, Displasia congênita do
quadril(manobra de ortolani), história de icterícia precoce < 24
horas), alterações oculares (opacidade do cristalino- rubéola
congênita), choro fraco, sucção débil, hipoatividade, recusa
amamentação.
AVALIAÇÃO SUMÁRIA DO DESENVOLVIMENTO
                  NEURO PSICOMOTOR

o   RN: Reflexos primitivos (Moro, preensão palmar/plantar,
    etc)
   Sorriso social- 2 meses
   Fase cervical completa – 3 meses
   Fase troncular – 6 meses
   Fase reptação – 9 meses
   Deambulação – 12 meses
AVALIAÇÃO SUMÁRIA NEUROLÓGICA

   Avaliação   do equilíbrio
   Avaliação   da coordenação motora
   Avaliação   da força muscular
   Avaliação   dos reflexos


3.3 - SOLICITAÇÃO DE EXAMES
COMPLEMENTARES

 Variável de acordo com cada caso clinico
 Mais solicitados a nível ambulatorial( Rede básica):
  - Hemograma, EPF, EAS, RX Tórax
 Evitar a solicitação excessiva e desnecessária de exames
complementares
 Lembrete importante: 80 a 90% do diagnóstico = anamnese
e exame físico bem conduzidos.
3.4 - A PRESCRIÇÃO MÉDICA
A RECEITA PEDIÁTRICA - Lembretes importantes

   Letra o mais legível possível
   Prescrever o menor número de remédios possíveis
   Evitar prescrição do tipo “8/8 hs”, “12/12hs”, “6/6hs"
   Dar preferência as prescrições do tipo 3xdia, 4xdia.
   Especificar os horários - Ex : 3xdia -6, 14 e 22 hs ; 4xdia
    -6,12, 18 e 23 hs
   Estimular o uso de medicações caseiras: lambedor, mel
    com limão.
   Explicar detalhadamente a mãe e ou responsáveis a
    maneira de administrar os remédios.
   Assinar e carimbar
3.5 - ORIENTAÇÕES GERAIS

DOENÇA
 Evolução
 Sinais e sintomas de piora clínica

MEDICAMENTOS
 Retorno ao Posto de Saúde ou ao Pronto Socorro se agravamento do
quadro
 Combate a auto medicação
 Combate ao uso indiscriminado de antibióticos
 Combate ao uso excessivo de antitérmicos – “Febrofobia”
 Orientação quanto ao uso (desnecessário) de “estimulantes de
apetite”, antitussígenos, antiinflamatórios, “Xaropes”,
descongestionantes(tópicos e sistêmicos ).
   VACINAÇÃO
   Importância das vacinas – efeitos adversos
   Regularização rápida da situação vacinal
   Quebra de determinadas crenças : Ex criança “gripada” não
    pode se vacinar

   ALIMENTAÇÃO
   Enfatizar a importância do aleitamento materno
   Estimular o aleitamento materno exclusivo até os 6 meses
   Evitar o desmame precoce
   Orientação adequada de novos alimentos
   Explicar as inconveniências da introdução precoce do leite de
    vaca
   Orientação adequada no manuseio de leites artificiais

   HIGIENE
   Noções básicas de higiene
   A higiene correta - sexo ( F): limpeza genitália externa - ânus
PREVENÇÃO DE ACIDENTES

Acidentes mais freqüentes por idade

  •0 a 1 ano: quedas (trocador, cama,
  colo), asfixia, sufocação, aspiração de
  corpos        estranhos,    intoxicações,
  queimaduras (água quente, cigarro).

  •2 a 4 anos: quedas, asfixia, sufocação,
  afogamentos,      intoxicações, choques
  elétricos, traumas.

  •5 a 9 anos: quedas, atropelamentos,
  queimaduras,       afogamentos,   choques
  elétricos, intoxicações, traumas.

  •10 a 19 anos: quedas, atropelamentos,
  afogamentos,       choques    elétricos,
  intoxicações, traumas.
3.6 - O ENCAMIHAMENTO PARA O
ESPECIALISTA
 QUANDO ENCAMINHAR AO ESPECIALISTA ?

 Crianças já acompanhadas por pediatras gerais de
outros locais ou unidades , sem nenhum sucesso no
tratamento;

 Crianças cujo tratamento feito pelos pediatras gerais da
própria Unidade Básica de Saúde, e que não surte o efeito
desejado;

 Casos crônicos, arrastados, tratados na pediatria geral
com pouco ou nenhum resultado terapêutico;

 Crianças, cuja patologia requer logo de inicio da
intervenção do especialista. Ex : sopro cardíaco importante
no RN .
O REGISTRO DO ATENDIMENTO NA UNIDADE BÁSICA DE
                     SAÚDE
               PRONTUÁRIO MÉDICO

 Data e horário
 Registro da idade
 Registro dos parâmetros antropométricos: Peso, Altura, Pc
 Registro da situação vacinal: Atualizada ou não
 Registro da situação alimentar :   tipo (LM, mista, artificial)
/ adequada ou inadequada
 Registro da situação do DNPM: observância das fases
marcantes (sorriso social, fase troncular, reptaçao,
deambulação, linguagem)
 Registro em seqüência ordenada:
     - história clinica,
     - exame físico,
     - resultado de exames laboratoriais recentes
     - hipótese diagnóstica
     - conduta
     - assinatura e carimbo
EXEMPLO PRÁTICO

