Uma visão de Gestão por Processo em Instituição de Saúde

1.718 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.718
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Uma visão de Gestão por Processo em Instituição de Saúde

  1. 1. Uma visão de Gestão por processos nas Instituições de Saúde Vagner Bermeijo Médico Anestesiologista Membro SBA e SAESP Membro APM e AMB
  2. 2. GENERALIDADES <ul><li>A FINALIDADE DA ADMINISTRAÇÃO É OPERACIONALIZAR OS EMPREENDIMENTOS FOCANDO OS INDICADORES CONSTANTES NOS PROJETOS DE VIABILIDADES TÉCNICO-OPERACIONAIS INTEGRADOS COM OS ECONÔMICO-FINANCEIROS. AO LONGO DO TEMPO, CADA EMPREENDIMENTO DEVE INTERNALIZAR NOVOS CONHECIMENTOS QUE ASSEGUREM A INDISPENSÁVEL SAÚDE ECONÔMICO-FINANCEIRA DE PERENIDADE </li></ul>
  3. 3. OBJETIVO <ul><li>Conceitos e princípios fundamentais da gestão dos serviços em saúde </li></ul><ul><li>Modelo Indústria e Comércio X Modelo específico para Instituição de Saúde </li></ul><ul><li>Conceito de gestão por processos: </li></ul><ul><li>As organizações são constituídas por uma complexa combinação de Recursos ( Capital Humano, Capital Intelectual, Instalações, Equipamentos, Sistemas Informizados, etc.) interdependentes e interrrelacionados, que devem perseguir os mesmos objetivos e cujo desempenhos devem ser analisados no tempo de forma articulada e articuladora. </li></ul><ul><li>Métodos e técnicas adequadas à operação: </li></ul><ul><li>Programa sistêmico de interatividades – contemplando métricas inferidas e determinantes da Instituição de Saúde - para assegurar as eliminações simultâneas dos gargalos Técnicos, Operacionais, Administrativos, Econômicos e Financeiros. </li></ul><ul><li>. O processo de planejamento da execução e dos resultados é muito delicado nas Instituições de Saúde e exige completo detalhamento e parametrização. </li></ul>
  4. 4. AS DESCRIÇÕES CONCEITUAIS EM MODELAGENS DE PROCESSAMENTOS MÚLTIPLOS E SIMULTÂNEOS, PARA MISSÃO, DIRETRIZES , PONTOS DE ESTRANGULAMENTOS, METAS, OBJETIVOS E VISÃO DEVEM SER CLARAS, OU SEJA: <ul><li>MISSÃO – É A OPERACIONALIZAÇÃO DA INSTITUIÇÃO DE SAÚDE COM ATENUAÇÃO DOS DESBALANCEAMENTOS, INADEQUAÇÕES E DESARTICULAÇÕES DOS SEUS RECURSOS </li></ul><ul><li>DIRETRIZES – CORRESPONDEM AOS CRITÉRIOS GERAIS E ESPECÍFICOS QUE DEVEM NORTEAR AS AÇÕES TRANSFORMADORAS DA MISSÃOINSTITUIÇÃO DE SAÚDE A VISÃODA INSTITUIÇÃO DE SAÚDE </li></ul><ul><li>PONTOS DE ESTRANGULAMENTOS – SÃO OS GARGALOS TÉCNICOS, OPERACIONAIS, ADMINISTRATIVOS E ECONÔMICO-FINANCEIROS MAPEADOS COM ESPECIFICAÇÕES E QUANTIFICAÇÕES DE RECURSOSINSTITUIÇÃO DE SAÚDE NECESSÁRIOS E SUFICIENTES AS SUAS REMOÇÕES NO TEMPO </li></ul><ul><li>METAS – SÃO MOMENTOS QUE COMPREENDEM CONJUNTOS DE EVENTOS DE REMOÇÕES DE PONTOS DE ESTRANGULAMENTOSINSTITUIÇÃO DE SAÚDE </li></ul><ul><li>OBJETIVOS – SÃO MOMENTOS QUE ABRIGAM METASINSTITUIÇÃO DE SAÚDE NA DIREÇÃO DA VISÃOINSTITUIÇÃO DE SAÚDE </li></ul><ul><li>VISÃO – É O MOMENTO DE OPERACIONALIZAÇÃO DA INSTITUIÇÃO DE SAÚDE COM RECURSOS OTIMIZADOS, COM QUALIDADE E SEGURANÇA, COM CONTROLE DOS CUSTOS POR PROCESSOS E REMUNERAÇÕES DÍGNAS </li></ul>
  5. 5. <ul><li>Promover, manter a saúde e tratar males de etiologia, origens, natureza e complexidade variadas da População – pediátrica, adulta, gestante e terceira idade – humanizando a atenção dedicada aos pacientes, de modo especial e personalizado, com respeito e dignidade. </li></ul>
