Sermão	
  de	
  Santo	
  António	
  aos	
  Peixes	
  –	
  Padre	
  António	
  Vieira	
  (capítulo	
  II)	
  –	
  Leitura	
...
Nova	
  explicitação	
  do	
  
conceito	
  predicável	
  –	
  
citação	
  biblíca	
  que	
  
confere	
  autoridade	
  e	
 ...
Há	
  que	
  repreender,	
  
mas	
  também	
  louvar	
  e	
  
até	
  imitar	
  os	
  peixes.	
  

S.	
  Basílio,	
  bispo	...
Paradoxo	
  –	
  através	
  desta	
  atribuição	
  de	
  termos	
  contrários	
  
à	
   mesma	
   realidade,	
   Padre	
  ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Cap.ii sermão leitura_ativa

2.603 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Cap.ii sermão leitura_ativa

  1. 1. Sermão  de  Santo  António  aos  Peixes  –  Padre  António  Vieira  (capítulo  II)  –  Leitura  a.va   O  facto  dos  peixes  não  se   converterem  não  é   representa.vo,  já  que  do  mesmo   mal  sofrem  os  homens.     Conjunção   coordena.va   adversa.va   Ironia  –  Os  homens  são  um   auditório  ainda  “pior”  que   este.     Interrogação  retórica     Qualidades  e  defeitos     dos  peixes:  ouvem  e   não  falam.   Enfim,  que  havemos  de  pregar  hoje  aos  peixes?  Nunca  pior  auditório.  Ao   menos  têm  os  peixes  duas  boas  qualidades  de  ouvintes:  ouvem  e  não  falam.   Uma  só  cousa  pudera  desconsolar  ao  pregador,  que  é  serem  gente  os  peixes   que  se  não  há-­‐de  converter.  Mas  esta  dor  é  tão  ordinária,  que  já  pelo   costume  quase  se  não  sente.  Por  esta  causa  não  falarei  hoje  em  Céu  nem   Inferno;  e  assim  será  menos  triste  este  sermão,  do  que  os  meus  parecem  aos   homens,  pelos  encaminhar  sempre  à  lembrança  destes  dois  fins.   Ironia  –  Padre  António  Vieira  pretende   demonstrar  a  ideia  que  os  homens  têm  da  igreja  e   dos  sermões,  assim  como  a  inconsciência  destes   face  à  vida,  pois  para  eles  o  encaminhamento  que   o  pregador  lhes  proporciona  é  “triste”.  Por   oposição,  o  pregador  afirma  que  não  fará  um   sermão  “triste”,  por  que  não  falará  de  “Céu”  nem   de  “Inferno”,  quando  na  realidade  esses  dois   conceitos  estão  subjacentes.     Ironia  –  reforça   a  crí.ca  que  é   feita  aos   moradores  do   Maranhão,  que   não  ouviam   nem  acatavam  a   palavra  do   pregador.   Crí.ca  aos  homens  que  não  servem  a   Cristo  e  não  vivem  segundo  os   princípios  cristãos,  aliás,  os  homens   não  têm  qualquer  interesse  em  ouvir  a   palavra  de  Deus.  
  2. 2. Nova  explicitação  do   conceito  predicável  –   citação  biblíca  que   confere  autoridade  e   verdade  ao  que  é  dito.   Crí.ca   velada  aos   outros   pregadores     Apóstrofe  –  dirige-­‐se  aos  peixes,  ao   seu  auditório.  U.lização  de  “irmãos”   revela  proximidade.   Vos  es&s  sal  terrae.  Haveis  de  saber,  irmãos  peixes,  que   o  sal,  filho  do  mar  como  vós,  tem  duas  propriedades,  as   quais  em  vós  mesmos  se  experimentam:  conservar  o  são   e  preservá-­‐lo  para  que  se  não  corrompa.  Estas  mesmas   propriedades  .nham  as  pregações  do  vosso  pregador   Santo  António,  como  também  as  devem  ter  as  de  todos   os  pregadores.  