   31/07/2012- 14;00     Idade : 12 meses Peso: 10 KG ( 0< z <2)
    Estatura :102 cm ( <0 z <2) PC : 38 cm ( 0<z<2) IMC ( 0 < z <1)
   Vacinação: atualizada Alimentação : artificial / adequada
    DNPM : deambulação e lalação presentes
   QP : Febre há 2 dias
    HDA :Criança com historia de febre há 48 horas, temp. máx 38,5,
    cede com antitérmicos usuais, mantendo-se alerta no período afebril.
    Quadro se acompanha de coriza, espirros, tosse seca. Sem dispnéia
    . Procurou assistência médica ontem, sendo realizado hemograma.
   Ex Físico: BEG, hidratada,corada, eupneica, acianótica. AP:MV rude
    s/ adventícios FR: 38 ipm. ACV: RCR 2T.Abdomen :flácido, sem
    visceromegalias. Extremidades: s/ edemas. Orofaringe : leve
    hiperemia. Otoscopia: normal
   Resultado de exames Hemograma ( 30/07/2012): Hto 35% Hb 12 g/dl
    Leuc. 5.400
   Hipóteses Diagnósticas: 1-Peso/ Estatura/ Pc/ IMC adequado para
    idade – Vacinação atualizada- Alimentação adequada- DNPM
    adequado para idade ( Diagnósticos Pediátricos Obrigatórios)
                  2- IVAS (- Resfriado comum ? Influenza?)
   Conduta : # Paracetamol gts
                  # Sorine infantil
                  # Retorno para reavaliação se persistência da febre>
    72 hs, piora do estado geral, ou surgimento de dispnéia, otalgia.
                                                       Assinatura/
    Carimbo
REFERÊNCIAS



•Rodrigues, Y.T; Rodrigues, P.P.B. Semiologia Pediátrica .
Guanabara Koogan, Rio de Janeiro , 1999 .
FIM

 OBRIGADO!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Crescimento e desenvolvimento Infantil
Crescimento e desenvolvimento Infantil Crescimento e desenvolvimento Infantil
Crescimento e desenvolvimento Infantil
Daysi Mara Paulo Sérgio
 
Exercícios glasgow 2
Exercícios glasgow 2Exercícios glasgow 2
Exercícios glasgow 2
Eduardo Júnior
 
Roteiro de Consulta de Puericultura
Roteiro de Consulta de PuericulturaRoteiro de Consulta de Puericultura
Roteiro de Consulta de Puericultura
blogped1
 
Porto exame clinico (roteiros) - 7 ª ed
Porto    exame clinico (roteiros) - 7 ª edPorto    exame clinico (roteiros) - 7 ª ed
Porto exame clinico (roteiros) - 7 ª ed
Inglid Fontoura
 
Puericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de ConsultaPuericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de Consulta
blogped1
 
Manual pediatria ambulatorial
Manual pediatria ambulatorialManual pediatria ambulatorial
Manual pediatria ambulatorial
Centro Universitário Ages
 
Hipertensao arterial infanc_e_adolesc sbp 2019
Hipertensao arterial infanc_e_adolesc sbp 2019Hipertensao arterial infanc_e_adolesc sbp 2019
Hipertensao arterial infanc_e_adolesc sbp 2019
gisa_legal
 
ASFIXIA PERINATAL
ASFIXIA PERINATALASFIXIA PERINATAL
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU) Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
blogped1
 
Semiologia pediátrica
Semiologia pediátrica Semiologia pediátrica
Semiologia pediátrica
lipernnatal
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
resenfe2013
 
Discutindo a Posição Canguru
Discutindo a Posição CanguruDiscutindo a Posição Canguru
Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016
Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016
Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016
blogped1
 
Atenção Integral à Criança em Situação de Violências, Prevenção de Acidentes ...
Atenção Integral à Criança em Situação de Violências, Prevenção de Acidentes ...Atenção Integral à Criança em Situação de Violências, Prevenção de Acidentes ...
Atenção Integral à Criança em Situação de Violências, Prevenção de Acidentes ...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Exame Físico RN Rodrigo Mont'Alverne
Exame Físico RN  Rodrigo Mont'AlverneExame Físico RN  Rodrigo Mont'Alverne
Exame Físico RN Rodrigo Mont'Alverne
Rodrigo Mont'Alverne
 
Icterícia Neonatal
Icterícia NeonatalIcterícia Neonatal
Icterícia Neonatal
blogped1
 
PNAISC.pdf
PNAISC.pdfPNAISC.pdf
PNAISC.pdf
ShesterDamaceno1
 
Puericultura
PuericulturaPuericultura
Puericultura
Rodrigo Abreu
 
Atenção à Saúde de Crianças com Deficiência ou em Situações Específicas e de ...
Atenção à Saúde de Crianças com Deficiência ou em Situações Específicas e de ...Atenção à Saúde de Crianças com Deficiência ou em Situações Específicas e de ...
Atenção à Saúde de Crianças com Deficiência ou em Situações Específicas e de ...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
O teste do pezinho
O teste do pezinhoO teste do pezinho
O teste do pezinho
Carla Macedo
 

Mais procurados (20)

Crescimento e desenvolvimento Infantil
Crescimento e desenvolvimento Infantil Crescimento e desenvolvimento Infantil
Crescimento e desenvolvimento Infantil
 
Exercícios glasgow 2
Exercícios glasgow 2Exercícios glasgow 2
Exercícios glasgow 2
 
Roteiro de Consulta de Puericultura
Roteiro de Consulta de PuericulturaRoteiro de Consulta de Puericultura
Roteiro de Consulta de Puericultura
 
Porto exame clinico (roteiros) - 7 ª ed
Porto    exame clinico (roteiros) - 7 ª edPorto    exame clinico (roteiros) - 7 ª ed
Porto exame clinico (roteiros) - 7 ª ed
 
Puericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de ConsultaPuericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de Consulta
 
Manual pediatria ambulatorial
Manual pediatria ambulatorialManual pediatria ambulatorial
Manual pediatria ambulatorial
 
Hipertensao arterial infanc_e_adolesc sbp 2019
Hipertensao arterial infanc_e_adolesc sbp 2019Hipertensao arterial infanc_e_adolesc sbp 2019
Hipertensao arterial infanc_e_adolesc sbp 2019
 
ASFIXIA PERINATAL
ASFIXIA PERINATALASFIXIA PERINATAL
ASFIXIA PERINATAL
 
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU) Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
 
Semiologia pediátrica
Semiologia pediátrica Semiologia pediátrica
Semiologia pediátrica
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
 
Discutindo a Posição Canguru
Discutindo a Posição CanguruDiscutindo a Posição Canguru
Discutindo a Posição Canguru
 
Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016
Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016
Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016
 
Atenção Integral à Criança em Situação de Violências, Prevenção de Acidentes ...
Atenção Integral à Criança em Situação de Violências, Prevenção de Acidentes ...Atenção Integral à Criança em Situação de Violências, Prevenção de Acidentes ...
Atenção Integral à Criança em Situação de Violências, Prevenção de Acidentes ...
 
