Fernando Pessoa - FD

1.277 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.277
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
182
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fernando Pessoa - FD

  1. 1. Fernando Pessoa Francisco Salvado Dias 4º Ano (Professor: Fernando Vasques)
  2. 2. Índice• Vida e Obra• Alguns poemas do livro «Mensagem»• Ulisses• D. Afonso Henriques• Viriato• Nuno Álvares Pereira
  3. 3. Vida e Obra• Nasceu em Lisboa em 13 de junho de 1888 e morreu em 30 de novembro de 1935, também em Lisboa.• Entre 1896 e 1905 viveu em Durban, África do Sul.• É considerado o maior poeta português do século XX.• Escreveu sob vários heterónimos: Alberto Caeiro, Álvaro de Campos e Ricardo Reis são os mais conhecidos.• Em 1934 publica “Mensagem”, uma das suas obras mais conhecidas.• Escreveu também prosa, com destaque para “Livro do Desassossego”.
  4. 4. Se depois de eu morrer• Se depois de eu morrer, quiserem escrever a minha biografia, Não há nada mais simples Tem só duas datas — a da minha nascença e a da minha morte. Entre uma e outra todos os dias são meus.
  5. 5. Alguns poemas dolivro «Mensagem»
  6. 6. Ulisses• O mito é o nada que é tudo. O mesmo sol que abre os céus É um mito brilhante e mudo — O corpo morto de Deus, Vivo e desnudo…
  7. 7. D. Afonso Henriques• Pai, foste cavaleiro. Hoje a vigília é nossa. Dá-nos o exemplo inteiro E a tua inteira força! Dá, contra a hora em que, errada, Novos infiéis vençam, A bênção como espada, A espada como bênção!..
  8. 8. Viriato• Se a alma que sente e faz conhece Só porque lembra o que esqueceu, Vivemos, raça, porque houvesse Memória em nós do instinto teu. Nação porque reincarnaste, Povo porque ressuscitou Ou tu, ou o de que eras a haste — Assim se Portugal formou…
  9. 9. Nun’Álvares Pereira• Que auréola te cerca? É a espada que, volteando, Faz que o ar alto perca Seu azul negro e brando. Mas que espada é que, erguida, Faz esse halo no céu? É Excalibur, a ungida, Que o Rei Artur te deu.
  10. 10. O Mostrengo• O mostrengo que está no fim do mar Na noite de breu ergueu-se a voar; À roda da nau voou três vezes, Voou três vezes a chiar, E disse, “Quem é que ousou entrar Nas minhas cavernas que não desvendo, Meus tetos negros do fim do mundo?” E o homem do leme disse, tremendo: “El-Rei D. João Segundo!”
  11. 11. Fontes• Wikipédia• Maria de Lourdes Varandas e Maria Manuela Santos, “Poetas de Hoje e de Ontem – Para os Mais Novos”, Edições Chimpanzé Intelectual, 2007.• José António Gomes e António Modesto, “Poesia de Fernando Pessoa para todos”, Porto Editora, 2008.
  12. 12. Fim

×