SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
A NARRAÇÃO
1º ANO – ENSINO MÉDIO
TURMAS 1000 e 1001
Professora: Isabel Azevedo
A narração é um modo
de organização de texto,
onde o conteúdo está
ligado às ações ou
acontecimentos
contados por um
narrador.
ELEMENTOS DA NARRATIVA
•EnredoEnredo
• PersonagensPersonagens
• EspaçoEspaço
• TempoTempo
• NarradorNarrador
O ENREDO
É o conjunto de fatos ligados
entre si que fundamentam a
ação de um texto narrativo.
O enredo pode ser organizado
de diversas formas. Observe a
seguir, a organização mais
comum:
•situação inicialsituação inicial – personagens e espaço sãopersonagens e espaço são
apresentados.apresentados.
• estabelecimento de um conflitoestabelecimento de um conflito – surge uma– surge uma
situação a ser resolvida, que quebra asituação a ser resolvida, que quebra a
estabilidade de personagens eestabilidade de personagens e
acontecimentos.acontecimentos.
• desenvolvimentodesenvolvimento – busca de solução do– busca de solução do
conflito.conflito.
• clímaxclímax – ponto de maior tensão na– ponto de maior tensão na
narrativa.narrativa.
• desfechodesfecho – solução do conflito.– solução do conflito.
O ESPAÇO
Espaço é o lugar
em que a narrativa
ocorre. .
A construção do espaço contribui para
elaborar as personagens. Se o autor
descreve uma personagem que mora
na cidade, em uma casa grande e todo
organizado, o leitor imagina certas
características para essa personagem,
diferentes das que suporia para
alguém que sempre viveu num
deserto, por exemplo.
O TEMPO
Tempo em umaTempo em uma
narrativa pode sernarrativa pode ser
definido como adefinido como a
duração da ação. Podeduração da ação. Pode
serser cronológicocronológico ouou
psicológico.psicológico.
No tempo cronológico os fatos são
apresentados de acordo com a
ordem dos acontecimentos.
Já o tempo psicológico é a maneira
pela qual a passagem do tempo é
vivenciada. O tempo nesse caso
não é uma seqüência temporal
linear, pois é medido pelas
emoções e não pelo relógio.
NARRADOR
Tudo na narrativa depende do narrador, isto é, a
voz que conta a história. O ponto principal de
uma narrativa é o seu ponto de vista, ou seja, a
perspectiva, o modo de contar e de organizar o
que é contado. Desse modo, o narrador funciona
como um mediador entre a história narrada e o
leitor, ouvinte ou espectador.
Basicamente, existem três tipos de ponto de
vista, ou foco narrativo, determinado pelo tipo de
narrador.
Tipos de narradores
1 - Narrador-personagem: é o
que conta a história da qual é
participante. Ele é narrador e
personagem ao mesmo tempo,
e conta a história em 1ª pessoa
•Quando avistei-a sozinha na arquibancada daQuando avistei-a sozinha na arquibancada da
quadra, percebi que era a melhorquadra, percebi que era a melhor
oportunidade para definitivamente conhecê-oportunidade para definitivamente conhecê-
la. Então pedi a meu melhor amigo, Fabrício,la. Então pedi a meu melhor amigo, Fabrício,
que me ajudasse com o planoque me ajudasse com o plano que eu tinhaque eu tinha
bolado. Mas enquanto eu passava algumasbolado. Mas enquanto eu passava algumas
coordenadas para Fabríciocoordenadas para Fabrício vi Marcos da 8ªvi Marcos da 8ª
série se aproximar e sentar ao lado dela. Serásérie se aproximar e sentar ao lado dela. Será
que eles estavam ficando? Mas logo oque eles estavam ficando? Mas logo o
Marcos...Marcos...
2 - Narrador-observador (neutro):
é o que conta uma história como
alguém que observa o que
acontece. Transmite para o leitor
apenas os fatos que consegue
observar e conta a história em 3ª
pessoa, como nesse trecho:
Aos quatorze anos, Miguel Strogoff, que desde os onze
acompanhava o pai nas freqüentes incursões pela
estepe, matara seu primeiro urso. A vida na estepe
dera-lhe uma força e resistência incomuns e o rapaz
podia passar vinte e quatro horas sem comer e dez
noites sem dormir, sem aparentar excessivo desgaste
físico, conseguindo sobreviver onde outros em pouco
tempo morreriam. Era capaz de guiar-se em plena
noite polar, pois o pai lhe ensinara os segredos da
orientação – valendo-se de sinais quase imperceptíveis
na neve e nas árvores, no vento e no vôo dos pássaros.
(Júlio Verne, Miguel Strogoff, p. 16)
3 – Narrador onisciente: Não
participa da história, mas faz
várias intervenções com
comentários e opiniões acerca
das ações das personagens. O
foco narrativo é em 3ª pessoa.
“F lávia logo percebeu que as outras moradoras do
prédio, mães dos amiguinhos do seu filho, Paulinho,
seis anos, olhavam-na com um ar de superioridade.
Não era para menos. Afinal o garoto até aquela idade
— imaginem — se limitava a brincar e ir à escola.”
“Se tinha medo, então era para a natação mesmo
que ele iria entrar. Os medos devem ser eliminados
na infância. Paulinho ainda quis argumentar. Sugeriu
alpinismo. Foi a vez de os pais tremerem. Mas o
medo dos pais é outra história. Paulinho
entrou para a natação.”
(Carlos Eduardo Novaes. A cadeira do dentista e
outras crônicas. São Paulo: Ática, 1994. p. 15-7)
A PERSONAGEM
É um ser criado para um texto
narrativo. Pode simular as
características de uma pessoa,
pode ser um animal,
sentimento ou objeto
personificado.
Numa narrativa, pode
haver personagens
principais, que ocupam o
primeiro lugar num
acontecimento, e
personagens secundários.
Ao criar personagens devem-se
desenvolver características físicas e
psicológicas para elas. É preciso mostrar
ao leitor como se parecem ou vestem,
andam, falam, pensam, sentem. Alguns
gêneros permitem descrições mais
trabalhadas. Quando isso não é possível,
descrever o espaço e uma característica
da personagem já dá uma boa idéia de
como ela é.
BOA
LEITURA:
O
SUCESSO
TE ESPERA
"É fácil trocar as palavras, Difícil é interpretar os silêncios!
É fácil caminhar lado a lado, Difícil é saber como se
encontrar! É fácil beijar o rosto, Difícil é chegar ao
coração! É fácil apertar as mãos, Difícil é reter o calor! É
fácil sentir o amor, Difícil é conter sua torrente! ...
FERNANDO PESSOA
Professora: Isabel Azevedo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Contos populares
Contos populares Contos populares
Contos populares mdufpa
 
VariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaVariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaElza Silveira
 
Gêneros literários - 1º Ano do Ensino Médio
Gêneros literários - 1º Ano do Ensino MédioGêneros literários - 1º Ano do Ensino Médio
Gêneros literários - 1º Ano do Ensino MédioElaine Chiullo
 
Elementos da narrativa - Professora Vivian Trombini
Elementos da narrativa - Professora Vivian TrombiniElementos da narrativa - Professora Vivian Trombini
Elementos da narrativa - Professora Vivian TrombiniVIVIAN TROMBINI
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaismarlospg
 
Conto social 9º
Conto social 9ºConto social 9º
Conto social 9ºRoseny90
 
Literatura de cordel
Literatura de cordelLiteratura de cordel
Literatura de cordelGracita Fraga
 
MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...
MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...
MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...Carlos Fabiano de Souza
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literaturafabrinnem
 
Figuras de linguagem slide
Figuras de linguagem   slideFiguras de linguagem   slide
Figuras de linguagem slideJaciara Mota
 
Tipos de argumentos
Tipos de argumentosTipos de argumentos
Tipos de argumentosAna Castro
 

Mais procurados (20)

Os tipos de discurso
Os tipos de discursoOs tipos de discurso
Os tipos de discurso
 
narrativa de_ficcao
narrativa de_ficcaonarrativa de_ficcao
narrativa de_ficcao
 
Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
 
Contos populares
Contos populares Contos populares
Contos populares
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
 
VariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaVariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíStica
 
Gêneros literários - 1º Ano do Ensino Médio
Gêneros literários - 1º Ano do Ensino MédioGêneros literários - 1º Ano do Ensino Médio
Gêneros literários - 1º Ano do Ensino Médio
 
O verbete
O verbeteO verbete
O verbete
 
Elementos da narrativa - Professora Vivian Trombini
Elementos da narrativa - Professora Vivian TrombiniElementos da narrativa - Professora Vivian Trombini
Elementos da narrativa - Professora Vivian Trombini
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuais
 
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
 
Conto social 9º
Conto social 9ºConto social 9º
Conto social 9º
 
Narração
NarraçãoNarração
Narração
 
Literatura de cordel
Literatura de cordelLiteratura de cordel
Literatura de cordel
 
MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...
MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...
MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...
 