Exame Físico RN Rodrigo Mont'Alverne
Exame Físico RN  Rodrigo Mont'AlverneExame Físico RN  Rodrigo Mont'Alverne
Exame Físico RN Rodrigo Mont'Alverne
 
Icterícia Neonatal
Icterícia NeonatalIcterícia Neonatal
Icterícia Neonatal
 
PNAISC.pdf
PNAISC.pdfPNAISC.pdf
PNAISC.pdf
 
Puericultura
PuericulturaPuericultura
Puericultura
 
Atenção à Saúde de Crianças com Deficiência ou em Situações Específicas e de ...
Atenção à Saúde de Crianças com Deficiência ou em Situações Específicas e de ...Atenção à Saúde de Crianças com Deficiência ou em Situações Específicas e de ...
Atenção à Saúde de Crianças com Deficiência ou em Situações Específicas e de ...
 
O teste do pezinho
O teste do pezinhoO teste do pezinho
O teste do pezinho
 

Destaque

Triangulo de evaluación pediátrica. SEUP. Urgencias de Pediatría.
Triangulo de evaluación pediátrica. SEUP. Urgencias de Pediatría.Triangulo de evaluación pediátrica. SEUP. Urgencias de Pediatría.
Triangulo de evaluación pediátrica. SEUP. Urgencias de Pediatría.
Iñaki Alegria Coll
 
parasitoses
parasitosesparasitoses
parasitoses
Tedson Murillo
 
Caderno de Enfermagem em Ortopedia 2009
Caderno de Enfermagem em Ortopedia 2009Caderno de Enfermagem em Ortopedia 2009
Caderno de Enfermagem em Ortopedia 2009
Letícia Spina Tapia
 
Alergia alimentar em idade pediátrica
Alergia alimentar em idade pediátricaAlergia alimentar em idade pediátrica
Alergia alimentar em idade pediátrica
Natacha Santos
 
Diagnósticos frequentes reumatologia pediátrica
Diagnósticos frequentes reumatologia pediátricaDiagnósticos frequentes reumatologia pediátrica
Diagnósticos frequentes reumatologia pediátrica
salgadokk
 
Atendimento de Urgência da Criança com Febre Professor Robson
Atendimento de Urgência da Criança com Febre   Professor RobsonAtendimento de Urgência da Criança com Febre   Professor Robson
Atendimento de Urgência da Criança com Febre Professor Robson
Professor Robson
 
Radiologia Ortópédica Pediátrica
Radiologia Ortópédica PediátricaRadiologia Ortópédica Pediátrica
Radiologia Ortópédica Pediátrica
Hercules Antonio Kozorosky Junior
 
Parasitoses Intestinais
Parasitoses IntestinaisParasitoses Intestinais
Parasitoses Intestinais
Jonas Cesar Andrade Barbosa
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 21
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 21Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 21
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 21
Professor Robson
 
Pulmao
PulmaoPulmao
Pulmao
smblitz
 
Fisio pediatria enfermidades-infano_juvenis
Fisio pediatria   enfermidades-infano_juvenisFisio pediatria   enfermidades-infano_juvenis
Fisio pediatria enfermidades-infano_juvenis
Natha Fisioterapia
 
Aleitamento Materno
Aleitamento MaternoAleitamento Materno
Aleitamento Materno
Laped Ufrn
 
Parasitoses
ParasitosesParasitoses
Parasitoses
Débora Neves
 
Monitoria de semiologia respiratória
Monitoria de semiologia respiratóriaMonitoria de semiologia respiratória
Monitoria de semiologia respiratória
Fisioterapeuta
 
Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)
Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)
Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)
Gustavo Oliveira
 
Agressividade infantil - birras
Agressividade infantil - birrasAgressividade infantil - birras
Agressividade infantil - birras
Iolanda Pereira
 
Parasitoses humanas
Parasitoses humanasParasitoses humanas
Parasitoses humanas
Isabella Silva
 
RADIOLOGIA PEDIÁTRICA
RADIOLOGIA PEDIÁTRICARADIOLOGIA PEDIÁTRICA
RADIOLOGIA PEDIÁTRICA
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
Exame físico do tórax
Exame físico do tóraxExame físico do tórax
Exame físico do tórax
Vanessa Jacqueline Souza
 
Semiologia ortopedica 0
Semiologia ortopedica 0Semiologia ortopedica 0
Semiologia ortopedica 0
Natha Fisioterapia
 

Destaque (20)

Triangulo de evaluación pediátrica. SEUP. Urgencias de Pediatría.
Triangulo de evaluación pediátrica. SEUP. Urgencias de Pediatría.Triangulo de evaluación pediátrica. SEUP. Urgencias de Pediatría.
Triangulo de evaluación pediátrica. SEUP. Urgencias de Pediatría.
 
parasitoses
parasitosesparasitoses
parasitoses
 
Caderno de Enfermagem em Ortopedia 2009
Caderno de Enfermagem em Ortopedia 2009Caderno de Enfermagem em Ortopedia 2009
Caderno de Enfermagem em Ortopedia 2009
 
Alergia alimentar em idade pediátrica
Alergia alimentar em idade pediátricaAlergia alimentar em idade pediátrica
Alergia alimentar em idade pediátrica
 
Diagnósticos frequentes reumatologia pediátrica
Diagnósticos frequentes reumatologia pediátricaDiagnósticos frequentes reumatologia pediátrica
Diagnósticos frequentes reumatologia pediátrica
 
Atendimento de Urgência da Criança com Febre Professor Robson
Atendimento de Urgência da Criança com Febre   Professor RobsonAtendimento de Urgência da Criança com Febre   Professor Robson
Atendimento de Urgência da Criança com Febre Professor Robson
 
Radiologia Ortópédica Pediátrica
Radiologia Ortópédica PediátricaRadiologia Ortópédica Pediátrica
Radiologia Ortópédica Pediátrica
 
