Mensagem	
  –	
  Fernando	
  Pessoa	
  
Brasão	
  -­‐	
  O	
  Dos	
  Castelos	
  
“O	
  dos	
  castelos”	
  
	
  
“Eis	
  ...
“O	
  dos	
  castelos”	
  
	
  
“Eis	
  aqui	
  quasi	
  cume	
  da	
  cabeça”	
  
	
  
Pessoa	
  não	
  se	
  refere	
  e...
“O	
  dos	
  castelos”	
  
	
  
“Eis	
  aqui	
  quasi	
  cume	
  da	
  cabeça”	
  
	
  
No	
  primeiro	
  poema	
  de	
  M...
Figura	
  de	
  esXlo	
  predominante	
  -­‐	
  metáfora	
  
“O	
  dos	
  castelos”	
  
	
  
“Eis	
  aqui	
  quasi	
  cume...
•  Recurso	
  ao	
  presente	
  do	
  indicaXvo	
  (jaz,	
  toldam-­‐Ihe,	
  é,	
  diz,	
  sustenta,	
  apoia)	
  e	
  
ao...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O dos Castelos - análise

11.971 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
11.971
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3.062
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
123
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O dos Castelos - análise

  1. 1. Mensagem  –  Fernando  Pessoa   Brasão  -­‐  O  Dos  Castelos   “O  dos  castelos”     “Eis  aqui  quasi  cume  da  cabeça”     Portugal  surge  como  o  rosto  da  Europa,  que   é  apresentada  como  uma  figura  feminina,   que  se  encontra  cansada,  deitada,  jacente,   mas  com  a  força  concentrada  no  olhar.     Portugal  surge  como  “quase  o  cume  da   cabeça  da  Europa”,  junto  ao  mar,  a   Ocidente,  com  condições  climatéricas   favoráveis.     Relações  de  intertextualidade:  Mensagem  e  Os  Lusíadas   Localização  de  Portugal  
  2. 2. “O  dos  castelos”     “Eis  aqui  quasi  cume  da  cabeça”     Pessoa  não  se  refere  especificamente  a  um   feito  histórico,  mas  refere-­‐se  ao  passado  no   seu  todo,  apenas  como  exemplo  e   inspiração;  é  a  lição  do  ter  sido  que  encerra   a  certeza  adivinhada  do  futuro  promissor   ðolha  para  o  passado  com  o  intuito  de   mudar  o  futuro,  o  Portugal  a  haver.     Camões  faz  referência  à  expulsão  dos   Mouros  do  território  português  às   conquistas  no  Norte  de  África  ð  olha  para  o   passado  glorioso.     Dimensão  temporal  
  3. 3. “O  dos  castelos”     “Eis  aqui  quasi  cume  da  cabeça”     No  primeiro  poema  de  Mensagem,  «O  dos  Castelos»,  o   sujeito  lírico  faz  a  localização  geográfica  da  Europa,   metaforicamente  apresentada  como  uma  figura  feminina:   «românXcos  cabelos»,  «olhos  gregos»,  o  «cotovelo   esquerdo  [  ...  ]diz  Itália»,  «o  direito  [  ...  ]  diz  Inglaterra   onde,  afastado,  /  A  mão  sustenta»  e  «o  rosto  [  ...  ]  é   Portugal».  Os  dois  «cotovelos»  remetem  para  as  raízes   culturais  da  Europa,  mas  a  reposição  da  grandeza  europeia   realizar-­‐se-­‐á  através  de  Portugal,  que  «fita,  com  olhar   s^ngico  e  fatal,  /  O  Ocidente,  futuro  do  passado»,  tendo  a   responsabilidade  de  ligar  o  Oriente  ao  Ocidente.  Assim,  o   sujeito  poéXco  localiza  Portugal  a  Ocidente,  como  a  face   da  Europa,  à  semelhança  de  Vasco  da  Gama,  que   apresenta  Portugal  como  o  «cume  da  cabeça  da  Europa»,   no  entanto  o  passado  surge  como  inspiração  para  o  futuro   promissor  de  Portugal.     N’  Os  Lusíadas,  Camões,  através  de   Vasco  da  Gama,  inicia  a  narração  da   História  de  Portugal  pela  sua   localização  geográfica.  Para  além  deste   aspeto,  o  poema  épico  revela  que  os   Portugueses  foram  eleitos  por  Deus   para  expandir  a  fé  cristã,  lutando   contra  os  Mouros.  O  poema  centra-­‐se   nas  glórias  do  passado.     Localização  e  missão  de  Portugal  
  4. 4. Figura  de  esXlo  predominante  -­‐  metáfora   “O  dos  castelos”     “Eis  aqui  quasi  cume  da  cabeça”     O  poema  «O  Dos  Castelos»  apresenta  uma   sucessão  de  metáforas,  figura  de  esXlo  que   permite  a  visualização  da  Europa  como  uma   figura  feminina,  cujo  rosto  é  Portugal.  O   sujeito  poéXco  evidencia  a  função  de   Portugal  na  Europa:  ligar  o  Oriente  ao   Ocidente,  de  modo  a  possibilitar  um  novo   futuro  –  a  construção  de  um  novo  império,   não  terrestre  ou  material,  mas  espiritual.   N'  Os  Lusíadas,  Portugal  é  metaforicamente   apresentado  como  o  «cume  da  cabeça  da   Europa»,  sugerindo-­‐se  que  é  uma  parte   imprescindível  da  Europa,  assim  como  a   cabeça  é  insubsXtuível  no  corpo  humano,   valorizando-­‐-­‐se,  deste  modo,  o  nosso  país.    
  5. 5. •  Recurso  ao  presente  do  indicaXvo  (jaz,  toldam-­‐Ihe,  é,  diz,  sustenta,  apoia)  e   ao  gerúndio  (fitando,  lembrando):   •  Formas  verbais  que  traduzem  o  aspeto  duraXvo  da  ação.     •  Numa  posição  de  prostração,  a  Europa  jaz,  mas  a  esperança  de   renovação  é  sugerida  pelo  verbo  fitar  (fita),  sobretudo  no  úlXmo  verso,   espécie  de  finda  (conclusão)  da  composição  poéXca.     •  Os  verbos  no  gerúndio  remetem-­‐nos  para  a  visão  e  para  a  memória,   aspetos  fundamentais  para  reter  a  realidade  circundante.       Formas  verbais  em  “O  dos  Castelos”  

×