A reportagem
A reportagemA reportagem
A reportagem
 
Conto
ContoConto
Conto
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
 
Figuras de linguagem slide
Figuras de linguagem   slideFiguras de linguagem   slide
Figuras de linguagem slide
 
Tipos de argumentos
Tipos de argumentosTipos de argumentos
Tipos de argumentos
 

Semelhante a Slides narração

Semelhante a Slides narração (20)

Narracao
NarracaoNarracao
Narracao
 
NARRACAO.pptx
NARRACAO.pptxNARRACAO.pptx
NARRACAO.pptx
 
tipologias textuais e texto narrativo.pdf
tipologias textuais e texto narrativo.pdftipologias textuais e texto narrativo.pdf
tipologias textuais e texto narrativo.pdf
 
Narração
NarraçãoNarração
Narração
 
Narração
NarraçãoNarração
Narração
 
Narracao
NarracaoNarracao
Narracao
 
03 narracao ficcional ii
03   narracao ficcional ii03   narracao ficcional ii
03 narracao ficcional ii
 
Fábula - Texto Narrativo.pdf
Fábula - Texto Narrativo.pdfFábula - Texto Narrativo.pdf
Fábula - Texto Narrativo.pdf
 
Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
 
Noções básicas de linguagem cinematográfica
Noções básicas de linguagem cinematográficaNoções básicas de linguagem cinematográfica
Noções básicas de linguagem cinematográfica
 
Elementos da narrativa
Elementos da narrativaElementos da narrativa
Elementos da narrativa
 
generos.pptx
generos.pptxgeneros.pptx
generos.pptx
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
 
Escola Virtual....8ºano
Escola Virtual....8ºanoEscola Virtual....8ºano
Escola Virtual....8ºano
 
Categorias da narrativa
Categorias da narrativaCategorias da narrativa
Categorias da narrativa
 
Categorias da narativa
Categorias da narativaCategorias da narativa
Categorias da narativa
 
tipologiatextual-130813142120-phpapp02_(1).pdf
tipologiatextual-130813142120-phpapp02_(1).pdftipologiatextual-130813142120-phpapp02_(1).pdf
tipologiatextual-130813142120-phpapp02_(1).pdf
 
tipologiatextual-130813142120-phpapp02.pdf
tipologiatextual-130813142120-phpapp02.pdftipologiatextual-130813142120-phpapp02.pdf
tipologiatextual-130813142120-phpapp02.pdf
 

Mais de blogdoalunocefa

Vinícius de moraes 2000
Vinícius de moraes 2000Vinícius de moraes 2000
Vinícius de moraes 2000blogdoalunocefa
 
Saída de campo –casimiro de abreu
Saída de campo –casimiro de abreuSaída de campo –casimiro de abreu
Saída de campo –casimiro de abreublogdoalunocefa
 
Slides língua portuguesa apresentação
Slides língua portuguesa apresentaçãoSlides língua portuguesa apresentação
Slides língua portuguesa apresentaçãoblogdoalunocefa
 
Laboratório 80 retas paralelas cortadas por uma transversal.
Laboratório 80   retas paralelas cortadas por uma transversal.Laboratório 80   retas paralelas cortadas por uma transversal.
Laboratório 80 retas paralelas cortadas por uma transversal.blogdoalunocefa
 
Matematica eliete - atividade blog
Matematica    eliete - atividade blogMatematica    eliete - atividade blog
Matematica eliete - atividade blogblogdoalunocefa
 
Vozes verbais exercícios 3º ano
Vozes verbais exercícios 3º anoVozes verbais exercícios 3º ano
Vozes verbais exercícios 3º anoblogdoalunocefa
 
Orações subordinadas adjetivas ppt
Orações subordinadas adjetivas pptOrações subordinadas adjetivas ppt
Orações subordinadas adjetivas pptblogdoalunocefa
 
Orações subordinadas adjetivas exercícios 2º ano médio
Orações subordinadas adjetivas exercícios 2º ano médioOrações subordinadas adjetivas exercícios 2º ano médio
Orações subordinadas adjetivas exercícios 2º ano médioblogdoalunocefa
 
Slides coesão e corência
Slides coesão e corênciaSlides coesão e corência
Slides coesão e corênciablogdoalunocefa
 
Exercicios oraçõs subordinadas substantuivas
Exercicios oraçõs subordinadas substantuivasExercicios oraçõs subordinadas substantuivas
Exercicios oraçõs subordinadas substantuivasblogdoalunocefa
 
Exercicios foco narrativo
Exercicios foco narrativoExercicios foco narrativo
Exercicios foco narrativoblogdoalunocefa
 

Mais de blogdoalunocefa (20)

Vinícius de moraes 2000
Vinícius de moraes 2000Vinícius de moraes 2000
Vinícius de moraes 2000
 