Parasitoses Intestinais
Parasitoses IntestinaisParasitoses Intestinais
Parasitoses Intestinais
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 21
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 21Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 21
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 21
 
Pulmao
PulmaoPulmao
Pulmao
 
Fisio pediatria enfermidades-infano_juvenis
Fisio pediatria   enfermidades-infano_juvenisFisio pediatria   enfermidades-infano_juvenis
Fisio pediatria enfermidades-infano_juvenis
 
Aleitamento Materno
Aleitamento MaternoAleitamento Materno
Aleitamento Materno
 
Parasitoses
ParasitosesParasitoses
Parasitoses
 
Monitoria de semiologia respiratória
Monitoria de semiologia respiratóriaMonitoria de semiologia respiratória
Monitoria de semiologia respiratória
 
Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)
Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)
Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)
 
Agressividade infantil - birras
Agressividade infantil - birrasAgressividade infantil - birras
Agressividade infantil - birras
 
Parasitoses humanas
Parasitoses humanasParasitoses humanas
Parasitoses humanas
 
RADIOLOGIA PEDIÁTRICA
RADIOLOGIA PEDIÁTRICARADIOLOGIA PEDIÁTRICA
RADIOLOGIA PEDIÁTRICA
 
Exame físico do tórax
Exame físico do tóraxExame físico do tórax
Exame físico do tórax
 
Semiologia ortopedica 0
Semiologia ortopedica 0Semiologia ortopedica 0
Semiologia ortopedica 0
 

Semelhante a Atendimento Pediatrico Ambulatorial: " Dicas e lembretes"

Semiologia 02 roteiro prático de anamnese e exame físico
Semiologia 02   roteiro prático de anamnese e exame físicoSemiologia 02   roteiro prático de anamnese e exame físico
Semiologia 02 roteiro prático de anamnese e exame físico
Jucie Vasconcelos
 
Síndromes Abdominais
Síndromes AbdominaisSíndromes Abdominais
Síndromes Abdominais
dapab
 
Semiologia pediatrica
Semiologia pediatricaSemiologia pediatrica
Semiologia pediatrica
Milena Takamiya Sugahara
 
Tosse na infância
Tosse na infânciaTosse na infância
Tosse na infância
blogped1
 
Caderno de coco ped
Caderno de coco pedCaderno de coco ped
Caderno de coco ped
Vanessa Boeira
 
Estudo de Caso - Histerectomia
Estudo de Caso - HisterectomiaEstudo de Caso - Histerectomia
Estudo de Caso - Histerectomia
Caroline Lopes
 
11963700 cadernao-de-semiologia[1][1]
11963700 cadernao-de-semiologia[1][1]11963700 cadernao-de-semiologia[1][1]
11963700 cadernao-de-semiologia[1][1]
Virginia Scalia
 
Disturbio do sistema digestorio parte 1
Disturbio do sistema digestorio parte 1Disturbio do sistema digestorio parte 1
Disturbio do sistema digestorio parte 1
ReginaReiniger
 
Aulas de Sondas tecnicas, tipos de songa.pptx
Aulas de Sondas tecnicas, tipos de songa.pptxAulas de Sondas tecnicas, tipos de songa.pptx
Aulas de Sondas tecnicas, tipos de songa.pptx
JordevBarbosa
 
Linfadenopatias cervicais na infância
Linfadenopatias cervicais na infânciaLinfadenopatias cervicais na infância
Linfadenopatias cervicais na infância
Dario Hart
 
Doença de Kawasaki - Caso Clínico 2008
Doença de Kawasaki - Caso Clínico 2008Doença de Kawasaki - Caso Clínico 2008
Doença de Kawasaki - Caso Clínico 2008
Euripedes Barbosa
 
Infeccoes perinatais torch
Infeccoes perinatais torchInfeccoes perinatais torch
Infeccoes perinatais torch
Ibrahim Massuqueto
 
Problemas comuns da infancia22 04 2014
Problemas comuns da infancia22 04 2014Problemas comuns da infancia22 04 2014
Problemas comuns da infancia22 04 2014
Inaiara Bragante
 
Exame físico geral 1
Exame físico geral 1Exame físico geral 1
Exame físico geral 1
Paulo Alambert
 
Exame físico geral 1
Exame físico geral 1Exame físico geral 1
Exame físico geral 1
pauloalambert
 
Estudo de caso anemia falciforme
Estudo de caso anemia falciforme Estudo de caso anemia falciforme
Estudo de caso anemia falciforme
luzienne moraes
 
AULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptx
AULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptxAULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptx
AULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptx
EduardoFatdukbrGonal
 
Semiologia: Anamnese em Pediatria
Semiologia: Anamnese em PediatriaSemiologia: Anamnese em Pediatria
Semiologia: Anamnese em Pediatria
Laped Ufrn
 
enfermagem saúde do adulto estudo de caso
enfermagem saúde do adulto estudo de caso enfermagem saúde do adulto estudo de caso
enfermagem saúde do adulto estudo de caso
luzienne moraes
 
Abdome agudo em ginecologia 3
Abdome agudo em ginecologia 3Abdome agudo em ginecologia 3
Abdome agudo em ginecologia 3
Vicente Santos
 

Semelhante a Atendimento Pediatrico Ambulatorial: " Dicas e lembretes" (20)

Semiologia 02 roteiro prático de anamnese e exame físico
Semiologia 02   roteiro prático de anamnese e exame físicoSemiologia 02   roteiro prático de anamnese e exame físico
Semiologia 02 roteiro prático de anamnese e exame físico
 
Síndromes Abdominais
Síndromes AbdominaisSíndromes Abdominais
Síndromes Abdominais
 
Semiologia pediatrica
Semiologia pediatricaSemiologia pediatrica
Semiologia pediatrica
 
Tosse na infância
Tosse na infânciaTosse na infância
Tosse na infância
 
Caderno de coco ped
Caderno de coco pedCaderno de coco ped
Caderno de coco ped
 
Estudo de Caso - Histerectomia
Estudo de Caso - HisterectomiaEstudo de Caso - Histerectomia
Estudo de Caso - Histerectomia
 