  6. 6. Quatro fatores contribuem para o estado de saúde de uma População – Pediátrica, Adulta, Gestante e Terceira Idade – Individual ou coletivo: <ul><li>Aspectos Genéticos </li></ul><ul><li>Desenvolvimento Socioeconômico </li></ul><ul><li>Estilo de vida </li></ul><ul><li>Serviços em saúde </li></ul><ul><li>Estes fatores influenciam a definição da forma e intensidade dos investimentos aportados à políticas de saúde </li></ul>
  7. 7. Processos dos Serviços em Saúde <ul><li>“ Processos são a arquitetura de serviços e descrevem o método e a sequência em que sistemas operacionais de serviços se interligam para criar as experiências e os resultados que os clientes valorizarão” (Lovelock e Wirtz – 2006:187). </li></ul><ul><li>A concepção, a discriminação, a descrição de cada etapa, os pontos críticos de sua realização, as possíveis falhas que podem ocorrer e as maneiras de atenuar seus efeitos e corrigí-los revelam a importância do desenho dos processos ou fluxograma. </li></ul>
  8. 8. SISTEMA INTEGRADO DE INFORMAÇÕES DE PLANEJAMENTO E GESTÃO (SIIPG) <ul><li>O SIIPG DEVE SER DESENVOLVIDO COM UMA ESTRUTURA DE PROGRAMAÇÃO E EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA CAPAZ DE FAZER SIMULAÇÕES APROPRIADAS PARA INSTITUIÇÃO DE SAÚDE EM CONFORMIDADE COM O PLANO DIRETOR ESTRAÉGICO ELABORADO EXPLICITANDO: </li></ul><ul><li>ASPECTOS TÉCNICOS – “O QUE”, “PARA QUEM”, “ONDE” E “COMO” </li></ul><ul><li>ASPECTOS OPERACIONAIS – “COM QUEM” E “DEMAIS RECURSOS” </li></ul><ul><li>ASPECTOS ADMINISTRATIVOS – FERRAMENTAS ESPECÍFICAS ADMINISTRATIVAS INTEGRADOS COM </li></ul><ul><li>ASPECTOS ECONÔMICO-FINANCEIROS – DEMANDA, OFERTA, RECURSOS, CUSTOS, RECEITAS E DESEMPENHOS </li></ul>
  9. 9. INDICAÇÕES BÁSICAS DOS ASPECTOS ECONÔMICO-FINANCEIRO <ul><li>O SISTEMA DE INFORMAÇÃO INTEGRADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO APÓS ANÁLISES, SISTEMATIZAÇÕES E CONSOLIDAÇÕES DOS DADOS COLETADOS NA INSTITUIÇÃO DE SAÚDE DEVE RESULTAR EM UMA RESULTANTE QUE CONTEXTUALIZA A INSTITUIÇÃO DE SAÚDE NO ATUAL CENÁRIO E NO CENÁRIO OTIMIZADO CONSIDERANDO OS SEGUINTES ÍTENS ABAIXO: </li></ul><ul><li>1 – LINHA DE CUIDADOS ASSISTENCIAIS NA INSTITUIÇÃO DE SAÚDE - (PEDIÁTRICA, ADULTA, GESTANTE E TERCEIRA IDADE X PERFIL EPIDEMIOLÓGICO X GRAU DE COMPLEXIDADE). </li></ul><ul><li>2 – RECURSOS HUMANOS PARA REALIZAÇÃO DOS PROGRAMAS NA INSTITUIÇÃO DE SAÚDE. </li></ul><ul><li>3 – REFERENCIAIS DE INVESTIMENTOS ALOCADOS NOS PROGRAMAS DA INSTITUIÇÃO DE SAÚDE (EDIFICAÇÃO, EQUIPAMENTOS, CAPITAL DE GIRO, FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS, REQUALIFICAÇÃO DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL). </li></ul>
  10. 10. CONSIDERAÇÕES FINAIS <ul><li>O GESTOR TÉCNICO DA INSTITUIÇÃO DE SAÚDE DEVE ENTENDER QUE UMA INSTITUIÇÃO DE SAÚDE DEVE SER OPERACIONALIZADO SISTEMATICAMENTE; QUE TODAS AS UNIDADESHOSPITAL TEM FUNÇÕES QUE COMTEMPLAM PROCESSOS QUE LHES SÃO ESPECÍFICOS E QUE OS RECURSOS SERÃO ALOCADOS CONFORME OS PROTOCOLOS DE CADA UNIDADE. </li></ul><ul><li>GESTÃO É O DOMÍNIO DOS PROCESSOS DE PROTOCOLOS APLICADOS. </li></ul><ul><li>A INSTITUIÇÃO DE SAÚDE É UMA UNIDADE QUE LIDA COM DECISÕES OPERACIONAIS, TÁTICAS E ESTRATÉGICAS NO ÂMBITO TÉCNICO-OPERACIONAL EM PROL DE SEUS PACIENTES. TRATA-SE DE PROCESSOS QUE INTERNALIZA O RECURSO DE OUTRAS UNIDADES. </li></ul><ul><li>A CULTURA ORGANIZACIONAL PRECISA SER CONSIDERADA EM SUA VISÃO MAIS AMPLA PARA ALCANÇAR SUA REESTRUTURAÇÃO E ASSIM SOLIDIFICAR O PROCESSO DE MUDANÇA CULTURAL. </li></ul><ul><li>A BUSCA DE RENOVAÇÃO DO PENSAMENTO GERENCIAL NOS DEIXOU UMA LIÇÃO, LEVANDO-NOS A CONCLUIR QUE A GESTÃO JÁ NÃO PODE SER CONCEBIDA COMO UMA COLEÇÃO DE TÉCNICAS E RECEITAS, MAS DEVE SER EXERCIDA NUM QUADRO DE RELAÇÃO SOCIAL. </li></ul>

×