Uma  é  louvar  o  bem,  outra  repreender  o   mal:  louvar  o  bem  para  o  conservar  e  repreender  o  mal   para  preservar  dele.  Nem  cuideis  que  isto  pertence  só   aos  homens,  porque  também  nos  peixes  tem  seu  lugar.     Paralelismo  metafórico  entre  o  sal  e  o  sermão:   -­‐  Sal:   -­‐  Conservar  o  são  e  preservar  da  corrupção;   -­‐  Sermão:   -­‐  Louvar  o  bem  para  o  conservar  e  repreender  o  mal  para  o  precaver.   Comparação  entre  os   peixes  e  o  próprio  sal.   U.lização  expressiva   do  verbo   modalizador  “dever”   +  verbo  principal   “ter”  =  probabilidade   e  não  certeza  
  3. 3. Há  que  repreender,   mas  também  louvar  e   até  imitar  os  peixes.   S.  Basílio,  bispo  e  doutor   da  Igreja,  nasceu  na   Capadócia  (Turquia),  no   ano  330   Assim  o  diz  o  grande  Doutor  da  Igreja  S.  Basílio:  Non   carpere  solum,  reprehendereque  possumus  pisces,  sed   sunt  in  illis,  et  quae  prosequenda  sunt  imita&one:  «Não   só  há  que  notar,  diz  o  Santo,  e  que  repreender  nos   peixes,  senão  também  que  imitar  e  louvar.»  Quando   Cristo  comparou  a  sua  Igreja  à  rede  de  pescar,  Sagenae   missae  in  mare,  diz  que  os  pescadores  «recolheram  os   peixes  bons  e  lançaram  fora  os  maus»:  Elegerunt  bonos   in  vasa,  malos  autem  foras  miserunt.  E  onde  há  bons  e   maus,  há  que  louvar  e  que  repreender.     “As  redes  foram   lançadas  ao   mar.”  (Mateus,  13,   47).   Em  qualquer   realidade  há   bons  e  maus.  
  4. 4. Paradoxo  –  através  desta  atribuição  de  termos  contrários   à   mesma   realidade,   Padre   António   Vieira   pretende   alertar   os   ouvintes   para   a   necessidade   e   importância   da   palavra   de   Deus,   que   deve   ser   ouvida     em   vida   e   não   experimentada    só  na  morte  através  do  Juízo  Final.   Expressão   que   e n u n c i a   u m a   c o n c l u s ã o   p e r a n t e   o   exposto.   Estrutura  do  sermão:  2  partes   •  Louvores   /   qualidades   (cap.   I I   –   g e r a l ;   c a p .   I I I   –   par.cular);   •  Vícios   /defeitos   (cap.   IV   –   geral;  cap.  V  –  par.cular)   Suposto  isto,  para  que  procedamos  com  clareza,   dividirei,  peixes,  o  vosso  sermão  em  dois  pontos:  no   primeiro  louvar-­‐vos-­‐ei  as  vossas  virtudes,  no   segundo  repreender-­‐vos-­‐ei  os  vossos  vícios.  E  desta   maneira  sa.sfaremos  às  obrigações  do  sal,  que   melhor  vos  está  ouvi-­‐las  vivos,  que  experimentá-­‐las   depois  de  mortos.   Começando  pois,  pelos  vossos  louvores,  irmãos   peixes,  bem  vos  pudera  eu  dizer  que  entre  todas  as   criaturas  viventes  e  sensi.vas,  vós  fostes  as   primeiras  que  Deus  criou.     As  virtudes  que  serão  apresentadas  são,  por  contraste,  a  metáfora   dos  defeitos  dos  homens  e  os  vícios  são  diretamente  a  metáfora  dos   vícios  dos  homens.   Os   peixes   foram   a   primeira   criatura   a   ser   criada   por   Deus   (sendo   “os   mais   e   os   maiores”).  

×