11963700 cadernao-de-semiologia[1][1]
11963700 cadernao-de-semiologia[1][1]11963700 cadernao-de-semiologia[1][1]
11963700 cadernao-de-semiologia[1][1]
 
Disturbio do sistema digestorio parte 1
Disturbio do sistema digestorio parte 1Disturbio do sistema digestorio parte 1
Disturbio do sistema digestorio parte 1
 
Aulas de Sondas tecnicas, tipos de songa.pptx
Aulas de Sondas tecnicas, tipos de songa.pptxAulas de Sondas tecnicas, tipos de songa.pptx
Aulas de Sondas tecnicas, tipos de songa.pptx
 
Linfadenopatias cervicais na infância
Linfadenopatias cervicais na infânciaLinfadenopatias cervicais na infância
Linfadenopatias cervicais na infância
 
Doença de Kawasaki - Caso Clínico 2008
Doença de Kawasaki - Caso Clínico 2008Doença de Kawasaki - Caso Clínico 2008
Doença de Kawasaki - Caso Clínico 2008
 
Infeccoes perinatais torch
Infeccoes perinatais torchInfeccoes perinatais torch
Infeccoes perinatais torch
 
Problemas comuns da infancia22 04 2014
Problemas comuns da infancia22 04 2014Problemas comuns da infancia22 04 2014
Problemas comuns da infancia22 04 2014
 
Exame físico geral 1
Exame físico geral 1Exame físico geral 1
Exame físico geral 1
 
Exame físico geral 1
Exame físico geral 1Exame físico geral 1
Exame físico geral 1
 
Estudo de caso anemia falciforme
Estudo de caso anemia falciforme Estudo de caso anemia falciforme
Estudo de caso anemia falciforme
 
AULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptx
AULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptxAULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptx
AULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptx
 
Semiologia: Anamnese em Pediatria
Semiologia: Anamnese em PediatriaSemiologia: Anamnese em Pediatria
Semiologia: Anamnese em Pediatria
 
enfermagem saúde do adulto estudo de caso
enfermagem saúde do adulto estudo de caso enfermagem saúde do adulto estudo de caso
enfermagem saúde do adulto estudo de caso
 
Abdome agudo em ginecologia 3
Abdome agudo em ginecologia 3Abdome agudo em ginecologia 3
Abdome agudo em ginecologia 3
 

Mais de blogped1

Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de TannerEstadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
blogped1
 
Febre amarela: Nota Informativa
Febre amarela: Nota InformativaFebre amarela: Nota Informativa
Febre amarela: Nota Informativa
blogped1
 
Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...
Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...
Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...
blogped1
 
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vida
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de VidaABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vida
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vida
blogped1
 
Diagnóstico diferencial de bócio na infância
Diagnóstico diferencial de bócio na infânciaDiagnóstico diferencial de bócio na infância
Diagnóstico diferencial de bócio na infância
blogped1
 
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
blogped1
 
Psoríase na infância
Psoríase na infânciaPsoríase na infância
Psoríase na infância
blogped1
 
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilities
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilitiesRevised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilities
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilities
blogped1
 
Sinusite Bacteriana Aguda
Sinusite Bacteriana AgudaSinusite Bacteriana Aguda
Sinusite Bacteriana Aguda
blogped1
 
Otite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites Media
Otite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites MediaOtite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites Media
Otite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites Media
blogped1
 
Paralisia Facial
Paralisia FacialParalisia Facial
Paralisia Facial
blogped1
 
Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016
Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016
Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016
blogped1
 
Giant congenital juvenile xanthogranuloma
Giant congenital juvenile xanthogranulomaGiant congenital juvenile xanthogranuloma
Giant congenital juvenile xanthogranuloma
blogped1
 
Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.
Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.
Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.
blogped1
 
Hipoglicemia Neonatal
Hipoglicemia  Neonatal Hipoglicemia  Neonatal
Hipoglicemia Neonatal
blogped1
 
Síndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura Conceitual
Síndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura ConceitualSíndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura Conceitual
Síndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura Conceitual
blogped1
 
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...
blogped1
 
Icterícia neonatal
 Icterícia neonatal  Icterícia neonatal
Icterícia neonatal
blogped1
 
Picnodisostose
PicnodisostosePicnodisostose
Picnodisostose
blogped1
 
Internato em Pediatria I - 2015 - Sob a ótica Discente
Internato em Pediatria I - 2015 - Sob a ótica DiscenteInternato em Pediatria I - 2015 - Sob a ótica Discente
Internato em Pediatria I - 2015 - Sob a ótica Discente
blogped1
 

Mais de blogped1 (20)

Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de TannerEstadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
 
Febre amarela: Nota Informativa
Febre amarela: Nota InformativaFebre amarela: Nota Informativa
Febre amarela: Nota Informativa
 
Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...
Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...
Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...
 
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vida
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de VidaABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vida
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vida
 
Diagnóstico diferencial de bócio na infância
Diagnóstico diferencial de bócio na infânciaDiagnóstico diferencial de bócio na infância
Diagnóstico diferencial de bócio na infância
 
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
 
Psoríase na infância
Psoríase na infânciaPsoríase na infância
Psoríase na infância
 
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilities
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilitiesRevised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilities
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilities
 
Sinusite Bacteriana Aguda
Sinusite Bacteriana AgudaSinusite Bacteriana Aguda
Sinusite Bacteriana Aguda
 
Otite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites Media
Otite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites MediaOtite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites Media
Otite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites Media
 
Paralisia Facial
Paralisia FacialParalisia Facial
Paralisia Facial
 
Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016
Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016
Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016
 
Giant congenital juvenile xanthogranuloma
Giant congenital juvenile xanthogranulomaGiant congenital juvenile xanthogranuloma
Giant congenital juvenile xanthogranuloma
 
Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.
Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.
Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.
 
