D. Fernando - Mensagem

6.809 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.809
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4.038
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
78
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

D. Fernando - Mensagem

  1. 1. D.  Fernando,  Infante  de  Portugal     Deu-­‐me  Deus  o  seu  gládio,  porque  eu  faça   A  sua  santa  guerra.   Sagrou-­‐me  seu  em  honra  e  em  desgraça,   Às  horas  em  que  um  frio  vento  passa   Por  sobre  a  fria  terra.       Pôs-­‐me  as  mãos  sobre  os  ombros  e  doirou-­‐me   A  fronte  com  o  olhar;   E  esta  febre  de  Além,  que  me  consome,   E  este  querer  grandeza  são  seu  nome   Dentro  em  mim  a  vibrar.       E  eu  vou,  e  a  luz  do  gládio  erguido  dá   Em  minha  face  calma.   Cheio  de  Deus,  não  temo  o  que  virá,   Pois  venha  o  que  vier,  nunca  será   Maior  do  que  a  minha  alma.       D.  Fernando,  o  «Infante  Santo»:   •  Membro  da  Ínclita  Geração.   •  MárOr:   •  O  maior  sofrimento  foi-­‐lhe  causado   depois  de  ser  capturado  na  campanha   militar  de  Tânger,  ficando  prisioneiro   dos  Muçulmanos  durante  seis  anos;   •  Torturado  pela  sede  e  fome;   •  Depois  de  morto,  embalsamaram-­‐no  e   colocaram-­‐no  em  exposição,   pendurado  pelos  pés,  nas  muralhas,   para  que  todos  vissem;   •  Durante  a  sua  vida  em  caOveiro,   escreveu  ao  seu  irmão  aconselhando-­‐o   a  não  entregar  Ceuta,  porque  valia   mais  do  que  o  seu  resgate.   •  MárOr  em  nome  de  Cristo  e  por  ter   favorecido  o  “bem  nacional”  com  o  seu   sacriWcio.   •  É  considerado  uma  das  cinco  quinas   presentes  no  brasão  nacional.    
  2. 2. D.  Fernando,  Infante  de  Portugal     Deu-­‐me  Deus  o  seu  gládio,  porque  eu  faça   A  sua  santa  guerra.   Sagrou-­‐me  seu  em  honra  e  em  desgraça,   Às  horas  em  que  um  frio  vento  passa   Por  sobre  a  fria  terra.       Pôs-­‐me  as  mãos  sobre  os  ombros  e  doirou-­‐me   A  fronte  com  o  olhar;   E  esta  febre  de  Além,  que  me  consome,   E  este  querer  grandeza  são  seu  nome   Dentro  em  mim  a  vibrar.       E  eu  vou,  e  a  luz  do  gládio  erguido  dá   Em  minha  face  calma.   Cheio  de  Deus,  não  temo  o  que  virá,   Pois  venha  o  que  vier,  nunca  será   Maior  do  que  a  minha  alma.       UOlização  da  primeira  pessoa:   •  IdenOficação  do  sujeito  lírico  com  a  personagem   histórica  a  quem  é  dedicado  o  poema.   •  Colocando  o  próprio  “homenageado”  a  falar   sobre  si  e  sobre  a  sua  imolação,  confere-­‐se  maior   credibilidade  ao  discurso  e  valoriza-­‐se  o  (pseudo)   fracasso  do  herói,  jusOficado  por  intenções   superiores.     •  InvesOdo  por  Deus  para  levar  a  cabo  a  sua  “santa   guerra”,  a  sua  demanda  espiritual.     •  Coragem  -­‐  “Cheio  de  Deus”  (v.  13),  inspirado,   nada  será  maior  que  a  sua  “alma”  (v.  15),  ou  seja,   que  a  sua  moOvação  celeste.   •  Um  “escolhido”  que,  ao  receber  o  “gládio”  divino,   com  ele  se  “Sagrou”,  e  como  um  ser  a  quem   Cristo  “doirou  [...]  com  o  olhar”  (vv.  6-­‐7)  e   preencheu  com  uma  “febre  de  Além”  (v.  8)  e  um   “querer  grandeza”  (v.  9).  

×