O dos Castelos - análise

10.581 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
10.581
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2.875
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
106
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O dos Castelos - análise

  1. 1. Mensagem  –  Fernando  Pessoa   Brasão  -­‐  O  Dos  Castelos   “O  dos  castelos”     “Eis  aqui  quasi  cume  da  cabeça”     Portugal  surge  como  o  rosto  da  Europa,  que   é  apresentada  como  uma  figura  feminina,   que  se  encontra  cansada,  deitada,  jacente,   mas  com  a  força  concentrada  no  olhar.     Portugal  surge  como  “quase  o  cume  da   cabeça  da  Europa”,  junto  ao  mar,  a   Ocidente,  com  condições  climatéricas   favoráveis.     Relações  de  intertextualidade:  Mensagem  e  Os  Lusíadas   Localização  de  Portugal  
  2. 2. “O  dos  castelos”     “Eis  aqui  quasi  cume  da  cabeça”     Pessoa  não  se  refere  especificamente  a  um   feito  histórico,  mas  refere-­‐se  ao  passado  no   seu  todo,  apenas  como  exemplo  e   inspiração;  é  a  lição  do  ter  sido  que  encerra   a  certeza  adivinhada  do  futuro  promissor   ðolha  para  o  passado  com  o  intuito  de   mudar  o  futuro,  o  Portugal  a  haver.     Camões  faz  referência  à  expulsão  dos   Mouros  do  território  português  às   conquistas  no  Norte  de  África  ð  olha  para  o   passado  glorioso.     Dimensão  temporal  
  3. 3. “O  dos  castelos”     “Eis  aqui  quasi  cume  da  cabeça”     No  primeiro  poema  de  Mensagem,  «O  dos  Castelos»,  o   sujeito  lírico  faz  a  localização  geográfica  da  Europa,   metaforicamente  apresentada  como  uma  figura  feminina:   «românXcos  cabelos»,  «olhos  gregos»,  o  «cotovelo   esquerdo  [  ...  ]diz  Itália»,  «o  direito  [  ...  ]  diz  Inglaterra   onde,  afastado,  /  A  mão  sustenta»  e  «o  rosto  [  ...  ]  é   Portugal».  Os  dois  «cotovelos»  remetem  para  as  raízes   culturais  da  Europa,  mas  a  reposição  da  grandeza  europeia   realizar-­‐se-­‐á  através  de  Portugal,  que  «fita,  com  olhar   s^ngico  e  fatal,  /  O  Ocidente,  futuro  do  passado»,  tendo  a   responsabilidade  de  ligar  o  Oriente  ao  Ocidente.  Assim,  o   sujeito  poéXco  localiza  Portugal  a  Ocidente,  como  a  face   da  Europa,  à  semelhança  de  Vasco  da  Gama,  que   apresenta  Portugal  como  o  «cume  da  cabeça  da  Europa»,   no  entanto  o  passado  surge  como  inspiração  para  o  futuro   promissor  de  Portugal.     N’  Os  Lusíadas,  Camões,  através  de   Vasco  da  Gama,  inicia  a  narração  da   História  de  Portugal  pela  sua   localização  geográfica.  Para  além  deste   aspeto,  o  poema  épico  revela  que  os   Portugueses  foram  eleitos  por  Deus   para  expandir  a  fé  cristã,  lutando   contra  os  Mouros.  O  poema  centra-­‐se   nas  glórias  do  passado.     Localização  e  missão  de  Portugal  
  4. 4. Figura  de  esXlo  predominante  -­‐  metáfora   “O  dos  castelos”     “Eis  aqui  quasi  cume  da  cabeça”     O  poema  «O  Dos  Castelos»  apresenta  uma   sucessão  de  metáforas,  figura  de  esXlo  que   permite  a  visualização  da  Europa  como  uma   figura  feminina,  cujo  rosto  é  Portugal.  O   sujeito  poéXco  evidencia  a  função  de   Portugal  na  Europa:  ligar  o  Oriente  ao   Ocidente,  de  modo  a  possibilitar  um  novo   futuro  –  a  construção  de  um  novo  império,   não  terrestre  ou  material,  mas  espiritual.   N'  Os  Lusíadas,  Portugal  é  metaforicamente   apresentado  como  o  «cume  da  cabeça  da   Europa»,  sugerindo-­‐se  que  é  uma  parte   imprescindível  da  Europa,  assim  como  a   cabeça  é  insubsXtuível  no  corpo  humano,   valorizando-­‐-­‐se,  deste  modo,  o  nosso  país.    
  5. 5. •  Recurso  ao  presente  do  indicaXvo  (jaz,  toldam-­‐Ihe,  é,  diz,  sustenta,  apoia)  e   ao  gerúndio  (fitando,  lembrando):   •  Formas  verbais  que  traduzem  o  aspeto  duraXvo  da  ação.     •  Numa  posição  de  prostração,  a  Europa  jaz,  mas  a  esperança  de   renovação  é  sugerida  pelo  verbo  fitar  (fita),  sobretudo  no  úlXmo  verso,   espécie  de  finda  (conclusão)  da  composição  poéXca.     •  Os  verbos  no  gerúndio  remetem-­‐nos  para  a  visão  e  para  a  memória,   aspetos  fundamentais  para  reter  a  realidade  circundante.       Formas  verbais  em  “O  dos  Castelos”  

×