Hipoglicemia Neonatal
Hipoglicemia  Neonatal Hipoglicemia  Neonatal
Hipoglicemia Neonatal
 
Síndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura Conceitual
Síndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura ConceitualSíndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura Conceitual
Síndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura Conceitual
 
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...
 
Icterícia neonatal
 Icterícia neonatal  Icterícia neonatal
Icterícia neonatal
 
Picnodisostose
PicnodisostosePicnodisostose
Picnodisostose
 
Internato em Pediatria I - 2015 - Sob a ótica Discente
Internato em Pediatria I - 2015 - Sob a ótica DiscenteInternato em Pediatria I - 2015 - Sob a ótica Discente
Internato em Pediatria I - 2015 - Sob a ótica Discente
 

Atendimento Pediatrico Ambulatorial: " Dicas e lembretes"

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE PEDIATRIA INTERNATO EM PEDIATRIA I – PED I ATENDIMENTO PEDIÁTRICO AMBULATORIAL: “Dicas e lembretes” LEONARDO MOURA FERREIRA DE SOUZA
  • 2. ATENDIMENTO PEDIÁTRICO AMBULATORIAL 1- INTRODUÇÃO 1.1 - CONCEITOS FUNDAMENTAIS Recém-nascido (RN) : 0 – 28 dias Lactente: 29 dias – 02 anos 1ª infância: 0- 2 anos Pré-escolar: 3 – 5 anos 2ª infância: 2 – 10 anos Escolar: 6 – 10 anos Adolescente: 10- 20 anos
  • 3. ATENDIMENTO PEDIÁTRICO AMBULATORIAL 2 - A CONSULTA PEDIÁTRICA NA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE (UBS) 2.1- Objetivos 2.1.1- Gerais  Inserir o aluno do Curso de Medicina na nova proposta curricular : - atendimento primário a população pediátrica na rede básica de saúde, visando uma melhor formação profissional generalista .  Abordagem prática e objetiva da criança.- Ações básicas de Saúde X AIDIPI
  • 4. 2.1.2 -Específicos Avaliação global do paciente pediátrico - Avaliação do estado nutricional - Avaliação do Crescimento e Desenvolvimento - Avaliação da situação vacinal - Avaliação alimentar 3 – ELEMENTOS DA CONSULTA PEDIÁTRICA 3.1- Anamnese 3.2- Exame físico 3.3- Solicitação de exames complementares 3.4- Prescrição médica 3.5- Orientações gerais 3.6- Encaminhamento ao especialista
  • 5. 3.1 – ANAMNESE ASPECTOS RELEVANTES A queixa principal A história da doença atual Sintomas associados A cronologia dos sintomas A duração da doença Antecedentes (pessoais, familiares )
  • 6. ANAMNESE SINTOMAS FEBRE  Início  Tempo de duração: em horas, dias.  Sintomas associados: calafrios, vômitos, diarréia, tosse,  Intensidade da febre- métodos de aferição  Comportamento da criança no período de apirexia.  Lactente febril sem sinais de localização” - investigar sinais e sintomas de doença bacteriana grave: calafrios (bacteremia oculta), letargia, sonolência, recusa alimentar, hipoatividade.  Sinal de alerta para doença bacteriana : febre > 39,5°c.
  • 7. ANAMNESE VÔMITOS  Início  Aspecto  Pós - alimentares, pós – tosse.  Sintomas associados: diarréia, febre.  No RN: infecção, estenose hipertrófica do piloro, obstrução intestinal.
  • 8. ANAMNESE DIARRÉIA  Início  Duração: aguda, persistente, crônica.  Numero de evacuações  Aspecto das fezes  Presença de muco, pus, sangue  Diurese - Sede  Sintomas associados: vômitos, febre,  Diarréia crônica , perda de peso, déficit pondero- estatural, esteatorréia - Síndrome de má absorção  Antecedentes pessoais de parasitoses prévias  Tipo de alimento ingerido nas últimas 24 horas (entero infecções)
  • 9. ANAMNESE TOSSE  Início  Duração  “Cansaço”  “Chiado no peito”  Tipo de tosse: seca, produtiva, ladrante (“tosse de cachorro”), coqueluchóide  Sintomas associados: coriza, espirros, obstrução nasal, febre, cianose.  Tosse aguda, seca, cansaço, “chiado no peito “ – Crise asmática.  Tosse crônica, com déficit pondero-estatural e diarréia- mucoviscidose (Fibrose Cística).
  • 10. ANAMNESE TOSSE  Tosse, febre, aumento da FR, dispnéia- Pneumonia  Tosse ladrante (cachorro), à noite, estridor - Laringite espasmódica  Lactente com sintomas gripais , piora progressiva do desconforto respiratório - Bronquiolite  Tosse > 3 semanas, febre, perda de peso, historia epidemiológica + TB - Tuberculose  Antecedentes Pessoais : pneumonias de repetição - Imudeficiências? Corpo estranho ?.  Antecedentes familiares: asma, alergias
  • 11. ANAMNESE CEFALÉIA  Caráter agudo ou recorrente  Queixas visuais- escotomas - fotossenbilidade- pródomos – Enxaqueca (Migrânea)  Sintomas associados: febre, sonolência, vômitos, perda de peso  Cefaléia aguda, com febre, vômitos em jato, sinais meníngeos- Meningite  Antecedentes familiares de enxaqueca
  • 12. ANAMNESE DOR ABDOMINAL  Início  Duração : aguda, crônica, crônica recorrente  Caráter : cólica, em pontada  Localização : localizada, difusa, com ou sem irradiação  Sintomas associados: vômitos, diarréia, febre  Antecedentes de enteroparasitoses
  • 13. ANAMNESE DOR ABDOMINAL  Dor abdominal crônica recorrente, de caráter noturno, antecedentes familiares de Doença Péptica - Gastrite, úlcera  Dor abdominal, febre, colúria, hepatomegalia, icterícia- Hepatite  Dor abdominal em escolar, adolescente, inicialmente difusa, depois localizada em fossa ilíaca direita, acompanhado de febre, vômitos, parada da eliminação de gases ou fezes - Apendicite aguda