Saída de campo –casimiro de abreu
Saída de campo –casimiro de abreuSaída de campo –casimiro de abreu
Saída de campo –casimiro de abreu
 
Visita objetivo 1
Visita objetivo 1Visita objetivo 1
Visita objetivo 1
 
Mundo virtual 1
Mundo virtual 1Mundo virtual 1
Mundo virtual 1
 
Mundo virtual 1
Mundo virtual 1Mundo virtual 1
Mundo virtual 1
 
Slides língua portuguesa apresentação
Slides língua portuguesa apresentaçãoSlides língua portuguesa apresentação
Slides língua portuguesa apresentação
 
Equações
EquaçõesEquações
Equações
 
Laboratório 80 retas paralelas cortadas por uma transversal.
Laboratório 80   retas paralelas cortadas por uma transversal.Laboratório 80   retas paralelas cortadas por uma transversal.
Laboratório 80 retas paralelas cortadas por uma transversal.
 
Matematica eliete - atividade blog
Matematica    eliete - atividade blogMatematica    eliete - atividade blog
Matematica eliete - atividade blog
 
Vozes verbais ppt
Vozes verbais pptVozes verbais ppt
Vozes verbais ppt
 
Vozes verbais exercícios 3º ano
Vozes verbais exercícios 3º anoVozes verbais exercícios 3º ano
Vozes verbais exercícios 3º ano
 
Orações subordinadas adjetivas ppt
Orações subordinadas adjetivas pptOrações subordinadas adjetivas ppt
Orações subordinadas adjetivas ppt
 
Orações subordinadas adjetivas exercícios 2º ano médio
Orações subordinadas adjetivas exercícios 2º ano médioOrações subordinadas adjetivas exercícios 2º ano médio
Orações subordinadas adjetivas exercícios 2º ano médio
 
Coesão textual 3º ano
Coesão textual 3º anoCoesão textual 3º ano
Coesão textual 3º ano
 
Coesão textual 2º ano
Coesão textual 2º anoCoesão textual 2º ano
Coesão textual 2º ano
 
Kant
KantKant
Kant
 
Apresent recup
Apresent recupApresent recup
Apresent recup
 
Slides coesão e corência
Slides coesão e corênciaSlides coesão e corência
Slides coesão e corência
 
Exercicios oraçõs subordinadas substantuivas
Exercicios oraçõs subordinadas substantuivasExercicios oraçõs subordinadas substantuivas
Exercicios oraçõs subordinadas substantuivas
 
Exercicios foco narrativo
Exercicios foco narrativoExercicios foco narrativo
Exercicios foco narrativo
 

