D. João I - Mensagem

6.166 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.166
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3.073
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
74
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

D. João I - Mensagem

  1. 1.   D.  João  o  Primeiro     O  homem  e  a  hora  são  um  só   Quando  Deus  faz  e  a  história  é  feita.   O  mais  é  carne,  cujo  pó   A  terra  espreita.       Mestre,  sem  o  saber,  do  Templo   Que  Portugal  foi  feito  ser,   Que  houveste  a  glória  e  deste  o  exemplo   De  o  defender.       Teu  nome,  eleito  em  sua  fama,   É,  na  ara  da  nossa  alma  interna,   A  que  repele,  eterna  chama,   A  sombra  eterna.       Conceção  messiânica  da  História:   •  A  primeira  quadra  apresenta,  através  de   afirmações  de  natureza  axiomáOca,  a   atuação  do  homem  (herói)  como   decorrente  do  desejo  divino:   •  “Quando  Deus  faz”  através  do   “homem”,  “a  história  é  feita”.     •  Conjugação  do  espírito  celeste  com  o   anseio  dos  predesOnados  que  leva  aos   grandes  feitos  e  garante  a  imortalidade  (o   mito),  pois  a  matéria  é  perecível:     •  “O  mais  é  carne,  cujo  pó  /  A  terra   espreita.”  (vv.  3-­‐4).      
  2. 2.   D.  João  o  Primeiro     O  homem  e  a  hora  são  um  só   Quando  Deus  faz  e  a  história  é  feita.   O  mais  é  carne,  cujo  pó   A  terra  espreita.       Mestre,  sem  o  saber,  do  Templo   Que  Portugal  foi  feito  ser,   Que  houveste  a  glória  e  deste  o  exemplo   De  o  defender.       Teu  nome,  eleito  em  sua  fama,   É,  na  ara  da  nossa  alma  interna,   A  que  repele,  eterna  chama,   A  sombra  eterna.       D.  João  I     •  predesOnado  escolhido  por  Deus  que,  “sem  o   saber”  (v.  5),  e  de  forma  inesperada  (por  ser   bastardo),  foi  “eleito”  (v.  9)  para  orientar  o   “Templo  /  Que  Portugal  foi  feito  ser”  (vv.  5-­‐6).   •  Ganhou  a  “eterna  chama”  (v.  11),  ou  seja,  a   imortalidade.       D.  João,  O  de  Boa  Memória:   •  Aclamado  Rei  de  Portugal  em  1385,  D.  João  era   «Mestre  de  Avis».   •  Em  1383,  com  28  anos,  D.  João  Onha  morto  o   Conde  Andeiro,  pondo  fim  a  uma  conspiração  na   corte  que  pretendia  entregar  o  trono  português  a   Espanha.     •  Desejo  de  independência  reforçado  em  14  de   Agosto  de  1385  -­‐  as  tropas  comandadas  pelo  seu   Condestável  Nuno  Alvares  Pereira  derrotaram  os   Espanhóis.    

×