  • 14. ANAMNESE DOR EM MEMBROS INFERIORES  “Dor de crescimento”: aparecimento noturno, melhora com massagens, intensa atividade física. DOR DE GARGANTA  Início : Abrupto, gradual.  Febre - sintomas catarrais(coriza, espirros, tosse)- amigdalite viral  Febre - adenopatia submandibular dolorosa, intensa dor a deglutição, exudato - Faringo tonsilite estreptocócica .
  • 15. ANAMNESE “FALTA DE APETITE ”  Doenças associadas: anemia, parasitoses.  Fase de crescimento - 2 a 5 anos  Erro alimentar - “baganas” – Seletividade alimentar EXANTEMA  Doenças febris exantemáticas agudas: exantema súbito, sarampo, rubéola, varicela, dengue, escarlatina, meningoccoccemia.  Forma de início  Evolução - Distribuição  Dados epidemiológicos - casos na família, contactantes .
  • 16. 3.2 - EXAME FÍSICO CONSIDERAÇOES GERAIS – REGRAS BASILARES  Conquistar a simpatia e a confiança - criança /pais  Delicadeza na abordagem da criança  Criança no colo ou nos braços da mãe  Evitar imediato deitar a criança  Evitar colocar subitamente na mesa  Evitar voz elevada, gestos bruscos  Jamais perder a paciência  Sucesso do exame físico – cooperação : conquista X abordagem  Para o exame objetivo – boa iluminação do ambiente-luz natural
  • 17. EXAME FÍSICO PARÂMETROS ANTROPOMÉTRICOS  Peso  Altura  Perímetro Cefálico (PC)  Importância: Ganho ponderal satisfatório (RN), Avaliação Pondero-Estatural (Crescimento)*,Classificação do Estado Nutricional, Detecção precoce de microcefalia, macrocefalia. * Curva padrão: OMS
  • 20. EXAME FÍSICO ECTOSCOPIA  Impressão geral  Hidratação  Fácies  Atitude  Marcha  Sorriso  Gemência
  • 21. EXAME FÍSICO INSPEÇÃO, PALPAÇÃO, AUSCULTA, PERCURSSÃO CABEÇA  Deformidades cranianas  Lesões de couro cabeludo (Piodremites, tíneas)  Fontanela : abaulada, deprimida , tensa, alargamento FACE  Nariz: desvio de septo, epistaxe  Olhos : estrabismo,”olhar em sol poente”(hidrocefalia)  Orelhas : má formações, apêndices auriculares  Boca: alterações de palato, lábio leporino , dentes  Fácies Sindrômica: epicanto, hipertelorismo, nariz em sela  Fácies alérgica: olheiras, prega de D.Morgan
  • 22. PESCOÇO  Linfoadenomegalias : cervical , submandibular  Aumento da tireóide  Torcicolo TÓRAX  Deformidades: proeminência do apêndice xifóide, rosário raquítico. APARELHO RESPIRATÓRIO  FR , retrações, sibilos , creptos, alterações do MV  BAN, gemência, cianose - desconforto respiratório grave  Instridor respiratório
  • 23. APARELHO CARDIOVASCULAR  Ausculta cardíaca: FC , sopros, alterações do ritmo  PA : GNDA, obesas, adolescentes  Pulsos: centrais, periféricos  Perfusão periférica - tempo de enchimento capilar
  • 24. ABDOMEN  Ascite  Distensão abdominal  Hepatomegalia/ esplenomegalia – hepatoesplenomegalia  Massas palpáveis-Tumor de Wilms, Neuro blastoma  Ruídos adventícios GENITÁLIA  Hidrocele , hérnia inguinal, fimose, coalescência peq. lábios  Leucorréia , hiperemia vulvar( vulvo vaginites inespecíficas )  Hiperemia , edema prepucial, secreção- (balanopostites)  Hiperemia, exudação áreas de fraldas (dermatite das fraldas)
  • 25. EXTREMIDADES  Lesões de piodermite  Edemas(cacifo positivo)  Comprometimento articular (artralgia X artrite)  Encurtamento de membros inferiores  Pés planos, Geno –varum , Geno valgum, pés tortos congênitos  Polidactilia, Quirodactilia,  Clinodactilia, prega simiesca.(Sindome de Down)
  • 26. MUCOSA, PELE E ANEXOS  Estado de hidratação  Palidez  Cianose  Icterícia  Exantemas COLUNA VERTEBRAL- REGIÃO LOMBOSACRA- ÂNUS  Desvios: escoliose, cifose  Espinha bífida, meningomielocele  Mancha mongólica  Fissuras anais, hemorróidas, oxíurus
  • 27. OROFARINGE  Hiperemia, Hipertrofia  Exudatos, petéquias no palato/ vesículas  Monilíase ( grumos esbranquiçados)  Estado de conservação dos dentes  OTOSCOPIA  Otorréia  Aspecto da membrana timpânica: hiperemia, abaulamento, opacidade, ruptura  Dor a compressão do tragus - validade questionada (OMA)
  • 28. O EXAME FÍSICO DO RN Particularidades do RN  Eritema tóxico  Icterícia fisiológica  Milium facial  Bossa serossanguínea, cefalohematoma  Ingurgitamento mamário/vulvar  Pesquisa dos reflexos primitivos : sucção,moro, preensão palmar e plantar, marcha reflexa.  Fimose fisiológica  Importante : fratura de clavículas, Displasia congênita do quadril(manobra de ortolani), história de icterícia precoce < 24 horas), alterações oculares (opacidade do cristalino- rubéola congênita), choro fraco, sucção débil, hipoatividade, recusa amamentação.
  • 29. AVALIAÇÃO SUMÁRIA DO DESENVOLVIMENTO NEURO PSICOMOTOR o RN: Reflexos primitivos (Moro, preensão palmar/plantar, etc)  Sorriso social- 2 meses  Fase cervical completa – 3 meses  Fase troncular – 6 meses  Fase reptação – 9 meses  Deambulação – 12 meses
