Horizonte	
  
	
  
Ó	
  mar	
  anterior	
  a	
  nós,	
  teus	
  medos	
  
Tinham	
  coral	
  e	
  praias	
  e	
  arvoredos...
Horizonte	
  
	
  
Ó	
  mar	
  anterior	
  a	
  nós,	
  teus	
  medos	
  
Tinham	
  coral	
  e	
  praias	
  e	
  arvoredos...
Horizonte	
  
	
  
Ó	
  mar	
  anterior	
  a	
  nós,	
  teus	
  medos	
  
Tinham	
  coral	
  e	
  praias	
  e	
  arvoredos...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Horizonte

4.074 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.074
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2.626
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
84
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Horizonte

  1. 1. Horizonte     Ó  mar  anterior  a  nós,  teus  medos   Tinham  coral  e  praias  e  arvoredos.   Desvendadas  a  noite  e  a  cerração1,   As  tormentas  passadas  e  o  mistério,   Abria  em  flor  o  Longe,  e  o  Sul  sidéreo   'Splendia  sobre  as  naus  da  iniciação.       Linha  severa  da  longínqua  costa  -­‐   Quando  a  nau  se  aproxima  ergue-­‐se  a  encosta   Em  árvores  onde  o  Longe  nada  Lnha;   Mais  perto  abre-­‐se  a  terra  em  sons  e  cores:   E,  no  desembarcar,  há  aves,  flores,   Onde  era  só,  de  longe,  a  abstrata  linha.       O  sonho  é  ver  as  formas  invisíveis   Da  distância  imprecisa,  e,  com  sensíveis   Movimentos  da  esp'rança  e  da  vontade,   Buscar  na  linha  fria  do  horizonte   A  árvore,  a  praia,  a  flor,  a  ave,  a  fonte-­‐   Os  beijos  merecidos  da  Verdade.       Horizonte  –  espaço  ilimitado  e  longínquo  do   projeto  ou  do  sonho  que  busca  alcançar.   Evocação  de  uma  época  dos  Descobrimentos:   •  Invocação  ao  mar,  espaço  por  descobrir,  o   caminho  da  viagem;   •  A  visão  e  a  descoberta  de  um  mundo  novo  a   dominar;   •  A  definição  do  sonho  como  impulso  para   conhecer.   Caracterização  da  linha  limite  que  uma  vez   ultrapassada  revela  belezas  desconhecidas  e  o   que  era  “noite”  (desconhecimento)  e   “cerração”  (desconhecido)  e  “mistério”   transforma-­‐se.     O  medo  é  a  antecâmara  necessária  da   descoberta,  nele  está  já  implícita  a  revelação.   Uma  vez  ultrapassado  o  medo,  a  revelação   surgirá.     1cerração  –  nevoeiro  espesso.  
  2. 2. Horizonte     Ó  mar  anterior  a  nós,  teus  medos   Tinham  coral  e  praias  e  arvoredos.   Desvendadas  a  noite  e  a  cerração,   As  tormentas  passadas  e  o  misterio,   Abria  em  flor  o  Longe,  e  o  Sul  sidéreo   'Splendia  sobre  as  naus  da  iniciação.       Linha  severa  da  longínqua  costa  -­‐   Quando  a  nau  se  aproxima  ergue-­‐se  a  encosta   Em  árvores  onde  o  Longe  nada  Lnha;   Mais  perto  abre-­‐se  a  terra  em  sons  e  cores:   E,  no  desembarcar,  há  aves,  flores,   Onde  era  só,  de  longe,  a  abstrata  linha.       O  sonho  é  ver  as  formas  invisíveis   Da  distância  imprecisa,  e,  com  sensíveis   Movimentos  da  esp'rança  e  da  vontade,   Buscar  na  linha  fria  do  horizonte   A  árvore,  a  praia,  a  flor,  a  ave,  a  fonte-­‐   Os  beijos  merecidos  da  Verdade.       Discurso  evocaLvo,  apelaLvo.   Enumeração  polissindéLca  –  progressão  faseada.   Metáfora  –  momento  da  descoberta  do   desconhecido.   A  nau  –  segurança  que  permite  realizar  a   travessia  dos  mares  –  e  da  existência  –  chegando   ao  Horizonte  longínquo  mas  grandioso  e  belo.   “iniciação”  –  os  que  são  iniciados,  aqueles  que   têm  uma  missão.   A  árvore  –  renovação,  vida  em  evolução.   A  praia  –  liberdade,  os  novos  horizontes  mais  amplos.   A  flor  –  amor,  harmonia.   A  ave  –  mundo  divino.   A  fonte  –  a  origem  da  vida.  
  3. 3. Horizonte     Ó  mar  anterior  a  nós,  teus  medos   Tinham  coral  e  praias  e  arvoredos.   Desvendadas  a  noite  e  a  cerração,   As  tormentas  passadas  e  o  misterio,   Abria  em  flor  o  Longe,  e  o  Sul  sidéreo   'Splendia  sobre  as  naus  da  iniciação.       Linha  severa  da  longínqua  costa  -­‐   Quando  a  nau  se  aproxima  ergue-­‐se  a  encosta   Em  árvores  onde  o  Longe  nada  Lnha;   Mais  perto  abre-­‐se  a  terra  em  sons  e  cores:   E,  no  desembarcar,  há  aves,  flores,   Onde  era  só,  de  longe,  a  abstrata  linha.       O  sonho  é  ver  as  formas  invisíveis   Da  distância  imprecisa,  e,  com  sensíveis   Movimentos  da  esp'rança  e  da  vontade,   Buscar  na  linha  fria  do  horizonte   A  árvore,  a  praia,  a  flor,  a  ave,  a  fonte-­‐   Os  beijos  merecidos  da  Verdade.       Buscar  a  verdade  nesses  valores  espirituais.   Caracterização  do  “horizonte”.   Presente  do  indicaLvo  –  permite  encará-­‐lo  como   um  projeto  de  futuro.   •  É  preciso  fazer  a  viagem  para  ter  a  revelação   da  verdade  que  antes  era  mistério.   •  A  verdade  está  lá,  mas  é  preciso  vencer  o   medo  para  a  ver.   A  descoberta  da  terra  é  a  descoberta  da  verdade.   Iniciação  enquanto  caminho  dibcil  que  conduz  a   revelações  profundas,  à  verdade.     A  posse  desta  verdade  é  uma  viagem  iniciáLca  à   custa  do  sofrimento  sacrificial  –  é  a  recompensa   da  verdade  oculta.  

×