Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio - Ricardo Reis

2.789 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.789
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
852
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
31
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio - Ricardo Reis

  1. 1. “Vem  sentar-­‐te  comigo,  lídia,  à  beira  do  rio”  –  Ricardo  Reis   Divisão  do  poema  em  partes   •  O  poema  «Vem  sentar-­‐te  comigo,  Lídia,  à  beira  do  rio»  pode  ser  dividido  em  três  partes  lógicas.  A   primeira  parte  é  consDtuída  pelas  duas  primeiras  estrofes,  a  segunda  é  composta  pelas  quatro  estrofes   seguintes  e  a  terceira  e  úlDma  parte  pelas  duas  estrofes  finais     Primeira  parte   •  O  sujeito  poéDco  dirige-­‐se  a  «Lídia»,  pedindo-­‐lhe  que  se  sente  com  ele  à  beira  do  rio,  aconselhando  que   observem  o  curso  do  mesmo,  de  mãos  enlaçadas,  e  que  aprendam  que  a  vida  passa  inevitavelmente  e   não  volta,  sendo,  por  isso,  fugaz,  como  a  corrente  do  rio,  importando,  assim,  gozar  o  momento  presente.   Inocentemente,  mas  com  o  autodomínio  dos  adultos,  deverão  ter  a  consciência  de  que  tudo  é  transitório,   estando  as  leis  do  desDno  acima  dos  próprios  deuses.   Segunda  parte   •  O  sujeito  poéDco  convida  a  sua  amada  a  desenlaçarem  as  mãos,  porque  é  preferível  olhar  o  rio   tranquilamente,  sem  grandes  paixões  nem  grandes  ódios,  amando-­‐se  serenamente,  «sem  trocar  beijos  e   abraços  e  carícias»,  colhendo  flores  cujo  perfume  lhes  suaviza  o  momento  presente,  a  eles,  «pagãos   inocentes  da  decadência»,  alertando-­‐a,  no  entanto,  de  que  poderão  evitar  a  dor  se  não  Dverem   lembranças  marcadas  por  emoções  fortes.     Terceira  parte   •  O  sujeito  poéDco  jusDfica  a  renúncia  aos  fugazes  prazeres  da  vida,  afirmando  que,  não  sendo  «mais  do   que  crianças»,  os  dois  evitarão  o  sofrimento  causado  pela  antevisão  da  morte,  conservando  serenidade,   pois  no  momento  da  morte  de  qualquer  um  deles,  a  recordação  será  “suave”  e  não  haverá  sofrimento   para  nenhuma  das  partes.    
  2. 2. Modo Indicativo Modo Conjuntivo Modo Imperativo Modo Condicional Passa (x2) Estamos (não) fica Deixa Regressa vai vale passamos vale levantam podíamos cremos lembrar-te-ás enlaçamos beijamos fomos terei ser-me-ás Fitemos Aprendamos Enlacemos Pensemos Desenlacemos (não) Gozemos tivesse amemo-nos quiséssemos colhamos suavize for arda fira mova levares Vem Pega Deixa Correria Iria Valor de certeza e realidade: o fluir e a transitoriedade inevitável da vida Valor exortativo: converter a sua amada Lídia à sua filosofia de vida Valor exortativo: converter a sua amada Lídia à sua filosofia de vida Valor de condição Modos  verbais  uDlizados   Expressividade  dos  modos  verbais   •  O  recurso  ao  modo  imperaDvo  e  conjunDvo  (sobretudo  no  presente)  servem  claramente  as  intenções  do   sujeito  poéDco:  converter  a  sua  amada  Lídia  à  sua  filosofia  de  vida,  ou  seja  põem  em  evidência  a  função   apelaDva  da  linguagem,  que  predomina  ao  longo  do  poema,  apresentando  um  valor  exortaDvo.     •  O  indicaDvo  demonstra  que  o  facto  é  real  e  inevitavelmente  «passamos»  como  o  rio,  porque  a  vida  é  fugaz   (ideia  que  também  se  evidencia  pelo  recurso  ao  gerúndio  em  «ouvindo»  e  «vendo»),  ou  seja  é  dada  a   sugestão  do  fluir,  da  transitoriedade  inevitável  da  vida.     •  A  uDlização  do  futuro  do  indicaDvo  serve  para  dar  a  noção  da  antevisão  da  morte,  enquanto  o  futuro  do   conjunDvo  o  senDdo  de  eventualidade  e  de  condição.     •  É  de  salientar  que  a  importância  dos  tempos  presente,  pretérito  imperfeito  e  futuro,  quer  no  modo   conjunDvo,  quer  no  modo  indicaDvo,  têm  o  objeDvo  de  acautelar  uma  situação  traduzida  pelo  verbo  no   infiniDvo  -­‐  «sofrer».    
  3. 3. Recursos  es:lís:cos   •  Apóstrofe  -­‐  «Vem  sentar-­‐te  comigo,  Lídia,  à  beira  rio»  (reforça  o  pedido  que  o  sujeito  poéDco  faz  à  sua   amada  com  o  objeDvo  de  observar  o  curso  do  mesmo);     •  Comparação  -­‐  «passamos  como  o  rio»  (intensifica  a  conceção  de  vida  do  sujeito  poéDco  relaDvamente   à  fugacidade  da  vida);     •  Enumeração  -­‐  «Sem  amores,  nem  ódios,  nem  paixões  […]/Nem  invejas  […]/Nem  cuidados»  (expressa  a   condição  necessária  para  que  ambos  possam  «passar»  pela  vida  sem  terem  recordações  que  à  hora  da   morte  os  façam  sofrer);     •  Eufemismo  -­‐  «se  for  sombra  antes»  (tem  como  objeDvo  nomear  a  morte  suavizando-­‐a,  não  só  em   termos  linguísDcos,  mas  também  vivenciais.  O  sujeito  poéDco  pretende  que  esse  não  seja  um  momento   de  sofrimento,  mas  sim  de  serenidade);     •  Perífrase  -­‐  «E  se  antes  do  que  eu  levares  o  óbolo  ao  barqueiro  sombrio»  (reforça  a  expressividade  do   eufemismo  anterior).   Presença  do  estoicismo  e  epicurismo   Este  poema  possui  quer  traços  do  estoicismo,  quer  do  epicurismo,  assim,  relaDvamente  ao  primeiro  podem   ser  salientados  os  versos  «Depois  pensemos,  crianças  adultas,  que  a  vida/Passa  e  não  fica,  nada  deixa  e   nunca  regressa,/Vai  para  um  mar  muito  longe,  para  ao  pé  do  Fado,  /mais  longe  que  o  Fado»,  que  fazem  a   apologia  da  indiferença  face  aos  bens  materiais  e  defesa  do  seguimento  de  virtudes  como  o  autodomínio   para  que  se  aceite  o  fatum  e  a  morte  inexorável.  No  que  diz  respeito  ao  epicurismo,  salientam-­‐se  os  versos   «Sem  amores,  nem  ódios,  nem  paixões  que  levantam  a  voz,/Nem  invejas  que  dão  movimento  demais  aos   olhos,/Nem  cuidados,  porque  se  os  Dvesse  o  rio  sempre  correria,/E  sempre  iria  ter  ao  mar»,  que  espelham   a  procura,  que  o  sujeito  poéDco  deve  fazer,  da  ausência  de  dor  e  sofrimento  e  aceitar  a  morte,  sem  receio.   Há  aqui  uma  defesa  da  procura  do  prazer  moderado,  da  calma,  da  ataraxia,  do  carpe  diem  horaciano.        

×