  • 30. AVALIAÇÃO SUMÁRIA NEUROLÓGICA  Avaliação do equilíbrio  Avaliação da coordenação motora  Avaliação da força muscular  Avaliação dos reflexos 3.3 - SOLICITAÇÃO DE EXAMES COMPLEMENTARES  Variável de acordo com cada caso clinico  Mais solicitados a nível ambulatorial( Rede básica): - Hemograma, EPF, EAS, RX Tórax  Evitar a solicitação excessiva e desnecessária de exames complementares  Lembrete importante: 80 a 90% do diagnóstico = anamnese e exame físico bem conduzidos.
  • 31. 3.4 - A PRESCRIÇÃO MÉDICA A RECEITA PEDIÁTRICA - Lembretes importantes  Letra o mais legível possível  Prescrever o menor número de remédios possíveis  Evitar prescrição do tipo “8/8 hs”, “12/12hs”, “6/6hs"  Dar preferência as prescrições do tipo 3xdia, 4xdia.  Especificar os horários - Ex : 3xdia -6, 14 e 22 hs ; 4xdia -6,12, 18 e 23 hs  Estimular o uso de medicações caseiras: lambedor, mel com limão.  Explicar detalhadamente a mãe e ou responsáveis a maneira de administrar os remédios.  Assinar e carimbar
  • 32. 3.5 - ORIENTAÇÕES GERAIS DOENÇA  Evolução  Sinais e sintomas de piora clínica MEDICAMENTOS  Retorno ao Posto de Saúde ou ao Pronto Socorro se agravamento do quadro  Combate a auto medicação  Combate ao uso indiscriminado de antibióticos  Combate ao uso excessivo de antitérmicos – “Febrofobia”  Orientação quanto ao uso (desnecessário) de “estimulantes de apetite”, antitussígenos, antiinflamatórios, “Xaropes”, descongestionantes(tópicos e sistêmicos ).
  • 33. VACINAÇÃO  Importância das vacinas – efeitos adversos  Regularização rápida da situação vacinal  Quebra de determinadas crenças : Ex criança “gripada” não pode se vacinar  ALIMENTAÇÃO  Enfatizar a importância do aleitamento materno  Estimular o aleitamento materno exclusivo até os 6 meses  Evitar o desmame precoce  Orientação adequada de novos alimentos  Explicar as inconveniências da introdução precoce do leite de vaca  Orientação adequada no manuseio de leites artificiais  HIGIENE  Noções básicas de higiene  A higiene correta - sexo ( F): limpeza genitália externa - ânus
  • 34. PREVENÇÃO DE ACIDENTES Acidentes mais freqüentes por idade •0 a 1 ano: quedas (trocador, cama, colo), asfixia, sufocação, aspiração de corpos estranhos, intoxicações, queimaduras (água quente, cigarro). •2 a 4 anos: quedas, asfixia, sufocação, afogamentos, intoxicações, choques elétricos, traumas. •5 a 9 anos: quedas, atropelamentos, queimaduras, afogamentos, choques elétricos, intoxicações, traumas. •10 a 19 anos: quedas, atropelamentos, afogamentos, choques elétricos, intoxicações, traumas.
  • 35. 3.6 - O ENCAMIHAMENTO PARA O ESPECIALISTA  QUANDO ENCAMINHAR AO ESPECIALISTA ?  Crianças já acompanhadas por pediatras gerais de outros locais ou unidades , sem nenhum sucesso no tratamento;  Crianças cujo tratamento feito pelos pediatras gerais da própria Unidade Básica de Saúde, e que não surte o efeito desejado;  Casos crônicos, arrastados, tratados na pediatria geral com pouco ou nenhum resultado terapêutico;  Crianças, cuja patologia requer logo de inicio da intervenção do especialista. Ex : sopro cardíaco importante no RN .
  • 36. O REGISTRO DO ATENDIMENTO NA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE PRONTUÁRIO MÉDICO  Data e horário  Registro da idade  Registro dos parâmetros antropométricos: Peso, Altura, Pc  Registro da situação vacinal: Atualizada ou não  Registro da situação alimentar : tipo (LM, mista, artificial) / adequada ou inadequada  Registro da situação do DNPM: observância das fases marcantes (sorriso social, fase troncular, reptaçao, deambulação, linguagem)  Registro em seqüência ordenada: - história clinica, - exame físico, - resultado de exames laboratoriais recentes - hipótese diagnóstica - conduta - assinatura e carimbo
  • 37. EXEMPLO PRÁTICO  31/07/2012- 14;00 Idade : 12 meses Peso: 10 KG ( 0< z <2) Estatura :102 cm ( <0 z <2) PC : 38 cm ( 0<z<2) IMC ( 0 < z <1)  Vacinação: atualizada Alimentação : artificial / adequada  DNPM : deambulação e lalação presentes  QP : Febre há 2 dias  HDA :Criança com historia de febre há 48 horas, temp. máx 38,5, cede com antitérmicos usuais, mantendo-se alerta no período afebril. Quadro se acompanha de coriza, espirros, tosse seca. Sem dispnéia . Procurou assistência médica ontem, sendo realizado hemograma.  Ex Físico: BEG, hidratada,corada, eupneica, acianótica. AP:MV rude s/ adventícios FR: 38 ipm. ACV: RCR 2T.Abdomen :flácido, sem visceromegalias. Extremidades: s/ edemas. Orofaringe : leve hiperemia. Otoscopia: normal  Resultado de exames Hemograma ( 30/07/2012): Hto 35% Hb 12 g/dl Leuc. 5.400  Hipóteses Diagnósticas: 1-Peso/ Estatura/ Pc/ IMC adequado para idade – Vacinação atualizada- Alimentação adequada- DNPM adequado para idade ( Diagnósticos Pediátricos Obrigatórios) 2- IVAS (- Resfriado comum ? Influenza?)  Conduta : # Paracetamol gts # Sorine infantil # Retorno para reavaliação se persistência da febre> 72 hs, piora do estado geral, ou surgimento de dispnéia, otalgia. Assinatura/ Carimbo
  • 38. REFERÊNCIAS •Rodrigues, Y.T; Rodrigues, P.P.B. Semiologia Pediátrica . Guanabara Koogan, Rio de Janeiro , 1999 .