Slides narração

  • 1. A NARRAÇÃO 1º ANO – ENSINO MÉDIO TURMAS 1000 e 1001 Professora: Isabel Azevedo
  • 2. A narração é um modo de organização de texto, onde o conteúdo está ligado às ações ou acontecimentos contados por um narrador.
  • 3. ELEMENTOS DA NARRATIVA •EnredoEnredo • PersonagensPersonagens • EspaçoEspaço • TempoTempo • NarradorNarrador
  • 4. O ENREDO É o conjunto de fatos ligados entre si que fundamentam a ação de um texto narrativo. O enredo pode ser organizado de diversas formas. Observe a seguir, a organização mais comum:
  • 5. •situação inicialsituação inicial – personagens e espaço sãopersonagens e espaço são apresentados.apresentados. • estabelecimento de um conflitoestabelecimento de um conflito – surge uma– surge uma situação a ser resolvida, que quebra asituação a ser resolvida, que quebra a estabilidade de personagens eestabilidade de personagens e acontecimentos.acontecimentos. • desenvolvimentodesenvolvimento – busca de solução do– busca de solução do conflito.conflito. • clímaxclímax – ponto de maior tensão na– ponto de maior tensão na narrativa.narrativa. • desfechodesfecho – solução do conflito.– solução do conflito.
  • 6. O ESPAÇO Espaço é o lugar em que a narrativa ocorre. .
  • 7. A construção do espaço contribui para elaborar as personagens. Se o autor descreve uma personagem que mora na cidade, em uma casa grande e todo organizado, o leitor imagina certas características para essa personagem, diferentes das que suporia para alguém que sempre viveu num deserto, por exemplo.
  • 8. O TEMPO Tempo em umaTempo em uma narrativa pode sernarrativa pode ser definido como adefinido como a duração da ação. Podeduração da ação. Pode serser cronológicocronológico ouou psicológico.psicológico.
  • 9. No tempo cronológico os fatos são apresentados de acordo com a ordem dos acontecimentos. Já o tempo psicológico é a maneira pela qual a passagem do tempo é vivenciada. O tempo nesse caso não é uma seqüência temporal linear, pois é medido pelas emoções e não pelo relógio.
  • 10. NARRADOR Tudo na narrativa depende do narrador, isto é, a voz que conta a história. O ponto principal de uma narrativa é o seu ponto de vista, ou seja, a perspectiva, o modo de contar e de organizar o que é contado. Desse modo, o narrador funciona como um mediador entre a história narrada e o leitor, ouvinte ou espectador. Basicamente, existem três tipos de ponto de vista, ou foco narrativo, determinado pelo tipo de narrador.
  • 11. Tipos de narradores 1 - Narrador-personagem: é o que conta a história da qual é participante. Ele é narrador e personagem ao mesmo tempo, e conta a história em 1ª pessoa
  • 12. •Quando avistei-a sozinha na arquibancada daQuando avistei-a sozinha na arquibancada da quadra, percebi que era a melhorquadra, percebi que era a melhor oportunidade para definitivamente conhecê-oportunidade para definitivamente conhecê- la. Então pedi a meu melhor amigo, Fabrício,la. Então pedi a meu melhor amigo, Fabrício, que me ajudasse com o planoque me ajudasse com o plano que eu tinhaque eu tinha bolado. Mas enquanto eu passava algumasbolado. Mas enquanto eu passava algumas coordenadas para Fabríciocoordenadas para Fabrício vi Marcos da 8ªvi Marcos da 8ª série se aproximar e sentar ao lado dela. Serásérie se aproximar e sentar ao lado dela. Será que eles estavam ficando? Mas logo oque eles estavam ficando? Mas logo o Marcos...Marcos...
  • 13. 2 - Narrador-observador (neutro): é o que conta uma história como alguém que observa o que acontece. Transmite para o leitor apenas os fatos que consegue observar e conta a história em 3ª pessoa, como nesse trecho:
  • 14. Aos quatorze anos, Miguel Strogoff, que desde os onze acompanhava o pai nas freqüentes incursões pela estepe, matara seu primeiro urso. A vida na estepe dera-lhe uma força e resistência incomuns e o rapaz podia passar vinte e quatro horas sem comer e dez noites sem dormir, sem aparentar excessivo desgaste físico, conseguindo sobreviver onde outros em pouco tempo morreriam. Era capaz de guiar-se em plena noite polar, pois o pai lhe ensinara os segredos da orientação – valendo-se de sinais quase imperceptíveis na neve e nas árvores, no vento e no vôo dos pássaros. (Júlio Verne, Miguel Strogoff, p. 16)
  • 15. 3 – Narrador onisciente: Não participa da história, mas faz várias intervenções com comentários e opiniões acerca das ações das personagens. O foco narrativo é em 3ª pessoa.
  • 16. “F lávia logo percebeu que as outras moradoras do prédio, mães dos amiguinhos do seu filho, Paulinho, seis anos, olhavam-na com um ar de superioridade. Não era para menos. Afinal o garoto até aquela idade — imaginem — se limitava a brincar e ir à escola.” “Se tinha medo, então era para a natação mesmo que ele iria entrar. Os medos devem ser eliminados na infância. Paulinho ainda quis argumentar. Sugeriu alpinismo. Foi a vez de os pais tremerem. Mas o medo dos pais é outra história. Paulinho entrou para a natação.” (Carlos Eduardo Novaes. A cadeira do dentista e outras crônicas. São Paulo: Ática, 1994. p. 15-7)
  • 17. A PERSONAGEM É um ser criado para um texto narrativo. Pode simular as características de uma pessoa, pode ser um animal, sentimento ou objeto personificado.
  • 18. Numa narrativa, pode haver personagens principais, que ocupam o primeiro lugar num acontecimento, e personagens secundários.
  • 19. Ao criar personagens devem-se desenvolver características físicas e psicológicas para elas. É preciso mostrar ao leitor como se parecem ou vestem, andam, falam, pensam, sentem. Alguns gêneros permitem descrições mais trabalhadas. Quando isso não é possível, descrever o espaço e uma característica da personagem já dá uma boa idéia de como ela é.
  • 20. BOA LEITURA: O SUCESSO TE ESPERA "É fácil trocar as palavras, Difícil é interpretar os silêncios! É fácil caminhar lado a lado, Difícil é saber como se encontrar! É fácil beijar o rosto, Difícil é chegar ao coração! É fácil apertar as mãos, Difícil é reter o calor! É fácil sentir o amor, Difícil é conter sua torrente! ... FERNANDO PESSOA Professora: Isabel Azevedo